Wishlist #73 - Funkos de Sailor Moon

10 de julho de 2019

Sailor Moon fez bastante sucesso nos anos 90, principalmente entre as meninas. O anime conta a história de Usagi Tsukino (ou Serena, na versão dublada), uma garota de 14 anos, que estuda na oitava série, bem inocente, bastante chorona, e aparentemente normal (ou pelo menos, é isso o que ela pensa). Um dia, ela encontra uma gatinha falante que revela a identidade de Usagi como "Sailor Moon", uma renascida guerreira mágica cujo destino é salvar a Terra das forças do mal. A gatinha, Luna, vai lhe dando tarefas e auxiliando Usagi a usar seus novos objetos mágicos contra vários vilões horripilantes.

Acho que, analisando hoje, talvez por ser direcionado ao público infantil, quem é mais velho pode achar o anime bem besta, com altas poses e movimentos estilo Power Rangers, mas que na época era um auge. A nostalgia que ele causa hoje é o que importa, tanto que recentemente voltei a assistir os episódios depois de décadas.
E os pops? São lindos, coloridos, com detalhes incríveis e quero todos!



Na Telinha - Big Little Lies (1ª Temporada)

9 de julho de 2019

Título: Big Little Lies
Temporada: 1 | Episódios: 7
Distribuidora: HBO
Elenco: Reese Whiterspoon, Nicole Kidman, Shailene Woodley, Laura Dern, Zoë Kravitz, Alexander Skarsgård, Adam Scott
Gênero: Drama/Suspense
Ano: 2017
Duração: 52min
Classificação: +16
Nota: ★★★★★
Sinopse: Na cidade litorânea de Monterey, estado da Califórnia, nada é o que parece. Madeline (Reese Witherspoon), Celeste (Nicole Kidman) e Jane (Shailene Woodley) são três mulheres, com vidas aparentemente perfeitas, que se unem depois que seus filhos passam a estudar juntos no jardim de infância. Mas alguns acontecimentos as envolvem numa trama de assassinato.

Em 2015, o terceiro livro escolhido para o finado Clube do Livro da Liga foi o Pequenas Grandes Mentiras, da autora Liane Moriarty, e lembro de ter sido uma das melhores e mais empolgantes leituras que fiz naquele ano. Pouco tempo depois, a HBO anunciou que havia adquirido os direitos para produzir uma minissérie baseada na obra, ficamos todos na expectativa, e em 2017 ela foi ao ar. Eu cheguei a esboçar uma postagem para fazer a crítica, mas o tempo foi passando, eu fui adiando e, no final das contas, já não lembrava dos detalhes com tanta clareza para falar sobre a série com a devida propriedade, e acabei desistindo da crítica. Agora, com o recente lançamento da segunda temporada (que na época não havia sido mencionada e eu nem imaginava que iriam produzir), eu aproveitei o gancho para rever e relembrar do que havia esquecido, assim, eu poderia acompanhar os episódios da temporada nova estando por dentro do assunto.



Resumindo, a história se passa na cidade litorânea - e maravilhosa - de Monterey, norte da Califórnia. Inicialmente sabemos que houve um assassinato, o que nos leva a uma narrativa que se alterna entre presente e passado, com os potenciais suspeitos sendo interrogados e dando seus depoimentos sobre o incidente para os investigadores. O espectador não sabe quem matou, quem morreu, e o quê, de fato, aconteceu. Assim, em paralelo a esses relatos, acompanhamos os momentos que antecedem a dita morte naquela comunidade onde tudo parece tão perfeito, principalmente através da vida de três mulheres, Madeline, Celeste e Jane, nos levando à uma jornada de completa desconstrução de conceitos. Há também a questão das crianças e da confusão que um enorme mal entendido causa no relacionamento entre essas mulheres, como mães, e o que ele desencadeia em toda a comunidade. As camadas das personagens são relevadas gradualmente nos menores detalhes, e são responsáveis por nos mostrar que nem sempre as coisas são o que aparentam ser. Os traumas causados pela violência vem em diferentes nuances, pois cada uma lida com os problemas à própria maneira, assim como o impacto que isso tem em suas vidas. Cada uma é afetada de forma diferente e requer um tipo de atenção diferente.



Por se tratar de uma adaptação, algumas diferenças entre série e livro são notáveis, mas nada que prejudique o enredo ou fuja do tema. O início é um pouco lento e o suspense, mesmo que desperte muito nossa curiosidade, é construído devagar. Alguns personagens inclusive ganham destaque e profundidade a mais ao terem os próprios arcos desenvolvidos e explorados. É o caso de Renata (Laura Dern), por exemplo, que acaba representando o papel da mulher competitiva que batalhou duro para ser bem sucedida na vida, ao mesmo tempo que é mãe e super protetora.



Obviamente a realidade dessas mulheres na questão social é bem diferente da maioria das pessoas comuns, de gente como a gente. O estilo de vida que levam, as mansões que moram e afins estão longe da realidade da maioria, principalmente aqui no Brasil, mas a questão que envolve o emocional e a moral é o que ganha o maior destaque, e é o que realmente importa. A questão do mistério acerca do assassinato acaba sendo mero pano de fundo para destacar uma temática profunda e relevante sobre traumas, abusos, sororidade, relacionamentos, maternidade e superação, e também para deixar evidente que sustentar pequenas mentiras pode resultar em algo não só indesejado, mas que pode vir a se tornar grande o bastante para sair do controle.



Madeline (Reese Whiterspoon) é teimosa, controladora, invasiva e curiosa sobre tudo o que se passa com a vida alheia a ponto de ser inconveniente. Mesmo no segundo casamento, ela não lida bem com o entrosamento da filha mais velha com o ex-marido e sua atual esposa, Bonnie (Zoë Kravitz). Muito da sua personalidade e escolhas acaba interferindo no seu atual o casamento. Celeste (Nicole Kidman) abriu mão de tudo para se dedicar aos filhos e ao marido, mas por trás da vida perfeita e do casamento feliz, ela esconde segredos terríveis sobre o que vive dentro de casa. Jane (Shailenne Woodley) é a mãe solteira recém chegada à cidade. Ela já carrega um trauma do passado que ainda não conseguiu superar, e em Monterey ainda precisa lidar com julgamentos alheios por não se encaixar totalmente ao "padrão perfeito" dos moradores dalí. Jane constantemente se sente deslocada, mas em busca de um novo começo e uma vida melhor para seu filho, ela está decidida a enfrentar o que vier pela frente.



Os personagens masculinos, que geralmente representam papéis dos maridos ou alguma figura masculina familiar, mesmo que tenham certa importância para o desenrolar da história, ainda são coadjuvantes perto das mulheres. Elas são complexas, trazem um pouco de representatividade com seus defeitos e virtudes, e são elas quem movimentam a trama em meio aos temas delicados e polêmicos que se conectam com todo tipo de público.

A primeira temporada acaba tendo o mesmo desfecho do livro e o final é bem fechado, mas não deixa de atiçar nossa curiosidade acerca do que o futuro reservaria para essas mulheres peculiares e únicas. Talvez por isso, e pelo enorme sucesso que a série fez, tenham decidido fazer a segunda temporada trazendo as respostas para as perguntas que ficaram sobre o que viria depois.



No mais, com uma boa dose de drama, suspense e toques de bom humor, Big Little Lies é uma excelente pedida pra quem quer acompanhar uma história relevante sobre mulheres que, aos poucos, vão aprendendo que ser feliz e dar valor as pequenas coisas é mais importante do que viver de aparências.

Top 10 #7 - Mortes Mais Tristes em Animações

6 de julho de 2019


Quem nunca se emocionou ou chorou litros assistindo um desenho animado? Até eu, que sou uma pedra, já me escangalhei de tanto chorar em algumas cenas carregadas de emoção e tristeza.
Claro que existem animações com situações e cenas que não envolvem mortes mas são tão impactantes quanto, mas essas ficam pra um próximo Top 10. Aqui vou tratar só das mortes que me fizeram ficar com a cara na poeira.

De antemão, e a menos que você seja de outro mundo, já deixo o alerta de spoilers caso alguém não tenha assistido.

Eis aqui a lista das mortes que mais me deixaram "perplecta". E daqui a 100 anos, nesse mesmo horário, continuarei "perplecta".

A Rainha Aprisionada - Kristen Ciccarelli

5 de julho de 2019

Título: A Rainha Aprisionada - Iskari #2
Autora: Kristen Ciccarelli
Editora: Seguinte
Gênero: Fantasia/Jovem adulto
Ano: 2019
Páginas: 376
Nota:★★★★
Sinopse: Firgaard foi governada durante décadas por um rei tirano e manipulador, capaz de condenar povos inteiros apenas para aumentar seu poder. Depois de uma grande batalha, Asha, sua filha, conseguiu derrotá-lo. E, assim, Dax, o primogênito, assumiu o poder ao lado de Roa, sua esposa.
Roa é uma forasteira vinda das savanas — um território sob o domínio de Firgaard, que há anos é oprimido e está prestes a entrar em colapso. O maior desejo da nova rainha, mesmo sabendo que não é bem-vinda em seu novo lar, é mudar a vida de seu povo. O que ela não esperava era encontrar uma chance de alterar o curso do destino e trazer de volta à vida sua irmã gêmea, Essie, morta quando criança em um terrível acidente. O único obstáculo? O novo rei.

Resenha:  Embora seja o segundo volume, A Rainha Aprisionada também funciona como um companion da trilogia Iskari, por trazer uma história focada em outra protagonista que carecia de ter a história contada, Roa. Existem personagens que já foram apresentados anteriormente que fazem parte da trama em questão, e já saber sobre eles facilita e torna a leitura muito mais satisfatória. Não é obrigatório ler o primeiro para entender este, mesmo que o desenvolvimento esteja diretamente ligado com as consequências do que aconteceu antes, mas recomendo que se leia na ordem, sim, pois as coisas se entrelaçam e fazem mais sentido.

Roa era uma forasteira cansada da tirania e do domínio de Firgaard sobre seu povo, assim, ela se alia a Dax, o filho do Rei Dragão, e irmão de Asha (a protagonista do livro anterior), para tomarem o trono e ambos pudessem reinar de forma justa para o povo, como rei e rainha. Agora, como rainha, Roa pretende usar seu poder para melhorar a vida do seu próprio povo.
Roa tinha uma irmã gêmea, Essie, e a conexão entre as duas era fortíssima, mas ela acabou morrendo em circunstâncias trágicas. Porém, o espírito de Essie não fez a passagem para o mundo dos mortos, e ela volta em forma de falcão. Roa, apegada a uma lenda antiga, vê a possibilidade de trazer a irmã de volta à vida, mas isso teria um preço...

A escrita da autora é bem fluída e não é carregada de detalhes desnecessários, o que colabora para uma leitura dinâmica. A narrativa é feita em terceira pessoa e um ponto que me agradou bastante foi a perspectiva que a autora deu a Roa, que faz com que as protagonistas da trilogia, Asha e Roa, tenham, por exemplo, uma concepção diferente sobre um mesmo personagem.
Outro ponto positivo é a forma como a autora encerra os capítulos, que geralmente terminam com alguma lenda daquele mundo ou com algum flashback da infância dos personagens.

A trama aborda a questão das crenças do povo e das lendas que passam pelas gerações, e embora esse universo já tenha se estabelecido no livro anterior, aqui ele continua sendo desenvolvido, porém de forma mais enxuta, e talvez os leitores possam sentir falta de maiores detalhes se houver comparação com o primeiro volume.
Roa é uma protagonista que a gente ama ou odeia. Sei que os protagonistas não precisam ser os maiores exemplos de força e coragem mas tem que, no mínimo, terem algum diferencial. Pra que sejam convincentes e humanos eles precisam ter falhas também, e por mais que Roa pense no bem estar do seu povo e evidencie a conexão bonita que tinha com a irmã, ela é ingênua, insegura, e toma algumas decisões frustrantes que causam algum tipo de reviravolta lá na frente. Achei que faltou alguma coisa em Roa pra me fazer comprar sua causa e torcer por ela. Talvez criar maiores expectativas sobre ela com base na personalidade de Asha não seja uma boa ideia, pois as duas são totalmente opostas.

A Rainha Aprisionada aborda questões políticas e os demais interesses e intrigas acerca do assunto, mas o foco maior é sobre a conexão entre as irmãs gêmeas Roa e Essie e o quanto essa união era bonita. Mas, por mais que Roa queira fazer de tudo pra trazer a irmã de volta, a impressão que fica é que sempre existe um obstáculo que a impede de seguir com esse propósito e a desvie do caminho, e em vez dela permanecer fiel ao seu maior desejo, ela se prende às suas crenças para aproveitar outras oportunidades em vez de manter o foco no que realmente importa pra ela.

Pra quem procura por uma história com uma construção de mundo mágica e evocativa, cuja trama seja cheia de intrigas, perdas e traições, mas também regada a muita cumplicidade e amor fraternal, é leitura mais do que recomendada.