Caixa de Correio #70 - Adios, 2017!

31 de dezembro de 2017

Última caixinha pra fechar o ano de um jeito bastante satisfatório mesmo que eu tenha ficado atolada e ainda tenha várias pendências pra dar conta. Como sempre, desde que Vitória nasceu, Dezembro é o mês mais corrido da minha vida e acabo não conseguindo ter o devido tempo que gostaria, mas até que fui bem levando em consideração todo o sufoco que ando passando.

Bora dar uma espiada no que recebi:

Wishlist #16 - Funkos de Home Alone

25 de dezembro de 2017

Quem cresceu sem assistir Esqueceram de Mim e suas eternas reprises em toda véspera de Natal não sabe o que foi infância feliz! O filme do garotinho esquecido em casa, que precisa lidar com dois bandidos idiotas que querem assaltar sua casa, se tornou um clássico, e eu não via a hora de virarem Pops! E nota pros detalhes deles, que são divos:

Tudo Junto e Misturado - Ann Brashares

22 de dezembro de 2017

Título: Tudo Junto e Misturado
Autora: Ann Brashares
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Romance
Ano: 2017
Páginas: 336
Nota:★★★★★
Sinopse: Sasha e Ray sempre passam o verão na velha casa de férias da família. Desde pequenos, os dois dividiram muitas coisas - leram os mesmos livros, correram pela mesma praia, comeram pêssegos colhidos na mesma fazenda, tomaram café da manhã sentados à mesma mesa. Até dormiram na mesma cama, mas nunca ao mesmo tempo. Afinal, eles jamais se encontraram. O pai de Sasha um dia foi casado com a mãe de Ray, e juntos tiveram três filhas: Emma, Quinn e Mattie. Mas o casamento acabou, deixando para trás apenas rancor e ressentimentos. Os dois casaram de novo e formaram novas famílias, mas nenhuma delas pretende desistir da casa de praia, muito menos compartilhá-la. Até este verão. As vidas de Sasha e Ray estão prestes a se cruzar - e, com tudo junto e misturado, as famílias vão mudar para sempre.

Resenha: Quando o casal Lila e Robert se separa de forma muito conturbada, eles passam a compartilhar as três filhas que tiveram, Emma, Quinn e Mattie, e também a casa de praia da família que ninguém quer abrir mão.
Depois de se separarem, eles construíram novos relacionamentos, e com isso tiveram outros filhos. Lila e Adam tiveram Ray, Robert e Evie tiveram Sasha.
As famílias revesam a casa durante as férias. Quinze dias pra cada um. Ray e Sasha sempre passam o versão na casa de praia desde pequenos e sempre dividiram tudo que a casa oferece, mas nunca ao mesmo tempo, afinal, eles nunca sequer se encontraram.
Até que, aos dezessete anos, o caminho deles se cruza...

Antes da história começar a autora deixa informações sobre os núcleos familiares assim como os cenários onde tudo se passa, e isso facilita a identificação de cada personagem.
O livro é narrado em terceira pessoa através de pontos de vista dos diferentes personagens, com muitos diálogos e descrições que colocam o leitor bem próximo aos acontecimentos. A autora também tem um estilo diferente para escrever e muitas situações são descritas de uma forma delicada e cheia de sensibilidade que deixa o leitor fazer algumas deduções sobre a cena.

De cara eu logo pensei que a história abordaria um relacionamento entre os "não irmãos" Sasha e Ray e o alvoroço que isso causaria na família, mas percebi que não é isso, não. A curiosidade que um tem pelo outro já vinha desde o passado, quando eles cresceram juntos e acompanharam o outro através de objetos e memórias gravadas na casa de praia e especialmente no quarto que dividem.
Assim como numa família comum, os personagens são reais, têm segredos, problemas grandes e pequenos, manias, e, como todo mundo, não são perfeitos, e seus sentimentos muitas vezes ficam confusos quando sentem raiva, ciúmes ou alegria de terem irmãos e meio-irmãos.

Não sei se a leitura me pegou de jeito quando eu mesma posso dizer que minha família não é tão tradicional assim e também passou por problemas com separação. Minha mãe e meu pai não se falam e quando ela se casou de novo eu tinha três aninhos. Aos oito soube que ganharia uma irmãzinha, desde então a família cresceu e agora sou a mais velha de quatro! E assim como acontece na vida real, a autora trouxe na ficção os conflitos pelos quais os filhos passam quando os pais se separam, e os novos que vêm quando ganham irmãos, e posso dizer que mesmo entendendo o lado da minha mãe, que tem a vida corrida e se estressa quando meus irmãos mais novos não dão sossego pra ela, eu às vezes sinto que fico de lado por não ganhar tanta atenção quanto eles, mesmo que eu entenda que eles são menores e muito mais dependentes. Por isso consegui me identificar com uma parte da história e em alguns momentos fiquei emocionada a ponto dos olhos ficarem cheios de lágrimas, porque entendi que por mais problemas que possam existir numa família, independente dela ter "crescido para os lados", que o amor incondicional é um sentimento que sempre estará presente ao meu redor.

Pra quem gosta de histórias que envolvem a família e o relacionamento, muitas vezes bastante complexo, entre os membros, Tudo Junto e Misturado é leitura curiosa, emocionante. divertida e muito indicada.

Só Escute - Sarah Dessen

21 de dezembro de 2017

Título: Só Escute
Autora: Sarah Dessen
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Romance
Ano: 2017
Páginas: 352
Nota:★★★★★
Sinopse: Para encarar a verdade, você precisa estar disposta a ouvi-la.
Ano passado, Annabel era a típica “garota que tem tudo” - inclusive era esse o papel que interpretava no comercial de uma loja de departamentos da cidade. Este ano, porém, ela é a garota que não tem nada: não tem mais a amizade de Sophie; não tem uma família feliz desde a descoberta do distúrbio alimentar de uma de suas irmãs; e não tem ninguém com quem passar a hora do almoço na escola. Até conhecer Owen Armstrong.
Alto, misterioso e obcecado por música, Owen é um garoto que vivia se metendo em brigas, mas agora está tentando mudar. Um de seus novos lemas é sempre falar a verdade, não importa qual seja, e jamais guardar ressentimentos.
Será que com a ajuda desse amigo inesperado Annabel vai conseguir encarar a verdade e enfrentar o que aconteceu na noite em que brigou com Sophie?

Resenha: Annabel Greene é a mais nova de três irmãs. As três trabalham como modelos estampando anúncios pela cidade desde crianças, e com pais que se dão tão bem, todos que olham de fora tem a visão de uma família feliz com a vida perfeita.
Mas as coisas nem sempre são o que aparentam ser... No fundo, mesmo que ela tenha tudo o que qualquer pessoa sonharia ter, Annabel quer abandonar essa carreira, mas não o faz para não desagradar a mãe. Desde que perdeu a avó, a mãe concentrou toda a sua atenção no trabalho das filhas como forma de superar o luto, e a garota não quer causar maiores transtornos afrontando ninguém, mesmo que isso signifique abrir mão do que a faz feliz.
Até que algo de muito ruim acontece na festa de final de ano no colégio com Annabel, ruim o bastante para provocar uma enorme trauma na garota, e ela, sempre escondendo seus sentimentos para não "incomodar", não faz nada a respeito e prefere guardar tudo para si mesma. E como se isso já não fosse pesado o suficiente, Annabel está completamente sozinha e sem amigos com quem contar. Até conhecer Owen Armstrong, um garoto da escola bem misterioso, que adora música e faz de tudo para se afastar de confusões, já que antes vivia se metendo em brigas. O lema de Owen é sempre falar a verdade, e nunca guardar rancor dentro de si, e a aproximação dos dois vai fazer com que Annabel permita escutar o próprio coração.

Sarah Dessen se tornou uma das minhas autoras favoritas da vida devido a sua habilidade sem igual de construir histórias familiares viscerais e realistas. Os personagens são gente como a gente, enfrentam problemas e dilemas típicos da vida, e acabam representando conhecidos, amigos, familiares, ou nós mesmos...

Narrado em primeira pessoa, Annabel discorre sobre seu dia a dia e intercala os fatos com alguns flashbacks que ajudam o leitor a não apenas se aproximar mais da personagem, como a conhecer melhor seu núcleo familiar e os motivos que levaram a personagem sempre guardar seus sentimentos e pensamentos para si. Inicialmente a narrativa é lenta de forma a ambientar o leitor naquela realidade, mas quando menos percebemos a história já ganhou o devido ritmo e só queremos continuar lendo sem parar pra saber o que diabos causou aquele trauma em Annabel, e não apenas isso, como também acompanhar a história de Owen e tudo o que ele tem a oferecer e ensinar, tanto para Annabel, quanto para o próprio leitor.

Por mais que ele tenha passado por vários problemas e ainda esteja aprendendo a controlar sua raiva, ele é um grande exemplo de perseverança e força de vontade, mostrando que ter sentimentos negativos é algo que faz parte da vida, mas cabe a nós aprendemos a lidar com isso para que a raiva seja canalizada de uma forma que não afete outras pessoas. E vindo dele, que era uma pessoa bem agressiva, é uma grande lição.

Já Annabel é aquele tipo de personagem que aguenta tudo calada, e o desenvolvimento da história mostra que ela é cheia de camadas e bastante complexa no que diz respeito aos seus sentimentos. Tudo o que ela apresenta ao leitor através de seu ponto de vista é passível de julgamentos, e acho que a pegada da autora foi exatamente aí, pois dessa forma fica a mensagem de que jamais devemos julgar alguém quando não sabemos o que se passa (e geralmente ninguém nunca sabe...).

A história toca em temas atuais e delicados sem rodeios, mostrando o cotidiano de forma natural, com problemas reais e a forma que todos estão lidando com isso. Uma das irmãs de Annabel sofre de anorexia, e esse é mais um tema grave que a autora tratou de abordar com clareza e com o peso suficiente para comover e fazer refletir, mas ainda com a devida sensibilidade.
Acredito que o que mais me comoveu durante a leitura desse livro foi a ideia de que, na maioria das vezes, a maior ajuda que alguém pode dar a uma pessoa que se sente isolada e está cheia de problemas é ouvi-la. Sem interrupções, sem julgamentos... Só ouvir e nada mais. Ás vezes é tudo o que alguém precisa pra se sentir melhor.

Só Escute é um livro sensível, que emociona, que faz refletir e que enaltece o poder de se ter um ombro amigo quando o mundo parece ter nos dado as costas.

A Zona Morta - Stephen King

20 de dezembro de 2017

Título: A Zona Morta
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Gênero: Suspense
Ano: 2017
Páginas: 480
Nota:★★★★★
Sinopse: Depois de quatro anos e meio, John Smith acorda de um coma causado por um acidente de carro. Junto com a consciência, o que John traz do limbo onde esteve são poderes inexplicáveis. O passado, o presente, o futuro – nada está fora de alcance. O resto do mundo parece considerar seus poderes um dom, mas John está cada vez mais convencido de que é uma maldição. Basta um toque, e ele vê mais sobre as pessoas do que jamais desejou. Ele não pediu por isso e, no entanto, não pode se livrar das visões. Então o que fazer quando, ao apertar a mão de um político em início de carreira, John prevê o que parece ser o fim do mundo?

Resenha: John Smith é um cara comum que leva uma vida comum. Ele é professor e está feliz em seu novo relacionamento com Sarah, também professora. Até que numa noite de sorte, ele ganha uma bela grana na Roda da Fortuna do parque de diversões, mas, mais tarde, ao deixar Sarah em casa e ir embora, ele sofre um acidente no táxi e entra em coma. Quase cinco anos depois, para a surpresa da família, já esgotada após tanto tempo, e dos médicos desesperançosos, Johnny acorda. Porém, ele acaba percebendo que não foi só o mundo que sofreu alguns avanços nesse tempo e mudou. Sarah seguiu com a vida, mas ele também está diferente: a zona morta, a área do seu cérebro que foi afetada, lhe deu alguns "poderes". Um simples toque em alguém, ou em algum objeto pertencente a uma pessoa, ele consegue ver o passado, o presente, e o futuro... Tal dom acabou desencadeando uma fama indesejada a John, pois todos passaram a ficar atrás dele, seja querendo saber do futuro, ou acusando-o de ser uma fraude. O problema se agrava ainda mais quando John conhece Greg Stillson, um candidato a deputado que faz qualquer coisa pra conseguir alcançar seus objetivos. A visão de John é de um futuro terrível caso Stillson consiga o que quer. O que John fará com seu dom (ou seria uma maldição?) e como ele irá lidar com o fato de um possível fim do mundo?

O livro é narrado em terceira pessoa e a história se desenvolve de forma bastante ampla, com muitos detalhes e descrições acerca de cenários, personagens e emoções. Penso que o excesso de descrições pode ajudar alguns leitores a se situarem melhor e a "encarnarem" o personagem, e por mais que a história tenha sido maravilhosamente bem escrita, bem fluída e prenda a nossa atenção, achei cansativa e um pouco arrastada em alguns pontos pois a impressão que fica é que o autor não tem pressa alguma para trabalhar e se aprofundar em todos os aspectos da história que quer apresentar aos leitores. O livro é extenso, gradual e lento, e isso requer uma boa dose de paciência.
Fora isso, a trama é carregada de tensão e a imersão na leitura é tanta que suas quase 500 páginas não demoram nada a serem devoradas.

O livro, publicado pela primeira vez em 1979, foi relançado agora em 2017 pela Suma de Letras sob novo projeto gráfico. A capa combina com os demais livros assinados pelo autor e, embora seja simples, representa bem um dos elementos da trama.

A Zona Morta é um livro que, mesmo que já tenha quase quarenta anos, consegue ser bastante atual no que diz respeito aos elementos e as discussões relevantes que pode trazer. A história tem um pé no drama e no sobrenatural devido ao dom do protagonista e seus dilemas, mas o misto que faz com os demais assuntos faz dela algo plausível e digna de reflexão, abordando questões que vão desde a corrupção política até o fanatismo religioso sem que nada se confunda e nenhum tema passe por cima do outro.

Esse foi o primeiro livro do mestre King que li, e só posso dizer que a experiência além de incrível, me fez pensar além acerca do governo e do funcionamento da sociedade. Livro mais do que indicado.

O Bazar dos Sonhos Ruins - Stephen King

19 de dezembro de 2017

Título: O Bazar dos Sonhos Ruins
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Gênero: Suspense/Terror/Contos
Ano: 2017
Páginas: 528
Nota:★★★★☆
Sinopse: Mestre das histórias curtas, o que Stephen King oferece neste livro é uma coleção generosa de contos – muitos deles inéditos no Brasil. E, antes de cada história, o autor faz pequenos comentários autobiográficos, revelando quando, onde, por que e como veio a escrever (ou reescrever) cada uma delas. Temas eletrizantes interligam os contos; moralidade, vida após a morte, culpa, os erros que consertaríamos se pudéssemos voltar no tempo... Muitos deles são protagonizados por personagens no fim da vida, relembrando seus crimes e pecados. Outros falam de pessoas descobrindo superpoderes – como o colunista, em “Obituários”, que consegue matar pessoas ao escrever sobre suas mortes; ou o velho juiz em “A duna”, que ainda criança descobre uma pequena ilha onde nomes surgem misteriosamente na areia – nome de pessoas que logo morrem em acidentes bizarros. Em “Moralidade”, King narra a vida de um casal que vai se despedaçando quando os dois mergulham no que, a princípio, parece um vantajoso pacto com o Diabo. Incríveis, bizarros e completamente envolventes, essas histórias formam uma das melhores obras do mestre do terror, um presente para seus Leitores Fiéis.

Resenha: O Bazar dos Sonhos Ruins é uma coletânea de vinte contos escritos por Stephen King e além de terem uma breve explicação que os antecede acerca do motivo de terem sido escritos, trazem temas relevantes e que permeiam o universo de suspense e terror dos quais o mestre faz parte, e claro, com o toque sobrenatural que faz parte de suas obras na maioria das vezes.
O autor fala sobre sua necessidade de escrever histórias curtas visando agradar seu "Leitor Fiel" e num misto de horror, drama, suspense e humor, o presenteia com esta antologia que, de fato, surpreende ao trazer tramas que abordam a morte e muitas de suas vertentes, assim como os demais sentimentos que sempre a rodeiam, evidenciando os aspectos e as consequências da perda e o sentido da própria vida.
A maioria dos contos são narrados em terceira pessoa e são bastante fluídos. Por serem independentes, sequer precisam ser lidos na ordem. Alguns são demasiados curtos ou terminam sem um final propriamente dito, o que pode ser um pouco frustrante para os leitores que se conectaram com a história e anseiam por mais.

Não acho necessário discorrer sobre cada conto em particular pois como são curtos, falar demais sobre cada um deles pode acabar estragando a surpresa. Alguns acabam ganhando mais destaque por chamarem mais a atenção devido ao teor da trama que é bem mais interessante do que os demais...
Milha 81 é a história é sobre um garotinho de dez anos, Pete, que quer viver uma grande aventura. Assim, cheio de coragem, ele adentra uma área abandonada munido de uma lupa e quando encontra um carro e duas crianças descobre que há um "monstro" alí. As referências deste conto são ótimas e por mais diferentes que sejam entre si funcionam muito bem no conjunto criado por King.
Garotinho Malvado faz o leitor imergir na história de um presidiário que fora condenado à morte, mas antes de cumprir sua pena decide fazer um relato sobre o crime que cometeu. Ele descarregou uma arma em um menino aparentemente inocente e desde então vive atormentado. Ler histórias que envolvem crianças diabólicas é uma experiência bem aterrorizante...
Como um diferencial, King deixa o leitor um passo a frente dos acontecimentos. Em Indisposta, já sabemos o que vai acontecer, mas ainda assim somos surpreendidos com o destino do protagonista, um publicitário que está enfrentando problemas no trabalho enquanto sua esposa permanece indisposta após ficar doente.
Em A Duna, sempre que um juiz aposentado vê um nome em uma duna, a pessoa morre. Ele faz o relato dos acontecimentos a um advogado e o final da história é incrível.
Obituários foi um dos meus favoritos, principalmente por me lembrar Death Note. Um jornalista começa a inventar e escrever obituários pra um site de fofocas até perceber que o que ele escreve acontece mesmo.

Enfim, com ou sem elementos sobrenaturais, em primeira ou terceira pessoa (ou combinando as duas), King constrói situações cotidianas, nostálgicas e que remetem aos clássicos, inesperadas ou previsíveis, que abordam a moralidade, perseverança, que trazem segredos obscuros, que falam sobre a sexualidade, vícios, poder e controle, preconceitos, sobre dar valor aos pequenos grandes momentos da vida, e até sobre brigas bizarras entre vizinhos que se odeiam.

O Bazar dos Sonhos Ruins é uma boa pedida pra quem ainda não conhece e quer ter um gostinho de como são as histórias de Stephen King. O livro traz contos com elementos de vários gêneros diferentes e com certeza vai agradar e surpreender os leitores ao ponto de torná-los fiéis.

Sangue por Sangue - Ryan Graudin

18 de dezembro de 2017

Título: Sangue por Sangue - Lobo por Lobo #2
Autora: Ryan Graudin
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 440
Nota:★★★★★
Sinopse: Para o Terceiro Reich, a Segunda Guerra Mundial pode ter acabado, mas para a resistência a luta está apenas começando. Yael é sobrevivente de um campo de extermínio e tem uma habilidade especial: é uma metamorfa, capaz de mudar a aparência física e assumir a forma de qualquer pessoa. Ela também é uma garota em fuga - o mundo acabou de vê-la atirar e matar Adolf Hitler. Yael é a inimiga número um da Germânia e de seus aliados, e vai precisar se infiltrar no território inimigo mais uma vez se não quiser pagar com o próprio sangue. Em meio a segredos sombrios acompanhados por verdades obscuras, apenas uma pergunta paira na mente de todos do grupo de Yael: o quão longe você iria por aqueles que ama?

Resenha: Depois de apresentar uma trama inquietante com uma realidade alternativa onde Hitler e o Eixo venceram a Segunda Guerra Mundial tornando o mundo totalmente desolado, Ryan Graudin dá continuidade à saga de Yael, a jovem judia capaz de mudar o rosto devido às suas habilidades metamorfas que sobreviveu a um campo de extermínio e teve como missão matar Adolf Hitler. O ditador havia implantado a Tour do Eixo, uma corrida de motocicleta em que o vencedor se encontraria com ele em pessoa no Japão.

Em Sangue por Sangue, a história parte de onde parou no livro anterior. O dito encontro seria o momento ideal para por um fim na vida de Hitler, e assim a resistência teria forças para acabar com o terror imposto pelos nazistas. Porém, a tentativa de Yael, depois de assumir o rosto de Adele, não é bem sucedida e a jovem, além de ter o disfarce revelado, se torna inimiga nº 1 da Germânia correndo risco de vida. Mas o alvoroço que o tiro de Yael causou, desencadeou esperança e força por parte da resistência pela Europa. Em ritmo de fuga, Luka, que venceu a Tour, segue a garota que agora precisa contar com a ajuda dos rebeldes para escapar e conseguir cumprir sua missão. Mas tudo isso se torna ainda mais complicado quando ela não sabe em quem pode confiar, e num mundo onde é muito fácil se deixar corromper pelo sistema, como é possível acreditar na lealdade alheia?
Ao se unir com Luka e Felix (o irmão de Adele a quem Yael se transforma para seguir com a missão), eles seguem fugindo, cada um com seu próprio objetivo. E embora ela queira trabalhar sozinha, a atração que Luka desperta nela e a culpa por ter envolvido a família de Felix na confusão, não permitem.

Narrado em terceira pessoa e com pontos de vistas que se alternam entre Yael, Luka e Felix, acompanhamos uma trama eletrizante, cheia de reviravoltas e descobertas incríveis.
Aqui a autora não poupa o leitor do sofrimento. A história é envolvente e apresenta elementos cruéis e dolorosos o suficiente para nos imaginarmos num mundo oprimido e comandado por nazistas, independente de haver toques de fantasia ou não. Os fatos envolvendo situações reais da História ainda colocam uma carga emocional maior na trama e isso torna a história ainda mais empolgante, onde é impossível não torcer pela protagonista.

O único ponto que eu ainda não decidi se valia a pena estar alí é sobre o romance entre Yael e Luka. Não sou muito fã dessas histórias de amor que surgem do nada em meio ao caos pois não me soam muito convincentes. Claro que eles tem seus méritos e ganham destaque por tudo o que viveram, e foi relevante Luka se revelar um aliado valioso pra garota quando ele descobriu os podres dos nazistas depois de encarnar um modelo da raça ariana, mas acho que, mesmo que ele tenha usado o sentimento por Yael como motivo para ajudá-la a destruir o império nazista, pendi pro lado da história de vida de Yael e da amiga, Miriam. Elas tiveram experiências terríveis, conviveram com a pior escória da sociedade e viram de perto o horror e todas as crueldades que alguém é capaz de fazer, mas ainda assim não foram corrompidas por essa imundície e seguiram firmes na missão de acabar com Hitler. E justamente por trabalhar uma amizade tão intensa e verdadeira qualquer ponto que não tenha sido tão positivo pra mim acabou passando batido.

Felix é um personagem difícil pois por mais que seja fácil compreender sua fome de vingança, suas atitudes são questionáveis e acho que ele poderia ter tido um rumo diferente na história como forma de redenção.
São personagens que possuem suas falhas, como qualquer ser humano normal, onde cada um tem sua história de vida e onde cada erro, embora seja passível de julgamentos, é justificado de forma que o que resta ao leitor é sentir empatia e compreender cada atitude e escolha feita por eles.

Pra quem tem curiosidade de saber como o mundo seria se a Segunda Guerra Mundial não tivesse acabado através de uma trama fantástica e imperdível, Sangue por Sangue é leitura mais do que recomendada, principalmente porque a ideia de que a esperança é a última que morre, mesmo que o caminho seja sombrio e tortuoso, fica mais do que evidente.

O Fio Dourado - Cornelia Funke

16 de dezembro de 2017

Título: O Fio Dourado - Reckless #3
Autora: Cornelia Funke
Editora: Seguinte
Gênero: Fantasia/Juvenil
Ano: 2016
Páginas: 370
Nota:★★★★☆
Sinopse: Jacob Reckless continua viajando para o Mundo do Espelho através do portal que encontrou tempos atrás no escritório abandonado do pai. O garoto é reconhecido nesse lugar mágico graças à sua fama de melhor caçador de tesouros de todos os tempos, mas o preço por se envolver com os dois mundos pode ser alto demais... e está prestes a ser cobrado - inclusive de Will, seu irmão mais novo, e de Fux, a companheira transmorfa por quem Jacob nutre sentimentos que vão além da amizade. Quando Will atravessa o portal em busca de uma cura para a misteriosa doença que atingiu sua namorada, Jacob e Fux vão atrás dele até o leste do Mundo do Espelho, terra de baba yagas, exércitos de ursos e tzares. Enquanto isso, um ser que conhece nosso mundo tão bem quanto o do espelho os observa de longe, pronto para se vingar.

Resenha: O Fio Dourado é o terceiro volume da série Reckless. A série é sobre as aventuras vividas por Jacob, que descobriu um espelho mágico que o transporta para um mundo de fantasia cheio de perigos e mistérios, e lá ele procura pelo pai desaparecido.

Depois dos acontecimentos que se passam nos volumes anteriores, o leitor já sabe que Jacob ficou fascinado pelo novo mundo que descobriu e que sua preferência por ele não é um segredo. Lá ele ficou conhecido como um caçador de tesouros, fez inimigos, rompeu maldições, correu perigo de vida e fez amizades, uma delas tão importante que está se tornando algo mais...
Quando Will, o irmão de Jacob, atravessa para o Mundo dos Espelhos buscando uma cura para Clara, sua namorada, Jacob e Fux vão atrás dele, e eles embarcam numa missão envolvendo inclusive o acordo feito com o Jogador, que se tornou uma dívida que Jacob deve pagar por ter salvado seu irmão de uma maldição. A dívida agora será cobrada e o preço a se pagar é inimaginável...
E ao lado de Fux, sua amiga companheira e fiel, Jacob terá que partir nessa missão desvendando mistérios, alguns inclusive sobre o paradeiro de seu pai, e enfrentando perigos, mas o que ele não esperava era ser vigiado por alguém que além de estar no mundo real para conseguir atingir seus objetivos, não é nada amigável e deseja vingança.

Eu gosto da série, adoro a escrita e as ilustrações da autora, assim como esse universo fantástico que é enorme e renderia histórias a se perder de vista, mas senti que a trama está sendo empurrada com elementos desnecessários. Sinto como se ela já tivesse chegado ao clímax e agora voltou ao ponto onde Jacob tenta salvar Will outra vez, mesmo que com algumas diferenças no rumo da coisa.
O mundo é rico em detalhes, os personagens são muito complexos e a forma como são construídos tem um toque "especial" que não é fácil de ignorar. É como se os livros da autora tivessem camadas e mais camadas envoltas por segredos que jamais serão revelados ou explicados, e assim, os leitores tem que aprender a conviver com esse estilo de narrativa e com a ideia de embarcarem numa viagem fantástica sem que tudo fique esclarecido. Algumas coisas simplesmente acontecem por que sim, e a autora não se preocupa em dar explicações sobre quando, onde ou o porquê de tudo, e mesmo assim é possível se sentir em meio a um conto de fadas recheado de mistérios e muito encanto.

O toque de romance inserido pela autora ganhou mais espaço e fica bem perceptível que Jacob e Fux estão tentando lidar com os próprios sentimentos recém descobertos, e isso acaba causando uma boa tensão entre eles. Os dois juntos formam uma dupla que funciona bem e de forma geral é bem bacana de acompanhá-los, mesmo que Jacob faça algumas coisas que a deixam magoada. Por ser fiel, ela está ao lado dele para o que der e vier e enfrenta tudo de cabeça erguida sem que haja aquela impressão de que ela é submissa. Ela ganha o devido espaço e fica claro que se não fosse por ela e a forma como ela influencia Jacob, as coisas jamais teriam ido pelo caminho que foram e poderiam estar muito piores para o rapaz.
Os personagens são bem construídos e carismáticos e os secundários são importantes para a história.
A Fada Escura é uma daquelas personagens odiosas mas é trabalhada de uma forma que é possível compreender suas motivações e até sentir um pouco de compaixão por tudo o que ela já passou.

As ilustrações que antecedem os capítulos são lindas, com traços delicados e que representam a cena descrita muito bem. De forma geral o projeto gráfico é lindo, se encaixa no padrão de capaz e diagramação dos demais e só tenho elogios.

Diferente dos volumes anteriores, este, por mais que traga aventuras e perigos, não tem tanta ação e fica focado sobre os sentimentos dos personagens, evidenciando que o amor é algo cuja força pode tanto elevar uma pessoa como também pode destruí-la, depende de como é usado. E isso acaba dando à história uma carga dramática que não existiu anteriormente.
O fio dourado é um elemento da trama que representa o que liga duas almas uma na outra, e o risco desse fio ser cortado pode representar algo irreversível e o título do livro não poderia ser melhor por causa disso.

Enfim, pra quem gosta de fantasia, a série é muito indicada pois proporciona ao leitor uma aventura incrível num mundo rico e super criativo.

O Beijo Traiçoeiro - Erin Beaty

15 de dezembro de 2017

Título: O Beijo Traiçoeiro - Traitor's #1
Autora: Erin Beaty
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 440
Nota:★★★★☆
Sinopse: Com sua língua afiada e seu temperamento rebelde, Sage Fowler está longe de ser considerada uma dama - e não dá a mínima para isso. Depois de ser julgada inapta para o casamento, Sage acaba se tornando aprendiz de casamenteira e logo recebe uma tarefa importante: acompanhar a comitiva de jovens damas da nobreza a caminho do Concordium, um evento na capital do reino, onde uniões entre grandes famílias são firmadas. Para formar bons pares, Sage anota em um livro tudo o que consegue descobrir sobre as garotas e seus pretendentes — inclusive os oficiais de alta patente encarregados de proteger o grupo durante essa longa jornada. Conforme a escolta militar percebe uma conspiração se formando, Sage é recrutada por um belo soldado para conseguir informações. Quanto mais descobre em sua espionagem, mais ela se envolve numa teia de disfarces, intrigas e identidades secretas. E, com o destino do reino em jogo, a última coisa que esperava era viver um romance de tirar o fôlego.

Resenha: Sage Fowler foi criada pelo pai em meio a natureza e aos pássaros livres, e ela se sente tão livre quanto. Diferente das garotas da sua idade, Sage não se importa e nem se preocupa com vestidos ou maquiagem. O que lhe interessa é a liberdade, é andar a cavalo, usar calças e se aventurar por aí.
Porém, desde a morte dos pais ela mora com os tios, e por gostar muito de ler e estudar, ela dá aula para os primos. Tudo munda quando Sage descobre que seu tio queria enviá-la para a Darnessa, a casamenteira, para que ela arrumasse um marido, mas se casar não estava nos seus planos... E isso fica claro quando a casamenteira percebe que Sage não nasceu para ser a noiva ideal. Seu temperamento é difícil e ela não seria aceita por ninguém desse jeito, e restou a casamenteira propor que ela se tornasse sua aprendiz, acompanhando as noivas para o Concordium, um evento para que as grandes famílias firmassem uniões, disfarçada de noiva. Dessa forma Sage poderia observar as moças e ajudá-las a encontrar maridos que combinem com elas. Na verdade o que Sage queria era estudar, mas sem outras opções, ela acaba cedendo e aceita a oferta da Darnessa.

Quando Sage e as noivas partem para a capital, inesperadamente elas são escoltadas por soldados que por algum motivo receberam ordens de acompanhá-las durante a viagem. Ela fica encarregada de mais uma tarefa: observar e tomar nota sobre os soldados.

O que ninguém esperava era que, após uma suspeita de conspiração, o Capitao Quinn e seus soldados foram designados a escoltar as noivas para observá-las de perto, e ao se aproximar da "noiva" que vive fazendo anotações, fica evidente que ela esconde alguma coisa, despertando a curiosidade e fazendo com que eles se questionem sobre ela ser uma espiã enviada pelos inimigos ou não.
E assim, quando o caminho de Sage se cruza com o dos soldados, ela receberá uma proposta onde terá um novo papel para interpretar, mas sentimentos são despertados e as consequências para suas descobertas não serão tão simples assim.

A narrativa é muito envolvente e flui muito bem. Há aquele ar de mistério enquanto a história vai se desenrolando com agilidade, e as mais de 400 páginas passam voando.
Os personagens tem personalidades fortes e são bem diferentes um do outro, e mesmo que os protagonistas ganhem mais espaço e tenham seus pontos de vista trabalhados, os demais personagens não ficam atrás, sendo capazes de se divertirem e até se identificarem com suas histórias.
Sage é inteligente, pé no chão, teimosa e não aceita ninguém tomando decisões por ela, e por esses e outros motivos ela acaba sendo uma heroína que não é só apaixonante, mas um grande exemplo de empoderamento feminino, ainda mais em meio aquela época. Mesmo naqueles tempos medievais, é possível surgir alguém que decida o futuro, indo contra os costumes e seguindo o próprio caminho, mesmo que seja necessário abrir mãos de algumas coisas para conseguir.

Por ser o primeiro livro da duologia, não espere por um final fechado que dá explicações para tudo o que ficou em aberto. Resta aguardarmos o próximo, ansiosos por mais deste universo encantador.

Pra quem procura por um livro que envolve intrigas, espionagem, agentes infiltrados, estratégias militares, reviravoltas incríveis e, de quebra, um romance bonito e muito fofo entre personagens marcantes e admiráveis, é leitura mais do que indicada.

A Prisão do Rei - Victoria Aveyard

14 de dezembro de 2017

Título: A Prisão do Rei - A Rainha Vermelha #3
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 552
Nota:★★★★☆
Sinopse: Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros. Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira. Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo. Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.

Resenha: Depois dos acontecimentos bombásticos que se passaram em Espada de Vidro, temos Mare submissa, constantemente humilhada e à mercê de Maven, que enfim, se tornou rei. Atormentada pelas decisões que tomou, sem esperanças de escapar e sem seu poder de eletricidade, ela passa os dias presa e agoniada por saber que Maven quer continuar mantendo Norta sob controle, exatamente como Elara queria.
Enquanto isso, a Guarda Escarlate espera, treina e expande seu exército para se preparar para a guerra que está por vir, e entre eles está Cal, o prateado exilado que vai fazer de tudo para trazer Mare de volta.

Eu já não sei mais como lidar com as reviravoltas e com os conflitos que a autora cria para acabar com o coração dos fãs. O sofrimento de Mare é uma dessas coisas, e o que ela é obrigada a fazer enquanto é prisioneira é arrasador. Estar rodeada de prateados que anulam seu poder parece o fim, mas causar intrigas foi a única ideia que ela teve para tentar mudar as coisas. Assim, onde havia lealdade agora há dúvidas, e, nesse jogo de poderes, com alianças comprometidas, o rei fica enfraquecido.
E é disso que todos precisavam para que algo de bom acontecesse com essa gente oprimida. Por mais que as batalhas sejam alucinantes e pessoas morram, elas são necessárias para um bem maior no futuro.
Os personagens passam por transformações pessoais incríveis e tem pontos delicados revelados de forma que o leitor possa tentar compreender suas atitudes e decisões, mostrando o quanto são complexos e bem construídos, sejam mocinhos ou vilões. E a ideia de, dessa vez, dar voz a outros personagens enriqueceu a história dando novos pontos de vistas ao leitor para os acontecimentos. E destaque especial para Evangeline, que também dá a sua visão dos fatos para a narrativa e mostra que tudo é bem diferente do que imaginamos, por mais odiosa que seja.

Apesar das cenas pontuais que quase deixam o leitor sem fôlego, tamanha a adrenalina e ação, basicamente a autora mostra Mare e sua rotina de prisioneira, focando em questões psicológicas, e isso acaba quebrando um pouco daquele ritmo intenso que eu já estava acostumada pelos volumes anteriores. A política entre os reinos é bem trabalhada e isso explica bastante como as coisas funcionam para que o leitor fique por dentro do significado da bendita coroa, mas muita coisa acaba se tornando repetitiva e se arrasta sem necessidade, com detalhes desinteressantes em excesso, e a impressão que tive, por mais que eu seja fã da série, é que este volume poderia seguir por um caminho diferente para não levar a um final envolvendo romance.

Enfim, o livro é bom, mas não tanto como os outros. Talvez se a autora fosse mais direta e economizasse metade das páginas poupando os leitores de informações repetidas sobre descrições e sobre a vida de prisioneira de Mare as coisas seriam muito melhores e menos maçantes.
A Rainha Vermelha ainda é uma das minhas séries preferidas e estou ansiosa pelo próximo livro, e com aquele final aberto e com a sensação de algumas coisas terem ficado pela metade, eu seria louca se não quisesse saber o que mais a autora nos reserva
.

Archie Greene e o Segredo dos Magos - D.D. Everest

13 de dezembro de 2017

Título: Archie Greene e o Segredo dos Magos - Archie Greene #1
Autor: D.D. Everest
Editora: Rocco Jovens Leitores
Gênero: Fantasia/Infantojuvenil
Ano: 2017
Páginas: 260
Nota:★★★★★
Sinopse: No seu aniversário de 12 anos, Archie Greene recebe um pacote misterioso de um homem que ele não conhece; um pacote contendo um livro antigo escrito numa língua que ele não consegue identificar. Ele não faz ideia de que está prestes a descobrir um mundo em que estantes de livros são encantadas, bibliotecários são magos e feitiços ganham vida.
Logo Archie se torna um aprendiz de restaurador para os Guardiões da Chama, um grupo devotado a encontrar e preservar livros mágicos. Com a ajuda de seus primos, Amora e Cardo, Archie tenta desvendar o mistério por trás do presente enigmático, mas começa a perceber que o livro é muito mais poderoso do que imaginava.

Resenha: Archie Greene é um garoto órfão criado pela avó. Eles vivem felizes, mesmo que sejam pobres. Quando Archie completa doze anos, ele recebe um livro bastante suspeito de presente de um homem misterioso que ele não conhece. Um livro que havia quatrocentos anos que estava guardado... A capa de couro velha, o cheiro de queimado, o idioma desconhecido e um símbolo misterioso tornam o livro o início de uma viagem incrível até Oxford, onde Archie, junto com Amora e Cardo, os primos que ele acabou de descobrir que existem, vão descobrir que livros mágicos existem e são procurados e preservados pelos Guardiões da Chama num enorme museu.
O livro que Archie ganhou é um mistério, e parece estar sendo procurado por alguém com planos nada agradáveis... Qual será o segredo por trás deste presente?

As primeiras páginas do livro trazem informações sobre os tipos de magia que existem, assim como as habilidades de um aprendiz e os mandamentos da prudência mágica, que funcionam como leis para o universo que o autor criou.
OS TRÊS TIPOS DE MAGIA

Magia Natural
A mais pura forma de magia vem de seres e plantas mágicos e das forças elementares da natureza, como o Sol, as estrelas e os mares.
Magia Mortal
É produzida pelo homem. Inclui instrumentos mágicos e outros dispositivos criados por magos para canalizar o poder mágico.
Magia Sobrenatural
O terceiro e mais sombrio tipo de magia usa o poder de espíritos e outros seres sobrenaturais.
A história é narrada em terceira pessoa, é cheia de elementos engraçados e tem muitos detalhes que deixam a leitura divertida e muito empolgante. É um universo rico em detalhes mas muito fácil de entender e gostar, o que fez com que eu considerasse o livro um dos meus favoritos.
O autor não deixa a desejar e entrega uma história empolgante, cheia de magia e aventuras, vivida por um herói muito simpático que faz descobertas incríveis e encantadoras.
Fiquei fascinada pela livraria encantada, onde os livros falam, tem sentimentos e mudam de lugar quando querem; pelas criaturas que saem das páginas e causam muita confusão; pelo museu escondido embaixo da Biblioteca e como as pessoas têm acesso a ele; e pelos personagens engraçados, excêntricos e que sempre estão em alguma situação cômica.
O desejo de explorar esse universo e descobrir mais sobre esse mundo faz com que Archie e seus primos embarquem numa pequena investigação que se transforma numa jornada mágica e incrível onde percebemos que livros são verdadeiros tesouros e que através deles Archie descobre ter um lugar especial no mundo.

Os capítulos são bem curtinhos (são 40 capítulos para 260 páginas), mas todos tem informações o bastante para manter nossa curiosidade para seguir para o próximo.
A capa ilustrada combina bem com a história e é muito bonita.

A história de Archie Greene pode até lembrar algumas coisas do universo de Harry Potter, mas tem elementos novos e muito divertidos que vão agradar e encantar leitores que gostam de fantasia, sem importar que idade tenham.

O Gabinete Paralelo - Maureen Johnson

12 de dezembro de 2017

Título: O Gabinete Paralelo - Sombras de Londres #3
Autora: Maureen Johnson
Editora: Fantástica/Rocco
Gênero: Suspense/Fantasia/Jovem Adulto
Ano: 2017
Páginas: 352
Nota:★★★★☆
Sinopse: A vida de Rory está de cabeça para baixo. Sem tempo para respirar, mesmo após ser salva de um sequestro, a situação sái rapidamente de controle quando a morte inesperada de um amigo abate o esquadrão. Rory, um terminal humano, pensa que teve tempo suficiente para transformá-lo em fantasma, mas se é assim, onde ele está? E quanto a Jane Quaint e seu culto, o que pretendem? O que querem com Charlotte? Com tantas perguntas se avolumando no horizonte, Rory e seus amigos correm contra o tempo para descobrir os segredos de uma antiga sociedade secreta, muito mais poderosa do que jamais poderiam imaginar...

Resenha: O Gabinete Paralelo é o terceiro volume da série Sombras de Londres, escrita pela autora Maureen Johnson e publicado no Brasil pelo selo Fantástica da Editora Rocco.

Este volume parte do onde o segundo parou e esta resenha pode ter spoilers.

Desde que chegou a Wexford, a vida de Rory está uma loucura. No final do livro anterior (No Limite da Loucura), Rory, Callum e Bu estão no hospital junto com Stephen, seu amor, que está a beira da morte. Sem saber como lidar com a perda dele, Rory, aproveitando dos poderes que tem, pensa em mantê-lo por perto como um fantasma. Mas as coisas acabam não saindo conforme ela planejou...
Quando Jane Quaint, a antiga psicóloga de Rory, revela que não é nada do que todos imaginaram e ainda sequestra Charlotte, os membros do esquadrão que monitora os fantasmas em Londres, do qual Rory e seus amigos fazem parte, precisam agir de alguma forma, tanto por Stephen quanto por buscar pistas para encontrar a garota.
No meio de toda essa confusão, surge alguém com poderes bem semelhantes aos de Rory e dos membros do esquadrão: Freddie Sellars também consegue enxergar fantasmas. E não só isso, ela também usou de sua astúcia para pesquisar sobre o esquadrão e o papel desempenhado por cada um deles alí. Assim, quando ela se une ao grupo eles podem contar com a inteligência dela.
O que Rory não esperava era Jane aparecer outra vez com uma oferta que ela não poderia recusar: trazer Stephen de volta.

Como o segundo livro ficou em aberto, este dá continuidade aos acontecimentos mas também deixa várias pontas soltas que deverão ser esclarecidas no próximo volume.
Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Rory, temos uma narrativa mais ágil e cheia de adrenalina, que já é iniciada com a ação e a tensão que o final do livro anterior deixou.
Percebi que este volume teve um tom diferente dos demais, seja pela falta do bom humor ou pela adição de elementos que até então não faziam parte do enredo, como a mitologia egípcia e a mudança de rumo ao considerar Jack, o estripador, como inspiração. São coisas que parecem terem vindo do nada e sem maiores explicação do motivo de estarem alí.

Um ponto que pode agradar, ou não, é o fato de que a autora não perde tempo em resumir acontecimentos anteriores para refrescar a memória do leitor. Isso pra mim foi um problema pois devido ao intervalo de lançamento entre os livros, muitos detalhes eu já havia esquecido e em algumas situações acabei ficando um pouco perdida. Talvez isso não aconteça com quem tem uma memória muito boa ou que leia um livro atrás do outro.

Não sou fã de romances em livros que envolvem suspense e mistério, e neste não é diferente. Ainda procuro respostas sobre como a protagonista tem atitudes desesperadas e aflitas com um relacionamento que não vai além de bitocas sem sal. Ela até é bastante simpática, mas algumas atitudes, pra mim, são injustificáveis e não fazem muito sentido no contexto geral.
Os personagens secundários são ótimos, bem construídos e interessantes, mesmo que alguns diálogos pareçam forçados, mas por mais que eu tenha gostado da Freddie, achei que sua presença era sempre muito conveniente para trazer respostas e soluções rápidas para os problemas mais difíceis.
Se no primeiro volume os pais de Rory são apresentados como relapsos, desta vez eles mostraram mais preocupação com a filha e se comportaram como pais de verdade, e eu gostei que a autora tenha trabalhado nesse ponto para reparar esse relacionamento que antes era bastante estranho.

Os detalhes acerca do cenário são bons, mas não chegam no nível do que foi apresentado no primeiro livro. Se antes era possível considerar Londres como parte fundamental da história, desta vez as descrições não foram o suficiente para sentir toda aquele atmosfera e a história poderia ter se passado em qualquer outro lugar.

O projeto gráfico é muito bacana e segue o mesmo padrão das anteriores, com respingos de "sangue" sujando a capa, que traz um dos túneis subterrâneos que faz parte dos cenários da história. A diagramação também é ótima, e as páginas destinadas ao início do capítulo possuem molduras e ornamentos. Os capítulos são numerados e não percebi erros da revisão.

Tudo indica que o quarto volume da série seja lançado este ano, e embora não seja a minha série favorita, tenho curiosidade para saber o que mais Rory vai encarar.
De forma geral, a história tem suas falhas de desenvolvimento e a protagonista em alguns momentos é irritante, mas pra quem curte suspenses juvenis com o toque do universo sobrenatural é uma série que vale a pena de ser lida.


O Livro do Cemitério - Neil Gaiman

11 de dezembro de 2017

Título: O Livro do Cemitério - O Livro do Cemitério #1
Autor: Neil Gaiman
Ilustrador: P. Craig Russell
Editora: Jovens Leitores/Rocco
Gênero: HQ/Fantasia/Jovem Adulto
Ano: 2017
Páginas: 192
Nota:★★★★★
Sinopse: Bestseller do The New York Times e premiado com as medalhas Newberry (EUA) e Carnegie (Reino Unido), o romance O livro do cemitério, do cultuado escritor Neil Gaiman, ganha versão em quadrinhos adaptada por P. Craig Russell. O livro é o primeiro de dois volumes que acompanham a trajetória de Ninguém Owens, ou Nin, um garoto como outro qualquer, exceto pelo fato de morar em um cemitério e ser criado por fantasmas. Cada capítulo nesta adaptação de Russell acompanha dois anos da vida do menino e é ilustrado por um artista diferente, apresentando uma variedade fascinante de estilos que dão ainda mais vida à atmosfera ao mesmo tempo afetuosa e sombria da história.

Resenha: O Livro do Cemitério, de Neil Gaiman, foi publicado em 2010, mas, agora no final de 2017, foi lançado numa adaptação em quadrinhos. A história foi dividida em dois volumes e, neste primeiro, conhecemos a história de Ninguém Owens, ou Nin, um bebê que conseguiu fugir de casa enquanto sua família foi assassinada por um homem frio e cruel chamado Jack.
Nin engatinhou até chegar ao cemitério próximo e lá passou a ser criado por um casal de fantasmas e protegido por Silas, um guardião misterioso e de aparência sombria, que persuadiu Jack a ir por outro caminho após seguir os rastros do menino.
O tempo passa e Nin cresce protegido pelo cemitério e pelos seres que lá habitam. Ele recebe a Liberdade do Cemitério, podendo transitar por onde quiser dentro dos limites do lugar, aprende a ler através das inscrições nas lápides, aprende que os mortos têm poderes especiais e faz alguns amigos improváveis que não se restringem a apenas fantasmas, mas viver confinado sem poder conhecer o que existe lá fora, devido aos perigos que o aguardam caso ele saia, causa muita tristeza no garoto.
Mas quando ele, enfim, consegue sair, percebe que o mundo dos vivos não é nada do que ele pensou... As pessoas não parecem ser gentis, sempre estão tentando levar vantagem ou sendo maldosas com os outros por que sim.

Embora a história comece de forma trágica e tenha o cemitério como cenário, o que ganha destaque é a ideia de que Nin está vivo num ambiente que simboliza o fim, e por ter se escondido de Jack e do perigo que ele representa, acabou se tornando uma sombra do que ele gostaria de ter sido. Embora ele viva muitas aventuras ao explorar o cemitério, pra Nin, o mundo exterior é um mistério que ele gostaria de desvendar, mas suas expectativas não são superadas como ele imaginou...

E tudo isso nos leva a refletir sobre o significado daquilo que chamamos de lar, o que a família representa e o que a vida e a morte tem a nos ensinar.

Cada capítulo corresponde a dois anos da vida de Nin e é ilustrado por um artista diferente, e por esse motivo é possível perceber a diferença dos traços de cada um, mesmo que alguns sejam bem sutis. O que importa é que a essência da história foi mantida, e cada ilustração representa o momento e as emoções dos personagens com muita fidelidade.

Enfim, pra quem gosta de histórias contadas em quadrinhos com ilustrações muito ricas de um garotinho curioso, corajoso e determinado em seu mundo tão peculiar, não pode perder. A história e a forma como ela é contada envolve, diverte, faz refletir e faz o coração ficar quentinho com a pureza, com a inocência e com a mente aberta para as mais diversas fantasias infantis que se pode imaginar.

Wishlist #15 - Funkos de Labyrinth

10 de dezembro de 2017

Gente, eu tô virando a loka dos funkos. Toda vez que lembro de algum personagem que foi marcante pra mim, lá estou eu pensando "será que tem a versão em funko do bendito?". Já entrei em um monte de grupos de colecionadores e fico de olho no que o povo anda vendendo e nos precinhos dos popinhos.
Eu já tinha visto alguns sites anunciando o lançamento dos Funkos de Labirinto há um bom tempo, mas acabei esquecendo. Fui lembrar agora quando bati o olho na capa do livro lançado pela Darkside e resolvi assistir o filme que vi lá na minha infância, "há 10 mil anos atrás", pra matar a saudade.
E gente, são fofos demais! Já comprei a Sarah aproveitando promoção no ML, e é bem capaz que até o final do mês eu compre os outros.
São lindos, e não importa que o Hoggle tenha a cara amarrotada feito uma uva passa e seja um belo de um sujismundo.

Vidas Muito Boas - J.K. Rowling

9 de dezembro de 2017

Título: Vidas Muito Boas - As vantagens do fracasso e a importância da imaginação
Autora: J.K. Rowling
Editora: Rocco
Gênero: Não ficção/Autoajuda
Ano: 2017
Páginas: 80
Nota:★★★★☆
Sinopse: "Como podemos aproveitar o fracasso?", "Como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?". J.K. Rowling responde essas e outras perguntas provocadoras em Vidas Muito Boas, versão em livro do famoso discurso de paraninfa da autora da série Harry Potter na Universidade de Harvard, que chega às livrarias brasileiras no dia 7 de outubro. Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Um texto cheio de valor para os fãs da escritora e surpreendente para todos que buscam palavras inspiradoras.

Resenha: Vidas Muito Boas é uma transcrição do discurso inspirador que J.K. Rowling fez na Universidade de Harvard, em 2008.
De forma resumida, ela fala das próprias experiências e de como sua trajetória não foi feita apenas de sucesso e de vitórias. Antes da fama ela teve muitas dificuldades, inclusive financeiras, mas consegue mostrar que foi preciso fracassar pra chegar onde chegou. O fracasso não só faz parte da vida, como pode servir de impulso para se melhorar ou dar valor às boas coisas, para crescimento pessoal, para autoconhecimento, para que nossos medos possam ser enfrentados e superados em vez de desistirmos.
"É impossível viver sem fracassar em alguma coisa, a não ser que vocês vivam com tanto cuidado que acabem não vivendo de verdade - e, neste caso, vocês fracassam por omissão."
- Pág. 34
As lições são poucas, mas o que fica é a ideia de que devemos acreditar em nós mesmos, na nossa capacidade de conquistar o que almejamos, de realizar nossos sonhos e de enfrentarmos os obstáculos, independente do que - ou de quem - sejam.
É claro que J.K. não poderia deixar de lado seu toque de bom humor e a grande razão do seu sucesso, logo ela faz pequenas referências ao universo de Harry Potter e à magia que cada um carrega dentro de si.
O discurso é tocante por evidenciar os ideais da autora, que embora tenha se tornado umas das mulheres mais ricas do mundo, é humilde, não esqueceu suas origens e se preocupa em ajudar crianças tentando fazer do mundo um lugar melhor, e isso acaba trazendo uma reflexão sobre nossos próprios atos, sobre o que queremos para o futuro, sobre valorizar nossa capacidade e sobre concentrar nossos esforços no que acreditamos.
"Não precisamos de magia para transformar nosso mundo; todos já temos dentro de nós o poder de que precisamos: o poder de imaginar melhor."
- Pág. 67
O projeto gráfico do livro é uma graça. Apesar de ser pequeno e ter poucas páginas, a edição é um hard cover com ilustrações em tons de vermelho e preto de Joel Holland, o que torna a obra mais descolada e enche os olhos de qualquer fã da autora.

Vidas Muito Boas é um discurso que traz palavras que inspiram, que motivam e que dão força para que possamos investir na imaginação, e não só entender, mas aceitar que não devemos temer o fracasso e nem desistir do que acreditamos por causa dele.

Sorteio - O Conto da Aia


Já faz um tempinho que não participo de sorteios e nem organizo um pra liberar aqui no blog por milhões de motivos, mas sabe quando um livro mexe com a gente a ponto de querermos espalhar sua história por aí por considerá-la não só impactante, como também necessária?
Pois é... Pensando nisso, cá estou eu pra sortear O Conto da Aia, da autora Margaret Atwood.
Quem leu a crítica da série ou a resenha do livro sabe que gostei muito, por mais indignada que tenha ficado, então nada mais justo do que dar uma chance para alguém poder ler também.

Confira os termos e condições abaixo e preencha o formulário para participar:
Termos e condições:
- Ter endereço de entrega em território nacional;
- Comentar este post deixando email válido para contato;
- Perfis fakes ou exclusivos pra promoções não serão aceitos. Caso constatado, o ganhador será desclassificado sem aviso prévio;
- Comentar a resenha é uma entrada opcional. Caso o comentário não seja pertinente ou seja reaproveitado de outro blog, o mesmo não será considerado como entrada válida e a mesma poderá ser removida e/ou o participante poderá ser desclassificado;
- Não nos responsabilizamos por danos ou extravios por parte dos correios, nem por um segundo envio em caso de devolução por erro nos dados informados ou entrega sem sucesso;
- Após o resultado o ganhador será comunicado por email (o mesmo deixado nos comentários). O prazo para responder com os dados é de até 48 horas, caso contrário um novo sorteio será realizado. Em caso de falta de resposta por parte do ganhador, o sorteio será refeito por no máximo 3 vezes. Caso ninguém responda em tempo hábil, o sorteio será cancelado;
- Caso o ganhador seja sorteado com uma entrada extra que não tenha sido cumprida, este será desclassificado e será feito novo sorteio;
- O envio do livro será feito em até 30 dias úteis após o recebimento dos dados do ganhador;
a Rafflecopter giveaway

Boa sorte!!


Games - Limbo

8 de dezembro de 2017

Título: Limbo
Desenvolvedora: Playdead
Plataforma: Xbox, PS3, PC, Android, iOS
Categoria: Estratégia/Puzzle/Aventura
Ano: 2010
Classificação Indicativa: 14+
Nota: 
Sinopse: Sem ter certeza sobre o destino de sua irmã, um garoto entra no LIMBO. 
Limbo é um jogo 2D de múltiplas plataformas onde o jogador controlará um menino que acorda sozinho no meio de uma floresta sombria e parte em busca da irmã enfrentando armadilhas e criaturas perigosas.

O menino é guiado através de ambientes e armadilhas perigosas, e a ideia principal do jogo é resolver o quebra-cabeça/fase esperando que o jogador descubra a solução somente depois de falhar, onde o menino sempre terá uma morte trágica, assustadora e muito cruel. Assim podemos analisar o cenário e seus elementos para descobrir uma melhor forma de passar pelas armadilhas ou enfrentar os inimigos.



O jogo é escuro, monocromático e tem pouca iluminação, assim as armadilhas se camuflam no cenário forçando o jogador a ter surpresas nada agradáveis quando o menino é surpreendido por criaturas medonhas que surgem das sombras para matá-lo, ou quando ele cai em alguma armadilha que o parte no meio ou que o esmaga instantaneamente, mas os efeitos da animação, por mais pavorosos que sejam, são perfeitos. Os sons colaboram para que o ambiente tenha uma atmosfera misteriosa e que remeta ao gênero do terror.

Apesar de simples, a mecânica do jogo se resume a explorar o cenário andando ou correndo pros lados, pulando buracos, subindo e descendo escadas ou cordas, e puxando ou empurrando objetos que estão no caminho para auxiliá-lo na resolução da fase. Memorizar os locais ou os elementos que causam a morte do menino também é importante para tentar escapar e fazer com que ele obtenha êxito na fase. Como joguei a versão pra Android, os controles funcionam com o toque nos lados direito e esquerdo da tela para que ele caminhe por aí e, a princípio, pode haver um pouco de dificuldade para se acostumar com isso.



Como a maioria das armadilhas não são perceptíveis até que sejam acionadas, as mortes são mais comuns do que se imagina, assim, no caso dele morrer, o jogador recomeça a fase a partir do último checkpoint que é salvo automaticamente. O problema é que não há como saber exatamente fica esse save. Isso pode ser frustrante por as vezes ele fica logo depois de alguma armadilha difícil de passar e é preciso percorrer um caminho relativamente longo até chegar novamente no local. A vantagem é que não existe vidas a se perder. Não há limite de mortes.

Muitas mortes são animadas de forma bastante bizarra, o que envolve esmagamento, decapitação, desmembramento e até empalamento do menino, e é esse tipo de horror que nos choca, tanto por ser macabro, quanto pelo personagem ser uma criança. Porém são essas mortes macabras que alertam o jogador, que sempre é pego desprevenido, sobre escolhas erradas para que possamos optar por novas e seguir adiante. A cada novo cenário o medo de não querer sair do lugar para que o pobre menino não se lasque é inevitável, e a medida que o jogo progride, as coisas ficam mais difíceis de serem solucionadas.


Limbo é um jogo pago que custa por volta de R$20,00. Não há uma introdução propriamente dita, e o final fica totalmente em aberto para as mais diversas interpretações e teorias. Eu, particularmente, acredito que, nesse contexto e até pelo final que chega a emocionar, o Limbo é um lugar entre o Céu e o Inferno onde as pessoas ficam presas num looping infinito de ações...

O jogo é envolvente ao propôr desafios cada vez mais complexos, e é tão perturbador quanto genial. Pra quem gosta do gênero, vale a pena.

Por um Toque de Magia - Carolina Munhóz

6 de dezembro de 2017

Título: Por um Toque de Magia - Trindade Leprechaun #3
Autora: Carolina Munhóz
Editora: Fantástica/Rocco
Gênero: Fantasia Urbana
Ano: 2017
Páginas: 272
Nota:★★☆☆☆
Sinopse: Emily O'Connell finalmente chega ao final do arco-íris mais desejado. Sem saber o que irá encontrar, ela vai precisar mais do que nunca de toda sorte existente.
No final dessa jornada, ela se vê caminhando ao lado de seu inimigo e de todas as suas vítimas. De Los Angeles a Praga, de Amsterdã a São Francisco, ela percorrerá o mundo juntando as peças finais para seu último ato de volta à sua amada Dublin, onde tudo começou.
Como sobreviverá reencontrando o homem que tanto a machucou e finalmente descobrindo o assassino de seus pais, ela não sabe, mas aquela é a hora de terminar sua busca. É hora de encontrar a sua magia. E pagar o preço por isso.

Resenha: Emily O'Connell já passou por poucas e boas desde que descobriu ser dotada do toque de ouro, e depois de ter a vida virada de cabeça pra baixo, vamos, enfim, descobrir o que há no final do arco-íris.
Levando uma vida sem glamour algum, Emily está focada em descobrir mais tanto sobre a morte dos pais, como em recuperar seu toque de ouro que fora roubado, mesmo que pra isso tenha que seguir ao lado de Aaron, que a enganou e partiu seu coração em mil pedaços e agora lhe deve muitas respostas. Ela viajará pelo mundo a fim de montar esse enorme quebra-cabeças para conseguir justiça e para retomar a própria vida, e, talvez, o fim dessa jornada seja exatamente onde tudo começou: em Dublin, na Irlanda.

Seguindo o padrão dos volumes anteriores, a narrativa é feita em terceira pessoa e mostra todas as reviravoltas no novo rumo que Emily deu à sua vida. Seus objetivos lhe renderam inimigos perigosos, inclusive se aliar a aquele que lhe traiu de forma tão cruel, mas descobrir as verdades que ele esconde, vai trazer à tona detalhes de sua história e de como sua vida foi uma mentira desde que se entende por gente.
Emily é movida pelo desejo de justiça, mas também pensa em vingança, mas sem ajuda ela sabe que jamais conseguirá chegar muito longe. Se antes ela tinha dinheiro e amigos, agora ela não tem nada e está sozinha, mas talvez isso tenha sido fundamental para que ela pudesse ver um outro lado da moeda e dar valor ao que realmente importava, coisa que ela não fazia quando era egoísta, imatura, esbanjava dinheiro e curtia como ninguém sem sequer pensar nos outros.

Talvez eu tenha sido muito dura na resenha do livro anterior, que me tirou a paciência e quase me fez desistir, mas este, apesar de ter sido levemente mais interessante, não é tão diferente assim. Os diálogos não me agradaram pois sempre me soam fúteis e desnecessários, e as descrições, que nem sempre fazem alguma diferença na história, acabam sendo exageradas. Não lembro de ter um personagem sequer que eu realmente tenha admirado, e fazer uma combinação amorosa entre ela, Aaron e Liam foi a pior coisa que já acompanhei na minha vida. Detesto personagens que se deixam levar pela atração por alguém nada a ver quando há coisas muito mais graves e urgentes para se preocupar. Sei que as pessoas não são perfeitas e aprendem com os erros, mas embora ela perceba que precisa se tornar alguém melhor, o que é uma prova de amadurecimento, pra mim não foi o bastante. Ela também entende que estar ao lado de alguém não significa que ela não esteja sozinha, pois ela está mais sozinha do que nunca, e o passado nem sempre deve ser enterrado e esquecido, pois ele deu a elas experiências que a moldaram e a tornaram quem ela é hoje, por pior que tenha sido.

Enfim, olhando a história desse último livro e a trilogia como um todo, a trama não é ruim, não. O problema é a narrativa, a forma como as coisas se desenrolam. São detalhes que não me convenceram, que são superficiais demais ou que estão alí só pra enfeitar sem um propósito maior, e nem as descrições das cidades que fazem com que o leitor viaje junto com a protagonista experimentando um pouco dos costumes locais, e nem o progresso e a evolução de Emily como pessoa não foram o bastante pra me agradar... Eu já tinha ficado saturada do restante.

Acredito que seja um livro que deva agradar leitores que gostem de fantasia urbana, que valorizem detalhes sobre viagens e descrições acerca de pontos turísticos, e curtam personagens que aprendem e amadurecem com as experiências trágicas da vida, mas sem esperar por grandes lições ou mensagens mais relevantes.

O Conto da Deusa - Natsuo Kirino

5 de dezembro de 2017

Título: O Conto da Deusa
Autora: Natsuo Kirino
Editora: Rocco
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 288
Nota:★★★★☆
Sinopse: Nesta releitura de um conto milenar, a aclamada escritora de romances policiais Natsuo Kirino, ganhadora dos mais importantes prêmios do gênero, deixa de lado suas tramas urbanas para recriar um antigo capítulo da mitologia japonesa: a lenda das irmãs Izanagi e Izanami. Ambientada em uma ilha mística em forma de gota de lágrima, O Conto da Deusa é uma trágica história de amor e vingança, que reconta o mito da criação do Japão, com a marca inconfundível da autora. 

Resenha: Numa ilha ao sul de Yamato, conhecida não só por ter seus próprios costumes, mas por ser considerada a ilha mais próxima ao sol onde os deuses transitavam, vivem as irmãs Kamikuu e Namima, que sempre foram muito unidas. Porém, pela tradição da família Umihebi elas deveriam ser separadas para que o destino fosse cumprido. Por ser a mais velha, Kamikuu, com seis anos de idade, é levada de casa a fim de ser treinada pela avó, Mikura-sama, para se tornar o próximo Oráculo, a sacerdotisa responsável por abençoar a ilha e por orar pelos homens que iam para o mar. Assim, ao ver a irmã partir, Namima sentia que um pedaço de si mesma lhe fora arrancado, não entendia porque não poderia ter contato com sua amada irmã, e não fazia ideia do que o futuro lhe reservaria a partir de então...
Segundo a tradição, e respeitando a dualidade entre Yin e Yang (opostos que se completam), o Oráculo além de precisar ser uma mulher, deveria ser Yang, e ao se tornar uma sacerdotisa, Kamikuu governaria o Reino da Luz. Em contrapartida, a que nascesse depois representaria o Yin, e seria responsável pelo Reino das Trevas para velar os mortos, e isso acaba não sendo nenhuma surpresa quando a história começa com Namima já contando que está morta... O que o leitor irá descobrir é a sua trajetória e seus segredos, até que ela completasse dezesseis anos e se tornasse a guardiã do Amiido, o lugar onde os mortos são enterrados e descansam.

A narrativa, que intercala primeira e terceira pessoa, não é muito ágil, mas ainda assim prende pelos detalhes e pela curiosidade do que está por vir. Na primeira parte a autora mostra a vida de Namima, desde quando nasceu até quando se tornou sacerdotisa da deusa Izanami, de quem também conhecemos o passado e vemos todos os motivos para nutrir tanto ódio e desejo de vingança, e na segunda parte a criação do Japão ganha destaque.

Vemos Kamikuu e todos os privilégios concedidos a ela, desde o melhor lugar para morar até a fartura que lhe é oferecida enquanto os aldeões passam fome, e Namima, que passa a ser considerada uma "impura", ser constantemente desprezada e humilhada, cuja existência só é necessária para velar aqueles que já se foram.
Claro que o romance não poderia faltar, e aqui o "mocinho" é Mahito, um rapaz nascido em uma família amaldiçoada, a Umigame, e que jamais poderia se envolver com a família Umihebi. A paixão secreta e proibida sustenta uma parte considerável do suspense e do drama vivido por Namima, principalmente quando há uma criança entra em jogo e uma terrível traição acontece, mas o que fica em evidência, devido à lenda, é a ligação entre Namima e a deusa Izanami, que está cheia de amargura e é movida por vingança há milênios por algo que Izanagi fez. E quando Namima se torna sua sacerdotisa, ela consegue enxergar além e entender pelo que Izanami passa, pois sua vida também foi extremamente sofrida até ter sido traída de forma inimaginável por quem ela menos esperava.
Na companhia de Izamani, Namima descobre todas as injustiças que foi obrigada a sofrer, e isso só desencadeia ódio, revolta e a busca pela justiça. E assim como a deusa, ela quer vingança. O que ela ainda não entendeu, é que existem situações que jamais poderão ser mudadas, e resta a ela aprender a lidar com o fardo que o destino lhe incumbiu.

O Conto da Deusa é uma releitura de uma lenda da mitologia japonesa sobre a criação do Japão e da origem dos deuses Izanagi e Izanami, e os detalhes acerca do cenário e dos detalhes descritos pela autora são uma obra de arte a parte.
Vou ser sincera em assumir que, apesar de admirar as belezas da cultura, não conheço nada do folclore ou da mitologia japonesa, e talvez se eu já tivesse um conhecimento prévio minhas impressões da leitura poderiam ser diferentes. Isso não impediu que eu pesquisasse sobre depois, mas penso que, mesmo que eu tenha gostado da história, se eu já tivesse tais informações de antemão a experiência seria outra, e acho que seria mais positiva.

Enfim, assim como o Yin e o Yang, a autora consegue mostrar através dessa releitura que os opostos não só se atraem, como também se completam. Assim, lendas japonesas milenares e fantasia se unem para que uma história muito bonita sobre os opostos amor e ódio, alegrias e tristezas, e vida e morte possa ser contada.

A Maldição de Hollow - Nora Roberts

4 de dezembro de 2017

Título: A Maldição de Hollow  - A Sina do Sete #2
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2017
Páginas: 272
Nota:★★★★★
Sinopse: Quando tinham apenas 10 anos, Fox, Cal e Gage libertaram um demônio aprisionado havia séculos ao fazerem um pacto de sangue sobre a Pedra Pagã. O inocente ritual deu poderes sobrenaturais aos três jovens, mas lançou uma terrível maldição sobre Hawkins Hollow: a cada sete anos, a cidade é dominada por atos de loucura, violência e destruição.
Vinte e um anos depois, esses irmãos de sangue começam a enfrentar mais um ciclo de batalhas contra o demônio, que terá seu auge no sétimo mês. Mas desta vez não estarão sozinhos: ao lado do trio de amigos estão Quinn, Layla e Cybil, três mulheres corajosas ligadas a eles pelo destino.
Fox O’Dell, o advogado da cidade, é capaz de ler mentes, um talento que compartilha com Layla Darnell. A conexão entre eles pode se tornar o trunfo de que o grupo precisa para derrotar as trevas que ameaçam engolir a cidade. Porém, Layla está tendo dificuldade em lidar com sua recém-descoberta habilidade e com a forte atração que sente por Fox.

Resenha: A Maldição de Hollow é o segundo livro da Trilogia A Sina do Sete, escrito por Nora Roberts e publicado pela Editora Arqueiro.

No primeiro livro, Carl havia chamado Quinn em busca de uma visão imparcial acerca dos acontecimentos. Assim que chegou à cidade, conheceu Layla que havia chegado sem saber como nem porque, simplesmente entrou no carro e parou lá, A seguir chamou sua melhor amiga Cybil, formando então um trio que sem imaginar, estavam muito mais envolvidas com os acontecimentos sombrios da cidade do que supunham. Assim como seus destinos se ligavam ao destino dos três rapazes que começaram toda a maldição: Carl, Fox e Gage, além de nem imaginar porquê estavam ligadas à própria maldição. E para facilitar ainda mais as coisas, no meio de toda essa bagunça Carl e Quinn se apaixonaram lá no livro anterior. Precisam aprender a lidar com seu relacionamento em meio à essa loucura toda que o menino dos olhos vermelhos apronta com eles!

Se no livro anterior o romance foi entre Cal e Quinn, nesse vemos Fox e Layla se envolvendo, bem mais devagar e com muito mais "não quero ficar com você" do que com o "eu te amo" do outro casal. Ela foi trabalhar de secretária do escritório de Fox, o que facilita e dificulta as coisas, mas não tem jeito, a mesma ligação que o outro casal tem este também tem, seja por causa da maldição ou não, estão todos ligados!

Recapitulando... quando os meninos completaram dez anos, foram comemorar seu aniversário na Pedra Pagã, um lugar que diziam ser amaldiçoado. Crianças que eram e sem acreditar em superstições, foram...acabaram por libertar alguma coisa que fazia com que a cada 7 anos, durante 7 dias e 7 noites, algo sinistro pairasse sobre a cidade fazendo com que as pessoas ficassem extremamente violentas, agredissem quem quer que fosse, chegando até a matar, sem lembrar de nada depois.

Os meninos, ao longo dos 21 anos depois da maldição tentaram de tudo para evitar e não conseguindo, para "suavizar" as coisas, já que eles não eram afetados por tal loucura só que desta vez tem alguma coisa diferente, as coisas que só aconteciam durante "Os Sete" que é como eles passaram a chamar aquele período passaram a acontecer bem antes do esperado e de forma cada vez mais intensa. As coisas estão saindo do controle e os seis amigos vão tentar tudo o que for possível pra acabar com essa terrível maldição antes que ela acabe com a cidade! Assim, vão em busca de seus antepassados, que descobriram, começaram toda essa confusão. Vão descobrir muita coisa, e sabem agora que têm muito mais a desvendar.

Junte toda essa confusão ao romance entre Carl e Quinn que está cada vez mais forte e mais fofo, mais o romance entre Layla e Fox que estão tentando aprender a equilibrar toda a vida deles, mas têm agora um relacionamento bem intenso porém nada fofo já que a personalidade de ambos não ajuda e eles brigam toda hora, o que também é bem bonitinho e a tentativa, pelo jeito fracassada de Gage e Cybil de não se envolver e temos um romance sobrenatural de tirar o fôlego, com bastante mistério, um draminha pra contrabalancear e uma pitada de humor!!!

Tem muita coisa acontecendo, muita coisa para contar, mas são tantos os mistérios e confusões que qualquer coisa dita pode acabar com um mistério futuro e fazer sua leitura perder a graça, então, não vendo outro jeito, preciso parar de falar por aqui, mas posso contar que é um livro maravilhoso, com uma excelente narrativa, personagens fortes e um enredo maravilhoso!


A Luneta Âmbar - Philip Pullman

3 de dezembro de 2017

Título: A Luneta Âmbar - Fronteiras do Universo #3
Autor: Philip Pullman
Editora: Suma de Letras
Gênero: Fantasia/Aventura/Juvenil
Ano: 2017
Páginas: 504
Nota:★★★★☆
Sinopse: Em todos os universos, forças se reúnem para tomar um lado na audaciosa rebelião de lorde Asriel contra a Autoridade. Cada soldado tem um papel a desempenhar – e um sacrifício a fazer. Feiticeiras, anjos, espiões, assassinos e mentirosos: ninguém sairá ileso. Lyra e Will têm a tarefa mais perigosa de todas. Com a ajuda de Iorek Byrnison, o urso de armadura, e de dois minúsculos espiões galivespianos, eles devem alcançar um mundo de sombras, onde nenhuma alma viva jamais pisou e de onde não há saída. Enquanto a guerra é travada e o Pó desaparece nos céus, o destino dos vivos – e dos mortos – recai sobre os ombros dos dois. Will e Lyra precisam fazer uma escolha simples, e a mais difícil de todas, com consequências brutais. A luneta âmbar é o último livro da trilogia Fronteiras do Universo, que teve início com A bússola de ouro e A faca sutil. Uma conclusão emocionante, que leva o leitor a novos e fantásticos universos.

Resenha: No desfecho da trilogia, acompanhamos não só Will em busca de Lyra, que fora sequestrada e mantida escondida, mas o plano de lorde Asriel para enfrentar a Autoridade. Com a ajuda de anjos, espiões minúsculos e do próprio Iorek Byrnison, o urso de armadura, o Mundo dos Mortos é um dos universos que as crianças precisam passar para terem respostas e para enfrentar o maior obstáculo de todos: A Autoridade.
Enquanto isso, conhecemos Mary Mallone, uma física que está viajando pelos mundos, guiada pelo I-Ching, que é basicamente outra versão do aletiômetro, e encontra curiosas criaturas elefantinas num desses universos. Posteriormente ela terá uma ligação com Lyra importante para o desfecho.
Simultaneamente, temos Lorde Asriel e a Srta. Coulter e seus respectivos planos secretos, cada um em busca dos próprios interesses.

Diferente dos livros anteriores, a dinâmica de A Luneta Âmbar é diferente. Este volume tem um desenvolvimento mais lento, com personagens, detalhes e descrições que não parecem ser realmente fundamentais para o desenrolar da trama e há muitas passagens confusas. Embora o desfecho da história tenha sido emocionante pra mim e a trilogia seja uma das minhas favoritas da vida, não nego que este foi o volume mais cansativo de se finalizar, principalmente por ter um outro "tom" se comparado aos anteriores.
Desde o início o leitor sabe que os protagonistas da trilogia são crianças, uma mentirosa de carteirinha e um assassino assumido, que na maioria das vezes não se comportam como crianças. Essas "habilidades" que eles têm são as ferramentas que eles precisam para enfrentar os obstáculos e acabam sendo uma forma de mostrar que por mais que as pessoas sejam capazes de usar atributos considerados como sendo de vilões, elas podem ser mocinhos. Basta olhar a situação usando uma perspectiva diferente. Eles lidam com problemas e constantemente ficam diante de enormes desafios e perigos que não correspondem exatamente à realidade, mas acredito que o foco maior, além de trazer uma história fantástica em meio a esse universo incrível, é a crítica -  e em alguns pontos até necessária - nas entrelinhas de uma história aparentemente infantil e inocente sobre a essência do ser humano.

Fazendo um apanhado geral sobre a trilogia, penso que trata da história de uma garotinha que enfrenta um universo inteiro para descobrir que o amor tem poder o suficiente para superar todas as adversidades, porém com o toque particular do autor ao embutir a crítica acerca da religião da forma que é encarada por ele, mais especificamente sobre a igreja, que é retratada como uma instituição que manipula a sociedade para que acreditem no que querem de acordo com o que é conveniente. Pra mim, é como se o autor quisesse dizer que as pessoas não estão "livres" quando se prendem a crenças religiosas que condenam desde a sexualidade até a imaginação, e a abordagem para o pecado original e as consequências que perduram até a atualidade ilustram perfeitamente isso. A liberdade plena, de corpo e mente, só viria quando - e se - a igreja caísse para que, assim, não houvesse mais interferências vindas da religião e as pessoas pudessem pensar sem serem influenciadas de alguma forma. Não penso que a ideia do autor seja tornar Deus um tipo de vilão, mas mostrar que muitas vezes a igreja aponta coisas simples, inocentes e naturais como coisas abomináveis quando não deveriam ser.

A grande guerra que fora prometida não foi tão épica quanto eu esperei. Não houve a devida intensidade e nem detalhes o bastante para torná-la grandiosa, e tudo foi resolvido de forma relativamente rápida, mesmo que não tão fácil.

O livro não é perfeito, tem algumas falhas e em muitos pontos é complexo demais pra ser facilmente compreendido. Requer inclusive algumas pesquisas para um melhor entendimento. Mas mesmo assim, ao meu ver, fechou a trilogia com sucesso e pra quem tem a mente aberta é leitura mais do que recomendada. A trilogia traz uma história cheia de camadas significativas e simbolismos em meio a uma fantasia memorável e inesquecível.