Wishlist #98 - Funko de Groundhog Day

14 de abril de 2021

Quem viveu o surto coletivo que foi os anos 90 deve lembrar do filme "Feitiço do Tempo", não é mesmo? O filme é um clássico protagonizado pelo ilustre Bill Murray, que vive Phil, um meteorologista intragável que ninguém suporta. Ele vai gravar uma matéria numa cidadezinha que está comemorando o Dia da Marmota, mas acaba ficando preso no tempo, sendo obrigado a viver o mesmo dia por milhões de vezes. Posso dizer com toda certeza que marcou minha infância/adolescência e hoje consigo ver a verdadeira aula de mindfulness que esse filme dá pra qualquer um. Sendo assim, quando soube que a Funko iria lançar um popinho dele, não pensei duas vezes em incluir o bendito com sua marmotinha na minha wishlist. Quero!



PS.: Em tempos de quarentena e isolamento, onde todo mundo está mais louco do que nunca, essa comédia é super indicada. Recomendo muito assistirem!

Maus - Art Spiegelman

2 de abril de 2021

Título: Maus
Autora: Art Spiegelman
Editora: Quadrinhos na Cia
Gênero: HQ/Graphic Novel
Ano: 2005
Páginas: 296
Nota:★★★★★
Sinopse: Maus, rato em alemão, é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu aos campos de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art Spiegelman. O livro é considerado um clássico moderno das histórias em quadrinhos. Foi publicado em 2 partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, o livro ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de Literatura. A obra é um sucesso estrondoso de crítica e público. Desde que foi lançada, tem sido objeto de análises e estudos de especialistas em diversas áreas, como artes, história, literatura e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as 2 partes reunidas num só volume. Nos quadrinhos, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas como gatos, e, americanos como cachorros e poloneses como porcos. Esse recurso, aliado à ausência de cor nos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Art, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para espaçar a dúvidas e inquietações. É implacável com o personagem principal, seu próprio pai, retratado como destemido e valoroso, mas também como mesquinho e racista. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.

Resenha: Na década de 80, o sueco Art Spiegelman iniciou algumas entrevistas com seu pai sobre as experiências vividas por ele na Segunda Guerra Mundial, e criou vários quadrinhos baseados nessas conversas. O resultado foi o lançamento do clássico moderno Maus (rato em alemão), que ganhou o prêmio Eisner em 1991 e o Pulitzer de Literatura em 1992. No Brasil ele foi publicado num em 2005 pelo selo Quadrinhos na Cia da Editora Companhia das Letras.
Confesso que apesar de ter lido Maus em 2012, eu ainda não sabia exatamente o que e como escrever sobre essa obra prima devido ao impacto que causou em mim, fui adiando a resenha até que esqueci, e agora, por ter sido convidada pela mybest Brasil para falar um pouquinho da minha Graphic Novel favorita, nada mais justo do que escolher essa obra clássica e super importante.

Quer conferir mais dicas e resenhas sobre HQ's, Mangás e Graphics Novels feitas por outros influenciadores literários? Espia aqui: https://mybest-Brasil.com.br/19524

Maus vai mostrar o ponto de vista de Vladek Spiegelman, um sobrevivente polonês de Auschwitz e de Dechau, famosos campos de concentração onde os judeus tiveram seus destinos marcados pra sempre. Vladek dá seu relato de quando era jovem e se casou com Anja, até ter sido confinado nos campos de concentração, onde presenciou e foi submetido às mais terríveis atrocidades cometidas pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. O próprio autor da obra, filho de Vladek, vai descobrindo aos poucos a história trágica do passado do pai; da mãe; e do irmão, Richieu. O interesse de Artie pela história e a profundidade do relato de Vladek constroem um retrato verídico, dramático e muito cruel acerca do sofrimento vivido em meio aos horrores do Holocausto. Também é possível notar características estereotipadas de um típico judeu em Vladek enquanto ele narra sua história: além de ranzinza e birrento, percebemos que sua experiência da guerra deixaram marcas indeléveis que acabaram mudando sua personalidade, sua visão de mundo e o transformou numa pessoa diferente do que fora antes do ocorrido.
(pág. 61)
Ilustrado em preto e branco e com figuras metafóricas onde os judeus são apresentados como ratos, os nazistas como gatos, os americanos como cães, dentre outras comparações do tipo onde cada país é representado por um animal diferente, acompanhamos uma história de luta e sobrevivência contada de forma tão inteligente quanto triste. Os quadrinhos e os pequenos diálogos retratam fatos históricos fortes e pesados de uma maneira que, ao mesmo tempo que incomoda, instiga o leitor e o faz questionar sobre liberdade, igualdade e moralidade. Algumas cenas são tão fortes que é impossível não ficar com os olhos cheios de lágrimas.
Existe alguns erros de concordância propositais nas frases, visto que se tratam da representação dos sotaques estrangeiros dos personagens.

Para quem quer saber mais sobre o Holocausto e procura por algo diferente do encontrado em livros com textos maçantes, vai encontrar em Maus uma história baseada em relatos reais de alguém que sobreviveu à Segunda Guerra, com trechos tocantes e ilustrações intensas o bastante para mexer com nossos sentidos, nos fazendo questionar sobre a humanidade ter falhado e ter ido tão longe de si mesmos. Esse é o tipo de leitura que deveria ser obrigatória, seja para fins de estudo, ou para tentarmos entender até onde alguém pode chegar em busca de poder.

Resumo do Mês - Já acabou, Março?

1 de abril de 2021


Mas que diacho de tempo voando é esse, Brasel? Achei que ficar em casa ia acabar me fazendo cair dura, mas a alegria de estar dando conta de conciliar meu tempo pra fazer de tudo um tanto anda me deixando mui feliz, obrigada. Olha essa lista, que satisfação, aspira:

- Colocando minhas séries em dia
- Lendo meus livros
- Ensinando o Theo ler e escrever
- Ajudando a Vitória com os exercícios que a escola manda toda semana
- Estudando tarô
- Decorando e comprando coisas úteis pra casa 
- Terminei meu cronograma capilar e meu cabelo nem parece meu cabelo, nem acredito
- Lavando meu cabelo 3x por semana em vez de 2x por mês 
- Passando do dia 500 jogando Don't Starve Together sozinha
- Testando receitas divinas de cuzcuz que aprendi 
- Dormindo tarde/acordando cedo
- Fazendo exercícios 

Mas o que interessa é isso aqui:

Caixa de Correio - #109 - Março

31 de março de 2021

Março já acabou e eu nem vi passar. Cheguei a não saber que dia já era, e quase deixei passar o aniversário do maridón (que ficou puto comigo, mas fazer o que... pra variar, a cabeça tá mais pra lá do que pra cá). E apesar da correria e da descabelância de sempre que é minha vida em isolamento com filhos, não nego que fiquei super feliz com tudo que comprei e recebi.

Enfim, espiem a caixinha desse mês:

O Impulso - Ashley Audrain

30 de março de 2021

Título: O Impulso
Autora: Ashley Audrain
Editora: Paralela
Gênero: Drama/Suspense
Ano: 2021
Páginas: 328
Nota:★★★★★
Sinopse: Blythe Connor está decidida a ser a mãe perfeita, calorosa e acolhedora que nunca teve. Porém, no começo exaustivo da maternidade, ela descobre que sua filha Violet não se comporta como a maioria das crianças. Ou ela estaria imaginando? Seu marido Fox está certo de que é tudo fruto do cansaço e que essa é apenas uma fase difícil. Conforme seus medos são ignorados, Blythe começa a duvidar da própria sanidade. Mas quando nasce Sam, o segundo filho do casal, a experiência de Blythe é completamente diferente, e até Violet parece se dar bem com o irmãozinho. Bem no momento em que a vida parecia estar finalmente se ajustando, um grave acidente faz tudo sair dos trilhos, e Blythe é obrigada a confrontar a verdade. Neste eletrizante romance de estreia, Ashley Audrain escreve com maestria sobre o que os laços de família escondem e os dilemas invisíveis da maternidade, nos convidando a refletir: até onde precisamos ir para questionar aquilo em que acreditamos?

Resenha: Quando Blythe aceita a pressão do marido para terem um filho, ela ansiava ser uma mãe perfeita e acreditava que a maternidade transformaria sua vida para melhor, mas as coisas não saem conforme o esperado. A depressão pós parto, as cobranças, e o cansaço extremo impedem que Blythe aproveite a maternidade como ela gostaria. Pra piorar a situação, a medida que Violet, a filha do casal, cresce, Blythe começa a perceber que ela não é como as demais crianças, seu comportamento é diferente e que é possível que exista algo de errado - e muito ruim - com a menina. Fox, o marido, sempre a desencoraja por menor que sejam suas suspeitas com relação à filha, faz com que ela acredite que o esgotamento que a maternidade lhe trouxe é o que a deixa cheia de impressões equivocadas, e que ela está vendo coisas. Mas, alguns anos depois, numa tentativa de melhorar o casamento, o casal decide ter outro filho, e a experiência com a gravidez e o nascimento de Sam é totalmente oposta a de Violet, e, dessa vez, Blythe realmente encontra alegria e prazer em ser mãe. Mas um terrível acidente faz o mundo dela desmoronar, e Blythe não tem outra escolha a não ser enfrentar a realidade e todas as verdades dolorosas que vem com ela.

A história é narrada em capítulos bem curtinhos e de forma epistolar, direcionada a Fox, onde Blythe conta tudo o que passou desde o nascimento de Violet até a atualidade. Logo no início já acompanhamos a protagonista indo lhe entregar essas cartas para que ele saiba seu ponto de vista sobre os fatos, e é a partir da leitura dessas cartas que a história começa. Intercalando os capítulos, também há algumas passagens que ocorreram entre os anos 60 e 70, mostrando a vida complicada e desprovida de afeto com a mãe e a avó de Blythe que vem ocorrendo por gerações, e como essa relação a afetou a ponto de ela querer fazer tudo diferente quando se tornou mãe para agradar o marido e formarem aquela família feliz de comercial de margarina. Mas aí entra o questionamento sobre a protagonista, que veio de uma família completamente desestruturada, e que faz com que o leitor às vezes não a considere a pessoa mais confiável pra se ouvir/ler. O quão difícil é pra uma mãe sentir que não existe vínculo com a filha que ela própria gerou, amamentou e cuidou, e que esse sentimento só piora com o passar do tempo? Como saber se não foi exatamente isso acabou moldando a personalidade de Violet? Não seria essa rejeição o que faz com que Blythe pense que existe alguns problemas com a filha, ou será que a psicopatia e a crueldade também pode estar presente em uma criança aparentemente indefesa, mas isso é algo que ninguém quer admitir que existe? A própria Blythe questiona a própria sanidade, e se as coisas que ela percebe realmente aconteceram ou se são apenas fruto de sua imaginação.
"Violet tinha uma mente brilhante, fascinante, e às vezes eu desejava ter acesso a ela. Ainda que temesse o que poderia encontrar."
- Pág. 114
Apesar de fluída e envolvente, a história é um drama que se mistura a um thriller psicológico, mostrando os acontecimentos trágicos envolvendo não só o comportamento de Violet, mas o peso da maternidade real, todas as indagações de Blythe que vem a tona sem que alguém lhe dê qualquer crédito, e todas as cicatrizes e amarguras do passado que ela carrega (e que talvez estejam influenciando o que ela está vivendo como mãe). Ao mesmo tempo em que percebemos a dor e a agonia da protagonista, também ficamos agoniados para saber o que vai acontecer, como as coisas vão se desenrolar, e como vão ser descobertas e resolvidas.

A autora consegue trazer reflexões sobre qual seria o papel da mulher diante da sociedade; sobre como a mulher deixa de ser mulher pra se tornar mãe; sobre o poder do homem de tomar todas as decisões e de ter a palavra final só por ser o provedor do lar; sobre a culpa e a romantização da maternidade; sobre a mulher ser exatamente aquilo que esperam que ela seja, baseado em preceitos conservadores e ultrapassados; sobre aceitar que nem sempre os filhos vão corresponder as expectativas de suas mães, e vice versa. Talvez, para quem seja mãe e tenha enfrentado o peso e o esgotamento físico e mental que a maternidade proporciona, o livro inteiro vai ser um enorme gatilho, mas ainda assim é uma leitura muito válida para todos saberem e/ou reconhecerem que a maternidade pode ser linda pra quem vê, mas nem sempre pra quem vive.

Acho que, depois de tantos desabafos que já fiz aqui no blog, posso abrir esse parágrafo só pra falar sobre o sentimento que essa história causou em mim, e o que pode ser o motivo de causar alguns gatilhos em quem vive ou viveu essa realidade. Confesso que fiquei o livro inteiro com uma bola na garganta, pensando sobre ser mãe; sobre ficar entre tentar superar as expectativas que todo mundo coloca sobre mim ou simplesmente ligar o botão do f*da-se e empurrar essa responsabilidade como dá; sobre estar tão esgotada, física e mentalmente, que definhar a ponto de querer desistir é inevitável; sobre como a depressão é uma coisa que muitos ainda não levam a sério; e, por mais inexplicável e incrível que pareça, sobre como a maternidade pode ser a coisa mais solitária da vida de uma mãe. E por conseguir me enxergar no lugar de Blythe em várias situações que ela passou e que só quem vive sabe como é, eu simplesmente não consegui duvidar da narrativa dela em momento algum, por mais desvairada que ela pudesse parecer, porque eu também já me senti assim por tantas vezes que é impossível contar...

O Impulso traz uma história tão impressionante quanto perturbadora, mostrando tanto as mazelas quanto as alegrias da maternidade como ela é, e também que a maldade tem sim uma origem, e pode vir de quem menos se espera.

Wishlist #97 - Funkos de Onward

18 de março de 2021

Meudeus, como assim depois de ter assistido e super curtido Dois Irmãos eu esqueci de fazer a wishlist de pops deles? Mas antes tarde do que nunca. Pra quem quer saber minha opinião sobre essa animação da Disney que fala sobre a jornada de dois irmãos órfãos em busca de um último encontro com o pai, clica aqui. E pra quem quiser ver quais foram os pops que a Funko lançou, espie abaixo:


Não acho que vou completar todo o set dessa coleção. Acho que só o Ian e o Barley já estão bons, e talvez o pai. Os outros já não me chamaram muito a atenção e vão ficar de fora.

Novidades de Março/Abril - Magicae - Darkside Books

15 de março de 2021


É hora de celebrarmos a mágica que existe em nossa essência. Magicae é uma coleção inteiramente dedicada aos mistérios das bruxas, com livros que honram os poderes ancestrais, cultuam as leis da natureza e conectam todas as linhas editoriais da DarkSide®️ Books.
Magicae celebra a vida, as fases da lua, as marés internas e os mistérios dos oráculos. Livros repletos de encantamento que honram os poderes ancestrais e cultuam as leis da natureza. A magia que mora no farfalhar das folhas, na alquimia dos aromas, no sopro do vento e no virar das páginas também existe em todos nós. Magicae é o reencontro com a nossa própria essência.
No mês em que homenageamos a coragem e a resistência das mulheres, preparamos os mais poderosos feitiços para encantar o coven Darkside

Bruxas Literárias - Taisia Kitaiskaia
Elas teceram enredos imortais e conjuraram personagens inesquecíveis. O primeiro lançamento da coleção Magicae convoca todos a darem as mãos em uma celebração da força e do poder das mulheres através dos tempos. A DarkSide® Books conjura o livro Bruxas Literárias, obra que reúne trinta autoras que transformaram a história da literatura.
Escritoras como Mary Shelley, Agatha Christie, Audre Lorde, Emily Brontë e outras bruxas, unidas para formar um círculo em DarkLove. E a edição brasileira chega com uma galeria de ilustrações fascinantes de três bruxas literárias nacionais: Carolina de Jesus, Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles. Um livro encantador e enfeitiçado.

Bruxa Natural: Guia Completo - Arin Murphy-Hiscock
A figura da bruxa fascina a humanidade há gerações. Curandeiras, benzedeiras, avós, mães. Para a autora Arin Murphy-Hiscock, ser uma bruxa é apropriar-se da força interior, honrar a ancestralidade e também estreitar o laço com a natureza.
O livro é um guia da bruxaria verde para quem deseja explorar os presentes da natureza e encontrar equilíbrio e harmonia, despertando a magia que está em todos nós. Reúne receitas, exercícios, sugestões de rituais e orientações para fazer poções e misturas de ervas. Aprenda sobre plantas, árvores, cristais e outras magias.

O Livro Mágico para Jovens Bruxas - Ariel Kusby
Para ser bruxa não é necessário fazer objetos voarem, passear por aí em uma vassoura ou ler mentes. Praticar a bruxaria, na verdade, tem muito mais a ver com estar em sintonia com você mesma e fazer bom uso da sua individualidade, da sua inteligência e da sua bondade.
Bruxinhas já iniciadas ou que estão aguardando o começo do treinamento vão adorar O Livro Mágico para Jovens Bruxas. Inspirada pelo folclore e pela magia da natureza, Ariel Kusby escreveu um guia adorável de feitiços, poções e atividades para resolver problemas, fazer amigos e estabelecer um vínculo com o mundo natural.

Grimório das Bruxas - Ronald Hutton
As bruxas estão por toda parte. É com a lua cheia iluminando o coração da floresta que a Macabra Filmes e a Darkside® Books apresentam o lançamento da coleção Magicae, Grimório das Bruxas.
Combinando história, folclore, mito e mistério, o livro apresenta uma pesquisa profunda, analisando a bruxaria e seus contextos, crenças e origens históricas e culturais. Uma obra completa feita sob medida para feiticeiras e feiticeiros. Grimório das Bruxas chega ao nosso mundo em duas edições: 
Moon Edition e Witchcraft Edition
Entender a história da bruxaria é o primeiro passo para um amanhã cada vez mais mágico.




Na Telinha - Raya e o Último Dragão

11 de março de 2021

Título: Raya e o Último Dragão (Raya and the Last Dragon)
Elenco: Kelly Marie Tran, Awkwafina, Gemma Chan, Alan Tudyk, Daniel Dae Kim, Sandra Oh
Gênero: Animação/Fantasia/Aventura/Distopia
Ano: 2021
Duração: 1h 57min
Classificação: Livre
Nota★★★★★
Sinopse: Há muito tempo, no mundo de fantasia de Kumandra, humanos e dragões viviam juntos em harmonia. Mas quando uma força maligna ameaçou a terra, os dragões se sacrificaram para salvar a humanidade. Agora, 500 anos depois, o mesmo mal voltou e cabe a uma guerreira solitária, Raya, rastrear o lendário último dragão para restaurar a terra despedaçada e seu povo dividido. No entanto, ao longo de sua jornada, ela aprenderá que será necessário mais do que um dragão para salvar o mundo – também será necessário confiança e trabalho em equipe.

Kumadra era o verdadeiro paraíso. Há 500 anos a terra era fértil, abundante, e humanos e dragões mágicos coexistiam na mais perfeita harmonia. Os dragões ajudavam os humanos trazendo água, chuva, e paz. Mas um dia a terra foi ameaçada pelos Druun, criaturas sombrias que se multiplicavam como pragas, e não causavam só a destruição, mas consumiam a vida de quem cruzasse seus caminhos, as transformando em pedras.
Os dragões, então, se sacrificaram para salvar a humanidade, e a única coisa que restou após a batalha foi a Jóia do Dragão, artefato mágico criado com o poder dos dragões, e capaz de destruir os monstros. A batalha se tornou uma lenda, e Sisu ficou conhecida como o dragão que derrotou os Druun e salvou Kumandra. Porém, em vez dos humanos darem valor ao sacrifício feito pelos dragões e manterem a paz e a harmonia, eles se tornaram inimigos, se dividiram em tribos, traçaram fronteiras para separar Kumandra em reinos distintos, e passaram a lutar pela posse da Jóia.



Com tantos conflitos, Kumandra deixou de existir como um único reino, e cada sub reino formado desenvolveu suas próprias características que os tornaram únicos: O deserto escaldante de Cauda está cheio de mercenários perigosos; Garra é um mercado sobre as águas habitado por lutadores muito ágeis; Presa é protegida por assassinos e gatos gigantes tão perigosos quanto seus donos; a floresta fria e sombria de Coluna é guardada por temíveis guerreiros; e Coração é o reino da paz, onde há abundância e prosperidade, e é onde a Jóia está escondida.



Agora, Chefe Benja, guardião da Jóia (e também pai de Raya), numa tentativa de unir as tribos e retomar a paz, convoca todos os cinco reinos afim de tentar fazer com que entendam de uma vez por todas que é preciso união e confiança entre os povos para que Kumandra volte a existir, caso contrário, a desconfiança e o ódio só os levarão à ruína, porém nada do que foi planejado correu como deveria, e a história de 500 anos atrás, se repetiu: os Druun ressurgiram causando devastação e transformando todos em pedra.
Seis anos depois, em meio a um cenário árido e distópico, Raya, junto com seu inseparável tatuzinho Tuk Tuk, passou a explorar o que sobrou das terras, enfrentando perigos e procurando nos rios qualquer vestígio de Sisu, numa tentativa secreta de encontrá-la e, com a ajuda dela, trazer todos aqueles que foram petrificados de volta, mas Namaari, sua adversária de Presa, sempre vai estar em seu caminho.



Como de costume, toda animação da Disney se passa em algum lugar fictício com características culturais muito marcantes de lugares reais, e Raya e o Último Dragão não é diferente. Baseado na cultura de países do sudeste asiático, como Tailândia, Malásia, Indonésia, Filipinas, entre outros (obrigada pela cola, Wikipedia), o longa evidencia comidas típicas, fenótipos, vestuário e afins desses países. Os próprios dubladores têm características físicas orientais, tanto por serem asiáticos ou por serem descendentes de um.
A história gira em torno do tema confiança e união entre as pessoas, e o que a falta delas causam na vida. A construção de mundo é incrível e a ideia de reinos distintos lembra muito a sociedade de Zootopia, e é impossível controlar a vontade de saber mais detalhes sobre o modo de vida, como e porquê as pessoas se tornaram tão egoístas, e o que mais fazem além da descrição inicial que os resume.



O cenário e os gráficos em si são um dos mais bonitos já vistos numa animação, desde as texturas dos elementos, a luz do sol que entra por uma fresta, a chuva molhando alguém, a sincronia da fala e o movimento da boca dos personagens e, principalmente, os detalhes que diferenciam cada indivíduo de forma que não pareçam todos iguais, como acontece em outras animações. Mesmo que o mundo esteja desolado, ainda é possível enxergar beleza pois ainda há esperança. Cada ambiente traz uma paleta diferente que combina muito bem com a proposta daquele reino, como por exemplo, a floresta gelada de Coluna que é cinzenta, o deserto de Cauda que é bem alaranjado, e o verde que pode representar uma vida próspera é bem evidente em Coração. O recurso de alternar o estilo gráfico quando alguns detalhes aparecem para explicar melhor a história também é ótimo e super dinâmico.



Os personagens também são ótimos e tem arcos e papeis importantes no desenrolar da trama, mas o maior e mais legal de todos, com um contraste bem evidente, é entre Raya e Sisu. Embora elas queiram a mesma coisa, a forma como encaram a vida e resolvem suas questões é totalmente oposta uma da outra. Raya não confia em ninguém, não consegue mais enxergar o melhor nas pessoas porque ali é cada um por si, ela é amargurada por ter sido traída no passado e acaba usando isso como um tipo de escudo para impedir que os outros tentem se aproximar. Ela já começa se mostrando alguém forte, mesmo que quebrada, sempre fica de cara fechada, é uma guerreira solitária e destemida, sem tempo a perder, e nada nem ninguém vão impedir que ela alcance seu objetivo de salvar o pai. Raya tem um coração enorme, mas as decepções que teve fazem com que ela não demonstre isso. Talvez ela aparente ser um tanto individualista, e até desprovida de qualquer pinguinho de otimismo, mas ela aprendeu a ser assim devido as circunstâncias.



Sisu é oposto, tanto no visual quanto na personalidade. Ela inclusive destoa bastante dos demais personagens, como se não combinasse com o padrão da animação, mas acredito que ela foi criada dessa forma, colorida, iluminada e radiante, justamente pra mostrar a diferença e o abismo que há entre pessimismo e otimismo, amargura e bom humor, raiva e alegria, cautela e vontade de dar uma chance, falta de fé e esperança. Ela quer ajudar a salvar o reino, mas é ingênua demais, sempre tenta enxergar o melhor nas pessoas por mais maldosas que aparentem ser, sempre está bem humorada e brincando mesmo quando não se deve, e quer provar pra Raya que ter confiança nos outros, independente de quem seja, é a melhor maneira de resolver os problemas e salvar o reino dos Druun. Mas, num mundo onde ninguém está disposto a ceder e nem a ouvir o que o outro tem a dizer, quando há lutas intermináveis para se conquistar algo para benefício próprio, e onde a ignorância deixa de ser uma benção para se tornar uma maldição, é difícil lidar... É difícil tomar decisões, e às vezes é preciso apenas seguir ordens, mesmo que no fundo fique claro que o medo de uma suposta retaliação é maior do que fazer a escolha certa. E é aí que entra a rival de Raya: Namaari.



Namaari, apesar de sempre estar no caminho de Raya tentando descobrir seus planos, perseguindo e atrapalhando ao máximo, não é uma vilã propriamente dita, ela só foi levada a acreditar em algo desde a infância em prol de seu povo, e acha que o caminho é sempre obedecer e lutar pelo que quer que seja, logo, embora eu tenha discordado total e ficado com ódio da forma como ela age, é compreensível pois ela tem um motivo que justifica o que ela faz. Inclusive um ponto interessante sobre a inimizade dos reinos vem do fato de que as vezes as pessoas acreditam naquilo que ouvem falar, mas que, claro, não necessariamente correspondem com a realidade...



Assim, Raya em companhia de Tuk Tuk, Sisu, e o grupo que elas formam a medida que avançam na missão, com integrantes de reinos distintos, incluindo uma bebê ninja e golpista com seus macacos delinquentes, um guerreiro que não parece saber lidar com os próprios sentimentos, e um garotinho que teve que aprender a cuidar de si mesmo, além de ajudarem com a carga dramática que vem ao final, vão tentar reparar esse estrago causado pela desunião dos povos, mesmo que Namaari insista em se intrometer, e mostrar que no meio desse caos, alguém precisa ceder e dar o primeiro passo pra mudança começar a acontecer.

Acredito que nessa animação não há um vilão do tipo clássico, que quer destruir o mundo, ou que quer dar um golpe e acabar com os mocinhos em busca de poder, acho que os Druun também não se encaixam como vilões, mas como uma consequência de péssimas decisões. O maior vilão aqui é o egoísmo, é a desunião, é a falta de diálogo, é a incapacidade de se chegar num consenso por só se pensar no individual em vez do coletivo. E cá entre nós, nos dias de hoje, com tanta tragédia acontecendo devido a essa pandemia tenebrosa, com a irresponsabilidade dos governantes que tiram decisões do bueiro, impõe qualquer absurdo e azar o povo, e com tanta gente imprudente a solta que não pensa em nada além do próprio umbigo, o que a gente vê na animação acaba indo mais além da ficção e da fantasia e é impossível não pensar que o fim está mesmo próximo... É literalmente cada um por si, e salve-se quem puder. E, talvez, pelo próprio estilo da animação, que remete a distopia e fim dos tempos, não teve espaço pra personagens sentimentais cantarolando empolgados e felizes e nem algum boy que possa sugerir qualquer interesse romântico, e aposto que mesmo se existisse ninguém estaria interessada, obrigada. 



A Disney, apesar de estar acertando demais, vem caminhando em passos mui lentos quando o assunto é representatividade LGBTQ+, e ainda acho que vai demorar um bom tempo até que os personagens realmente demonstrem explicitamente algum relacionamento, mas, não nego que a quebra total de estereótipos daquela típica princesa ingênua e indefesa (e sonsa), que espera pelo príncipe encantado, já é um grande avanço, e isso nos permite supor que Raya e Namaari possuem algo a mais que vai além da rivalidade, da luta pela sobrevivência e da busca pelos seus ideais. A química ali é inegável. Elas estão a anos luz de serem donzelas indefesas, elas metem a porrada mesmo, sem dó nem piedade, pisam duro, as lutas são brutais, beirando a letalidade, e, mesmo sabendo que a Disney jamais iria enfiar uma cena bizarra e sanguinolenta numa animação, as brigas de espadas causam uma apreensão danada, dando a impressão que a qualquer momento as tripas de alguém vão escorrer ou uma cabeça vai sair voando por aí.



O final é previsível, não vou negar, mas o rumo que a história toma até o desfecho é incrível, emocionante, cheia de significados, digna de reflexões. Chorei litros no final, chorei mesmo. É o tipo de desenho que eu posso ver e rever milhões de vezes sem cansar (igual Mulan XD).
Dito isso, só posso afirmar que, depois de Mulan, Raya se tornou a minha segunda princesa da Disney favorita, e depois dessa aventura cheia de ação e magia, acho difícil aparecer alguma outra que a desbanque. Quero todos os pops na minha mesa já.

Com estreia simultânea, Raya e o Último Dragão pode ser assistido nos cinemas (mas cuidado com a pandemia, gente!) ou no conforto de casa pela Disney+ pela incalculável bagatela de R$69,90 além da assinatura mensal do app de streaming. A partir de 23 de abril a animação entrará no catálogo e poderá ser assistida sem cobrança adicional.

Wishlist #96 - Funkos de Raya and the Last Dragon

7 de março de 2021

A primeira coisa que um colecionador de Funko Pop faz quando acaba de assistir qualquer coisa que goste é o que? Sim, ir procurar os pops dos personagens pra enfiar na coleção. E depois que assisti Raya e o Último Dragão, a mais nova animação da Disney, não foi diferente. A crítica sai em breve aqui no blog (e já adianto que amei, chorei que nem louca no final), e espero que esses lindos cheguem aqui rapidinho pq eu simplesmente necessito dessas princesas nada convencionais na minha humilde coleção.

Caixa de Correio #108 - Fevereiro

28 de fevereiro de 2021

Fevereiro foi um mês que passou tão rápido que nem vi. Depois de anos vivendo pra cuidar dos outros e esquecendo de mim, resolvi que se eu não me olhar no espelho e gostar do que vejo, estou lascada. Sendo assim, resgatei do fundo do baú aquele projeto que inventei fazer pouco depois da Vitória ter nascido, o Desengorda e Desembaranga, que já devo ter comentado em alguma ocasião, mas que abandonei lá em 2014 e nunca mais dei ideia.

No final desse mês de Fevereiro, apesar de eu ter comprado dois pops e pagado o restante de uma encomenda de outros dois que fiz em Dezembro, os benditos ainda não chegaram aqui em casa, então, não teve popinhos fofos na caixinha. Acabou que o dimdim que eu gastaria (sem poder) aumentando minha coleção, eu decidi investir nuns produtos cabelísticos pra começar a fazer um cronograma capilar e cuidar dessa piruca esganiçada que ainda chamo de cabelo. Tem umas duas semanas que comecei a cuidar do abençoado e já percebi uma melhora considerável. Embora eu ainda não tenha tido coragem o suficiente pra começar a desengordar (fiz dois dias de exercícios em casa e não aguentei mais, quase morri), pelo menos comecei a dar um trato no meu cabelo que além de parecer ter 10 míseros fios, ainda parecia uma espiga assustada, e isso já ajudou a dar um pequeno up na minha autoestima que tava lá no fundo do próprio poço.

Continuo estudando meu tarô, tanto que comprei mais três decks importados e maravilindos pra me ajudar com meus estudos (eu adoro e acho super útil fazer comparações das ilustrações e elementos de uma mesma carta), continuo lendo sobre esoterismo, mitologia, magia e bruxaria natural, e confesso que isso anda me fazendo um bem danado. A paz interior que estou alcançando e a conexão com a natureza que eu tinha perdido há anos e agora tô recuperando, é algo que não tem preço.

Enfim, espiem a caixinha desse mês:

Eu Fico em Silêncio - David Ouimet

24 de fevereiro de 2021

Título: Eu Fico em Silêncio
Autor: David Ouimet
Editora: Companhia das Letrinhas
Gênero: Quadrinhos
Ano: 2021
Páginas: 56
Nota:★★★★☆
Sinopse: Um livro ilustrado emocionante para leitores de todas as idades que faz uma linda homenagem aos livros e à esperança que as histórias nos trazem. Uma garota tímida e introvertida se sente deslocada no mundo tão barulhento em que vivemos. Mas o poder da imaginação e o conforto dos livros podem trazer a esperança de que sua voz finalmente seja ouvida…
Nesta história emocionante para pequenos e grandes leitores, somos convidados a refletir sobre nosso lugar no mundo e o poder transformador que uma boa história pode ter na vida de alguém.

Resenha:
 Eu Fico em Silêncio, do autor David Ouimet, traz a história de uma garotinha bastante introvertida que se esforça diariamente para ser ouvida em meio a uma multidão de alienados que aparentam ser o que não são. Ela, então, encontra refúgio nos livros, e percebe que existe, sim, um lugar onde ela jamais vai se sentir sozinha, e vai poder fazer valer sua voz, até descobrir que isso pode ser feito dentro ou fora das páginas...

As ilustrações remetem a algo industrial, sombrio e melancólico, onde todos os personagens parecem estar vivendo numa distopia, com um padrão de comportamento robotizado e automático, como se só existisse uma maneira de ser e agir.



O estilo da obra lembra livrinhos infantis, mesmo que eu não tenha achado nada infantil, com pequenas frases soltas pelas páginas cobertas por grandes ilustrações, que são escuras e meio assustadoras, e representam bem a mesmice, algo que lembra uma fábrica de educação onde todos usam máscaras iguais. Ilustrações e frases soam poéticas, evocativas e fazem uma boa combinação, além de transmitir o sentimento ao qual todos alí estão condicionados. A ideia de alguém que vive em silêncio sem poder se expressar é bastante relevante e atual, mas talvez pelo toque escuro dessas ilustrações, não nego que existe um quê de opressão.

Eu Fico em Silêncio é um livro ilustrado com apenas 56 páginas, mas que consegue transmitir uma mensagem bastante profunda sobre ter coragem e esperança, sobre se encontrar, sobre ser a mudança, e sobre se descobrir. Ser introvertido e permanecer em silêncio diante de várias questões é direito de todos, mas, querer ser ouvido quando se tem algo a dizer, também.

Resumo do Mês - Janeiro da descoberta

1 de fevereiro de 2021


Janeiro passou rápido demais. Não sei se foi impressão minha, não sei se é pelo fato de eu estar com a vida bem corrida e focada nos meus estudos de tarô (que estou adorando inclusive), nos livros sobre o sagrado feminino e o quanto isso tá me ajudando num tipo de jornada de amor próprio (o que tá sendo ótimo pra mim), e senti que janeiro passou em 5 minutos. Ainda assim, consegui colocar todas as resenhas dos livros que eu tinha que resenhar em dia e nem acredito que dei conta, apesar dos perrengues e de 2020 ter quase sugado minha alma. Não foi muita coisa, eu sei, mas foi o que pude fazer.
Ainda pretendo colocar o blog de volta a programação normal e cheguei até a pensar em reativar o canal do blog no youtube, mas já desisti dessa ideia logo, porque ainda não tô com a estima muito alta pra aparecer em vídeo com minha cara de morta e acabada. Mas quem sabe um dia... Até lá, vamo seguir com o bloguito.

Caixa de Correio #107 - Janeiro

31 de janeiro de 2021

Dando continuidade ao meu projeto de ficar o mais zen possível, coloquei mais uns livrichos na wishlist da Amazon e saí comprando ao longo do mês. Alguns popinhos também chegaram pra engordar a coleção um pouco mais, com direito ao famigerado e raríssimo Basilisco, de HP, que tá super difícil de achar num preço decente, mas grazadeus que consegui. Agora, dos pops mais antigos, só falta o pack das criaturas, e o mais novo do último evento que é a Molly com a Toca. E que venha os próximos lançamentos de HP (que já vi que vão ser os patronus do Lupin, Snape e Dumbledore) que não acabam nunca mais. Espiem:

Wishlist #95 - Funko de Chilling Adventures of Sabrina

25 de janeiro de 2021

Já faz um tempo que a série O Mundo Sombrio de Sabrina foi lançada na Netflix, mas só agora, com o recente lançamento da quarta e última temporada, é que resolvi começar a assistir. Nem preciso dizer que adorei, e não pude deixar de colocar o popinho na lista. Este já foi lançado pela Funko faz um tempinho, mas ele logo esgotou e sumiu das lojas. Agora ele voltou pelo dobro do preço porque já valorizou, e tive que comprar pra aproveitar enquanto não aumenta ainda mais... Quem aguenta essa vida de colecionador? Pelo menos é um "set" de um pop só...



Desafio de Leitura 2021 - Seguinte

24 de janeiro de 2021



Mais um ano, e com ele mais um desafio literário que pretendo cumprir. A Editora Seguinte propôs esse desafio super legal e eu já quis colocar na meta de leituras de 2021 pra tentar voltar com pelo menos parte da rotina literária dessa pessoa que vos fala.
São apenas 10 livros e achei a proposta bem bacana e fácil de ser cumprida.
  • Um livro escrito por uma pessoa negra
  • Uma continuação de série
  • Um livro com mais de 500 páginas
  • Uma história em quadrinhos
  • Um livro que você comprou há mais de 2 anos
  • Um livro muito hypado
  • Um livro de não ficção
  • Um livro com representatividade LGBTQIA+
  • Um livro nacional
  • Um livro que você comprou pela capa
Se quiser fazer, fique a vontade, espia a publicação original e marca a Seguinte lá no Instagram pra eles verem que você entrou nessa também. Bora participar?

Trocas Macabras - Stephen King

19 de janeiro de 2021

Título:
 Trocas Macabras
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Gênero: Suspense/Fantasia
Ano: 2020
Páginas: 656
Nota:★★★★☆
Sinopse: Castle Rock, na Nova Inglaterra, é um lugar tranquilo para se viver. Mas a chegada de Leland Gaunt desestabiliza a cidade através do preconceito, ódio, fraqueza e cobiça, provocando mortes e sofrimentos. Gaunt consegue isto através de uma loja de utilidades, que sempre tem algo especial para cada morador, que para conseguirem o que desejam pagam um preço simbólico para Leland, além de conceder a ele um simples “favor”.

Resenha: Castle Rock, que serve como pano de fundo de várias outras histórias horripilantes de Stephen King, é uma cidadezinha pacata, com moradores ilustres e suas questões banais, onde tudo - de pavoroso - pode acontecer. Desta vez, a chegada do misterioso Leland Gaunt e a inauguração da "Artigos Indispensáveis", uma loja que vende de tudo que se possa imaginar, vai despertar o interesse dos moradores e, consequentemente, desencadear situações e acontecimentos tão inevitáveis quanto terríveis.

Basicamente, quem entra na loja sempre vai encontrar aquilo que mais deseja, e mesmo que o preço seja inacreditavelmente simbólico, vai variar pra cada cliente, incluindo o fato de que para levar o item, também é preciso fazer alguns favores ao Sr. Gaunt, os quais definem bem o título da obra. E embora pareçam favores bobos e inofensivos, alguns inclusive que não passam de travessuras infantis, aos poucos, desestabilizam a cidade e vão se tornando cada vez mais sombrios, causando dor, sofrimento e mortes, e virando uma gigantesca bola de neve, afinal, todo desejo tem seu preço, e cabe a pessoa ser capaz de enxergar se é um preço que realmente vale a pena pagar, ou se vai haver tempo pra se arrepender...

Em meio a toda essa "diversão", Gaunt sabe que o xerife da cidade, Alan Pangborn, é o único entre os moradores que pode estragar seus planos, sendo assim, ele vive criando situações "urgentes" pra desviar a atenção de Alan a fim de impedir que ele entre na Artigos Indispensáveis e essa apresentação seja formalizada.

Sendo assim, com o desenrolar dos fatos e várias tragédias acontecendo, o xerife consegue pistas que apontam pro dono da loja e o mistério começa. A curiosidade do leitor em saber quais as consequências de um favor e quem vai ser a vítima da vez, e quando, enfim, Gaunt será confrontado e desmascarado, é inevitável.

Gaunt é uma figura demoníaca, manipuladora e extremamente cruel, que traz à tona o que há de pior nas pessoas, e assim como todos os livros de King, este também tem personagens bem construídos, consistentes e cheio de camadas, que mostram o quanto o passado de cada um deles foi marcado por alguma tragédia que deixou cicatrizes que eles carregam até hoje. E, claro, Gaunt conhece as feridas mais profundas que eles possuem e, astutamente e da forma mais manipuladora possível, vai usar isso a seu favor.

O ritmo da leitura é lento e um tanto arrastado, pois uma das características na escrita do autor é dar todos os mínimos detalhes possíveis, seja de cenários, personagens, o que estão fazendo, o que estão sentindo e o que estão pensando, fazendo uma construção completa de cada um e mostrando quem é e o que fez para o conhecermos melhor. Ao saber do passado e do presente desses personagens, vemos que sua existência não serve apenas pra preencher as páginas, mas que se estão alí não é por acaso, é por algum propósito maior e que mais cedo ou mais tarde o futuro deles virá a tona após percebermos que todos têm alguma ligação entre si, formando um grande arco de desastres.

Um ponto bem interessante e curioso é que o leitor vai encontrar referências e alguns spoilers de outras obras do autor, mostrando o que aconteceu com alguns dos personagens, como é o caso de A Metade Sombria, Zona Morta e Cujo, que também se passa em Castle Rock. Pra quem não leu esses livros, não vai fazer muita diferença, e pra quem leu, tenho certeza que vai curtir bastante a ideia de saber um pouco mais desses personagens.

No mais, é leitura obrigatória para os fãs de Stephen King, que traz todos os elementos que mexem com nossas emoções: causam medo, apreensão e ansiedade, independente do quão absurdos e exagerados possam ser, e Trocas Macabras se destaca por mostrar explicitamente que o valor do que se quer é definido pela necessidade que se tem.

1984 (HQ) - George Orwell e Fido Nesti

14 de janeiro de 2021

Título:
 1984 - Edição em Quadrinhos
Autor: George Orwell
Ilustrador: Fido Nesti
Editora: Quadrinhos na Cia
Gênero: Distopia/HQ
Ano: 2020
Páginas: 224
Nota:★★★★★
Sinopse: No traço magistral do artista paulistano Fido Nesti, a obra mais poderosa de George Orwell ganha sua primeira adaptação para os quadrinhos. 1984 conta a história do angustiado Winston Smith, refém de um mundo feito de opressão absoluta. Em Oceânia, ter uma mente livre é considerado crime gravíssimo. Numa sociedade em que a mentira foi institucionalizada, Winston se rebela e, em seu anseio por verdade e liberdade, arrisca a vida ao se apaixonar por uma colega, a bela Julia, e se voltar contra o poder vigente. Publicada originalmente em 1949, a profecia de Orwell encontra seu rosto neste romance gráfico extraordinário.

Resenha: Depois das resenhas que publiquei de duas edições da obra clássica de George Orwell, venho com mais esta versão em HQ, que é de um dos últimos lançamentos do selo Quadrinhos na Cia, da Companhia das Letras. Esta resenha é um resumo da resenha anterior juntamente com uma análise das ilustrações, considerando o que essa edição adicionou a experiência tão fantástica quanto perturbadora que é ler 1984.


Assim como no original, acompanhamos o mundo opressor onde o livre arbítrio é considerado crime. Qualquer coisa que vá contra os ideias do Partido, o governo totalitário instaurado em Oceânia, é severamente punido, e todos devem seguir suas regras, se privando de liberdade e até de pensamentos, afinal, tudo é controlado, todos estão sendo observados, e nada escapa dos olhos do Grande Irmão, o ditador "invisível", reverenciado e amado pelo povo.


E nesse contexto, Winston Smith, mais um refém desse poder, ansiando por liberdade, não só arrisca sua vida quando se apaixona por Julia, como se volta contra esse sistema.


Os traços do ilustrador e a diagramação em si atribuem uma característica ainda mais sombria à história, e várias páginas podem ser resumidas em uma única imagem. A HQ é super fiel ao livro, as ilustrações são coloridas mas sempre destacando os tons cinza e vermelho pra dar um ar tristeza, morbidez e confinamento.


A edição é deslumbrante, e só veio pra acrescentar ainda mais. Pra quem gosta de quadrinhos e procura por uma leitura direta da história, é super recomendado, e pra quem já é um grande admirador, é aquela edição que vale a pena se ter na estante.



O Filho Rebelde (Wayward Son) - Rainbow Rowell

11 de janeiro de 2021

Título:
 O Filho Rebelde (Wayward Son) - Simon Snow #2
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem adulto/Romance
Ano: 2020
Páginas: 344
Nota:★★★★☆
Sinopse: Simon Snow venceu. Ele pôs fim às forças do mal que ameaçavam destruir o Mundo dos Magos. Tudo deu certo. Ou quase. Porque, agora, Simon perdeu toda a sua magia. Ele não passa de um normal... Bom, tirando o fato de ter asas e um rabo de dragão. Vendo o melhor amigo mergulhar em um desânimo cada vez maior, Penelope decide levar Simon e Baz em uma viagem de carro para visitarem Agatha, que agora mora na Califórnia. O que era para ser um passeio divertido se mostra muito mais desafiador do que imaginavam. Afinal, os Estados Unidos abrigam todo tipo de criatura mágica mal-intencionada e disposta a causar problemas. Em meio a uma confusão enorme com uma legião de vampiros e outros seres malignos, talvez Simon finalmente seja capaz de reunir a força necessária para seguir em frente -- e deixar algumas pessoas para trás.

Resenha: Segundo volume da trilogia Simon Snow, O Filho Rebelde vem trazendo a continuidade dos acontecimentos trágicos do livro anterior. Por se tratar da continuação, essa resenha tem alguns spoilers!
Como era esperado, Simon não pôde escapar da batalha final. Embora tenha conseguido derrotar as forças malignas, o preço que pagou por esse feito foi bem alto: Além de ter perdido sua magia, ele ainda adquiriu asas e um rabo de dragão, e, por isso, nem se passar por um reles humano comum ele pode. Simon está desanimado, e a única coisa que faz da vida agora é monopolizar o sofá enquanto enche o bucho de pizza o dia inteirinho. Ele não quer ir pra faculdade, não se adaptou com a ideia de não ter mais o dom da magia, e ainda tem que aprender a controlar as novas partes peculiares do seu corpo.

Como também era mais do que esperado, Simon e Baz acabaram se entendendo depois dos trancos e barrancos, e viram que o sentimento que possuíam ia muito além de ódio ou amizade: se tornaram namorados super fofos. Mas nem esse amor lindo e maravilhoso que surgiu era suficiente pra motivar o garoto, não importava o que Baz fizesse pra tentar. Sendo assim, preocupada com o amigo e em busca de um recomeço, Penny propõe uma viagem à Califórnia para tirar Simon desse estado deplorável, encontrar com seu namorado e ainda ver Agatha que foi embora da Inglaterra a fim de abandonar tudo relacionado a magia. Chegando lá, eles acabam sendo perseguidos por vampiros, que são bem diferentes daqueles encontrados na Inglaterra e que querem dominar o mundo, e com a ajuda de Shepard, um humano que quer saber tudo sobre o universo da magia, eles vão lutar por suas vidas numa aventura mirabolante.

Seguindo o padrão de narrativa do livro anterior, porém com um ritmo mais lento, agora temos uma mudança no modo de ser e de agir de Simon que acaba sendo um problema pro desenvolvimento da trama. Ele não se sente mais o mesmo, acredita que o amor com Baz está acabando, e acha que não existe mais futuro em seu relacionamento, coisa que não faz o menor sentido e parece estar ali só pelo drama desnecessário. Esse comportamento dá uma preguiça danada, porque ele se passa como um idiota mimado que precisa de atenção o tempo inteiro, e até que as coisas ganhem um ritmo mais acelerado, abrindo novos caminhos a serem explorados, a história se arrasta bastante focando na viagem e no comportamento adolescente de Simon, e olha que ele já não tem mais idade pra se comportar feito criança. Haja paciência. Ainda bem que novos personagens apareceram pra dar um gás e movimentar as coisas.
Sendo assim, o relacionamento em si não é lá muito abordado já que Simon está afastando Baz sem medir as consequências, por pura ignorância, e o que ganha destaque são as confusões que acontecem do começo ao fim no melhor estilo das "férias frustradas de verão".

Se a ideia era trabalhar a depressão através do comportamento de Simon, acho que não funcionou muito bem, pois além de não ter havido aprofundamento algum, a chance que ele tinha de aprender alguma coisa com os acontecimentos e com a própria forma de agir escorreu pelo ralo e foi embora. Mesmo que a aproximação tenha ocorrido de forma beeeem gradual, a sensação foid e que não serviu pra nada porque Simon continuou perdido. Como assim o infeliz não aprendeu nada depois de tudo o que aconteceu?
Ainda que seja bem humorado, bastante divertido, e mais direto do que o primeiro, a autora segue com a aventura sem divagar, visto que as informações principais já foram dadas no livro anterior. Claro que há alguns acréscimos interessantes, mas são descritos de uma forma mais enxuta, talvez para focar nos personagens e na situação em que eles se encontram. Mesmo que os perigos e os problemas que surgiram no meio do caminho tenham vindo pra mostrar que a vida não é apenas viver de amores

Enfim, O Filho Rebelde parece ter caído naquela "maldição do segundo volume", pois funciona mesmo como um tipo de ponte pra levar um ponto até outro, sem que nenhuma questão levantada antes tenha sido esclarecida.
Resta aguardar o lançamento do desfecho da trilogia, Any Way the Wind Blows, e torcer pra autora dar um jeitinho nos pontos negativos e fechar com excelência, dando um final digno para os nossos protagonistas que merecem a felicidade e uns abraços quentinhos.


Sempre em Frente (Carry On) - Rainbow Rowell

7 de janeiro de 2021

Título:
 Sempre em Frente (Carry On) - Simon Snow #1
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem adulto/Romance
Ano: 2020
Páginas: 504
Nota:★★★★☆
Sinopse: Simon Snow é o Escolhido. Segundo as lendas, ele é o feiticeiro que garantirá a paz no Mundo dos Magos. Isso seria extraordinário se Simon não fosse desastrado, esquecido e um feiticeiro pouco habilidoso, incapaz de controlar seus poderes. Ele está no penúltimo ano da Escola de Magia de Watford, e, ao lado de sua melhor amiga Penelope e sua namorada Agatha, já se meteu nas mais variadas aventuras e confusões - algumas causadas por Baz, seu arqui-inimigo e colega de quarto, outras pelo Oco, um ser maligno que há tempos tenta acabar com Simon. Quando chega o novo ano letivo e Baz não aparece na escola, Simon suspeita que o garoto esteja tramando alguma coisa contra ele. As coisas começam a tomar um rumo ainda mais estranho quando o espírito da mãe de Baz, antiga diretora de Watford, aparece para Simon afirmando que quem a matou continua à solta. Quando Baz finalmente chega a Watford sob circunstâncias misteriosas, Simon não vê alternativa a não ser ajudá-lo a vingar a morte da mãe -- o que pode ser o primeiro passo para que verdades avassaladoras sobre o Mundo dos Magos sejam reveladas. E para que tudo mude entre os dois garotos.

Resenha: Depois de ter sido publicada pela Novo Século em 2016, a Seguinte adquiriu os direitos e agora republicou a obra com título traduzido e novo projeto gráfico pra capa. Pra quem leu o livro Fangirl, da mesma autora, teve um gostinho do universo mágico da saga Simon Snow, que seria o equivalente ao fenômeno Harry Potter para os leitores da vida real, através da fanfic de Cath.
Sendo assim, não se trata da fic escrita por Cath (que nem existe nessa história), nem a "obra original" que a inspirou, mas sim de como seria a história de Simon e Baz, os protagonistas da série Simon Snow, se Rainbow Rowell a tivesse escrito. Uma outra fic secundária, talvez? Confuso isso aqui... De qualquer forma, Sempre em Frente é o primeiro volume da trilogia Simon Snow.

Enfim, quando tinha onze anos, Simon Snow descobriu que não era apenas um simples órfão. Era o mais poderoso feiticeiro que já existiu. Segundo as lendas, Simon seria aquele que garantiria a paz no Mundo dos Magos, ele é o próprio Escolhido que iria derrotar Oco, o grande vilão que estava ficando cada vez mais poderoso. Sendo assim, ele ingressa na Escola de Magia de Watford, um lugar mágico onde ele iria aprender a ser o maior feiticeiro (e que se torna seu lugar preferido em todo mundo onde ele realmente se sente em casa), com direito a delícias de comer, uma melhor amiga chamada Penélope, uma namorada perfeita, Agatha... e Basilton Pitch, mais conhecido como Baz, um arqui-inimigo "vampiro" insuportável, que só existe pra infernizar sua vida (mesmo que ninguém acredite), sugar toda a alegria das situações, e com quem Simon era obrigado a dividir o quarto.

Diferente dos típicos protagonistas que embarcam na grande jornada do herói, Simon é irresponsável, super desastrado e suas habilidades com a magia são um total fracasso. Ele mal consegue controlar os próprios poderes e já se meteu em altas aventuras e enrascadas, muitas delas causadas por Baz. A história já começa no último ano de Simon em Waltford, as coisas estão mais capengas do que nunca, seu namoro com Agatha está uma bela porcaria, todo mundo acha que ele vai salvar o Mundo dos Magos quando ele se sente incapaz de tamanha responsabilidade, e quando ele suspeita que Baz está tramando alguma coisa cabeluda contra ele por ter sumido da escola, ele decide procurar saber o que diabos está acontecendo. Então, Simon é surpreendido pelo fantasma da antiga diretora de Watford, que também é a mãe de Baz, com a informação de que o responsável por sua morte continua a solta por aí. 

Sob circunstâncias mui misteriosas, Baz finalmente chega na bendita escola e Simon decide ajudá-lo a vingar a morte da mãe, e essa união não vai somente revelar as maiores verdades escondidas sobre o Mundo dos Magos, como também mudar tudo entre os dois garotos.

Com capítulos que se intercalam entre Simon, Baz, Penny e Agatha, sendo possível ter o ponto de vista de cada um deles sobre as situações que se encontram, a trama segue nesse premissa com toques hilários de bom humor, e os personagens não poderiam ser mais cativantes.
Embora a história tenha elementos já conhecidos e seja super similar a Harry Potter, ela tem seu próprio estilo e seguem por caminhos bem diferentes.

Simon e Baz tem personalidades super diferentes e conflitantes. Enquanto Simon é meio idiota, meigo e gentil, Baz faz aquele tipo que esmurra a cara de alguém com uma mão enquanto segura um bolinho intacto com a outra. Eles não tem nada a ver um com o outro, e a única coisa que tem em comum é o ódio recíproco... ou será que não?
Penny, a melhor amiga de Simon é uma daquelas personagens totalmente amassáveis, de tão fofa. Sua good vibe dá aquele quentinho no coração, e a amizade que ela tem com Simon é leve, boa e dá vontade de guardar num potinho.
Agatha é a namorada "perfeita", mas que está ali meio que servindo de enfeite, porque sua principal função é ter os requisitos mínimos pra ser estudante e saber o básico pra viver. Não fede nem cheira, e parece só existir pra despistar os leitores sobre a real essência de Simon, e dar aquela reviravolta que não tem nada de reviravolta, porque todo mundo sabe o que vai acontecer.

Talvez a única coisa que tenha me deixado meio cabisbaixa foi o fato de que alguns trechos, aparentemente importantes, são cortados, ficamos curiosos e naquela expectativa do que vem a seguir, mas o retorno sobre aquilo nunca vem.

No mais, a história emociona com seus personagens e com suas mensagens simples mas profundas, abordando o autoconhecimento e a descoberta da sexualidade de uma forma divertida, sutil, super envolvente e encantadora.

Fangirl - Rainbow Rowell

5 de janeiro de 2021

Título:
 Fangirl
Autora: Rainbow Rowell
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem adulto/Romance
Ano: 2020
Páginas: 464
Nota:★★★★☆
Sinopse: Cath é fã de Simon Snow, uma série de livros que faz sucesso no mundo todo sobre um garoto feiticeiro. Mergulhar nessas histórias foi a única maneira que ela encontrou de lidar, junto com sua irmã gêmea, Wren, com a partida da mãe quando eram crianças. Desde então, a vida da garota se resume a ler, participar de fóruns sobre Simon Snow na internet, escrever fanfics, fazer cosplay dos personagens... Sempre ao lado da irmã. Mas agora Wren parece pronta para se distanciar do fandom de Simon Snow - e da própria Cath. Afinal, ela deixou bem claro que é hora de cada uma trilhar seu próprio caminho quando avisou que não queria dividir o mesmo quarto na faculdade. Pela primeira vez, Cath se vê sozinha -- e totalmente fora de sua zona de conforto --, e com uma colega de quarto mal-humorada que tem um namorado (bem fofo) que não sai do dormitório das duas. Para completar, ela também precisa se preocupar com o pai solitário e com sua professora de escrita literária, que abomina fanfics. Será que ela vai conseguir sobreviver a tantas mudanças e começar a viver a própria vida? E será que seguir em frente significa deixar Simon Snow para trás?

Resenha: Escrito por Rainbow Rowell e republicado pela Editora Seguinte (depois de ter saído pela Novo Século em 2014), Fangirl vai contar a história de Cath, que vai começar seu primeiro ano na faculdade junto com Wren, sua irmã gêmea. Para ela, desde que a mãe foi embora, Wren sempre foi seu porto seguro, mas na faculdade as coisas ficaram diferentes, e já começou quando Wren não quis dividir o quarto com Cath, justamente pra cortar isso e cada uma poder trilhar seu próprio caminho. Enquanto Cath é insegura, antisocial, quer focar nos estudos e continuar escrevendo sua fanfic baseada na série de fantasia que ela adora e acompanha tudo sobre, "Simon Snow" (um tipo de Harry Potter), que inclusive ajudou ela e a irmã a passarem pelo abandono da mãe, Wren quer aproveitar cada segundo dessa fase como se não houvesse amanhã, e isso não agrada Cath, que sente que está "perdendo" a irmã. Enquanto ela fica estudando e não tem vida amorosa, Wren frequenta altas festas e conhece um monte de gente interessante. As duas são totais opostos, até mesmo com o caso do pai, que precisa de cuidados médicos devido a sua instabilidade emocional, e enquanto Cath acha que deve cuidar do pai, Wren já acha que os profissionais que entendem do assunto é que devem ter essa responsabilidade.

Cath se vê sozinha, com uma colega de quarto sem um pingo de bom humor, e ainda tendo que lidar com uma professora que abomina fanfics, coisa que ela ama escrever. E agora? Como Cath vai lidar com a ideia de estar totalmente fora da sua zona de conforto?

O título do livro foi mantido no original, e só tenho que agradecer por isso, porque fico imaginando que se fosse traduzido seria algo como "Fanfiqueira" ou coisa do tipo. Não ia prestar, não... Narrado em terceira pessoa, a escrita é bem fluida, espirituosa e envolvente. Os capítulos se intercalam com trechos da fanfic de Cath, o que é uma forma do leitor conhecer mais sobre o que ela escreve, porém é possível ler o livro pulando todas as partes da fanfic sem que interfira na história, pois não há ligação nenhuma com a trama. Inclusive eu esperei que em algum momento as histórias se cruzassem de alguma forma para ter algum sentido ou mensagem, já que esses trechos estavam alí fazendo parte do livro, mas não. Achei que esse recurso cortou a narrativa sem que houvesse um propósito maior, e deixou a história mais arrastada do que devia.

Cath não é uma personagem que conquista o leitor logo de cara. Ela é bem chata com seus dilemas, não consegue expor o que a incomoda, a fixação com a irmã e a negação em aceitar que cada uma tem que ter a própria vida é esquisita, e ela ainda faz parecer que a timidez é a pior coisa que existe na face da Terra. Como a protagonista é Cath, Wren acaba não tendo tanto espaço assim, mas na grande maioria das vezes que aparece, é pra irritar com seu total egoísmo. Assim como as irmãs, os demais personagens da história possuem camadas e características bem construídas, e são capazes de conquistar o leitor, cada um a própria maneira.

Mesmo que Cath tenha seus defeitos e, por várias vezes, a vontade é de sacudi-la sem parar seja incontrolável, não nego que seu comportamento e personalidade são justificáveis dentro do contexto. Ela está num conflito interno consigo mesma acerca do novo. Estar em meio a tantas pessoas é estranho, a ideia de gostar de um garoto é assustadora, e pensar que está "perdendo" a irmã - e o pai - a deixa desolada. E pela idade da menina, é compreensível que seus sentimentos estejam a flor da pele e ela esteja confusa com tudo que anda acontecendo.

Sendo assim, Fangirl não é só uma história engraçadinha sobre uma garota que escreve fanfics da sua série preferida, mas sim uma história sobre insegurança e medo do que ela vai encontrar nessa nova fase de sua vida. É bem possível que várias pessoas se enxerguem em Cath, que acaba usando a escrita como válvula de escape para se esconder/se livrar de problemas que ela não sabe ou não quer enfrentar, como se aquilo fosse um tipo de "terapia" para lidar com a gravidade das coisas. E embora a história seja divertida, há a parte triste, que é tratada com bastante sutileza, sobre as rasteiras que todos estão suscetíveis a levar da vida, principalmente com a dificuldade em se lidar com sentimentos de não ser bom o bastante para qualquer coisa ou alguém.

No mais, mesmo que o desfecho não tenha sido inovador trazendo mudanças drásticas pra Cath, é um livro criativo sobre amadurecimento e aprendizado. Pra quem procura um livro bacana pra sair de uma ressaca literária ou só pra passar o tempo, recomendo.


Resumo do mês - Dezembro, tchau 2020!

1 de janeiro de 2021


Dezembro deve ter passado rápido pra poder pôr fim logo nesse 2020 infernal. O ano foi uma loucura, testou os limites de muita gente, e agora é esperar e torcer pra que em 2021 as coisas comecem a melhorar depois desse caos que ninguém nunca imaginou passar na vida.
Não dei conta de manter uma frequência de postagens como eu gostaria e nem de dar continuidade em várias coisas que comecei aqui no blog, o Desafio Literário foi um deles, mas não vou nem me condenar por isso, afinal, a cabeça tava em outro lugar e aposto que muita gente também ficou meio desesperado com tanta imprevisibilidade. O jeito é fazer as coisas adaptando tudo à essa realidade, e o que tiver que ser vai ser. Só quero ficar zen e manter a paz e espero que tudo dê certo. Já deu certo.

No mais, quero desejar um ano novo feliz e que, diferente do anterior, este seja repleto de esperanças, paz, saúde, tranquilidade, melhorias e conquistas.