24 de julho de 2017

A Química que Há Entre Nós - Krystal Sutherland

Título: A Química que Há Entre Nós
Autora: Krystal Sutherland
Editora: Globo Alt
Gênero: Romance/Young Adult
Ano: 2017
Páginas: 272
Nota:
Sinopse: Grace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. Ela também age de modo estranho: não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns.
Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir. Só que quanto mais próximos eles ficam, mais os segredos de Grace parecem obscuros.
Mesmo que pareça um romance fadado ao fracasso, Henry insiste em mergulhar nesse universo misterioso, do qual nunca poderia sair o mesmo. Com o tempo, fica claro para ele que o amor é uma grande confusão, mas uma confusão que ele quer desesperadamente viver.

Resenha: A Química que Há Entre Nós é o primeiro romance da escritora australiana Krystal Sutherland.
O livro conta a história de Henry Isaac Page, um adolescente de dezessete anos que está no último ano do ensino médio. Ele tem o dom para a gramática e está interessado no cargo de editor do jornal da escola há anos. Quando ele finalmente consegue, não contava que teria que dividir a responsabilidade com outra pessoa, mas que nega a oferta... Grace Town. Grace é muito diferente das outras meninas da escola. Ela tem um comportamento estranho e até sombrio, sempre está desleixada aparentando estar doente, usa roupas masculinas folgadas que não lhe servem, manca e ainda usa uma begala pra andar. E mesmo assim, inexplicavelmente, Henry se sentiu atraído pela menina cuja aparência encobre vários mistérios. Grace é uma incógnita e isso só faz com que Henry queira saber o que a levou a ficar assim, e a medida que ele se envolve e começa a conhecê-la melhor com intuito de desvendá-la, seus sentimentos só aumentam e, quando menos espera, ele se vê apaixonado. Mas será que quando a verdade vier à tona as coisas vão melhorar?
"Então esta, com certeza, não é uma história de amor à primeira vista.
Mas esta é uma história de amor.
Bom.
Mais ou menos."
- Pág. 8
Esse é aquele tipo de livro que se ama ou se odeia. É difícil ficar no meio termo, seja pelo desenvolvimento da história no que diz respeito às motivações dos personagens, quanto pelo estilo orgânico de escrita cheia de expressividade da autora e que lembra muito John Green (e olha que não sou fã de John Green, mas virei fã de Krystal Sutherland).

Narrado em primeira pessoa, Henry conversa com o leitor ao descrever os acontecimentos e revelar o que está sentindo de forma bastante dinâmica. Há inúmeras frases de impacto, do tipo que é possível fazer um apanhado e dedicar uma postagem só pra elas, e através delas podemos refletir sobre nossa forma de enxergar o mundo, as pessoas que nos rodeiam, como levamos nossa vida, e claro, o amor.

A trama foge de clichês e é até bastante imprevisível. O próprio relacionamento de Henry e Grace não é trabalhado de forma que faça com que alguém pense que tudo vai ficar bem. É uma relação complicada e pouco saudável, onde somente um dos lados está disposto a fazer a coisa dar certo enquanto o outro está quebrado demais pra conseguir retribuir e tornar o sentimento recíproco. E quando o mistério sobre Grace, enfim, é revelado, a sensação é de choque e incredulidade. Não que o conceito de amor tenha sido deturpado, mas, nessas circunstâncias, o sentimento veio pra pessoa certa, só que da forma errada, e desde o princípio Henry sabia disso...
Parece uma história desgraçada de infeliz, mas não se enganem. Da mesma forma que ela é triste, também nos arranca risadas com diálogos e situações carregados de sarcasmo e muito engraçados. Henry é impagável e, mesmo que prove que quando tudo parece estar perdido ainda pode piorar, ele consegue ter humor o bastante para continuar levando as coisas da melhor forma possível, mesmo que isso seja incrivelmente doloroso.

Eu gostei dos personagens secundários, da mensagem bacana sobre amizade verdadeira e do conceito de família unida para que houvesse outros pontos da vida dos personagens a serem explorarados de forma mais ampla. Assim, houve um equilíbro com os temas abordados, mostrando que, apesar de estarem vivendo um momento único e difícil, os personagens possuem raízes, uma história e uma vida que não se concentra em um lugar ou uma pessoa só, o que permite que novas subtramas possam ser desenvolvidas.

Um ponto que achei mais do que válido ressaltar é a respeito do título do livro, que talvez possa ser interpretado como a química entre um casal de personagens e etc, mas ao meu ver, depois de tudo que li e pude absorver, acho que seria só um termo para descrever o amor como uma reação química que acontece com alguém, mas não necessariamente ao mesmo tempo que acontece com outra pessoa, ou com a mesma intensidade. E como toda reação, ela pode ter forças para crescer, desde que haja o devido impulso, ou simplesmente se extinguir.

Pra quem procura por uma história sobre amor, o que é diferente de uma história de amor, seja para refletir, questionar ou apenas saber o quanto é difícil conseguir se libertar, principalmente quando há conformidade e a vida se torna vazia e estagnada, é recomendado, mesmo que isso possa soar um tanto mórbido... A Química que Há Entre Nós é um livro que aborda perdas inesperadas, corações partidos e a incapacidade de superação, mas acima disso, a vontade de se tentar consertar uma alma em pedaços em busca de libertação.

21 de julho de 2017

Graça Infinita - David Foster Wallace

Título: Graça Infinita
Autor: David Foster Wallace
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 1144
Nota:
Sinopse: Os Estados Unidos e o Canadá já não existem: eles foram substituídos pela poderosa ONAN, a Organização de Nações Norte Americanas. Uma enorme porção do continente se tornou um depósito de lixo tóxico. Separatistas quebequenses praticam atos terroristas e a contagem dos anos foi vendida às grandes corporações.
Graça Infinita foi o último grande romance do século XX e, como o Ulysses de James Joyce, teve um impacto duradouro e ainda difícil de ser aferido. Ora cômico, ora doloroso, ele encapsulou uma geração ligada à ironia e ao entretenimento, mas desconectada da imaginação, da solidariedade e da empatia.
No romance, seguimos os passos dos irmãos Hal, Orin e Mario Incandenza membros da família mais disfuncional da literatura contemporânea, conforme tentam dar conta do legado do patriarca James Incandenza, um cientista de óptica que se tornou cineasta e cometeu suicídio depois de produzir um misterioso filme que, pela alta voltagem de entretenimento, levava seus espectadores à inanição e à morte.
Enquanto organizações governamentais e terroristas querem usar o filme como arma de guerra, os Incandenza vão se embrenhar numa cômica e filosófica busca pelo sentido da vida. Graça Infinita dobra todas as regras da ficção sem jamais sacrificar seu próprio valor de entretenimento. É uma exuberante e original investigação do que nos torna humanos e um desses raros livros que renovam a ideia do que um romance pode ser.

Resenha: Num futuro não tão distante, EUA, México e Canadá formaram a ONAN (Organização das Nações da América do Norte), boa parte do continente (o Canadá no caso) foi destinado ao despejo de lixo tóxico e até os calendários viraram alvo de publicidade depois que a contagem dos anos se tornou um trabalho remunerado.
Tendo essa noção de cenário escatológico, o autor tece uma trama com vários núcleos de personagens que estão alí para ilustrar temas delicados e a forma como abordados, da forma mais bizarra e genial que alguém pode ter noção.
Embora exista a trama geopolítica, o que importa, de fato, é o que está acontecendo em dois lugares que ficam lado a lado: a Escola de Tênis Enfield e a Clínica de Recuperação Ennet. Na primeira, estão os jovens privilegiados socialmente, atletas cheios de talento que fazem do tênis uma oportunidade para seus futuros. Na segunda, estão os viciados que, como última esperança, agarraram a chance de tentarem se recuperar alí. E por mais que um grupo seja tão distinto do outro, todos estão em busca do sucesso no que estão fazendo.

A família Incandenza é um dos núcleos. Uma família disfuncional com membros excêntricos cujas atitudes são sempre questionáveis. James Incandenza, o patriarca alcoólatra, fundou a academia de tênis na qual seus filhos "privilegiados" estão, mas também se dedicava a ser um cineasta experimental antes de sua morte, e "Graça Infinita" foi um dos seus projetos cinematográficos inacabados. O poder de entretenimento do dito filme é tanto que passa a ser considerado uma arma cultural de massa pelos terroristas de grupos separatistas que pretendem disseminá-lo pelo mundo e acabar com os americanos, pois quem assiste fica tão vidrado na televisão que não é capaz de fazer mais nada na vida, até que morra. Daí o nome é autoexplicativo, pois a graça que as pessoas vêem naquilo, e a forma como exaltam o filme acima de qualquer coisa, não tem fim.
A busca pelo filme impulsiona a trama pois há toda uma questão que envolve a queda da ONAN, mas a família em si e a ligação entre os personagens entre os dois locais é o que a rege.

Orin, o irmão mais velho, é aquele popular jogador de futebol americano com interesses depravados que envolvem até sexo com mães. Ele acredita que mulher é um objeto que se usa e joga no lixo. Orin é odiodo, mentiroso, oportunista e só pensa em si mesmo.
Hal é um superdotado chato que se deixa consumir pela alienação social e passa os dias usando drogas. Sendo o personagem principal da família, ele chama atenção pro fato do vício em drogas (Hal é um atleta, joga tênis, mas também é um maconheiro de carteirinha). O que leva alguém a usar, o que os motiva, o que esperam da vida são tratados com profundidade, assim como a overdose é descrita de forma crua e assustadora. O que ele faz e o tempo que passa se dedicando ao esquema para burlar exames antidoping chega a ser um insulto. Esses fatores levam o leitor a querer matar Hal e seus colegas (mas ainda assim levando em consideração as críticas sociais do autor), pois como alguém dotado de tanta inteligência perde tanto tempo da vida se dedicando a esse tipo de mirabolância inútil?
E Mario, o irmão do meio e, dentre todos, é o melhor personagem do livro. Ele é extramamente bondoso, é incapaz de zombar dos outros, e por mais que as pessoas sejam podres, ele procura enxergar o melhor nelas. É como se ele transparecesse exatamente aquilo que falta nas pessoas hoje em dia: a empatia.

Don Gately é um outro personagem que tem ligação com praticamente todas as subtramas do enredo, mesmo que de forma sutil ou até obscura. Ele é membro do AA (Alcoólicos Anônimos) e trabalha na casa de recuperação pra dependentes. Seu arco é aquele que mostra um pobre coitado vindo de uma família destruída que consequentemente se tornará um marginal, mas ele quer mudar, mesmo que tenha feito muitas escolhas erradas na vida. Gately inclusive é apaixonado por Joelle van Dyne, atriz que protagonizou alguns filmes de James, incluindo o Graça Infinita e está na clínica de recuperação.

A escrita é bem verborrágica (aprendi essa palavra no canal "Meus 2 Centavos" e não tem palavra melhor pra descrever a bendita escrita), a linguagem não é muito simples, a complexidade da estrutura e o anacronismo dos acontecimentos não colabora para um entendimento fácil, mas usar a essência da cultura norte-americana, mesmo em sua forma mais bizarra, é simplesmente genial. O autor faz com que o leitor fique por dentro das particularidades do enredo que, ao considerar tal cultura, compreenderá a critica que ele quis inserir aqui.
A narrativa se alterna entre os personagens, que fazem descrições nos mínimos detalhes e em letras miudas que ocupam dezenas de páginas, dando ao leitor uma visão muito, mas muito ampla sobre coisas inimagináveis, das mais simples as mais terríveis e chocantes.
Tantas descrições exaustivas e intermináveis podem ser interpretadas como pura encheção de linguiça pra engrossar o livro que, literalmente, pode ser chamado de ~tijolo~, mas no caso de Graça Infinita a coisa toda é proposital, compreensível e até mesmo necessária. A leitura é pesada, incômoda e não é pra qualquer um, mesmo que a reflexão - e a ressaca - que traga seja válida pra todos, mas a experiência com o livro, de forma geral, parece fazer parte da ideia de diversão e entretenimento do autor. Então, justamente por fazer parte da proposta, não vejo como a história poderia ter sido contada de forma mais simples e com menos páginas, mesmo que isso a torne extremamente cansativa.

É impossível não elogiar o trabalho gráfico que foi feito na obra. A capa minimalista não tráz nada além de linhas finas que traçam uma caveira, e as lombadas externas é que cedem espaço para título e nome do autor dando um diferencial todo especial ao livro.

Embora a história traga muitos pontos chocantes, entendi que foi uma forma do autor mostrar aos leitores sua visão de mundo, de que não importa o quão fundo se cave, sempre é possível recomeçar, e talvez tentar fazer com que as pessoas reflitam sobre como enxergam e lidam com as coisas também. O vício está diretamente ligado ao excesso, e tudo que é demais é prejudicial. Tais vícios, independente do que sejam ou da forma como venham, sempre vão ter como finalidade a busca pela felicidade, pelo conforto, pelo prazer e afins, mas muitos não enxergam o embuste em que estão ao acharem que existe algum atalho para tornar o caminho mais rápido e fácil.

Graça Infinita é um livro que requer muito tempo e dedicação, e até falar sobre ele não é uma tarefa fácil. Suas 1144 páginas de texto maciço e prolixo, com detalhes que se extendem à beira da exaustão, e cuja estrutura desordenada é um completo desafio para o leitor, trazem um romance relevante e necessário, cujo foco recai na devoção que o entretenimento proporciona a ponto de levar os outros do vício a solidão, mas também sobre a excentricidade que não se extende apenas aos personagens irônicos, excêntricos e individualistas, mas às suas próprias consciências que acabam tornando-os prisioneiros de si mesmos.


20 de julho de 2017

Na Telinha - O Estranho Mundo de Jack

Título: O Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas)
Produção: Walt Disney/Tim Burton
Direção: Henry Selick
Elenco:  Danny Elfman, Chris Sarandon, Catherine O'Hara, William Hickey, Glenn Shadix, Paul Reubens
Gênero: Animação/Fantasia/Musical
Ano: 1993
Duração: 1hr 16min
Classificação: Livre
Nota:
Sinopse: Jack Skellington, o rei da cidade do Halloween, decide espalhar a alegria do Natal por todo o mundo. Mas sua bem-intencionada missão acaba deixando o Papai Noel em perigo e cria um pesadelo para as crianças do mundo inteiro! Quem salvará o Natal?

Jack Skellington é o "Rei do Horror" (King of Pumpking), considerado uma das criaturas mais famosas e assustadoras da Cidade do Halloween. Os habitantes monstruosos passam o ano inteiro organizando a festa de Halloween para que o evento possa ser comemorado em grande estilo, porém, Jack, já cansado dessa rotina, entra numa crise existencial por sempre ter que fazer a mesma coisa todos os anos. Para espairecer as ideias, Jack sai para dar uma volta e acaba se deparando com árvores mágicas, cada uma com um símbolo sazonal indicando passagens para diferentes mundos. A porta do Natal chama a atenção de Jack, que resolve dar uma espiada mais de perto para ver o que encontraria alí...



Encantado com o modelo de comemoração do Natal, e pensando em sair da rotina que tanto o entediava, Jack volta para a Cidade do Halloween querendo fazer uma festa diferente, e por mais que Sally Ragdoll, sua ~namorada~, avise que isso não é uma boa ideia, Jack acaba ignorando-a e convencendo os moradores a sequestrarem o Papai Noel, a quem eles chamam de "Papai Cruel". Porém, com a ausência do bom velhinho, alguém teria que substituí-lo na Cidade do Natal, afinal, quem sairia por aí entregando os presentes para as crianças do mundo? Mas, claro, o projeto acaba virando uma grande confusão!


Tim Burton, o mestre das esquisitices sombrias, só participou da produção e de uma pequena parte do roteiro, mas nem por isso todo o seu estilo ficou de fora dessa encantadora animação em stop-motion.
Os detalhes do cenário e dos personagens são perfeitos, com traços sombrios mas ao mesmo tempo amigáveis, numa sincronia de cair o queixo!
Talvez pela Disney ter participado da produção, todas as cenas ficaram bem equilibradas e com cenas ou diálogos divertidos e engraçados, o que causa um contraste com as cenas mais assustadoras. Dessa forma a animação tem um ritmo variado pra não se tornar casativo. As cores são típicas do Halloween, sempre muito vivas e iluminadas em meio ao escuro.


O que pra mim não foi 100% foram as músicas, que, por mais que se encaixem com a situação (e mesmo algumas delas tendo sido regravadas alguns anos depois por bandas como Fall Out Boy e até Marylin Manson), não me agradaram muito.

A mistura de Halloween com Natal só serve mesmo como pano de fundo para a verdadeira história de amor que existe entre Jack e Sally nessa história, que mesmo mortos foram feitos um para o outro.
O filme ficou tão famoso que hoje existem milhares de itens inspirados nele, que vão desde estampas em camisas e canecas, bonequinhos colecionáveis, cadernos, bolsas, mochilas, e até tatuagens!


Para os fãs de animações em stop-motion, e para os fãs de Tim Burton, é animação mais do que indicada.

18 de julho de 2017

Na Telinha - O Mínimo para Viver

Título: O Mínimo Para Viver (To the Bone)
Produção: Netflix
Direção: Marti Noxon
Elenco: Lily Collins, Keanu Reeves, Carrie Preston
Gênero: Drama
Ano: 2017
Duração: 1hr 7min
Classificação: 14 anos
Nota:
Sinopse: Uma jovem (Lily Collins) está lidando com um problema que afeta muitos jovens no mundo: a anorexia. Sem perspectivas de se livrar da doença e ter uma vida feliz e saudável, a moça passa os dias sem esperança. Porém, quando ela encontra um médico (Keanu Reeves) não convencional que a desafia a enfrentar sua condição e abraçar a vida, tudo pode mudar.

No último dia 14 do mês de Julho, a Netflix adicionou à sua plataforma o filme O Mínimo para Viver, protagonizado por Lily Collins, no papel de Ellen, uma jovem de vinte anos que sofre de anorexia.

A menina enfrenta problemas familiares bem complicados, seus pais são separados e reconstruíram suas vidas com outras pessoas. A mãe de Ellen não tem o menor preparo e parece não ter nenhum interesse no bem estar da filha, deixando que a madrasta cuide da menina e de seus problemas. O pai é ainda mais ausente, pra se ter uma ideia, nem apareceu!



O filme começa mostrando Ellen numa clínica e lá ela inferniza as outras meninas. É irônica com todos, e parece não ter noção do tamanho do problema que enfrenta.

Por fim, acaba saindo da tal clínica e vai morar com a madrasta, o pai inexistente e uma meia-irmã que é uma super amiga para ela. Apesar da situação ser muito complicada, ela tem um lar ali, mas sem ajuda, não vai conseguir se livrar dos seus problemas alimentares.


Com certo esforço, sua madrasta, Susan, consegue vaga em uma clínica pouco convencional, dirigida pelo Dr. William Beckham (Keanu Reeves). Lá, Ellen é muito bem acolhida, faz amizades, aceita a convivência com pessoas com os mesmos problemas que ela, mas continua pensando que não tem um problema tão grave assim. Ela convive com todos, mas não muda, e muito menos tenta mudar já que ela não se vê como realmente é, e isso não vai ser nada fácil de reverter.

Nesta clínica eles são pesados constantemente, há uma regra em que todos têm que sentar à mesa na hora das refeições, mesmo que não comam nada; além das sessões com o Dr. William, e, mesmo que haja regras, o ambiente familiar faz com que a clínica se pareça mais com um casa. Uma casa onde encontramos jovens (homens e mulheres) de idades variadas, com problemas alimentares variados, mas todos com um desejo em comum: uma vida normal.


Apesar de ser um estilo de filme que eu não assisto, nem gosto, me vi fisgada pela trama. Estava curiosa desde que vi a primeira foto da atriz que vive a Ellen, magra daquele jeito, e foi assustador. Pesquisei e vi que ela realmente emagreceu aquele tantão para o papel, só por isso eu já me senti tentada a assistir. O assunto não é uma coisa que faça parte dos meus círculos, não conheço ninguém que tenha este tipo de distúrbio, foi uma experiência completamente nova para mim. Outro dia vi uma reportagem onde a atriz falou que várias meninas a elogiaram pela sua aparência, ela disse se surpreender, e confesso que eu também, pois é uma figura cadavérica que vemos na tela. Não é bonito, não é certo, é prejudicial à saúde, e se tantas jovens acham que é bonito, percebemos quanta gente precisa de ajuda sem fazermos ideia disso.


A iniciativa da Netflix de produzir mais um filme com propósito de trazer reflexões acerca de algum tema delicado ou polêmico (veja Os 13 Porquês ou Okja) é maravilhosa e de extrema importância, pois acredito que é uma forma de colaboração para que as pessoas se conscientizem através do entrenenimento.

Embora o tema seja pesado e difícil, e apesar das cenas fortes, o filme é leve, não é carregado de drama, é bem gostoso de assistir e vale muito a pena. Mesmo que você, como eu, não curta o estilo, precisamos conhecer um pouco sobre o assunto, ele nos cerca, mesmo que não saibamos.