Reunião - Meg Cabot

20 de janeiro de 2020

Título: Reunião - A Mediadora #3
Autora: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Gênero: Fantasia/Jovem adulto
Ano: 2001
Páginas: 272
Nota:★★★★☆
Sinopse: Suzannah é uma adolescente como outra qualquer. Bem, quase...Ela tem um pequeno segredo: é uma mediadora. Fala com fantasmas e os ajuda a descansar em paz. Um dom um tanto incomum para ser divido com os colegas, irmãos e até mesmo com a mãe. Mas de uma pessoa Suzannah não conseguirá esconder seu segredo. Gina, sua melhor amiga de Nova York, está na cidade passando uns dias com ela. Durante sua estada, quatro adolescentes morrem num acidente de carro. E Suzannah se vê obrigada a abrir mão de seus dias tranquilos com a amiga para ajudar as almas penadas.

Resenha: Dessa vez, mesmo que ela tenha feito amizade cm Adam e Cee Cee, além do fantasma que mora em seu quarto, Jesse, Suze finalmente recebe a visita de Gina, sua amiga querida de Nova York, e fica muito feliz com sua presença, mas, alguns acontecimentos sobrenaturais obviamente iriam acontecer pra deixar nossa mediadora super ocupada, a pronta pra usar seus métodos nada convencionais pra coloca-los em seus devidos lugares, pra horror do Padre Dom. Quatro adolescentes, os chamados Anjos da RLS (a escola rival do colégio de Suze), sofrem um acidente de carro, caem no mar, morrem, e agora estão furiosos. Tão furiosos que começaram a perseguir e assombrar Michael Meducci, o nerd da sala de Suze, em busca de algum tipo de vingança que Suze ainda não conseguiu assimilar. E ela é a única que pode protegê-lo das garras dos Anjos, mas pra isso teria que abrir mão de alguns momentos com Gina pra fingir que está interessada nas investidas de Michael e ficar perto dele pra coletar informações preciosas. Até que algumas descobertas e revelações a fazem pensar que, talvez, esses fantasmas não sejam os reais vilões dessa confusão toda... E como se isso não bastasse, seu segredo de ser mediadora parece estar prestes a ser descoberto com as desconfianças de Gina.

A escrita de Meg Cabot é sensacional. É simples, fluída, engraçada e totalmente viciante. Narrado em primeira pessoa, continuamos a acompanhar Suze em sua saga rotineira de lidar com fantasmas, além de seus assuntos adolescentes que ninguém tem paciência, mas ainda assim, pelo fato da autora inserir muito bom humor nas situações, é bastante engraçado de se acompanhar, principalmente quando ela fica mais próxima de Michael e percebemos que aquela pose de nerd tímido que sofre bullying parece ser uma fachada pra esconder um menino metido com o ego enorme. Porém, pra proteger o imbecil e investigar, Suze atura o embuste e segue com seu plano pra poder descobrir o que está acontecendo e qual o real envolvimento dele nesse "acidente", e tudo estava começando a ficar muito suspeito. Assim, com a ajuda do padre Dom, Jesse e até a enjoada da Gina lhe dando cobertura, ela tenta chutar a bunda desses fantasmas pra mandá-los pra luz pra descansarem de uma vez por todas e deixarem os vivos em paz.

Suze continua teimosa, e dessa vez seus atos sugerem que alguma coisa não vai prestar nessa história. Logo, por mais que ela nos arranque risadas ou reviradas de olhos, fica no ar aquela tensão de que o perigo está mais próximo do que ela pensa e cedo ou tarde vai se lascar. Sei que Suze gosta muito de Gina e sentiu a falta dela, mas pelo amor de Deus... Gina é um porre que consegue ser ainda mais fútil que a própria Suzannah. A maluca só pensa em garotos e parece não dar a mínima pra amiga que foi visitar, mas ainda assim, Suze trata tudo com naturalidade, para nosso desgosto. Ela e Jesse continuam brigando como nunca, mas a gente sabe que essa troca de farpas é um misto de amor, amizade, carinho e preocupação.

Enfim, a história da série num geral é simples, mas é bastante engraçada e envolvente. Pra quem gosta de livros juvenis com situações mirabolantes envolvendo o sobrenatural, é leitura super indicada.

Wishlist #83 - Funkos de Frozen 2

19 de janeiro de 2020

Como boa e velha fã das animações da Disney, e depois de ter assistido Frozen 2, os popitos não poderiam ficar de fora da lista sem fim, né? Ainda me falta alguns da primeira wave e sofro por antecipação por saber que é um negócio sem fim. Oi, capitalismo!
O único pequeno problema dessa wave nova é que a maioria dos pops são exclusivos, de lojas como Amazon, Walmart, Hot Topic, Target, a própria Funko shop, e afins, logo, são mais caros do que os regulares que são mais baratos e mais fáceis de serem encontrados.
De qualquer forma, todos estão lindos demais e quero tudo. Sò não sei se primeiro invisto nos de Frozen 1 que faltam, ou se já adianto o set... Oh, dúvida cruel...




Obs.: Outros pops da franquia já tiveram as imagens vazadas, como a Elsa de cabelo solto e roupa branca, a Anna com a roupinha de rainha, a salamandra (Bruni), a Elsa montada no Nokk de água, e o Olaf com o Bruni também, mas ainda não foi divulgada as imagens/artes oficiais desses pops no site da Funko. Em breve o post será atualizado pra incluir esses assim que o anúncio oficial no lançamento (ainda sem previsão) sair.

Na Telinha - Frozen II: O Reino do Gelo

18 de janeiro de 2020

Título: Frozen II: O Reino do Gelo (Frozen II)
Elenco: Kristen Bell, Idina Menzel, Josh Gad, Jonathan Groff
Gênero: Fantasia/Animação/Musical
Ano: 2019
Duração: 1h 44min
Classificação: Livre
Nota:★★★★☆
Sinopse: De volta à infância de Elsa e Anna, as duas garotas descobrem uma história do pai, quando ainda era príncipe de Arendelle. Ele conta às meninas a história de uma visita à floresta dos elementos, onde um acontecimento inesperado teria provocado a separação dos habitantes da cidade com os quatro elementos fundamentais: ar, fogo, terra e água. Esta revelação ajudará Elsa a compreender a origem de seus poderes.

As coisas em Arendelle parecem estar caminhando bem depois de Elsa ter voltado do Castelo de Gelo e revertido o inverno eterno. Elsa se tornou uma rainha justa e amada por todos, e Anna engatou um namoro fofo com Kristoff. Mas, depois de Elsa ouvir um misterioso chamado (que só ela escuta), ela e a irmã, em companhia de Kristoff, Sven e Olaf, vão embarcar numa jornada em busca de respostas sobre o passado do reino para impedir a destruição de Arendelle.


Como qualquer sequência, esperamos que ela acrescente pontos à história que façam alguma diferença e responda perguntas que ficaram sem respostas, e Frozen 2 cumpriu isso em partes. A animação se passa seis anos após a morte do Rei Agnarr e da Rainha Iduna (o que na cronologia deve corresponder por volta de uns 3 anos desde que Elsa foi coroada como Rainha de Arendelle), e tem uma pegada mais adulta, talvez pelos personagens terem tido experiências que os moldaram e os tornaram mais maduros, o que é bastante abordado inclusive, e a trama transita entre presente, flashbacks e momentos que surgem através de esculturas de gelo afim de contar a história e trazer maiores informações acerca das lendas locais e dos laços familiares entre os personagens..


Tudo começa quando Elsa e Anna ainda são crianças e o pai delas, o Rei Agnarr, conta a história de uma floresta encantada regida por espíritos que representam os quatro elementos, terra, fogo, ar e água, onde vivia o povo Northuldra, ou o Povo do Sol. Os Northuldra eram amigáveis e viviam em sintonia com a natureza, até que um terrível conflito entre eles o Rei Runeard, o pai de Agnarr, causou a ira dos espíritos e a floresta foi tomada por uma densa névoa que impede qualquer um de sair ou entrar nela. Trinta e quatro anos se passaram desde então, e a floresta continua sob a maldição da névoa, prendendo todos dentro de seus limites. Agora, após o chamado, Elsa e Anna partem para a floresta e além, numa tentativa de descobrir a verdade sobre o que causou o conflito, dissipar a névoa, libertar o povo e salvar o reino de Arendelle de uma grande ameaça.


Elsa e Anna continuam com a forte ligação entre irmãs que sempre as manteve unidas, mesmo que estivessem distantes, mas o amadurecimento de ambas, que é bastante destacado na trama, faz com que elas entendam melhor o que esse relacionamento fraternal significa, mesmo que pareçam depender uma da outra. Uma sempre vai estar lá pela outra, independente dos obstáculos que precisem enfrentar. Porém, apesar disso, Anna continua meio inconsequente, sempre agindo por impulso de acordo com o que ela pensa, fazendo suposições apressadas, talvez com intenção de fazer o espectador rir, mas não funciona muito bem. Em alguns momentos isso rende algumas cenas de tensão, outras de bom humor, mas num geral, ela não está tão diferente do que vimos no primeiro longa.


O alívio cômico da animação continua sendo Olaf, que embora não tenha ganhado o devido espaço que merece, também aparece mais maduro, reflexivo, fazendo questionamentos existenciais sobre ele mesmo, assim como sobre os sentimentos que o invadem. Ele continua engraçado e fofo, e é impossível não gostar desse boneco de neve falante.


Não curti muito o desenvolvimento de Kristoff. O jovem está tão preocupado em ficar junto de Anna pra sempre, que o que parece é que ele se coloca abaixo dela, criando uma dependência emocional meio doentia. Suas tentativas fracassadas de pedi-la em casamento só me fizeram revirar os olhos. Sven consegue ser muito mais cativante que ele.

Tanto se falou em novos personagens, mas os mesmos não foram muito aprofundados. O que parece é que foram apresentados dando a entender que fariam alguma coisa importante, mas acabaram ficando esquecidos e levantaram mais perguntas do que qualquer outra coisa. Um deles inclusive é uma versão idêntica do próprio Kristoff. A salamandra super fofa que conquistou geral nos trailers só tem a função de ser fofa e nada mais. Outra coisa é que fiquei me perguntando como diabos o exército de Arandelle, que ficou preso na floresta depois da batalha, passou mais de trinta anos usando a mesma roupa (???) quando as protagonistas aparecem com um look diferente, um mais lindo e esvoaçante do que o outro, a cada minuto. Pra mim foi impossível não ficar com aquela sensação de frustração por ter criado expectativas sobre as novidades.


Elsa continua forte e corajosa, mas parece que ainda está num processo de autoconhecimento. Por tudo o que acontece, ela continua em busca de uma liberdade que ela não pode ter devido as responsabilidades que precisa cumprir. A ideia dela seguir adiante em busca de respostas, preocupada em proteger Anna do perigo e salvar a todos, mostra o quanto ela coloca os outros em primeiro lugar em sua vida, mas também mostra que ela tem uma necessidade de ser livre.


Sobre a parte musical, com exceção de Into the Unknown, achei que as músicas não foram tão marcantes como Let it go e afins, e embora apareçam do nada e de forma muito excessiva, o que pode tornar a experiência com a animação um tanto cansativa, elas possuem letras que realmente tem algo a dizer, que contam algo importante para a história, logo é válido prestar atenção para um maior entendimento da trama e das lendas que a cercam. O visual e o cenário, como sempre, dispensam comentários. Dessa vez, em vez de focar exclusivamente em tons de azul e branco do gelo, os tons mais usados são laranja e rosa, evidenciando a floresta encantada e lembrando muito o outono. É um cenário deslumbrante e de encher os olhos.


Li em algum lugar que o longa teria vários minutos a mais, mas que pra não ficar muito extenso, várias cenas foram cortadas. Acho que isso explica o motivo dos personagens aparecerem em certos locais do nada sem que pudéssemos acompanhar como e porquê chegaram lá.
No mais, embora não tenha achado melhor do que o primeiro, achei que Frozen 2 foi uma boa sequência. Não respondeu todas as perguntas, levantou algumas outras mais, mas no geral, é animação mais do que obrigatória pra qualquer fã da Disney. As irmãs continuam empoderadas, não se deixam intimidar e nem se limitar por ninguém, e sempre surpreendem com coragem e determinação.

Na Telinha - Frozen: Uma Aventura Congelante

17 de janeiro de 2020

Título: Frozen: Uma Aventura Congelante (Frozen)
Elenco: Kristen Bell, Idina Menzel, Josh Gad, Jonathan Groff
Gênero: Fantasia/Animação/Musical
Ano: 2013
Duração: 1h 42min
Classificação: Livre
Nota:★★★★★
Sinopse: Acompanhada por um vendedor de gelo, a jovem e destemida princesa Anna parte em uma jornada por perigosas montanhas de gelo na esperança de encontrar sua irmã, a rainha Elsa, e acabar com a terrível maldição de inverno eterno, que está provocando o congelamento do reino.

Ok, sei que essa crítica está com um atraso de uns seis anos, mas, com o lançamento de Frozen 2, resolvi postar as críticas na sequência, pra ficarem bonitinhas e organizadas aqui no blogdoce.

Frozen é a 53° animação musical dos Clássicos Disney inspirado no conto de fadas A Rainha da Neve, de Hans Christian Andersen. Apesar de bastante modificado, o longa vai contar a história de Elsa e Anna, as irmãs reais de Arendelle.

Elsa, a irmã mais velha, nasceu com poderes mágicos e é capaz de criar neve, gelo e provocar geadas, e o passatempo preferido das meninas era criar neve nas mais diversas formas para poderem brincar. Porém, numa dessas brincadeiras, Elsa fere Anna, a irmã mais nova, acidentalmente, e seus pais logo buscam ajuda de Pabbie, o rei Troll, para que Anna pudesse ser curada. Para evitar maiores problemas, a memória de Anna é alterada por Pabbie para que ela esqueça de tudo ligado à magia da irmã, elas são separadas e o castelo fechado a mando do rei, até que Elsa conseguisse controlar seus poderes. Com medo de ferir a irmã, Elsa fica isolada, mas Anna não entende o motivo do afastamento já que não se lembra do acidente e nem dos poderes de gelo.

Alguns anos se passam, as meninas já são adolescentes, mas acabam perdendo os pais num naufrágio. Quando Elsa completa 21 anos, ela se prepara para ser coroada como Rainha de Arendelle, momento mais do que esperado por Anna, que, finalmente, iria poder reencontrar e se reaproximar da irmã. Mas, durante a festa, as duas acabam discutindo, Elsa perde o controle e expõe seus poderes em público, causando espanto em todo mundo. Com medo de ferir as pessoas por considerar que seus poderes são perigosos, Elsa foge para as Montanhas do Norte se exilando do próprio reino, mas não sem antes instaurar um inverno eterno na cidade, sem querer. Anna não quer perder a irmã mais uma vez e nem quer deixar Arendelle congelada, então ela parte atrás de Elsa para que ela possa voltar pra casa e também desfazer a maldição.
No meio do caminho, Anna vai conhecer Kristoff e sua rena Sven, além de Olaf, o boneco de neve criado por Elsa que ganhou vida tornando a jornada uma verdadeira aventura.


Antes de mais nada, Frozen é um espetáculo visual. Os tons em azul e branco do cenário, que se remetem ao gelo e a neve, se contrastam com as cores fortes e coloridas das roupas ou das características físicas dos personagens formando uma combinação de cores de encher os olhos.
Como sempre, não poderia faltar musicas num clássico da Disney, e todas as músicas são divertidas e marcantes, principalmente o fenômeno Let it go que virou hit mundial. É a música cantada por Elsa, quando ela se exila, se liberta de sua "amarras", se aceita como é, e vai morar sozinha num castelo de gelo construído por ela mesma. Até hoje eu fico emocionada quando ouço - e canto - essa bendita música, sério.



Elsa é uma personagem incrível, é justa e bondosa, mas é uma vítima de sua condição já que ter crescido com tanta repressão e isolamento, e por ter sido levada a acreditar que seus poderes eram uma maldição, a fez ter medo de machucar os outros o tempo todo, e ela não consegue entender isso porque ainda não sabe lidar com a ideia de que o amor é o que transforma, e não o medo.


Anna é divertida e corajosa, mas muito impulsiva. Depois de ter passado tantos anos sozinha, ela se tornou muito carente e toma decisões sem pensar nas consequências, como ficar noiva de Hanz, um cara vindo das Ilhas do Sul que acabou de conhecer, ou sair sozinha no escuro em meio a nevasca atrás da irmã. Se não fosse por Kristoff e Sven, que a ajudaram, ela estaria lascada. Mas Anna mostra que tem um coração enorme, e tudo o que ela quer é ajudar os outros e ficar bem ao lado da irmã que ela tanto ama, mesmo depois do afastamento.


Os personagens secundários são ótimos, mas não são muito explorados. Olaf, o boneco de neve criado por Elsa, encanta qualquer um com sua fofura e seu jeito engraçado de ser e de encarar a vida, principalmente quando seu maior sonho é aproveitar o calor do verão. Um boneco de neve debaixo do sol é, no mínimo, hilário.

Kristoff não é príncipe, é meio desajeitado, é pobre e ganha a vida vendendo gelo (e a cidade ter ficado congelada arruinou seu negócio), seus únicos amigos são Sven e os trolls da floresta, ele não tem muito jeito com as mulheres, e as cenas das pequenas brigas que ele e Anna têm são bem engraçadinhas. E por mais que a aproximação entre os dois sugira um provável romance, o foco aqui não é esse.


Vou ser sincera em dizer que a trama em si é bastante simples e até previsível, principalmente no que diz respeito ao "vilão" (que não é bem um vilão, só um ganancioso e oportunista que obviamente não teria vez). A parte da fantasia podia ser melhor trabalhada, assim como algumas origens explicadas para que não ficássemos boiando. Os trolls, por exemplo, aparecem como seres mágicos (e pesados) que ajudam o rei e a rainha, e acolhem Kristoff quando ele ainda era uma criança (mas sem explicações do que aconteceu com ele pra ter ficado sozinho no mundo sendo tão pequeno e só ter Sven como companhia), mas não há maiores informações de onde vieram ou o que fazem, de fato. A falta da explicação das origens dos poderes de Elsa, que é a única em todo o reino que tem poderes, só faz com que a gente fique na expectativa para continuação nos esclarecer isso.

Mas, apesar de alguns buracos, o que fica evidente, e o que acabou revolucionando as animações das Princesas da Disney e contrariando estereótipos, foi o fato de que o amor verdadeiro não precisa ser necessariamente algo lindo e romântico entre um casal, ou com um príncipe encantado e destemido que aparece pra salvar a princesa em apuros, mas o amor fraternal entre duas irmãs, que é o sentimento mais forte e verdadeiro que há aqui.


No mais, Frozen é uma animação surpreendente, seja pelo visual com tons que se destacam, cheio de brilhos e texturas, pelas belas canções memoráveis, ou pela ideia da liberdade e do amor entre irmãs ser o grande fio condutor da trama. Não é a toa que o longa foi record de bilheteria, faturou bilhões e ainda foi indicado ao Oscar e ganhou como Melhor Canção Original e Melhor Animação.
Você quer brincar na neve?