Caixa de Correio #61 - Março

31 de março de 2017

Útimo dia do mês, como sempre, é dia de caixinha! Esse mês chegou vários livritchos de cortesia e os que comprei na promoção da Saraiva no Dia da Mulher (ainda falta chegar mais um, mas como comprei na pré-venda e o bendito só lança em abril, o jeito é esperar).
Confiram os novos moradores da estante dessa casa:

Uma Pequena Mentira - K.A. Tucker

28 de março de 2017

Título: Uma Pequena Mentira - Ten Tiny Breaths #2
Autora: K.A. Tucker
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: New Adult
Ano: 2017
Páginas: 352
Nota:★★★★★
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Livie, a mais centrada das irmãs Cleary, segurou as pontas após a morte dos pais num acidente em que Kacey, a mais velha, foi a única sobrevivente, e cuidou da irmã quando ela caiu em depressão. Aos poucos, Kacey superou seus traumas e encontrou a felicidade, enquanto Livie se dedicava aos estudos. Agora, no segundo do livro da série de sucesso Ten Tiny Breaths, K. A. Tucker joga o foco de sua envolvente narrativa sobre a caçula. Livie acaba de ingressar na tradicional Universidade de Princeton e está pronta para viver as emoções típicas de uma caloura, o que inclui frequentar as festas no campus, fazer novos amigos e encontrar um namorado bacana com quem possa tecer planos para o futuro. Ela só não esperava se envolver justamente com um cara como Ashton Henley, o capitão do time de remo com fama de garanhão. Com medo de ser apenas mais uma na lista de conquistas de Ashton, Livie tenta agir com a razão, como sempre fez. Mas até que ponto vale a pena dominar seus sentimentos por medo de se machucar?

Resenha: Uma Pequena Mentira é o segundo volume da série Ten Tiny Breaths da autora K.A. Tucker.
Cada livro da série é destinado a um personagem distinto e sua experiência de acordo com a situação, logo é possível ler de forma independente sem que se perca muita coisa. O primeiro, Respire, trouxe Kacey como protagonista abordando seus problemas emocionais e a forma de lidar com eles após a perda dos pais, melhor amiga e namorado, e desta vez o foco fica sobre Livie, a irmã dela, que mesmo tendo passado pelo mesmo trauma de perder os pais de forma tão trágica, se manteve mais centrada sobre o ocorrido, focando nos estudos e lidando de forma totalmente diferente com essa perda, mesmo que Kacey acredite que Livie guarde sentimentos relacionados à tragedia que podem explodir a qualquer momento.

Livie, então, vai pra Universidade de Princeton. Ela é uma jovem inexperiente e acaba seguindo os conselhos de seu terapeuta e tendo ajuda da irmã para se "comportar de acordo com os moldes da vida universitária". Obviamente experimentar álcool, ter envolvimentos amorosos e outras experiências do tipo faz parte, e, mesmo estranhando o que é novo, ela decide se soltar... Numa festa, Livie conhece Ashton, capitão da equipe de remo. Um cara gato e sarado com fama de pegador que desperta seu interesse (e o de todas as outras garotas, claro), mas que, no fundo, ela sabe que ele não é o tipo de cara pra se envolver de um jeito mais romântico e duradouro. E em meio a relutância de Livie, ela conhece Connor, um rapaz super fofo e educado que a deixa encantada, mas logo descobre que ele e Ashton dividem a mesma casa, são amigos e integram o time de remo da universidade.
E em meio a tudo isso, resta a Livie decidir o que fazer com a forte atração que sente por Ashton, mesmo que ele insista que não é o cara certo pra ela, ou investir em um relacionamento com Connor, que parece ser o cara ideal.

O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Livie e, embora também tenha seus momentos clichês, se desenvolve de forma fluida e gradual, mesmo que tenha alguns problemas estruturais, além daquilo que me mata de tanto desgosto: os "benditos" triângulos amorosos nada originais e mais do que desnecessários para que "reviravoltas" ou maiores dramas aconteçam. E o que mais me incomoda e irrita nesse tipo de romance é que não há como negar o óbvio. Desde o início o leitor já sabe quem vai ficar junto com quem e a questão é apenas como isso seria feito. Logo a participação de um segundo pretendente é pura bobagem.

Foi impossível pra mim não fazer uma comparação entre a Livie centrada e madura pra idade de antes e a Livie universitária de agora. Ela foi apresentada como uma menina inteligente e bem tímida, e algumas das suas atitudes eram sempre tomadas em nome do agrado alheio. E dessa vez, por estar num ambiente diferente, com pessoas novas com outros propósitos e interesses, ela também precisou acompanhar tais mudanças de forma a se desprender do que era antes passando a se focar no que a fazia feliz, e não no que era totalmente certo. Agora ela é determinada e está disposta a arriscar, mesmo que isso não lhe traga bons frutos. Não que ela esteja errada. Mudanças, quando pra melhor, são bem vindas e é mais do que normal as pessoas mudarem com o passar do tempo, mas a forma como isso foi feito aqui não me convenceu 100% e em vários pontos achei Livie muito irritante.

Os demais personagens tiveram seus destaques, tanto os antigos quanto os novos, e todos colaboram para a construção da trama. Até mesmo a participação de Kacey e Trent para matar a saudade, mas, claro, preciso dar um destaque maior para Ashton já que, devido ao gênero, era de se esperar que a mocinha se envolveria com alguém misterioso cujo passado também estaria marcado por algum tipo de trauma horrível que o deixasse quebrado internamente e que servisse de motivo para que ele evitasse relacionamentos a qualquer custo como mecanismo de defesa. Durante um tempo fiquei pensando no que poderia ser, mas acabei sendo surpreendida e no final das contas fiquei muito mal pois não foi nada agradável... De qualquer forma Ashton foi um personagem que me agradou bastante e foi um dos melhores, se não o melhor e mais bem construido, da história.

Enfim, Uma Pequena Mentira fala sobre as mudanças necessárias pelas quais as pessoas tem que passar para amadurecerem e continuarem levando a vida de forma plena e como é importante ter apoio de alguém para ajudar na superação daquilo que mais nos atormenta.

Respire - K.A. Tucker

25 de março de 2017

Título: Respire - Ten Tiny Breaths #1
Autora: K.A. Tucker
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: New Adult
Ano: 2016
Páginas: 320
Nota:★★★☆☆
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Kacey Cleary não chora, não suporta o toque das pessoas e canaliza sua energia para treinos intensos de kickboxing. Tudo isso depois de um ano de reabilitação física e de mergulhar num mundo de drogas e álcool para tentar lidar com a perda dos pais, da melhor amiga e do namorado, num acidente de carro do qual ela foi a única sobrevivente. Kacey chegou ao fundo do poço, mas resolve lutar para sair de lá por Livie, a irmã caçula. Depois de irem morar com uma tia religiosa fanática e seu marido alcoólatra, as duas fogem para Miami para tentar recomeçar, e Kacey terá que enfrentar seus fantasmas para derrubar o muro que ergueu ao seu redor. Às vezes, respirar torna-se uma missão quase impossível, mas K.A. Tucker mostra que é preciso neste romance sobre perdas, amizade, amor e superação.

Resenha: Respire é o primeiro volume da série Ten Tiny Breaths da autora K.A. Tucker publicados no Brasil pelo selo Fábrica 231 da Editora Rocco.

Há quatro anos Kacey perdeu os pais, a melhor amiga e o namorado num trágico acidente de carro em que ela foi a única sobrevivente, e desde então, sua forma de lidar com essa perda dolorosa foi mergulhar num mundo regado a vários vícios destrutivos até encontrar no kickboxing uma forma de canalizar seu trauma. Seu único motivo pra não desistir de viver e ter forças pra sair do buraco em que se enfiou é Livie, sua irmã mais nova. As duas vão morar com os tios mas depois de vários problemas sérios, como a tia que é uma fanática religiosa que condena severamente o comportamento de Kacey sem sequer tentar entendê-la, e o marido dela que é um alcóolatra sem a menor noção, elas decidem que aquilo jamais poderia dar certo, o que as leva a fugir pra Miami e recomeçarem suas vidas. As irmãs encontram um novo lar num complexo de apartamentos e lá conhecem algumas pessoas bastante interessantes. O problema é que Kacey se recusa a falar do passado, e construiu uma muralha ao seu redor não permitindo que ninguém se aproxime, mas seu vizinho, Trent, talvez mude isso quando começa a mexer com suas emoções e a atração entre ambos é algo que se torna inevitável. Mas e se nessa história Kacey não for a única a guardar segredos, que podem, inclusive, botar tudo a perder?

O livro é dividido em fases que retraram uma linha de acontecimentos que estão ligados ao vício e que conseguem captar bem a situação da protagonista naquele momento em específico.
Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Kacey, o leitor vai acompanhar como o lado emocional da protagonista foi abalado e como ela irá superar seus traumas através da aproximação com o bad boy encantador e tão destruído psicologicamente quanto.
É praticamente inquestionável que exista uma fórmula para o gênero new adult, tanto com relação aos problemas dos personagens quanto a ambientação típica, fora os clichês, e o problema não é a fórmula ou a previsibilidade da trama em si, mas a forma como ela se desenvolve ou apresenta certos tipos de elementos. Não curti a forma como o romance começou de forma instantânea (e até meio doentia) e foi sendo levado com um ar de mistério cujo intuito é surpreender (mas que pra mim foi bastante previsível), mas posso dizer que gostei da ideia de esse relacionamento não ser o motivo principal para Kacey superar o trauma que tanto lhe afeta. A aproximação com Trent ajuda, mas o que realmente faz a diferença são as amizades verdadeiras que ela cultiva e, claro, a terapia, que é abordada de forma natural, descontruindo estereótipos ou preconceitos sobre quem procura esse tipo de ajuda.

Eu tive impressões sobre a protagonista que variavam a cada capítulo e não acho que isso seja um ponto favorável à ela. Por mais que eu entenda que cada um tem sua forma de encarar uma situação traumática, é meio difícil engolir uma pessoa que não tem uma personalidade constante e que a cada momento age de uma forma. Em alguns momentos ela parece uma maluca, outros parece uma criança de cinco anos de idade cheia de mimimis, outros uma adolescente rebelde sem causa, e em outros age como uma adulta super madura e resolvida. Não entendi o motivo dessa variação, principalmente se levarmos em consideração que Livie, que é mais nova e também teve a mesma perda trágica, encara as coisas com muito mais maturidade do que Kacey.

Apesar de algumas falhas, o livro tráz uma história bem bacana sobre perda, luto, medo e inseguranças, mas também fala sobre a amizade sincera, o amor, o perdão, a superação e a esperança de que, embora a vida nos pregue peças que nos deixam em ruínas, grandes reviravoltas podem acontecer onde os envolvidos, enfim, podem encontrar a paz que tanto buscavam e retomarem o controle de suas vidas.

A Irmandade Perdida - Anne Fortier

24 de março de 2017

Título: A Irmandade Perdida
Autora: Anne Fortier
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance
Ano: 2015
Páginas: 528
Nota:★★★★☆
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Diana Morgan é professora da renomada Universidade de Oxford. Especialista em mitologia grega, tem verdadeira obsessão pelo assunto desde a infância, quando sua excêntrica avó alegou ser uma amazona – e desapareceu sem deixar vestígios.
No mundo acadêmico, a fixação de Diana pelas amazonas é motivo de piada, porém ela acaba recebendo uma oferta irrecusável de uma misteriosa instituição. Financiada pela Fundação Skolsky, a pesquisadora viaja para o norte da África, onde conhece Nick Barrán, um homem enigmático que a guia até um templo recém-encontrado, encoberto há 3 mil anos pela areia do deserto.
Com a ajuda de um caderno deixado pela avó, Diana começa a decifrar as estranhas inscrições registradas no templo e logo encontra o nome de Mirina, a primeira rainha amazona. Na Idade do Bronze, ela atravessou o Mediterrâneo em uma tentativa heroica de libertar suas irmãs, sequestradas por piratas gregos.
Seguindo os rastros dessas guerreiras, Diana e Nick se lançam em uma jornada em busca da verdade por trás do mito – algo capaz de mudar suas vidas, mas também de despertar a ganância de colecionadores de arte dispostos a tudo para pôr as mãos no lendário Tesouro das Amazonas.
Entrelaçando passado e presente e percorrendo Inglaterra, Argélia, Grécia e as ruínas de Troia, A irmandade perdida é uma aventura apaixonante sobre duas mulheres separadas por milênios, mas com uma luta em comum: manter vivas as amazonas e preservar seu legado para a humanidade.

Resenha: A Irmandade Perdida, escrito pela autora dinamarquesa Anne Fortier (a mesma do livro Julieta) e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro, conta a história de Diana Morgan, uma renomada professora da Universidade de Oxford, filóloga e especialista em mitologia grega que também é fascinada pelas amazonas desde quando sua avó disse ter sido uma no passado, até ter desaparecido misteriosamente deixando apenas um caderno com um idioma desconhecido e um bracelete para a neta.
Até que um dia Diana recebe uma proposta intrigante e muito tentadora... Tratava-se de um convite para que ela decifrasse um código ligado às amazonas num templo arqueológico recém-descoberto na África. Diana não hesita diante dessa oportunidade pois seria sua grande chance de provar que as amazonas existiram, mas o que ela não esperava era que essa viagem rumo a Argélia transformaria sua vida, pois além dos segredos desconhecidos que pairam pelo local, há outras pessoas que também estão nessa corrida contra o tempo para desvendá-los...
Com a ajuda do caderno deixado por sua avó, Diana começa a decifrar as inscrições registradas no templo que estão lá há cerca de três mil anos e não demora a encontrar o nome da primeira rainha amazona, Mirina, cuja história heróica e repleta de aventuras logo desperta a curiosidade de Diana, que começa a seguir rastros para descobrir a verdade escondida por trás da lenda.

A narrativa mescla presente e passado se alternando entre primeira e terceira pessoa. Nas passagens no tempo presente e destinadas a Diana, o leitor tem o ponto de vista dela, enquanto as de Mirina são feitas em terceira pessoa há milênios atrás.
A escrita é mais rebuscada, não sendo muito casual, mas é de fácil compreensão e bastante fluída, e a autora tem uma habilidade muito boa quando o assunto é pesquisar para tornar os elementos impostos na trama plausiveis e convincentes, seja com relação as lendas ou a própria mitologia grega a qual a protagonista é fascinada, e isso colabora muito para despertar não só a curiosidade do leitor, mas também seu interesse por tais temas.
Os diálogos são inteligentes e bastante dinâmicos o que acaba tornando a leitura bastante agradável, e unindo esse fator à construção de personagens incríveis em meio a cenários deslumbrantes, o resultado só poderia ser uma história envolvente e recheada de momentos marcantes e memoráveis.

Apesar da trama ser muito rica, preciso confessar que a parte do romance, pra mim, deixou a desejar, pois soa mais forçado do que eu gostaria e com intençoes um pouco convenientes demais para que algumas reviravoltas pudessem ter sido feitas.
Então, por mais que eu tenha gostado de Diana e sua força de vontade de correr atrás do que acredita sem medo, o que ficou mais evidente que isso foi perceber através de suas ações em sua jornada que ela é uma personagem que tem enormes dificuldades de lidar com situações quando ela é contrariada, e isso acaba se contradizendo um pouco com a forma que ela foi apresentada inicialmente. Ela é forte, mas com ressalvas...
Mirina se destacou muito mais por estar a frente de seu tempo, já demonstrando ter força e coragem numa época dominada pelos homens onde a mulher devia ser submissa. No final das contas fica evidente que os feitos de cada uma se completam, fazendo com que a história se amarre de forma genial e fique ainda mais movimentada e surpreendente.

Um ponto super positivo é a ideia de que existem conexões entre os personagens que são trabalhadas ao longo da trama fazendo com que o leitor fique bastante surpreso com as revelações feitas, mas também há alguns pontos negativos, como vários dos personagens secundários que parecem não terem sido tão bem explorados como deveriam de forma que alguns parecem estar alí mais pra atrapalhar ou ocupar páginas, assim como os flashbacks de Diana que acabam "interrompendo" a fluidez de vários acontecimentos que estavam sendo narrados anteriormente aos quais considerei vários deles super dispensáveis.

A capa é a mesma da original e o capricho é admirável, desde o tom de turquesa e verde até os detalhes de ornamento em volta da imagem com aplicação de verniz para se destacarem. A diagramação é simples e os capítulos, alguns curtos e outros mais longos, são numerados e com a indicação da cidade onde a personagem está a fim de facilitar a localização de onde a situação se passa. As páginas são amarelas, a fonte tem tamanho normal e não percebi erros na revisão.

Em suma, A Irmandade Perdida aborda a vida de duas mulheres fortes em meio a aventuras de tirar o fôlego. Estarem separadas pelo tempo não impediu seus propósitos de manter vivo o legado das amazonas para o mundo inteiro. Pra quem procura por uma história incrível e cheia de aventuras, é livro mais do que recomendado.

Novidades de Março - Darkside Books

23 de março de 2017

The Beauty of Darkness - Crônicas de Amor e Ódio #3 - Mary E. Pearson

A trilogia Crônicas de Amor e Ódio chega ao fim de maneira arrasadora. A história de Lia inspirou muitos leitores a embarcarem em uma jornada extraordinária repleta de ação, romance, mistérios e autoconhecimento, em um universo deslumbrante criado pela premiada escritora Mary E. Pearson, onde o poder feminino é a força motriz capaz de mudar e fazer toda a diferença no novo mundo em construção.
Lia sobreviveu a Venda, mas não foi a única. Um grande mal pretende destruir o reino de Morrighan, e somente ela pode impedi-lo. Com a guerra no horizonte, Lia não tem escolha a não ser assumir seu papel de Primeira Filha, como uma verdadeira guerreira — e líder.
Enquanto luta para chegar a Morrighan a tempo de salvar seu povo, ela precisa cuidar do seu coração e seus sentimentos conflituosos em relação a Rafe e as suspeitas contra Kaden, que a tem perseguido. Nesta conclusão de tirar o fôlego, os traidores devem ser aniquilados, sacrifícios precisam ser feitos e conflitos que pareciam insolúveis terão que ser superados enquanto o futuro de todos os reinos está por um fio e nas mãos dessa determinada e inigualável mulher.

A Guerra Que Salvou a Minha Vida - Kimberly Brubaker Bradley

Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando.
Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.
Kimberly Brubaker Bradley consegue ir muito além do que se convencionou chamar “história de superação”. Seu livro é um registro emocional e historicamente preciso sobre a Segunda Guerra Mundial. E de como os grandes conflitos armados afetam a vida de milhões de inocentes, mesmo longe dos campos de batalha. No caso da pequena Ada, a guerra começou dentro de casa.
Essa é uma das belas surpresas do livro: mostrar a guerra pelos olhos de uma menina, e não pelo ponto de vista de um soldado, que enfrenta a fome e a necessidade de abandonar seu lar. Assim como a protagonista, milhares de crianças precisaram deixar a família em Londres na esperança de escapar dos horrores dos bombardeios.

Meio Mundo - Joe Abercrombie

22 de março de 2017

Título: Meio Mundo - Mar Despedaçado #2
Autor: Joe Abercrombie
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 368
Nota:★★★★☆
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Thorn Bathu não é uma garota comum. Mesmo tendo sido criada numa sociedade machista, ela vive para lutar e treina arduamente há anos. Porém, após uma fatalidade, ela é declarada assassina pelo mesmo mestre de armas que deveria prepará-la para as batalhas.
Para fugir à sentença de morte, Thorn se vê obrigada a participar de um esquema do ardiloso pai Yarvi, ministro de Gettland. Ao lado dela se encontra Brand, um guerreiro que odeia matar, mas encara a jornada como uma chance de sustentar a irmã e conquistar o respeito de seu povo.
A missão dos dois é cruzar meio mundo a bordo de um navio e buscar aliados contra o Rei Supremo, que pretende subjugar todo o Mar Despedaçado. É uma viagem desafiadora, em que Brand precisa provar seu valor e Thorn fará o necessário para honrar a memória do pai e se tornar uma verdadeira guerreira.

Resenha: Meio Mundo é o segundo volume da trilogia Mar Despedaçado escrita pelo autor inglês Joe Amercrombie. O livro foi publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.

Thorn Bathu não é igual as outras garotas de Gettland. Ela não tem interesse pela vida de mulherzinha submissa que muitas se prestam, para o desgosto de sua mãe. Se casar ou cuidar da aparência são coisas que passam longe de seus pensamentos e tudo o que ela mais sonha é se tornar uma guerreira como seu pai fora e ainda vingar sua morte, mas vivendo num mundo extremamente machista, isso não seria tão fácil assim. Durante um treinamento, Thorn acaba matando de forma acidental um dos seus colegas, e isso faz com que ela seja julgada como uma assassina cuja sentença é ser apedrejada até a morte. Mas, com a ajuda de Brand e de Pai Yarvi, ela consegue escapar desse destino, e por ter tido a vida salva, ela faz um juramento para serví-lo.
Graças a Yarvi, os destinos de Thorn e Brand se cruzam, e ele se aproveita disso para conseguir mais aliados através de uma viagem que os fará percorrer meio mundo para adentrar numa guerra contra o Rei Supremo a fim de salvar Gettland. De um lado está Thorn, tocada pela Mãe Guerra, que fará de tudo para se tornar uma guerreira forte e honrar o pai, e do outro está Brand, que reluta quando o assunto é matar e não quer se desviar do caminho da luz.

Antes de mais nada, vale ressaltar que o primeiro livro, Meio Rei, traz a história de Yarvi e tudo pelo que o jovem passou até se transformar no homem que nos é apresentado neste segundo livro. Como tudo da trama se passa no mesmo universo, alguns personagens já conhecidos estão presentes, mas não possuem o mesmo destaque que tiveram anteriormente já que o foco é um novo grupo. Então, por mais que Meio Mundo traga personagens novos e principalmente uma outra protagonista criado um novo arco, não acho que o livro seja tããão independente assim, mesmo que ainda possa ser lido sozinho, pois a falta do primeiro vai causar aquela sensação de que perdemos alguma coisa, ou ainda tornar um pouco incompreensível a busca por determinados objetivos que os personagens traçaram.

Narrado em terceira pessoa, a escrita do autor continua fluída e com doses ainda maiores de ação. O foco fica sobre Thorn e Brand e isso acaba permitido que o leitor tenha uma visão diferente dos personagens do livro anterior, principalmente de Yarvi.
Thorn é aquele tipo de personagem que cresce e se torna muito forte com com as experiências que vai adquirindo ao longo de sua jornada, e ela não tem medo de sujar as mãos de sangue se a ocasião exigir isso... Em contrapartida, Brand equilibra a história diante desse espírito guerreiro de Thorn, pois ele sempre visa a bondade e a paz, e mesmo que não goste, ele não foge da luta quando se depara com uma.
Não vou dar muitos detalhes sobre Yarvi para evitar spoilers, mas posso dizer que enquanto no primeiro livro o leitor se deparou com uma história de dor, inseguranças e muitas lutas, aqui o personagem usa sua inteligência e esperteza a favor dos seus objetivos e se mostra um completo badass. Ele é um personagem forte, cheio de camadas e ainda consegue ser engraçado e reservar várias surpresas...

A capa segue no mesmo padrão da série e traz os personagens principais com Thorn a frente como a verdadeira guerreira que é. Assim como no livro anterior, os capítulos possuem títulos, as páginas são amarelas e não percebi erros na revisão.

Pra quem procura por uma história de fantasia que envolve batalhas e heróis, mas, acima de tudo, que evidencia a amizade verdadeira e até onde é possível alguém ir a fim de provar seu valor, é leitura mais do que indicada.

Meio Rei - Joe Abercrombie

21 de março de 2017

Título: Meio Rei - Mar Despedaçado #1
Autor: Joe Abercrombie
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia
Ano: 2016
Páginas: 288
Nota:★★★★☆
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Filho caçula do rei Uthrik, Yarvi nasceu com a mão deformada e sempre foi considerado fraco pela família. Num mundo em que as leis são ditadas por pessoas de braço forte e coração frio, ser incapaz de brandir uma espada ou portar um escudo é o pior defeito de um homem.
Mas o que falta a Yarvi em força física lhe sobra em inteligência. Por isso ele estuda para ser ministro e, pelo resto da vida, curar e aconselhar. Ou pelo menos era o que ele pensava.
Certa noite, o jovem recebe a notícia de que o pai e o irmão mais velho foram assassinados e não lhe resta escolha a não ser assumir o trono. De uma hora para outra, ele precisa endurecer para vingar as duas mortes. E logo sua jornada o lança numa saga de crueldade e amargura, traição e cinismo, em que as decisões de Yarvi determinarão o destino do reino e de todo o povo.

Resenha: Meio Rei é o primeiro volume da trilogia Mar Despedaçado escrita pelo autor inglês Joe Amercrombie. O livro foi publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.

Yarvi é príncipe de Gettland, filho mais novo do rei Uthrik e, por ter nascido com uma deformidade em uma das mãos, não é considerado um homem inteiro, mas sim "meio", por não ser capaz de brandir uma espada e não ter a força física necessária por aqueles que ditam as regras e são considerados fortes. Ele sempre foi desprezado pelo pai e sempre foi alvo de piadas por não ser um verdadeiro guerreiro, mas sim um meio filho, como se jamais fosse estar a altura do pai ou do irmão mais velho.
Embora Yarvi tenha esse defeito, ele é um jovem inteligente e que possui conhecimentos relacionados a cura, ervas e afins, logo herdar o trono nunca foi algo que o interessou. Yarvi quer ser ministro, um tipo de conselheiro do rei, que serve ao Pai Paz em vez da Mãe Guerra. Porém, prestes a fazer o teste para se tornar ministro, Yarvi recebe a notícia de que seu pai e seu irmão foram mortos durante uma emboscada e, consequentemente, ele deveria assumir o trono e todas as responsabilidades que o irmão teria, inclusive seu casamento arranjado, mas, quando decide que iria vingar a morte dos dois, Yarvi acaba sendo traído, e as provações pelas quais o jovem irá passar serão fatores cruciais para que ele faça escolhas que irão traçar o destino de todo o reino.

Narrado em terceira pessoa, acompanhamos uma história de dor e muita luta com personagens complexos e que são movidos não só pela coragem, mas pela forma de pensar, mesmo que seus sentimentos sejam totalmente conflitantes diante da situação em que se encontram.
Eu gostei de Yarvi pois é possível aprender com ele que os maiores e melhores exemplos partem de uma história difícil, e com ele não foi diferente. E não só pelo fato de ele ter uma deficiência que faz com que ele se comporte de forma mais humana e realista, passando por dificuldades maiores devido a essa limitação e aprendendo com os próprios erros. Ele precisou desistir de todos os seus planos para herdar um trono que não queria, e tudo o que passou, por mais injusto que tenha sido, serviu para que ele crescesse não só como pessoa, mas como o verdadeiro líder que ele nasceu pra ser, embora tenha sido desacreditado disso a vida inteira.
Os demais personagens também são fundamentais para o desenrolar da história, a ambientação é rica e detalhada sem muitos excessos e o universo de forma geral traz questões como política, religião e afins, que são relevantes para a época fazendo toda a diferença por estarem lá.

Posso dizer que não foram só as grandes reviravoltas e a total imprevisibilidade sobre os personagens eu me agradaram na trama de forma geral, mas também a forma como o autor não tratou as personagens femininas de forma unilateral, mas sim, deu a elas características que, geralmente - e levando em consideração a época medieval -, são voltadas a personagens masculinos, e mostrou que elas também podem ser fortes, corajosas, inteligentes e destemidas deixando qualquer machão no chinelo. E mesmo a trajetória de Yarvi sendo o foco principal da história, elas não ficam ofuscadas já que se destacam e possuem um papel essencial, independente do que façam ou onde e com quem estejam.

O projeto gráfico do livro também é simples mas chama bastante atenção. A capa condiz com a história e o detalhe em verniz no título o destaca do fundo escuro.
Os capítulos possuem títulos em vez se serem numerados e são curtos, e isso colabora ainda mais pra fluidez da leitura que acaba sendo feita de forma bem rápida.

No mais, Meio Rei é um misto de fantasia com ação, trazendo uma trama inteligente e que mantém o leitor preso da primeira a última página. Super recomendo!

Novidades de Março - Grupo Pensamento

20 de março de 2017

Seoman

A Primeira Pedra - Krzysztof Charamsa

O padre polonês Krzysztof Charamsa, 44 anos, atualmente ativista dos direitos LGBT em Barcelona, ocupou os níveis mais altos da Igreja Católica. Revelar sua homossexualidade em outubro de 2015 foi apenas uma nova e difícil etapa em sua vida. A partir daí, Charamsa passou por muitas provações por assumir-se gay no seio de uma das instituições mais conservadoras do mundo. Neste livro, ele revela como os homossexuais são discriminados, reduzidos à condição de pervertidos, enquanto o clero católico, fortemente homofóbico, é ele próprio composto em grande parte por homossexuais. Esses homens acabam arando um terreno fértil onde germina a erva daninha vergonhosa da pedofilia e outros tipos de abusos. Escrita de forma clara, direta e emocionada, a obra promete estremecer os alicerces éticos de uma das instituições mais poderosas do mundo.

Cultrix

Filosofia sem as Partes Chatas - Alain Stephen

Temos mesmo livre-arbítrio? Como sabemos a diferença entre certo e errado? Se Deus existe, por que permite o sofrimento? O que é o tempo? Existe vida depois da morte? Perguntas como essas têm ocupado e perturbado as mentes mais brilhantes do mundo ao longo da história da civilização humana, provocando sempre muita discussão e debate. Neste livro curioso e visceral, Alain Stephen explora algumas dessas questões básicas. Ele explica todos os principais conceitos da filosofia, desde a Grécia Antiga até os grandes intelectuais da França do século XX. Com uma linguagem clara e livre de jargões, este livro propicia momentos de deleite e reflexão tanto para o pensador erudito quanto para qualquer pessoa que se interesse em filosofar sobre os grandes enigmas da vida.

Mapas Mentais Para os Negócios - Tony Buzan e Chris Griffiths

Tony Buzan, o mais proeminente autor mundial de Mapeamento Mental, ao lado de Chris Griffiths, cofundador e CEO da Buzan Online Ltd., vai lhe mostrar como aplicar Mapas Mentais a qualquer desafio ou meta empresarial - desde o gerenciamento de projetos e vendas até estratégias de liderança. Usado por empresas do mundo inteiro, entre elas, De Beers, Disney, Microsoft e até a NASA, para criar, liderar, planejar, apresentar soluções e fazer apresentações, os Mapas Mentais podem ajudá-lo a resolver problemas, descobrir novas maneiras de trabalhar, traçar planos de negócios, reestruturar sua equipe e muito mais.

O Herói - Lutz Müller

Neste primeiro volume da Biblioteca Psicologia e Mito, o analista junguiano Lutz Müller revela o verdadeiro caminho do herói - o caminho da individuação e da vida criativa; o caminho da mudança que, através do enfrentamento da morte, leva a uma nova vida. E, ao convidar o leitor a refletir sobre a história do seu herói preferido, mostra que esse caminho não está reservado a uns poucos escolhidos, mas que todos nós - homens ou mulheres - nascemos para ser heróis.


O Guia Completo das Plantas Medicinais - David Hoffman

Neste guia abrangente e bem fundamentado, o médico herbalista David Hoffmann oferece um tratamento natural e sem contraindicações para ajudar você a recuperar e manter a saúde e o bem-estar. Orientações claras e minuciosas mostram como diagnosticar e tratar com segurança uma ampla variedade de distúrbios - desde prisão de ventre, TPM e depressão até rinite, diabetes e tensão nervosa - sem nenhum efeito colateral nocivo. Uma obra para você promover a sua saúde e bem-estar, com um dos tratamentos mais acessíveis e completos que a natureza nos deu.

Jangada

O Terceiro Testamento - Christopher Galt

Em toda parte, as pessoas começam a ter visões. Um adolescente francês assiste Joana D'Arc ser queimada na fogueira, e até tenta tirar uma foto com o celular, e a presidente dos Estados Unidos tem visões de seus antecessores dentro da Casa Branca. Ninguém sabe se essas misteriosas aparições são uma espécie de alucinação coletiva, uma doença virótica causada por bioterrorismo ou se são sinais do Apocalipse. Ocorrem suicídios em massa em várias partes do mundo, e o psiquiatra e neurocientista John Macbeth, à frente de um projeto para criar uma inteligência artificial autônoma, busca freneticamente uma resposta antes que seja tarde demais. Ele descobre que a verdade por trás de tudo pode mudar os rumos da humanidade para sempre. E até custar a sua vida. Uma história eletrizante que o fará questionar sua perspectiva da realidade. E até mesmo a sua sanidade.

Pensamento

Os Segredos do Signo Solar - Amy Zerner e Monte Farber

Um livro cheio de informações práticas e curiosas sobre os traços positivos e negativos dos signos, seu par ideal no amor, seu comportamento em casa e no trabalho, suas atitudes em relação ao dinheiro, suas tendências secretas, seu jeito de criar os filhos e muito mais. Use este livro para se conhecer melhor, encontrar soluções para os seus problemas, progredir na carreira e turbinar a sua vida amorosa! Um belíssimo manual ilustrado que oferece uma nova maneira de interpretar os dozes signos do zodíaco, com descrições de fácil compreensão que ajudarão você a entender, com total clareza, sua personalidade e a das pessoas à sua volta.

As Cinco Leis Espirituais da Cura - Marion Kohn

A naturopata Marion Kohn, com base nas descobertas revolucionárias do renomado médico alemão doutor Ryke Geerd Hamer, oferece uma compreensão inteiramente nova da causa, do desenvolvimento e do processo natural de cura das doenças. A autora esclarece que, além de um sentido biológico, as doenças têm um sentido espiritual e podem ser curadas se compreendermos o que ela chama de "as cinco leis espirituais da cura". Pautada nessas leis, ela propõe uma cura por meio do perdão e oferece vários exemplos tirados da vida real. Uma obra que levará você a reconhecer a cura como algo muito maior que a simples remissão das doenças, pois, segundo Marion, o ato da cura é uma das etapas mais sublimes do nosso desenvolvimento espiritual.

Boston Boys - Giulia Paim

19 de março de 2017

Título: Boston Boys - Boston Boys #1
Autora: Giulia Paim
Editora: Globo Alt
Gênero: Juvenil/Literatura Nacional
Ano: 2017
Páginas: 360
Nota:★☆☆☆☆
Sinopse: O sonho de toda adolescente se realizou para Ronnie Adams: o maior astro pop da TV foi morar na casa dela. Ela deveria estar vibrando, como qualquer garota normal, mas na verdade está odiando a ideia. Ela não vê a menor graça em Boston Boys, programa sobre a vida de três integrantes de uma boyband, e acha os garotos uns babacas.
De fato, Mason McDougal se acha o máximo e está acostumado a ser recebido sempre por meninas histéricas, por isso não faz o menor esforço para ser simpático. Tendo que lidar com o egocentrismo do garoto, além da perseguição de fãs ciumentas, a vida de Ronnie vira de cabeça para baixo.
Agora ela terá que se acostumar com a stalker nº 1 dos garotos plantada em seu gramado, frequentar festas glamorosas e lidar com paparazzis, resolver uma guerra de fofocas on-line e até fazer uma viagem internacional. Em meio a tantas novas aventuras, Ronnie se envolve cada vez mais com os Boston Boys e percebe aos poucos que, no mundo da fama, nem tudo é o que parece ser...

Resenha: Henry, Ryan e Mason formam o Boston Boys, uma boyband que ganhou um programa de televisão estilo reality show e é o sonho de consumo de várias fãs. Veronica Adams, ou Ronnie, é uma adolescente de quinze anos que odeia boybands, odeia os meninos e acha todos eles uns completos babacas, mesmo que sua irmã, Mary, seja apaixonada por eles.
Até que um belo dia, numa situação mais do que improvável e inusitada, Ronnie vê seu mundo revirado de cabeça pra baixo quando Mason, o "conquistador" do grupo, vira hóspede em sua casa durante as gravações do programa. Além de aturar o garoto, que é super mimado, ela ainda vai se meter em várias confusões.

Pra ser bem sincera, talvez essa resenha possa ser interpretada mais como um desabafo do que como uma crítica, principalmente por eu ainda estar meio abismada, mesmo que tenham se passado nem sei quantos dias depois de ter finalizado a leitura. Então, vamos lá.

A história é narrada em primeira pessoa e a escrita, mesmo que com alguns furos, é bem fluída, mas receio que essa fluidez - assim como o projeto gráfico muito caprichado - seja a única coisa boa do livro.
Ronnie já começa o livro falando que é taurina, e nunca me senti tão mal representada, astrologicamente falando, na minha vida. Generalizando, prefiro ser reconhecida como "esfomeada que come até o chapisco do muro" do que "nascida pra ser feita de trouxa".
Ela está numa situação mega desconfortável, mas em vez de se "rebelar contra o sistema" e pelo menos tentar mostrar o quanto está insatisfeita, só sabe reclamar, dando a impressão de que passa 24hrs de mau humor, gritando, histérica mas, ainda assim, incompreendida por não saber e nem conseguir se expressar. No final das contas, ela se conforma e faz o que foi obrigada a fazer.

Mason é um caso sério. O sujeito parece ser um tipo de discípulo de Justin Bieber. A imbecilidade e falta de bom senso conseguem superar a beleza da criatura. Claro que há motivos e tentativas de se explicar o comportamento odioso desse moleque boçal, mas nada que tenha me convencido...

A confiança é a base da família, mas a própria mãe escondeu que saiu do emprego de analista de sistemas para ser produtora do programa Boston Boys, e só cinco longos meses depois, quando foi conveniente, ela resolveu comunicar as filhas que Mason seria hóspede na casa por "falta de lugar pra ficar". Rico e famoso, mas sem teto. Ok. E, a partir daí, a mãe que sempre foi legal, se transformou numa carrasca sem consideração que obrigava Ronnie a fazer coisas contra a sua vontade e a se submeter às situações mais ridículas que já vi, incluindo envolver um ex namorado idiota na história. E não digo mandar a filha arrumar a cama ou lavar a louça, coisas que os filhos detestam mas são mais do que a obrigação, mas aturar um desconhecido folgado e prepotente que, além de infernizá-la, ainda a faz de empregada e acha que humilhá-la é engraçado.
E isso o que a mãe faz (ou deixa de fazer) é só um pequeno exemplo que mostra que os adultos da história são completamente desprovidos de maturidade e senso, além de serem uns cretinos irresponsáveis. Se houvesse justiça no mundo, o conselho tutelar já teria entrado em ação há séculos.

Mary, a irmã de Ronnie, tem onze anos mas já é uma maníaca em potencial. Ela começa como uma fã engraçadinha e fofa, mas depois se revela uma menina tão desequilibrada e psicótica que não entendi nada. Onze anos!

Ah, e não posso deixar de falar da Piper Longshock, a fã nº 1 e obcecada pelos meninos. Ela sempre fica na espreita e nos arredores de onde eles estiverem e descobre tudo que quer, sabe-se lá Deus como. Ela inclusive se muda de cidade pra seguí-los, e começa a ameaçar Ronnie sem que ninguém perceba, e sem que haja consequências. É algo como "tem uma delinquente a solta por aí tentando me matar, mas ok". A menina é adolescente, e como assim ela se muda de cidade como se estivesse indo na padaria da esquina? E os pais dela? [insira um emoji de facepalm aqui]

Ver o trio super famoso sair andando por aí de boas, frequentando a escola comum do bairro ou dando um rolé no shopping sem terem um pedaço da roupa arrancada, ou sem saírem carregados nas costas das fãs enlouquecidas, não me pareceu muito "natural". É impossível aceitar e entender como eles saem "ilesos" da multidão enfurecida, usufruindo do direito de ir e vir como qualquer cidadão comum.

A ideia de mostrar as confusões e as mudanças na vida de uma adolescente decorrentes de uma convivência forçada com aquilo que ela mais odeia é interessante, eu admito, e poderia servir de reflexão pra várias meninas aprenderem a lidar melhor com pessoas que detestam, mas são obrigadas a aturar, seja pelo motivo que for, mas quando o desenvolvimento da história é absurdo e impossível, sem que o contexto faça qualquer jus à realidade, é um pouco difícil de engolir. Uma coisa é um livro cujo enredo sem nexo e impossível está alí de forma proposital (e eu poderia citar vários livros absurdos envolvendo o universo infantil ou adolescente que li, morri de rir e adorei), outra coisa é quando o impossível é vendido como tentativa de ser crível mas, na verdade, não é. E eu não fui capaz de comprar essa história. Sabem aquele ditado que diz que a primeira impressão é a que fica? Pois serviu direitinho nesse caso. E mesmo quando a história, que não deixou de ser incoerente em momento algum, começou a dar indícios de que melhoraria, eu já estava tão tomada pela antipatia e total falta de credibilidade da trama, que nada mais seria suficiente pra me fazer gostar. Quando li um comentário sobre o livro parecer ser uma fanfic, não imaginei que poderia levar aquilo pelo lado literal da coisa. Parece mesmo uma fanfic, e escrita sem que haja preocupação em fazer parecer verossímil. Talvez, se os personagens fossem mais velhos, muita coisa poderia ser mais aceitável, até o comportamento absurdo e doentio de Piper, mas sendo adolescentes - e dependentes dos pais -, não teve nada a ver.

Penso que houve uma tentativa de fazer dessas situações algo muito cômico e inusitado, mas não funcionou, não pra mim. Não consegui achar nada divertido ou engraçado. É como se o livro fosse feito pra não ser levado a sério, porque não é possível tanta coisa errada e de mau gosto numa história só. Diante de tantos absurdos, não consegui relevar, só consegui achar tudo muito irreal e irritante, e meu envolvimento foi zero. Olhos revirando num looping infinito.
E como se todos esses pontos negativos não fossem o bastante, ainda tem mais: A história se passa nos EUA e, teoricamente, os personagens são americanos, mas nunca vi um grupo tão abrasileirado como esse.

O fato de que não houve um romance propriamente dito me surpreendeu (pelo menos não nesse volume), mas, como esperado desde o início, existe todo aquele clichê de mocinho babaca que acaba tendo uma queda secreta pela mocinha ingênua, e ela, claro, acaba conseguindo enxergar por trás do que ele aparenta ser, e todos vivem felizes para sempre. Se esse é o fim eu não sei, mas, no meio disso tudo, muita confusão - sem cabimento - vai rolar...

Infelizmente, esta não foi uma leitura que eu tenha gostado a ponto de recomendar, mas como gosto é algo bastante subjetivo, e cada um tem o seu, talvez valha a pena investir pra se tirar as próprias conclusões...

Objetos Cortantes - Gillian Flynn

18 de março de 2017

Título: Objetos Cortantes
Autora: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Gênero: Thriller/Suspense/Mistério
Ano: 2015
Páginas: 254
Nota:★★★★★
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago, Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida.
Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã, praticamente uma desconhecida. Mas, sem recursos para se hospedar na cidade, é obrigada a ficar na casa da família e lidar com todas as reminiscências de seu passado.
Entrevistando velhos conhecidos e recém-chegados a fim de aprofundar as investigações e elaborar sua matéria, a jornalista relembra a infância e a adolescência conturbadas e aos poucos desvenda os segredos de sua família, quase tão macabros quanto as cicatrizes sob suas roupas.

Resenha: Depois do sucesso estrondoso de Garota Exemplar, a autora Gillian Flynn teve outras obras publicadas pela Intrínseca aqui no Brasil.
Objetos Cortantes narra a história de Camille, uma repórter de um jornal em Chicago. A morte de duas garotas em sua cidade natal, Wind Gap, a faz retornar para lá a fim de investigar o ocorrido e redigir uma reportagem para seu editor. Esse retorno, entretanto, gera mais do que uma simples investigação: além de descobrir a identidade do assassino, Camille terá que lidar com os fantasmas do seu passado.

A capacidade de Gillian trabalhar o modo psicológico em seus livros fica evidente a cada obra lançada pela autora. Enquanto em Garota Exemplar a insanidade de uma mulher é mostrada ao decorrer da história, em Objetos Cortantes temos também várias figuras femininas como principais no enredo. Pouco a pouco a personalidade delas é trabalhada e desenvolvida, mas há um mistério excelente na relação das personagens e isso instiga muito, criando dúvidas quanto ao papel desempenhado por cada uma delas. Flynn consegue construir figuras interessantes em cada obra sua, de modo que o necessário é mostrado e o principal é escondido e guardado para o final.

A narrativa é feita em primeira pessoa por Camille, uma mulher de trinta e poucos anos que carrega um passado turbulento e cheio de "marcas". A personagem é complexa, tem uma personalidade profunda e é até meio similar a Amy Exemplar. O contato o dela com a mãe, Adora, é o que há de mais interessante em Objetos Cortantes. Espera-se de relação mãe versus filha algo cheio de amor e compreensão, mas entre as duas não há nada além de frieza. É estranho ver com as duas se relacionam. Gradativamente, Flynn vai esmiuçando os diversos pontos dessa proximidade maternal tão peculiar e surpreende ao mostrar o modo como isso se originou.

Outra personagem que tem grande importância é Amma, filha de Adora e meia-irmã de Camille. A representatividade da precocidade juvenil é evidente nela. Com apenas treze anos, muitos seios e uma sexualidade já aflorada, a garota é tudo o que não espera-se de uma menina tão jovem.  Mas além disso, a forma como ela se porta diante de diversas situações é muito medonha. Em diversos momentos ela profana coisas horríveis para irmã e em outros está calma e doce. Uma verdadeira bipolar.

Objetos Cortantes é um livro curto de leitura fácil e rápida. A história instiga não pelo fato de seu desenvolvimento acelerado e investigação policial, mas, sim, por ter acontecimentos intrigantes em torno da protagonista. A história tem um foco maior no teor psicológico e é isso que a torna tão boa. Por que Amma se comporta de maneira tão estranha? Por que Adora não gosta da própria filha? Por que Camille usava objetos para cortar-se? Perguntas como essas surgem e se arrastam até o final. O desfecho surpreende e deixa uma moral: nem tudo que parece realmente é.

O Coração da Esfinge - Colleen Houck

17 de março de 2017

Título: O Coração da Esfinge - Deuses do Egito #2
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Aventura/YA
Ano: 2016
Páginas: 368
Nota:★★☆☆☆
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Lily Young achou que viajar pelo mundo com um príncipe egípcio tinha sido sua maior aventura. Mas a grande jornada de sua vida ainda está para começar.
Depois que Amon e Lily se separaram de maneira trágica, ele se transportou para o mundo dos mortos – aquilo que os mortais chamam de inferno. Atormentado pela perda de seu grande e único amor, ele prefere viver em agonia a recorrer à energia vital dela mais uma vez.
Arrasada, Lily vai se refugiar na fazenda da avó. Mesmo em outra dimensão, ela ainda consegue sentir a dor de Amon, e nunca deixa de sonhar com o sofrimento infinito de seu amado. Isso porque, antes de partir, Amon deu uma coisa muito especial a ela: um amuleto que os conecta, mesmo em mundos opostos.
Com a ajuda do deus da mumificação, Lily vai descobrir que deve usar esse objeto para libertar o príncipe egípcio e salvar seus reinos da escuridão e do caos. Resta saber se ela estará pronta para fazer o que for preciso.
Nesta sequência de O Despertar do Príncipe, o lado mais sombrio e secreto da mitologia egípcia é explorado com um romance apaixonante, cenas de tirar o fôlego e reviravoltas assombrosas.

Resenha: O Coração da Esfinge é o segundo volume da série Deuses do Egito escrita pela autora Colleen Houck e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.

Em O Despertar do Príncipe, primeiro volume da série, conhecemos Lily Young, uma jovem infeliz de dezessete anos que tem a vida totalmente controlada pelos pais até ter a oportunidade de se libertar ao embarcar numa viagem louca rumo ao Egito com uma múmia de milhares de anos que despertou num museu e passou a usar a energia vital dela para cumprir com sua missão de impedir Seth, o deus do caos, de destruir a Terra.
Então, dando continuidade a esses acontecimentos, e sem dar spoilers gritantes, Amon se rebelou contra os deuses egípcios e decidiu se transportar para o mundo dos mortos, e, com isso, Lily, arrasada, foi passar um tempo na fazenda da avó. Mas além de sofrer com a ausência do seu amado, ela ainda tem pesadelos tumultuados onde o vê lutando frequentemente contra várias criaturas monstruosas, e nem sempre levando a melhor. O que restou a ela foi um artefato que Amon havia lhe entregado antes de partir e que representa seu coração. Esse artefato criou um elo entre os dois, fazendo com que Lily seja capaz de encontrar - e salvar - Amon onde quer que ele estivesse, já que eles estão conectados independente do mundo em que estejam. E quando Anúbis faz uma visita a ela lhe dando a missão de ajudar Amon, ela não hesita em aceitar. Mas Lily não poderia ir até o mundo dos mortos como uma simples humana, ela deveria se transformar num esfinge, desde que provasse seu valor ao encarar provas difíceis e convencesse os deuses de que é digna de adentrar outro mundo.

Quem leu minha resenha de O Despertar do Príncipe percebeu que o livro foi uma completa decepção pra mim. Mas a culpa é toda minha, afinal, quem mandou insistir em ler todos os livros da autora sabendo que apenas um único mísero me agradou em meio a todos que desgraçaram a série inteira?
Narrado em primeira pessoa, lá vamos nós acompanhar Lily em mais uma tarefa impossível cheia de aventuras, perigos, reviravoltas loucas, e muitos detalhes sobre a mitologia egípcia, que dessa vez está bem mais sombria do que antes. A parte da mitologia é ótima, não nego, mas não salva a história...

Colleen Houck tem uma habilidade ótima de fazer o leitor viajar pra longe e imaginar tudo com muita perfeição através de sua narrativa fluída, detalhada e rica, isso eu posso afirmar com toda a certeza do mundo, mas é só. Não adianta ler uma história se a única coisa que pode ser aproveitada é esse fator, e só posso dizer que o que essa autora escreve não deve ser pra mim, mesmo. Penso seriamente em parar por aqui já que não consigo mais engolir tanta patifaria. Pena que descobri isso tarde...
Apesar de eu não ir muito com a cara de Amon, tenho que confessar que, no primeiro livro, com o passar do tempo o romance ele entre e Lily começou a ficar mais aceitável, ele demonstrando ser fofo e tudo mais, mas aí decidir que fugir de suas obrigações e largar sua amada pra trás pra ir pro meio no inferno seria uma boa ideia é demais. Mais egoísta impossível. A impressão que tive é que ele não considerou uma vez sequer o que essa escolha infeliz traria como consequência para a vida dele, de Lily, dos seus irmãos, de quem o cerca e do mundo inteiro que continuava sendo alvo de Seth.

E Lily? Meu Deus do céu... Há tentativas inúteis para justificar o novo comportamento que a protagonista passa a ter, que é questionável e nada confiável se levarmos em consideração que ela agora está dividindo o próprio corpo com a leoa Tia, mas saber que o amor que sente por Amon ainda é muito forte pra querer salvá-lo da situação trágica em que ele se encontra colocando a própria vida em risco e usando toda a sua coragem e força, e ainda assim achar que está tudo certo se ela se sentir atraída por outros homens, flertar com eles, beijar, deixar ser beijada e sabe-se lá mais o quê... É, no mínimo, desleal e vergonhoso. Não importa que Tia também tenha algum controle sobre ela e às vezes algumas atitudes se "confudam" devido a alguma influência que Lily possa estar sofrendo, mas a partir do momento em que ela mesma se questiona sobre o que sente, não tive mais dúvidas do caráter péssimo dessa personagem. E o respeito, cadê? E nem vou falar sobre o artefato que Amon lhe deu que faz com que ela se torne irresistível, sedutora, gostosona, pra qualquer um que cruze seu caminho...

Não sei que ideia estrambólica é essa de criar um clima romântico (e doentio) entre Lily e Amon no primeiro livro e no segundo já inventar um monte de besteiras pra enfiar os irmãos dele no meio do romance pra "movimentar" as coisas criando triângulos, quartetos ou um verdadeiro "bacanal amoroso", tornando a protagonista, que antes era um símbolo de fragilidade, em uma criatura fácil e que atira pra todos os lados, como se isso fosse algum tipo de "empoderamento", girlpower ou que nome tenha, como se o sentimento fosse uma brincadeira ou qualquer coisa a ser jogada no lixo. E o pior de tudo é que a coisa toda é inútil, encheção de linguiça pura, afinal, todos nós estamos cansados de saber com quem a mocinha vai ficar no final, né? Então pra que perder tempo irritando os leitores com tanta babaquice? O nome desse livro deveria ser "Manual de Como Destruir uma História".
E o pior é que mesmo assim, eu, idiota, continuei insistindo na leitura sabendo que nada poderia salvar essa palhaçada toda já que a autora parece insistir na mesmíssima fórmula da Saga do Tigre (que pra mim foi miserável de tão ruim) e ainda deixar o final aberto de um jeito que a interpretação possa ser considerada ambígua, para meu desgosto eterno. Argh... Pra mim já chega.


O Despertar do Príncipe - Colleen Houck

Título: O Despertar do Príncipe - Deuses do Egito #1
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Aventura/YA
Ano: 2015
Páginas: 384
Nota:★★☆☆☆
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Aos 17 anos, Liliana Young tem uma vida aparentemente invejável. Ela mora em um luxuoso hotel de Nova York com os pais ricos e bem-sucedidos, só usa roupas de grife, recebe uma generosa mesada e tem liberdade para explorar a cidade.
Mas para isso ela precisa seguir algumas regras: só tirar notas altas no colégio, apresentar-se adequadamente nas festas com os pais e fazer amizade apenas com quem eles aprovarem.
Um dia, na seção egípcia do Metropolitan Museum of Art, Lily está pensando numa maneira de convencer os pais a deixá-la escolher a própria carreira, quando uma figura espantosa cruza o seu caminho: uma múmia — na verdade, um príncipe egípcio com poderes divinos que acaba de despertar de um sono de mil anos.
A partir daí, a vida solitária e super-regrada de Lily sofre uma reviravolta. Uma força irresistível a leva a seguir o príncipe Amon até o lendário Vale dos Reis, no Egito, em busca dos outros dois irmãos adormecidos, numa luta contra o tempo para realizar a cerimônia que é a última esperança para salvar a humanidade do maligno deus Seth.

Resenha: O Despertar do Príncipe é o primeiro volume da série Deuses do Egito (Reawakened) escrita pela autora Colleen Houck (a mesma da Saga do Tigre) e publicado pela Editora Arqueiro no Brasil.

Liliana Young é uma jovem de dezessete anos que não anda muito satisfeita com sua vida, embora possa ter tudo o que o dinheiro pode comprar. Seus pais são influentes, ricos e bem sucedidos, moram numa cobertura em Nova York, mas controlam a filha com rigor. Em troca de um pouco de "liberdade", Lily tem que viver de forma regrada, seus pais controlam seus horários, o que come, onde vai, o que estuda e tudo mais, para que ela seja um exemplo de filha, mas estão sempre ausentes e ocupados com o trabalho. Lily queria muito ter um pouco de atenção por parte deles, queria poder escolher o prório curso na universidade e seguir uma carreira que esteja ligada ao que ela realmente gosta, mas isso parece impossível já que seus sonhos não correspondem com aquilo que seus pais querem pra ela.
Por gostar muito de arte, um dos hobbies que ela tem é visitar o Metropolitan Museum of Art, pois lá além de apreciar as obras, ainda pode refletir sobre a situação pela qual está passando sem maiores interferências, mas o que ela não esperava era passar por uma experiência "sobrenatural" alí. Na sessão egípcia, Lily se depara com uma múmia milenar perambulando pelo museu! E não se trata de uma múmia qualquer, mas sim de Amon, um dos príncipes do Egito que fora amaldiçoado a despertar a cada mil anos para se unir aos seus irmãos e impedir o retorno de Seth, o deus do caos, que devastaria a Terra. Mas o sucesso do despertar total de Amon para que ele cumpra sua missão depende muito de seus vasos canópicos, relíquias que guardavam seus órgãos no processo de mumificação e que são a fonte de sua energia vital e habilidades divinas, e esses objetos se encontravam no Egito, muito, muito longe dalí... Sem os vasos Amon ficaria vulnerável e fraco, e ele precisaria de algo pra substituir o que estava fora de seu alcance. Com Lily tão próxima, Amon não tem outra alternativa a não ser usá-la como sua fonte de energia até que possa retornar ao Egito, mas ele precisaria dela ao seu lado para se manter forte o bastante até encontrar o que precisa para continuar sozinho.
Mesmo asssustada e incrédula com o ocorrido, Lily aceita partir numa viagem rumo ao Egito para ajudar Amon com sua importante tarefa de salvar o mundo da destruição, e acaba não só vivendo a maior aventura de sua vida, mas um amor completamente improvável e impossível...

A princípio a premissa da história soa muito interessante, mesmo que clichê: Garota bonita, rica, esclarecida, diferente das outras meninas da sua idade, que pode ter tudo o que quer e ainda assim é humilde, mas vive deprimida por ter o emocional abalado devido a família, e que, por ironia do destino, se depara com alguém - um homem lindo e maravilhoso - que a tiraria de sua zona de conforto e mudaria sua vida da água pro vinho, da noite pro dia.

A escrita da autora é muito boa, cheia de detalhes sobre a aparência dos personagens e os locais por onde passam, evidenciando culturas distintas (mas não retratadas com a fidelidade que deveriam), comidas exóticas (vindo de Colleen Houck é algo que jamais poderia faltar, claro) e despertando o interesse do leitor para uma mitologia fantástica e cheia de particularidades (e mesmo cheia de buracos e inconsistências preferi relevar já que se trata de ficção).
Porém, uma evidente pesquisa sobre a mitologia egípcia (a mitologia, não a cultura propriamente dita), os detalhes e a fluidez da escrita (que mescla refinamento com casualidade), não são fatores suficientes para que a história seja realmente boa se o pano de fundo e os personagens não forem bem construídos, se vivem sendo beneficiados com inúmeras conveniências, se são estereotipados ou se não forem convincentes em seus propósitos a fim de tornar a trama plausível, e O Despertar do Príncipe acabou se tornando uma decepção pra mim.

Entendo que Lily é aquela típica adolescente que se sentia infeliz devido aos pais serem opressores e controladores, mas, levando em consideração seu grau de instrução e inteligência, não consigo enxergar uma atitude "rebelde" desse nível partindo dela, principalmente porque ela demonstra estar fragilizada a todo e qualquer momento, por mais que tenha tido coragem de fazer alguma coisa nova em sua vida. A experiência foi emocionante, serviu para que ela pudesse se arriscar, pra que se sentisse livre e amadurecesse suas ideias, pra que deixasse de ser tão insegura e submissa tornando-a dona de si mesma e do próprio destino, como se tudo o que estava reprimido por causa do domínio dos seus pais, enfim, pudesse ser libertado, mas ainda assim não consegui engolir, principalmente por que o que deu a entender é que em meio ao possível fim do mundo a única coisa com o que ela passa a se preocupar é com o beijo de amor verdadeiro do príncipe lindo dos olhos verdes estonteantes e ainda está inteirasso mesmo tendo milhares e milhares de anos.

Amon pode ser o príncipe mais bonito e encantador ever, e pode possuir um dialeto poético vindo de outra era que desperta a atenção da mulherada (e é super cafona, convenhamos), mas a ideia de que a criatura é capaz de manipular as pessoas com o poder da mente já mostra o quanto ele pode ser perigoso. O que ele fez com Lily, ao meu ver, não foi nada respeitoso. Ele se conecta a ela feito um parasita e essa ligação louca é responsável pelos sentimentos mais esquisitos e controversos que já pude acompanhar na história do YA. Aquilo foi abusivo e praticamente um sequestro, e a tonta simplesmente se deixou levar pela ideia de ter uma oportunidade única de viajar pra longe com um completo maluco desconhecido e fugir do que tanto a afligia (o controle dos pais, no caso). Ver aquele sujeito se sentindo perdido no meio da selva de pedras que é Nova York depois de mil anos, vagando praticamente pelado, tentando aprender as coisas na marra ou fazendo perguntas idiotas, e sem entender como as coisas evoluíram tanto ao mesmo tempo que "invade" a tecnologia de câmeras de segurança, aparelhos celulares e a própria mente das pessoas com quem ele cruza para controlar, manipular, conseguir e fazer o que quiser, foi, no mínimo, triste. Eles vão pra onde querem, de táxi ou avião, e sequer gastam um centavo porque Amon faz as pessoas acreditarem que ele é alguém que simplesmente não tem que pagar por nada. Oi? Lily tem dinheiro de sobra que não lhe faria falta. Ela poderia bancar tudo e ser recompensada depois já que quis participar dessa furada, mas não...
E outra.. Porque diabos todos os "príncipes" da autora tem que ter os olhos claros? Primeiro foi o indiano dos olhos azuis, agora o egípcio dos olhos verdes (ou que cor clara seja já que o homem parece um metamorfo e faz até crescer cabelo na própria cabeça careca com intuito de chamar menos atenção por onde passa)... Qual o problema com os olhos castanhos, que é o que deveria ser mais comum no povo desses lugares? Por que fazer alterações desnecessárias pra encaixar os personagens num padrão de beleza que não condiz com a realidade de onde vieram?

Só posso dizer que, com excessão de poucas passagens que realmente considerei válidas, relevantes e interessantes, o melhor do livro é a capa. Ela tem um efeito metalizado, o título é destacado em alto-relevo e o trabalho gráfico da obra de forma geral é maravilhoso.

Enfim, sei que muitos leitores adoraram a história, os detalhes, a mitologia, o romance e a viagem única que a autora proporcionou (assim como foi com a Saga do Tigre), conseguindo tirar do livro algo totalmente diferente do que eu, mas pra mim não funcionou tão bem assim, infelizmente. A sensação final que tive é que tudo foi enfadonho e se resumiu a uma grande viagem turística com direito a hotel 5 estrelas, boates animadas e areia, muita areia, e a verdadeira condição do Egito da atualidade e suas verdadeiras características foram totalmente ignoradas. Não acho que ninguém deva elevar as expectativas como eu fiz antes de ler esse livro, pois o resultado pode ser o contrário do esperado...

República de Ladrões - Scott Lynch

16 de março de 2017

Título: República de Ladrões - Nobres Vigaristas #3
Autor: Scott Lynch
Editora: Arqueiro
Gênero: Ficção
Ano: 2015
Páginas: 544
Nota:★★★★★
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Envenenado e à beira da morte, Locke Lamora segue para o norte com seu parceiro, Jean Tannen, em busca de refúgio e de um alquimista para curá-lo. Porém, a verdade é que ninguém pode salvá-lo. Com a sorte, o dinheiro e a esperança esgotados, os Nobres Vigaristas recebem uma oferta de seus arquirrivais, os Magos-Servidores.
As eleições do conselho dos magos se aproximam e as facções precisam de alguém para fazer o trabalho sujo, manipulando votos. Se Locke aceitar, o veneno será purgado de seu corpo com o uso de magia – mas o processo será tão excruciante que ele vai desejar morrer.
Locke acaba cedendo ao saber que o partido da oposição contará com uma mulher do seu passado: Sabeta Belacoros, a única pessoa capaz de se igualar a ele nas habilidades criminosas e mandar em seu coração. Novamente em uma disputa para ver quem é o mais inteligente, Locke precisa se decidir entre enfrentar Sabeta ou cortejá-la, e a vida dos dois pode depender dessa decisão.

Resenha: República de Ladrões é o terceiro volume da série Nobres Vigaristas do autor Scott Lynch e publicado pela Arqueiro.

Depois de se envolverem com o ardiloso Stragos para servirem seu plano de tomar a cidade de Tal Verrar, Locke Lamora e Jean Tannen conseguem fugir para Lashane, mas a principal preocupação de Tannen, que está desesperado, é encontrar um alquimista para curar o amigo, que está morrendo após ter sido envenenado e não ter mais acesso ao antídoto. O problema é que naquela cidade ninguém parece ter conhecimento o bastante para ajudá-lo até a salvação surgir da forma mais inesperada que eles poderiam imaginar. Locke e Jean são abordados pela Maga-Servidora que lhes oferece a cura através de magia, porém eles teriam que fazer algo sujo em troca: Fraudar as eleições do Conselho dos Magos, subornando eleitores e manipulando seus votos, para que seu partido, o Raízes Profundas consiga vencer seu oponente, o Íris Negra. O que Locke não esperava era que o Íris Negra tivesse contratado Sabeta Belacoros, ex-integrante dos Nobres Vigaristas que possui habilidades equiparadas as do próprio Locke. E como se não bastasse Sabeta ser um grande obstáculo nessa tarefa, mesmo depois de tanto tempo, ela ainda é dona do coração de Lamora...

Narrado em terceira pessoa, o livro é dividido da mesma forma que os demais da série. Partes denominadas "Livros", divididos por capítulos subdivididos por cenas e interlúdios que intercalam passado e presente tanto de Locke, quanto dos Nobres Vigaristas e do mistério que gira em torno de Sabeta a quem não sabemos quase nada, para que tais acontecimentos preencham as lacunas da história dos personagens, evidenciando o que aconteceu até que eles tenham se tornando as pessoas que são hoje e, de certa forma, tornando o enredo mais rico e completo. O diferencial é que alguns dos personagens marcantes do primeiro livro apareceram de uma forma mais interessante, como o lendário Correntes (o antigo líder e fundador dos Nobre Vigaristas), o Aliciador (antigo "dono" de Locke) e a própria Sabeta. Inclusive o autor dá muito espaço para desenvolver a relação que Lamora e Sabeta construíram no passado, coisa que não havia sido nada aprofundada até então. Algumas cenas dos capítulos são apresentadas inteiramente em forma de diálogos, sem maiores descrições feitas pelo narrador. Alguns dos diálogos são entre os magos e através do que é dito o leitor fica a par dos reais motivos da eleição que envolve facções rivais e seus objetivos.

Enfim, neste livro, ficamos sabendo mais sobre o passado misterioso que envolve as origens de Locke, e também de Sabeta, mas isso não significa que seja algo bom... Ela é uma trapaceira nata, que não hesita em fazer o que for necessário para se dar bem sobre quem ou o que estiver em seu caminho, e tem uma habilidade sem igual de virar o jogo a seu favor. Tudo isso seria muito bom no contexto da história em si, se não fosse pelo fato de ela usar os sentimentos de Locke como se fossem descartáveis. Confesso que me irritei inúmeras vezes com o comportamento dele ser tão inconstante na presença dessa mulher, pois ser retratado como alguém perdidamente apaixonado a ponto de isso poder ser considerado uma fraqueza de alguma forma, não foi nada legal de se ver, mesmo que ele não parecesse se importar...
Então, por mais que esse livro tenha sido uma adição empolgante para a série e, assim como os demais, ter sido um dos melhores livros que já li do gênero, não me empolguei tanto quanto gostaria como foi com os livros anteriores, principalmente por que, embora haja vários vilões pimpões ao longo da trama, o vilão verdadeiramente maligno, aquele que espreme suas vítimas na mão e depois sopra só o pó, está guardado para aparecer no final, então a ansiedade fica pela espera do próximo livro, socorro.

A capa combina com os volumes anteriores no que diz respeito aos tons, a fonte utilizada e aos detalhes, mas por ter um ar maior de mistério achei a mais bonita das três até então.

No mais, a história é super bem construída, bem escrita, cheia de ação e reviravoltas, muitas surpresas e revelações bombásticas de fazer o queixo cair, e claro, o típico bom humor que consegue equilibrar a tensão e o desespero das situações malucas ou perigosas que os personagens se encontram.


Mares de Sangue - Scott Lynch

15 de março de 2017

Título: Mares de Sangue - Nobres Vigaristas #2
Autor: Scott Lynch
Editora: Arqueiro
Gênero: Ficção
Ano: 2014
Páginas: 512
Nota:★★★★★
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Após uma batalha brutal no submundo do crime, o golpista Locke Lamora e seu fiel companheiro, Jean Tannen, fogem de sua cidade natal e desembarcam na exótica Tal Verrar para se recuperar das perdas e feridas. Porém, mesmo no extremo ocidental da civilização, não conseguem descansar por muito tempo e logo estão de volta ao que fazem de melhor: roubar dos ricos e embolsar o dinheiro.
Desta vez, eles têm como alvo o maior dos prêmios, a Agulha do Pecado, a mais exclusiva casa de jogos do mundo, onde a regra de ouro é punir com a morte qualquer um que tente trapacear. É o tipo de desafio a que Locke não consegue resistir... só que o crime perfeito terá que esperar.
Antigos rivais dos Nobres Vigaristas revelam o plano a Stragos, o ambicioso líder militar verrari, que resolve manipulá-los em favor de seus próprios interesses. Em pouco tempo, a dupla se vê envolvida com o mundo da pirataria, um trabalho inusitado para ladrões que mal sabem diferenciar a proa da popa de um navio.
Em Mares de sangue, Locke e Jean terão que se mostrar malabaristas de mentiras, enganando todos ao seu redor sem a mínima falha, para que consigam sair vivos. Mas até mesmo isso pode não ser o bastante...

Resenha: Marés de Sangue é o segundo volume da série Nobres Vigaristas escrita pelo americano Scott Lynch e publicada pela Editora Arqueiro aqui no Brasil.

Ao final de As Mentiras de Locke Lamora os Nobres Vigaristas são postos em uma situação sofrível, mas Locke e seu melhor amigo, Jean Tannen, conseguem fugir de Camorr em busca de vida nova e recomeço, e partem rumo a exótica Tal Verrar, uma cidade portuária aparentemente tranquila em que poderiam ter várias oportunidades para continuarem praticando crimes e trapaças para se darem bem. Ao se depararem com a mais exclusiva casa de jogos da cidade, a Agulha do Pecado, frequentada somente pelos mais endinheirados e poderosos, Lamora não consegue resistir e, usando sua mente brilhante, já começa a bolar um plano mirabolante para botar as mãos em toda aquela fortuna, mesmo sabendo que a punição pra quem trapacear é a morte.
Locke e Jean, disfarçados, tentam passar despercebidos, mas não demoram a chamar a atenção de Stragos, o Arconte de Tal Verrar que descobre sobre o passado dos Nobres Vigaristas e quer usar isso de alguma forma. Stragos é esperto e impiedoso e faz com que a dupla de amigos trapaceiros se encontrem numa intriga política onde, além de serem ameaçados de morte, são obrigados a partir num navio para uma viagem em alto-mar se envolvendo com piratas salafrários e saindo totalmente da zona de conforto da qual estavam acostumados. Tal Verrar acaba se revelando um local cheio de segredos, armadilhas e perigos, e a dupla descobre isso da pior maneira possível... Duas facçoes rivais estão numa guerra silenciosa pelo comando da cidade e seus comandantes não se importam com os meios utilizados para chegarem ao fim...

A narrativa, assim como no primeiro livro, é feita em terceira pessoa e a divisão dos capítulos também foi feita da mesma forma. A escrita do autor continua bastante envolvente, com toques de requinte e ainda assim muito fluída. O bom humor e o sarcasmo nas situações e nos diálogos inteligentes continuam presentes no enredo, equilibrando os momentos de ação e tensão da trama.
Mesmo que Locke Lamora e companhia tenham sido muito bem apresentados no volume anterior, neste o autor se aprofunda ainda mais nesse mundo de trapaças além de trabalhar de forma muito rica os detalhes de uma cidade nova cuja cultura é diferente daquela apresentada anteriormente e com suas próprias particularidades.

Neste volume, acompanhamos Locke e Jean seguindo em frente depois do ocorrido, aprendendo a lidar com o que aconteceu, com o que perderam e que precisaram deixar pra trás, e o período de dois anos que se passaram desde que deixaram Camorr acaba tornando tudo ainda mais realista já que se acostumarem com uma vida nova e diferente não é feito da noite pro dia.
Apesar de ter adorado acompanhar Locke Lamora e Jean Tannen em uma aventura improvável e recheada de elementos novos, minha única ressalva é que em alguns momentos eu senti que o autor quis inserir um espírito de Robin Hood no protagonista como forma de justificar alguns de seus atos para que ele pudesse ser interpretado como alguém com alguma moral, como se isso fizesse dele um ladrão melhor ou superior do que os outros canalhas da cidade. Mesmo sendo um criminoso eu já tinha uma grande simpatia por Locke justamente por ele ser um protagonista que foge de estereotipos. Um criminoso é um vilão, mas nem por isso deve ser obrigatoriamente odiado, e o autor já tinha conseguido atingir esse objetivo nos presenteando com Locke. Não havia necessidade de tentar mudar nada ao meu ver... Não desgostei mais ou menos do livro por esse motivo, só não entendi onde o autor quis chegar mudando esse ponto.
Algumas cenas também não parecem muito originais e lembram filmes como Piratas do Caribe e Onze Homens e um Segredo, mas da forma como foram descritas acabaram tendo o toque especial do autor e combinaram com a trama de forma geral.

Embora Mares de Sangue tenha mais de 500 páginas, a leitura pode ser feita de forma bastante rápida pois além de ter uma escrita ágil, as descrições feitas parecem estar mais enxutas para que o foco fique sobre a trama em si e não sobre detalhes que acabam não sendo tão relevantes para a cena em questão.
Um ponto positivo é que o prólogo já deixa o leitor surpreso e morto de curiosidade pois envolve uma situação inesperada que praticamente o obriga a se agarrar nas páginas seguintes para ter maiores explicações sobre o ocorrido, e posso dizer que foi um artifício utilizado pelo autor que funcionou muito bem, mesmo que soe meio falso... Mas o que esperar de personagens trapaceiros e mentirosos? A sensação é de que o leitor é enganado, mas de uma maneira boa.

Enfim, com mais personagens para movimentar o enredo, a história se desenrola abordando pontos distintos e intrigantes. A amizade sincera e fraternal entre Locke e Jean é posta a prova em várias situações, mas é perceptível o quanto é uma parceria sólida, que faz com que eles se tornem brilhantes quando estão juntos, mas vulneráveis quando se separam. A ideia de que suas habilidades funcionam em conjunto, onde um depende do outro para que o plano possa ser bem sucedido, é algo bastante satisfatório de se acompanhar e, pra mim, são esses elementos os maiores responsáveis pelo sucesso da história, pois cativam o leitor que só tende a torcer pelos personagens. A amizade deles é épica, memorável e perfeita, por mais que tenha todos os defeitos possíveis e eles vivam querendo se matar.
A história é cheia de reviravoltas das mais loucas possíveis que com certeza vão abalar estruturas, e tais acontecimentos não são exclusivos dos personagens principais, mas também dos demais que movimentam a trama como poucos fazem. Destaque para a capitã do navio, Zamira Drakasha, e sua tenente, Ezri Dalmastro. Elas são inteligentes e sagazes e mostram que num universo predominado por homens, na maioria das vezes machistas e grosseirões, as mulheres também podem roubar a cena quando são capazes de fazer o que eles fazem, e até de forma melhor, sem deixar nada a desejar!

Enfim, Mares de Sangue traz um arco próprio no que diz respeito a aventura da vez, mas As Mentiras de Locke Lamora não deve ser dispensado devido a introdução de mundo, apresentação de personagens e outros detalhes que são importantes para a compreensão de algumas cenas deste volume (e do próximo também).

Pra quem não recusa uma aventura frenética com personagens cativantes e engraçados, que enfrentam situações cheias de ação e perigos, e ainda se metem nas piores enrascadas que alguém já viu, com certeza vai curtir a leitura da série Nobres Vigaristas.