Caixa de Correio #71 - Janeiro

31 de janeiro de 2018

Primeira Caixa de Correio do ano!. Acho que essa caixa é a mais magrinha que já fiz em todos esses 6 anos de blog, viu... Quatro livros recebidos no mês pra quem tem costume de receber uns vinte é até meio estranho e me tira da minha zona de conforto hahahahaha! Mas sabem que não achei ruim? A sensação de alívio de não acumular mais pendências é maravilinda e dos quatro livros recebidos falta resenha de um só! E é assim que espero manter o ritmo.
Mesmo que a caixinha dos livritchos tenha sido magra, não tenho do que reclamar dos Popinhos que chegaram esse mês. Tô igual pinto no lixo, feliz da vida com a coleção crescendo. Não ando focando numa coleção em particular. Quando posso, compro algum da Wishlist que esteja barato, já que ainda não tô podendo investir nos raros, mas um dia chego lá!
E com o lance de eu estar prestes a mudar o desespero anda batendo por aqui pois os Funkos da Bela da Disney, da Clarke e da Lexa de The 100, do Ludo de Labirinto, e do L com bolo de Death Note que comprei no bendito Ebay em novembro não chegaram até hoje... Tô perdida mesmo com esses correios de bosta... Pior que alguns não tem rastreio, não sei o que fazer se eu mudar antes de chegarem. D: #cry

Bora dar uma espiada no que recebi:

Wishlist #20 - Funkos de Pocahontas

28 de janeiro de 2018

Não digo que Pocahontas esteja entre os meus desenhos da Disney favoritos, principalmente porque a história em que se basearam não é nada feliz, mas não posso negar que os dois pops são apaixonantes de tão lindos, e eu não ficaria muito satisfeita se eles não estivessem entre os outros. E o bom é que a coleção é composta só pela Pocahontas e pelo Meeko. Já é uma boa economia...

Dias de Despedida - Jeff Zentner

27 de janeiro de 2018

Título: Dias de Despedida
Autor: Jeff Zentner
Editora: Seguinte
Gênero: Romance/Jovem Adulto
Ano: 2017
Páginas: 392
Nota:★★★★★
Sinopse: "Cadê vocês? Me respondam."
Essa foi a última mensagem que Carver mandou para seus melhores amigos, Mars, Eli e Blake. Logo em seguida os três sofreram um acidente de carro fatal. Agora, o garoto não consegue parar de se culpar pelo que aconteceu e, para piorar, um juiz poderoso está empenhado em abrir uma investigação criminal contra ele. Mas Carver tem alguns aliados: a namorada de Eli, sua única amiga na escola; o dr. Mendez, seu terapeuta; e a avó de Blake, que pede a sua ajuda para organizar um “dia de despedida” para compartilharem lembranças do neto. Quando as outras famílias decidem que também querem um dia de despedida, Carver não tem certeza de suas intenções. Será que eles serão capazes de ficar em paz com suas perdas? Ou esses dias de despedida só vão deixar Carver mais perto de um colapso — ou, pior, da prisão? 

Resenha: Carver, Mars, Eli e Blake formam a Trupe do Molho. Os quatro garotos são melhores amigos, inseparáveis, estudam juntos e passam tempo se divertindo como nunca. Numa tarde, os amigos iam buscar Carver no trabalho, e enquanto esperava, o garoto enviou uma mensagem de texto perguntando onde eles estavam. Mas no caminho, os garotos sofrem um acidente de carro fatal.
Como se a tragédia já não tivesse abalado a vida de Carver o bastante, as coisas pioram quando o celular de Mars é encontrado com uma mensagem incompleta em resposta à de Carver, indicando que o acidente aconteceu devido a distração com o celular. Agora, Carver está sendo culpado pelas famílias de Mars e Eli por ter causado o acidente, e elas querem que o garoto pague pelo crime que cometeu.
Com o início do ano letivo, Carver precisa voltar para a escola e lidar com todos os sentimentos que o atormentam desde o acidente. Sentir falta dos amigos, sentir a pior culpa que o corrói por dentro pelo ocorrido, e ainda estar apavorado com a ideia de ser preso com a investigação que o pai de Mars quer abrir contra ele, desencadeia no garoto constantes ataques de pânico.
Mas Carver não está sozinho nessa. Sua família está do seu lado, principalmente sua irmã, Georgia, assim como Dr. Mendes, seu terapeuta; Jesmyn, que foi namorada de Eli e agora a única amiga que Carver tem na escola; e vovó Betsy, a avó de Blake que quer ajuda do garoto para organizar o Dia da Despedida. A ideia é que Carver a acompanhe durante um dia inteiro de atividades que ela gostava de fazer com o neto para compartilharem as lembranças dele, e também como forma de se despedir.
O que Carver não esperava era as famílias de Mars e Eli também quererem o Dia de Despedida, e o problema era o garoto não saber quais as suas intenções. E com os ataques de pânico que anda sofrendo, será que diante desta situação o garoto conseguirá lidar com suas piores emoções?

Narrado em primeira pessoa, acompanhamos Carver contando tudo o que se passa após o acidente dos amigos, assim como os flashbacks dos momentos super divertidos, animados e alguns até emocionantes que eles passavam juntos desde a criação da Trupe do Molho. O autor também aproveita a oportunidade para inserir no enredo temas bastante relevantes, como o machismo, a homossexualidade, o racismo e afins de forma a acrescentar algo a que se pensar, e a forma como foi colocado não poderia se encaixar melhor.
A morte como tema central pode fazer com que os leitores pensem que o livro é difícil, mas a forma como a história é contada, tão leve e delicada, torna tudo bem agradável, reflexivo e até arranca algumas risadas, mas não deixa de evidenciar a questão da culpa nesses casos trágicos e fatais, como se apontar um culpado fizesse parte do ser humano, e como puni-lo de alguma forma promove um certo alívio. Mas as reflexões não giram em torno somente da culpa em si, mas também da amizade, da família e do quanto passar bons momentos ao lado daqueles que amamos são importantes.

A história da Trupe do Molho é linda, mostra como a amizade verdadeira é valiosa, e que as boas lembranças podem ser bem maiores do que as ruins.
A aproximação de Carver com Jesmyn acaba intensificando a amizade entre eles, e algo mais começa a nascer dalí. Em certo momento comecei a sentir um leve destoar de rumo, pois mesmo que ela tenha sido uma das peças chave para ajudar o garoto na superação da tragédia, e vice-versa, o romance como forma de "escape" não me desceu muito bem considerando o contexto, mas não foi algo tão negativo. Talvez tenha sido até bem realista, afinal, as pessoas são diferentes e encontram conforto e ajuda onde menos se espera.

O livro também é cheio de frases de impacto que se encaixam com o tema e com a proposta de trazer reflexão sobre tais dilemas, logo esse é aquele tipo de livro que vai ficar cheio de marcações ou post-its para que possamos sempre ler e reler essas passagens tão significativas.
"Nossa mente busca causa e efeito porque isso sugere uma ordem no universo que talvez não exista, mesmo se você acreditar em algum poder superior. Muita gente prefere aceitar uma parcela indevida de culpa por alguma tragédia do que aceitar que não existe ordem nas coisas. O caos é assustador. É assustasora uma existência inconstante em que coisas ruins acontecem a pessoas boas sem nenhum motivo lógico."
- Pág. 229
Dias de Despedida é um relato emocionante sobre o luto, a culpa, os "se's", a dor, a saudade mas também sobre a superação. Superar uma perda tão difícil não é nada fácil, principalmente quando se tem dezessete anos e a vida inteira pela frente, e por mais complicado que seja, é preciso seguir adiante.

Na Telinha - Viva

26 de janeiro de 2018

Título: Viva - A Vida é uma Festa (Coco)
Produtora: Disney/Pixar
Elenco: Anthony Gonzalez (VIII), Benjamin Bratt, Gael García Bernal, Edward James Olmos, Alanna Ubach
Gênero: Animação/Fantasia/Aventura
Ano: 2018
Duração: 1h 45min
Classificação: +10
Nota:
Sinopse: Miguel é um menino de 12 anos que quer muito ser um músico famoso, mas precisa lidar com sua família que desaprova seu sonho. Determinado a virar o jogo, ele acaba desencadeando uma série de eventos ligados a um mistério de 100 anos.

Desde que Mama Imelda foi abandonada pelo marido, que era músico, ela aboliu a música não só de sua vida, mas da família inteora. Ela arregaçou as mangas e decidiu que iria abrir uma lojinha de sapatos que ela mesma aprendeu a fazer para sustentar Coco, sua filhinha, sozinha. Desde então, este é o principal sustento da família Rivera, que já está na quarta geração. Imelda já faleceu há muitos anos e Coco, hoje, é a bisavó de Miguel. Ele é um garotinho mexicano de doze anos que ama música e sonha em se tornar tão famoso quanto Ernesto de la Cruz, seu maior ídolo de todos os tempos, foi.



O menino vive assistindo aos vídeos de Ernesto de la Cruz e tocando seu violão escondido, pois a música é terminantemente proibida, e fica bem triste por não ter o apoio da família, mas Miguel não estava nada interessado em desistir, principalmente quando ele tem oportunidade de tocar num festival e demonstrar todo o seu talento.

Com o Dia de Los Muertos se aproximando, as famílias montam as ofrendas, uma prática antiga onde eles deixam as fotos de seus ancestrais junto com velas, enfeites e comida, pois assim os espíritos daqueles que se foram sempre seriam respeitados e lembrados.



Mas, circunstâncias bem inesperadas acabam fazendo com que Miguel se transporte para o mundo dos mortos, e agora ele vai correr contra o tempo para conseguir não só a benção de um antepassado para voltar pra casa, como também a permissão para fazer o que ele tanto ama: tocar seu violão. E nessa jornada cheia de aventuras, em companhia de Dante, seu cão vira-latas, e Hector, um morto que vive tentando visitar o mundo dos vivos para ver seus parentes mais uma vez, Miguel vai descobrir coisas sobre o passado de sua família que, até então, eram um grande mistério.



Não é surpresa que a Disney vem inovando cada vez mais ao trazer temas e personagens que fogem de estereótipos de antigamente, e aqui há uma mistura entre a cultura mexicana e a música propriamente dita, e os aspectos desses elementos são representados com fidelidade e perfeição.

A família de Miguel, seguindo a tradição criada por Imelda, proibiu a música e espera que o menino siga o ofício de sapateiro, e essa falta de apoio para que ele possa realizar seu grande sonho é um dos principais conflitos da trama. E se fosse só a falta de apoio daria pra entender, mas eles o proíbem de ter qualquer contato com a música, o levando a fazer o que gosta escondido.
Mas embora Miguel não possa contar com a ajuda de sua família e não aceite essa falta de apoio, os acontecimentos se encarregam de mostrar que a família é o que há de mais importante, devendo ser sempre valorizada, e que é preciso manter as lembranças dos que já partiram dessa vida, pois, pior do que morrer é ser esquecido...



Embora seja uma animação super divertida e com toques bem engraçados, Viva tem pegadas de melancolia e drama que causam algumas reviravoltas na história e que, mesmo sendo previsíveis, causam o impacto necessário pra emocionar o telespectador. E nota especial para Mama Coco que, por estar muito velhinha, além de viver numa cadeira de rodas dependendo dos cuidados da família, ainda tem problemas com a memória. Mas é justamente sua memória que cria o maior clímax do desenho, e segurar as lágrimas nas últimas cenas dela é impossível. Não é por acaso que o nome original da animação é "Coco"...



Por mais que a música seja um dos principais elementos do desenho, pois é o que move Miguel, o foco maior é a importância da família e o valor que ela representa para seus integrantes, e não importa que estejam vivos ou mortos. Os laços familiares são eternos, mesmo que haja conflitos.



Viva não se encarrega de trazer apenas uma animação sobre um garoto que quer perseguir seus sonhos... Aqui o que se torna memorável é a história sobre família, amizade e perseverança que mostra que é possível lutar por aquilo que queremos e por aquilo que somos, mesmo que isso não seja o que os outros esperam, e que a morte é só mais uma etapa da vida.

Wishlist #19 - Funkos de Wall-e

21 de janeiro de 2018

Uma coleção com poucos popinhos ajuda, e muito, na hora de colecionar, já que a gente não precisa ficar atrás de um monte e gastando dinheiro que nem temos pra completar as coleções.
Como Wall-e é um desenho super fofo, não tinha como deixar de fora dos desejados. E o melhor é que a coleção é só ele e a Eve! Espiem as fofuras:

Deixada Para Trás - Charlie Donlea

19 de janeiro de 2018

Título: Deixada Para Trás
Autor: Charlie Donlea
Editora: Faro Editorial
Gênero: Policial/Suspense
Ano: 2017
Páginas: 368
Nota:★★★★★
Sinopse: Nicole Cutty e Megan McDonald são alunas do ensino médio na pequena cidade de Emerson Bay, Carolina do Norte. Quando elas desaparecem de uma festa na praia em uma noite quente de verão, a polícia inicia uma busca maciça. Nenhuma pista é encontrada e a esperança é quase perdida, até Megan milagrosamente aparecer depois de escapar de um bunker no fundo da floresta.
Um ano depois, o best-seller de sua provação transformou Megan de heróina local para celebridade nacional. É uma história triunfante e inspiradora, exceto por um detalhe inconveniente: Nicole ainda está desaparecida.
A irmã mais velha de Nicole, Livia, é uma perita forense e espera que em um breve dia o corpo de Nicole seja encontrado e entregue a alguém como ela para analisar as provas e finalmente determinar o destino que sua irmã teve. Em vez disso, a primeira pista para o desaparecimento de Nicole vem de outro corpo que aparece no necrotério, de um jovem ligado ao passado de Nicole. Livia vai até Megan para pedir ajuda, esperando descobrir mais sobre a noite em que as duas foram levadas. Outras meninas também desapareceram e Livia está cada vez mais certa de que os casos estão conectados.
Mas Megan sabe mais do que ela revelou em seu livro best-seller. Flashes de memória estão se juntando, apontando para algo mais escuro e mais monstruoso do que sua memória descreve. E quanto mais ela e Livia cavam, mais elas percebem que às vezes o verdadeiro terror está em encontrar exatamente o que você está procurando.

Resenha: Nicole Cutty e Megan McDonald são duas adolescentes que estão no ensino médio na pequena cidade de Emerson Bay, na Carolina do Norte. Durante as férias de verão, as duas desapareceram misteriosamente, o que comoveu a cidade e fez com que as autoridades agissem em busca delas. Duas semanas depois, Megan apareceu. Ela conseguiu escapar do cativeiro no meio da floresta e conseguiu ajuda ao chegar na estrada.

Um ano após o ocorrido, Megan continua tentando seguir em frente, levando a vida como pode, e fazendo terapia, e uma das formas que ela e seu psiquiatra encontraram para ajudar na superação do trauma, foi escrever um livro sobre a trágica experiência. Megan acaba se tornando uma celebridade nacional, e é reconhecida por todos como uma verdadeira heroína. Porém, as pessoas parecem ter se esquecido que Nicole ainda continua desaparecida, com exceção de Livia, irmã mais velha da garota, que não perdeu as esperanças de encontrá-la, nem que fosse para determinar a causa de sua morte.

Impulsionada pela tragédia, ela decidiu estudar patologia forense, e um dia acaba se deparando com um corpo de um rapaz com características que não batiam com a sua suposta causa da morte, e durante suas análises ela descobre que se tratava de Casey Delevan, e que ele conhecia sua irmã desaparecida. Livia não hesitou em investigar a vida do rapaz e começa a fazer descobertas tão sinistras quanto importantes, e por mais que as respostas que encontrava possam ser horríveis, ela estava cada vez mais perto de descobrir o que aconteceu com Nicole. Livia procura por Megan e pede sua ajuda para continuar com as investigações, e pensando que seria o mínimo que poderia fazer, principalmente quando está claro que o desaparecimento está ficando de lado, ela decide ajudá-la.

Deixada para Trás é um romance policial com toques de muito suspense e mistério. A narrativa é muito fluída e empolgante e envolve a rotina forense de uma forma muito realista e plausível, o que demonstra que o autor pesquisou exaustivamente para poder construir a trama da forma mais impecável possível. Os detalhes dos procedimentos de Livia durante suas análises e investigações são descritos com maestria, mas sempre com toques de mistério que envolvem o leitor e o convidam a investigar junto com a personagem, descobrindo as coisas junto com ela.

A própria edição já é um convite ao leitor, pois os capítulos se alternam entre presente e flashbacks do passado que antecedem o sequestro, onde a cor da página é acinzentada.
A narrativa é feita de forma a alternar os pontos de vista dos personagens, e ao mesmo tempo em que temos informações vindas de partes cruciais, também temos que nos atentar a pistas deixadas numa tentativa de solucionar o mistério. O livro é dividido em seis partes, e como os capítulos são curtos, a leitura que já tem um ritmo excelente acaba fluindo ainda mais rápido.

O mais interessante é que o quebra-cabeças que o autor propõe é algo totalmente inesperado, e por mais que o leitor tenha suas suspeitas sobre o autor dos crimes, é difícil prever algo e acertar, pois por mais que tudo esteja intrincado, as reviravoltas são constantes, e cada nova descoberta faz com que a gente perca o fôlego, e por isso o livro superou todas as minhas expectativas, seja pela minha aflição ou pela empolgação ao acompanhar o que estava acontecendo.
Pra quem gosta do gênero, o livro é altamente indicado, principalmente por ser viciante. Uma das minhas melhores leituras, sem dúvidas!

A Perversa - Tarryn Fisher

18 de janeiro de 2018

Título: A Perversa - Amor e Mentiras #2
Autora: Tarryn Fisher
Editora: Faro Editorial
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 256
Nota:★★★★★
Sinopse: Leah Smith finalmente vive um momento muito especial. Conquistou aquele que considera o “homem da sua vida”, mas não está completamente feliz.
Leah se sente insegura, como se fosse sempre a segunda opção e sua vida atual, como um castelo de cartas, pudesse desabar a qualquer momento...
E, mais do que sentir, ela sabe que Caleb nunca a olhou com aquele brilho especial que dirigia a Olivia. Então, se por um lado se sente vitoriosa, por outro, percebe quanto é desgastante e trabalhoso manter a sua conquista.
Agora, oficialmente casada com Caleb, ela vai até as últimas consequências para manter unidos os pedaços de uma vida construída por segredos, mentiras e trapaças. E, quem sabe, amor. Mas não é assim que devemos fazer para lutar por quem amamos?

Resenha: Em A Oportunista, primeiro livro da trilogia Amor e Mentiras, a protagonista Olivia Kaspen tenta reconquistar Caleb, o ex-namorado que sofreu um acidente e perdeu a memória. Porém, antes que a tragédia acontecesse, ele estava arrasado pelo término do namoro com Olivia, e foi neste momento de fraqueza que Leah Smith o conheceu. Ela arquitetou planos e fez de tudo para que Caleb esquecesse Olivia, mas tudo foi por água abaixo quando ele perdeu a memória e ainda se reaproximou da ex, que estava tentando reconquistá-lo. Mas Leah não iria sentar e assistir o homem que ela ama partir com outra mulher, e perdê-lo não era uma opção que ela aceitaria tão fácil. Assim, acompanhamos uma história envolvendo um triângulo amoroso completamente tóxico, com mulheres que só pensam em si mesmas e enxergam uma a outra como obstáculos a ponto de serem capazes de fazer qualquer coisa em nome do que desejam: Caleb.

Aos poucos Leah, sendo a perversa mor que é, manipulou toda a situação e conseguiu por as suas garras afiadas em Caleb mais uma vez. Ela forçou uma gravidez para prendê-lo e acabou conseguindo se tornar sua esposa. Porém ser mãe não é uma tarefa fácil, e manter as aparências de boa mãe é algo que ela não está conseguindo fazer muito bem, principalmente porque ela queria um menino mas teve uma filha, e o desgosto ficou estampado em sua cara. Por mais que ela tenha ganhado o "jogo" e ficado com Caleb como troféu, ela não está realmente feliz. Leah sabe que Caleb não se esqueceu de Olivia e está cada vez mais distante dela, dessa forma, manter sua conquista está sendo muito mais difícil do que ela imaginou, e uma criança não ajudaria a melhorar as coisas...

Assim, acompanhamos a história pelo ponto de vista de Leah, e confesso ter sido extremamente incômodo estar na cabeça de uma personagem manipuladora, egoísta, movida por mentiras, trapaças e obsessão. A vontade é de estapear a cara dela a todo momento, principalmente quando a indiferença pela própria filha fica em evidência. Mas o interessante de acompanhar uma personagem tão cretina assim, é que ela é totalmente humana e próxima da realidade. Ela não aceita perder, não se importa com ninguém que ela considere "inferior" a ela, é extremamente orgulhosa, quer tudo para si, sente necessidade de esfregar na cara dos outros o quanto é "poderosa" quando sempre consegue o que quer e como quer. Quem não conhece uma pessoa dessas, gente?

E mesmo que Olivia já esteja em outra com Noah, Leah ainda a enxerga como eterna rival, atribui todo o seu fracasso à existência dela, e o que lhe resta é nutrir um ódio mortal por aquela que ainda deve fazer parte dos pensamentos de Caleb. É um triângulo disfuncional e por mais que eu bole teorias para o final disso tudo, fico super curiosa pela forma como a autora vai conduzir a história até ele. Sei que ainda tem muita coisa pra acontecer, mais ainda pra descobrir, e muita raiva pra passar.
E ao longo da história, que traz fatos bem trágicos e traumáticos sobre o passado dessa cobra terrível, vemos o que levou Leah a se tornar assim, e num determinado momento é possível até sentir pena dela. Não que isso justifique seus atos hediondos, mas é compreensível até certo ponto que uma pessoa totalmente solitária como ela recorra a medidas extremas como mecanismo de "defesa".

E não pensem que Caleb é um bom moço que está alí gozando de inocência enquanto é disputado por duas mulheres. O homem finge de bobo mas consegue ser canalha num nível estratosférico, e não vejo a hora de ter em mãos o terceiro livro da série para poder confirmar todas as minhas suspeitas contra esse sujeito.

Enfim, a série acaba mostrando uma parte do lado feio e sujo do amor, dando uma visão negativa mas bem realista sobre esse sentimento que pode vir de várias formas, independente da ligação entre os envolvidos. E por sair do clichê e dos estereótipos dos romances e seus personagens em geral, a leitura é bastante surpreendente quando expõe de forma tão crua os defeitos e as fraquezas que as pessoas insistem em esconder.

Um Beijo À Meia-Noite - Eloisa James

17 de janeiro de 2018

Título: Quando a Bela Domou a Fera - Fairy Tales #1
Autora: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance de época/Releitura
Ano: 2017
Páginas: 320
Nota:★★★★☆
Sinopse: Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo. Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo. Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo.

Resenha: Um Beijo À Meia-Noite é o primeiro livro da série Fairy Tales escrita por Eloisa James. A série traz releituras dos contos de fadas mais famosos da literatura e este é inspirado em Cinderela. Pelas histórias serem independentes e distintas, não é necessário ler os livros na ordem de lançamento (até mesmo por que o lançamento deste primeiro foi feito depois do segundo).

Desde que Kate Daltry perdeu o pai, há sete anos, sua madrasta tomou sua herança, passou a controlar - e esbanjar - as finanças e ainda a prendeu na propriedade da família para que ela se encarregasse das tarefas domésticas e de atender seus caprichos e de sua filha. Obviamente Kate já pensou em largar tudo e partir, mas pensando nos inquilinos que poderiam ser despejados por Mariana, a madrasta, sem ter pra onde irem, ela permanecia na propriedade e aguentava todo tipo de desaforo e humilhação.
Sua meia-irmã, Victoria, está noiva e precisa se casar com uma certa urgência, mas antes de tudo o casamento deveria ser aprovado pelo tio do noivo, o Príncipe Gabriel. Assim, Victoria deveria comparecer ao baile de noivado do príncipe, que estava prestes a se casar com uma princesa russa para que seu dote sustentasse o castelo, e então pedir a aprovação e a benção dele. Mas Victoria sofreu um "acidente" e ficou impedida de ir ao dito baile, e para que os planos do casório não fossem arruinados, Mariana obriga Kate a se passar pela irmã, e, sem ter muita escolha, ela aceita participar da farsa.
Porém, quando Kate e Gabriel se conhecem, alguns sentimentos bem fortes - e incontroláveis - começam a surgir, mas este envolvimento é algo totalmente proibido e cheio de empecilhos. Kate sabe perfeitamente que não deve nutrir sentimentos por esse homem tão lindo, sedutor e irritante, mas quando o desejo e a atração são intensos a ponto de não ser possível sequer disfarçar, o que eles devem fazer?

Embora a história possua alguns elementos inspirados no conto original, Um Beijo À Meia-Noite segue por um caminho diferente utilizando de outros padrões, dando um novo contexto à história da jovem órfã, e isso fica bem óbvio quando a personalidade de Kate fica em evidência. Por mais que ela fosse maltratada pela madrasta e feita de empregada, ela não se submetia a qualquer capricho e, se fosse preciso, enfrentava a megera, principalmente quando queria proteger os inquilinos que precisavam de sua ajuda.
A premissa é bem bacana e o final foi satisfatório e convincente, mas o desenvolvimento da história acaba sendo bem morno, com acontecimentos que se repetem em cenários alternados, e somando isso a introdução que se destina a apresentar os personagens principais de uma forma bem longa, abordando suas vidas tristes e suas insatisfações, as coisas acabam ficando meio arrastadas e a leitura demora a engrenar.

A química entre Kate e Gabriel é intensa e perfeita, mas claro, proibida, e isso acaba refletindo bem o quanto era difícil passar por um casamento arranjado e por conveniência. De um lado Kate queria ficar com ele, mas não tinha o que oferecer além do seu amor. Do outro, o príncipe também fica encantado com Kate e sua personalidade fora dos padrões das moçoilas da época, mas ele como membro da realeza sabe de suas responsabilidades e compromissos, e se casar com a princesa é algo que ele precisa fazer para manter o castelo.

Os personagens são até bem construídos e damos várias risadas com eles, mas não são exatamente um espelho daqueles do conto da Cinderela que conhecemos. Há referências para o sapatinho de cristal, à madrinha que não é uma fada, e até aos bichinhos ajudantes. Kate tem a personalidade forte, pensa nos outros e é corajosa, mas em alguns momentos ela se inferioriza aos outros sem necessidade e entra em conflitos pessoais envolvendo suas próprias escolhas. É compreensível que ela tenha algumas atitudes e pensamentos meio absurdos devido a época, onde as moças se casavam ainda na adolescência e se passassem de uma certa idade já estavam velhas pra isso, mas sendo como é, penso que ela não deveria ter muitas preocupações e bastava que ela deixasse as coisas acontecerem naturalmente.

Enfim, a história tem seus elementos típicos do gênero, os bons e velhos clichês e toques bem colocados de sensualidade, e incluí-los nessa releitura de uma forma tão criativa só me fez admirar ainda mais a autora por seu talento. Pra quem gosta de releituras de contos de fadas e romances de época o livro é super indicado.

Origem - Dan Brown

16 de janeiro de 2018

Título: Origem - Robert Langdon #5
Autor: Dan Brown
Editora: Arqueiro
Gênero: Suspense/Mistério
Ano: 2017
Páginas: 432
Nota:★★★★☆
Sinopse: De onde viemos? Para onde vamos?
Robert Langdon, o famoso professor de Simbologia de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbao para assistir a uma apresentação sobre uma grande descoberta que promete "mudar para sempre o papel da ciência".
O anfitrião da noite é o futurólogo bilionário Edmond Kirsch, de 40 anos, que se tornou conhecido mundialmente por suas previsões audaciosas e invenções de alta tecnologia. Um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, há 20 anos, agora ele está prestes a revelar uma incrível revolução no conhecimento... algo que vai responder a duas perguntas fundamentais da existência humana.
Os convidados ficam hipnotizados pela apresentação, mas Langdon logo percebe que ela será muito mais controversa do que poderia imaginar. De repente, a noite meticulosamente orquestrada se transforma em um caos, e a preciosa descoberta de Kirsch corre o risco de ser perdida para sempre.
Diante de uma ameaça iminente, Langdon tenta uma fuga desesperada de Bilbao ao lado de Ambra Vidal, a elegante diretora do museu que trabalhou na montagem do evento. Juntos seguem para Barcelona à procura de uma senha que ajudará a desvendar o segredo de Edmond Kirsch.
Em meio a fatos históricos ocultos e extremismo religioso, Robert e Ambra precisam escapar de um inimigo atormentado cujo poder de saber tudo parece emanar do Palácio Real da Espanha. Alguém que não hesitará diante de nada para silenciar o futurólogo.
Numa jornada marcada por obras de arte moderna e símbolos enigmáticos, os dois encontram pistas que vão deixá-los cara a cara com a chocante revelação de Kirsch... e com a verdade espantosa que ignoramos durante tanto tempo.

Resenha: Quando Robert Langdon chega ao Museu Guggenheim de Bilbao, na Espanha, o que ele tinha em vista era apenas assistir a uma apresentação de Edmond Kirsch, seu ex-aluno e amigo. Kirsch alegou ter feito uma descoberta tão importante envolvendo ciência e religião que o mundo inteiro ficaria abalado. Respostas para as perguntas "De onde viemos?" e "Pra onde vamos?" seriam, enfim, respondidas na dita apresentação. Porém, em meio a apresentação, alguns acontecimentos inesperados que instalam o caos no museu colocam a descoberta em risco, e, se nada for feito, a descoberta de Kirsch estaria perdida para sempre.
A fim de tornar as informações públicas, Robert se junta a Ambra Vidal, diretora do museu e amiga de Edmond, e eles partem numa jornada cheia de ação, aventura e recheada de elementos históricos e simbologia, em busca da chave para desvendar o segredo de Kirsch, que mudaria a percepção da humanidade sobre o mundo.

Origem é o quinto livro da saga Robert Langdon onde mais uma vez o protagonista se vê em meio a uma corrida frenética em busca da solução de algo de suma importância para o mundo.
Assim como nos livros anteriores (só não posso falar com propriedade sobre O Símbolo Perdido e Inferno pois ainda não li), a trama tem uma estrutura que funciona a base de uma "fórmula", a)  Robert em perigo, b) uma mulher que se torna sua parceira, c) um segredo que vai abalar todas as estruturas envolvendo ciência e religião, d) personagem acima de qualquer suspeita que se revela o vilão, e e) elementos históricos com simbolismo, e por mais que o autor combine esses elementos e construa uma história crível, envolvente e capaz de fazer com que o leitor reflita acerca de várias questões relacionadas ao tema, ela acaba sendo bastante previsível e até arrastada quando toca no ponto da descoberta de Kirsch, que demora uma eternidade para ser revelada e quando as explicações aparecem não é nada tão drástico assim. Sim, o autor é genial e consegue emendar fatos como ninguém, assim como a forma como ele articula essas questões que acabam sendo o grande clímax da trama, trabalhando em cima de questões que não são inéditas, mas dando um ponto de vista bastante criativo e que, de certa forma, funciona como as tão esperadas respostas.

Os capítulos são curtos, a narrativa é feita em terceira pessoa e alterna o ponto de vista entre os personagens, dessa forma a história é contada de uma forma "fragmentada" forçando o leitor a montar um tipo de quebra-cabeças, onde os encaixes vêm a medida que as coisas vão se desenrolando de forma bem gradual.

Claro que não é possível falar de um livro escrito por Dan Brown e não elogiar o homem pelo cuidado com os detalhes sobre fatos históricos e descrições sobre arquitetura, obras de arte e afins, assim como os inúmeros enigmas mirabolantes que os cercam, mas neste livro ele dá um espaço maior para as teorias científicas e na busca de uma senha específica para que o protagonista e sua companheira tenha acesso às informações bombásticas que devem ser reveladas, e as questões dos enigmas e a forma como os demais elementos estão interligados são bastante escassas.

Enfim, Origem é um livro muito bom pra quem é fã de Dan Brown e gosta de um suspense envolvendo questões delicadas e polêmicas das quais muitas pessoas buscam por respostas, e embora não seja meu livro preferido do autor, a leitura é válida pelas referências utilizadas e pela grande quantidade de informações que, querendo ou não, acabam sendo uma notável fonte de conhecimento.

Ônix - Jennifer L. Armentrout

15 de janeiro de 2018

Título: Ônix - Lux #2
Autora: Jennifer L. Armentrout
Editora: Valentina
Gênero: Romance/Fantasia/Sci-Fi
Ano: 2016
Páginas: 416
Nota:★★★★★
Sinopse: Estar conectada a ele é uma droga!
Graças ao seu abracadabra alienígena, Daemon está determinado a provar que o que sente por mim é mais do que um efeito colateral da nossa bizarra conexão. Em vista disso, fui obrigada a dar um “chega pra lá” nele, ainda que ultimamente nossa relação esteja... esquentando.
Algo pior do que os Arum ronda a cidade.
O Departamento de Defesa está aqui. Se eles descobrirem o que o Daemon pode fazer e que nós estamos conectados, vou me ferrar. Ele também. Além disso, tem um garoto novo na escola que, tal como a gente, guarda um segredo. Ele sabe o que aconteceu comigo e pode ajudar, mas, para fazer isso, preciso mentir para o Daemon e ficar longe dele. Como se isso fosse possível!
Até que, de repente, tudo muda.
Vi alguém que não deveria estar vivo. E tenho que contar ao Daemon, mesmo sabendo que ele não vai parar de investigar até descobrir toda a verdade.
Ninguém é o que parece ser. E nem todo mundo irá sobreviver às mentiras.
Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Resenha: Ônix é o segundo livro da Saga Lux, escrito por Jennifer L. Armentrout e publicado pela Editora Valentina.

No final de Obsidiana, uma luta épica entre Daemon e os Arum acabou por ferir mortalmente Katy. Daemon, não vendo outra saída, não hesita em curá-la. Claro que ele faria isso de qualquer forma, acontece que dessa vez, ele a trouxe praticamente do mundo dos mortos. Seus ferimentos foram extensos, mas Katy lutou, e salvou e amiga Dee e seu irmão, e como consequência, sua vida acaba de mudar para sempre.

Ao curar Katy, Daemon modifica seu DNA, fazendo com que ela agora se torne uma Híbrida, em função disso ela começa a desenvolver poderes. De início ela nem percebe, coisas sutis como mover uma porta ou derrubar uma jarra de chá se parecem muito com acidentes normais, então ela segue a vida, achando que está normal.

Ela teve uma febre muito alta e foi internada no hospital onde sua mãe trabalha, lá ela conhece Will que a trata, a cura e acaba se envolvendo com a mãe da menina. Um envolvimento estranho, que incomoda Katy, mas ela coloca a culpa em seus ciúmes, por não querer que sua mãe substitua o pai, que o câncer havia levado.

O tempo passa e Blake, um aluno novo se encanta por Katy, e ela por ele já que ao que tudo indica, ao lado no novo amigo ela poderá ter momentos normais. Ledo engano. logo Blake se revela um Híbrido também, e um bem poderoso, que está disposto a ajudar Katy, a treiná-la e deixá-la preparada para enfrentar os Arum. Daemon é contra e bate pé que tem algo muito errado com Blake, mas essa menina ouve??? Não, claro que não né! Então muita confusão começa a se desenrolar.

Há a suspeita de que Dawson, irmão gêmeo de Daemon esteja vivo então ele e Katy em meio às rusgas, investigam alguns agentes do DOD a fim de descobrir a verdade sobre o que aconteceu com Dawson e a namorada dele, que foram dados como mortos a quase dois anos. Katy está realmente aprendendo a usar seus novos poderes e está ficando mais poderosa do que o esperado! Dee está tão envolvida com seu romance do Adam que nem se dá conta de todos os perigos que a cercam.

Enfim, tem muita coisa acontecendo e se eu for começar a contar, vou longe falando aqui. Temos traições, mortes, intrigas, brigas, romance, superpoderes, descobertas e um monte de diálogos super divertidos, em especial entre o casal mais fofo da trama, Daemon e Katy. O romance entre eles ainda vai devagar, mas vai...vai chegar em algum lugar, se um lugar bom ou não, só lendo os próximos volumes pra saber, porque aqui a coisa ainda está morninha, morninha.

É uma leitura leve, agradável, que se desenvolve com grande fluidez, conhecemos personagens divertidos e cativantes. Somos apresentados a romances convincentes e amizades encantadoras. A narrativa nos envolve de uma maneira que quando percebemos, já fomos totalmente absorvidos pela leitura e sem notar, a terminamos. É uma leitura realmente recomendada para todos que gostam de romance, e uma pitada de Sci-fi.


Wishlist #18 - Funkos de Lilo & Stitch (atualizado em mar/19)

14 de janeiro de 2018

Já perdi as contas de quantas vezes assisti Lilo e Stitch ou de quantas milhões vezes já quis ter uma Xepa pra apertar. E nem tenho vergonha de assumir que já chorei rios assistindo essa animação, cheia dessas pequenas frases carregadas de sentimentos verdadeiros e que fazem todo o sentido do mundo.
"Ohana quer dizer família. Família quer dizer nunca mais abandonar... Mas se quiser ir, cê que sabe...  Vou te guardar no coração, assim como todos que já foram embora..."
Imortalizar isso num DVD é pouco... Quero os popinhos desses fofilfos que moram no meu coração!

Existem algumas outras versões do Stitch e da própria Xepa (Scrump), mas os que estão mesmo na minha lista eterna são esses aí. ;)


A Fogueira - Krysten Ritter

13 de janeiro de 2018

Título: A Fogueira
Autora: Krysten Ritter
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: Suspense/Thriller
Ano: 2017
Páginas: 288
Nota:★★★★☆
Sinopse: Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta.

Resenha: Abigail Williams tem vinte e oito anos e é uma advogada especializada em direitos ambientais. Ela é uma mulher independente, desapegada e muito bem sucedida. Abby nasceu em Barrens, uma cidadezinha bem pequena no estado do Indiana onde ela não foi muito feliz, mas já faz vários anos que ela mora em Chicago.
Aparentemente tudo ia bem na vida dela, até que Abby se depara com um caso relacionado a Optimal Plastics, a principal fonte de economia de Barrens. A empresa foi acusada de contaminar a água da cidade com seus poluentes, o que desencadeou várias doenças nos moradores.
Assim, depois de dez anos, Abby precisará retornar para sua cidade natal a fim de descobrir o que está acontecendo e em paralelo ao caso, ela descobre que sua antiga amiga de infância, Kaycee, desapareceu, e quanto mais ela investiga, mais próxima fica de uma verdade inquietante e rodeada por mistérios.

A história é narrada pelo ponto de vista de Abby e embora seja muto fluída e com detalhes o bastante para ambientar o leitor à trama, alguns deles bastante pesados inclusive, não traz elementos realmente novos. Obviamente a história tem seu próprio rumo, que confesso ser bem surpreendente, mas a impressão é de que a autora juntou fórmulas de várias histórias que todos nós já vimos em algum lugar, e é impossível ler sem levar este ponto em consideração.

Abby e Kaycee eram melhores amigas na infância, mas as coisas mudaram durante a adolescência. Abby passou a ser constantemente humilhada por Kaycee, que se tornou uma "Regina George" do colégio, cheia de súditas que sempre faziam o que ela queria, exatamente como no filme "Meninas Malvadas". Assim, após sofrer muito bullying, depois de se formar, ela partiu pra Chicago e só queria esquecer todos aqueles traumas. Porém, retornar a Barrens faz com que todas as suas mágoas viessem à tona, principalmente porque a cidade não evoluiu, as pessoas são as mesmas e continuam podres, a diferença é que Kaycee sumiu.
Ao mesmo tempo em que Abby precisa lidar com seu passado trágico, ela faz as investigações e descobre uma rede de corrupções além de outras questões mais pesadas, e, pra mim, essa parte além de previsível e nada envolvente, inicialmente lembrou um pouco da história de "Erin Brockovich". Só não me recordo agora de algum filme ou livro em específico que toca no ponto da personagem que retorna às origens e enfrenta seus demônios particulares, mas não acho que seja difícil encontrar algo do gênero. Os conflitos pessoais da protagonista foram trabalhados de uma forma bem mais interessante e que, devido ao teor, mexem muito mais com nossos sentimentos. O fato de que Abby bebe em excesso não seria um problema se isso não afetasse seu juízo e a própria voz narrativa em si. Se ela esquece de algo, nós leitores, como expectadores dependentes do ponto de vista dela, ficamos igualmente a ver navios. Ao meu ver o caso envolvendo a empresa foi um elemento que poderia ser substituído por qualquer outro, e o que importava mesmo era a história de Abby.

Abby é uma personagem introspectiva, que não se abre com facilidade e vive de mal humor (não sei até onde a autora se deixou influenciar pela personagem que ela interpreta nas telinhas, mas são idênticas), e acompanhar a história através do seu ponto de vista foi interessante pois as descobertas dela também são as nossas. Ao sabermos mais dos detalhes de seu passado, ficamos comovidos com tudo o que ela sofreu, e a forma como ela lida com esses assuntos inacabados também é algo fundamental para o desenrolar no caso como da trama em si.

Enfim, A Fogueira não foi uma leitura que trouxe algo realmente novo ou original, mas rendeu bons momentos e é livro indicado pra quem tem interesse em temas polêmicos da atualidade, como corrupção, abuso, misoginia e bullying de uma forma bem diferente do que já vi por aí.

A Ascensão do Mal - Danielle Paige

12 de janeiro de 2018

Título: A Ascensão do Mal - Dorothy Must Die #2
Autora: Danielle Paige
Editora: Jovens Leitores/Rocco
Gênero: Fantasia/Jovem Adulto/Releitura
Ano: 2017
Páginas: 240
Nota:★★★★☆
Sinopse: Meu nome é Amy Gumm - e eu sou a outra garota do Kansas.
Depois que um tornado destruiu o estacionamento de trailers onde eu morava, acabei indo parar um Oz.
Mas não era a Oz que eu conhecia dos livros e filmes.
Dorothy tinha retornado, mas agora era uma ditadora implacável. Glinda não podia mais ser chamada de Bruxa Boa. E as bruxas do mal que sobraram? Unram Forças para criar a Ordem Revolucionária das Malvadas e queriam me recrutar.
Minha missão? Matar Dorothy.
Só que minha tarefa de assassina não saiu conforme planejado. Dorothy ainda está viva. A Ordem desapareceu. E o lar que eu tanto queria deixar para trás pode estar em perigo.
De algum jeito, numa terra distorcida e dividida, preciso encontrar a Ordem, proteger a verdadeira soberana de Oz, matar Dorothy e seus capangas - e tentar descobrir o que eu realmente estou fazendo aqui. Mas, num lugar onde a linha entre o bem e o mal se desloca de acordo com a rajada do vento, em quem afinal eu posso confiar?
E quem é realmente do mal?
Resenha: O mundo de Oz mudou... Dorothy, obcecada pelo poder, se tornou uma governante cruel que sugava a magia do lugar para si. Isso precisava ter um fim...
Quando Amy Gumm, outra garota do Kansas, é sugada por um tornado e levada a Oz, ela é recrutada pela Ordem Revolucionária das Malvadas para salvar o mundo. Para isso ela deveria matar Dorothy e seus fieis capangas - o Homem-de-Lata, o Leão e o Espantalho -, enfrentando perigos, desvendando segredos, e descobrindo verdades sobre sua própria história.

Mas Amy falhou em sua missão, e por muito pouco conseguiu ser salva da morte por seus mais novos amigos. Agora, os membros da Ordem desapareceram e Amy não sabe para onde ir. O problema agora é ser caçada por Dorothy e sua perversa aliada, Glinda, mas não se Amy encontra-las primeiro, ela só precisa de ajuda. Assim, ela parte em busca da Ordem ao mesmo tempo em que tenta reverter o que aconteceu com Ozma, a melhor governante que Oz já viu... Com o coração do Homem-de-Lata em mãos, resta conseguir o coração do Leão e o cérebro do Espantalho para dar continuidade em sua arriscada missão e livrar Oz, o lugar que se tornou seu lar, da tirania.

Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Amy, a autora nos conduz por esse universo mágico e curioso, onde as perguntas vão sendo gradualmente respondidas a medida que a protagonista progride em seus objetivos. Enquanto o primeiro volume tinha um ritmo intenso no que diz respeito aos acontecimentos, neste segundo, mesmo que nos deparemos com conspirações secretas, perseguições alucinantes e batalhas sangrentas, as coisas fluem um pouco mais devagar. A autora se preocupa em descrever todos os detalhes do que compõe o mundo mágico de Oz e isso torna a leitura um pouco enfadonha devido ao excesso.

O que pra mim foi um problema, e que quebrou muito desse clima, foi Amy constantemente divagando sobre suas inseguranças, vivendo um dilema meio sem sentido com relação a se deixar corromper pelo atual sistema de Oz, um romance forçado e que não tinha a menor necessidade de existir, e sua falta de direção quando ela sabia que tinha coisas importantes a serem resolvidas. Mas a medida que a história avança ela se torna mais confiante e arregaça as mangas para fazer o que era preciso, ou pelo menos tentar, que é salvar seu lar. E pra isso ela só pode confiar em si mesma já que ninguém parece ser o que aparenta... Mas gostei bastante das informações acerca do motivo de Amy ter ido para Oz e a ligação desse mundo com o estado do Kansas.

No mais, pra quem gosta de uma aventura cheia de fantasia com toques sombrios, vai curtir a leitura da série. Por mais que o desenvolvimento de A Ascensão do Mal seja um pouco mais lento do que o livro anterior, a ideia de acompanhar Amy num cenário tão rico e curioso já vale a leitura.

La Belle Sauvage - Philip Pullman

11 de janeiro de 2018

Título: La Belle Sauvage - O Livro das Sombras #1
Autor: Philip Pullman
Editora: Suma de Letras
Gênero: Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 434
Nota:★★★★★
Sinopse: Malcolm e seu deamon, Asta, têm onze anos e vivem na estalagem A Truta, perto de Oxford. Do outro lado do rio, fica o convento de Godstow. Certo dia, Malcolm entreouve que as freiras estão recebendo uma nova hóspede: uma bebê chamada Lyra. O encanto que ele sente por ela é quase imediato, e sua curiosidade é aguçada pelo fato de que outras pessoas - importantes e perigosas - também parecem interessadas na criança.
Malcolm pode não saber por que Lyra é importante, mas quando uma tempestade desaba e inunda o país, ele precisa tomar uma decisão rápida para salvar a vida dela. Com a chuva caindo e as ruas da cidade transformadas em rios, Malcolm conduz sua canoa tentando levar Lyra para um lugar seguro. Mesmo que, no caminho, precise enfrentar fadas, feiticeiras, deuses e assassinos.
Neste primeiro volume da trilogia O Livro das Sombras, Philip Pullman leva os leitores de volta ao mundo de Fronteiras do Universo, contando a história da pequena Lyra anos antes dos eventos de A Bússola de Ouro.

Resenha: La Belle Sauvage é o primeiro volume da trilogia O Livro das Sombras (The Book of Dust) do autor Philip Pullman. O livro é um prequel da trilogia Fronteiras do Universo e traz de volta o universo dos deamons dez anos antes dos acontecimentos que se passaram em A Bússola de Ouro.

Malcolm Polstead é um garotinho ruivo de onze anos que, junto com seu deamon, Asta, mora e trabalha servindo hóspedes n'A Truta, a estalagem da família próxima de Oxford. Ele também passa o tempo ignorando a irritante Alice, que também trabalha na estalagem, faz pequenos serviços para as freiras do convento de Godstow ou atravessa as pessoas pelo rio em sua canoa, chamada de La Belle Sauvage.
Um dia o garoto descobre a presença de um bebê no convento e as conversas sobre o lugar que ouvia na estalagem enquanto servia os hóspedes começam a deixá-lo ainda mais curioso. Malcolm conhece Lyra, a misteriosa criança, e é inegável o quanto ela fica encantado e preocupado em protegê-la.
O que ele não sabia e os que as freiras não explicavam sobre Lyra era um mistério, e o interesse repentino de novos hóspedes pelo convento e por um suposto bebê o deixam intrigado.
Malcolm e Asta, junto com a odiada Alice e seu deamon Ben, embarcam numa jornada em sua canoa para proteger Lyra e Pantalaimon, mas não esperava viver uma grande e perigosa aventura assim como enfrentar a maior e mais surpreendente enchente de sua vida...

Narrado em terceira pessoa e com uma escrita rica e muito fluída, o leitor mergulha no mundo fantástico de Pullman e é capaz de compreender um pouco mais do funcionamento desse universo incrível assim como a importância do aletiômetro, uma relíquia que mais tarde pertenceria à Lyra para auxiliá-la em sua própria jornada.

Como os demais livros do autor, este também traz crianças como personagens principais em meio a uma trama cheia de camadas, com detalhes incríveis e um enredo muito inteligente, o que não faz do livro algo voltado ao público mais infantil, muito pelo contrário. O autor é mestre em explorar o mundo da fantasia e envolver o leitor no universo que criou, e assim como em Fronteiras do Universo, não deixou os temas e as críticas acerca de religião e política de fora. A questão da religião é o que move os personagens, principalmente os vilões, a lutarem por seus objetivos, e o Magisterium, assim como outros personagens doutrinados de acordo com os próprios objetivos que são tão assustadores quanto, já representava uma grande ameaça.

Embora o protagonista seja Malcolm, Lyra é a figura central para o desenvolvimento da história no que diz respeito aos conflitos gerados entre aqueles que têm poder, assim como faz parte de uma profecia. Embora não faça ideia do que está acontecendo por ser um bebê, ela é disputada como se nem fosse uma pessoa, mas sim um objeto, e ao mesmo tempo que é perseguida, é protegida com muito afinco pelo seu mais recente e jovem guardião.

A mitologia presente no enredo é incrível, principalmente quando o assunto é o misterioso Pó, e embora tenha seres fantásticos como os deamons, as bruxas e os ursos de armadura, o foco maior fica sobre as figuras angelicais, o que acaba expandindo ainda mais o dito universo onde a trama se passa.

Enfim, não é preciso que a primeira trilogia seja lida para compreender esta nova, mas confesso que a experiência será muito mais completa, agradável e satisfatória com tal conhecimento prévio. O autor mais uma vez não decepciona ao presentear os leitores com uma história com detalhes tão sombrios quanto iluminados, tornando La Belle Sauvage um livro que emociona e fascina.

Vulgo Grace - Margaret Atwood

8 de janeiro de 2018

Título: Vulgo Grace
Autora: Margaret Atwood
Editora: Rocco
Gênero: Drama
Ano: 2017
Páginas: 496
Nota:★★★★★
Sinopse: Inspirado num caso real, Vulgo Grace conta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão e a governanta da casa onde trabalhava, na Toronto do século XIX. Com uma narrativa repleta de sutilezas que revelam um pouco da personalidade e do passado da personagem, estimulando o leitor a formar sua própria opinião sobre ela, Atwood guarda as respostas definitivas para o fim. Afinal, o que teria levado Grace Marks a cometer o crime? Ou será que ela estaria sendo vitima de uma injustiça?

Resenha: Vulgo Grace é um romance de ficção especulativa baseado no caso real de Grace Marks, uma jovem imigrante irlandesa de dezesseis anos que, junto com James McDermott, foi acusada de ter assassinado seu empregador, Thomas Kinnear e sua governanta/amante Nancy Montgomery, no Canadá de 1843. Embora ambos tenham sido condenados da acusação, talvez pela falta de provas concretas, somente Grace escapou da pena de morte, mas passou muitos anos da sua vida em um manicômio e em numa prisão, até ter sido libertada e desaparecido. O fato é que, por mais que haja vários registros históricos sobre Grace, o caso da bela criada ainda é um mistério devido às várias contradições existentes em confissões, relatos, entrevistas, artigos e afins escritos sobre ela.
Grace foi uma jovem intrigante em varios sentidos, e por ter sido retratada como dona de várias personalidades distintas, nunca ficou claro se ela sofria de algum distúrbio mental ou se ela era uma manipuladora mentirosa e fatal.

Assim, utilizando o caso como base, a renomada escritora Margaret Atwood construiu uma trama fascinante onde o leitor é desafiado a descobrir o que faz ou não parte a ficção, quando é convidado a acompanhar o jovem psiquiatra Dr. Simon Jordan, que fora contratado por uma comissão local que quer provar a inocência da condenada, em uma tentativa de não só desbloquear várias memórias desaparecidas, como desvendar os mistérios da mente de Grace.
"De qualquer modo, Assassina é uma palavra forte para estar associada à sua pessoa. Tem um odor característico, essa palavra, almiscarado e sufocante, como flores mortas em um vaso. Às vezes, à noite, eu a sussurro para mim mesma: Assassina, Assassina. Ela produz um som farfalhante, como uma saia de tafetá pelo assoalho."
- Pág. 33
A escrita de Margaret Atwood é poética, com detalhes e descrições que transportam o leitor para a atmosfera que ela construiu através dos olhos de Grace. Embora tudo seja descrito com perfeição, seja os fragmentos dos fatos pesquisados ou ficção, há momentos em que nos questionamos sobre a veracidade do que Grace, como personagem, diz e cada frase pode ter um significado oculto que poderá fazer diferença no futuro...
É interessante acompanhar a problemática de Grace, que devido a falta de memória, não consegue distinguir se ela realmente matou o casal ou se foi apenas uma cúmplice do verdadeiro assassino. E tanto por sua beleza como pela forma como ela narra os acontecimentos, Dr. Jordan se impressiona e parece que o interesse vai além do que somente investigar a mente da mulher. Ele fica tão envolvido com o caso que começa a ser afetado de uma forma curiosa e bem intrigante, e isso é perceptível através de seus atos e pensamentos.

Além dos elementos verídicos, a história se completa com poemas, sonetos, documentos, citações e afins intercalados em meio a narrativa de forma a construir uma trama plausível e muito convincente, principalmente quando a cultura e os costumes da época são evidenciados a fim de tornar a história muito mais rica do que parece.

Este é o segundo livro que li da autora, o primeiro foi O Conto da Aia, e assim como ele, Atwood incorpora questões envolvendo o patriarcado, a sociedade machista, a opressão, os abusos que as mulheres sofrem, e Grace não fica de fora disso. É aquele tipo de leitura que fere, que causa indignação e repulsa, mas ainda assim serve para abrir os nossos olhos.
Muito do que as mulheres sofriam na mãos dos homens era encarado como algo normal da época, e na maioria das vezes a culpa sempre recaía sobre a mulher pelo simples fato de ela ser mulher.

Enfim, a história tem todo um clima de mistério e é impossível não se envolver com o caso e com os personagens, por mais complexos e imperfeitos que sejam. Confesso que devido ao excesso de detalhes a leitura em alguns momentos é um pouco cansativa e lenta, mas penso que sejam necessários para retratar o século XIX com a devida fidelidade e situar o leitor à época. Vulgo Grace é uma leitura imperdível sobre uma das mulheres mais enigmáticas da época cujo mistério ainda causa fascinação.


Wishlist #17 - Funkos de The 100

7 de janeiro de 2018

Quem já passou raiva assistindo The 100 levanta a mão!
Spoiler alert!
Não aguento a Clarke com suas caras e bocas de piedade e sofrimento eterno, e dou graças a Deus que o Jasper, o pelinha mor da série, tenha morrido na temporada 4, mas adoro e assisto todos os episódios de uma vez feito uma maníaca passa-fome, como se o mundo fosse acabar amanhã, e depois fico a ver navios sendo obrigada a esperar mais um ano inteiro com cara de tacho. Nem preciso dizer que os funkos de The 100 têm que fazer parte da coleção (que já está quase completa, inclusive).

Em novembro eu comprei a Clarke e a Lexa no Ebay por uns U$10,00 cada (e a Lexa que achei lá nesse preço foi a versão Chase, que aqui custa uns R$250,00 mais ou menos *o*), e acredito que devam chegar em janeiro ou fevereiro. E tô aqui rezando pra não serem taxadas (e mesmo se forem vai valer a pena, pq elas não andam com preços muito bons por aqui, não)...

PS.: Adoro como eles são "sujos"! *o*


Tash e Tolstói - Kathryn Ormsbee

6 de janeiro de 2018

Título: Tash e Tolstói
Autora: Kathryn Ormsbee
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Romance
Ano: 2017
Páginas: 376
Nota:★★★★★
Sinopse: Natasha Zelenka é apaixonada por filmes antigos, livros clássicos e pelo escritor russo Liev Tolstói. Tanto que Famílias Infelizes, a websérie que a garota produz no YouTube com Jack, sua melhor amiga, é uma adaptação moderna de Anna Kariênina. Quando o canal viraliza da noite para o dia, a súbita fama rende milhares de seguidores e, para surpresa de todos, uma indicação à Tuba Dourada, o Oscar das webséries. Esse evento é a grande chance de Tash conhecer pessoalmente Thom, um youtuber de quem sempre foi a fim. Agora, só falta criar coragem para contar a ele que é uma assexual romântica ou seja, ela se interessa romanticamente por garotos, mas não sente atração sexual por eles. O que Tash mais gostaria de saber é: o que Tolstói faria?

Resenha: Natasha Zelenka, mais conhecida como Tash, é uma adolescente de dezessete anos que, aparentemente, não é muito diferente das outras garotas da sua idade, a não ser por ser fã de Liev Tolstói, o autor de Anna Kariênina, a quem ela carinhosamente chama de "Leo". Sua paixão por ele é tanta que ela, a melhor amiga, Jack Harlow, e o irmão dela, Paul, fizeram uma adaptação da obra e gravaram a websérie deprimente "Famílias Infelizes" para o canal delas no Youtube. O trabalho não foi nada fácil, e ver que as visualizações não cresciam não era nada animador. Até que Taylor Mears, uma das youtubers mais conhecidas e respeitadas da rede, recomenda a série em seu canal e o vídeo viraliza, rendendo a elas milhares de seguidores, incontáveis visualizações, uma indicação ao Tuba Dourada (uma espécie de Oscar das webséries com direito a evento de entrega de prêmio e tudo mais) e, claro, fama.
Mas, junto com essa fama inesperada vem os haters ridículos e suas críticas maldosas, e Tash não consegue lidar com esses "ataques". Ela também fica maluca com a ideia de continuar produzindo conteúdo de qualidade para agradar os fãs, e isso acaba causando vários conflitos com Jack, sua amiga. Agora, Tash precisa se preparar para o evento da Tuba Dourada, e lá ela teria a oportunidade de conhecer Thom Causer, um youtuber de quem ela sempre foi a fim. Porém, com o início dessa aproximação e um possível envolvimento, Tash precisa criar coragem para contar que, embora ela tenha interesse romântico por ele, ela é assexual, ou seja, ela não tem o menor interesse sexual por ninguém.

O livro é narrado em primeira pessoa e é tão fluído que quando a gente começa a ler não vê o tempo passar. A leitura é muito envolvente, e mesmo que Tash tenha problemas típicos da idade dela, não há aquela sensação de que esses problemas são bobos já que muitos adolescentes devem viver um pouco do que ela vive e podem se identificar.
Eu não gostei muito de Tash no começo pois ela é muito egoísta, exagerada e parece que não tem muita consideração pelos outros, ainda mais quando está surtada com coisas que ela ainda não aprendeu a lidar. Todo mundo trabalha duro no projeto da série, mas pra ela isso nunca é o bastante. Mas gostei de ver que com as experiências que ela teve após essa fama e, em nome da amizade muito bonita entre ela e Jack, ela cresceu e aprendeu com os próprios erros, e ter humildade para reconhecê-los é uma coisa muito importante. A sexualidade dela também é uma coisa muito legal, pois aqui a autora entrega uma personagem que se aceita do jeitinho que é, e sua preocupação é assumir isso para os outros que estão fora do seu círculo de amizade e que, talvez, poderiam não entender ou aceitar sua condição.

Outro ponto bem legal na trama é a forma como a autora mostra que a internet hoje em dia faz parte da vida de todo mundo, mas nem sempre é o mar de rosas que muitos pensam, ainda mais quando os bastidores são revelados. Por mais incríveis que as redes sociais possam ser, sempre há o lado negativo da coisa, principalmente quando a pessoa se torna um criador de conteúdo ou um formador de opinião e precisa encarar comentários de todos os tipos, todo santo dia, e ainda ficar na expectativa de agradar o seu público e correr o enorme risco de sair frustrado, e geralmente com gente que deveria ser ignorada.

Eu adorei a capa do livro, principalmente por trazer as cores da bandeira do orgulho assexual. O título e os detalhes da barba tem uma textura mais áspera e são um diferencial bem bacana.

Os conflitos adolescentes e os temas abordados são bem interessantes, e mostram um pouco dos problemas familiares, a importância da amizade, a rotina e as consequências de se ter fama na internet, e até as tristezas de se enfrentar a dor da perda, e o tema mais original e bacana do livro é com relação a assexualidade da protagonista, que não deixa de ser uma representatividade que eu nunca tinha visto em obras do gênero e é super importante para levar um pouco desta realidade aos leitores, mesmo que não seja tão aprofundada quanto eu imaginei, principalmente para quebrar alguns preconceitos bobos e mostrar que o interesse sexual por outras pessoas nem sempre é algo que deve fazer parte da vida, afinal, cada um é cada um.

Últimas Mensagens Recebidas - Emily Trunko

5 de janeiro de 2018

Título: Últimas Mensagens Recebidas
Autora: Emily Trunko (org)
Editora: Seguinte
Gênero: Não ficção
Ano: 2017
Páginas: 176
Nota:★★★★★
Sinopse: Quando uma mensagem é a última, ela pode significar um fim, uma perda, ou até um alívio. E se você fosse o destinatário?
A partir de contribuições anônimas, a jovem Emily Trunko reuniu nesta coletânea mensagens que contam histórias reais sobre os mais variados tipos de despedida: o fim de uma amizade, o término de um relacionamento ou até mesmo um acontecimento trágico que muda a vida do destinatário e do remetente para sempre.
Enviadas por celular, por e-mail ou pelas redes sociais, essas mensagens narram perdas profundas e inspiram muita reflexão. Será que não deveríamos expressar mais o amor que sentimos pelas pessoas enquanto isso ainda é possível? Ou, em alguns casos, nos afastar o quanto antes daquelas que nos fazem mal?

Resenha: Alguém já parou pra pensar na última coisa que nos foi dita por alguém que fez parte da nossa vida?
Emily Trunko tem apenas dezesseis anos, mas sua ideia de criar um blog para reunir as últimas mensagens recebidas ou enviadas a alguém após algum acontecimento marcante fez um enorme sucesso e acabou ajudando milhares de pessoas a conseguirem enfrentar e a superar o enorme peso que essas mensagens, ou as mensagens que elas pretendiam deixar por estarem pensando em tomar alguma atitude drástica, exercem em suas vidas.

Últimas Mensagens Recebidas é uma coletânea de mensagens ou frases ditas que marcaram o final de um relacionamento, uma amizade ou até mesmo a própria vida, e a forma como são apresentadas, a maioria delas seguidas por suas histórias reais, é capaz de mexer com nossos sentimentos e trazer reflexões acerca dos nossos próprios relacionamentos, a forma como lidamos com eles e como as pessoas são afetadas por alguma determinada escolha ou atitude.


Confesso que eu nunca parei pra pensar na última coisa que me disseram, ou na última coisa que eu disse antes que o afastamento e a distância ocupassem esse espaço entre nós, e após a leitura deste livro, percebi o quanto as palavras, dependendo de como são ditas, tem um poder enorme de não só nos tocar de forma indelével, como também de nos transformar pra sempre, de forma negativa ou positiva para quem as leu ou ouviu pela última vez.


As mensagens evidenciam amor, dor, alegria, raiva e decepções; retratam problemas delicados e pesados, como a depressão, o suicídio, o vício em drogas, o abandono, o abuso e até a indiferença e suas consequências quando o assunto é dar atenção a quem mais precisa dela; outras são bonitas e mostram que muitas vidas mudaram quando pessoas que partiram deixaram um pouco de seu brilho através de suas últimas palavras; mas todas elas são carregadas de verdades, e embora muitas machuquem, mostram o verdadeiro caráter daqueles com quem tínhamos alguma ligação.
As mensagens são profundas e algumas delas são tão fortes que chegam a arrancar lágrimas do leitor.


O projeto gráfico do livro é a coisa mais linda, desde a capa dura até as páginas coloridas com esquemas tipográficos que dão movimento às frases e as tornam ainda mais intensas com suas ilustrações tão particulares e especiais. No final ainda há páginas em branco dedicadas ao leitor para que ele possa escrever as próprias mensagens caso queira.

A gente nunca sabe qual será a última mensagem que trocaremos com alguém. Talvez seremos lembrados por aqueles que passaram por nossas vidas pelas últimas palavras que dissermos, e o livro acaba mostrando que não só devemos ter cuidado com o que falamos e da forma que falamos, como também o quanto é importante expressarmos nossos sentimentos enquanto o tempo ainda permite...

A Pedra Pagã - Nora Roberts

4 de janeiro de 2018

Título: A Pedra Pagã  - A Sina do Sete #3
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2017
Páginas: 272
Nota:★★★★★
Sinopse: Partilhando visões de morte e fogo, os irmãos de sangue Cal, Fox e Gage, e as mulheres ligadas a eles pelo destino, Quinn, Layla e Cybil, não podem ignorar o fato de que o demônio está mais forte do que nunca e que a batalha final pela cidade de Hawkins Hollow está a poucos meses de acontecer.
A boa notícia é que eles conseguiram a arma necessária para deter o inimigo ao unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo. A má notícia é que ainda não sabem como usá-la e o tempo está se esgotando.
Compartilhando o dom de ver o futuro, Cybil e Gage podem descobrir a resposta para esse enigma se trabalharem juntos. Só que, além de não terem nada em comum, os dois se recusam a ceder aos próprios sentimentos. Um jogador profissional como Gage sabe que se entregar a uma mulher como Cybil – com a inteligência, a força e a beleza devastadora dela – pode ser uma aposta muito alta. E qualquer erro de estratégia pode significar a diferença entre o apocalipse e o fim do pesadelo para Hawkins Hollow.

Resenha: A Pedra Pagã é o último livro da trilogia A Sina do Sete, escrito por Nora Roberts e publicado pela Editora Arqueiro.

Primeiro, vamos dar uma relembrada no que já passou: Quando os amigos Cal, Fox e Gage completaram 10 anos de idade, resolveram acampar na Pedra Pagã, era uma pedra localizada na mata, um lugar rodeado de mistérios que atraiu as crianças sem elas saberem o motivo. Os amigos faziam aniversário no mesmo dia e nada mais queriam a não ser comemorar juntos. A meia noite, acabaram por soltar uma maldição, quando resolveram fazer uma espécie de pacto de sangue e isso fez com que um clarão enorme aparecesse. Na hora eles se assustaram, e muito, mas não faziam ideia do que estava por vir. Desde então, a cada 7 anos, durante 7 dias e 7 noites, as pessoas da cidade enlouquecem, machucam e até matam umas às outras sem se importar se são amigos, entes queridos ou um desconhecido, e depois, simplesmente, não lembram do que aconteceu. Isso vem acontecendo já faz 21 anos! Então, lá no primeiro livro, Cal chama Quinn, que é uma escritora sobrenatural, pensando que com um olhar de fora, ela possa ajudar a resolver e acabar com a maldição. Junto com Quinn, chega Layla, sem saber como ou por que foi parar naquela cidade, e Cybil, amiga inseparável de Quinn, que vão, junto com os rapazes, descobrir que fazem parte da maldição.

Cada livro foi dedicado a um casal. Paralelo às tentativas de descobrir uma maneira de acabar com a maldição, um romance se desenrola e agora foi a vez de Gage e Cybil, os dois mais resistentes à se envolver, já que acham que o amor entre eles é culpa da maldição e não uma coisa natural. Eles resistem o quanto podem e tentam não se envolver, mas o sentimento é maior e aos poucos, e meio que sem perceber, acabam se envolvendo de verdade.

Porém, ainda que o romance esteja no ar, as coisas não param de acontecer, o menino dos olhos vermelhos está cada vez mais maldoso e cada vez mais presente na vida dos amigos, e suas maldades estão cada vez mais impactantes, e mesmo não sendo ainda a semana crítica, que eles chamam de "semana dos sete", coisas terríveis começam a acontecer.

Enfim, eles descobrem o que deve ser feito para parar o garoto, só que não vai ser assim tão simples, é que para tanto, um deles deve se sacrificar a menos que eles consigam arranjar um jeito de enganar o menino, e mais importante, enganar a morte certa. Porém essas seis pessoas acabaram se tornando amigas de verdade, e o sacrifício não é uma possibilidade para nenhum deles. Então, eles iniciam uma corrida contra o tempo para dar um jeito em toda essa confusão, já que descobriram que esse será o último ano da maldição. Definitivamente, alguém vai vencer, se eles ou o gurizinho malvado, ninguém sabe.

Essa trilogia me conquistou de verdade! Nunca tinha lido nada da autora e preciso dizer que valeu a pena, a narrativa dela é super fluída, mistério e romance vieram na medida certa, as cenas mais picantes estão perfeitas, sem exagero e os cenários são descritos com perfeição, além de os personagens serem cativantes e super bem construídos.

O relacionamento entre Cybil e Gage avança natural e gradualmente fazendo com que o envolvimento se torne mais intenso cada vez mais até que se deem conta.
A trama é bem desenvolvida e os acontecimentos conectados de uma forma bastante surpreendente, de forma que as perguntas que ficaram em aberto fossem, enfim, respondidas.

Pra quem gosta de romances com elementos sobrenaturais, com aquela pegada de "mocinhos numa jornada para derrotar o mal", é trilogia recomendada!

Obsidiana - Jennifer L. Armentrout

3 de janeiro de 2018

Título: Obsidiana - Lux #1
Autora: Jennifer L. Armentrout
Editora: Valentina
Gênero: Romance/Fantasia/Sci-Fi
Ano: 2015
Páginas: 320
Nota:★★★★★
Sinopse: Começar de novo é um saco.
Quando a gente se mudou para o interior, bem no início do último ano do colégio, eu já vinha me preparando para o sotaque caipira, o tédio, a internet lenta e um monte de chatices…Até dar de cara com o meu vizinho lindo, alto de dar tontura e com intimidantes olhos verdes. Hummm…os prognósticos estavam melhorando.
Até que…ele abriu a boca.
Daemon é irritante. Arrogante. Dá vontade de matar. A gente não se dá bem. Não mesmo. Mas, quando um caminhão quase me transforma em panqueca, o garoto literalmente congela o tempo com um aceno de mão e aí, bom, algo inesperado acontece.
O alien gato (meu vizinho) tem poderes!!!
Você me ouviu bem. ALIEN! A verdade é que ele e a irmã têm uma galáxia de inimigos que querem roubar seus poderes. O rastro que deixou em mim brilha como árvore de natal e isso não é nada bom. O único jeito de sair viva dessa é ficar colada em Daemon até a magia alienígena desaparecer.
Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Resenha: Obsidiana é o primeiro volume da Saga Lux, escrito por J. Lynn e publicado pela Editora Valentina. No Brasil já foram publicados quatro livros e o quinto e último, segundo informação da Editora, será publicado esse ano, mas ainda sem mês definido.

Quando Katy se mudou para West Virginia (ou West "Deus me livre" Virginia, segundo ela) sua única preocupação era arrumar a bagunça de sua casa, desencaixotar tudo e atualizar o blog literário: Katy's Krazy Obsession. Já gostei dela, uma aficionada por livros e blogueira assumida. Sua mãe resolveu recomeçar, mudando para bem longe da Flórida, onde viviam as duas com o pai da menina. Ele porém, havia falecido, vítima do câncer três anos antes, deixando as duas sozinhas. Então, recomeçar em um lugar completamente diferente, onde não havia sequer um Shopping era uma boa, certo? Até que Katy resolveu, incentivada por sua mãe, bater na porta dos seus vizinhos que pelo que sabia, deveriam ter a mesma idade dela.

Qual não foi a surpresa da garota quando um rapaz lindo, aliás o mais lindo que ela já havia visto na vida abriu a porta, sem camisa, com olhos verdes que não poderiam ser humanos, uma atitude arrogante e...já falei que o cara é lindo??? Pois é, mas aí ele abriu a boca e ela decidiu que não tinha outra coisa a fazer a não ser odiar o garoto com todas as suas forças. A atitude arrogante se mostrou maior do que antes, ele é grosseiro com ela, sem motivo aparente e não faz questão de esconder isso.

Daemon, o cara lindo porém insuportável tem uma irmã gêmea, Dee, que faz amizade imediatamente com Katy, as duas se identificam de cara, só que o irmão da menina não vai aceitar tal amizade e vai fazer de tudo para afastar as meninas, sem sucesso, contudo consegue incomodar e não é pouco.

O tempo passa, as meninas se tornam melhores amigas, Katy e Daemon brigam cada vez mais, alternando momentos mais amenos, porém, sempre que pode, o cara é insuportável, Katy o odeia, o acha lindo com sua boca totalmente beijável (palavras dela), o odeia mais um pouco....

Paralelo à isso, coisas estranhas acontecem, Daemon e Dee parecem fazer coisas impossíveis, até que enfim Katy descobre que seus vizinhos são alienígenas. São feitos de luz e tem poderes e quando eles fazem alguma coisa grande, liberam um rastro que permanece nos humanos que estão com eles, coisas como parar um caminhão que quase atropela Katy por exemplo, então agora a menina tem o tal rastro e o único jeito de ficar segura é ficando sempre junto do Daemon, porque os Arum, que são inimigos naturais dos Luxen vão encontrar, e matar qualquer um que tenha o tal rastro. Além disso, ela tem que manter segredo sobre o que sabe dos amigos, pois existe uma espécie de agência do governo, conhecida por DOD que cuida e controla os Luxen e os Arum e eles não admitem que humanos saibam da existência dos ET's. Os que sabem, somem.

Enfim, em meio às brigas do Daemon e da Katy, que pra mim é sempre o ponto alto da leitura, eles têm que fugir dos Arum, se esconder do DOD, administrar esse caso de amor e ódio entre os dois, viver normalmente frequentando a escola, ter uma vida social, sem morrer e sem se deixar descobrir e nossa...facilmente se tornou a minha leitura favorita! Não vou negar que estou relendo esse livro, pela terceira vez e obviamente, já estou indo para o segundo.

É uma leitura fácil, que flui maravilhosamente bem, traz diálogos super divertidos, leves e descontraídos. Os personagens são bem construídos e apaixonantes, os cenários bem desenvolvidos e o romance que se desenvolve cresce devagar, como tem que ser e realmente convence. É uma leitura daquelas que começamos meio que por começar e quando vemos terminou, de tão prazerosa que é.

Resumo do Mês - Dezembro

1 de janeiro de 2018


2017 foi um ano bem difícil e, tirando a chegada do Ian, não acho que este tenha sido um ano muito bom, não... Li bem menos do que gostaria, atrasei várias coisas no blog e fiquei desanimada muitas vezes a ponto de querer desistir. Mas quando penso que o blog já está fazendo o sexto aniversário, fico com a maior dó de abandonar tudo como se esse tempão não tivesse significado nada pra mim.
Querendo ou não o blog faz parte de mim, representa um pouquinho do que sou, do que gosto e do que ainda me traz satisfação, e por isso vou continuar como posso, porém sem me desesperar com o que não dou conta mais de fazer, pra não ter que carregar um peso que não consigo aguentar.
Como dezembro foi um mês meio apertado por causa do aniversário da Vivi, do Natal e das coisas que envolvem a rotina da casa, até que consegui ler uma quantidade considerável de livros, e dei conta de resenhar outros que já tinha lido fazia tempo, então espiem o que teve no blog esse mês que passou:

♥ Resenhas
- O Conto da Aia - Margaret Atwood
- A Luneta Âmbar - Philip Pullman
- A Maldição de Hollow - Nora Roberts
- O Conto da Deusa - Natsuo Kirino
- Por um Toque de Magia - Carolina Munhóz
- Vidas Muito Boas - J.K. Rowling
- O Livro do Cemitério - Neil Gaiman
- O Gabinete Paralelo - Maureen Johnson
- Archie Greene e o Segredo dos Magos - D.D. Everest
- A Prisão do Rei - Victoria Aveyard
- O Beijo Traiçoeiro - Erin Beaty
- O Fio Dourado - Cornelia Funke
- Sangue por Sangue - Ryan Graudin
- O Bazar dos Sonhos Ruins - Stephen King
- A Zona Morta - Stephen King
- Só Escute - Sarah Dessen
- Tudo Junto e Misturado - Ann Brashares

Games
- Limbo

♥ Wishlist
- Funkos de Labyrinth
- Funkos de Home Alone

♥ Caixa de Correio de Dezembro

Feliz ano novo, muito sucesso, animação, saúde, paz e muitas bençãos!
Que 2018 seja um ano de muitas realizações, felicidades e conquistas pra todo mundo!