30 de junho de 2018

Caixa de Correio #76 - Falência, aí vou eu!

Precisamos falar sobre vício. Funko pop! é aquele bonequinho cabeçudinho que você acha fofo, compra um e depois se lasca pro resto da vida. É impossível ter um só, é impossível gostar de uma coisa só que eles possam representar, e o preço dos abençoados por aqui não é algo que ajuda quando se quer todos que vemos pela frente (vide coleção de Harry Potter que não tem fim).
Mas, embora pareça um completo exagero, a maioria dos que recebi saíram bem em conta, pois foi os que eu mesma importei, acho que até havia comentado sobre em uma das caixas passadas.
Inclusive, tomei coragem e abri uma lojinha no Mercado Livre. Ainda estou na fase de montar um estoque bacana, porque não dá pra comprar tudo de uma vez, o processo é demorado, e a gente depende de correio e de limite de cartão de crédito, mas aos pouquinhos vou chegando lá, sem desespero.

Às vezes até parece que abandonei os livros e que estou com novos interesses, mas não é bem isso. Livros é uma das minhas maiores paixões da vida e isso é algo que não se pode negar (os pops só vieram pra acrescentar hehehe). Talvez seja uma fase mesmo, o tempo curto que me impede de poder ler os 15, 20 livros por mês que eu costumava ler lá no início do blog, filhos, casa, estresse e etc... Preciso me adaptar a minha realidade e, apesar de ela andar me limitando um pouco, não me impede de continuar lendo dentro das minhas condições pra poder manter o blog. Não tenho como - e nem posso - me sobrecarregar tanto, senão vou acabar tendo um treco e caindo dura.

Mas enfim, bora ver o que chegou:

26 de junho de 2018

Wishlist #43 - Funkos de Doug Funnie

Doug foi uma febre nos anos 90, mas, infelizmente, não durou tanto quanto os fãs gostariam... Lá pelos meus 12, 13 anos (e isso já faz mais de vinte anos, Lord) eu não perdia nenhum episódio de Doug Funnie quando passava durante a tarde no SBT. Inclusive eu gravava os episódios em fitas de VHS para assistir naquela geringonça estrambólica que era o aparelho de vídeo cassete, coisa super moderna da época.
Nem preciso falar que surtei quando a Funko anunciou que os pops da série seriam lançados, e só esperei um pouco mais pra montar a postagem porque o Skeeter ficou por último, pra ser lançado na SDCC desse ano com exclusividade. Só agora que foram liberar a foto da arte do narigudo azul e melhor amigo de um dos meus personagens favoritos da vida. A Funko quer mesmo acabar com nossa vida, aproveitando da nostalgia e da saudade que temos dos momentos felizes em frente a TV da nossa infância. E ainda levar todo o nosso dinheiro, né? Leva.. Por Doug pode levar tudo...


25 de junho de 2018

Anota aí #4 - Por que ter um blog?


Por sempre gostar muito de ler e escrever, desde meus 15 ou 16 anos de idade, eu já gostava de ter algum blog pessoal para falar sobre meus gostos, experiências e afins. Mas, por não ter um foco fixo sobre um determinado assunto, esses blogs acabavam sendo abandonados e esquecidos (tanto que sequer me lembro dos endereços deles).

Até que em 2012, decidi que iria criar um blog literário para poder falar de livros e, quem sabe, reunir pessoas com os mesmos interesses que os meus... Pessoalmente, eu não conhecia ninguém tão fã de leitura para poder trocar ideias, e não custava nada tentar buscar por isso na internet.
Eis que surgiu o Livros e Chocolate, que começou de uma forma bem amadora mas que com o tempo foi amadurecendo, investindo na boa aparência, na melhoria das resenhas e demais artigos, e num conteúdo organizado sobre esse hobbie tão gostoso que é o da leitura.

Seis anos depois, cá estou eu sem deixar a peteca cair, e por mais que minha realidade e rotina tenham mudado demais de 2012 até agora, o que acabou me fazendo não estar tão presente ou não fazendo postagens com a frequência de antes, não penso em largar o blog, pois querendo ou não, é meu cantinho, minha terapia e minha válvula de escape para os estresses cotidianos da vida de adulto.

Então, caso você já tenha ou pretende ter um blog, deixo aqui algumas dicas que podem ajudar nessa conquista (sim, é uma conquista ter seu cantinho onde você pode escrever o que quiser e quando quiser):

1 - Plataforma

Existem várias plataformas para se manter o blog, desde o Blogger, que é gratuito e bem intuitivo, até o Wordpress, que oferece ferramentas profissionais. Existem outros, mas esses dois são os mais conhecidos hoje em dia.

Qualquer plataforma permite que você contrate um domínio para remover o nome dela no endereço, assim um endereço "meublog.blogspot.com", ou "meublog.wordpress.com" se torna "meublog.com.br". É exclusivo, mais fácil de lembrar e mais profissional também.

Sendo assim, a Hostinger oferece vários serviços bacanas como registro de domínio, hospedagem otimizada, suporte ao cliente e muito mais para plataformas como Wordpress, num preço bem em conta pra quem quer investir num blog ou site, e inovar na internet.
Confiram esse tutorial de exemplo: Como criar um site

2 - Remuneração

Ter um espaço na internet abre caminho pra diversas situações, desde aprimorar suas habilidades em escrita até te tornar um empreendedor do seu próprio negócio, tudo vai depender do assunto que você vai abordar, e a forma como vai levar isso ao público.

Quando o blog começa a ter acessos consideráveis e se torna relevante em meio ao público, é possível ganhar com publicidade de terceiros, comissões pelas vendas de determinados produtos, prestar serviços que envolvem design, escrita, cursos e afins, conseguir parcerias com empresas e outras infinidades de benefícios. Só se lembrem que nada vem fácil ou de graça, e para isso é preciso investir em boa aparência, bom conteúdo e boa divulgação.

3 - Relacionamento

Ao criar um blog para falar sobre algum assunto, é certo que você atrairá a atenção de pessoas com os mesmos interesses que os seus. Isso poderá gerar discussões acerca do tema quando as pessoas comentarem seus textos e transmitirem suas opiniões sobre o que acabaram de ler. Seu blog pode acabar se tornando referência sobre o assunto, e se se tratar de alguma marca com objetivo de vendas, as pessoas sempre vão se lembrar de você se o relacionamento for amigável e cordial. Seja legal com seus leitores! É possível que dele surjam amizades maravilhosas que levamos para a vida!

4 - Foco no tema

Independente do tema que te agrada, o ideal é apostar num determinado nicho para manter o foco. Se você quer falar sobre filmes, não faz muito sentido começar a falar sobre maternidade, receitas culinárias e afins. Tudo bem que é possível organizar o blog por categorias e falar de tudo um pouco, mas quando o foco é um só, as chances de atrair pessoas interessadas naquele assunto é maior, assim como o crescimento e o sucesso do blog.

5 - Um ótimo hobbie

É comum que quem decida ter um blog goste de escrever, e tenho certeza que escrever não é só uma ótima prática para quem ter algo de relevante para falar, para desabafar de alguma forma e distrair a cabeça dos problemas do dia-a-dia, mas também uma excelente terapia. Assim, por mais que o blog possa ser algo relacionado a vida profissional, ele também é super útil na vida pessoal. Já passei por momentos difíceis e afirmo com toda a certeza que saber que eu poderia vir aqui para escrever o que quisesse, e quando quisesse, foi o que levantou e me deixou respirar tranquila.
Só se lembre que, independente do tema do blog, sempre faça com alegria e tenha paciência para esperar pelos frutos a serem colhidos. Quando algo se torna obrigação ou causa mais frustração do que satisfação, deixa de ser prazeroso e começa a se tornar um fardo, e nesses casos é melhor avaliar se realmente esse é o momento ideal de se criar ou manter um blog.


Espero ter dado uma luz com essas pequenas dicas e aproveitem!

24 de junho de 2018

Wishlist #42 - Funkos de Kill Bill

Quando o assunto é violência no cinema, é bem provável que o dedo sangrento de Quentin Tarantino esteja lá. E com Kill Bill, dirigido por ele, não é diferente. "A Noiva" é uma ex-assassina que acorda de um coma de quatro anos determinada a se vingar de Bill, seu ex-amante e chefe, que tentou matá-la no dia do casamento deles, e de suas capangas que fazem parte do Esquadrão Assassino de Víboras Mortais... Foi um dos filmes de ação que mais gostei e quando soube que tinha pops deles, já foram pra lista. O problema é que são raros e super caros, beirando os R$350,00 cada...

20 de junho de 2018

Ele - Elle Kennedy e Sarina Bowen

Título: Ele - Him #1
Autoras: Elle Kennedy e Sarina Bowen
Editora: Paralela
Gênero: Romance/Erótico
Ano: 2018
Páginas: 256
Nota:
Sinopse: James Canning nunca descobriu como perdeu seu melhor e mais próximo amigo.
Quatro anos atrás, seu tatuado, destemido e impulsivo companheiro desde a infância simplesmente cortou contato.
O maior arrependimento de Ryan Wesley é ter convencido seu amigo extremamente hétero a participar de uma aposta que testou os limites da amizade deles.
Agora, prestes a se enfrentarem nos times de hóquei da faculdade, ele finalmente terá a oportunidade de se desculpar. Mas, só de olhar para o seu antigo crush, Wes percebe que ainda não conseguiu superar sua paixão adolescente.
Jamie esperou bastante tempo pelas respostas sobre o que aconteceu com seu relacionamento com Wes, mas, ao se reencontrarem, surgem ainda mais dúvidas.
Uma noite de sexo pode estragar uma amizade? Essa e outras questões sobre si mesmos vão ter que ser respondidas quando Wesley e Jamie se veem como treinadores no mesmo acampamento de hóquei.

Resenha: Há quatro anos, Ryan Wesley (ou Wes) e James Canning (ou Jamie), ambos jogadores de hóquei, eram muito próximos um do outro, mas acabaram perdendo contato após uma "brincadeira" muito infeliz feita por Ryan... Jamie nunca descobriu e nunca entendeu porque o amigo se afastou sem maiores explicações. Agora, eles irão se reencontrar pois os times de hóquei dos quais eles fazem parte irão se enfrentar. Enfim, Wes, que é gay, terá a oportunidade de se desculpar, mas o reencontro mostrará que a antiga paixão adolescente que ele nutria por James, hétero assumido, sempre esteve alí. Mesmo após esses anos, a amizade entre eles continua sólida, e, após alguns eventos, eles acabam dividindo um quarto num acampamento de hóquei. Entre momentos descontraídos e sentimentos mantidos em segredo, Jamie e Ryan vão se reaproximando e fortalecendo a amizade, e isso acaba despertando sensações impossíveis de serem ignoradas por ambos.

O livro é narrado em primeira pessoa e os capítulos se alternam entre Wes e  Jamie, o que permite o leitor ter uma visão mais ampla sobre os dois lados da história. A escrita das autoras também é bastante fluída e envolve desde as primeiras páginas, mas senti em alguns momentos que, talvez por serem mulheres escrevendo, as personalidades masculinas soaram um pouco irreais, sendo gays ou não. Não imagino homens pensando ou falando determinadas coisas que apareceram alí, e nem por questões de estereótipo, mas porque a cabeça do homem funciona de forma diferente da cabeça da mulher. A linguagem é descolada, os diálogos são dinâmicos, e mesmo que seja recheado de palavreados, muitos deles remetendo a sexo e que reforçam o estereótipo de "homem falando/pensando", é uma narrativa gostosa de se acompanhar.

Wes é bem resolvido com sua orientação sexual, ele é discreto e não sai gritando aos quatro ventos que é gay, e nem se importa que os outros saibam disso. O mais interessante é que no meio desse esporte, que costuma ser brutal, onde os caras sempre são metidos a machões e costumam ser preconceituosos com os homossexuais, ninguém condena Wes ou o trata diferente por ele ser gay. Ele é um excelente jogador é reconhecido e respeitado pelas suas habilidades como qualquer outro, inclusive é famoso por ser tão bom. Com a proximidade com o amigo, vamos acompanhando Wes e seus desejos mais íntimos que envolvem Jamie, mas sempre se controlando para não estragar a amizade mais uma vez. Embora Wes sempre seja visto como alguém confiante e bem resolvido, no fundo ele tem suas inseguranças e alguns conflitos devido a situação com Jamie ser bem delicada.

Jamie inicialmente é apresentado como alguém mulherengo e sem aquele apego. Ele fica com as mulheres curtindo o momento e sem o menor compromisso, mas ao mesmo tempo não é desrespeitoso. Ele e Wes são o oposto um do outro.
Por mais que Jamie conheça o amigo e o tempo que se passou enquanto eles ficaram distantes pareceu nunca ter existido, tudo o que ele começou a sentir e vivenciar ao lado de Wes era novidade e o que lhe restou foi aproveitar ao máximo aquelas experiências.

Por se tratar de um romance erótico, obviamente, iremos nos deparar com muitas cenas intimidade e sexo, assim como evidências sobre o quão intenso, mesmo que simples, é o relacionamento dos protagonistas, mas o ponto alto pra mim foi mesmo o envolvimento que pude ter com os personagens, a forma como eles agem um com o outro, a personalidade forte de cada um e o quanto são simpáticos e divertidos, e a intensidade da ligação que eles tem um com o outro. Achei muito tocante o fato da experiência que eles vivenciam ser sincera, e mesmo que Wes não consiga colocar seus sentimentos em palavras, ele se expressa como ninguém.

Ele é uma história bonita, intensa, cheia de momentos bem humorados, outros totalmente fumegantes, e que aquece o coração. Os protagonistas são cativantes e, independente da experiência que tiveram e da orientação de cada um, eles nos fazem suspirar. Leia sem preconceitos, esqueça seus gêneros e afins, e procure enxergar os sentimentos verdadeiros entre duas pessoas que se gostam e que se deixaram levar pelo momento.

19 de junho de 2018

Interferências - Connie Willis

Título: Interferências
Autora: Connie Willis
Editora: Suma de Letras
Gênero: Sci-Fi/Romance
Ano: 2018
Páginas: 464
Nota:
Sinopse: Em um futuro não muito distante, um simples procedimento cirúrgico é capaz de aumentar a empatia entre os casais, e ele está cada vez mais na moda. Por isso, Briddey Flannigan fica contente quando seu namorado, Trent, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem — a ideia é que eles desfrutem de uma conexão emocional ainda maior, e que o relacionamento fique ainda mais completo. Bem, essa é a ideia. Mas as coisas acabam não acontecendo como o planejado: Briddey acaba se conectando com outra pessoa, totalmente inesperada. Conforme a situação vai saindo do controle, Briddey percebe que nem sempre muita informação é o melhor, e que o amor — e a comunicação — são bem mais complicados do que ela esperava. Mais complicado do que ela esperava.

Resenha: No embalo dos temas que envolvem o avanço tecnológico nas formas de interação e comunicação com os outros, a autora construiu uma história que aborda uma evolução a nível hard: num futuro não tão distante, a sociedade chegou num ponto onde é possível conectar casais através de uma cirurgia cerebral não invasiva para aumentar a empatia e para que se sintam mais próximos um do outro, podendo compartilhar seus sentimentos. Eles, literalmente, são capazes de sentir o que o outro está sentindo. E como toda novidade vira moda, todos os casais agora querem entrar na onda e se conectarem com seus parceiros para mostrarem como o amor é lindo e suas ligações são intensas.
Assim, Briddey acaba cedendo quando Trent, seu namorado, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem para potencializarem ainda mais a conexão emocional que possuem. O que ninguém esperava era que ela, sem querer, se conectasse a outra pessoa e, a partir daí, começasse a perceber que nem sempre o excesso do uso dessas modernidades é algo simples de lidar ou até mesmo benéfico para a vida, principalmente quando fica evidente que é impossível abrir mão desses recursos... A situação, claro, vai sair do controle e resta acompanhá-la para descobrir o que vai acontecer...

Narrado em terceira pessoa, o livro tem aquela pegada bem envolvente e descontraída ao mostrar um relacionamento comum, porém com o diferencial da tecnologia como fator chave para o desenvolvimento tanto da história como dos próprios personagens, ao mesmo tempo que acaba fazendo uma crítica social e inteligente sobre os malefícios da exposição e excesso do uso dos meios de comunicação. É impossível não nos colocarmos do lugar da protagonista, ou pelo menos não se lembrar de alguém que conhecemos, que passa pelos mesmos mau bocados absurdos e exagerados que ela. A cobrança e a impaciência pela espera de uma resposta que não chega, a dependência e a necessidade de se trocar mensagens com outra pessoa como se a vida dependesse daquilo.

A família de Briddey é um completo Deus nos acuda. Por prezarem pelo tradicionalismo, ai da filha que não seguir os passos que a mãe acha ser o melhor pra ela, inclusive se casar com um bom partido para garantir uma vida confortável, mesmo que aquilo não seja o que a fará feliz ou o que ela quer. Pior que sabemos que famílias tão intrometidas e invasivas como a de Briddey, que acham que podem tomar decisões pelos outros ou que suas opiniões são a verdade absoluta, existem a solta por aí em todo lugar do mundo. Eles não respeitam o espaço nem a privacidade da coitada/ e precisam saber de cada passo dado por todos. Isso, somado aos estilos engraçados e cativantes dos diversos personagens, rende alguns momentos de bom humor na trama, mas não deixa de ser incômodo, principalmente por ser algo que foge da ficção. O que acaba agravando a situação toda é que a protagonista não parece ter voz e aceita tudo o que lhe é imposto de forma muito fácil, ignorando o que ela mesma quer, e até o romance se torna algo surreal, forçado, clichê, e acaba não convencendo.

De forma geral, a premissa é interessante e aborda um tema relevante nos dias de hoje que é digno de reflexão, mas o desenvolvimento da história em si, as soluções que a autora encontra para resolver as coisas, as várias situações repetitivas, as reviravoltas que deixam várias pontas soltas, e o excesso de descrições e informações que parecem só estarem ali para aumentar a quantidade de páginas do livro e estendendo a história além do necessário, acabaram não me fazendo gostar tanto dele como eu imaginei que fosse. Não é um livro ruim, longe disso, mas uma enxugada no que estava sobrando seria algo bem-vindo.

Interferências é uma comédia romântica com toques de ficção científica que mostra como a era digital acaba por interferir - e substituir - o contato pessoal. A experiência com a leitura é válida e mesmo tendo seus pontos negativos é recomendada.


17 de junho de 2018

Wishlist #41 - Funkos de Lost

Lost foi uma das séries que mais desgraçou a minha cabeça. A trama é mirabolante e cheia de elementos que fizeram o pessoal bolar milhões de teorias. Eu confesso que desisti da série na sexta e última temporada por achar que as coisas começaram a tomar um rumo estrambólico demais, mas rever desde o início pra saber que fim teve essa história é algo que está nos meus planos não tão distantes. E os pops, claro, não poderiam faltar...

10 de junho de 2018

Wishlist #40 - Funkos de Westworld

Faz um tempo que eu assisti Westworld mas achei a ideia da série super original. Trata-se de um cenário do velho oeste construído por uma empresa que proporciona aos clientes uma experiência única de exploração e interação com os personagens dotados de inteligência artificial. Mas claro que muitas coisas começam a acontecer e o mistério ao redor disso é o que nos deixam viciados querendo saber o que mais virá pela frente.
E os pops da série são super bonitinhos:

5 de junho de 2018

Na Telinha - Gilmore Girls (1ª Temporada)

Título: Gilmore Girls (Gilmore Girls)
Temporada: 1 | Episódios: 21
Elenco: Lauren Graham, Alexis Bledel, Melissa McCarthy, Keiko Agena, Scott Patterson, Yanic Truesdale, Kelly Bishop, Edward Herrmann
Gênero: Família/Comédia/Drama
Ano: 2000
Duração: 42min
Classificação: +12
Nota:
Sinopse: Lorelai Gilmore (Lauren Graham) tem uma relação tão amigável com sua filha, Rory (Alexis Bladel), que muitas vezes elas são confundidas como irmãs. Entre o relacionamento de Lorelai com seus pais, a nova escola preparatória de Rory, e os romances nas vidas das duas, há muito drama e muita diversão acontecendo.

Gilmore Girls é uma série que retrata o dia-a-dia disfuncional de Lorelai e Rory Gilmore, mãe e filha, viciadas em café, na aconchegante cidadezinha fictícia de Stars Hollow, onde todo mundo sabe da vida de todo mundo.


Lorelai é uma jovem mãe solteira que gerencia o hotel da cidade e faz de tudo pra dar o melhor pra filha, e isso inclui matriculá-la na melhor - e mais cara - escola particular e de grande prestígio da cidade, a Chilton. Porém, sem dinheiro suficiente, ela acaba recorrendo aos seus pais endinheirados para que eles custeiem os estudos de Rory. Em contrapartida, Emily, a matriarca intrometida, insensível e controladora da família Gilmore, exige que as duas participem de um jantar semanal em sua mansão a fim de reunir a família e se aproximar delas, afinal, desde que Lorelai engravidou aos dezesseis anos, ela não quis mais saber de seus pais depois de ter sido tão repreendida e saiu de casa pra cuidar da própria vida. Mas, pensando no futuro e na felicidade da filha, ela não hesitou em pedir o dinheiro emprestado a eles e preferiu aguentar as consequências de pedir essa ajuda, mesmo que isso significasse passar por estresses constantes, humilhações e aturar os desaforos absurdos da mãe..


Rory é uma adolescente esforçada, inteligente e que adora livros. Mesmo que gostasse da escola pública que estudava, ela (e sua mãe) acreditava que pra realizar seu sonho de ir pra Harvard, deveria aproveitar as oportunidades e estudar num colégio melhor. O que ela não esperava era que as coisas fossem tão difíceis com os demais alunos, incluindo Tristin, um garoto bonito mas insuportável que não sabe lidar com a rejeição de Rory, e Paris, que vê Rory como uma rival e vive para azucriná-la a qualquer custo. E as constantes cobranças dos professores também não facilitam a vida da menina.
Assim, de um lado vamos acompanhando a rotina escolar de Rory, sua amizade com Lane, seu primeiro amor com o fofo Dean, seu relacionamento com sua mãe e com os avós que ela mal conhecia. E de outro, a vida de Lorelai, seu cotidiano no trabalho, sua frustração com sua mãe, a amizade com Sookie, a chef do hotel, e com Luke, o cara legal e dono do café da cidade que todo mundo frequenta.


A primeira temporada da série não é muito curta (são vinte e um episódios de pouco mais de quarenta minutos) e sempre tem um assunto envolvendo família, amor ou amizade a ser tratado nos episódios. Talvez por ter estreado há quase vinte anos, é aquele tipo de série com um ritmo que não se vê nas séries atuais. Não há nada de grandioso acontecendo, tudo acontece de uma forma bem lenta, e mesmo que a série trate de questões adolescentes, o que fica claro é a construção do relacionamento entre mãe e filha, a ideia de tentarem levar esse relacionamento sem segredos, de serem amigas e de confiarem uma na outra, mesmo que, às vezes, isso não seja muito simples e fácil de se fazer, e é isso que acaba prendendo a atenção. Os diálogos das duas sempre são bem inteligentes, dinâmicos e cheios de referências à cultura pop, e isso é um charme extra que a série possui.


Rory é bem madura pra idade que tem, e muitas vezes me perguntei como pode ela ser tão sensata e inteligente, ao levar em consideração que sua mãe é uma completa maluca. Lorelai pode ter sido a filha rebelde que trouxe desgosto para seus pais controladores, mas, mesmo tendo sido mãe solteira e batalhado duro para criar Rory sozinha, ela é um tanto peculiar. Talvez sua construção seja uma forma de retratar uma personagem como sendo "gente como a gente", a mãe que, como todas as demais, põe a filha em primeiro lugar na vida e faz de tudo por ela, o que é lindo de se ver, mas ainda tem seus defeitos. Ciumenta, destrambelhada, irritante e até egoísta são algumas das suas carateristas que lhe dão um ar cômico, principalmente pela infinidade de piadinhas que ela vive fazendo a fim de quebrar a tensão que paira no ar, mas isso não me agradou muito pois tudo que vem em excesso acaba sendo prejudicial ao meu ver. Suas indecisões, inseguranças e até falta de consideração (disfarçada de esquecimento) com quem se importa com ela são tantas que penso que ela ainda tem um longo caminho de amadurecimento pela frente... Não digo que ela seja ruim, muito pelo contrário, só acho que, no meu ponto de vista, seus defeitos de destacaram mais do que suas virtudes e acredito que com o tempo, e com as experiências que ela ainda vai ter, ela melhore.


Assim como sua mãe, Emily, que não perde a oportunidade de jogar em sua cara o quanto ela foi inconsequente e irresponsável no passado, ou o quanto perdeu por ter desperdiçado as oportunidades que ela poderia ter quando engravidou. Mas ao mesmo tempo dá pra perceber que por mais revoltante que seja toda essa intromissão, por mais absurdo que seja, esse é o jeito que ela encontrou de se reaproximar da filha e da neta como tentativa de por fim na amargura que carrega dentro de si, e em alguns momentos ela pode até ser, sim, bem compreensiva, por mais que se ache a dona da razão e seja uma personagem que a gente já começa a odiar logo da primeira vez que entra em cena.

De resto, acho legal ressaltar que, mesmo que o feminismo não fosse algo tratado naquela época como é hoje, é legal de se ver como as personagens femininas, num geral, são interessantes, assim como as formas individuais de cada uma levar a vida e lidar com os problemas que aparecem, já que tem personalidades próprias e pensamentos distintos, enquanto os personagens masculinos estão alí para acrescentarem algo e colaborarem para o desenvolvimento das histórias delas.


Luke é ótimo é a construção da amizade dele com Lorelai é gradual e cheia de sutilezas, e é impossível não torcer pra que eles fiquem juntos. Michel, o recepcionista do hotel, tem um mau humor fora do comum e uma cara de bosta impagável, mas é muito engraçado. Inclusive corro o risco de ter me identificado com ele bem mais do que com as meninas.


Uma coisa que achei bem clichê na série é aquela ideia de um relacionamento que começa na base do ódio, mas que vai se desenvolvendo e dando a entender que no final das contas tudo vai ficar bem e virar amor/amizade, principalmente por Rory ser compreensiva e ser sempre capaz de enxergar o lado positivo em todo mundo, mesmo que sejam babacas com ela. É o caso de Tristin e Paris. Tristin é um palhaço que se acha e parece só querer ficar com Rory para se autoafirmar de que ele pode ter o que quer, quando quer, mas no fundo é super carente. E Paris é a chata insuportável da escola que pega no pé de quem possa representar uma ameaça pra ela de acordo com o que ela pensa (e que quase nunca corresponde a realidade). Ela não tem amigas verdadeiras, não quer que seus problemas sejam o centro das atenções e tenta desviá-los, trazendo os problemas alheios à tona. E mesmo que Rory seja a única que a enfrente, é impossível não esperar que essa rivalidade logo vai chegar ao fim e se transformar em uma sólida amizade, mesmo que sempre aconteça algum mal entendido que parece impedir isso. Tenho certeza que em algum momento Paris vai ceder e assumir que Rory pode ser uma grande amiga, já que ela não tem nenhuma que acrescente algo em sua vida.


Enfim, até então não é a série preferida da minha vida, mas gostei bastante a ponto de querer continuar (mesmo que eu tenha começado tão tarde). Só me resta aguardar o que as próximas temporadas reservam...

3 de junho de 2018

Wishlist #39 - Funkos de Wizard of Oz

Mais uma Wishlist que é bem capaz que fique só no sonho, mesmo. Digna de colecionadores hard e root... Os Funkos da coleção de O Mágico de Oz são bem antigos, o próprio formato e os detalhes já evidenciam isso, mas não deixam de ser muito fofos. Por serem antigos e bem raros, esses pops são caríssimos, e alguns deles podem custar mais de R$1.000,00! Imaginem a coleção completa, então... Só ganhando na Megasena pra realizar o sonho da casa própria o sonho de ter essas peças na coleção...




2 de junho de 2018

A Libélula No Âmbar - Diana Gabaldon

Título: A Libélula no Âmbar - Outlander #2
Autora: Diana Gabaldon
Editora: SDE/Arqueiro
Gênero: Romance histórico/Fantasia
Ano: 2014
Páginas: 944
Nota:
Sinopse: Claire Randall guardou um segredo por vinte anos. Ao voltar para as majestosas Terras Altas da Escócia, envoltas em brumas e mistério, está disposta a revelar à sua filha Brianna a surpreendente história do seu nascimento. É chegada a hora de contar a verdade sobre um antigo círculo de pedras, sobre um amor que transcende as fronteiras do tempo... E sobre o guerreiro escocês que a levou da segurança do século XX para os perigos do século XVIII.
O legado de sangue e desejo que envolve Brianna finalmente vem à tona quando Claire relembra a sua jornada em uma corte parisiense cheia de intrigas e conflitos, correndo contra o tempo para evitar o destino trágico da revolta dos escoceses. Com tudo o que conhece sobre o futuro, será que ela conseguirá salvar a vida de James Fraser e da criança que carrega no ventre?

Resenha: Depois de todos os acontecimentos de tirar o fôlego do primeiro livro, só resta ao leitor preparar o coração para esta incrível continuação.

Depois de viver alguns anos inesquecíveis ao lado de Jamie, na Escócia do século 18, Claire conseguiu voltar para o presente e retoma o casamento com seu primeiro marido, Frank, que não a esquecera. O que, inicialmente, deixa o leitor perdido, é o fato de que a história começa a ser narrada por Roger, um historiador filho do Reverendo amigo de Frank, e o ano é 1968. Vinte anos se passaram desde que Claire viajou no tempo pela segunda vez para voltar para casa, grávida de Jamie, se sentindo perdida mais uma vez, e para os braços de Frank. Ninguém sabe o que aconteceu, pois, no final do primeiro livro, Claire e Jamie embarcaram numa viagem rumo a França.
Agora nos deparamos com um casal infeliz que se mudou pra Boston, nos EUA, e vive de aparências, com uma linda filha (que Frank assumiu,mesmo não sendo pai biológico), chamada Brianna. Claire se tornou uma cirurgiã de renome e coloca o trabalho em primeiro lugar.

Depois de alguns eventos fatídicos, Claire, Brianna e Roger viajaram para a Escócia onde Claire pede ajuda a Roger para procurar por qualquer coisa que pudesse comprovar não só os três anos de sua vida de duzentos anos atrás, como também a existência de Jamie. Brianna cresceu sem saber de nada, e acreditava que Frank era seu pai biológico, então seria difícil para ambos acreditarem no que Claire alegava ter acontecido.
Assim, vamos acompanhando o desenrolar da história em busca de maiores explicações sobre o motivo que fez com que Claire voltasse, porque ela guardou segredo sobre o que viveu ao lado de seu verdadeiro amor, Jamie, e como ela e a filha lidaram com o fato de que essa viagem no tempo realmente aconteceu, e que Brianna é fruto disso.

Durante os relatos de Claire, vamos acompanhando que a vida dela e de Jamie foram totalmente transformadas ao chegarem na França, seja pelo novo e requintado estilo de vida cercado pela realeza, ou pelo fato de que Jamie passa a participar dos embates políticos da época. Devido as atrocidades intragáveis que ele sofreu nas mãos do doentio "Black Jack", é bastante difícil e triste acompanhar seu trauma e o quanto ele se distanciou de Claire e de seus amigos, mas aos poucos, e com bastante ajuda, ele começa a superar o que aconteceu, e, neste volume, percebemos o quanto esse relacionamento, que parecia estar tão frágil, começa a se fortalecer, mesmo que esteja fadado a mais uma separação (justificada, claro), afinal, Claire retorna para o presente. Mesmo sendo um fugitivo, sua participação na política também acaba sendo algo que o distrai, mesmo que isso faça com que ele fique um pouco ausente. Dessa forma, mesmo grávida, Claire se envolve nos cuidados de pacientes necessitados aproveitando de seus conhecimentos médicos, e passa a ajudar as freiras e enfermeiras da comunidade francesa local. E enquanto isso, Claire e Jamie tentam interferir nos acontecimentos a fim de mudarem o destino trágico da revolta escocesa durante a batalha de Culloden, que naquela época, ainda estava prestes a acontecer.

Os elementos típicos da série, como batalhas, traições, perigos, intrigas políticas e claro, muito romance, só fazem com que a história fique rica, envolvente e muito viciante. Confesso que alguns pontos relacionados aos fatos históricos que se referem à política acabam sendo um pouco cansativos e até repetitivos, mas a história de Claire e Jamie é tão encantadora, e a vontade de saber como Brianna irá reagir quando descobrir toda a verdade são tantas que é impossível largar o livro.

Enfim, mais uma leitura imperdível, inesquecível e que passou a fazer parte dos livros favoritos da vida. Leiam, assistam a série, sofram junto com os fãs, mas morram de amores por esse casal maravilhoso e inseparável!

1 de junho de 2018

Resumo do Mês - Maio

Entre mortos e feridos, esse mês salvaram-se todos! Consegui colocar um monte de leituras e resenhas em dia, e posts que eu queria ter feito mês passado e não consegui. Bora ver que que teve no blog?

♥ Resenhas
- A Parte que Falta - Shel Silverstein
- A Parte que Falta Encontra o Grande O - Shel Silverstein
- A Mulher na Janela - A.J. Finn
Jardins da Lua - Steven Erikson
- A Coroa da Vingança - Colleen Houck
- A Viajante do Tempo - Diana Gabaldon

♥ Na Telinha
- iZombie (1ª temporada)
- Aggretsuko (1ª temporada)
- Making Fun: The Story of Funko

♥ Wishlist
- Funkos de Crash Bandicoot
- Funkos de Coco
Funkos de Gilmore Girls
- Funkos de iZombie
- Funkos de Outlander

♥ Sorteios
- A Mulher na Janela (até 25/06)
- Box Encantadas e a Rainha de Tearling (até 20/06)

♥ Caixa de Correio de Maio
Com meus popinhos de presentes de aniversário que eu mesma me dei, e que deixaram essa caixa a mais linda e esperada do ano!