21 de setembro de 2016

Eterna - C.C. Hunter

Título: Eterna - Ao Anoitecer #2
Autora: C.C. Hunter
Editora: Jangada
Gênero: YA/Sobrenatural
Ano: 2016
Páginas: 352
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Justo quando Della estava começando a achar que tinha encontrado a sua tribo em Shadow Falls, sua vida vira do avesso novamente. Depois de ser vítima de um vírus mortal, ela precisa fazer a difícil escolha de ser uma Renascida, um tipo de vampiro mais forte e poderoso. Essa é a sua única chance de sobrevivência. Mas ela tem um preço: Della terá que ficar eternamente ligada a Chase. Será que a atração que ela começa a sentir por ele é real ou tem a ver com esta ligação? E o que acontecerá com Steve, o metamorfo? E se já não bastasse os problemas do coração, enquanto Della investiga o seu mais recente caso, ela descobre uma prova chocante de que seu pai está envolvido num crime do passado. Isso a faz questionar tudo o que acredita ser verdade, e o seu lugar num mundo que ela pensava conhecer tão bem.
Resenha: Eterna é o segundo livro da série Ao Anoitecer, spin-off da saga Acampamento Shadow Falls escrita pel autora C.C. Hunter e publicado no Brasil pela Jangada.

Della passou por uma segunda transformação e se tornou uma Renascida, uma vampira muito mais forte, veloz e poderosa do que imaginava ser, e sua única chance de sobreviver é aceitando esta condição, porém, tal escolha irá fazer com que ela fique ligada a Chase para sempre. No volume anterior, Della e Chase se juntaram numa missão em que deveriam investigar um assassinato e, desta vez, irão se unir novamente numa nova missão envovlendo um fantasma ligado à ela, e eles irão enfrentar perigos ainda maiores além de fazer descobertas incríveis e surpreendentes. Sua família também anda passando por uns perrengues e Della começa a pensar que seu pai não é quem ela acreditava ser. Mas mesmo sabendo que é uma Renascida, ela não desistiu de se tornar uma agente da UPF.
Essa ligação que Della e Chase passaram a ter ainda é uma incognita para ela, principalmente porque ela ainda tem sentimentos por Steve. O problema é que por mais que ela também se sinta atraída por Chase, ela não sabe se pode confiar no que ele diz já que a própria existência desse metamorfo é um mistério cheio de segredos e algumas mentiras.

Narrado em teceira pessoa com foco maior sobre o ponto de vista de Della, Eterna possui um desenvolvimento agradável através de uma leitura fácil e fluída. A autora escreve muito bem e isso já é um fator que colabora bastante para o envolvimento do leitor com a leitura, porém, diferente do primeiro livro, comecei a me incomodar com a falta de inovação no que diz respeito ao enredo. Della também parece ter sofrido uma mudança brusca de personalidade, e aquela menina irônica e destemida foi consumida pelos sentimentos que nutre por Chase e Steve, o que estranhei total já que, inicialmente, ela nunca deu muita importância para sentimentalismos depois do que passou com o ex namorado que a abandonou... O caos começa a tomar conta das coisas, os mistérios estão lá para serem desvendados e mil problemas para serem resolvidos, e o que ela faz é pensar nesses caras deixando aflorar uma fase "doce" e fofinha que simplesmente não combina com ela. Steve ter saído de cena para que ela pudesse resolver as coisas com Chase foi uma artimanha bem clichê, mas, falando em triângulos amorosos, não gosto de dar muitos palpites sobre visto que nunca gostei desse elemento e não é dessa vez que vou mudar de ideia. Sò posso dizer que entre Chase e Steve, escolho Steve, ponto. Chase claramente esconde coisas que podem ser a chave para algo maior no futuro, mas como não se pode confiar nele 100%, prefiro não arriscar me apegar a ele.
Della até retoma às origens depois, mas essa "queda" não passou batida pra mim e não pude deixar de achar desnecessário já que fugiu totalmente daquela personagem forte, destemida e bad-ass que ela sempre demonstrou ser.

Com relação a parte física da obra, a capa é metalizada e segue o mesmo estilo do livro anterior e também dos demais livros da série Acampamento Shadow Falls. As páginas são amarelas e a fonte tem um tamanho agradável. Os capítulos são numerados por extenso, a diagramação é simples e não percebi erros de revisão durante a leitura.

Enfim, a história tem um desenvolvimento bacana e até mesmo rápido, os diálogos são espirituosos e inteligentes na maioria das vezes (mesmo se tratando de jovens adolescentes), a amizade é abordada de uma forma bastante verdadeira e a trama num geral é recheada de bom humor, mistério e bastante ação. O romance, claro, está lá, cheio de complicações, mas também acompanhado de momentos bonitinhos, fases em que o destaque fica por conta da descoberta mas também muitas dúvidas e indecisão.
De forma geral, pra quem curte fantasias sobrenaturais voltadas ao público jovem adulto com todos esses elementos que mencionei acima, vai gostar bastante da série.

Novidades de Setembro - Grupo Pensamento

Jangada
Transcedente - Starling #3 - Lesley Livingston
A série Starling chega a seu desfecho épico neste terceiro volume. A ancestral profecia nórdica do Ragnarök está prestes a se cumprir. Mason Starling tem nas mãos o destino do mundo, enquanto Fennrys, seu amor, jaz a seus pés sangrando, com a vida por um fio. No entanto, o que quer que esteja por vir não ocorrerá por causa de uma profecia ou dos planos maquiavélicos do seu pai. Tudo depende apenas das decisões de Mason e Fenn. E o mundo deve torcer para que ambos
alcancem aquilo que suas almas e suas espadas mais almejam: evitar o fim do mundo.





Cidade dos Fantasmas - Daniel Waters
Após uma catástrofe que matou milhões de pessoas, uma fenda se abre entre as dimensões e as cidades passam a ser assombradas por fantasmas. Verônica não passa um dia sem ver um fantasma, mas eles não a assustam. Porém, os fantasmas estão ganhando força e começam a aparecer com muito mais frequência. Ela e seu colega de classe Kirk, investigam por quê e descobrem uma história sinistra: August, seu professor de história, não se conforma que a sua filha não voltou do mundo dos mortos como fantasma e acha que para isso acontecer ela precisa primeiro se apossar de um corpo, e que Verônica é a pessoa certa para abrigar o espírito da filha. Mesmo que esteja errado, que mal há em criar mais um fantasma, se já existem tantos!

Seoman
30 Anos de Música - Rick Bonadio e Luiz César Pimentel
Rick Bonadio iniciou sua carreira 1986, aos 17 anos, quando gravou um disco, porém foi na mesa de som, produção e composição que ele se consagrou. É atualmente o produtor musical mais conhecido do Brasil. Já revelou, produziu e empresariou grupos como Charlie Brown Jr., Mamonas Assassinas, Titãs, Rouge, Ira! e NX Zero. Produziu mais de 300 artistas e ganhou 31 discos de ouro, platina, platina dupla e diamante por vendagens que, somadas, ultrapassam os 15 milhões de álbuns. Foi diretor artístico e depois presidente da gravadora Virgin Records no Brasil e criou o selo Arsenal Music, adquirido pela multinacional Universal Music. Trabalhou em programas de TV como Popstars (SBT), Caldeirão do Huck (Globo), Countrystar (Band), Ídolos (Record), Fábrica de Estrelas (Multishow) e, atualmente, é jurado do X Factor Brasil (Band).

Pensamento
Almanaque Wicca 2017 - Guia d Magia e Espiritualidade
Este é o Guia de Magia e Espiritualidade mais completo do Brasil. O Almanaque Wicca 2017 é uma fonte de informações sobre a vida, a magia e o mundo espiritual, que nos convida a utilizar esse conhecimento para sermos pessoas mais íntegras, felizes e próximas da nossa essência divina. Repleto de diferentes artigos, você vai aprender um ritual para atrair dinheiro, encantamento para combater a insônia, uso avançado de ervas e pedras, magia da arrumação da casa, entre outros. Como de costume, traz ainda o calendário 2017 com as fases da Lua e datas comemorativas pagãs.





O Livro Completo das Correspondências Mágicas - Sandra Kynes
Agora, além de consultar o horóscopo ou tirar uma carta de tarô para prever como será o seu dia, você também saberá qual runa, número, cor, cristal e divindade está mais alinhada com a energia desse dia. Utilize as tabelas de correspondências mágicas e descubra as associações que existem entre todas as artes esotéricas. Um guia prático e acessível a todas as pessoas que querem aumentar seus níveis de energia, proteger-se da negatividade e fazer rituais e práticas mágicas realmente poderosas.







Cultrix
O Poder da Decisão - Steve McClatchy
Descubra com o melhor coach de liderança da atualidade que você pode produzir uma vida repleta de realizações simplesmente mudando uma única coisa: a maneira como toma decisões. Este livro oferece um roteiro simples, direto, prático e duradouro para que você tome decisões de uma maneira que o levam a chegar onde quer e atinja seus objetivos. Também mostra quais são as habilidades, ideias e estratégias necessárias para superar os desafios e complexidades que você muitas vezes enfrenta no dia a dia.






Liberte-se do Passado - J. Krishnamurti
Nesta nova edição revista, Krishnamurti nos traz importantes ensinamentos práticos para mantermos a mente livre do passado e não sofrermos por situações artificiais armazenadas na memória. Reunindo os principais tópicos de conferências realizadas por este grande filósofo, esta obra trata de questões seminais para a nossa existência: a busca do prazer, a importância da comunicação, a memória humana, a violência e outros estados de ânimo dissonantes do nosso espírito, a pobreza, as drogas, a solidão, a beleza e o amor.

20 de setembro de 2016

Sou fã! E Agora? - Frini Georgakopoulos

Título: Sou fã! E agora?
Autora: Frini Georgakopoulos
Editora: Seguinte
Gênero: Interativo/Nacional
Ano: 2016
Páginas: 160
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Um livro para fã nenhum botar defeito! Fã que é fã adora conversar, discutir, interagir. Mas nem sempre temos por perto um amigo tão fanático quanto a gente para desabafar. Foi pensando nisso que Frini Georgakopoulos, uma fã de carteirinha, escreveu este livro: um manual de sobrevivência voltado para quem é apaixonado por livros, filmes, séries de TV… Com uma linguagem rápida e divertida, Sou fã! E agora? é uma mistura de artigos breves e atividades interativas que convidam a refletir sobre os motivos para curtirmos tanto as histórias, além de ajudar a descobrir o que fazer com todo esse amor: criar seu próprio cosplay, escrever uma fanfic, organizar um evento, começar um blog ou canal e muito mais!
Resenha: Quem não é fã de nada não vive nesse mundo. Me lembro que em 2006, um tempo que não existia tanta acessibilidade como existe hoje, assisti a um clipe de um famoso grupo feminino e me tornei fã. Seis mulheres, cadeiras, uma barra de ferro, fogo e o Snoop Dogg participando da música. Remete a algo? Foi assim que conheci as Pussycat Dolls, e um amor de fã surgiu ali. E não pensem que era fácil, não! Naquela década o acesso a plataformas como Facebook e interatividade desse modo de hoje não existiam. Passava várias horas no Orkut, na comunidade dedicada ao grupo. Lá tinha aquela interatividade entre quem amava o grupo, formado em 2003 e que encantou pessoas ao redor do mundo todo. E não tinha guerra de fandom, e sim entre os próprios fãs, afinal, sempre tinha aquela coisa de "a minha Doll preferida é a melhor". Até que a Nicole decidiu lançar um álbum solo (Her Name is Nicole, que não deu muito certo e foi arquivado) e uma amiga chegou na escola e me disse: "Lucas, aquela Pussycat Doll lançou uma música". E lá fui eu na caçada até conseguir descobrir o nome da Nicole Scherzinger, tão difícil quanto Georgakopoulos. Google, por favor! Entre muitos trancos, elas lançaram o segundo disco, Doll Domination, e se despediram dos fãs, após alguns desentendimentos internos. O que aconteceu comigo? Fiquei desolado, sem chão, com depressão-pós-fim-de-grupo. Se vocês não são foram fãs de algum grupo como Backstreet Boys, Spice Girls, N'Sync, Destiny Child e afins, não sabem o que a gente sente naquele momento. Ai meu coração! Até que a Nicole lançou um álbum solo e o primeiro single passou em primeiro lugar no Top 10 MTV. Eu s-u-r-t-e-i. Ela até já me respondeu no Twitter. Eu tinha dito pra ela que estava muito chateado por não obter uma resposta dela ali, e toda fofa ela respondeu: no, baby! Happy, happy, happy! Chorei, né?

Surtos de fã à parte, o primeiro livro da Frini Georgakopoulos, que deve ser parente distante da Nicole Prescovia Elikolani Valiente Scherzinger, é um guia divertido e interativo sobre o que é ser fã e como a gente tem alguns surtos - num bom sentido - e lida com isso. Dividido em quatro partes, o leitor encontra textos referentes ao gênero YA, o porquê de amarmos histórias, a teoria dos dois gatinhos (eu adorei isso!), preconceito literário (um grande destaque para esse assunto) e etc.

Cheio de observações muito interessantes e coerentes sobre o mundo de fãs, Frini descreveu em um livro curto tudo que a gente vive nesse mundo, seja literário, cinematográfico, musical e etc. A forma de escrever, leve e descontraída, tornou a leitura muito agradável. Em alguns momentos cheguei a exclamar "É ISSO MESMO!", porque percebi que Georgakopolous é fã de várias séries que eu também sou. Em uma atividade, a autora nos conduz a relembrar os momentos engraçados como fãs, passados juntamente dos amigos, claro, por que ninguém paco mico sozinho. Comecei a lembrar de algo que aconteceu na Bienal do Livro de 2016, bem recente, em que minha amiga protagonizou uma cena bastante memorável com a Audrey Carllan. Até mesmo eu passei um momento super engraçado com a Lucinda Riley.

Mas nem tudo é só diversão, não é mesmo? Além das interatividades, o livro proporciona uma reflexão sobre diversos assuntos, como o preconceito literário. Cinquenta Tons de Cinza gerou muita polêmica na época de seu lançamento e junto com isso vieram muitas críticas às leitoras que amavam a história. Mas por que isso? Pessoalmente, não acrescenta nada a mim o que a E.L James se propôs a escrever, mas e se outras pessoas gostam e se identificam? Por gostar da Valesca Popozuda (sim, sou Popofã!), acabei ouvindo coisas como: "Nossa, mas você? Lê tanto, é tão culto e gosta dela?". É preciso conhecer antes de julgar.

Sou fã! E agora? é uma boa pedida para quem é fã, surta, enlouquece com algo e precisava de um livro que expresse tudo isso com palavras e opiniões. Confesso que não sou adepto de obras interativas, como livros de colorir. A diferença é que Frini Georgakopoulos fez um livro de fã para fã.

***

Abaixo, algumas respostas minhas às perguntas interativas do livro:

Do que você é fã há muitos anos, e esse amor nunca mudou? 
Nicole Scherzinger. Apesar de ela ter mudado muito depois que deixou o grupo The Pussycat Dolls, continuo acompanhando a carreira dela.

Qual temas você gostaria de encontrar na literatura jovem adulta? E quais você sente falta que sejam tratados? 
Gravidez na adolescência é algo que nunca vi nesses livros, e acredito que é uma realidade que deva ser discutida. Nos Estados Unidos existe o programa 16 and Pregnant, que retrata a vida de jovens garotas gravidas na adolescência. Seria bacana ver isso na literatura.

Quais histórias vividas por dois gatinhos que conquistaram (e dividiram) seu coração?
Adrian e Dimitri, da Academia de Vampiros. Confesso que sou #TeamAdrian.

Conte quais os destinos literários que você mais gostaria de conhecer ou que te marcaram mais.
Avalon, da série Fadas, escrita por Aprilynne Pike. Além de ser um local sem muitos perigos (eu não gostaria de morrer morto por um strigoi no universo de VA), é um ambiente cheio de magia e cumplicidade.

Conta aí quais vilões que mais te marcaram.
Neferet, da série House of Night. Desejei que ela matasse todos os bonzinhos da trama, porque ela é o exemplo perfeito de como um vilão pode ser mais interessante que os mocinhos.


19 de setembro de 2016

Por que esta noite é diferente das outras? - Lemony Snicket

Título: Por que esta noite é diferente das outras? - Só Perguntas Erradas #4
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Gênero: Infantojuvenil/Aventura/Mistério
Ano: 2016
Páginas: 288
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: O jovem Lemony Snicket começou seu aprendizado em uma organização misteriosa e partiu para Manchado-pelo-mar, uma cidade decadente onde se criavam polvos para a produção de tinta. Sua excêntrica tutora, S. Theodora Markson, foge no meio da noite para pegar o trem rumo à cidade grande. Agora ele precisa investigar por que ela está indo embora sorrateiramente e quem ela precisa encontrar nesse trem. Mas um crime terrível acontece no meio da viagem?
Quem é o culpado?
Quem são os passageiros - bem suspeitos - do trem?
Por que uma parada não programada acontece?
Será que tudo isso faz parte dos planos do vilão Tiro Furado?
Você descobrirá tudo isso no quarto e último volume da série Só Perguntas Erradas. 

Resenha: Depois do roubo da Fera Ressonante, depois de Cleo Knight ter desaparecido, e depois de uma onda de incêndios misteriosos terem acometido Manchado-pelo-mar, o jovem aspirante a detetive, Lemony Snicket, no quarto e último volume da série Só Perguntas Erradas, está de volta para encerrar sua saga cheia de aventuras em companhia de sua tutora S. Theodora para acabar de uma vez por todas com Tiro Furado, aquele vilão inescrupuloso e maligno.

Dessa vez, Lemony segue S. Theodora após tê-la flagrado no meio da noite fugindo sorrateiramente do quarto que compartilhavam, e percebe que todos na cidade estão indo embora de Manchado-pelo-mar, fantasiados e a bordo de uma locomotiva cheia de mistérios. Lemony só precisaria de um plano para descobrir o que está acontecendo, fazendo suas famosas investigações e ainda tentando atrair Tiro Furado para uma armadilha e derrotá-lo de uma vez por todas, mas claro, ele ainda faz as perguntas erradas...

Nos livros anteriores é possível acompanhar um progresso no que diz respeito ao amadurecimento e ao aprendizado de Snicket, assim como na complexidade dos mistérios que ele deve resolver, e neste volume senti que as coisas ficaram um pouco estagnadas e sem maiores emoções.
Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista do protagonista, temos o humor ácido e típico do autor e algumas situações que parecem ser previsíveis de forma proposital, tudo isso mesclado à ingenuidade e a inteligência do protagonista, e posso dizer que essa fórmula é totalmente funcional nessa série. Acompanhar Lemony seguindo sua intuição, que sempre conflita com o que sua tutora pensa, é muito divertido. Snicket pode ser inocente, mas é esperto, inteligente, sarcástico e seu bom humor chega a ser contagiante.

Se comparado aos livros anteriores, talvez para dar foco no desfecho e na descoberta da identidade do vilão, os personagens não foram tão bem desenvolvidos, a interação entre eles foi bastante sucinta e algumas perguntas não tiveram respostas realmente satisfatórias, mas vindo desse autor, não esperava menos e isso não foi um ponto negativo pra mim. O que me incomodou um pouco foi o enredo que parece ter dado voltas desnecessárias para se chegar ao mesmo lugar, como se tivesse mudado o estilo de ser conduzido e ficasse oscilando, e mesmo sendo composto pelos fiéis 13 capítulos, parece ter sido muito mais curto do que os anteriores. O que parece é que os capítulos não se alinham perfeitamente por ter acontecimentos distintos e isolados que fragmentam a trama. Talvez isso tenha alguma relação com as inseguranças de Lemony ao lidar com sua grande investigação final, mas não senti muita conexão com todos os elementos de forma geral. Ao final fiquei com a impressão de que o livro foi feito às pressas mas, ao mesmo tempo, enrolando o máximo possível com informações repetidas ou ireelevantes, e o tempo dedicado a descobrir a identidade de Tiro Furado foi uma forma de prender o leitor à história mesmo que eu já tivesse adivinhado quem era no terceiro volume. Também senti curiosidade por saber um pouco mais dos outros personagens, mas não houve aprofundamento sobre eles.

A capa segue o padrão dos livros anteriores e traz elementos que compõe a história. A parte interna é estampada, os capítulos são iniciados com ilustrações peculiares do ilustrador Seth, que manteve o mesmo estilo de mistério, com personagens nas sombras e Snicket ainda com o rosto oculto por seu quepe. As páginas são amarelas, a fonte é grande e a diagramação de forma geral é uma graça.

Em suma, a série inteira (e o volume extra) é uma ótima pedida para leitores que buscam por uma aventura despretenciosa, engraçada e muito divertida. Snicket é carismático, tem um vocabulário bastante rico e ainda cumpre com seu papel de exímio investigador mirim.