28 de fevereiro de 2018

Caixa de Correio #72 - Fevereiro Zoado

Bem que dizem que a gente só descobre o tanto de tralha inútil que guardamos quando mudamos de casa, e com essa que fiz nesse mês não foi diferente, principalmente quando tive que contratar uma caçamba gigante pra dar fim no amontoado de lixo que eu convivia sem saber. Com a confusão da mudança e a total falta de noção do tempo que tudo levaria pra chegar (ou não), acabei não solicitando livros de parceria e adiei várias compras. Se eu fizesse o pedido e o livro não chegasse a tempo, não teria ninguém pra receber na casa velha, e eu fiquei com receio de passar o endereço da casa nova sem ter finalizado a mudança. Nunca se sabe o que pode acontecer e preferi não arriscar passar raiva.

Sobre os Funkos que comprei no Ebay, pra minha tristeza eterna, já me conformei em dá-los por perdidos, e sem código de rastreio fica impossível localizá-los. Precisei abrir reclamação pra ser reembolsada e só espero que os correios não demorem o resto da vida pra devolverem os abençoados e os vendedores não ficarem no prejuízo, afinal, eles não tem culpa dos correios aqui serem essa lástima deplorável. Se tivessem entregado no prazo em vez de ficarem prendendo as compras dos outros em Curitiba ninguém teria transtorno, mas não. Não é a toa que vários vendedores do Ebay pararam de vender pro Brasil, e entendo perfeitamente. Melhor evitar a fadiga e não ter prejuízo do que insistir num caso perdido...

Comprar Pops pra aumentar minha amada coleção é uma coisa que me deixa tão feliz, contente, sorridente, alegre e saltitante, mas é uma pena que os Correios desse país sejam desrespeitosos e intolerantes a qualquer forma de alegria alheia. #chora

O único que teve rastreio foi a Bela, aquela linda com vestidinho esvoaçante, que comprei no AliExpress, e já liguei nos correios pra saber o que pode ser feito. Basta ir conferindo o código de rastreio pra acompanhar as três tentativas de entrega, e quando não forem bem sucedidas, vai voltar pro centro e aparecer o registro com o endereço de onde o objeto está aguardando a retirada. Melhor ir buscar do que comprar outra e esperar mais 200 anos. Inclusive, desde o dia 08/02, ela já passou pela inspeção, foi liberada sem ser taxada (Deus é pai) e agora fica o aviso lá de que vai ser entregue em até 40 dias úteis.

Assim, compritchas de novos Funkos ficam pra caixa de março (e vai estar linda, eu prometo). O que recebi no começo desse mês, e que por sorte chegou pouco antes da mudança, foi um único pedido que tinha feito em novembro ou dezembro (nem sei mais), por isso a caixa magrinha. Espiem:

25 de fevereiro de 2018

Wishlist #24 - Guns N' Roses

Como ficar sem assobiar em Patience, ou sem cantar em November RainSweet Child O' Mine, Knockin' On Heaven's Door e afins quando essas músicas super nostálgicas tocam? Impossível! E como não morrer de amores pelos popinhos de Guns N Roses, senhor?
Eu sei que tem Funkos inspirados em vários artistas, bandas e cantores solos que adoro (e me aguardem quando os de Backstreet Boys forem lançados), mas, talvez com exceção de Amy Whinehouse (que é a Pop mais linda na minha humilde opinião e, com certeza, vai entrar numa futura Wishlist), até então, esses fofildos são lindos, perfeitos, e não poderiam ficar de fora da minha lista sem fim. Inclusive já fiz o obséquio de comprar os três e aguardo ansiosa pela visita do carteiro (a previsão é pra primeira semana de março, então oremos!) ♥

18 de fevereiro de 2018

Wishlist #23 - Funkos de Mean Girls

Começando mais uma coleção "quase impossível" pra lista de desejos sem fim com os Pops de Meninas Malvadas. Assim como a coleção de Friends, os funkos delas saíram de linha, estão "aposentados" (os chamados vaulted), e por esse motivo os preços ficam bem salgados e dá aquele desgosto por pensar "por que diabos não comecei a colecionar antes?"... A Regina não se acha por menos de R$250,00, e as demais beiram os R$200,00... Ando participando de grupos, pegando dicas sobre importação pra comprar fora do Brasil de quem está mais por dentro do que eu, e espero que num futuro não muito distante eu consiga juntar um dinheiro pra poder comprar essas fofildas.

11 de fevereiro de 2018

Wishlist #22 - Funkos de Frozen

Quatro anos depois da febre que foi Frozen, o "lerigou" ainda paira por nossas vidas, principalmente pra quem tem filhos... Mas, não é pra menos, já que a animação não é só maravilhosa, visualmente falando, e tem canções que não saem das nossas cabeças, como também foi uma das primeiras a mostrar que o amor fraternal entre irmãs pode ser muito maior, mais forte e poderoso do que a paixonite por qualquer boy lixo (morra, Hans) que aparece por aí.
Ultimamente, os pops da coleção estão com os preços bem salgadinhos, principalmente por estar cada vez mais difícil de achar os bonecos originais. O que antes dava pra comprar por R$60,00 hoje não se acha por menos de R$100,00, a menos que se importe os abençoados, com exceção do Kristoff e do Sven, que ainda podem ser encontrados na faixa dos R$70,00. O problema de importar é que 1) o dólar tá o olho da cara, 2) é demorado, 3) precisa ter cartão de crédito internacional, 4) corre o risco de ser taxado quando chega nesse buraco desse país.
Enfim, estão na lista:


9 de fevereiro de 2018

Nossa Música - Dani Atkins

Título: Nossa Música
Autora: Dani Atkins
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance
Ano: 2017
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Ally e Charlotte poderiam ter sido grandes amigas se David nunca tivesse entrado em suas vidas. Mas ele entrou e, depois de ser o primeiro grande amor (e também a primeira grande desilusão) de Ally, casou-se com Charlotte.
Oito anos depois do último encontro, o que Ally menos deseja é rever o ex e sua bela esposa. Porém, o destino tem planos diferentes e, ao longo de uma noite decisiva, as duas mulheres se reencontram na sala de espera de um hospital, temendo pela vida de seus maridos. Diante de incertezas que achavam ter vencido, elas precisarão repensar antigas decisões e superar o passado para salvar aqueles que amam.

Resenha: No passado, Ally e Charlotte poderiam ter sido muito amigas se não fosse por David. Ele foi o primeiro amor de Ally, mas tudo terminou numa grande desilusão para Ally quando ele não só escolheu ficar com Charlotte, como também se casou com ela.
Anos se passaram desde então, e Charlotte se casou com Joe, mas nem ela e nem Ally esperavam enfrentar mais uma peça do destino: Ally recebe a notícia de que Joe se afogou num lago numa tentativa de salvar um garotinho, e Charlotte também recebe a notícia de que David sofreu um ataque do coração. Agora, apreensivas, as duas se reencontram na sala de espera no hospital, onde seus maridos estão internados e lutando pela vida. E frente a frente, elas se deparam com incertezas e mágoas do passado que ainda não foram totalmente superadas, e terão de repensar as decisões tomadas a fim de salvarem aqueles que elas mais amam.

Narrado em primeira pessoa através dos pontos de vista de Ally e Charlotte, o leitor acompanha uma história que se desenrola mostrando tanto o presente, quanto flashbacks de várias situações de anos atrás das protagonistas a fim de que tudo possa ser explicado. Como se conheceram e que papel fizeram na vida uma da outra, assim como seus maridos e a relação inicial de todos. Senti que em alguns pontos a história se tornou um pouco confusa e com trechos que trouxeram uma carga emocional super intensa, como se tivesse sido inserida alí pra fazer qualquer um desabar em lágrimas, e realmente, é um livro pra nos fazer chorar como se não houvesse amanhã. Com o progresso da leitura, embora o leitor fique próximo dos dilemas das duas mulheres ao relembrarem o passado de uma forma tão vívida, e ainda possa não concordar com o fato de que a amargura e a complacência podem andar de mãos dadas, as coisas vão ficando mais claras.

A construção dos personagens também foi muito boa. Há aqueles que vamos nos simpatizar e nos identificarmos mais do que outros. Alguns são bem cativantes e é impossível não torcemos pela felicidade deles, enquanto outros tem personalidades e comportamentos que podem desagradar, principalmente se nos colocarmos na pele dos envolvidos ou se já tivermos vivido algo parecido.

Charlotte é apresentada como uma mulher determinada, mas pra mim tudo o que ela fez foi pensando em si. Não me agrada nada acompanhar uma mulher que se intromete e interfere na vida de um casal, ou se aproveita da fragilidade do relacionamento para se aproximar daquele que lhe interessa. Tanto homem no mundo, pra que insistir numa aproximação de um que é comprometido?
E é aí que entra David, pois sendo tão gentil e atencioso, ele "não percebeu" que ter permitido a aproximação de Charlotte fez com que seu relacionamento com Ally fosse afetado de forma negativa, até que eles se separaram e a outra bonita pudesse investir livremente. É de fazer qualquer um ficar indignado, convenhamos. E não importa que haja justificativas, não é algo que eu admire seja na realidade ou na ficção...
Mas, arrasada e com o coração em frangalhos por ter perdido aquele que ela considerava o amor de sua vida, eis que surge o maravilhoso Joe. Ele não tinha nada a ver com a história anterior, mas mostrou que é um homem com H maiúsculo quando deu conforto e mostrou interesse por Ally através de pequenos grandes gestos. A paixão foi recíproca e o relacionamento engatou, mas Ally jamais esqueceria David...

A autora conseguiu construir uma trama realista, e que mostra que nem tudo na vida é um conto de fadas onde todos saem felizes e saltitantes depois de enfrentarem situações difíceis, principalmente aquelas que reviram e tocam numa ferida do passado que parece não ter cicatrizado.
Muito do que a autora conta na história fica subentendido, nas entrelinhas, e acho isso um ponto super positivo visto que existem coisas que não requerem explicações minuciosas.

Este é um livro que fala sobre as escolhas da vida, boas ou más, e o quanto isso pode ser um fator determinante futuramente. Às vezes pensamos que algo ficou pra trás, quando na verdade aquilo sempre esteve ali. Às vezes não paramos pra pensar que a lei do retorno existe, e mais cedo ou mais tarde alguém vai ser cobrado e terá que pagar pelo que fez e pelo que causou em outrem. Tais fatores nos fazem pensar no "e se": Será que a vida seria diferente SE outra escolha tivesse sido feita?

Amor, perdão, mágoa, amizade, família... Tudo isso, inevitavelmente, faz parte da vida, e depois da leitura de Nossa Música, fica evidente que o final feliz não é algo que devemos esperar de braços cruzados. A felicidade é construída aos poucos, mesmo que seja necessário abrir mão de certas coisas para que outras possam chegar e preencher o espaço vazio que ficou.

7 de fevereiro de 2018

Meus Dias com Você - Clare Swatman

Título: Meus Dias com Você
Autora: Clare Swatman
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance
Ano: 2017
Páginas: 312
Nota:
Sinopse: Quando o marido de Zoe morre, o mundo dela desaba. Mas e se fosse possível tê-lo de volta?
Numa fatídica manhã, Ed e Zoe têm uma discussão terrível, algo recorrente no seu casamento em crise, e ela acaba se despedindo de forma brusca quando ele sai para o trabalho.
Pouco tempo depois, um ônibus acerta a bicicleta de Ed, matando-o e deixando Zoe arrasada por não ter lhe dito quanto o amava. Se tivessem ficado mais um pouco juntos aquela manhã, ele ainda estaria vivo? Será que poderiam ter reconstruído o amor que os unira?
Após dois meses, Zoe ainda não conseguiu se conformar. De luto, decide cuidar do jardim do marido, quando acaba caindo e desmaiando. Então, algo estranho acontece: ao acordar, ela está em 1993, no dia em que conheceu Ed na faculdade.
A partir desse instante, Zoe passa a reviver momentos cruciais de sua vida e percebe que talvez tenha conseguido uma segunda chance: uma oportunidade de fazer tudo diferente, de focar naquilo que realmente importa, de mudar os rumos do relacionamento – e, quem sabe, o destino de seu grande amor. 

Resenha: Não é difícil encontrarmos histórias onde os protagonistas tem a chance de reviverem o passado como segunda chance para algo que não acabou bem, mas apesar de existir uma "fórmula" pra esse tipo de enredo, quando ele é bem desenvolvido acaba sendo uma grata surpresa, o que, em partes, acontece em Meus Dias com Você... Embora a história seja leve e cheia de toques românticos que deveriam nos fazer suspirar, ela é arrastada e cheio de incoerências em vários pontos. Zoe é uma personagem cujos pensamentos e atitudes são desinteressantes, absurdos ou repetitivos. Não faz muito sentido pra mim alguém ter a chance de reviver o passado mas a cada acontecimento já vivenciado a reação ser de surpresa, espanto, desespero ou coisa parecida sendo que já se sabe o que vai acontecer. Entendo que algumas situações são realmente tristes e relembrá-las pode ser algo bastante doloroso e difícil, mas encarar aquilo como se fosse algo novo não me pareceu nada crível. Somando isso aos constantes pensamentos sobre Ed, o quanto ela o idolatra como se ele fosse perfeito (sendo que não é, e isso fica bem claro no decorrer dessa jornada de Zoe), e a fixação eterna que ela tem pelo "e se", acompanhar Zoe revivendo o passado foi cansativo e bem desgastante, e sem contar que em momento algum ela levanta questionamentos sobre como esse retorno foi possível, e cabe ao leitor imaginar se o que está acontecendo é sonho, realidade ou sabe-se lá o quê.

Como personagens, percebi que Ed e Zoe são bem diferentes um do outro, mas embora o casamento tenha chegado a um ponto crítico, eles buscavam pelo equilíbrio para darem certo, o que não parece ter dado muito certo, convenhamos. Enquanto Zoe almejava estabilidade, Ed sonhava em alcançar a felicidade nos campos que ele mais se preocupava em sua vida, fazendo as coisas que eram convenientes para ele e mais ninguém. Porém as diferenças entre eles eram muito maiores do que o que eles tinham em comum, e a longo prazo isso os tornou insatisfeitos e infelizes um com o outro, e no final das contas a morte de Ed acabou servindo para que Zoe refletisse, pois não existe ditado mais verdadeiro do que aquele que diz que só damos valor a algo ou alguém quando perdemos...

Enfim, não é fácil manter um relacionamento, e o de Ed e Zoe é um daqueles que com o passar do tempo vai se desgastando até estar fadado ao fracasso caso ninguém faça algo pra mudar a tempo. Por mais que a história tenha seus pontos fracos, ela aborda o relacionamento e suas diversas fases de uma forma real, além de trazer a ideia de que devemos valorizar aquilo que temos, e enquanto temos, para evitar remorsos e arrependimentos que jamais poderão ser superados. A história é previsível em alguns momentos, mas tenho que assumir que o final foi inesperado e de forma geral é uma leitura que vale a pena.

5 de fevereiro de 2018

Confissões de Um Garoto Tímido, Nerd e (Ligeiramente) Apaixonado - Thalita Rebouças

Título: Confissões de Um Garoto Tímido, Nerd e (Ligeiramente) Apaixonado
Autora: Thalita Rebouças
Editora: Arqueiro
Gênero: Infanto Juvenil
Ano: 2017
Páginas: 304
Nota:
Sinopse: Davi está no segundo ano do ensino médio e finalmente tomou coragem para iniciar o curso de astrologia que sempre quis fazer mas nunca teve coragem de admitir, por medo de sofrer preconceitos.
Entre signos e mapas astrais, conhece Milena, uma menina incrível, que o deixa encantado com seu jeito apaixonante. Tetê, melhor amiga de Davi, o incentiva a investir no relacionamento, mas vencer a timidez é um desafio para ele. Ajudar Zeca, seu amigo que passa por problemas amorosos, também é uma dificuldade, pois Davi é inexperiente no assunto.
No final do primeiro semestre, entretanto, uma novidade causa um rebuliço na turma: Samantha, colega de classe do trio, apresenta Gonçalo, que mora em Portugal e veio passar as férias de verão europeu na casa dela, no Rio de Janeiro.
A chegada do estrangeiro tem efeitos inesperados, e Davi e seus amigos passam a lidar com questões que nunca imaginaram ter que enfrentar.

Resenha: Davi tem dezesseis anos, está no segundo ano do ensino médio, é nerd assumido e, depois de ter tomado coragem, começou a fazer um curso de astrologia que ele tanto queria mas ainda não tinha feito por medo de sofrer preconceito. E nesse universo astrológico ele conhece Milena, uma garota super legal por quem ele logo fica encantado. Porém, sua timidez é uma coisa que precisa ser vencida, e Davi vai contar com a ajuda dos seus amigos para ter coragem de investir nesse relacionamento. E enquanto ele enfrenta essas questões, um novo colega chega na cidade fazendo com que o grupo de amigos lidem com outras coisas que eles não esperavam...

No livro a autora pede pra não darmos muitos detalhes da história para que possamos descobrir as coisas junto com o personagem, mas posso dizer que Davi é o tipo de personagem que muitos adolescentes se identificam: tímido, confuso com o que é novo, e até bem reservado, e quando ele se depara com a ideia de alguém o conhecendo melhor, ele sai de sua zona de conforto. Ele é um personagem que tem algo a ensinar, seu desenvolvimento foi bem construído, sua paixão pelos signos e pelo comportamento humano é verdadeira e sua forma de analisar os outros é bem engraçada.

A escrita também é muito boa e envolvente, as descrições do cenário transportam o leitor para a cidade do Rio de Janeiro e a linguagem descolada em meio aos elementos da atualidade, como redes sociais, whatsapp e afins deixam a história bastante realista.

Eu gostei bastante da história pois ela trata dos dilemas e dos dramas adolescentes de um jeito muito leve e sem fazer parecer que os problemas tratados nele não tem a devida importância, pois além de mostrar que enfrentar medos e preconceitos é possível, ou que nunca devemos deixar de fazer o que gostamos para agradar os outros, fica mais do que claro que a amizade é uma das coisas mais importantes da vida e o quanto deve ser valorizada quando é verdadeira.

4 de fevereiro de 2018

Wishlist #21 - Funkos de The Good Dinosaur

O Bom Dinossauro é um daqueles desenhos que a primeira vista não parece lá muito interessante, e até eu tomar coragem pra assistir levou um tempinho considerável. Nem preciso dizer que me arrependi de não ter assistindo antes pois a animação é linda, engraçada e emocionante o bastante pra ter me arrancado algumas lágrimas. Tive que colocar esses dois na lista, sim ou claro?

2 de fevereiro de 2018

Meia Guerra - Joe Abercrombie

Título: Meia Guerra - Mar Despedaçado #3
Autor: Joe Abercrombie
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia
Ano: 2018
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Apenas meia guerra é travada com espadas.
A outra metade é travada com palavras.
A princesa Skara vê todos os que ama morrerem na sua frente e o seu palácio ser consumido pelas chamas. Tudo o que lhe resta são palavras... Mas palavras podem ser tão letais quanto armas. Disposta a se vingar, ela enfrenta seus medos e aguça a inteligência, indo atrás de pai Yarvi.
O ministro de Gettland já percorreu um longo caminho desde a escravidão, fazendo aliados entre antigos rivais e estabelecendo uma paz instável. Porém, agora, a cruel avó Wexen arregimenta o maior exército desde que os elfos guerrearam contra a Divindade Única e põe Yilling, o Brilhante, como seu comandante – um homem que venera apenas a Morte.
Skara pode ser a peça que faltava para forjar de vez a aliança entre Gettland e Vansterland, alicerçada na fortaleza de seus antepassados, pronta a enfrentar a fúria do Rei Supremo. Nessa guerra, ela contará com o apoio de uma ministra inexperiente, mas leal, e de um matador imprudente que espera superar fantasmas de antigos conflitos sangrentos.

Resenha: Nos livros anteriores, Meio Rei e Meio Mundo, acompanhamos a jornada dos dois personagens principais da trama: Yarvi era um jovem que além de sofrer preconceito por possuir uma deficiência física, o que o fazia ser considerado como um "meio homem", ainda perdeu o direito de ocupar seu lugar ao trono após um golpe. Yarvi embarcou numa grande saga até se deparar com a jovem Thorn, uma garota com espírito livre e destemida que não se submetia aos caprichos de homem nenhum. Quando a inteligência de Yarvi complementa a força e a coragem de Thorn, a busca pela justiça tem início, mesmo num mundo onde as guerras predominam.

Neste volume, conhecemos Skara, uma jovem princesa que vê sua família ser assassinada e seu palácio ser consumido pelo fogo a mando do Rei Supremo. Desprovida de armas, Skara, muito inteligente e astuta, só tem suas palavras como recurso, e ela acaba conseguindo fugir e ir de encontro a pai Yarvi, que também havia sido prejudicado pelas mesmas pessoas que destruíram sua vida. Ao se tornar sua aliada, ela planeja reconstruir seu reino e vingar a morte de sua família.

Seguindo o estilo dos livros anteriores, a narrativa é feita em terceira pessoa, continua bastante fluída e com ação e drama necessários para manter o leitor preso à leitura. Os personagens são fortes, enfrentam situações que os levam ao extremo, e o autor ainda não poupa esforços ao inserir grandes toques de feminismo e sua importância pela visão das personagens femininas em meio à trama.
Porém, por mais que o livro funcione de forma individual, no contexto geral e levando os livros anteriores em consideração, ele não foi tão satisfatório quanto eu gostaria e acabou não superando minhas expectativas. A sensação é de que o autor não foi capaz de equilibrar tudo que ele trouxe à tona anteriormente com o que foi apresentado neste volume, e não digo isso só por causa dos personagens, mas também por algumas cenas, principalmente as de morte, que deveriam ser momentos épicos mas são fraquíssimas, sem muitos detalhes, outras totalmente inexplicáveis, e quebram a empolgação de qualquer leitor.

Apesar destes pequenos detalhes, eu gostei da forma como a ideia da política foi conduzida, pois quando se está sob domínio de um rei tirano e sua ministra implacável que só oprimem o povo, as coisas tendem a seguir pelo caminho da revolução pois ninguém consegue tolerar tantas injustiças assim. Cabe aos protagonistas de cada volume, Yarvi, Thorn e Skara, se unirem, porém aprendendo a lidar uns com os outros, para darem um fim nessa era de terror.

Yarvi teve um arco bastante complexo e tudo o que passou ajudou na construção de sua personalidade e no homem que ele se tornou, porém o autor decidiu desconstruí-lo e transformá-lo em alguém bastante diferente do esperado, e confesso não ter ficado satisfeita ao me deparar com um Yarvi mau caráter, vingativo e odioso que usa e abusa da manipulação da forma mais inescrupulosa que se possa imaginar para conseguir o que quer. E eu não encontrei quaisquer explicações que justificassem essa mudança de forma convincente.
Thorn, que fora uma personagem incrível no segundo livro, acabou não sendo mais do que um artifício utilizado para provocar mortes nos momentos mais convenientes da história, fora isso não tem arco e nem maiores utilidades, o que foi uma pena visto que ela era a personagem que eu mais gostava.
Skara demora a despertar algum sentimento no leitor. Ela é morna e sem muitos atrativos e só começa a mostrar sua importância no fim, mas não nego que achei bastante interessante e diferente a ideia de que ela usa as palavras como arma, e quando Skara é forçada a empunhá-las para se vingar de seu avô e de seu povo é impossível não se empolgar.

Enfim, não digo que a trilogia seja ruim ou dispensável, muito pelo contrário. A história tem uma trama política bastante complexa, diálogos inteligentes, é cheia de ação e fantasia, e pra quem gosta de batalhas sangrentas e brutais, assim como vilões marcantes e sombrios com certeza vai curtir. A ideia de que é possível ser corrompido quando há poder em jogo é super interessante, assim como nem sempre justiça ou vingança são feitas da forma como deveriam, principalmente quando esses conceitos são confundidos, porém o desenvolvimento e o desfecho dado pelo autor, tanto para os personagens quanto para a questão da guerra, apesar de previsível, passaram longe do final épico que eu imaginava quando iniciei a trilogia.

1 de fevereiro de 2018

Resumo do Mês - Janeiro


Janeiro passou rápido demais, socorro! Esse ano até que começou bem. Só não consegui ler muito porque o tempo foi curtíssimo, inclusive algumas das resenhas liberadas foram de leituras mais antigas. Agora cá estou eu, mexendo com mudança de casa, ficando muerta com farofa, no meio da bagunça e da confusão, mas entre mortos e feridos todos vão sobreviver. O que importa é que já deu tudo certo e a mudança não vai ser só de casa, mas também de ares, de vida, de expectativas, e espero que eu consiga aproveitar as oportunidades que andam aparecendo pra conseguir melhorar as coisas.
Pensamento positivo, sempre ♥
Bora ver o que teve no blog em janeiro:

♥ Resenhas
- Obsidiana - Jennifer L. Armentrout
- A Pedra Pagã - Nora Roberts
- Últimas Mensagens Recebidas - Emily Trunko
- Tash e Tolstói - Kathryn Ormsbee
- La Belle Sauvage - Philip Pullman
- A Ascensão do Mal - Danielle Paige
- A Fogueira - Krysten Ritter
- Ônix - Jennifer L. Armentrout
- Origem - Dan Brown
- Um Beijo À Meia-Noite - Eloisa James
- A Perversa - Tarryn Fisher
- Deixada Para Trás - Charlie Donlea
- Dias de Despedida - Jeff Zentner

♥ Na Telinha
- Viva - A Vida é uma Festa

♥ Wishlist
- Funkos de The 100
- Funkos de Lilo & Stitch
- Funkos de Wall-e
- Funkos de Pocahontas

♥ Caixa de Correio de Janeiro