23 de agosto de 2016

Sorteio - Soppy

Quem viu minha resenha do livrinho mais adorável do ano, o Soppy, sabe o quanto o achei a coisinha mais linda!
Juro que se eu pudesse sair distribuindo os livros que gostei pra todo mundo eu faria (pelo menos pra quem merece ahahaha!), mas como não dá, o jeito é fazer um sorteio

E pra concorrer é super fácil!
Confira as regrinhas abaixo (e, se possível, não deixe de conferir o post sobre reciclagem de comentários, pois quem adotar essa prática vergonhosa ao utilizar a entrada opcional de comentar na resenha será desclassificado!):
Termos e condições:
- Ter endereço de entrega em território nacional;
- Comentar este post deixando email válido para contato;
- Perfis fakes ou exclusivos pra promoções não serão aceitos. Caso constatado, o ganhador será desclassificado sem aviso prévio;
- Não nos responsabilizamos por danos ou extravios por parte dos correios, nem por um segundo envio em caso de devolução por erro nos dados informados ou entrega sem sucesso;
- Após o resultado o ganhador será comunicado por email (o mesmo deixado nos comentários). O prazo para responder com os dados é de até 48 horas, caso contrário um novo sorteio será realizado. Em caso de falta de resposta por parte do ganhador, o sorteio será refeito por no máximo 3 vezes. Caso ninguém responda em tempo hábil, o sorteio será cancelado;
- Caso o ganhador seja sorteado com uma entrada extra que não tenha sido cumprida, este será desclassificado e será feito novo sorteio;
- O envio do livro será feito em até 45 dias úteis após o recebimento dos dados do ganhador;

a Rafflecopter giveaway
Boa sorte!

21 de agosto de 2016

Fevereiro - Audrey Carlan

Título: Fevereiro - A Garota do Calendário #2
Autora: Audrey Carlan
Editora: Verus
Gênero: Romance erótico
Ano: 2016
Páginas: 132
Nota: +18
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | FNAC
Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.
Resenha: Fevereiro é o segundo volume da série A Garota do Calendário, escrita pela autora Audrey Carlan e publicado no Brasil pela Verus.

No primeiro livro, Janeiro, conhecemos Mia Saunders, uma jovem estonteante que adentrou o mundo das acompanhantes de luxo a fim de pagar uma dívida milionária do pai e salvar sua vida. Seu primeiro cliente foi Wes, um roteirista que precisava forjar um noivado a fim de afastar as mulheres que pudessem desviar sua atenção dos negócios profissionais, e pra isso contratou Mia.
Após 24 dias de puro êxtase, Mia seguiu para o próximo cliente deixando sua amizade colorida, para trás.

Desta vez Mia vai para Seattle atender Alec Dubois, um artista francês bastante excêntrico e workaholic que precisa de uma musa inspiradora para seus trabalhos. E o amante da vez sendo um francês, ela vai embarcar num mês onde vai experimentar coisas que, até então, eram desconhecidas e totalmente inexploradas...

Apesar das cenas de sexo serem intensas e convinventes, o problema desse segundo volume é que Mia se contradiz ao se insinuar para Alec, desejando com todas as forças que as coisas possam ir além do que simplesmente posar nua para suas obras de arte, enquanto tenta posar de boa moça e sem tirar Wes da cabeça, como se o que estivesse fazendo fosse algum tipo de traição. Claro que sem a parte sexual a história não teria o ingrediente chave que a tornou um sucesso. Livros eróticos, obviamente, são feitos por histórias regadas a sexo. São doze meses e doze clientes, ok, mas acredito que, na posição de Mia, não deveria haver espaço pra esses tipos de lamúrias ou divergências que acabaram me fazendo considerar que ela não é tão forte e pé no chão quanto pensei que fosse, e isso considerando o que ela se mostrou em Janeiro. Ela gosta de sexo, isso nós sabemos e não vejo problema nenhum, mas quando ela se mostra alguém tão inconstante, pensando uma coisa e demonstrando outra, ela me soou como uma grande hipócrita. Se a ideia é que ela tire lições de vida e tenha novos aprendizados a cada experiência, nesse volume vi pouquíssimo progresso, principalmente por ela estar em conflito, questionando a si mesma se essa decisão de trabalhar como escort foi a melhor que já tomou. Ela fica preocupada em não se relacionar de forma íntima com os clientes mas a primeira coisa que pensa quando bate o olho no macho é jogar a roupa longe e ir pro foda como se não houvesse amanhã. Controle-se, mulher! Não é possível que esse dilema vai se repetir em doze livros.

Achei Alec totalmente estereotipado em seu comportamento de amante francês super fogoso que acha que amor e sexo caminham felizes de mãos dadas, com um discurso fajuto sobre amar Mia incondicionalmente enquanto ela estiver alí por ele e que ela deveria fazer o mesmo e amá-lo também. O contrato acaba, cada um vai pro seu canto, e aí? O que acontece com esse suposto "amor eterno" com prazo de 24 dias? Já cansei de ver esse tipo de personagem irresistível em filmes (oi, Meg Ryan!) e ter essa visão dos franceses na questão do amor e do sexo é uma forma muito estranha de generalizar tal comportamento.

Apesar desse livro ter menos páginas do que o anterior, percebi que a autora foi um pouco mais detalhista com cenários e descrições, mas confesso não ter curtido muito os diálogos de Alec onde ele fala francês. Mia não entende e fica sempre questionando o significado das frases que ele solta e mesmo que ele traduza depois, achei que isso interferiu na fluidez da leitura e até quebrou o "clima", principalmente quando eles estão lá no bem-bom. A pessoa presta atenção no que está sentindo ou no que está sendo dito? No auge do prazer, parar pra pensar ou perguntar o significado do que o cara fala foi o cúmulo do desânimo.

Enfim... Não vou dizer que odiei a leitura porque apesar do que considerei negativo, alguns outros pontos fizeram com que a leitura valesse a pena, pois embora Alec seja estereotipado na questão do romance, ele tem uma alma de artista e consegue ver através das pessoas, e ele não enxerga Mia apenas como uma acompanhante profissional. Ele consegue captar sua essência, consegue ver além dela, e percebe que ela já sofreu muito e desacreditou no amor por ter se decepcionado. Ele tenta, no curto período do contrato, fazer com que ela acredite que é possível encontrar a felicidade e o amor em alguém, mesmo que não seja nele, e a questão do sexo entre eles não é só porque Mia praticamente se joga na cama dele, mas ele usa desse artifício para ajudá-la a se conhecer melhor.

Pra quem gosta de romances eróticos, a série A Garota do Calendário é uma boa pedida pois não foca única e exclusivamente no sexo, mas nos conflitos da protagonista e de seus problemas pessoais com os quais tem que lidar. Se a pessoa quer ler descrições de sexo caliente e com um homem cheio de pegada, vai encontrar, mas se quer acompanhar uma personagem que está aprendendo e amadurecendo com a experiência, também.


20 de agosto de 2016

Janeiro - Audrey Carlan

Título: Janeiro - A Garota do Calendário #1
Autora: Audrey Carlan
Editora: Verus
Gênero: Romance erótico
Ano: 2016
Páginas: 144
Nota: +18
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | FNAC
Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. O fenômeno editorial do ano e best-seller do New York Times, USA Today e Wall Street Journal
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.
A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.
Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em janeiro, Mia vai conhecer Wes, um roteirista de Malibu que vai deixá-la em êxtase. Com seus olhos verdes e físico de surfista, Wes promete a ela noites de sexo inesquecível — desde que ela não se apaixone por ele.
Resenha: Janeiro é o primeiro volume da série A garota do Calendário, escrita pela autora Audrey Carlan e publicado no Brasil pela Verus. A série inteira já está sendo publicada desde junho com dois livros por mês e termina no fim do ano, logo, as leitoras podem ficar de plantão sem esperar eras para por as mãos no próximo volume.
Eu gostei do projeto gráfico dos livros pois todos combinam muito bem. A capa é sexy sem transpassar vulgaridade e gosto dessa discrição quando se trata de livros com teor erótico, pois nada fica explícito. A diagranação é simples e não percebi erros na revisão desta edição. De forma geral, a Verus, como sempre, arrasa.

Mia Saunders é uma jovem livre e desimpedida que já não acredita mais em amor depois de ter o coração partido por mais vezes do que ela poderia suportar, mas nem por isso deixou de pensar e sentir falta do bom e velho foda... Isso mesmo... Mia não é nenhuma santinha e tem suas necessidades, minha gente...

Tudo poderia estar às mil maravilhas (ou não) se não fosse pelo fato de seu pai ter sido ameaçado de morte e espancado por um agiota inescrupuloso a quem ele deve a quantia astronômica de um milhão de dólares. Cabe a Mia dar um jeito nesse problema, e, aproveitando que sua tia é dona de um agência de acompanhantes de luxo, ela terá como missão se passar por escort e atender um cliente por mês para pagar a dívida a fim de salvar a vida do pai.

Weston é seu primeiro cliente. Um roteirista de cinema responsável por alguns dos maiores sucessos de bilheteria dos últimos anos. Ele não poderia ter a atenção ao assuntos profissionais desviada devido as investidas da mulherada que não sai de seu encalço, e Mia entra em cena para se passar por sua noiva e afastar qualquer piriguete interesseira que pudesse aparecer em seu caminho. Seriam 24 dias em companhia de Wes, e Mia nem sequer era obrigada a fazer sexo com ele. Mas será que ficar tão próxima daquele gato maravilhoso e sarado não provocaria nela sensações das quais ela não faz a menor questão de inibir?

A narrativa é feita em primeira pessoa e a autora não faz questão de descrições ou detalhes minuciosos. Ela vai direto ao ponto e conta em poucas palavras o que está acontecendo, e a quantidade de páginas é uma prova disso. Sim, o livro é cheio de coincidências e conveniências absurdas e que me fizeram revirar os olhos uma dúzia de vezes, mas não posso negar que gostei da história de forma geral. Mia é um exemplo de mulher livre que faz o que quer sem se preocupar em estar diminuida frente a homem algum. Ela vai descobrindo que pode se envolver com alguém e curtir os prazeres da vida, sem que haja um compromisso ou um sentimento forte que a prenda a esta pessoa.
A química que existe entre Mia e Wes é explosiva, e o desejo que os consome à primeira vista é inevitável. Eles acabam tendo uma ligação muito intensa, obviamente irão desfrutar de muito sexo, mas esse "noivado" também funciona a base de diálogo inteligente fazendo com que a relação vá além do que está no contrato de acompanhante de luxo. Por mais que eu tenha achado Wes um bofe irresistível e que combina perfeitamente com Mia, não fiquei torcendo por um amor eterno, pois sabemos que ela ainda tem o resto do ano para trabalhar para pagar a dívida do pai, e outros homens vêm por aí.

A gente sabe que sexo vende, até mesmo na literatura. Alguns livros fazem barulho demais, e outros realmente fazem jus ao que prometem. Janeiro foi um meio termo pra mim. Não é tudo o que imaginei devido às conveniências, mas está longe do fiasco amador de um tal de "Mr. Cinza"...
Não sou fã nº 1 do gênero, mas eu gostei da história de forma geral pois através de Mia a autora deixa uma mensagem sobre o empoderamento feminimo embutida em cenas quentes regadas a muito sexo. Mia ultrapassa os próprios limites, quebra barreiras, vence preconceitos e acima de tudo, se descobre como uma mulher cheia de força e de garra, que vai fazer de tudo para proteger e ajudar quem ama, independente dos meios que tenha que recorrer.

19 de agosto de 2016

O Livro de Memórias - Lara Avery

Título: O Livro de Memórias
Autora: Lara Avery
Editora: Seguinte
Gênero: YA/Sick-lit
Ano: 2016
Páginas: 352
Nota:
Onde Comprar: Saraiva
Lançamento: 26 de Agosto de 2016
Sinopse: Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho - nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.
Resenha: O Livro de Memórias, escrito pela autora Lara Avery e publicado no Brasil pela Seguinte é um YA que conta a história de Samantha McCoy, uma adolescente muito inteligente, dedicada e ambiciosa. Seu maior sonho é se formar no ensino médio e sair da cidadezinha onde mora para ir fazer faculdade em Nova York. Sammie foi diagnosticada com uma doença genética rara mas nem isso seria o suficiente para fazer com que ela desistisse de seu maior objetivo, ela só precisaria de outros recursos. Logo ela tem a ideia de escrever um livro para a Sam do futuro, colocando anotações sobre seus feitos, sua rotina e tudo o que ela vem passando para que pudesse ler um dia e nunca se esquecer. São registros detalhados sobre seus sentimentos e experiências das quais nunca havia experimentado antes, mas a medida que a doença avança, manter tais lembranças pode ser uma tarefa muito mais difícil do que ela imaginou.

O livro é um sick-lit que traz uma protagonista acometida pela Niemann-Pick C (NP-C), uma doença degenerativa e fatal, que faz com que haja um acúmulo de colesterol ruim no fígado e no baço. Esse acúmulo causa obstruções no cérebro, o que interfere na cognição, na função motora, na memória, no metabolismo e no funcionamento do corpo humano de forma geral. É como se o corpo ficasse falhando e estivesse sendo desligado aos poucos, e os sintomas são terríveis e catastróficos, tanto pra quem sofre com a doença como para quem está ao redor dela...
O diferencial da história desse livro em comparação com outras do gênero é que Sam sabe as consequências da doença e pouco se importa com o que será de seu corpo, sua maior preocupação é não permitir que sua mente brilhante seja apagada. Logo o que fica bastante evidente não é o drama em si somente devido à doença, mas a força de vontade de Sam e sua forma racional de lidar com o inevitável. A doença é o que move a personagem, que faz com que ela recorra a alternativas para tentar não deixar que seus planos sejam destruídos, mas são suas escolhas e o seu modo de encarar as coisas que dão desenvolvimento à trama.
"Por que não posso definhar lentamente e andar por aí em uma cadeira de rodas automática, declamando meu brilhantismo por meio de uma caixa de voz computadorizada, como Stephen Hawking?"
- Pág. 17
A história é narrada em primeira pessoa e tem um ritmo bastante agradável. No começo não me simpatizei muito com Sam por ainda não ter formado uma opinião sobre ela, mas com o desenrolar das coisas a leitura se tornou mais fluída e pude me apegar mais aos personagens.
É a própria Sam quem escreve cada página desse diário composto por memórias e muitas vezes ela se refere a si mesma como "você", pois seria ela lendo tudo aquilo num futuro. É possível ainda conferir intervensões de outros personagens em alguns capítulos, pois devido a doença, Sam, às vezes, está em um estado de completa confusão, e suas crises são muito realistas e comoventes.
Eu me identifiquei com Sammie em diversos pontos: sua nerdice, sua paixão por livros e seu senso de humor recheado de ironia. A presença da família de Sam também é algo que enriquece a trama, e está alí para dar apoio e fazer diferença em sua vida, mostrando que a dinâmica familiar é importante e pode fazer com que a história tenha um algo a mais que valha a pena acompanhar.
"A vida não é só uma série de conquistas.
Eu me pergunto quantas noites de filme perdi para estudar ou debater ou só reclamar. Não quero perder mais nenhuma."
- Pág. 234
O único ponto do livro que não foi muito favorável pra mim, por questão de gosto pessoal, foi a construção de um "triângulo amoroso", que ao meu ver, foi desnecessário. Sammie se interessa por Stuart, um garoto fofo e que é escritor. Mas quando Cooper, um amigo de infância que havia se afastado, entra em cena as coisas soaram um pouco forçadas e até convenientes. Não vou me aprofundar nesse ponto para não dar spoilers, mas posso dizer que entre Stuart e Cooper, fico com Cooper, pois embora tenha sido apresentado como um maconheiro espertinho, ele é doce e realmente se importa com Sam tanto quanto a família dela.

Em suma, O Livro de Memórias é um livro incrível e realista, que aborda uma doença triste com uma sutileza ímpar, e nos deixa acompanhar uma Sam cheia de coragem rumo a um destino inevitável. É comovente e talvez vá arrancar algumas lágrimas ao fim, e pra quem gosta de histórias do tipo, é leitura mais do que recomendada.