Maus - Art Spiegelman

2 de abril de 2021

Título: Maus
Autora: Art Spiegelman
Editora: Quadrinhos na Cia
Gênero: HQ/Graphic Novel
Ano: 2005
Páginas: 296
Nota:★★★★★
Sinopse: Maus, rato em alemão, é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu aos campos de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art Spiegelman. O livro é considerado um clássico moderno das histórias em quadrinhos. Foi publicado em 2 partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, o livro ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de Literatura. A obra é um sucesso estrondoso de crítica e público. Desde que foi lançada, tem sido objeto de análises e estudos de especialistas em diversas áreas, como artes, história, literatura e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as 2 partes reunidas num só volume. Nos quadrinhos, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas como gatos, e, americanos como cachorros e poloneses como porcos. Esse recurso, aliado à ausência de cor nos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Art, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para espaçar a dúvidas e inquietações. É implacável com o personagem principal, seu próprio pai, retratado como destemido e valoroso, mas também como mesquinho e racista. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.

Resenha: Na década de 80, o sueco Art Spiegelman iniciou algumas entrevistas com seu pai sobre as experiências vividas por ele na Segunda Guerra Mundial, e criou vários quadrinhos baseados nessas conversas. O resultado foi o lançamento do clássico moderno Maus (rato em alemão), que ganhou o prêmio Eisner em 1991 e o Pulitzer de Literatura em 1992. No Brasil ele foi publicado num em 2005 pelo selo Quadrinhos na Cia da Editora Companhia das Letras.
Confesso que apesar de ter lido Maus em 2012, eu ainda não sabia exatamente o que e como escrever sobre essa obra prima devido ao impacto que causou em mim, fui adiando a resenha até que esqueci, e agora, por ter sido convidada pela mybest Brasil para falar um pouquinho da minha Graphic Novel favorita, nada mais justo do que escolher essa obra clássica e super importante.

Quer conferir mais dicas e resenhas sobre HQ's, Mangás e Graphics Novels feitas por outros influenciadores literários? Espia aqui: https://mybest-Brasil.com.br/19524

Maus vai mostrar o ponto de vista de Vladek Spiegelman, um sobrevivente polonês de Auschwitz e de Dechau, famosos campos de concentração onde os judeus tiveram seus destinos marcados pra sempre. Vladek dá seu relato de quando era jovem e se casou com Anja, até ter sido confinado nos campos de concentração, onde presenciou e foi submetido às mais terríveis atrocidades cometidas pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. O próprio autor da obra, filho de Vladek, vai descobrindo aos poucos a história trágica do passado do pai; da mãe; e do irmão, Richieu. O interesse de Artie pela história e a profundidade do relato de Vladek constroem um retrato verídico, dramático e muito cruel acerca do sofrimento vivido em meio aos horrores do Holocausto. Também é possível notar características estereotipadas de um típico judeu em Vladek enquanto ele narra sua história: além de ranzinza e birrento, percebemos que sua experiência da guerra deixaram marcas indeléveis que acabaram mudando sua personalidade, sua visão de mundo e o transformou numa pessoa diferente do que fora antes do ocorrido.
(pág. 61)
Ilustrado em preto e branco e com figuras metafóricas onde os judeus são apresentados como ratos, os nazistas como gatos, os americanos como cães, dentre outras comparações do tipo onde cada país é representado por um animal diferente, acompanhamos uma história de luta e sobrevivência contada de forma tão inteligente quanto triste. Os quadrinhos e os pequenos diálogos retratam fatos históricos fortes e pesados de uma maneira que, ao mesmo tempo que incomoda, instiga o leitor e o faz questionar sobre liberdade, igualdade e moralidade. Algumas cenas são tão fortes que é impossível não ficar com os olhos cheios de lágrimas.
Existe alguns erros de concordância propositais nas frases, visto que se tratam da representação dos sotaques estrangeiros dos personagens.

Para quem quer saber mais sobre o Holocausto e procura por algo diferente do encontrado em livros com textos maçantes, vai encontrar em Maus uma história baseada em relatos reais de alguém que sobreviveu à Segunda Guerra, com trechos tocantes e ilustrações intensas o bastante para mexer com nossos sentidos, nos fazendo questionar sobre a humanidade ter falhado e ter ido tão longe de si mesmos. Esse é o tipo de leitura que deveria ser obrigatória, seja para fins de estudo, ou para tentarmos entender até onde alguém pode chegar em busca de poder.




Resumo do Mês - Já acabou, Março?

1 de abril de 2021


Mas que diacho de tempo voando é esse, Brasel? Achei que ficar em casa ia acabar me fazendo cair dura, mas a alegria de estar dando conta de conciliar meu tempo pra fazer de tudo um tanto anda me deixando mui feliz, obrigada. Olha essa lista, que satisfação, aspira:

- Colocando minhas séries em dia
- Lendo meus livros
- Ensinando o Theo ler e escrever
- Ajudando a Vitória com os exercícios que a escola manda toda semana
- Estudando tarô
- Decorando e comprando coisas úteis pra casa 
- Terminei meu cronograma capilar e meu cabelo nem parece meu cabelo, nem acredito
- Lavando meu cabelo 3x por semana em vez de 2x por mês 
- Passando do dia 500 jogando Don't Starve Together sozinha
- Testando receitas divinas de cuzcuz que aprendi 
- Dormindo tarde/acordando cedo
- Fazendo exercícios 

Mas o que interessa é isso aqui:

Caixa de Correio - #109 - Março

31 de março de 2021

Março já acabou e eu nem vi passar. Cheguei a não saber que dia já era, e quase deixei passar o aniversário do maridón (que ficou puto comigo, mas fazer o que... pra variar, a cabeça tá mais pra lá do que pra cá). E apesar da correria e da descabelância de sempre que é minha vida em isolamento com filhos, não nego que fiquei super feliz com tudo que comprei e recebi.

Enfim, espiem a caixinha desse mês:

O Impulso - Ashley Audrain

30 de março de 2021

Título: O Impulso
Autora: Ashley Audrain
Editora: Paralela
Gênero: Drama/Suspense
Ano: 2021
Páginas: 328
Nota:★★★★★
Sinopse: Blythe Connor está decidida a ser a mãe perfeita, calorosa e acolhedora que nunca teve. Porém, no começo exaustivo da maternidade, ela descobre que sua filha Violet não se comporta como a maioria das crianças. Ou ela estaria imaginando? Seu marido Fox está certo de que é tudo fruto do cansaço e que essa é apenas uma fase difícil. Conforme seus medos são ignorados, Blythe começa a duvidar da própria sanidade. Mas quando nasce Sam, o segundo filho do casal, a experiência de Blythe é completamente diferente, e até Violet parece se dar bem com o irmãozinho. Bem no momento em que a vida parecia estar finalmente se ajustando, um grave acidente faz tudo sair dos trilhos, e Blythe é obrigada a confrontar a verdade. Neste eletrizante romance de estreia, Ashley Audrain escreve com maestria sobre o que os laços de família escondem e os dilemas invisíveis da maternidade, nos convidando a refletir: até onde precisamos ir para questionar aquilo em que acreditamos?

Resenha: Quando Blythe aceita a pressão do marido para terem um filho, ela ansiava ser uma mãe perfeita e acreditava que a maternidade transformaria sua vida para melhor, mas as coisas não saem conforme o esperado. A depressão pós parto, as cobranças, e o cansaço extremo impedem que Blythe aproveite a maternidade como ela gostaria. Pra piorar a situação, a medida que Violet, a filha do casal, cresce, Blythe começa a perceber que ela não é como as demais crianças, seu comportamento é diferente e que é possível que exista algo de errado - e muito ruim - com a menina. Fox, o marido, sempre a desencoraja por menor que sejam suas suspeitas com relação à filha, faz com que ela acredite que o esgotamento que a maternidade lhe trouxe é o que a deixa cheia de impressões equivocadas, e que ela está vendo coisas. Mas, alguns anos depois, numa tentativa de melhorar o casamento, o casal decide ter outro filho, e a experiência com a gravidez e o nascimento de Sam é totalmente oposta a de Violet, e, dessa vez, Blythe realmente encontra alegria e prazer em ser mãe. Mas um terrível acidente faz o mundo dela desmoronar, e Blythe não tem outra escolha a não ser enfrentar a realidade e todas as verdades dolorosas que vem com ela.

A história é narrada em capítulos bem curtinhos e de forma epistolar, direcionada a Fox, onde Blythe conta tudo o que passou desde o nascimento de Violet até a atualidade. Logo no início já acompanhamos a protagonista indo lhe entregar essas cartas para que ele saiba seu ponto de vista sobre os fatos, e é a partir da leitura dessas cartas que a história começa. Intercalando os capítulos, também há algumas passagens que ocorreram entre os anos 60 e 70, mostrando a vida complicada e desprovida de afeto com a mãe e a avó de Blythe que vem ocorrendo por gerações, e como essa relação a afetou a ponto de ela querer fazer tudo diferente quando se tornou mãe para agradar o marido e formarem aquela família feliz de comercial de margarina. Mas aí entra o questionamento sobre a protagonista, que veio de uma família completamente desestruturada, e que faz com que o leitor às vezes não a considere a pessoa mais confiável pra se ouvir/ler. O quão difícil é pra uma mãe sentir que não existe vínculo com a filha que ela própria gerou, amamentou e cuidou, e que esse sentimento só piora com o passar do tempo? Como saber se não foi exatamente isso acabou moldando a personalidade de Violet? Não seria essa rejeição o que faz com que Blythe pense que existe alguns problemas com a filha, ou será que a psicopatia e a crueldade também pode estar presente em uma criança aparentemente indefesa, mas isso é algo que ninguém quer admitir que existe? A própria Blythe questiona a própria sanidade, e se as coisas que ela percebe realmente aconteceram ou se são apenas fruto de sua imaginação.
"Violet tinha uma mente brilhante, fascinante, e às vezes eu desejava ter acesso a ela. Ainda que temesse o que poderia encontrar."
- Pág. 114
Apesar de fluída e envolvente, a história é um drama que se mistura a um thriller psicológico, mostrando os acontecimentos trágicos envolvendo não só o comportamento de Violet, mas o peso da maternidade real, todas as indagações de Blythe que vem a tona sem que alguém lhe dê qualquer crédito, e todas as cicatrizes e amarguras do passado que ela carrega (e que talvez estejam influenciando o que ela está vivendo como mãe). Ao mesmo tempo em que percebemos a dor e a agonia da protagonista, também ficamos agoniados para saber o que vai acontecer, como as coisas vão se desenrolar, e como vão ser descobertas e resolvidas.

A autora consegue trazer reflexões sobre qual seria o papel da mulher diante da sociedade; sobre como a mulher deixa de ser mulher pra se tornar mãe; sobre o poder do homem de tomar todas as decisões e de ter a palavra final só por ser o provedor do lar; sobre a culpa e a romantização da maternidade; sobre a mulher ser exatamente aquilo que esperam que ela seja, baseado em preceitos conservadores e ultrapassados; sobre aceitar que nem sempre os filhos vão corresponder as expectativas de suas mães, e vice versa. Talvez, para quem seja mãe e tenha enfrentado o peso e o esgotamento físico e mental que a maternidade proporciona, o livro inteiro vai ser um enorme gatilho, mas ainda assim é uma leitura muito válida para todos saberem e/ou reconhecerem que a maternidade pode ser linda pra quem vê, mas nem sempre pra quem vive.

Acho que, depois de tantos desabafos que já fiz aqui no blog, posso abrir esse parágrafo só pra falar sobre o sentimento que essa história causou em mim, e o que pode ser o motivo de causar alguns gatilhos em quem vive ou viveu essa realidade. Confesso que fiquei o livro inteiro com uma bola na garganta, pensando sobre ser mãe; sobre ficar entre tentar superar as expectativas que todo mundo coloca sobre mim ou simplesmente ligar o botão do f*da-se e empurrar essa responsabilidade como dá; sobre estar tão esgotada, física e mentalmente, que definhar a ponto de querer desistir é inevitável; sobre como a depressão é uma coisa que muitos ainda não levam a sério; e, por mais inexplicável e incrível que pareça, sobre como a maternidade pode ser a coisa mais solitária da vida de uma mãe. E por conseguir me enxergar no lugar de Blythe em várias situações que ela passou e que só quem vive sabe como é, eu simplesmente não consegui duvidar da narrativa dela em momento algum, por mais desvairada que ela pudesse parecer, porque eu também já me senti assim por tantas vezes que é impossível contar...

O Impulso traz uma história tão impressionante quanto perturbadora, mostrando tanto as mazelas quanto as alegrias da maternidade como ela é, e também que a maldade tem sim uma origem, e pode vir de quem menos se espera.

Wishlist #97 - Funkos de Onward

18 de março de 2021

Meudeus, como assim depois de ter assistido e super curtido Dois Irmãos eu esqueci de fazer a wishlist de pops deles? Mas antes tarde do que nunca. Pra quem quer saber minha opinião sobre essa animação da Disney que fala sobre a jornada de dois irmãos órfãos em busca de um último encontro com o pai, clica aqui. E pra quem quiser ver quais foram os pops que a Funko lançou, espie abaixo:


Não acho que vou completar todo o set dessa coleção. Acho que só o Ian e o Barley já estão bons, e talvez o pai. Os outros já não me chamaram muito a atenção e vão ficar de fora.

Novidades de Março/Abril - Magicae - Darkside Books

15 de março de 2021


É hora de celebrarmos a mágica que existe em nossa essência. Magicae é uma coleção inteiramente dedicada aos mistérios das bruxas, com livros que honram os poderes ancestrais, cultuam as leis da natureza e conectam todas as linhas editoriais da DarkSide®️ Books.
Magicae celebra a vida, as fases da lua, as marés internas e os mistérios dos oráculos. Livros repletos de encantamento que honram os poderes ancestrais e cultuam as leis da natureza. A magia que mora no farfalhar das folhas, na alquimia dos aromas, no sopro do vento e no virar das páginas também existe em todos nós. Magicae é o reencontro com a nossa própria essência.
No mês em que homenageamos a coragem e a resistência das mulheres, preparamos os mais poderosos feitiços para encantar o coven Darkside

Bruxas Literárias - Taisia Kitaiskaia
Elas teceram enredos imortais e conjuraram personagens inesquecíveis. O primeiro lançamento da coleção Magicae convoca todos a darem as mãos em uma celebração da força e do poder das mulheres através dos tempos. A DarkSide® Books conjura o livro Bruxas Literárias, obra que reúne trinta autoras que transformaram a história da literatura.
Escritoras como Mary Shelley, Agatha Christie, Audre Lorde, Emily Brontë e outras bruxas, unidas para formar um círculo em DarkLove. E a edição brasileira chega com uma galeria de ilustrações fascinantes de três bruxas literárias nacionais: Carolina de Jesus, Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles. Um livro encantador e enfeitiçado.

Bruxa Natural: Guia Completo - Arin Murphy-Hiscock
A figura da bruxa fascina a humanidade há gerações. Curandeiras, benzedeiras, avós, mães. Para a autora Arin Murphy-Hiscock, ser uma bruxa é apropriar-se da força interior, honrar a ancestralidade e também estreitar o laço com a natureza.
O livro é um guia da bruxaria verde para quem deseja explorar os presentes da natureza e encontrar equilíbrio e harmonia, despertando a magia que está em todos nós. Reúne receitas, exercícios, sugestões de rituais e orientações para fazer poções e misturas de ervas. Aprenda sobre plantas, árvores, cristais e outras magias.

O Livro Mágico para Jovens Bruxas - Ariel Kusby
Para ser bruxa não é necessário fazer objetos voarem, passear por aí em uma vassoura ou ler mentes. Praticar a bruxaria, na verdade, tem muito mais a ver com estar em sintonia com você mesma e fazer bom uso da sua individualidade, da sua inteligência e da sua bondade.
Bruxinhas já iniciadas ou que estão aguardando o começo do treinamento vão adorar O Livro Mágico para Jovens Bruxas. Inspirada pelo folclore e pela magia da natureza, Ariel Kusby escreveu um guia adorável de feitiços, poções e atividades para resolver problemas, fazer amigos e estabelecer um vínculo com o mundo natural.

Grimório das Bruxas - Ronald Hutton
As bruxas estão por toda parte. É com a lua cheia iluminando o coração da floresta que a Macabra Filmes e a Darkside® Books apresentam o lançamento da coleção Magicae, Grimório das Bruxas.
Combinando história, folclore, mito e mistério, o livro apresenta uma pesquisa profunda, analisando a bruxaria e seus contextos, crenças e origens históricas e culturais. Uma obra completa feita sob medida para feiticeiras e feiticeiros. Grimório das Bruxas chega ao nosso mundo em duas edições: 
Moon Edition e Witchcraft Edition
Entender a história da bruxaria é o primeiro passo para um amanhã cada vez mais mágico.