Caixa de Correio #118 - Dezembro

31 de dezembro de 2021

Eu não sei o que aconteceu de Agosto pra cá. A sensação é de 4 meses terem se passado em 4 minutos. Esse mês chegaram nossos livritchos, e no meio deles veio Inferno, de Dante Alighieri que eu super queria quando soube do lançamento (já tem resenha dele no bloguito, inclusive). Comprei 3 decks de tarô na Amazon que já estavam na minha wishlist mas não comprava porque sempre estava o olho da cara. Baixou o preço e lá fui eu. E nada ainda dos popinhos que encomendei há uns 3 meses. Espero que cheguem no mês que vem. Até agora eu tô sem acreditar que consegui ficar mais de 3 meses sem comprar Funko Pop, Brasil! O último foi em setembro, se não me engano, da Lilo com a Xêpa. Sei que lançou muita coisa interessante nesse período (quem coleciona pops não tem um minuto de paz porque é lançamento a cada 5 minutos), mas preferi nem procurar saber, e nem cheguei a fazer wishlists (mas vou ter que fazer dos popinhos de Encanto).
As considerações finais, vou deixar pro resumo de amanhã.
Espiem o que teve nessa caixinha:

Inferno - Dante Alighieri

30 de dezembro de 2021

Título:
Inferno - Comédia #1
Autor: Dante Alighieri
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Clássico/Romance/Ficção
Ano: 2021
Páginas: 560
Nota:★★★★★
Sinopse: Primeira parte da Comédia de Dante, Inferno é uma viagem às profundezas, para onde foram condenados os que não agiram de acordo com a ética cristã. O poeta romano Virgílio será o responsável por guiar Dante nesse trajeto.
Contando a história de uma alma cristã que parte da consciência do pecado (Inferno), passa pela purificação interior (Purgatório) e chega à visão de Deus (Paraíso), Dante dialoga com as tradições da poesia clássica greco-latina, dos textos bíblicos e até do pensamento árabe ― em uma obra de tal força que ainda hoje mantém o seu vigor literário e nos convoca a relê-la.

Resenha: Existem livros que marcam época e se tornam atemporais, e por esse motivo acabam se tornando clássicos da literatura. E se podemos falar de um poema épico que se tornou um clássico, e séculos depois, apesar de diversas interpretações e traduções ainda se mantém detentor de uma fagulha lírica e emocionante, esse poema é a Comédia do autor italiano Dante Alighieri, que recentemente recebeu uma nova e belíssima tradução e edição pela Companhia das Letras.
Comédia será relançada em três partes, e a primeira delas é Inferno.

 Acompanhamos Dante, que aqui além de autor é o próprio personagem (Dante gosta de fazer isso em seus trabalhos e esse, sem dúvida, é o mais pessoal). Em uma jornada onde busca se purificar dos pecados e ascender aos maiores ideais cristãos, ele usará a poesia para fazer críticas à sociedade da roça, a personagens famosos e principalmente aqueles que ele julga terem se entregado aos pecados e abandonado todos aqueles que contavam com eles. Ele é um andarilho e de tal forma, diante de um lugar perigoso e animalesco ele tem ao seu lado como guia o poeta Virgílio, por quem sempre teve admiração.

Dante passa pelos 9 círculos Infernais, cada um deles dedicados a um tipo específico de punição e contendo pecadores muitas vezes famosos, estes que ao longo da jornada ele encontra tanto de sua época (Florentinos famosos) como personagem clássicos. Como cada círculo do inferno é baseado nos pecados capitais e às crenças cristãs, fica o alerta para o tema.

A jornada de Dante é poesia, mas também critica, é uma jornada onde ele caminha guiado pelo pensamento racional, mas almejando um crescimento espiritual. Para a leitura ser mais agradável, é aconselhável já ter em mente que foi escrito séculos atrás, com bases morais que atualmente podem sequer mais serem aceitas como corretas, porém, ainda permanece sendo uma leitura inteligente e fascinante. Provavelmente não seria um conteúdo indicado para um iniciante no mundo lírico da poesia, mas indicado para quem já está familiarizado com o estilo de escrita e que gosta desse jogo de palavras que são expressões artísticas.

A obra é bilíngue, com tradução para o português lado a lado com a "original" em italiano 
O projeto gráfico é soberbo, todos os tons da paleta escolhida e gravuras pelo artista estão incríveis.
Comédia é composta por 14.233 versos que são divididos em três canções: Inferno, Purgatório e Paraíso, e cada canção tem 33 cantos.

Um ótimo livro clássico em edição de luxo e para colecionadores, também tem uma excelente tradução e texto apoio. Essa nova edição de Inferno entrega à nova geração um texto poderoso e que merece ser lido. Já quero as próximas duas partes!

Minha Pessoa Favorita - Alice Oseman

28 de dezembro de 2021

Título: Minha Pessoa Favorita - Heartstopper #2
Autora: Alice Oseman
Editora: Seguinte
Gênero: HQ/Romance/Juvenil
Ano: 2021
Páginas: 320
Nota:★★★★★
Sinopse: No segundo volume da série Heartstopper, Charlie e Nick precisam entender o que um beijo significa para a relação dos dois ― e, principalmente, para eles mesmos.
Charlie e Nick são melhores amigos, mas tudo muda depois que eles se beijam em uma festa. Charlie acredita que cometeu um grande erro e arruinou a amizade dos dois para sempre, e Nick está mais confuso do que nunca.
Mas aos poucos Nick começa a enxergar o mundo sob uma nova perspectiva e, com a ajuda de Charlie, descobre muitas coisas sobre o mundo que o cerca, sobre seus amigos ― e, principalmente, sobre ele mesmo.
Resenha: Depois de se beijarem na festa de aniversário de um dos colegas de escola, Charlie e Nick ficaram super confusos com seus sentimentos e com o que aconteceu. Enquanto Charlie acredita que o beijo destruiu essa amizade tão bonita e fica se martirizando, Nick só quer entender como lidar com seus sentimentos e o que fazer pra assumir que gosta de Charlie. Mas sabendo que os garotos da escola são uns imbecis, e sabendo que é algo novo, ele ainda não se sente confiante o bastante pra isso, ele precisa de tempo pra se situar em meio a essa fase totalmente diferente do que estava acostumado, começa a pesquisar sobre a bissexualidade e, inicialmente, acha que é onde ele se encaixa.
O aniversário de quinze anos de Charlie está chegando, e aí está mais um momento super especial que eles vão passar juntos.


O que acontece é que quando a pessoa é gay, é bi, ou como quer que ela se identifique, não é questão de escolha, pois ela já nasce assim, é questão de tempo até se descobrir. Pra uns levam menos tempo, pra outros levam mais tempo dependendo da família, do círculo de amigos, das crenças, enfim, mas uma hora vai acontecer. Pode ser como Charlie, que desde criança já sabia de sua orientação, mas pode ser que nem Nick, que gostava de garotas até se envolver com Charlie e descobrir que essa relação é o que o faz verdadeiramente feliz, onde ele se sente seguro pra poder ser quem é, sem filtros. E aqui temos um Nick que está descobrindo isso, sobre quem ele é e sobre como ele deseja se identificar, mas ainda tem medo de assumir uma nova orientação, e Charlie entende e respeita a necessidade desse tempo. E tudo isso enquanto os dois enfrentam o drama de um relacionamento adolescente e gay.

Mantendo o mesmo estilo de narrativa, nesse segundo volume podemos acompanhar os meninos passando mais tempo juntos, se entendendo cada vez mais, intensificando as demonstrações de afeto um pelo outro, mas ainda mantendo o lance deles em segredo até que Nick saiba o que realmente está acontecendo com ele. Conhecemos Tao, que ajudou Charlie na época em que ele sofria bullying no colégio, e Ellie, sua amiga trans que estuda num colégio para meninas, trazendo ainda mais representatividade para a história.

Claro que a autora não é hipócrita de contar uma história de dois garotos apaixonados que remete somente a contos de fadas onde tudo são flores. A realidade às vezes é muito dura e o público LGBTQIA+ ainda sofre muito com pessoas homofóbicas, preconceituosas e odiosas, e com Charlie e Nick as coisas não são muito diferentes, o que mostra que, embora o amor seja imenso e tente superar tudo, eles ainda precisam enfrentar muita gente intolerante e lidar com muito hate gratuito, e aqui o maior imbecil é Harry, um dos meninos que estuda no colégio junto com eles. As "piadinhas" ofensivas e sem a menor graça são terríveis e juro que fiquei super triste quando Charlie fala que "já está acostumado". Mas por que esse tipo de comportamento deveria ser aceitável a ponto dos outros se acostumarem? Não vejo a hora desse Harry ter seu castigo por ser esse grande idiota.

No mais, enquanto o primeiro volume traz os dois se conhecendo, em Minha Pessoa Favorita, Nick está se descobrindo enquanto Charlie o apoia com toda a paciência que só uma pessoa tão adorável e sensível como ele é capaz.
Já disse e repito: é um livro fofo, pra deixar o coração quentinho, um sorriso no cantinho da boca e uma vontade imensa de sair abraçando todo mundo que a gente ama. O único defeito desse livro é que ele acaba muito rápido e a gente só quer mais um pouquinho de Charlie e Nick. Voltem, meninos!

Dois Garotos, Um Encontro - Alice Oseman

27 de dezembro de 2021

Título: Dois garotos, um encontro - Heartstopper #1
Autora: Alice Oseman
Editora: Seguinte
Gênero: HQ/Romance/Juvenil
Ano: 2021
Páginas: 304
Nota:★★★★★
Sinopse: Charlie Spring e Nick Nelson não têm quase nada em comum. Charlie é um aluno dedicado e bastante inseguro por conta do bullying que sofre no colégio desde que se assumiu gay. Já Nick é superpopular, especialmente querido por ser um ótimo jogador de rúgbi. Quando os dois passam a sentar um ao lado do outro toda manhã, uma amizade intensa se desenvolve, e eles ficam cada vez mais próximos.
Charlie logo começa a se sentir diferente a respeito do novo amigo, apesar de saber que se apaixonar por um garoto hétero só vai gerar frustrações. Mas o próprio Nick está em dúvida sobre o que sente – e talvez os garotos estejam prestes a descobrir que, quando menos se espera, o amor pode funcionar das formas mais incríveis e surpreendentes.

Resenha: Charlie Spring é um garoto de 14 anos que estuda no Colégio Truham para Rapazes. Ele é tímido e muito inseguro, pois desde que os garotos descobriram que ele é gay, passaram a importuná-lo em qualquer oportunidade. 
Quando Charlie recebe um comunicado da escola de que deveria comparecer aos grupos interséries para a chamada, ele acaba se sentando ao lado de Nick Nelson, um jogador de rúgbi do segundo ano e super popular. Como eles se sentavam juntos todos os dias, os dois acabaram desenvolvendo uma amizade, ficando cada vez mais próximos. Não demora pra Charlie começar a se sentir diferente com a presença do amigo. Nick é super legal, é um amigo leal, respeitoso e super protetor, mas Charlie sabe que gostar de um garoto hétero só vai machucar seu coração. Ainda assim eles passam o tempo juntos se divertindo e fortalecendo ainda mais essa amizade, até Nick começar a se sentir confuso com seus sentimentos em relação a Charlie...

Eu sou daquelas que ama de paixão histórias contadas em formato de HQ, principalmente essas que deixam o coração quentinho. Dois Garotos, Um Encontro é o primeiro volume de Heartstopper, que vai introduzir o leitor nesse mundinho de descobertas e paixão em sua forma mais pura entre Charlie e Nick.

Enquanto Charlie já sabia sobre sua sexualidade e estava convivendo com isso da melhor forma que podia (mesmo que seja super inseguro e viva pedindo desculpas por tudo), Nick foi pego de surpresa e começou a ter que lidar com esse turbilhão de sensações e sentimentos, além de ficar cheio de dúvidas sobre quem ele é de verdade, o que fazer ou o que dizer. É tão fofa a parte onde ele começa a pesquisar na internet como saber se ele é gay já que começou a se sentir diferente com a presença de Charlie, ou quando eles estão trocando mensagens, digitam toda a frase mas não tem coragem de enviar, que a vontade é de enfiar os dois num potinho, cuidar e proteger pra sempre.
A história é adorável e mostra como é a experiência de se ter um primeiro amor e como ele vai se desenvolvendo aos poucos, dos sentimentos que causam euforia e frio na barriga, da ansiedade de querer ver a pessoa e se sentir bem pertinho dela. A autora consegue tratar do romance com naturalidade e transporta as emoções pro papel de uma forma super delicada e verdadeira, sem romantizar as cenas envolvendo assédio, preconceitos depressão e dependência emocional, com ilustrações que captam a emoção e os conflitos dos personagens com simplicidade e muita perfeição. E é tudo tão fluído e envolvente que mesmo que tenha 300 páginas pode ser lido em questão de minutos.

Uma coisa que achei genial que se refere a diagramação dos quadrinhos é sobre as conversas em grupo e a forma como ela indica quem está falando. Em vez de fazer vários quadrinhos avulsos com vários personagens, ela coloca os balões de conversa alinhados com a cabecinha do personagem indicando que é ele quem está falando. Outro ponto bacana são os quadrinhos se "desfazendo" como folhas ao vento pra formar os próximos, ligando os quadros e os personagens uns nos outros, ou ainda indicando as passagens do tempo. A forma de criação dos quadrinhos foi super bem feita e inteligente.
Pelo que pude perceber a história é uma só e foi dividida em 4 volumes formando a série (por enquanto só os dois primeiros volumes foram traduzidos aqui no Brasil pela Seguinte), e é como se cada volume correspondesse a uma fase, a um passo além que Charlie e Nick dão nesse relacionamento. Essa primeira fase é a fase da aproximação, da amizade que vai sendo construída e fortalecida, dos sentimentos aflorando naturalmente, da curiosidade natural, da ansiedade de não saber o que fazer, e dos questinamentos sobre algo, até então, desconhecido.

Dois Garotos, Um Encontro é uma introdução muito fofa à história de Charlie e Nick, abordando a necessidade do autoconhecimento, as inseguranças relacionadas a sexualidade e a descoberta daquilo que não apenas te faz feliz, mas que te faz se encontrar e ser quem você é.

Na Telinha - Encanto

26 de dezembro de 2021

Título
: Encanto (Encanto)
Elenco: Stephanie Beatriz, John Leguizamo, María Cecilia Botero, Diane Guerrero, Angie Cepeda, Jessica Darrow, Ravi-Cabot Convers
Gênero: Animação/Fantasia/Musical
Ano: 2021
Duração: 1h 43min
Classificação: Livre
Nota★★★★★
Sinopse: Encanto é a nova animação da Disney situada na Colômbia, sobre a extraordinária família Madrigal, que vive escondida em uma região montanhosa isolada, conhecido como Encanto. A magia da região abençoou todos os meninos e meninas membros da família com poderes mágicos, desde superforça até o dom da cura. Mirabel é a única que não tem um dom mágico. Mas, quando descobre que a magia que cerca o Encanto está em perigo, ela decide que pode ser a última esperança de sua família excepcional.

Por volta de 50 anos atrás, o casal Alma e Pedro Madrigal, junto com seus trigêmeos, precisaram abandonar o vilarejo onde viviam devido a alguns ataques que colocavam a vida de todos em risco. Eles precisavam encontrar um lugar seguro pra recomerçar a vida, e várias pessoas os seguiram em busca da mesma coisa. No caminho, numa tentativa de proteger as pessoas dos invasores, Pedro ficou pra trás e acabou sendo morto, e Alma, com seu espírito de proteção materno, viu com os próprios olhos a vela que carregava ganhar poderes mágicos, afastar os inimigos e construir uma enorme proteção em volta do vale para que ela, os filhos e as demais pessoas ficassem seguras. A chama da vela mágica não se apagaria mais, Alma, que mais tarde ficaria conhecida como Abuela, a protegeria assim como protegeria os filhos, e a casa (ou casita) dos Madrigal, que foi construída com o poder mágico da vela, ganhou vida, vai aumentando e se adaptando a cada membro da família que recebe seu poder, e se tornou uma referência na vila que ganhou o nome de Encanto.



Quando os três filhos de Alma se tornaram crianças, eles receberam um dom, e a família Madrigal começou a usar esses poderes pra ajudar os moradores do vilarejo e todos viverem felizes e em harmonia. Julieta tinha o poder de curar as pessoas com a comida que ela preparava com muito amor, Pepa era capaz de controlar o tempo de acordo com suas emoções, e Bruno tinha o dom da visão, ele enxergava o futuro. O tempo passou, Julieta e Pepa se casaram e tiveram filhos, que quando crianças também receberam seus dons. O poder de Bruno não agradava as pessoas pois ninguém queria ouvir sobre as coisas ruins que iriam acontecer, e por medo de suas previsões catastróficas serem prejudiciais, ele acabou desaparecendo da família e ninguém nunca mais ousou falar sobre ele.


Pepa e seu marido Félix tiveram três filhos: Dolores, que consegue ouvir qualquer coisa independente da distância, então sabe tudo da vida de todo mundo; Camilo, que consegue mudar de forma e se transformar em quem quiser; e o pequeno Antonio, que ama animais e está prestes a passar pela cerimônia para receber seu dom.
Julieta e Augustin tiveram três filhas: A encantadora e irresistível Isabela, que além de conjurar flores e as fazer desabrocharem, tem sucesso em tudo que faz; Luisa, que ganhou o dom da superforça e faz todo e qualquer trabalho pesado em casa e na vila; e Mirabel que para a surpresa/desgosto de Abuela, foi a única da família que não foi agraciada com o dom magia.



Como Mirabel, agora com seus quinze anos, não tem poderes, ela não se sente especial seja na família ou na comunidade, principalmente por ser bem desastrada, e passa seus dias tendo que lidar com o que pra ela, e pra Abuela, parece ser um problema. Como ela é adolescente, as coisas tomam uma proporção ainda maiores do que deviam... E partindo dessa premissa, vamos acompanhando toda a animação dos Madrigal nos preparativos da cerimônia de Antonio, até Mirabel começar a ver a casita se enchendo de rachaduras e a vela mágica em perigo, com sua chama brilhante prestes a se apagar. Ao tentar avisar à família, ela é repreendida, mas Mirabel está decidida a ignorar os avisos e descobrir porque viu isso acontecer, e porque os poderes de sua família parecem estar tão fragilizados.



Ambientado na Colômbia, Encanto é realmente um encanto de se ver. É tudo muito colorido e cheio de vida, tudo muito mágico e de encher os olhos. A trilha sonora é bem divertida e acaba servindo pra contar as partes da história que o público precisa saber pra entender alguma particularidade, conexão ou característica dos personagens, mas que não aparece em forma de acontecimento. O único problema é que algumas delas soam um pouco confusas devido a enorme quantidade de informações, e a primeira música que explica a árvore genealógica da família, por exemplo, só ficou clara pra mim quando fui assistir a animação pela segunda vez, depois de já saber quem é quem. Também não teve nenhuma música que entrou na cabeça a ponto de me fazer sair cantando por aí, como foi com Frozen ou Moana. Não que isso seja um problema, mas quando a gente ouve falar em Disney e animações musicais, a gente logo imagina e espera mais um "hit".

Sobre os personagens, eu fico cada vez mais impressionada de ver como a Disney vem se superando em apresentar pessoas reais do tipo "gente como a gente", com dilemas relevantes que causam uma reflexão super importante, independente da idade de quem esteja assistindo. Essa coisa de que numa história é preciso ter um relacionamento amoroso pra se ter um feliz para sempre, ou um vilão caricato pra acabar com os planos dos personagens está ficando cada vez mais deixada de lado, ainda bem.

Através de Mirabel, percebemos como temos o hábito de nos compararmos aos outros em relação a habilidades e propósitos, de como às vezes nos sentirmos inferiores frente a pessoas que tem algum talento ou sucesso, e como demoramos a entender que todos temos nossas qualidades, e elas são tão importantes quanto a de qualquer outro. A busca pela identidade, pelo amor próprio, e pelo sentimento de pertencimento é uma busca de todos que precisam dar valor a quem são, e como são.



Isabela e Luisa são personagens super interessantes e opostas uma da outra. Isabela, a irmã mais velha, representa a delicadeza e graciosidade, inicialmente demonstrando ser aquele arquétipo de clássica princesa Disney com direito a cabelo esvoaçante em câmera lenta e tudo, mas que tem camadas que vão sendo exploradas ao longo da história que mostram que ela está longe de ser assim. Luisa, a irmã do meio, representa a força e a resistência, aquela de quem todos esperam ajuda e socorro por se mostrar alguém inabalável, mas que no fundo se apavora com a ideia de falhar ou de não conseguir ajudar alguém. Independente disso, elas mostram como as mulheres ainda sofrem uma grande pressão na sociedade para corresponderem às expectativas e agradar os outros enquanto, por dentro, se frustram ou vivem infelizes, até enxergarem que não precisam se preocupar com os outros podendo ser livres pra serem quem quiserem ser, além de poderem tomar as próprias decisões.



Não posso deixar de falar sobre as personalidades dos demais membros da família e como eles podem representar qualquer parente nosso (isso se um deles não representa a nós mesmos). Julieta é a mãe preocupada, carinhosa, que quer manter todos felizes e de barriga cheia. Pepa é um tanto dramática, uma hora está feliz, outra hora está full pistola, fica andando pra lá e pra cá totalmente descontrolada e suas emoções vão de 0 a 100 em questão de segundos. Félix é o típico tiozão que só quer saber de diversão, dança e comilança. Dolores é a prima fofoqueira que sabe da vida de todo mundo, e por aí vai...



Abuela Alma também é uma personagem muito importante para o desenvolvimento e desfecho da história, pois ela, como a grande matriarca e base da família, representa a estrutura, estrutura esta que acabou se estendendo à própria casa por causa da magia. Desentendimentos, falta de compreensão, falta de diálogo e qualquer outra situação negativa em família que acabe colocando em risco a integridade dessa estrutura só vai machucar as pessoas e desencadear mais e mais problemas, e tudo começa quando a família rejeita as visões do futuro trágicas de Bruno sem sequer considerar ver o outro lado, como se quisessem varrer os problemas pra debaixo do tapete com a ideia de que se não podem ver é porque não existe, e se não existe, tá tudo bem. Nem se deram ao trabalho de irem procurá-lo quando ele sumiu. Depois vem Mirabel, que por não ter poderes não é a pessoa que esperavam que fosse a ponto dela se sentir culpada e até excluída por isso. Quantas famílias por aí vivem um inferno por falta de comunicação, pelo excesso de controle e zero abertura para tentar resolver as coisas com diálogo? Talvez a gente possa considerar essa questão como o "vilão" da situação toda.



Encanto é sobre isso, é sobre lidar com nossas falhas, pois ninguém é perfeito. É sobre aprender que uma coisa não pode anular a outra e que é preciso equilíbrio. É um espaço familiar, seguro e acolhedor, mas ao mesmo tempo cheio de pressão, intolerância e assuntos mal resolvidos, afinal, não é preciso ter poderes mágicos pra fazer a diferença. Uma boa conversa e atitudes positivas podem ser capazes de reparar as piores rachaduras...

Amor, Mentiras e Rock & Roll - David Yoon

23 de dezembro de 2021

Título:
Amor, Mentiras e Rock & Roll
Autor: David Yoon
Editora: Seguinte
Gênero: Romance/Juvenil
Ano: 2021
Páginas: 368
Nota:★★★☆☆
Sinopse: Sunny Dae é nerd ― e com orgulho. Essa é a fama que ele e seus dois melhores amigos conquistaram na escola, onde curtir RPG definitivamente não é visto com bons olhos. E estava tudo bem, até Sunny conhecer Cirrus Soh, a garota mais descolada e confiante que ele já viu. Quando Cirrus acha que o quarto do irmão de Sunny é na verdade o dele, o garoto não consegue corrigir o engano. Com os olhos dela brilhando ao ver as guitarras e os pôsteres de rock na parede, ele acaba dizendo que tem uma banda ― embora não saiba nem segurar uma guitarra, ops.
Agora sua única esperança para sustentar a história e conquistar Cirrus é fazer com que seus amigos nerds topem participar de seu plano maluco de tornar essa banda realidade, vestindo as roupas que o irmão mais velho deixou para trás quando se mudou para Hollywood e ensaiando na sala de música da escola. O problema é que logo Sunny descobre que a vida de um rockstar mentiroso não é só fama e glória…

Resenha: Seguindo o estilo de premissa de Frank e o Amor, o primeiro livro do autor, Amor, Mentiras e Rock & Roll também vai abordar as questões de um personagem que conta uma "mentira inocente" pra tentar resolver um problema, quando na verdade ele está criando vários outros.
Sunny Dae é um nerd de carteirinha e sente o maior orgulho disso. Ele e seus dois melhores amigos, Jamal e Milo, são apaixonados por RPG e têm até um canal onde compartilham dessa paixão. Por serem nerds level hard, eles acabam sobrendo bullying no colégio porque, como sempre, os atletas super populares acham os três grandes imbecis que não devem ser levados a sério.
O irmão mais velho de Sunny, Gray, é seu total oposto. Ele é um rockeiro nato, todo descolado, que foi embora pra Hollywood pra seguir seu sonho e está iniciando a carreira como vocalista de uma banda de sucesso. Ao ir embora, ele deixou seu quarto cheio de referências e todo decorado nesse estilo musical. Isso acabou causando uma grande confusão, pois quando Cirrus Soh, uma garota bonita, inteligente e super divertida, se muda pra casa ao lado e o conhece, ela acredita que o quarto de Gray é o de Sunny, e pensando que ela vai rejeitá-lo caso ele mencione sobre seu hobby de nerd, ele acha uma ótima ideia mentir pra impressionar a menina, incorporar a personalidade do irmão, e dizer que ele, junto com seus amigos, fazem parte de uma banda de rock, "Os Imortais".

Como Sunny está naquela fase onde se sente inseguro com várias questões, se sente um ninguém se comparado ao irmão, e acha que não tem nenhuma qualidade interessante pra chamar atenção de alguma garota, ele deixa essa mentira crescer cada vez mais na intenção de continuar mantendo Cirrus interessada nele, mas em vez de contar a verdade pra acabar logo com essa patifaria, ele resolve envolver os amigos no rolo pra formarem uma banda de verdade e tornar essa mentira algo real.

Sendo assim, o foco da história em si não é apenas o romance de Sunny e Cirrus, mas sim o desenvolvimento e o crescimento dele tentando ser o que ele criou, aprendendo a cantar e tocar, mesmo que esteja fingindo ser quem não é, tudo isso pra tornar a sua fic real. Ele e os amigos realmente chegam ao ponto de formarem a banda e pra poderem se apresentar. Esse foi um motivo pra eu não conseguir me apegar aos personagens, não senti nenhuma empatia por Sunny tentar construir um relacionamento que começou todo errado. Em alguns momentos ele se mostra tão egoísta e arrogante, que a vontade era de dar um soco. Cirrus também não fica muito atrás, pois por mais divertida que seja, em muitos momentos ela demonstrou ser alguém sonsa demais e muito superficial, e penso que por ela não ter sido muito bem desenvolvida, ela acabou não tendo atributos marcantes que fizessem alguma diferença. É aquela tipo de casal que, aparentemente, combina, mas a química é zero.

Mas apesar disso, o livro tem seus pontos positivos, sim. A escrita do autor é muito boa, fluída e envolvente, então não dá pra segurar a curiosidade de terminar a leitura e saber que fim essa confusão vai levar. Ele aborda questões sociais relevantes como o racismo e o preconceito, descontrói o valentão da escola mostrando que ele ataca como forma de se defender pra manter sua posição, mas que no fundo se parece muito mais com Sunny do que eles imaginaram. Outro ponto interessante é sobre a relação de Sunny com o irmão. Num determinado momento Gray retorna pra casa, se mostra um idiota, e o conflito que eles travam por causa do "novo Sunny" acaba sendo um estopim para que ambos se enxerguem de uma maneira diferente e amadureçam.

No fim das contas, Amor, Mentiras e Rock & Roll não foi uma leitura perfeita, mas fiquei satisfeita com a história por mostrar as questões das descobertas adolescentes, das confusões que eles se mentem por ainda não terem se encontrado, e da conclusão que se chega mostrando que ser famoso e ter glória pode trazer algumas coisas inesperadas, mas o importante é saber que somos quem somos, e é preciso respeitar e aceitar as qualidades que temos.

Destruidor de Mundos - Victoria Aveyard

22 de dezembro de 2021

Título: Destruidor de Mundos - Realm Breaker #1
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Gênero: Alta Fantasia/Jovem adulto
Ano: 2021
Páginas: 560
Nota:★★★★☆
Sinopse: Ano após ano, Corayne assiste sua mãe, uma célebre pirata, partir para o alto-mar e desbravar todos os reinos de Todala, sem jamais poder acompanhá-la. Quando um misterioso imortal e uma assassina de aluguel aparecem dizendo que ela é a última descendente viva de uma poderosa linhagem ― e a única pessoa capaz de salvar o mundo de um perigo iminente ―, ela aproveita a chance para ir em busca de sua própria aventura.
O problema é que o perigo é muito maior do que ela imaginava: um homem sedento por poder, determinado a reabrir os portais que, no passado, levavam para outros mundos, povoados por criaturas sinistras. Com a ajuda de um grupo de bandidos e maltrapilhos, Corayne terá de provar que o heroísmo pode surgir até nos lugares mais inesperados.

Resenha: Destruidor de Mundos é o primeiro volume da trilogia Realm Breaker, escrita pela autora Victoria Aveyard e publicado no Brasil pela Editora Seguinte.

Todala é um reino vasto que está na mira de Taristan. Ele é um homem sedento por poder que está numa missão que envolve abrir os Fusos adormecidos, que são portais para outros reinos. Na batalha épica que inicia a história, Taristan abre um desses Fusos utilizando uma espada especial e liberta criaturas terríveis que acabam aniquilando todos os heróis que tentavam defender Todala. Agora, sem heróis e com o risco de Taristan continuar abrindo os Fusos para desencadear o caos, quem serão os novos heróis que terão que proteger o mundo desse perigo?

Partindo dessa premissa, somos apresentados a Corayne an-Amarat, uma jovem que aparentemente, não tem nenhuma habilidade especial. Desde sempre ela assiste sua mãe, uma mulher forte e destemida, capitã de um navio pirata, partir para desbravar os reinos de Todala contrabandeando tudo que o reino proibe. Sua maior vontade era sair navegando pra viver uma grande aventura, mas sua mãe nunca permitiu que ela a acompanhasse em suas navegações criminosas.

Até que Domacridhan (ou Dom, ou Vedere, ou Ancião), um misterioso imortal de 500 anos, e Sorasa, uma assassina, aparecem dizendo que Corayne é a última descendente de uma linhagem ancestral e poderosa, e que ela é a única pessoa capaz de salvar o mundo do grande perigo que se aproxima. Porém, Corayne não poderia imaginar que essa aventura seria muito mais perigosa do que parece, pois ela não tinha ideia do poder de Taristan e o que ele é capaz de libertar ao abrir os Fusos. Outros personagens também vão aparecendo ao longo da aventura para formar essa guilda, como Andry Trelland, o escudeiro; Valtik, uma bruxa que fala em enigmas chamados; Charlton, um falsificador com um passado secreto; e Sigil, um caçador de recompensas com contas a acertar. Assim, Corayne, com ajuda de seu grupo peculiar, precisa lidar com esse perigo e mostrar que é possível se tornar uma heroína, mesmo que em lugares desconhecidos e de formas inesperadas. 

A narrativa é feita em terceira pessoa e os capítulos são divididos pelo ponto de vista de seis personagens. Às vezes o capítulo termina e pula pra um personagem que não está presente naquela cena anterior, e isso acaba cortando a fluidez da situação, principalmente quando é uma cena cheia de ação.
Por ter gostado bastante da série da Rainha Vermelha, eu fui com as expectativas lá nas alturas pra ler Destruidor de Mundos, e me surpreendi pois são estilos totalmente diferentes. Enquanto a primeira série tem aquela pegada distópica juvenil com direito a triângulo amoroso, Realm Breaker é uma alta fantasia que foi inspirada em Senhor dos Anéis e a jornada da Sociedade do Anel. Ela é voltada a um público mais adulto devido ao estilo narrativo, aos personagens e à construção de mundo. A escrita da autora dispensa comentários, mas aqui ela parece ter pecado pelo excesso de detalhes que só enchem a história mas não contribuem muito para o entendimento, e senti que a leitura foi um tanto maçante e difícil em alguns pontos. Entendo que o primeiro volume de uma saga desse tipo costuma ser introdutório para que os leitores tenham o máximo de informações pra compreender esse novo universo, mas quando não há informações "didáticas", ou quando essas informações soam confusas a ponto de deixar o leitor perdido, acaba sendo um problema. É aquele tipo de história que começa e você não entende quase nada (recomendo inclusive a reler o prólogo lá pela metade do livro), fica esperando explicações sobre lá na frente, mas as respostas não vem e você fica a ver navios. Então, se você é aquele tipo de leitor que gosta de devorar livros num único dia, talvez com esse, a coisa não vá funcionar. O mundo é apresentado devagar, e as conexões entre os personagens também, afinal, não se pode confiar em qualquer um que acabou de aparecer, e é preciso construir essa relação de confiança aos poucos. Um ponto legal é que os supostos heróis não são invencíveis, logo eles também precisam de proteção, e isso rende várias cenas bem humoradas na história.

Este também não é um livro sobre o desenvolvimento dos personagens, ele foca mais na construção de suas relações até que se torne algo mais sólido. Apesar de sabermos como os personagens são e como agem, o livro aborda muito mais o funcionamento desse universo, mostrando basicamente qual o papel de cada personagem e o que eles vão fazendo ou aprendendo durante a jornada. Então, é impossível não sentir falta de um maior aprofundamento, principalmente quando um personagem é interessante, então já fiquei ansiosa pelo segundo volume para ter um gostinho a mais de cada um deles..

Embora Corayne seja a protagonista, ela não tem um maior destaque no grupo, pois todos tem sua importância alí. Corayne parece estar deslumbrada com sua primeira viagem e os locais que ela visita, mostrando que ela ainda é bem ingênua, mas ela é inteligente, pensa rápido e tem talento pra ler mapas. Porém, ela ainda não tem a experiência que os outros da guilda tem, então ficamos esperando que ela se torne tão interessante quanto eles.

Há um mapa no livro e eu me vi consultando o bendito a cada minuto, pois são muitas cidades, os personagens ficam num vai-e-vem sem fim, são muitas viagens de navio, e sem um mapa é quase impossível se situar. Mas ainda assim a geografia é impressionante e super bem feita. Alguns termos no início podem ser difíceis de se acostumar, são muitos nomes esquisitos pra memorizar, mas chega num ponto onde você já nem percebe mais essa "dificuldade".



A autora também não romantiza tragédias e situações horripilantes. Enquanto em outras histórias sangrentas e cheias de ação acompanhamos os personagens rindo na cara do perigo, aqui podemos ver como situações de crise extremas deixam os personagens abalados e posteriormente necessitados de cuidados e uma boa recuperação. Eles hesitam, sentem medo e raiva, ficam traumatizados e fragilizados, e isso mostram o quanto são humanos e verdadeiros independente de terem poderes mágicos ou não. Aqui, a preocupação em salvar o mundo da destruição é muito maior do que qualquer coisa, afinal de contas, não tem como fazer nada na vida se o mundo acabar e todos estiverem mortos, embora isso não anule as pequenas expressões de afeto que estão alí, mesmo que bem discretas, mostrando que é impossível se privar de todo e qualquer sentimento, independente das circunstâncias. Então, fiquei muito feliz em não ter romance nesse livro, principalmente considerando o gênero, e acho que mais autores deviam seguir esse exemplo. Não é preciso existir um romance pra se criar boas histórias.

No mais, apesar de ter um tanto arrastado, Destruidor de Mundos é uma fantasia épica incrível e cheia de ação que vai conquistar os fãs do gênero. Recomendo e já estou na expectativa do volume 2.

Uma Princesa em Tóquio - Emiko Jean

21 de dezembro de 2021

Título:
Uma Princesa em Tóquio
Autora: Emiko Jean
Editora: Seguinte
Gênero: Romance/Juvenil
Ano: 2021
Páginas: 312
Nota:★★★★☆
Sinopse: Izumi Tanaka nunca sentiu que pertence ao lugar onde vive. Afinal, ela é uma das únicas garotas com ascendência japonesa em sua cidadezinha natal, no norte da Califórnia. Criada apenas pela mãe, as duas sempre foram muito unidas ― até Izzy descobrir que seu misterioso pai é ninguém mais, ninguém menos do que o príncipe herdeiro do Japão. O que significa que Izumi é literalmente uma princesa.
Não demora muito até a família imperial japonesa ir atrás de Izzy e ela partir em uma viagem para Tóquio. Em meio a confusões com um jovem guarda-costas mal-humorado (apesar de lindo!) e com primos envolvidos em diversas polêmicas, a garota vai perceber que a vida da realeza está longe de ser só glamour. E, enquanto tenta conhecer o pai, talvez acabe encontrando a si mesma.

Resenha: Izumi Tanaka é uma garota nipo-americana de dezoito anos que vive com a mãe, Hanako, e seu cachorro Tamagochi numa cidadezinha no norte da Califórnia. Sendo uma das únicas garotas de ascendência japonesa da cidade, ela acaba tendo que lidar com todas aquelas questões de uma pessoa que não é branca vivendo num lugar onde quase todo mundo é branco, e que bom que ela tem a Noora, a Hansani e a Glory como amigas (com descendência japonesa também) pra ter com quem contar. Elas inclusive formaram a GGA, a "Gangue de Garotas Asiáticas". Embora tenham personalidades bem diferentes, elas combinam muito bem quando estão juntas

Izumi não conheceu seu pai, e sua mãe sempre disse que ela foi fruto de um romance de uma noite só com quem ela nem se lembra lá na época da faculdade, e ela, por ter uma ótima relação com a mãe, vivia bem com isso, mesmo que, no fundo, ainda sentisse falta de ter uma presença paterna alí ao seu lado e de saber mais detalhes sobre sua origem.
Uma peculiaridade da GGA é descobrir coisas, e quando Noora encontra o livro "Orquídeas Raras da América do Norte" com uma dedicatória de amor à sua mãe escrita por Makoto Mak, lá em 2003, muitas dúvidas começam a surgir. Seria esse tal de Makoto o pai de Izumi? Será que sua mãe estava mentindo esse tempo todo? As meninas resolvem fazer uma investigação pra descobrirem quem é esse cara, custe o que custar, e Noora descobre que Makoto é na verdade Makotonomiya Toshihito, o solteirão mais cobiçado de todo o japão que faz parte da família imperial japonesa. Sim, o príncipe herdeiro na primeira linha de sucessão! Claro que ela confronta a mãe, que acaba assumindo que seu pai é mesmo o príncipe, o que, consequentemente, torna Izumi uma princesa! Como se todo esse rolo não tivesse ido de 0 a 100 muito rápido, o embaixador do Japão ainda aparece em sua casa com um convite para ela ir até o Japão conhecer seu pai, e Izumi topa na mesma hora embarcar nesse conto de fadas contemporâneo onde irá atravessar o mundo em busca de respostas e de um final feliz.

A história é bem divertida e dá pra ler em questão de poucas horas, de tão fluída. O livro traz várias referências da cultura pop e das tradições japonesas, e é como se o leitor estivesse fazendo uma tour por Tóquio, conhecendo de perto os detalhes da realeza.
Izumi é uma protagonista bem divertida, mesmo que ela entre em dilemas adolescentes que são bem bobos pra quem já passou dessa fase, mas que pra ela é motivo de surto e muito drama. Na maioria das vezes eu achei ela infantil demais pra idade, faz escolhas absurdas que a gente sabe que não vai dar certo só de imaginar, e nem acredita que ela realmente toma certos tipos de decisões, mas isso acaba sendo parte dessa jornada do amadurecimento que ela tinha que passar.

Obviamente as coisas não terminam num "felizes para sempre" assim que ela chega ao Japão, afinal, ser uma princesa não é só usar um vestido e uma coroa e sair dando tchau por aí com sua dama de companhia do lado, e as coisas pra ela só estavam começando. Até então ela era uma desconhecida, e agora tem uma nova família pra conhecer, incluindo primas insuportáveis que vão querer infernizar sua vida. A imprensa fica em sua cola querendo saber as novidades e fofocas e ela vira notícia, e Izumi ainda vai ter que aprender séculos de tradições e cultura, que entram em conflito com os costumes da época atual, num piscar de olhos. E como se isso já não fosse muita coisa pra sua cabeça, ela ainda precisa lidar com o fato de se sentir atraída pelo seu guarda-costas, o jovem Akio. Seu pai fez questão de colocar um guarda-costas mais jovem pra Izumi não se sentir desconfortável com um cara mais velho. Apesar de Akio se mostrar irritante no começo fazendo a gente pensar que lá vem o clichê do casal que começa brigando e termina aos beijos, ele é um fofo.

O romance não é o foco da história, até mesmo por ser um tipo de relacionamento que não se encaixa nos padrões tradicionais da realeza. Mas ainda assim, mesmo cientes de que não é algo adequado, as coisas vão evoluindo aos poucos de uma forma bem natural e nenhum dos dois conseguem resistir. Não dá pra negar que eles são almas gêmeas.

A forma como a autora foge de estereótipos representando os asiáticos é bem legal e não vemos essa representatividade amarela na maioria dos livros, pelo menos não da forma como este apresentou.

No mais, Uma Princesa em Tóquio não é um livro que fala apenas de amizade e respeito às tradições da família, mas sobre a busca de Izumi por sua identidade, sobre se encontrar e descobrir quem ela é e de onde veio de verdade. E, a partir de agora, fazendo parte da realeza, qual é o próximo passo? 

The Sims 4 - Desafio das Décadas - 1950

18 de dezembro de 2021



No início da década os Sims tiveram que viver mais um conflito em suas vidas difíceis (ou nem tanto): a Guerra Coreana. Dessa vez todos os Sims solteiros que começaram a década como jovens adultos, sejam homens ou mulheres, participariam dessa peleja. Os "sortudos" são das famílias espalhadas pelo mundo, e foram Henrique, Simone, Lorenzo e Alexei. Todos eles morreram, coitados, e as famílias estão desoladas...
Já na casa principal, não tinha ninguém jovem adulto pra ser convocado.

Uma coisa que só reparei agora, nessa altura do campeonato, é que tô levando esse desafio de um jeito um tanto certinho e sem graça. Os sims casam, tem filhos e morrem. Casam, tem filhos e morrem. Não anda acontecendo nada "bombártico", não tem um vilão, não tem um golpe, não tem ninguém saindo no soco. Então tô pensando em movimentar as coisas com umas ideias mirabolantes que tive aqui e ainda assim não fugir das regras...

A casa:



Nessa década algumas coisas mui úteis começaram a ser permitidas: Os Sims podem ter uma TV (da mais fuleira, mas podem) e tomar banho de chuveiro, até que enfim! Então o que fiz foi repintar a casa, reformar os banheiros e comprar a bendita televisão! Eles também podem se tornar famosos caso queiram entrar nesse universo das celebridades, incluindo seguirem carreiras de ator/atriz.

A vida e a saga da família:

Na primavera, as duas filhas mais velhas de Carla, a Samantha e a Sarah já eram adolescentes. Samantha foi com o pai numa apresentação de música na cidade e conheceu Peter Moss, o pianista. Ela ficou encantada com a música e depois de uma conversa bem divertida - e intensa -, ela já estava apaixonada pelo bonitão. Depois de várias investidas, os dois começaram a namorar e logo se casaram. Peter tem muita influência nesse universo musical e é milionário. Samantha foi morar em sua mansão em Del Sol Valley e agora é uma madame muito da chique, tem até governanta na mansão. Não é golpe, gente, é amor. Até mesmo porque ela nem imaginava que ele tinha esse fortuna quando o conheceu por acaso ♥.



Sarah começou a namorar com um rapaz que estudava em sua escola, o Ryan Bolt. Quando ele virou jovem adulto, ela o convenceu de se casarem pois ela queria sair de casa pra formar sua própria família. Eles se casaram e foram morar numa casa bem perto da casa dos seus pais.

Ao fim da primavera, Albert e Estevão morreram de velhice.

A Guerra acabou, o verão chegou e Cameron decidiu que depois de tantos anos na luta, seria uma boa ideia tirar férias, juntando os dois casais pra fazerem uma viagem com duração de 3 dias. O destino? Sulani. Bora pra praia ter um descanso das crianças e estrear a "invenção do biquini".
A casa ficava numa pequena ilha paradisíaca com direito a muito verde, água cristalina e cachoeira, e nesse cenário romântico tudo poderia acontecer...
Na primeira noite, eles festejaram muito, e beberam além da conta. Carla só faltava desmaiar de tanto sono e foi dormir. Elias também foi dormir. Lisbeth e Cameron ficaram conversando na varanda, e alí ela começou a lembrar de quando o conheceu, e como seria se ele não tivesse casado com sua irmã. Talvez a bebida tenha lhe dado coragem, e Lisbeth confessou já ter se sentido atraída por Cameron. O clima começou a esquentar, Cameron se deixou levar e eles acabaram se beijando alí mesmo, e não vou mentir dizendo que eles pararam aí. Quando o dia amanheceu, e eles foram dormir fingindo que nada aconteceu, afinal, ninguém jamais poderia saber...



O resto das férias passou rápido. Eles aproveitaram o clima e nadaram no mar, fizeram churrasco, pescaram, namoraram em paz, se divertiram muito e até passaram pelo desespero de presenciar um vulcão em erupção e um terremoto. No último dia, enquanto Carla dava seu último mergulho, Lisbeth não aguentou mais e aproveitou pra confessar que, mesmo sabendo que aquilo tinha sido um grande erro, ela estava apaixonada por Cameron. O que ela não esperava era que Elias aparecesse naquele exato momento...



Elias ficou FU-RI-O-SO, mas não pôde fazer nada naquela hora, pois as férias chegaram ao fim e eles tinham que voltar pra casa.
Chegando em casa, Lisbeth pediu desculpas pro marido pois tudo não passou de um mau entendido, e depois de fazer greve de fome e de sono, Elias pensou melhor e chegou a conclusão que ela e o amigo jamais faria nada pra magoá-lo ou colocar seu casamento em risco, foi quando todo mundo foi surpreendido com a notícia de que Lisbeth estava grávida! Todos comemoraram e ficaram muito felizes sem saber desse segredo tumulístico, mas, lá no fundo, Lisbeth estava desesperada, afinal, quem é o pai desse bebê???
No começo do outono, Edward nasceu, e quando virou bebê deu pra ver perfeitamente que ele é... a cara, os olhos e o cabelo do PAI. O alívio, meudeusdocéu.



Mas, continuar morando nessa casa e tendo que conviver com o cunhado todo santo dia estava sendo um tormento pra Lisbeth, então ela e Elias decidiram que era hora de se mudarem dalí com seus filhos pra bem longe, e o destino escolhido foi uma casa modesta em Monte Komorebi.

Chegando em meados da estação, Carla e Cameron se tornaram idosos e desenvolveram um interesse enorme por xadrez. Todo o tempo livre que tinham, lá estavam eles jogando. Soraya ficou com o violino da tia e passou a treinar diariamente. Selena arranjou um trabalho de babá pra trabalhar meio período, e numa das reuniões da família pra quem trabalha, ela conheceu o filho adolescente do amigo do pai da criança que ela cuida, Daniel Martin.



Eles começaram a se envolver e logo engataram num namoro, o problema era que eles não poderiam se casar tão cedo... Selena vai curtir os bons momentos com o namorado, e o que tiver de ser, será.
Soraya conseguiu um emprego de meio período numa cafeteria da cidade, assim ela pode conciliar trabalho com estudo.

Lá em Del Sol Valley, Samantha já é jovem adulta, e começou a se sentir um pouco sozinha devido aos inúmeros shows e apresentações que seu marido faz por aí, então adotou uma cachorrinha peludinha e colocou o nome nela de Mildred, mas ela não demorou nada a morrer de tanto enjoo até descobrir que estava grávida. Logo nasceu o pequeno David.



Sarah também tinha se tornado jovem adulta, e não demorou muito a descobrir sua primeira gravidez, pouco depois nasceu Andrew, e assim que ele cresceu e virou um bebê, ela descobriu a segunda gravidez.

Lisbeth começou a sentir falta da casa dos pais, da irmã e das sobrinhas depois de passar a vida toda morando com elas, então sempre que possível ela ia visitá-los junto com as filhas, mesmo correndo o risco de encontrar com Cameron. Eles continuaram uma relação de amizade, e por mais que ela não tenha, de fato, esquecido o momento que viveu com ele, preferiu ignorar para não se machucar e nem magoar ninguém. E ele faz o mesmo.

Selena se descobriu uma verdadeira artista quando começou a fazer pinturas, e sua mãe resolveu incentivá-la nessa jornada. No início do inverno, ela começou a pesquisar sobre o curso de Belas Artes e depois de se candidatar e esperar alguns dias, ela conseguiu se matricular em Foxbury. Agora ela se mudou para o alojamento da universidade em Britechester e é a primeira de toda a família a ingressar numa universidade!


Soraya se sentiu super inspirada com o exemplo da irmã e começou a se esforçar ainda mais nos estudos pra ser uma aluna nota 10, pois quanto melhor sua nota na escola, melhor vai ser a oportunidade na universidade.


No final do inverno, que também indica o final da década, Carla, muito idosa, acabou morrendo de velhice. Cameron implorou pela vida da esposa pra Dona Morte e ele conseguiu que Carla ganhasse uma segunda chance. Porém, no dia seguinte, enquanto ele e Soraya estavam no trabalho, Carla foi arrancar algumas ervas daninhas das suas plantas, mas o frio estava tão congelante que a coitada morreu congelada. Quando Soraya chegou em casa do trabalho, ela se deparou com o túmulo da mãe e ficou arrasada.



Fazendo a tour pela vizinhança, o resumão das famílias ficou assim:

Em Winderburg, Diana já está idosa e os seis filhos continuam morando com ela.
Sarah e Ryan tiveram um casalzinho de gêmeos, o Mark e a Megan. Eles viraram bebês bem na véspera do aniversário de Andrew e da virada da década.



Em Willow Creek, Dalila morreu de velhice e Regina, agora jovem adulta, ficou sozinha na casa.
Catrina já está idosa e Vítor é jovem adulto. Regina e Vitor não se envolveram com ninguém e continuam solteiros.

Em Newcrest, Ana e Sabina continuam dividindo a casa com seus maridos. Ana e Josué tiveram o Tomás, que jé é criança. Sabina e Sidney ainda não tiveram filhos pois estão se dedicando ao trabalho.
Leonardo morreu deixando Diva viúva e a filha, Cláudia, órfã, coitada. Os gêmeos Paulo e Artur continuaram morando na casa, já que foi deixada pelos seus falecidos pais, e decidiram não se casar. Eles já estão idosos.

Em Magnolia Promenade, Alicia morreu de velhice e os filhos Hanzel, Harry e Mercy, todos ainda solteiros, não decidiram o que fazer com a casa herdada.

Em Evergreen Harbor, Elisa e Robson não tiveram filhos e preferiram adotar 3 gatos: A Pirula, a Pankeca e o Wilson. Eles já estão idosos, o casal e os gatos.

Em Brindlenton Bay, Leon morreu de velhice e a esposa Viviane ficou viúva e herdou a casa. Ela já está idosa e só está esperando a morte chegar.
Fabrício já está idoso, logo sua esposa, Cristina, não quer ter filhos mais. O homem já tá com o pé na cova e ela não vai arriscar ficar viúva e com um bebê debaixo do braço. E o mesmo vale pra Loretta, que também não teve filhos com Christian e nem pretende já que ele também está velho.

Em Britechester, Selena continua se dedicando aos estudos. Ela e Daniel continuam o namoro e ele visita ela no alojamento sempre que possível, mas o foco dela no momento é a universidade.

Lá em Monte Komorebi, Lisbeth e Elias, que já está idoso, enfim, enterraram o passado, e agora estão avaliando a possibilidade deles voltarem pra casa principal quando - e se - Soraya for pra universidade. Assim eles cuidam da casa enquanto ela e a irmã estiverem fora e ainda vivem melhor já que a casa é grande e espaçosa pros seus filhos.

Soraya foi fazer uma visita à Samantha para avisar da tragédia e pra ter um pouco de consolo, e quando voltou pra casa, foi a vez de se deparar com a urna de cinzas do seu pai. Cameron morreu de velhice e agora só sobrou ela nesse casarão.

Deprimida, ela só chorava até ser surpreendida com o Inspetor Ecológico da cidade. Ken Ueda foi fazer uma inspeção no lote, e pela casa não estar de acordo com as normas, a conta ia ter um aumento. Soraya tentou subornar o homem, e ele, muito honesto, recusou. Os dois começaram a discutir, afinal, ela estava com a cabeça cheia por ter acabado de perder os pais, mas talvez essa briga tenha sido um tipo de sinal, pois mesmo que o momento tenha sido o pior, foi alí que eles se conheceram, e nada como um relacionamento que surge no meio de uma discussão ou de uma confusão qualquer, não é mesmo?



Agora que a década chegou ao fim, vamos ver o que a década de 60 e o movimento hippie reserva pra essa família...

Blackout - Dhonielle Clayton, Tiffany D. Jackson, Nic Stone, Angie Thomas, Ashley Woodfolk e Nicola Yoon

15 de dezembro de 2021

Título:
 Blackou
t
Autoras: Dhonielle Clayton, Tiffany D. Jackson, Nic Stone, Angie Thomas, Ashley Woodfolk e Nicola Yoon
Editora: Seguinte
Gênero: Romance/Jovem adulto
Ano: 2021
Páginas: 272
Nota:★★★☆☆
Sinopse: Uma onda de calor causa um apagão em Nova York. Multidões se formam nas ruas, o metrô para de funcionar e o trânsito fica congestionado. Conforme o sol se põe e a escuridão toma conta da cidade, seis jovens casais veem outro tipo de eletricidade surgir no ar… Um primeiro encontro ao acaso. Amigos de longa data. Ex-namorados ressentidos. Duas garotas feitas uma para a outra. Dois garotos escondidos sob máscaras. Um namoro repleto de dúvidas. Quando as luzes se apagam, os sentimentos se acendem. Relacionamentos se transformam, o amor desperta e novas possibilidades surgem ― até que a noite atinge seu ápice numa festa a céu aberto no Brooklyn.
Neste romance envolvente e apaixonante, composto de seis histórias interligadas, as aclamadas autoras Dhonielle Clayton, Tiffany D. Jackson, Nic Stone, Angie Thomas, Ashley Woodfolk e Nicola Yoon celebram o amor entre adolescentes negros e nos dão esperança mesmo quando já não há mais luz.

Resenha: Blackout é uma antologia de contos que falam sobre histórias de amor e autodescoberta, cheias de representações negras e LGBTQI+.
Era uma sexta-feira, Nova York estava passando por uma onda de calor insuportável e isso acaba causando um grande apagão na cidade. O metrô pára, o trânsito fica congestionado, e a multidão começa a tomar conta das ruas. Embora a cidade esteja no escuro, uma energia diferente vai começar a surgir entre esses casais...

O livro é dividido em seis contos, todos narrados em primeira pessoa, mas há um conto maior, "A Longa Caminhada", escrito pela autora Tiffany D. Jackson, que foi dividido em cinco atos pra intercalar os outros. Eu tive mais facilidade em juntar essas partes do primeiro conto para ler direto e os demais não interrompessem e nem atrapalhassem na fluidez.
Os contos funcionam como capítulos, eles tem o título, o nome da autora, o local e o horário onde os personagens estão enquanto estão enfrentando o apagão, e sempre há menção a uma festa onde conhecem alguém em comum que vai estar lá, ou estão tentando chegar lá. Por serem curtos, não há tanto aprofundamento nas histórias, mas sempre aparece aquela frase de efeito clichê (e algumas não fazem o menor sentido). Alguns tem informações suficientes, abordando bem a situação e a personalidade dos personagens, outras dão aquela sensação de quero mais porque foram construídos de uma forma que é impossível não sentir empatia e se apegar, outros nem tanto quanto eu gostaria.

A Longa Caminhada, traz os personagens Tammi Wright e Kareem Murphy. A história começa com Tammi indo para uma entrevista de estágio que ela queria muito fazer, mas ao chegar lá, se depara com Kareem, seu ex namorado de quem ela ainda guarda muitas mágoas, principalmente porque, aparentemente, ele tem outra namorada. Acontece que houve um erro no disparo de emails da empresa, a vaga era pra uma pessoa só, mas os dois foram chamados. Quando a responsável iria verificar o que houve pra ver de quem era a vaga, ocorre o apagão e eles são despachados pra voltarem na semana seguinte. Eles tentam chegar ao metrô no Central Park, Tammi quer pegar o metrô ir pra casa e Kareem precisa chegar a tempo em uma festa onde ele seria o DJ, os dois esperando que até lá a energia já tenha voltado. O problema é que Tammi não tem dinheiro pra chegar ao centro, e Kareem como está sem celular pra poder se comunicar com os outros pra avisar se está tudo bem ou não, precisa usar o telefone de Tammi, então um acaba ficando "dependente" do outro enquanto eles partem a pé no meio da confusão da cidade.

Esse é um conto que vai abordar como a falta de comunicação e interpretação são fatores prejudiciais para um relacionamento, assim como mostra que, mesmo que tarde, ainda é possível tentar reparar os erros se houver espaço para uma boa conversa, desde que alguém esteja disposto a ceder em vez de se achar dona da razão. Não gostei muito da Tammi porque ela me pareceu um tanto tóxica, irritante e imatura com a ideia de que suas suposições sem fundamento correspondem com a realidade, e as conversas dela com Kareem mostram muito bem isso, mas adorei o rapaz com seu amor por música, com seu jeito descolado e protetor, e como ele se preocupa com aqueles que quer bem.
Nota: ★★★☆☆

Sem Máscara, de Nic Stone, é o segundo conto escrito por Nic Stone, e aqui temos JJ Harding e Tremaine Wright que se conhecem desde a infância. O tempo foi passando, JJ começou a jogar basquete, andar com os caras descolados do time da escola e ficar rodeado de garotas bonitas, e Tremaine era aquele que sofria bullying com esses caras. Depois de muito tempo sem se verem, JJ, que no tempo presente estava no metrô, percebe que Tremaine entra no mesmo vagão onde ele estava, e é quando tudo se apaga, o metrô para e as pessoas ficam bem incomodadas estando presas no escuro e naquele calor infernal. JJ fica hesitante em ir falar com Tremaine, então ele começa a lembrar de quando se conheceram e de alguns eventos que ocorreram nesse período, incluindo um "baile de máscaras".

Aqui temos um conto sobre autoconhecimento e a descoberta sobre a bissexualidade. A autora também tenta abordar algumas discussões sociais importantes, como a amamentação em público, por exemplo, mas achei que não se encaixou muito bem quando essa visão veio de JJ, porque ele é aquele tipo de pessoa que não toma frente de nada, ele sempre fica em cima do muro e parece travar quando precisa agir, como se estivesse perdido. O conto em si é praticamente um relato de JJ se descobrindo como bissexual, qual foi o papel de Tremaine nisso e o que acontece nesse reencontro no metrô. Às vezes fiquei com a impressão de que JJ é um super covarde, mas, pensando melhor, pude perceber que na verdade ele representa muito bem as pessoas que ainda tem dificuldades de se assumir e também se sentem perdidas e muito confusas com seus sentimentos e novas experiências.
Nota: ★★★☆☆

Feitas para se encaixar, escrito por Ashley Woodfolk, começa com Nella Jackson apagando um pequeno incêndio causado por velas na Althea House, uma casa de repouso pra idosos onde seu avô Ike vive. Por causa do apagão na cidade, a tão falada Joss Williams, que frequenta a Althea House uma vez por semana com seu cão terapeuta Ziggy, foi chamada nessa sexta-feira em caráter de urgência pra auxiliar os idosos nessa escuridão. E é assim que Nella, depois de tanto ouvir seu avô falar dela, conhece Joss. A atração de Nella por Joss é praticamente instantânea, e a medida que elas recebem uma "missão" de procurar uma foto que o avô disse ter perdido pela casa, elas começam a se aproximar, começam a falar de experiências que já tiveram, e vemos o quanto elas combinam muito bem.

Não vou dizer que o conto é lésbico por envolver duas mulheres, até mesmo porque enquanto vemos Nella trocar mensagens com alguém que seria sua "ex não-namorada", Joss fala de uma experiência com alguém "não binárie e queer" (sim, aqui a gente vê o uso do pronome neutro pra se referir a esse relacionamento que Joss teve), mas se trata dessa aproximação e da química que elas claramente têm.
Eu gostei desse conto de forma geral pela forma como as meninas se conheceram e foram se envolvendo aos poucos, só não curti a estrutura dele pois acabou me soando confuso devido a forma como as coisas foram apresentadas (tanto que tive que ler duas vezes pra entender), além da quantidade de nomes de personagens secundários que, embora a gente saiba que seja dos moradores da casa, não fazemos ideia de quem são e o que fazem exatamente, com exceção de uns três deles. Parece que a autora vai jogando nomes e espera que o leitor adivinhe quem é quem.
Nota: ★★☆☆

Todas as grandes histórias de amor… e pó, de Dhonielle Clayton, é o terceiro conto do livro onde Lana Beauvais-Simmons e Tristán Nestrepo ficam presos numa biblioteca durante o apagão. Eles são melhores amigos desde a infância, e enquanto Tristán faz o estilo popular, dono de podcast e tal, Lana é mais reservada, mais dedicada aos estudos e está tentando arrumar um jeito de contar pra Tristán que o ama antes de sua viajem pra Paris, mesmo que ele seja bem festeiro e viva mostrando pra ela as mensagens e curtidas que ele recebe de várias garotas.

Antes de tudo, acho válido destacar que há várias notas de rodapé pra expor o pensamento "verdadeiro" de Lana acerca de algumas frases ditas no diálogo com Tristan, e eu confesso não ser nada fã desse recurso por motivo de "interrupção constante" que me faz perder o foco, então deixei pra ler tudo depois do conto.
Eu fiquei um pouco irritada com esse lance de Lana gostar de alguém que, a princípio, só a via como amiga, cheio de contatinhos e etc. É meio triste nutrir sentimentos por uma pessoa, ficar guardando isso pra si (as notas de rodapé mostram bem isso), e ainda ficar triste ou sem saber como agir porque essa pessoa vive a vida (já que ele não tem como adivinhar os pensamentos da outra), e como os dois sempre fazem apostas pra qualquer coisa como forma de brincadeira, essa foi a forma de Lana por tudo pra fora. Mas posso dizer que eu adorei esse conto, amei a forma sensível como foi muito bem escrito, com todos os detalhes poéticos, e ainda com uma biblioteca como pano de fundo.
Nota: ★★★★☆

Sem dormir até o Brooklyn, de Angie Thomas, se passa num ônibus de turismo que estava levando uma turma de alunos numa excursão e fica parado no trânsito por causa do apagão. Kayla namora Tre’Shawn, mas tem uma queda por Micah, e alí, no meio dos dois, ela acaba tendo uma epifania depois de bater um papo no escuro com o motorista do ônibus.

Essa é uma história de um "não-triangulo-amoroso" (?). Isso porque o interesse de Kayla por Micah é recíproco, mas não há traição "física". Kayla sabe o quanto é escroto ficar se derretendo por outro cara enquanto namora com Tre, mas ela não consegue controlar esse impulso. E essa confusão toda pra que? Pra gente chegar a conclusão que é um conto sobre autodescoberta e amor próprio. Mesmo que a autora escreva bem e de uma forma bem fluída, achei essa "jornada" de autodescoberta um tanto mal executada.
Nota: ★★☆☆☆

Seymour & Grace, escrito por Nicola Yoon, encerra a antologia trazendo a história de Seymor, um motorista de aplicativo, e Grace, uma passageira jamaicana que está há dois anos em Nova York estudando. Grace está tentando chegar na famigerada festa de que todos falam nos contos anteriores para encontrar com a amiga e tentar reatar com seu ex namorado que também está lá, mas o congestionamento por causa do apagão não está facilitando as coisas. Ouvir o motorista escutando um podcast filosófico sobre a parábola do Navio de Teseu não está ajudando muito, mas o que ela não imaginava era que no final isso faria muito sentido. O clima está meio desconfortável entre os dois, Seymor parece não ter muita noção, a gasolina do carro acaba no meio do caminho, e ele se oferece para acompanhar Grace até a festa a pé. Ela fica um tanto resistente no início, mas acaba aceitando, e eles vão conversando e se conhecendo um pouco mais durante o caminho.

Esse conto foi o melhor pra mim. Ele intercala os pontos de vista de Seymor e de Grace, então podemos saber o que se passa na cabeça de cada um durante esse momento que eles passam juntos, e é impossível não se encantar por toda a simplicidade de Seymor, ou admirar Grace por ser uma jovem tão decidida. A história se concentra e traz reflexões sobre o senso de identidade, sobre as mudanças pelas quais passamos com o tempo, e sobre como essas mudanças interferem no convívio e nos relacionamentos. Grace percebe que o motorista de aplicativo está longe de ser só mais um cara sem noção, e a conexão que surgiu alí mostra que quando suas pessoas são capazes de se enxergar além das aparências, não se deve ignorar a oportunidade de se conhecerem melhor.
Nota: ★★★★★

Enfim, Blackout pra mim foi um livro mediano, que abordou as temáticas escolhidas na maioria das vezes de uma forma um tanto pobre e com termos que ainda não entendi, como por exemplo,"amor negro". Qual a diferença desse amor para os outros amores quando nada nos contos fez alguma referência ou criou situações que explicassem isso melhor? Acho que as vezes não basta somente a representatividade de cor ou gênero, pois se um livro é escrito com um propósito que nao serve pra nada, principalmente quando a mesma história pode ser contada com qualquer outro personagem no lugar dos que estão ali sem que haja diferença, a sensação final é de perda de tempo. Senti falta de situações que tivessem algum impacto maior pra justificar toda a propaganda, que me envolvesse e realmente me ensinasse algo que ainda não sei, mas não foi o caso.

The sims 4 - Desafio das Décadas - 1940

13 de dezembro de 2021



O início da década:



1940 começou com a casa cheia de novo. Carla grávida, Lisbeth casada e toda felicinha, e Jeremy e Amabella super orgulhosos.

A Casa:



Com um saldo bem generoso na poupança, a casa foi reformada mais uma vez para que os cômodos ficassem melhores distribuidos e acomodasse mais 2 casais que em breve teriam filhos. A reforma não ficou barata, pois foi preciso substituir a maioria da mobília para se adequar ao novo estilo, mas tem quartos para todos e de brinde ainda montei um escritório pra servir como sala de estudos e leitura.

A vida e a saga da família:

Antes de mais nada, preciso falar do meu DE-SES-PE-RO de procurar a Heiki pela vizinhança e não encontrar. A criatura abismal simplesmente morreu poucos dias depois de ter ficado velha e a casa ficou vazia, e como o pobre coitado do Danilo era um mísero bebê, com certeza ele foi levado pela assistência social, sem aviso nem nada, e sabe-se lá onde ele foi parar. Será que minha missão vai ser organizar um multirão pelas gerações pra procurar o abeçoado nos orfanatos e nas casas da vizinhança que podem tê-lo adotado e ver se consigo recuperar essa criança? A Nazaré do The Sims, meupaiamado. Não é possível que isso tenha acontecido.

Nessa década muita coisa muda, graças a Deus. As mulheres já podem seguir algumas carreiras (poucas, mas já é um bom começo), os adolescentes podem trabalhar meio período, agora é permitido ter uma máquina de lavar em casa (dando fim na maldita bacia e nas roupas espalhadas e fedorentas que ficam jogadas pela casa por não caberem no cesto), as crianças podem nascer no hospital e, relcionamentos interraciais estão liberados. O casamento ainda não é permitido, mas pelo menos agora vou enfiar o pé na jaca criando novas famílias, ou aproveitar algumas existentes do próprio jogo, pra cruzarem o caminho dessa tropa que já está na 5ª geração, se não me engano, maaaas, a 2ª Guerra Mundial está aí e não tenho um bom pressentimento. Já no começo da década eu comecei a mandar os homens pra Guerra, então era preciso tentar ter um bebê antes disso pro caso do abençoado não voltar vivo.
Uma observação mui importante aqui: Tive que mudar as regras do desafio no que diz respeito às Guerras e à Planta-Vaca. Isso porque toda vez que eu ia lá com o Sim pegar o bolo na boca dela, ela engolia e cuspia o Sim logo em seguida, então ele sobrevivia e ficava por isso mesmo (isso explica por todos os Sims de 1910 sobreviveram na 1ª Guerra e eu, trouxa, achando que tinha sido sorte)... Porém, entretanto, contudo, todavia, descobri que o Sim SEMPRE é cuspido da primeira vez que tenta pegar esse bolo, então que graça teria se nunca seria comido de fato? Ele sempre iria sobreviver à Guerra desse jeito. Descobri que somente na segunda tentativa de se pegar o bolo é que ele começa a ter chances de ser engolido ou não, então, mudei a regra pra que tentassem pegar o bolo 2x.
Como a quantidade de casas espalhadas já está bem considerável, vou entrar nas casas só no final da década pra ver como estão as coisas, senão não consigo dar a devida atenção pra família na casa principal e ainda perco muita coisa, já que eles vão vivendo por conta própria quando estou nas casas alheias. Vide o problema com a criança sobrenatural.
 
A década já começou com a adrenalina daquele jeito, os homens das famílias começaram a ir pra 2ª Guerra Mundial. O dia mal começou e Carla entrou em trabalho de parto no meio da cozinha enquanto preparava o café da manhã pra galera, e logo nasceu a pequena Samantha. Deu nem tempo de correr pro hospital. Cameron e Elias foram os primeiros, mas sobreviveram.
As notícias da Guerra estavam deixando todos muitos tensos, e toda vez que algum homem da família era convocado, era aquele desespero. Os filhos da falecida Bibiana, John e Carlos, sobreviveram. Giovane, o filho de Paola, também sobreviveu. Jacob, filho de Dom, conseguiu escapar, mas Gerald, seu irmão, não teve a mesma sorte... Leonardo, filho de Giuseppe, sobreviveu, e como seus irmãos Paulo e Artur eram adolescentes, eles não foram convocados.

Lá na casa de Diana, as coisas não poderiam estar mais "prósperas". Depois do casalzinho de gêmeos, Estevão foi convocado pra Guerra. Eles tentaram um bebê antes dele partir. Ele sobreviveu e quando voltou se deparou com a esposa grávida, e quase caiu duro quando nasceram gêmeas, de novo, Sandra e Grace, e elas são idênticas.

Quase ao mesmo tempo, Carla descobriu outra gravidez, e quando foi ter o bebê conseguiu ir pro hospital junto com Cameron a tempo. Sarah foi o primeiro bebê a nascer num hospital, mas a experiência foi meio traumática, porque ao chegar lá, tanto a recepcionista quando o médico de plantão eram FANTASMAS ??? Gente???



Esse jogo é uma comédia.

Lisbeth descobriu estar grávida e só sabia falar sobre gravidez, lia livros sobre educação de crianças, ficou obcecada com o assunto. Ao mesmo tempo começou a praticar canto e descobriu que é uma coisa que ela gosta muito de fazer.

Jeremy e Amabella começaram a se preparar pro pior. O aviso de que Isadore morreu chegou e todo mundo ficou de luto. Acho que Amabella ficou tão arrasada e deprimida com a morte da irmã que enquanto fazia uma pintura muito triste no seu cavalete, ela teve um troço e caiu dura no chão. A família quase morreu junto de tanto chorar.
Amabella morreu e nem chegou a conhecer Edith, a filha que Lisbeth teve, e nem Selena, a terceira filha que Carla teve.



A depressão era tanta que quando as irmãs cozinhavam juntas elas mais choravam do que prestavam atenção nas panelas, e não demorou a acontecer um acidente e por pouco elas não tacaram fogo na casa.



Cameron e Elias foram pra Guerra e sobreviveram pra voltar pra casa e conhecer os filhos que iriam nascer.

Jeremy gostava muito de passar um tempo aconchegando suas netinhas recém nascidas, mas parece que ele já estava sentindo que aquilo era uma despedida. Muito idoso, ele teve um ataque e morreu no quarto das crianças. Talvez Edith e Selena não vão se lembrar dessa cena horrorosa, mas não posso dizer o mesmo de Samantha, que já era criança, e Sarah. Elias até veio correndo pra tentar implorar pela vida do sogro, mas já era tarde demais...



Quando o Outono chegou, fui dar uma conferida na casa da Diana, e pra minha surpresa, a terceira gravidez dela também foi de gêmeos. O casal foi agraciado com Gregório e Gretha. Agora ela e o marido estão com 6 crianças em casa e completamente desesperados...

Voltando pra casa da família principal, me deparo com Carla e Lisbeth grávidas. Carla teve Soraya, que puxou o cabelinho ruivo do pai, e Lisbeth teve Ellie. Sò nasce menina nessa casa, meudeus.



Como Elias trabalha como pintor, ele começou a fazer pinturas em telas em casa, e isso tem rendido uma boa graninha pra família. Ao final do Outono, Lisbeth decidiu aproveitar seu dom de cantar e tocar violino e entrou na carreira de Entretenimento. É a primeira mulher da família a conseguir um emprego. Ela inclusive estava incentivando Samantha a cantar também.

Cameron e Carla estão pensando em abrir um restaurante, mas eles ainda vão precisar juntar uma graninha a mais pra isso porque o investimento é altíssimo. Quem sabe na década que vem...
Basicamente a vida da família está assim: Carla cuida das crianças, da casa e das plantas enquanto Cameron, Elias e Lisbeth vão trabalhar. As meninas estão indo muito bem na escola e há uma possibilidade de irem pra universidade quando ficarem mais velhas.

Fazendo uma tour rápida pela vizinhança pra saber o que aconteceu com os outros familiares, o resumão ficou assim:

Lá em Willow Creek, Milena ficou viúva. John morreu de velhice e deixou os filhos órfãos, coitados. Henrique é adolescente e Regina é criança.
Giovane também morreu de velhice, e Dalila ficou sozinha com os filhos: Simone, que já é jovem adulta; Eliane, adolescente; e Tiago, criança.
Carlos e Catrina, adultos, estão felizes com Vitor, o filho deles que é criança.

Em Newcrest, Sophie e Lorenzo estão levando a vida após a morte de Kennedy. Sophie está quase chegando na velhice, e Lorenzo já é jovem adulto.
Muriel e Hans morreram de velhice e deixaram as filhas Ana e Sabina na casa. Ana virou professora e se casou com Josué Caldeira, um crítico da gastronomia local. Na lua de mel ela ficou grávida. Sabina, adolescente, continua estudando no ensino médio, mas não resistiu aos encantos de Sidney Shield, um escritor de livros de aventura. Eles se casaram e planejam ter filhos, mas só se ela não for pra faculdade.
Jacob, já idoso, demorou a conhecer Fran Sistur, mas foi amor a primeira vista e se casaram bem rápido. Ele ainda sofre muito pela perda do irmão mas ficou feliz quando soube que a esposa estava grávida.
Leonardo se casou com Diva e eles não tiveram filhos porque se dedicaram a cuidar dos seus irmãos gêmeos Paulo e Artur. Ao final da décadas eles já eram jovens adultos e agora que estão criados podem seguir com a vida.

Em Magnolia Promenade, Alicia e Albert são idosos e estão bem, continuam criando os filhos e todos estão muito felizes. Alexei e Hanzel já são jovens adultos e Harry e Mercy são crianças. Alexei e Hanzel ainda não se casaram.

Lá em Windenburg, além da família principal, também moravam Bernard e Lizandra com as duas filhas. Os dois morreram de velhice e as filhas, Ângela e Jessica, ficaram com a casa. Ângela se casou com Ferdinando Jiome, e Jessica se casou com Jaime Bruiser. Ângela ficou grávida no final da década.

Em Brindlenton Bay, Elisa e Leon, os filhos da falecida Isadore, já são adultos. Elisa se casou com Robson e foi morar na casa dele em Evergreen Harbor. Leon se casou com Viviane.
Eileen, quase chegando na velhice, continua morando com o irmão Fabrício. Ela se casou com Ross Hunter e não tiveram filhos. Fabricio se casou com Cristina.
Louis e Liene morreram de velhice e deixaram os filhos Liam e Loretta. Os dois são jovens adultos. Liam se casou com Wanda e Loretta se casou com Christian

E não, não encontrei o pobre coitado do Danilo from Além em lugar nenhum

Ao final da década, Carla e Lisbeth estavam assim:




Diana, Estevão e a penca, assim:



A família terminou a década de 40 com quase 30mil na poupança. Ainda não sei que tipo de reforma vou fazer na casa. Vou fazer umas pesquisas pra me inspirar. Agora resta contar com a sorte, pois nessa década tem mais uma Guerra, e nessa, além dos homens, as mulheres que são jovens adultas também vão como voluntárias. Socorro.