30 de junho de 2017

Caixa de Correio #64 - Junho Magrinho

Útimo dia do mês = dia de caixinha!
Essa tem o diferencial de que ATÉ QUE ENFIM consegui achar o DVD que eu tanto estava na captura: Mary & Max (que ja até escrevi crítica sobre). Fiquei tão feliz por ter achado esse desenho num preço acessível e ainda lacrado que mal pude acreditar (Obrigada, Mercado Livre). Não comprei livros porque não tô podendo, mas fico de olho em vários lançamentos que estão na minha wishlist e espero poder comprar quando eu tiver melhor de grana (porque agora a coisa tá feia e horrorosa).
Mas enfim, bora ver o que chegou pra mim nesse mês que passou?

27 de junho de 2017

Uma Noite Como Esta - Julia Quinn

Título: Uma Noite Como Esta - Quarteto Smythe-Smith #2
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de época
Ano: 2017
Páginas: 272
Nota:
Sinopse: Anne Wynter pode não ser quem diz que é…
Mas está se saindo muito bem como governanta de três jovenzinhas bem-nascidas. Seu trabalho é bastante desafiador: em uma única semana ela precisa se esconder em um depósito de instrumentos musicais, interpretar uma rainha má em uma peça que pode ser uma tragédia ou, talvez, uma comédia – ninguém sabe ao certo – e cuidar dos ferimentos do irresistível conde de Winstead. Após anos se esquivando de avanços masculinos indesejados, ele é o primeiro homem que a deixa verdadeiramente tentada, e está cada vez mais difícil para ela lembrar que uma governanta não tem o direito de flertar com um nobre.
Daniel Smythe-Smith pode estar em perigo…
Mas isso não impede o jovem conde de se apaixonar. Quando ele vê uma misteriosa mulher no concerto anual na casa de sua família, promete fazer de tudo para conhecê-la melhor, mesmo que isso signifique passar os dias na companhia de uma menina de 10 anos que pensa que é um unicórnio.
O problema é que Daniel tem um inimigo que prometeu matá-lo. Mesmo assim, no momento em que vê Anne ser ameaçada, ele não mede esforços para salvá-la e garantir seu final feliz com ela.

Resenha:  Uma Noite Como Esta é o segundo volume da série Quarteto Smythe-Smith. Daniel, irmão de Honoria, que foi a protagonista do primeiro livro, acabou de retornar de seu exílio e agora está de volta à sociedade londrina. No concerto (desastroso) de sua família, o Conde encontra no piano Anne Wynter, e não uma de suas primas, como era de se esperar. O encontro inesperado entre os dois é o começo de uma grande história de amor, mas o passado de Anne e um segredo jamais revelado podem atrapalhar tal união.

Diferente de Simplesmente o Paraíso, o casal protagonista e a trama que os envolve é muito apaixonante e divertida. No primeiro livro, a história de Honoria ficou muito aquém do desejado e nem parecia ser escrita por Quinn. Já no romance de Daniel e Anne o toque "Julia de ser" parece ter voltado e o resultado é uma leitura deliciosa e até um pouco tensa, algo diferente do que a autora já propôs.

O casal protagonista parece um pouco deslocado no começo, mas no desenvolver da trama é impossível não suspirar e torcer muito pelos dois. O amor é à primeira vista, como sempre, mas o passado dos dois trás um toque diferente e original a história. Ambos tiveram dificuldades no passado e se apoiam um no outro para seguir em frente. Toda expectativa do leitor não fica somente no romance, mas nos fatos revelados pela autora e o que o futuro de cada um trará.

Nos demais detalhes, o amor e as cenas mais picantes são como de costume. O legal é que Daniel é um bobo apaixonado, como se fosse um adolescente. Apesar de já ser um homem, essa personalidade deixou os momentos entre ele e Anne muito tenros e bonitos.

Os outros personagens são adoráveis em seus papéis. Muito do tempo gasto entre Anne e Daniel é juntamente da companhia das primas do Conde. Elas são apenas crianças, mas tiveram um papel significativo e os diálogos em que participam são cômicos e divertidos.

Uma Noite Como Esta é delicioso do começo ao fim. Diferente do primeiro livro, que foi regado de sofrimento e pouco amor, a história de Daniel e Anne é daquele tipo de arrancar sorrisos a cada página lida, o que é mais característico de Julia. O enredo é bem conduzido e traz um bom desenvolvimento com um final "diferente". O segundo volume da série Quarteto Smythe-Smith mostra que não importa o que há no passado; todos merecem uma chance no amor.

26 de junho de 2017

Boneco de Pano - Daniel Cole

Título: Boneco de Pano - Detetive William Fawkes #1
Autor: Daniel Cole
Editora: Arqueiro
Gênero: Thriller/Policial
Ano: 2017
Páginas: 336
Nota:
Sinopse: O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano.
Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf.
Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar.

Resenha: William Oliver Layton-Fawkes, mais conhecido como Wolf , é um detetive excepcional. Em 2010 ele foi responsável pela captura de um serial killer que matou vinte e sete adolescentes. Naguib Khalid, o "suposto" assassino, ficou conhecido como Cremador, pois além de dopar as vítimas, ainda ateava fogo nas jovens ainda vivas. O julgamento durou exaustivos quarenta e seis dias, e todas as provas resultantes da investigação de Wolf incriminavam o réu. Mas, numa reviravolta onde alguns fatos a favor de Khalid e contra a conduta de Wolf foram apresentados, os membros do júri, em sua grande maioria, determinaram sua inocência. Wolf se revoltou com a decisão e num acesso de fúria partiu para a agressão contra o réu inocentado promovendo uma enorme confusão no tribunal. Devido a sua reação violenta e o seu comportamento obsessivo durante as investigações, Wolf foi afastado da polícia e submetido a um tratamento psicológico e quatro anos depois foi convocado novamente quando um novo crime brutal foi descoberto: um corpo formado por partes de outros seis corpos, como um boneco de pano macabro, é encontrado num apartamento. E como se isso não fosse o bastante, a repórter e ex-mulher de Wolf, Andrea Hall, recebe fotos da cena do crime e uma lista com os nomes de seis pessoas seguidos por datas em que seriam assassinadas, e o nome de Wolf era o último da lista.
Wolf, então, se junta a sua ex-parceira, Emily Baxter, a fim de encontrar ligações entre as vítimas e impedir o assassino, que sempre está um passo a frente da policia, de matar mais pessoas. E em meio a tudo isso, Wolf não deixa de considerar que há algo de pessoal nessa história ligado ao seu passado...

A história é narrada em terceira pessoa e a escrita é muito fluída. O ritmo dos acontecimentos é bom, tem toques de humor, algumas referências sobre séries, música, literatura e afins, e descrições que detalham muito bem os cenários e as características de forma que o leitor possa visualizar cada momento como se estivesse lá. A trama é convincente e intrincada o bastante para trazer o devido mistério enquanto tentamos ligar vários pontos em meio ao turbilhão de acontecimentos que estão alí, mas há algumas pequenas ressalvas.
Em alguns momentos fiquei com a impressão de que em determinado ponto houve um outro personagem que teve mais destaque que o próprio protagonista, além do foco maior ter recaído sobre salvar as vítimas da lista. Dessa forma, a investigação sobre a identidade do assassino parece ter perdido a devida importância, e só voltou a ganhar espaço no final da trama, quando as pistas começaram a ser fornecidas até o confronto final. Eu não costumo ter muita paciência para aquelas cenas finais e bem clichês onde vilão começa a falar de seus planos e faz confissões sobre seus crimes acreditando que sairá impune por estar "por cima", enquanto o mocinho ainda perde tempo fazendo observações que prolongam ainda mais a situação de risco em vez de por logo um fim na história, e esse livro não é muito diferente disso. Mas ainda assim, apesar desses fatores terem deixado a história um pouco arrastada, ela é envolvente o bastante para prender nossa atenção, principalmente devido aos bons diálogos e a interação entre os personagens ao longo da trama.

Wolf é o detetive em conflito com seu senso de justiça, e isso trouxe consequências em sua vida. Seu apelido não se remete apenas às iniciais do seu nome, mas também define bem sua personalidade e sua forma de lidar com as coisas. Ele é o lobo solitário e comprometido com o que faz, sempre pensando que suas atitudes e escolhas devem ser em prol de um bem maior.
De forma geral, os personagens são bem desenvolvidos, pois possuem falhas, defeitos e complexidades particulares que os distinguem bem um do outro, assim como suas histórias de vida. Todos eles tem um papel de destaque e são importantes para o desenrolar da história.

O ponto que realmente me fez refletir sobre o livro foi o papel da mídia no caso, que, de certa forma, acaba ilustrando perfeitamente bem a realidade e a forma como os crimes são expostos para a população de forma sensacionalista e colaborando para que o pânico seja disseminado. Não importa a gravidade do que está acontecendo ou como a notícia é repassada, desde que haja audiência.

A capa é a mesma da original e condiz bastante com a história. A parte interna da capa segue o padrão da parte externa, com linhas e respingos de sangue. A diagramação é simples, os capítulos são curtos e seguem na mesma página onde o anterior termina.

Boneco de Pano é livro de estreia do autor inglês Daniel Cole, que inicialmente foi escrito como piloto de uma série de TV. É previsto que este seja o primeiro livro de uma série e acho que há material o bastante para tal, principalmente pelo final que me surpreendeu e me deixou bastante curiosa por ser totalmente comprometedor. Pra quem gosta do gênero, é leitura recomendada.

22 de junho de 2017

Quando a Bela Domou a Fera - Eloisa James

Título: Quando a Bela Domou a Fera - Fairy Tales #2
Autora: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de época/Releitura
Ano: 2017
Páginas: 320
Nota:
Sinopse: Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.
Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.
No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?

Resenha: Quando a Bela Domou a Fera é o segundo livro da série Fairy Tales escrita pela autora americana Eloisa James. O conto no qual foi inspirado é A Bela e a Fera. A série tráz releituras dos contos de fadas mais famosos da literatura, e pelas histórias serem independentes e distintas, não é necessário ler na ordem. Os demais livros da série ainda serão lançados pela Editora Arqueiro: A Duqueza Feia (livro #4) e Um Beijo à Meia-Noite (livro #1).

Linnet Berry Thrynne é uma das jovens mais bonitas de toda a Londres. Os rapazes fazem filas imensas para cortejá-la e sua beleza é tanta que nem mesmo o príncipe Augustus resistiu aos seus encantos. Porém, depois de ter sido flagrada aos beijos com o moço, que não tinha intenção alguma de se casar com ela, a reputação de Linnet foi arruinada e, como se isso não bastasse, ela ainda se envolveu num escândalo em que todos na sociedade acreditam piamente que ela está grávida, mesmo que ela tenha negado todas as fofocas e acusações falsas das quais foi vítima. Mas o estrago já estava feito, Linnet já não servia mais para se casar e para não desonrar ainda mais a família, seu pai, o Visconde de Sundon, resolve arranjar-lhe um casamento com o filho do duque de Windebank, que mora bem longe dalí.
Piers Yelverton, o conde de Marchant, é um médico genial que ficou conhecido como "Fera" por ter alguns defeitos físicos e por não ter sido agraciado com o dom do bom humor e da paciência. Seu pequeno problema também não permitia que ele tivesse filhos, e ele não se importava com isso desde que pudesse cuidar de seus assuntos profissionais em paz. Mas o duque, com sua obsessão pela realeza, ansiava por casar o filho já que esta seria a única forma dele ter herdeiros para perpetuar o nome da família, e a "gravidez" de Linnet poderia resolver todos esses problemas. E mesmo que ela insistisse em afirmar que a gravidez não existia, ninguém lhe dava ouvidos. Assim, Linnet parte rumo ao País de Gales para conhecer o futuro noivo em seu castelo.
Tendo personalidades tão diferentes, o desafio para se aproximarem se tornou ainda maior. Enquanto Piers estava determinado a não ceder aos encantos de Linnet por não concordar com a ideia de se casar, mesmo sabendo que ela não estava grávida e que o "problema" do herdeiro não eria resolvido, a jovem se sente curiosa e atraída por ele, e mesmo que esconda seus sentimentos, ela não aceita que esteja sendo rejeitada pela primeira vez.

Narrado em terceira pessoa com capítulos que se alternam sobre os pontos de vista de Linnet e Piers, o leitor acompanha uma aventura romântica em meio a uma escrita bem humorada e maravilhosamente fluída, com toques de ironia, sarcasmo e cenas picantes para movimentar as coisas.

Pela história se basear em uma tão conhecida, sabemos que fim a trama terá, mas são as mudanças e adaptações que se desenrolam que nos fazem querer saber o que viria a seguir. Num contexto diferenciado, me peguei pensando por diversas vezes se o próximo capítulo traria algo que me surpreendesse ou não, e posso afirmar que o livro superou minhas expectativas.

Foi divertido acompanhar um casal tão diferente, mas que ao mesmo tempo era tão parecido em suas convicções. Donos de personalidades fortes, a primeira vista eles sabem que um casamento estaria fadado ao fracasso, mas a curiosidade que surge entre a forma como se comportam frente ao outro faz com que um relacionamento baseado na amizade se desenvolva. Tal relacionamento permite com que eles se aproximem e passem a ter outros conceitos que vão evoluindo a medida que o tempo passa, mesmo que vivam trocando farpas e se alfinetando tanto que é até possível desconsideramos que algo além da amizade poderia surgir dalí. Os diálogos são dinâmicos e divertidos, principalmente quando há provocações envolvidas.

Eu gostei bastante da construção dos personagens, pois eles são únicos e cativam a própria maneira. Piers é um bronco desbocado, que carrega muita mágoa no coração, principalmente depois do acidente, mas acaba se revelando um enorme cavalheiro, dono de um coração de ouro. Sua dedicação como médico e a forma como cuida dos enfermos sem lhes cobrar nada nas alas médicas do castelo que construiu somente para esta finalidade são dignas de admiração.
Não consegui enxergar muito da Bela original em Linnet. Mesmo que seja inteligente, ela é vaidosa ao extremo, fútil e muito cheia de si. Entendo que na época tais atributos não eram problemas visto que a função das donzelas era serem recatadas e arrumarem um bom marido, e por causa das intrigas feitas contra ela, sua única opção era sumir dalí e tentar encontrar o que precisava para amenizar sua situação em outro lugar.
Sendo assim, de um lado estava Linnet com a reputação arruinada, e de outro, Piers que se mantinha isolado e era mal visto. Ambos rejeitados pela sociedade, mas que encontram um no outro a receptividade e a aceitação.

Mesmo a capa não sendo tão atrativa, ela representa bem a personagem clássica com o tecido amarelo ao fundo e a rosa vermelha em destaque. A diagramação é simples, as páginas são amarelas, os capítulos são numerados e precedem uma pequena rosa como detalhe, e o texto se inicia com letra capitular.

De forma geral, pra quem gosta de releituras e romances de época, é leitura mais do que recomendada. A roupagem nova e a criatividade da autora em trazer personagens com características próprias, mas ainda levantando a questão da importância da beleza interior, cativa e diverte o leitor de forma única.

21 de junho de 2017

Big Rock - Lauren Blakely

Título: Big Rock
Autora: Lauren Blakely
Editora: Faro Editorial
Gênero: New Adult
Ano: 2017
Páginas: 224
Nota:
Sinopse: “A maioria dos homens não entendem as mulheres.”
Spencer Holiday sabe disso. E ele também sabe do que as mulheres gostam.
E não pense você que se trata só de mais um playboy conquistador. Tá, ok, ele é um playboy conquistador, mas ele não sacaneia as mulheres, apenas dá aquilo que elas querem, sem mentiras, sem criar falsas expectativas. “A vida é assim, sempre como uma troca, certo?”
Quer dizer, a vida ERA assim.
Agora que seu pai está envolvido na venda multimilionária dos negócios da família, ele tem de mudar. Spencer precisa largar sua vida de playboy e mulherengo e parecer um empresário de sucesso, recatado, de boa família, sem um passado – ou um presente - comprometedor... pelo menos durante esse processo.
Tentando agradar o futuro comprador da rede de joalherias da família, o antiquado sr. Offerman, ele fala demais e acaba se envolvendo numa confusão. E agora a sua sócia terá que fingir ser sua noiva, até que esse contrato seja assinado. O problema é que ele nunca olhou para Charlotte dessa maneira – e talvez por isso eles sejam os melhores amigos e sócios. Nunca tinha olhado... até agora.

Resenha: Spencer Holiday é um típico playboy, um eterno conquistador que não economiza quando o assunto é exibir suas qualidades avantajadas e seu belo desempenho entre quatro paredes. Ele é rico, bem sucedido, bonito e dá às mulheres exatamente o que elas querem, sem mentiras ou falsas promessas, e assim todos aproveitam, sem mágoas ou corações partidos.
Ele é sócio de Charlotte, sua melhor amiga que estudou com ele, e o bar deles é um sucesso absoluto.
O que Spencer não esperava era se envolver na venda da famosa joalheria de seu pai, e que isso o privaria da sua vida de curtição já que a imagem de um mulherengo desregrado não seria nada adequada para os negócios, principalmente quando o comprador é um homem que repudia a libertinagem e presa as tradições familiares. Assim, Spencer se une a Charlotte para se passarem por noivos por uma semana até que o contrato seja assinado, e também por que ela precisa da ajuda dele pra ficar livre do seu ex namorado, mas, claro, o relacionamento falso vai além do que eles pretendiam pois Spencer começa a enxergar a amiga com outros olhos...

A escrita da autora é super leve, fluída e muito divertida, trazendo não só uma história bacana entre um casal, mas também abordando a dinâmica familiar e os membros da família de Spencer de forma adorável. É aquele tipo de história que envolve desde o início, os personagens cativam com suas personalidades e simpatia, e somando isso ao toque de muito bom humor, o resultado é mais do que satisfatório. Em alguns momentos cheguei a pensar no casal Monica e Chandler pelo motivo de serem grandes amigos e que acabaram descobrindo que também podem ser perfeitos como casal.

A narrativa é em primeira pessoa pelo ponto de vista de Spencer, o que já é um ponto diferente. Não pelo fato de que a visão fica por conta dele, o que isenta o leitor de saber o que se passa pela cabeça de Charlotte, mas pela forma como esse ponto de vista é trabalhado, sendo detalhado de uma forma em que nos simpatizamos e nos importamos pelo que se passa com ele. Os pensamentos, os diálogos interessantes e bem bolados, e até mesmo o caráter de Spencer foram construídos de forma super especial e inteligente e é impossível não nos apegarmos a ele, por mais que ele pareça ser um maluco convencido no começo.

Spencer é ótimo pois consegue usar seus atributos a seu favor sem que isso soe de forma negativa. Embora ele seja rico, lindo, bem dotado e afins, ele não é um babaca que se aproveita de ninguém, muito pelo contrário. Ele tem um coração de ouro e enxerga a maioria das coisas como uma troca, sem maldade ou intenção de se aproveitar. Ele é realmente um personagem único e isso me fez admirá-lo muito.
Charlotte é doce, amigável e bem sucedida, e combina com Spencer como ninguém. Eles têm química e a dinâmica entre eles é perfeita, super natural e muito engraçada.

Ainda não tenho uma opinião concreta sobre a capa, pois ao mesmo tempo que ela arranca suspiros e olhares curiosos, ela não é nada discreta, mas curti muito o formato do título.

Não é sempre que encontramos livros desse gênero sob um ponto de vista masculino tentando entender não só as mulheres, mas os próprios conflitos internos e sentimentos. Então, pra quem curte comédias românticas divertidas e com toques super calientes, é livro mais do que indicado.

20 de junho de 2017

Reviravolta - Kimberly Mascarenhas

Título: Reviravolta - Soul Rebel #1
Autora: Kimberly Mascarenhas
Editora: Leya
Gênero: New Adult/Literatura Nacional
Ano: 2016
Páginas: 400
Nota:
Sinopse: Cassidy é uma jovem tímida, mas muito forte e decidida. A certa altura, depois de alguns acontecimentos inesperados em sua vida, Caissy conhecerá Mason, um cara lindo e sexy, mas com fama de perigoso. E uma atração inevitável entre eles vira o combustível de uma paixão conturbada. Cheia de dúvidas e conflitos internos, ela decide se entregar à paixão e correr todos os riscos, sem saber que se relacionar com ele talvez signifique colocar a própria vida em jogo.

Resenha: Cassidy é uma garota de dezessete anos de idade que vive num internato católico em Atlanta desde os nove anos de idade. Depois que sua mãe foi internada num hospital psiquiátrico, seu pai não soube como lidar com a situação, achou melhor deixar a filha aos cuidados das freiras, e sumiu.
Caissy é a aluna mais antiga do internato, e ela e sua melhor amiga Claire sempre dão um jeito de fugirem no meio da noite pra curtir a balada e depois voltando como se nada tivesse acontecido. Numa dessas escapadas, Caissy se desentende com um cara, e Claire a avisa que ele não iria deixar barato, mas, sem dar muita bola, elas voltam pro colégio como se nunca tivessem saído. O que Cassidy não esperava era receber a notícia de que sua mãe havia falecido e que ela seria levada para a casa de Deborah Becker, uma amiga de infância de sua mãe que ela nunca conhecera. E como se essa avalanche de informações não fosse muita coisa pra digerir em poucos minutos, ao chegar na mansão de sua nova tutora, Caissy se depara com Mason, um gatíssimo com seus vinte e cinco anos de idade, o filho único de Deborah, mas ninguém menos do que o cara da boate com quem ela se desentendeu. Obviamente ele se irrita muito ao vê-la em sua casa, e mais desentendimentos ocorrem, e a única ideia de Caissy é ir embora dalí o mais rápido possível. Mas, a desgraça ainda era pouca, e, ao perambular pelas ruas, ela acaba sendo atacada por um maníaco quando, de repente, Mason surge para salvá-la. A partir daí, mesmo trocando farpas, os dois começam a se aproximar. Mason se mostra alguém desdenhoso e ignorante, mas o mistério que cerca o rapaz e o que ele faz da vida acabam atraindo a atenção de Caissy, e os dois logo começam a se envolver muito intensamente...
Caissy entra num dilema mas acaba se entregando a essa paixão perigosa, mesmo que isso signifique colocar sua própria vida em risco.

Narrada em primeira pessoa pelo ponto de vista da protagonista na primeira parte, e alternando os pontos de vista entre Caissy e Mason na segunda, a história se desenrola de forma incongruente e questionável, o que foi um problema pra mim, e problema nesse livro é o que não falta. Não consegui me envolver, acreditar e nem me conectar com a história pois, a cada capítulo passado, lá estava eu me perguntando como aquela situação poderia ser real ou fazer algum sentido, e qual a necessidade de tanto drama.

Cassidy é uma personagem que deixa a desejar em todos os pontos de sua construção. Não deve ser fácil uma criança crescer longe da família, carregando um sentimento não só de abandono, como também de rejeição, mas tomar atitudes absurdas e fazer escolhas estúpidas e que não condizem com a realidade são reflexo disso? Penso que uma pessoa sozinha desde pequena e jogada nas mãos das freiras (pelo menos até a maioridade) carrega marcas profundas, e vai evitar se envolver com alguém por medo de ser abandonada de novo em vez de sair por aí curtindo a night escondido, enganando as freiras, vivendo com intensidade como se cada dia fosse o último e ainda se envolvendo com bandidos... A construção dela não faz sentido, seu passado não bate com a pessoa que ela se tornou, logo não justifica sequer existir. O drama sobre ela não é aquela coisa triste que a gente se comove, se emociona e chora litros, mas um drama excessivo e desnecessário que só irrita e prolonga uma situação em vez de ir direto ao ponto. E sua própria situação já é pra lá de estranha, pois como diabos Deborah veio correndo pro internato com praticamente a guarda da garota nas mãos na mesma hora da morte da mãe? A menina acabou de voltar escondida da rua e lá estava a madre lhe dando a trágica notícia. Como se isso já não fosse absurdo o bastante, não seria necessário intervenções do serviço social, a burocracia com a papelada, ou até a presença do próprio pai dela, nem que fosse pra confirmar sua posição de ter abandonado a filha? O homem sequer é mencionado depois, então que diferença fez? Como uma pessoa que ela nunca viu na vida, nem mesmo na sua infância antes da mãe ser internada, aparece do nada e a tira do meio dos estudos e ela simplesmente vai? Deborah era a melhor amiga da mãe de Caissy, e mesmo que haja uma explicação (de uma mísera frase) para o afastamento entre as duas, não foi convincente para justificar que uma completa estranha sairia levando a menina embora. E sem contar que a mãe morreu e a menina sequer se importou em ser impedida de se despedir indo no enterro da falecida. Então pra que tanto drama e desespero por uma morte que ela parece não ter sequer sentido?

Logo nas primeiras páginas, quando Caissy se desentende com o cara da boate, Claire já menciona que o nome dele é Drew Becker. E quando Deborah Becker adentra o internato, já não fica na cara que ela tem alguma ligação com o sujeito por terem o mesmo sobrenome? Tudo bem que Caissy, devastada pela notícia que recebeu, poderia não se atentar a isso, o que seria perfeitamente compreensível, mas eu, como leitora esperando ser surpreendida, logo já pensei "Não faz nem um minuto que li esse sobrenome, o que essa Deborah é do tal Drew? Agora a mulher vai levar a menina pra casa e aposto que a Caissy vai topar com o sujeito lá". E foi dito e feito. E se o início do livro já foi assim, minhas expectativas com o restante caíram num abismo e minhas suspeitas de que a coisa só iria piorar acabaram se confirmando.

Penso que qualquer situação inicial - e bem pensada pra se tornar convincente - poderia ter sido criada até que o casal se conhecesse e passasse a conviver juntos, então não entendi os motivos reais para que elementos como internato, morte da mãe, abandono do pai e etc sejam essenciais. Em obras New Adult geralmente há a questão do trauma e suas consequências, o bad boy grosseirão e intimidador, os personagens quebrados por alguma coisa horrorosa do passado e tudo mais, mas aqui foi tudo construído de forma lamentável.
A cena em que Caissy acorda no hospital logo depois de Mason salvá-la das garras do maníaco chega a ser até engraçada, pois quando e onde nesse mundo uma mulher, após uma tentativa de estupro, recebe a visita de um policial preocupado, querendo informações sobre o criminoso e detalhes sobre o episódio do ataque que ocorreu há poucos minutos? Se a situação fosse a vítima indo até a delegacia pra dar queixa enquanto estivesse sendo culpada por estar andando sozinha na rua eu teria acreditado muito mais.

E o que mais me impressionou foi que tudo o que se passou na história aconteceu em praticamente três míseros dias. Juro que demorei mais tempo pra me recompor depois de finalizar a leitura, e criar coragem pra escrever essa resenha. A mãe morre, Caissy larga os estudos e se muda, é atacada na rua e se envolve com Mason da forma mais íntima e louca possível - em menos três dias. Três. Dias.
Mas alí, pra Caissy, as coisas estavam fluindo maravilhosamente bem, como se fosse um dia comum.
Os diálogos são ruins e com comentários desnecessários, e isso só colaborou para que eu me envolvesse ainda menos com os personagens e pensasse o quão forçado tudo estava sendo. Nem os membros do grupo de Mason/Drew, que acabam sendo um tipo de alívio cômico, salvaram as conversas com o humor deles.

Mason é um babaca. Sua personalidade é instável, ele só faz o que lhe é conveniente, é frio, grosseiro e quanto mais eu lia sobre o relacionamento dele com Caissy, mais incomodada eu ficava porque ele trata a menina feito lixo. Não gostei da diferença de idade de oito anos que eles têm. Mason não poderia ser muito novo devido a sua "profissão", mas vinte e cinco anos também é pouco pra ele estar no nível em que está. E sendo quem é, se envolver com alguém de míseros dezessete foi ridículo, porque a todo momento eu pensava que ele estava se aproveitando da ingenuidade da menina deslumbrada e curiosa por ele que, "por amor", cedia aos caprichos do bonito e se deixou envolver onde não devia. E eu prefiro nem falar sobre o retorno da ex psicótica que só apareceu pra causar e deixar a história mais clichê e dramalhona ainda, tipo novela mexicana level hard.

Reviravolta é o primeiro volume da trilogia Soul Rebel. Parece que antes de virar livro se tratava de uma fanfic. Sinceramente, não é um livro que eu tenha gostado a ponto de indicar e penso que é o tipo de leitura que é oito ou oitenta: Ou você ama ou odeia e eu, infelizmente, fiquei com a segunda opção.

A Busca Sofrida de Martha Perdida - Caroline Wallace

Título: A Busca Sofrida de Martha Perdida
Autora: Caroline Wallace
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: YA
Ano: 2017
Páginas: 304
Nota:
Sinopse: Liverpool, 1976. Martha tem 16 anos e mora numa estação de trem desde que se entende por gente. Mais especificamente, desde que foi encontrada, ainda bebê, em uma mala na estação Lime Street, ficando sob os “cuidados” da dona da loja de achados e perdidos do local. Proibida de deixar a estação, sob a ameaça de uma maldição, Martha espera diariamente que alguém venha buscá-la. Enquanto isso, passa seus dias atendendo os passageiros que circulam por ali, conhece todos os segredos da estação e acaba se envolvendo em alguns mistérios, entre eles o aparecimento de uma mala que talvez tenha pertencido aos Beatles e que coloca a cidade em polvorosa. Mas o maior mistério começa quando ela passa a receber livros com cartas de um desconhecido que parece saber tudo sobre a sua vida. Martha precisará correr contra o tempo se quiser encontrar respostas e não se perder novamente.

Resenha: Martha Perdida mora e trabalha na Estação Lime Street desde que se entende por gente. Ainda bebê, Martha foi deixada no Achados e Perdidos e nunca foi reivindicada por ninguém. Desde então, a responsável pelo escritório, mais conhecida como "Mãe", foi obrigada a reinvindicar a menina para si, e a criou para que ela acreditasse que, caso fosse embora, Lime Street desmoronaria, destruindo o único lugar que ela poderia chamar de lar.
Mãe é uma mulher fanática que não só tenta converter os outros com baldes de água benta, como também acredita que tudo é obra do diabo, e por mais que essa mulher seja abusiva e manipuladora, Martha é um doce de menina que vive para obedecê-la. Ela é ingênua, iludida ao acreditar em tudo que dizem, adora rodopiar pela estação, gosta de cumprimentar as pessoas em francês e, embora a Mãe diga que livros são demoníacos, Martha adora ler, principalmente os livros perdidos. Apesar de ter se conformado com aquela vidinha limitada a qual foi submetida, Martha também tem vontade de conhecer o mundo lá fora e espera que alguém apareça para buscá-la, mas enquanto isso não acontece, e por medo de por os pés pra fora da estação e ela perecer, ela passa os dias atendendo os passageiros que circulam pela estação, e dá atenção aos poucos amigos que fez no local: Drac, o carteiro que vive sendo perseguido pela Mãe, Elisabeth, a garçonete do café ao lado que parece uma atriz de Hollywood, e Stanley, o faxineiro.
Seria difícil para Martha sair de sua zona de conforto e quebrar essa redoma sobre si mesma, mas em determinado momento, ela precisa descobrir como quebrar a maldição para, enfim, poder encarar a realidade do mundo lá fora.
Martha quer saber sobre os primeiros capítulos de sua vida, de onde veio, quem são seus pais verdadeiros e, principalmemte, quem ela é. E com a ajuda de Elisabeth e outros amigos que faz, Martha parte numa jornada de descobertas, aprendizados e autoconhecimento que ela jamais imaginou.

Posso dizer que a primeira coisa que me chamou atenção nesse livro foi o título grande e sugestivo seguido pela capa, e só depois fui me atentar a sinopse. No decorrer da leitura, que é feita em primeira pessoa pelo ponto de vista de Martha (onde alguns pontos não soa muito confiável), fui fisgada pelo universo criado pela autora em transformar uma simples estação de trem em um lugar tão peculiar e convidativo a ponto de parecer um personagem a parte em vez de mero pano de fundo. Até então a única autora que me fez ver uma estação de trem de forma tão mágica foi J.K. Rowling em King's Cross e a plataforma 9 ¾.

Martha é uma protagonista que amamos ou odiamos. É impossível ficar num meio termo e o sentimento com relação a ela vai depender de como a enxergamos. Como ela é extramente ingênua, sensível e inocente, pode ser muito irritante acompanhar uma personagem tão frágil e manipulável que em alguns pontos parece ser irreal pelo tipo de comportamento que ela apresenta. Compreendo que ela cresceu num espaço limitado, com uma megera que a criou de forma totalmente absurda, e que a levou a acreditar em coisas irreais e sem sentido as quais a menina ouvia desde pequena, mas penso que o mínimo de contato com outras pessoas seria o bastante para que ela não fosse tão paspalhona. Em alguns momentos fiz algumas comparações e imaginei a mãe psicótica de Carrie, a Estranha, ao lado de Matilda, aquela garotinha pura e autodidata interpretada nas telinhas pela atriz Mara Wilson. Tal contraste chega a ser meio assustador, convenhamos.
Não odiei Martha pra ser sincera. Apesar de ter minhas dúvidas com relação ao funcionamento de sua cabeça, eu adorei o fato dela amar livros e ter uma conexão emocional com eles, tanto que foi através dos livros que ela, enfim, desperta para a busca da verdade sobre si mesma.

Os demais personagens preenchem o mundo de Martha e a maioria deles é adorável e de grande importância para o desenrolar do enredo e amadurecimento da protagonista. O romance presente na história é questionável e de cara já causa aversão. Pra mim quando amor se mistura a oportunismo e interesse a coisa desanda e esse elemento só me fez revirar os olhos e querer evitar as páginas destinadas a essas cenas.

Pela época em que a história se passa e elas referências musicais presentes, é possível que o leitores um pouco mais velhos se deparem com algumas cenas nostálgicas ou frases memoráveis, mas eu particularmente não dei muita importância para essa parte por não considerar fundamental para o desenvolvimento da trama, apesar de ser interessante.

A capa tráz uma ilustração simples, mas o título em dourado dá um toque todo especial ao livro. A diagramação é simples, os capítulos não possuem títulos ou numeração, somente o espaço superior da página que fica em branco. Cartas, bilhetes, artigos, e pequenos questionamentos que a protagonista escreve por aí se intercalam com a narrativa tornando a história mais dinâmica e divertida com essas informações extras.

De forma geral, A Busca Sofrida de Martha Perdida é um livro bem poético e que funciona, sim, como um conto de fadas, mostrando que as pessoas de boa índole, apesar de escassas nesse mundo, ainda existem e podem ter finais felizes.

19 de junho de 2017

A Rosa Branca - Amy Ewing

Título: A Rosa Branca - A Cidade Solitária #2
Autora: Amy Ewing
Editora: Leya
Gênero: Fantasia/YA
Ano: 2016
Páginas: 320
Nota:
Sinopse: No livro "A Joia", primeiro volume da série - A Cidade Solitária - Violet Lasting é comprada por uma das mulheres mais poderosas da realeza, a Duquesa do Lago, e vai viver com ela na Joia, o círculo onde mora toda a nobreza. Agora, Violet tem de fugir da Joia, do círculo nobre da Cidade Solitária para salvar a própria vida e a do seu amor, Ash. Junto com seu amado e Raven, sua melhor amiga, Violet tenta se libertar da terrível vida de servidão e crueldade. Só que ninguém disse que deixar a Joia seria fácil, e ela terá que passar por grandes obstáculos. No meio disso tudo, a jovem ainda descobre que há uma revolução sendo planejada contra a realeza e que seu papel nisso é fundamental. É hora de Violet descobrir que é muito mais poderosa do que sempre imaginou! A Rosa Branca é o segundo volume da trilogia "A Cidade Solitária" e traz novas e incríveis reviravoltas. Será impossível não ficar ansioso pelo último livro da saga.

Resenha: Segundo volume da trilogia Cidade SolitáriaA Rosa Branca foi escrita por Amy Ewing e publicada pela Editora Leya.
A resenha pode apresentar spoiler do primeiro livro!

A Rosa Branca começa bem de onde A Joia terminou. Violet e Ash foram descobertos lá no fim do primeiro livro, a Duquesa prendeu a menina e tirou quaisquer benefícios que ela poderia ter, mas a prendeu em seu quarto, afinal, Violet ainda estava apta a ter um filho para a Duquesa, só que Ash era apenas uma acompanhante sem importância, foi preso e seria executado imediatamente e o livro acaba, me deixando curiosa e furiosa, mais curiosa, confesso, já que eu estava com o segundo em mãos... ah, e como um último suspiro do primeiro livro, conhecemos um aliado nada provável.

Então, A Rosa Branca começa, bem a partir daí, o aliado vai ajudar Violet a fugir, mas é claro que ela não vai facilitar e vai libertar Ash, assim como ela já não facilitou antes e deu o remédio que a ajudaria a fugir para sua amiga Raven, antes, seria uma pessoa a fugir do Palácio. Agora serão três! E o aliado improvável??? nada mais nada menos do que o filho da Duquesa, Garnet (não é spoiler, descobrimos isso no fim de A Joia).

Ainda não descobri os motivos de Garnet para ajudar Lucien, que já sabemos, tem como objetivo libertar Violet, se é rebeldia ou algo mais nobre ainda não está claro, mas pelo que tudo indica, o cara é bom, não puxou a Duquesa, ele começa a ver as Substitutas como meninas e não como uma encubadora apenas.

A fuga do Palácio é difícil, mas se concretiza, com muita ajuda e alguns mistérios, quem ajuda tem que mostrar "A Chave" para provar que é de confiança, esta é uma tatuagem, pois é, existe um grupo de pessoas se rebelando já, para libertar não só as Substitutas, mas todo o povo escravizado e explorado da Cidade Solitária.

Violet, Ash e Raven são levados para uma velha senhora que para o pavor de todos, já foi uma Substituta e sobreviveu. Agora sabemos que elas dão à luz e morrem no parto, então conhecer uma senhora de 60 anos que já passou por isso e não morreu é no mínimo assustador para Violet, mas como nada é para facilitar, Violet vai descobrir que ela tem mais poderes do que imaginava e é por isso que Lucien "encasquetou" com ela desde o começo.

Para todos os efeitos, perante a sociedade, Ash fez algo terrível e agora é um fugitivo, mas ninguém sabe da fuga de Violet, a Duquesa guardou segredo e enquanto esse improvável grupo se prepara para derrubar os nobres, a Duquesa faz algo inesperado com alguém muito querido que eu não vou contar o que ou quem é!

E mais uma vez a autora nos deixa na expectativa de o que virá por aí, por enquanto temos um pequeno grupo, liderado por alguém maior que não sabemos quem é, que conta com a ajuda de Ash, Raven, Sil (a senhora), Garnet e Lucien, um pequeno grupo que está crescendo e se preparando para derrubar de uma vez por todas os nobres e acabar com as suas explorações e maldades.

A estória é bem mais complexa do que imaginei, muito mais interessante do que eu esperava. o enredo é todo intrincado, cheio de surpresas e bem empolgante. Os personagens são bem construídos, a Violet demorou um pouco para crescer, é meio devagar, mas parece-me que veremos um bom desabrochar daqui pra frente

O livro tem 28 capítulos, nem curtos, nem longos, distribuídos em 320 páginas, as folhas são amarelas, o que muito me agrada! A capa é linda, coerente com o contexto, de certa forma...

É uma leitura gostosa fluída, cheia de surpresas emocionantes. A autora realmente conseguiu me cativar.

18 de junho de 2017

A Joia - Amy Ewing

Título: A Joia - A Cidade Solitária #1
Autora: Amy Ewing
Editora: Leya
Gênero: Fantasia/YA
Ano: 2015
Páginas: 352
Nota:
Sinopse: Joias significam riqueza, são sinônimo de encanto. A Joia é a própria realeza. Para garotas como Violet, no entanto, a Joia quer dizer uma vida de servidão. Violet nasceu e cresceu no Pântano, um dos cinco círculos da Cidade Solitária. Por ser fértil, Violet é especial, tendo sido separada de sua família ainda criança para ser treinada durante anos a fim de servir aos membros da realeza. Agora, aos dezesseis anos, ela finalmente partirá para a Joia, onde iniciará sua vida como substituta. Mas, aos poucos, Violet descobrirá a crueldade por trás de toda a beleza reluzente - e terá que lutar por sua própria sobrevivência. Quando uma improvável amizade oferece a Violet uma saída que ela jamais achou ser possível, ela irá se agarrar à esperança de uma vida melhor. Mas uma linda e intensa paixão pode colocar tudo em risco!

Resenha: Primeiro volume da trilogia Cidade Solitária, A Joia, escrita por Amy Ewing e publicada pela Editora Leya, é uma fantasia distópica um tanto quanto diferente, e ainda assim, bem parecida com tantas outras que vemos por aí.

A Cidade Solitária é dividida em cinco círculos separados por uma muralha, e todos, com exceção do Pântano, são chamados de acordo com a sua atividade. O Pântano, claro é o mais pobre e é de onde vêm as Substitutas, meninas que, na falta de palavra melhor, são transformadas em barrigas de aluguel para as mulheres das classes mais altas. Lá vivem os operários mais pobres também. O quarto círculo é a Fazenda, que cultiva toda a comida. O terceiro, a Fumaça, onde ficam as fábricas, o segundo círculo é o Banco, onde se concentram as lojas. O círculo mais interno é a Joia, onde vive a nobreza. Essa nobreza, por algum motivo, não pode mais gerar filhos, o que faz com que elas recorram às meninas do Pântano.
Aos 12 anos, Violet foi testada e descobriram que ela era uma Substituta. Na mesma noite, foi arrancada de sua casa, de sua família, levada a um internato e lá vive até hoje. Quase 5 anos se passaram e ela nunca mais viu sua família ou teve noticias deles. Lá ela é treinada, aprende a ter bons modos, tem aulas que ajudam a desenvolver certas habilidades, como mudar forma, cor ou fazer crescer objetos, e isso é muito difícil e dolorido, mas parece que seus professores não se importam muito com isso e seguem exigindo das meninas.

Em contrapartida, elas até que têm uma vida boa... Vivem bem, comem bem, têm liberdade, desde que dentro das grades do internato, mas estão destinadas a irem para o leilão. Lá elas perdem a identidade, ganham números e são compradas pela realeza. A explicação que elas recebem é: terão os filhos para suas donas e depois enviadas para um internato viverem em paz para sempre... Mas hein??? Por que uma pessoa que compra uma menina para servir de incubadora a usaria uma única vez? Fiquei com essa pulga o livro todo, gente.

Violete e Raven, sua melhor amiga são vendidas para famílias muito muito ricas e acham que viverão felizes, mas estão muito enganadas e vão descobrir isso rapidinho. Violet, já no primeiro contato com sua dona, percebe o que a espera, e não é nada legal, não.

Ao longo da narrativa ela faz alguns amigos, e claro, se apaixona. Tinha que ter um amor proibido para atrapalhar - ou ajudar - tudo. Ela se revolta e percebe que não foi feita para essa vida, mas como escapar se ela treinou para isso desde sempre?

Bom, preciso dizer que alguns aspectos me incomodaram, como o fato de uma sociedade inteira produzir meninas que, aos 17 anos, serão inseminadas e gerarão filhos de mulheres azedas que não podem mais gerar elas mesmas. A natureza sabe o que faz e se a realeza foi, de certa forma, esterilizada, deveriam deixar assim, mas não. Eles dão um jeitinho, mesmo "roubando" as filhas dos pais que as amam, só porque são de classes mais baixas. Posso estar enganada, mas espero ver uma revolta no próximo livro que já saiu e loguinho vai ter resenha!!!!

Com relação ao livro físico, posso dizer que capa é linda e coerente com o contexto, as páginas amarelas. Os capítulos não são muito curtos, mas também não são longos demais, o que não cansa e torna a leitura bem rápida.

No mais, A Joia é uma leitura prazerosa e foi mais do que esperava. A autora conseguiu conduzir a trama mostrando que aqueles que detém o poder, na grande maioria das vezes, são egocêntricos a ponto de não se preocuparem com as classes menos favorecidas, desde que se beneficiem de alguma forma.