Resumo do Mês - Setembro

1 de outubro de 2020


Setembro passou rápido demais, e eu aqui, organizando os livritchos de desapego, acabei não tendo tempo pra fazer nada relacionado ao blog. Ia fazer umas resenhas de jogos e seriados que assisti, mas quando eu tinha algum tempinho, eu estava cansada demais pra vir aqui. Mas pelo menos já cadastrei boa parte dos meus livros que anunciei no instagran na plataforma do Shopee, sim, aquele app que parece o Aliexpress que a gente compra de tudo. Aproveitei que dá pra se cadastrar lá como vendedor e quem compra é que aproveita os benefícios, porque além dos vários cupons de desconto que eles vivem dando, eles também dão frete grátis independente do valor da compra. Então, pra quem ficava fulo e desistia de comprar um livro meu por 5,00 porque o frete era 15,00, agora não tem do que reclamar porque o bendito livro pode até sair de graça se tiver cupom.
Claro que com uma semana vendendo alí eu já passei raiva e uns desgostos com gente sem noção, mas se eu posso ajudar o povo a economizar, não me custa nada, mesmo que o dinheiro da venda demore pra ser liberado. Quem quiser ver os livritchos que estou desapegando, é só clicar AQUI.

Como se isso já não fosse uma tristeza, meu PC novo que comprei em fevereiro, parece que não era tão novo assim, e tive que mandar pra assistência porque alguma peça tava dando problema e a internet ficava caindo de 5 em 5 minutos. Tava impossível fazer qualquer coisa nele se dependesse de internet e isso começou a me atrapalhar muito em qualquer trabalho que eu precisasse fazer. Como tava na garantia, mandei pra empresa e agora tenho que esperar a boa vontade de darem um jeito e devolver.

No post de resumo do mês passado eu tinha dito que tava pensando em ter um cachorro, e como tudo meu funciona na base do exagero, agora tenho duas catiorinhas lindas: Wendy e Abigail, em homenagem as minhas personagens preferidas de Don't Starve Together.

Enfim, o blog tá largado, a intenção não era essa, mas preciso organizar as coisas aqui pra poder conseguir voltar. Por causa disso, só teve post de caixinha, mas agora em Outubro espero tirar o atraso, se der.

Caixa de Correio #103 - Setembro

30 de setembro de 2020

Setembro foi um mês de abundância popídica nessa caixa de correio, já que um monte de popinhos que estavam parados no galpão do redirecionador há quase 1 ano, enfim, chegaram. Também aproveitei umas promoções boas e depois de séculos, recebi livros! Isso mesmo, livritchos! E não se trata de qualquer livro, não. São livros de Harry Potter, Brasil!
Espiem só o que recebi esse mês:

Adaptação da série "A Mediadora", de Meg Cabot, na Netflix!

5 de setembro de 2020


A Netflix anda investindo pesado em adaptações de livros populares entre os leitores de plantão. Quem não acompanhou o sucesso de The Witcher, Para Todos os Garotos que Já Amei, Desventuras em Série, e afins? Diante dessa variedade de títulos, e com a ideia de que A Seleção e As Crônicas de Nárnia também vão ganhar seu espaço, sempre vai caber mais adaptações de livros, e os fãs das mais variadas séries vão a loucura. Pra quem adora a diva Meg Cabot e suas séries hilárias, pode começar a comemorar, pois a série A Mediadora logo vai entrar no catálogo e vamos poder relembrar as peripécias de Suzannah e seu dom peculiar de se comunicar com os mortos. E a própria autora quem confirmou a notícia pela publicação no twitter da jornalista do The Sun, Rachel Ellenbogen:
Pra quem não conhece, a série conta a história de Suzannah Simon, uma adolescente de dezesseis anos que tem o dom de ver fantasmas com assuntos pendentes que não conseguem ou se recusam a seguir para a luz, mas, sendo uma completa badass sem um pingo de paciência, o jeito dela "ajudar" é descendo a porrada quando eles dão mais trabalho do que o previsto. Até que ela se muda de cidade e, na casa nova, seu quarto é assombrado há cento e cinquenta anos pelo fantasma de Jesse, um rapaz hispânico muito do encantador que começa a mexer com os sentimentos da garota.

Confira as resenhas da série completa aqui no blog:

Obrigada, Netflix! Já estou ansiosa desde já! ♥

Resumo do Mês - Agosto

1 de setembro de 2020


Depois daquele desgosto todo que passei naquele apartamento, enfim mudamos. A casa é espaçosa, tem um quintal enorme, tem espaço pra plantar, tem árvores, e as crianças ficam ocupadas o dia inteiro, correndo, brincando, andando descalços na terra, e sem a preocupação de algum vizinho imbecil achar ruim. A dona da casa é muito gente boa e atenciosa, até me sugeriu arrumar um cachorro, coisa que vou fazer mesmo assim que ficarmos mais folgados de grana, então não tenho nada do que reclamar, muito pelo contrário, e espero que essa seja a última casa de aluguel que eu vou morar até conseguir a minha casa própria, porque não aguento mais mudar. Nos últimos 15 anos devo ter mudado umas 10 fucking vezes. O único ponto negativo, mas temporário, é que mesmo três semanas depois da mudança, ainda não consegui organizar tudo. Tem muito livro que está anunciado no meu bazar no instagram guardado por não ter lugar onde pôr ainda, então quando alguém tem interesse é um deus-nos-acuda pra achar. Também tem muita caixa com a famosa bagulhada amontoada num mini porão que preciso organizar.

Mas, como entre mortos e feridos, salvaram-se todos, essa mudança e essa quarentena sem fim também foram úteis pra eu ver que eu tenho uns dons melhores do que imaginei. Eu sempre pus a mão na massa quando o assunto é serviço de casa, mesmo que seja coisa mais pesada, e montar ou desmontar móveis, identificar onde cada peça vai ou não, era uma coisa que eu resolvia bem fácil e não tinha problemas em ajudar os marmanjos a fazer. Como o apartamento já tinha armários embutidos nos quartos, os guarda-roupas que eu tinha antes eu doei ou vendi, e agora, com essa mudança, precisei comprar guarda-roupas novos aqui pra casa. Graças a Dios aqui tem armário embutido na cozinha, mas nos quartos não.

Como o maridón trabalha o dia inteiro e chega morto e enterrado, ele só ia animar a mexer com essa bendita montagem no final de semana, mas um guarda roupa que chega na segunda ficar encostado e empacotado aqui até no sábado enquanto as roupas estão amontoadas em caixas, eu não ia conseguir deixar... Eis que eu mesma desembalei tudo, peguei chave de fenda, parafusadeira e martelo, e com a ajuda da Marina apoiando as peças aqui e ali, eu quebrei a cabeça e montei 2 guarda-roupas sozinha. Só deixei as portas pro Edi colocar por motivo de "alguma coisa esse homi tem que fazer".
Agora só falta chegar o do meu quarto, que espero ser essa semana, e voilá, vou conseguir terminar de organizar a bagunça. E a cômoda que estou usando pra quebrar o galho eu vou tacar fogo porque a coitada tá caindo aos pedaços e só me mata de raiva, capengando.

No mais, tô bem animada pra terminar de mobiliar e decorar a casa pra ficar bem a nossa cara, e fazer desse cantinho um espaço aconchegante e feliz. Já coloquei - sozinha também - um balanço fofo na varanda e as crianças amaram. Até eu dou uma balançada lá de vez em quando. Já tô cheia de ideias, montei uma listinha do que preciso, e aos pouquinhos vou comprando as coisas. Tô bem feliz e só sei sentir uma enorme gratidão por tudo estar caminhando e já ter dado certo.
Sendo assim, por causa da trabalheira da mudança, acabei não conseguindo atualizar o bendito blog, mas logo que eu deixar tudo no jeito, eu volto.

Caixa de Correio #102 - Agosto

31 de agosto de 2020

Agosto meteu 31 dias na nossa cara em 5 minutos, nem acredito. Como esse mês eu mudei, apesar de ter comprado uns pops com um preço bem bom pra aproveitar, meu foco foi na organização da casa nova. Até pausei a venda de livros porque ainda tem vários encaixotados sem lugar de pôr, então, mais um mês sem livros chegando por aqui. Eu comprei outros de Disney e Harry Potter, mas ainda não chegaram por motivo de "depender de correios é um desgosto eterno", né? Se fosse um caso de vida ou morte, com certeza eu já tava estirada no chão. Espiem os pops que recebi esse mês:

Games - Eternal Hope - Prologue

28 de agosto de 2020

Título:
 Eternal Hope - Prologue
Desenvolvedora: Doublehit Games
Plataforma: PC
Categoria: Aventura/Puzzle/Indie
Ano: 2020
Classificação Indicativa: Livre
Nota: ★★★★☆
Sinopse: Eternal Hope: Prologue é o primeiro ato desse jogo de aventura! Siga a história de um garoto que deve embarcar em uma jornada de amor e esperança em busca da alma de sua amada. Esta versão apresenta o início da aventura de Ti'bi, um garoto solitário que perdeu o amor de sua vida. Embarque em uma jornada incomum - uma que talvez possa trazer a alma de sua querida namorada de volta do Mundo das Sombras, um reino similar ao purgatório. Com a capacidade de viajar entre dimensões, você usará esse poder, juntamente com algumas mãos de seres de outro mundo, para resolver quebra-cabeças que acabarão levando você ao local de descanso final do seu amor no além. Visitar o Mundo das Sombras não é uma tarefa fácil, no entanto. Com criaturas corrompidas que habitam essa dimensão espelhada, você fará amigos - e muitos inimigos - ao longo do caminho, enquanto descobre segredos antigos, nenhum dos quais os vivos deveriam descobrir.

Numa das minhas andanças e fuxicos por novidades de games na Steam, me deparei com Eternal Hope - Prologue, que se trata de uma prévia do game completo - cujo projeto foi desenvolvido por brasileiros - que seria lançado em agosto de 2020 (e já foi inclusive). Como a versão é gratuita pra gente sentir o gostinho e saber o que esperar, lá fui eu testar pra ver se valeria a pena investir no próximo.




O jogo começa quando Ti'bi, que passou a vida inteiro sozinho, encontra uma garota, e descobriu o que é o amor. Anos se passaram, eles viviam felizes, mas, numa noite de tempestade, um acidente faz com que a garota caia do penhasco onde se conheceram, e Ti'bi fica sozinho outra vez. De luto, se sentindo vazio e totalmente perdido, ele continua vagando cabisbaixo e desolado até encontrar o Guardião das Almas, que explica que quando a garota morreu, sua alma foi fragmentada de forma que algo aconteceu, e agora ele se tornou um espírito enfraquecido o bastante para não conseguir continuar com suas tarefas. Assim, o Guardião propõe um acordo a Ti'bi: ele recebe parte dos poderes do Guardião, e deve coletar todos os fragmentos das almas que encontrar pelo caminho para que sua amada volte a vida. E assim, a jornada de Ti'bi começa.



O visual e os gráficos dispensam maiores comentários pois é de encher os olhos. Eternal Hope segue a mesma linha de Limbo no quesito gráfico, mecânica e jogabilidade, com exceção das cores. O jogo é em 2D, e embora os personagens sejam "sombras" e os objetos de interação do primeiro plano sejam escuros para fazer o contraste, o pano de fundo, que lembra bastante uma floresta mágica/mística com profundidade, formas geométricas e cheias de pontos de luz e animações brilhantes, tem uma paleta de cores predominantemente rosa e azul feat. um azul acinzentado que lembra um mundo bem upsidedown quando Ti'bi usa seus poderes recém adquiridos, e posso dizer que é maravilhoso e muito, mas muito bem feito. Os trechos onde a parte da perda de Ti'bi na história é contada, as imagens são diferentes, num estilo mais fofinho e cartunizado com toques de aquarela, e é bem bonito também.



Por se tratar de uma prévia, o jogo oferece três capítulos para podermos nos familiarizar com a mecânica do jogo e com a resolução dos puzzles para que Ti'bi avance. São capítulos curtos e com desafios relativamente fáceis, mas é impossível não morrer várias vezes por coisas bobas, seja por ainda não saber como passar de um obstáculo, por ainda estar pegando o jeito com os controles no teclado, ou seja por cair de pequenas alturas ou na água porque o bendito do boneco não sabe nadar (o que é meio duvidoso, por que como diabos alguém que mora na floresta há anos e anos, com lagos por toda parte, não sabe nadar?). Enfim, é aquele tipo de jogo que é preciso morrer pra aprender e ver o que deve ser feito pra sair dalí. No meio dessa peleja, algumas criaturas sombrias e aliadas ao Guardião acabam ajudando Ti'bi fazendo um leve/dando pezinho pra ele subir aqui e alí, e esses bichos e algumas plataformas só podem ser vistas quando ele ativa seus poderes, mas é fácil de se acostumar com essa alternância de visões, o que é mais complicado é que nem sempre as coisas são muito óbvias e é necessário quebrar um pouco a cabeça para resolver a fase.



Como o jogo é curtinho, não tem muito o que falar pois com poucos minutos já é possível chegar ao fim do prólogo e ter ideia do que o game completo vai oferecer. Talvez o que me fez não maximizar a avaliação foi o fato da história não ter muitas explicações e aprofundamento a ponto de não termos muita empatia por ninguém. Quem é Ti'bi? De onde veio? Por que não tiraram uns minutinhos para explorar pelo menos parte da personalidade dos personagens para que suas características fossem apresentadas? Quanto tempo exatamente seria a "vida inteira" que ele ficou sozinho até encontrar a garota? Será que ela tem alguma ligação com esse outro mundo sombrio para que sua morte e sua alma despedaçada afetasse as forças do Guardião?
São perguntas que pairaram pela minha cabeça e que não sei se vão ter respostas, e fiquei curiosa pra continuar e saber o que vai acontecer. Até então a trama em si, apesar de bem apresentada, ficou meio superficial. Não adianta o jogo ter gráficos bonitos se a história em si não é muito convidativa logo de cara, por mais forte e sentimental que aparente ser. Apesar disso, recomendo pra quem gosta de jogos nesse estilo e vou querer experimentar o game completo.

Wishlist #92 - Movies, Rocks, Artists & Icons

4 de agosto de 2020

Sabe aquelas pessoas famosas cuja existência é bem relevante (mesmo que na loucura total), ou aquelas que interpretaram um papel icônico e marcante o suficiente o bastante para se tornarem inesquecíveis? Claro que a Funko não poderia deixar passar em branco... E por serem personagens únicos e/ou que tem uma versão só, preferi reunir todas numa única wishlist. Tem pop desde Leonardo da Vinci até Britney Spears, e é impossível não identificar quem é quem quando a gente bate o olho. As fofuras:


Resumo do Mês - Julho

1 de agosto de 2020


Como tinha dito no post do resumo do mês passado, comecei com a saga de mais uma mudança. Infelizmente a casa que eu tinha olhado não deu certo, então continuamos com a procura e só fomos achar uma outra que atendesse a gente num bairro mais distante. Não me importei e nem pensei duas vezes, porque o espaço é ótimo e tenho certeza que as crianças vão ficar bem felizes podendo brincar a vontade sem vizinho reclamando.
Já encaixotei bastante coisa, mas como sempre, os livros acabam sendo um "problema" porque são muitos e é preciso arrumar caixa do além pra poder embalar tudo. Já devo ter enchido umas 40 caixas e ainda faltam 2 estantes cheias de livros pra guardar, mas como a mudança vai ser semana que vem, vai dar tempo de organizar isso, nem que a gente leve essas caixas, esvazie e depois traga de volta pra encher de novo. O importante é dar jeito e sair daqui pra ter paz e sossego.
Já deu tudo certo!

♥ Resenhas
Bruxa da Noite - Nora Roberts
- Feitiço da Sombra - Nora Roberts
- Magia do Sangue - Nora Roberts
- O Príncipe das Sombras - Sylvain Reynard
- A Transformação de Raven - Sylvain Reynard
Coisas Bem Legais Para Ser Muito Feliz - Mr. Wonderful

♥ Na Telinha
- Little Fires Everywhere (1ª temporada)

Caixa de Correio de Julho
Popinhos mais lindos dessa vida


Caixa de Correio #101 - Julho

31 de julho de 2020

Julho foi um tanto produtivo pra minha coleção de popinhos. Enfim consegui os pops dos Patronos pra chamar de meus e minha coleção de HP e Disney continuam crescendo, pra minha alegria. Esse mês não teve nenhum livro recebido, mas como pretendo comprar a coleção do The Witcher pra voltar com o Desafio e alguma edição de capa dura de Harry Potter, talvez em alguma caixinha futura elas apareçam por aqui. Espiem os fofos que recebi:

Coisas Bem Legais Para Ser Muito Feliz - Mr. Wonderful

28 de julho de 2020

Título: Coisas Bem Legais Para Ser Muito Feliz
Autor: Mr. Wonderful
Editora: L&PM
Gênero: Autoajuda
Ano: 2015
Páginas: 148
Nota:★★★★★
Sinopse: Mergulhe nestas páginas e deixe-se surpreender pelo mundo de Mr. Wonderful, do qual você sairá transformado e com um enorme sorriso. Ler estas páginas é um banho de mar em pleno verão, é ficar com dor na barriga de tanto rir... Você tem nas mãos um decálogo ilustrado sobre a felicidade explicada como quem fala com um amigo, sincero e transparente. Coisas bem legais para ser muito feliz é o livro menos livro do mundo: é uma experiência, um sorriso, é como um espelho, um presente, é um caderno e um álbum. Este livro é, simplesmente, um momento de alegria garantido. Inclui: - 10 capítulos megadiferentes - Wonderconselhos para recortar - Adesivos espetaculares - Gargalhadas sem fim.

Resenha: O casal espanhol de designers gráficos Ângela Cabal e Javier Aracil adotaram o pseudônimo Mr. Wonderful para darem vida ao projeto Coisas Bem Legais Para Ser Muito Feliz, publicado no Brasil pela L&PM.

O livro é todo colorido, feito de ilustrações descoladas, fotografias cheias de significado e várias mensagens curtas e diretas utilizando das mais diversas tipografias tornando a obra um dos projetos gráficos mais legais da minha estante!


As mensagens são inspiradoras e funcionam como uma orientação bastante sincera e amigável daquilo que, no fundo, sabemos que é o que nos falta ou até o que nos completa, mas nem sempre colocamos em prática.

As frases apresentadas acabam nos arrancando um sorriso no canto da boca, pensando se não somos nós os verdadeiros responsáveis por dificultarmos ou colocarmos obstáculos em nossas vidas, sendo que a maioria das coisas com que nos preocupamos não são tão terríveis quanto parecem e que não precisamos de muito para sermos felizes.


O livro ainda traz uma parte interativa com adesivos coloridos de ilustrações fofas, pequenas frases, lembretes ou molduras para preenchermos com o que quisermos para ajudar a "organizar a vida", e também algumas folhas com mensagens de incentivo ou conselhos para que possamos destacar e dar de presente ou simplesmente colar em algum lugar visível para sempre lermos e lembrarmos de que podemos ter esperanças e sorrir, apesar de tudo.


Um livro curto pra ser lido e relido sempre, como forma de entretenimento, inspiração, incentivo, só para sorrir um pouquinho que seja, ou como forma de pensar que nada está perdido, basta que o primeiro passo seja dado.

A Transformação de Raven - Sylvain Reynard

17 de julho de 2020

Título: A Transformação de Raven - Noites em Florença #1
Autor: Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2015
Páginas: 448
Nota:★★★★☆
Sinopse: Florença, o berço do Renascimento. Um lugar culturalmente fervilhante, perfeito para quem quer esconder segredos ou está em busca de uma segunda chance. Como a doce Raven, que se muda para a cidade na tentativa de esquecer os traumas do passado e se dedicar à sua maior paixão: a restauração de pinturas renascentistas.
Um dia, voltando para casa do trabalho na Galleria degli Uffizi, sua vida muda para sempre. Ao tentar evitar o espancamento de um sem-teto, Raven é atacada. Sua morte parece iminente, mas seus agressores são impedidos e brutalmente assassinados. Assustada e prestes a perder os sentidos, ela só consegue vislumbrar uma figura sombria que sussurra: Cassita vulneratus.
Ao despertar, Raven faz duas descobertas perturbadoras: uma semana se passou desde o ocorrido e ela se transformou por completo. Quando volta ao trabalho, mais uma surpresa: alguém conseguiu burlar o sofisticado sistema de segurança da galeria e roubar a inestimável coleção de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia.
Em busca da verdade, Raven cairá diretamente nos braços do Príncipe de Florença – tão belo quanto poderoso, tão sedutor quanto maligno –, que lhe apresentará um submundo de seres perigosos e vingativos, cujas leis ela precisa aprender depressa se quiser se manter viva e salvar os que a cercam.
A transformação de Raven marca o início da série Noites em Florença, cujos personagens foram apresentados em O príncipe das sombras.

Resenha: A Transformação de Raven é o primeiro volume da série Noites em Florença que marca o início da incursão em romance sobrenatural do autor Sylvain Reynard.

Raven Wood nunca foi a garota mais popular ou bonita do colégio quando adolescente. Ela está acima do peso ideal e, devido a um acidente que sofreu na infância, ainda manca de uma perna e usa uma bengala. Apesar de ser insegura e ter baixa autoestima, nada disso impediu que ela fosse independente e corresse atrás de seus sonhos e paixões. Quando surge a oportunidade de ela trabalhar na Galeria Uffizi como restauradora de obras de arte, ela não pensa duas vezes e parte para Florença. Mas, numa noite, durante sua caminhada pra casa, ela acaba se envolvendo numa situação perigosa quando resolve defender um mendigo que havia sido espancado na rua por alguns marginais.
Sabendo do perigo da situação que não era nada favorável a ela, Raven já se prepara para o pior. Ela é atacada, e quando os baderneiros continuam, mesmo desfalecida, alguma coisa impede que ela seja violentada. Na semana seguinte ela desperta sem se lembrar de nada e mal acredita no que vê quando se olha no espelho. Ela não só se sente diferente, ela está diferente. Mais magra, mais bonita e até sua perna está completamente curada. Acreditando estar louca, Raven parte para a galeria, mas chegando lá é recebida por policiais. Ela descobre que a galeria foi roubada e se tornou a principal suspeita no caso do roubo por ter ficado sumida durante uma semana.
Como se tudo já não estivesse confuso o suficiente, ela conhece William, um homem que invade seu apartamento e a orienta a fugir para a própria segurança. Ele parece ter as respostas para todas as suas perguntas, mas obtê-las não será tão fácil quanto pensa. O que ela não imagina é que se trata do Príncipe de Florença, alguém cuja própria existência vai contra tudo o que ela acredita, mas que foi o responsável por salvá-la quando sua vida corria perigo, mesmo que ela não se lembrasse disso. Logo a atração é inevitável, mas a situação dos dois é mais complexa do que parece. O Príncipe deve manter seu reino protegido, mas precisará fazer uma escolha que poderá mudar sua vida, e a de Raven, para sempre.
A partir daí, segue uma história de suspense e amor em que dois mundos opostos se colidem.
mesmo que relutantemente o Príncipe a ajude, cada vez mais ele a arrasta para um mundo misterioso e desconhecido do qual ela deveria não saber que existe.

A escrita do autor é rica e graciosa, beira o estilo lírico e é um tanto afiada. Narrada em terceira pessoa, a história trata de um romance entre duas pessoas improváveis que, juntas, enfrentam os perigos das ruas de Florença. O romance fala de amor, sacrifício, religião e redenção ao mesmo tempo que se mescla com toques artísticos para dar beleza e riqueza à trama que vai se desenvolvendo de forma gradual e num ritmo lento mas, ainda assim, satisfatório.
Raven, inicialmente, é uma personagem que foge dos estereótipos de mocinha de romances contemporâneos, tanto pela aparência quanto pela personalidade, até mesmo porque ela mostra que a beleza é algo que vem de dentro. Ela é americana, mas, a fim de se livrar de seu passado conturbado e traumático, agarra a chance de ir para a Itália trabalhar com o que gosta em busca de uma vida nova.
O herói da vez - ou melhor, o anti-herói - é um vampiro secular, governador do submundo de Florença e que faz de tudo para manter a ordem na cidade. Mesmo que considere as pessoas seres insignificantes, ele sabe que elas são necessárias para que tudo possa fluir adequadamente no mundo. Ele é cruel, letal e valoriza a disciplina, mas esconde segredos e sentimentos como forma de fortalecer seu poder de influência e persuasão sobre os demais vampiros de sua espécie. Ao mesmo tempo que exerce seu charme se tornando alguém desejado, ele também é temido por ser alguém tão perigoso, mas para um homem que deve manter seus segredos em nome de seu governo, ter um ponto fraco que o torna vulnerável não é algo que ele pretendia ter no momento.

Um ponto de que gostei bastante foi o desenvolvimento dos conflitos internos que o casal enfrenta. Ele por ter que lidar com sentimentos que não sabia ser capaz de ter, pois uma criatura da noite tão imponente e sombrio não parece ser alguém capaz de amar. E ela por ser alguém que o torna vulnerável.
O roubo das famosas ilustrações de Botticelli também é abordado, dando prosseguimento ao que começou no conto anterior e que já vem da série O Inferno de Gabriel. Mesmo que não seja necessário ler O Príncipe das Sombras, acredito que a leitura seja importante para um entendimento mais completo do que se passa.

Os personagens de forma geral são bem construídos e interessantes e, mesmo que haja fantasia sobrenatural envolvida, possuem características emocionais que os tornam bastante próximos da nossa realidade.
A partir das descrições que o autor faz, é possível até mesmo fazer uma verdadeira viagem por Florença. E quem tem algum conhecimento de obras de arte vai ficar satisfeito ao se deparar com algumas obras sendo mencionadas no decorrer do livro.
A capa não tem detalhes a serem destacados apesar de ser bonita e bastante intrigante. As páginas são amarelas, apesar da imagem de uma das obras mencionadas na história que aparece no início do livro, a diagramação é simples e sem diferencial, e a fonte tem um tamanho agradável. A revisão está ótima. Ao fim da história há uma cena extra envolvendo o livro A Redenção de Gabriel mas que está ligada diretamente a este, e outra sobre Aoibhe, uma das personagens que anseia por ser a Princesa de Florença ao lado do Príncipe.

Talvez o título remeta a outro tipo de transformação, não a física pela qual Raven passa, mas algo interno, que envolve não só ela, mas a forma como o próprio Príncipe age e encara sua missão em Florença ao ser o responsável pelo submundo quando se deixa levar por um sentimento novo e único...
Ansiosa pelo próximo volume a fim de saber quais serão as consequências para as escolhas de Raven Wood e o Príncipe de Florença. Conspirações e reviravoltas, vingança, busca por poder, embates entre vampiros e caçadores e uma trama recheada de cenas super sensuais é o que nos aguarda em A Transformação de Raven.

O Príncipe das Sombras - Sylvain Reynard

15 de julho de 2020

Título: O Príncipe das Sombras - Noites em Florença #0.5
Autor: Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2015
Páginas: 128
Nota:★★★★☆
Sinopse: Um conjunto muito valioso de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia, de Dante Alighieri, é exposto na Galleria degli Uffizi, em Florença. O dono das peças é o famoso professor de literatura Gabriel Emerson. Quando se deixou persuadir por sua amada esposa, Julianne, concordando em dividir com o mundo a beleza daquelas obras de arte, Gabriel jamais poderia imaginar que estaria atraindo para si um poderoso inimigo.
Mais de um século antes, aquelas mesmas ilustrações foram roubadas de seu verdadeiro dono, o Príncipe de Florença, uma criatura sobrenatural e misteriosa que governa o submundo da cidade e há muito não sabe o que é o amor. Agora um dos seres mais perigosos da Itália está disposto a recuperar o que lhe pertence e se vingar de Gabriel e Julianne. Mas logo seus planos são frustrados. Um atentado o obriga a deixar os Emersons de lado, afinal ele precisa resolver assuntos muito mais importantes. Tanto seu principado quanto sua própria vida parecem estar em risco. Passado na cidade mais artística da Itália, O príncipe das sombras é uma incrível introdução à nova série de Sylvain Reynard, Noites em Florença, e vai deixar os leitores com gostinho de quero mais.

Resenha: O Príncipe das Sombras se trata de uma introdução à série sobrenatural Noites em Florença do autor canadense Sylvain Reynard (da trilogia O Inferno de Gabriel) publicada no Brasil pela Editora Arqueiro.
Em 2011, no submundo de Florença, um vampiro antigo está atrás do casal Gabriel e Julianne (personagens da série anterior do autor). Os dois estão em posse de ilustrações valiosas e originais da Divina Comédia, obras de autoria de Botticelli, mas o que eles não sabiam era que essas ilustrações haviam sido roubadas de seu verdadeiro dono em 1870. Por acreditar que Gabriel está envolvido no roubo, o Príncipe de Florença planeja uma vingança para recuperar o que é seu e parte atrás do casal, mas uma ameaça seguida por um ataque à cidade interrompe seus planos e ele é obrigado a desviar seu foco do casal Emerson e bolar uma estratégia para descobrir quem atacou a cidade. Logo sua vida está em jogo, mas ele não vai desistir de proteger os assuntos de seu interesse, mesmo que tudo indique que uma guerra está a caminho.
Narrado em terceira pessoa de forma bem poética e tendo como pano de fundo a cidade italiana de Florença, o leitor é introduzido aos personagens e à atmosfera da nova série do autor de uma forma intensa, romântica e envolvente.
É bem notável que o Príncipe apareça como uma criatura sobrenatural perigosa, cruel e que segue seus instintos. Ele não sabe o que é desculpar alguém ou ter misericórdia, e não hesita em passar por cima de qualquer um que possa atrapalhar seus objetivos. Mas ele começa a ter um lado que não imaginou possuir sendo despertado dentro de si. A vida frágil e delicada de Julianne somada ao seu relacionamento com Gabriel passa a ser observada com objetivo de vingança. O Príncipe passa a presenciar seus momentos mais íntimos, sendo testemunha do desejo intenso que eles nutrem um pelo outro e acaba se lembrando de alguém em sua juventude que já havia o olhado com o mesmo carinho, mas que, devido ao tempo, ele havia se esquecido e deixado de saber o que era amor. Logo alguns sentimentos há muito escondidos e reprimidos vêm à tona.

O Príncipe das Sombras é um conto rápido de ser lido e cumpre com seu papel introdutório, pelo charme do Príncipe e, principalmente, por encantar o leitor com as descrições acerca do cenário e das belezas que só a Itália tem.
Os capítulos são curtos e ao final do livro há um glossário com uma pequena lista de personagens, termos e nomes usados na história para que o leitor possa saber quem é quem ou o que é o lugar ou função mencionados.

A caçada do Príncipe por respostas ainda não é resolvida, claro, e muito da personalidade e da própria vida do protagonista não são revelados, logo a curiosidade para saber mais sobre o que está por vir é imensa. Acredito que se a história viesse como um prólogo do primeiro livro da série seria melhor, pois ela traz informações que acrescentam e são importantes para que o leitor se situe melhor ao iniciar a leitura do primeiro livro da série, A Transformação de Raven, já lançado pela Arqueiro.
Mesmo que não a leitura não seja obrigatória para o entendimento da série em geral, por ser um conto extra, de alguma forma, pode fazer falta para quem gostar e quiser acompanhar os personagens nessa nova jornada.

Magia do Sangue - Nora Roberts

13 de julho de 2020

Título: Magia do Sangue - Primos O'Dwyer #3
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2016
Páginas: 288
Nota:★★★☆☆
Sinopse: Há muitos anos, Branna O’Dwyer entregou seu amor a Finbar Burke. No entanto, o romance durou pouco. Uma maldição ligada ao sangue de suas famílias os proibiu de ficar juntos.
Branna tentou preencher esse vazio com amigos e familiares, mas sabe que, sem Fin, sua vida nunca estará completa. Ele, por sua vez, passou os últimos doze anos viajando pelo mundo, focado exclusivamente no trabalho.
Atormentados pela forte atração que nem a distância pôde aplacar, nenhum dos dois acha que um dia se entregará de novo ao amor.
Entretanto, em meio às sombras que ameaçam destruir tudo o que eles consideram mais precioso, esse relacionamento sem futuro pode ser também a última esperança que lhes resta.

Resenha: Magia do Sangue é o terceiro volume que fecha a trilogia Primos O'Dwyer, escrita por Nora Roberts e publicado pela Editora Arqueiro no Brasil.

A premissa da história gira em torno de Sorcha, uma bruxa poderosa que viveu no século XIII e que se sacrificou para salvar os filhos depois de ser perseguida por Cabhan, um demônio sedento por poder. Muitos séculos se passaram desde o ocorrido e seus descendentes, mais uma vez, irão precisar enfrentar o mal que tentará derrotá-los e tomar o poder. Dessa forma, cada livro da trilogia gira em torno de um dos primos e seu par, e juntos, irão enfrentar os perigos para derrotarem Cabhan em nome da família, da amizade e do amor.

Branna se apaixonara por Finbar há muitos anos, mas quando descobriu que ele era descendente do seu maior inimigo e que uma maldição pairava sobre suas famílias, eles não puderam ficar juntos. Dessa forma, sem poder viver o amor que gostaria, Branna investiu na família e no trabalho a fim de preencher esse vazio deixado por Fin em seu peito.
Fin, sendo descendente de Cabhan, tinha o poder de se conectar com os mundos do bem e do mal, mas por ter sido impedido de ficar com Branna devido a essa "maldição", ele tentou evitar a família O'Dwyer para seguir com sua vida. Porém, para derrotar Cabhan eles precisariam unir forças...
Depois de passar por tantos percalços, Fin e Branna deverão ser capazes de considerar que o amor que sentem um pelo outro pode ser maior do que a maldição que os separou e somente através da união dos dois haverá esperança no destino de suas famílias.

Magia do Sangue ira mostrar os seis amigos tentando descobrir uma forma de derrotar Cabhan de uma vez por todas, tendo ajuda de seus ancestrais, e revirando o passado do bruxo a fim de descobrirem possíveis fraquezas para derrotá-lo.
Branna e Fin, desta vez, são os protagonistas, que desde o começo possuem uma relação de amor e ódio, e que confesso ter tornado a história mais interessante de se acompanhar. Apesar de tudo, Fin sempre foi apaixonado por Branna mas por ele ser descendente de Cabhan elas não poderiam ter uma vida juntos, logo ele iria aproveitar todas as oportunidades que tivesse para provar seu amor e faria de tudo para derrotar o demônio para se unir a sua amada.

O livro, assim como os demais da trilogia, é narrado em terceira pessoa e acompanhamos Branna e Fin como os protagonistas deste volume. Apesar da história se manter num ritmo lento e bastante repetivivo, a autora amarrou bem as pontas que haviam ficado soltas nos volumes anteriores, fechando a história e seus ciclos de forma satisfatória. De forma geral, esperava bem mais da mitologia criada, pois a medida que os acontecimentos se desenrolam, percebi que não houve muito exploração e é como se tudo se resumisse em se envolverem e se apaixonarem, participarem de banquetes maravilhosos e salvarem o mundo, não necessariamente nesta ordem. E claro, não posso deixar de mencionar o enorme espaço dedicado às refeições fabulosas preparadas por Branna e toda aquela fartura sem fim que estão sempre presentes em meio ao enredo. Talvez as descrições desses jantares sirva mais pra ilustrar a união entre os personagens quando estão reunidos e compartilhando bons momentos, mas acho que, indo contra meus princípios taurinos, comida não é a base de tudo nessa vida e é possível ter momentos felizes fazendo outras coisas a fim de sair daquela rotina que, por ser tão repetitiva, acaba se tornando chata. Basta uma pontinha de aproximação que já podemos esperar uma mesa cheia de gostosuras.
Um dos pontos que gostei bastante foi que finalmente a verdadeira origem de Fin veio à tona e fui pega de surpresa por ser algo que estava lá o tempo todo mas não enxerguei.
Os feitiços e todos aqueles rituais são cantados em forma de rima e confesso que essa característica não me agradou.

Com relação a parte física, a capa deste volume é a mais bonita dentre os três, talvez devido as cores utilizadas que são mais alegres dando a impressão de que haverá um fim feliz. A Diagramação é simples, há ornamentos sob os numerais indicando os capítulos, as páginas são amarelas e a revisão, apesar de ter algumas falhas e erros ortográficos bem perceptíveis, superou um pouco a dos outros volumes. O problema maior aqui é que em alguns pontos pode haver confusão entre os personagens, não sendo fácil ou possível distinguir quem está falando.

Acho que o único problema da história é a forma como foi montada. É como se seguisse uma fórmula mantendo uma sequência de acontecimentos em todos os livros da trilogia sendo possível prever o que vem a seguir... A história começa com as lembranças pontuais dos filhos de Sorcha, depois os primos discutindo sobre as maneiras de Cabhan ser derrotado, comida, as questões amorosas e como vão se desenrolando para serem resolvidas, mais comida, a batalha e pronto.

De forma geral, a história de Branna e Fin era a que eu mais esperava, devido aos conflitos deles serem maiores, mais trágicos e mais interessantes do que os de Iona e Boyle (protagonistas de Bruxa da Noite), ou Meara e Connor (protagonistas de Feitiço das Sombras).
Posso dizer que a autora apresentou uma trama focada na importância da família unida e a lealdade às origens, e Finn luta contra a sua própria origem, mostrando que seu amor por Branna é maior e vai além do que qualquer influência que seu ancestral maligno poderia exercer sobre ele.

Apesar de não ser a melhor trilogia de fantasia que já acompanhei devido a falta de profundidade na mitologia escolhida, e pela enrolação da história que, às vezes, pode ser bastante irritante, é de se aproveitar pela mensagem de que absorvemos sobre a importância da família e da amizade em nossas vidas, e que a união realmente faz a força quando há cumplicidade, respeito e determinação para atingirmos nossos objetivos.

Feitiço da Sombra - Nora Roberts

11 de julho de 2020

Título: Feitiço da Sombra - Primos O'Dwyer #2
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2015
Páginas: 288
Nota:★★★☆☆
Sinopse: Connor O’Dwyer se orgulha de chamar o Condado de Mayo de seu lar. É lá que Branna, sua irmã, mora e trabalha e onde Iona, sua prima, encontrou o verdadeiro amor. Foi nessa terra que seus parentes e amigos formaram um círculo de proteção que nunca poderá ser rompido... Até que um beijo põe em risco a segurança de todos. Depois de um breve encontro com a morte, Connor e a melhor amiga de sua irmã se entregam um ao outro. Eles se dão bem desde a infância e, depois do tórrido encontro, o rapaz tem esperança de que esse relacionamento evolua. Para frustração dele, no entanto, Meara se contenta apenas com o prazer do momento, temendo se perder – e perder a amizade dele. Essa mudança em sua relação pode abalar o círculo e permitir que uma perigosa ameaça ressurja aos poucos, como uma névoa. Para detê-la, Connor precisará novamente da família e dos amigos para despertar a força e a fúria que correm em seu sangue. Quem sabe pela última vez.

Resenha: Feitiço da Sombra é o segundo volume da trilogia Primos O'Dwyer, escrita por Nora Roberts e publicado pela Editora Arqueiro no Brasil.
A história se passa nos mesmos lugares e gira em torno das questões dos mesmos personagens, porém, cada livro é destinado a um casal principal formado por um dos primos. A resenha está livre de spoilers do livro anterior.

Assim como no primeiro livro, este começa sendo narrado no passado, quando os filhos de Sorcha - Brannaugh, Teagan e Eamon - estão prestes a decidir o rumo de suas vidas, escondendo ou assumindo de vez a magia que a mãe lhes deixou. No tempo presente, de volta ao Condado de Mayo, a história se desenrola ao mostrar Iona e Boyle, Connor e Meara, Branna e Fin. Todos formam um Círculo, preocupados em proteger a família, a amizade e o amor que nutrem um pelo outro travando uma luta contra Cabhan, que quer destruir todos eles.

Em Bruxa da Noite, o livro anterior, quem teve espaço foi Iona e seu relacionamento com Boyle. Neste volume, Connor O’Dwyer é o personagem que ganha foco, assim como Meara, amiga de infância dele e da irmã Branna.
Em meio ao perigo que enfrentam, Connor e Meara resolvem se entregar um ao outro, se rendendo a uma atração que já existia há muito tempo, mas ela não acredita mais no amor devido ao trauma pelo próprio pai ter abandonado a família. Meara só deseja aproveitar o momento sem que nada se torne sério e resiste a começar algo com Connor que, acostumado a sempre conseguir o que quer, deseja que o sentimento seja correspondido e tem esperanças de que eles engatem um relacionamento.
O problema é que Cabhan não foi derrotado como imaginavam e ainda quer destruir suas vidas, e sua brecha é a ideia do Círculo abalado pela fragilidade do relacionamento de Connor e Meara devido à resistência da moça...

Narrado em terceira pessoa, acompanhamos uma história cuja força está no Círculo. O tema da trilogia é mais voltado para a família e a forma como a união e o amor rege a vida de cada um dos envolvidos.
Apesar de o livro estar com uma revisão um pouco mal feita, a narrativa se desenvolve de forma fácil, fluida e lírica, mas em alguns diálogos houve algumas transições entre personagens de forma que eu mal sabia quem era quem. Todos têm o costume de falar do mesmo jeito e não têm particularidades nesse quesito que pudessem diferenciar um do outro, me confundindo em alguns trechos.
A história acaba sendo previsível pelo fato de girar em torno da mesma coisa e não ter grandes mudanças, ação ou reviravoltas. O enredo se desenvolve de forma repetida, e por esse motivo não surpreende, mesmo que os elementos mágicos estejam presentes.

Connor é aquele tipo de personagem que tem "experiência" quando o assunto é mulher, mas nem por isso é visto como alguém que arrasa e parte corações por onde passa. Ele parece ser o personagem mais focado entre os primos, sempre seguindo em frente com o pé no chão e sem descansar enquanto não atinge seus objetivos. Mas em alguns momentos ele age por impulso e se mete em problemas que não deveria, o que acaba tirando a paciência de qualquer um.
Meara é forte e determinada, tem problemas de confiança, mas ainda assim não se deixa abalar por coisas pequenas. O que ela não quer é se envolver amorosamente para evitar uma decepção maior, e pra mim foi um motivo compreensível.

Os personagens de forma geral, incluindo principais e secundários, são essenciais para o desenrolar da história e possuem um vínculo tão intenso, independente de seus propósitos, personalidades ou compreensão, que passam a mensagem de que o que realmente importa nessa vida é a amizade verdadeira, a família unida e o amor, e que tudo isso junto pode superar qualquer obstáculo. A relação deles foi construída de uma forma bastante real, apresentando características simples de um convívio social rotineiro do dia a dia que acabam sendo a melhor parte da história.

Achei que o nome do livro foi bastante adequado visto que se trata do feitiço utilizado por Cabhan para perseguir os O'Dwyer, além de que a autora ainda se aprofundou no feitiço que possibilita que os personagens façam viagens no tempo cruzando passado e presente de forma que haja interação com os filhos de Sorcha.
Acho que para que a história de Iona iniciada no primeiro livro não ficasse completamente esquecida, podemos acompanhar algumas poucas cenas dela e Boyle. O romance não é trabalhado e tampouco ganha espaço. Somente a ideia de que eles estão prestes a se casar se faz presente. E, por não ter curtido muito o romance deles, não me importei que isso tenha ficado pra escanteio nesse volume.
O livro, apesar de não ter superado totalmente minhas expectativas, teve um bom aprofundamento ao trabalhar a história dos personagens, dando mais espaço ao relacionamento e sem deixar a luta contra o mal em segundo plano.

A ideia do amor e da amizade ligada a laços familiares fortes e inquebráveis, e ainda tendo a Irlanda como pano de fundo, é algo encantador e com certeza vai chamar atenção de todos que apreciam uma leitura rica em detalhes e que explora o universo mágico de forma convincente.

Bruxa da Noite - Nora Roberts

9 de julho de 2020

Título: Bruxa da Noite - Primos O'Dwyer #1
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2015
Páginas: 320
Nota:★★★★☆
Sinopse: Com pais indiferentes, Iona Sheehan cresceu ansiando por carinho e aceitação. Com a avó materna, descobriu onde encontrar as duas coisas: numa terra de florestas exuberantes, lagos deslumbrantes e lendas centenárias – a Irlanda.
Mais precisamente no Condado de Mayo, onde o sangue e a magia de seus ancestrais atravessam gerações – e onde seu destino a espera.
Iona chega à Irlanda sem nada além das orientações da avó, um otimismo sem fim e um talento inato para lidar com cavalos. Perto do encantador castelo onde ficará hospedada por uma semana, encontra a casa de seus primos Branna e Connor O’Dwyer, que a recebem de braços abertos em sua vida e em seu lar.
Quando arruma emprego nos estábulos locais, Iona conhece o dono do lugar, Boyle McGrath. Uma mistura de caubói, pirata e cavaleiro tribal, ele reúne três de suas maiores fantasias num único pacote.
Iona logo percebe que ali pode construir seu lar e ter a vida que sempre quis, mesmo que isso implique se apaixonar perdidamente pelo chefe. Mas as coisas não são tão perfeitas quanto parecem. Um antigo demônio que há muitos séculos ronda a família de Iona precisa ser derrotado.
Agora parentes e amigos vão brigar uns com os outros – e uns pelos outros – para manter viva a chama da esperança e do amor.

Resenha: Bruxa da Noite é o primeiro volume da trilogia Primos O'Dwyer, escrita pela autora Nora Roberts e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.
A história começa num inverno intenso, tomado por chuvas e nevoeiros, no ano de 1263 na Irlanda. Sorcha, mais conhecida como Bruxa da Noite devido aos seus enormes poderes, além de respeitada e ter alguns privilégios por ser esposa de Daithi, o cennfine (chefe do clã), leva uma vida cheia de amor com os três filhos pequenos - Brannaugh, Teagan e Eamon - enquanto seu marido, que estava lutando na guerra, era aguardado com bastante ansiedade quando a primavera chegasse.
Com o passar das semanas, Sorcha e os filhos são perseguidos por Cabhan, um demônio maligno e ambicioso, sedento por poder. A fim de acabar com esse mal, Sorcha trava uma luta com Cabhan, divide seu enorme poder entre os filhos, poder este que passaria para seus descendentes através das gerações, e se sacrifica acreditando que libertaria seus entes queridos do perigo, mas o mal resistiu e, na floresta, iria aguardar pacientemente o momento certo para voltar...

Setecentos e cinquenta anos se passaram desde o sacrifício de Sorcha, o ano é 2013, e Iona Sheenan entra em cena. Ela cresceu nos EUA, carente e procurando aceitação dos pais indiferentes. Recebendo atenção da avó e ouvindo dela histórias fantásticas envolvendo seus ancestrais, Iona descobre onde, enfim, poderia encontrar o que tanto desejava na vida. Então, ela decide deixar tudo para trás partindo para a Irlanda, no Condado de Mayo, com intuito de descobrir sobre suas raízes. Lá ela é recebida de braços abertos pelos primos Connor e Branna O'Dwyer e, por ter um talento nato para lidar com cavalos, Iona consegue um emprego no estábulo. Ao conhecer seu chefe, Boyle McGrath, percebe que encontrou a vida que sempre quis naquele lugar mágico e encantador.
Tudo parecia perfeito, mas o que ela não esperava era descobrir que seus primos, e agora ela também, seriam alvos de Cabhan, que anseia pelos poderes herdados de Sorcha que eles possuem, além da sede por vingança que ele tem...
Resta aos primos Iona, Branna e Connor se unirem para derrotarem esse mal de forma definitiva para, enfim, viverem felizes e manterem a chama do amor da família sempre acesa.

Eu ainda não tinha lido nenhum livro de Nora Roberts pra poder fazer comparações. A opção por essa leitura se deu devido ao tema fantástico envolvendo bruxas, magia e com o pano de fundo maravilhoso, convidativo e mágico que é a Irlanda. Isso bastou pra chamar minha atenção e posso afirmar que a autora tem uma escrita única e envolvente e criou personagens bem definidos, além de utilizar de uma mitologia convincente e madura que envolve elementos da natureza e animais que possuem ligação com seus donos e funcionam como uma extensão deles.

A narrativa é feita em terceira pessoa focando no ponto de vista de Iona. Apesar da carência inicial, ela é uma personagem doce e inteligente, mas bem imatura. Boyle já faz o estilo forte e misterioso. Quando Iona decide controlar os poderes que tem, a medida que ela aprende e convive com os primos e os amigos, ela também amadurece e cresce como personagem.
Aparentemente a única coisa que Iona e Boyle têm em comum são o amor por cavalos, mas com o desenrolar da história eles se envolvem cada vez mais. Boyle não tinha intenção de se envolver emocionalmente com ninguém, mas Iona vem pra mudar isso. A ideia, ao que parece, é que eles tivessem uma química explosiva digna de estremecer o chão, mas o único problema é que não consegui sentir química alguma e os dois, como casal, me soaram um tanto vazios, pelo menos até Iona perceber que havia, sim, um sentimento intenso e incondicional por parte de Boyle. O relacionamento, então, é desenvolvido gradualmente até que se torne sólido o bastante pra ser considerado interessante.
A caracterização dos personagens foi o que mais me agradou e os que mais gostei foram Fin e Meara, com quem ela cultiva uma amizade. Fin inclusive é descendente de Cabhan e ele mantém um relacionamento de amor e ódio com Branna, o que torna a história bem mais interessante. A autora já os colocou num caminho e trabalhou as mágoas, ressentimentos e problemas de confiança que eles têm e espero por um livro que se aprofunde melhor no relacionamento dos dois.
Um fator interessante e original sobre a história é que os primos são reconhecidos pelas pessoas como sendo bruxos devido a história de Sorcha, então eles não se mantém no anonimato precisando guardar segredo de suas origens.
Os personagens, como um todo, foram muito bem construídos e todos têm personalidades distintas. O temperamento de alguns dão até mesmo um toque engraçado à história.

O que não funcionou pra mim foi a falta de um aprofundamento maior sobre a história de Iona, pois ela fica constantemente choramingando sobre sua carência e falta de amor mas a autora não expõe nada sobre isso, o que passou com os pais e o que fizeram pra ela se sentir tão sozinha.
Um ponto que, pra mim, foi super desnecessário foi a insistência em falar sobre comida. Os personagens estão sempre comendo e bebendo e evidenciar isso em mais da metade do livro foi algo cansativo e inútil.
Senti falta de uma verdadeira ameaça, e por mais que o leitor saiba que há um perigo que permeia a história, não houve tensão suficiente pra criar um clímax e nada me tirou o fôlego.
O final não fez muito sentido pra mim e me deixou pensando que, ou há um furo enorme, ou eu deixei passar sem ter a menor ideia do que os personagens planejaram para tentar destruir Cabhan.
Os dois primeiros capítulos, que funcionam como a introdução contando como tudo começou, tiveram mais destaque e foram muito mais empolgantes e emocionantes pra mim. Meu erro foi me basear neles ao criar expectativas maiores para o restante da história. Não que ela seja ruim, muito pelo contrário, só esperei por uma coisa quando na verdade me deparei com outra.

Sobre a parte impressa e o trabalho gráfico, a capa é muito bonita e manteve a arte da obra original que remete a todo um mistério. O nome da autora e a moldura que envolve o título possuem aplicações em verniz pra se destacar do fundo fosco. A diagramação é simples, as páginas são amarelas, a fonte tem um tamanho agradável e não encontrei erros de revisão. Os capítulos são numerados com um ornamento inferior como detalhe.

No mais, pra quem procura por um livro que traga uma história com uma escrita envolvente e sólida sobre bruxas, família, amizade e um grande amor, Bruxa da Noite é uma boa pedida.

Na Telinha - Little Fires Everywhere (1ª temporada)

8 de julho de 2020

Título: Pequenos Incêndios por Toda Parte (Little Fires Everywhere)
Temporada: 1 | Episódios: 8
Elenco: Reese Witherspoon, Kerry Washington, Joshua Jackson, Lexi Underwood, Megan Stott, Jade Pettyjohn, Jordan Elsass, Gavin Lewis, Rosemarie DeWitt
Gênero: Drama
Ano: 2020
Duração: 60min
Classificação: +16
Nota:★★★★★
Sinopse: Um encontro entre duas famílias completamente diferentes vai afetar a vida de todos. A dona de casa perfeita Elena Richardson (Reese Witherspoon) aluga a casa de hóspedes à Mia Warren (Kerry Washington), uma artista solteira e enigmática que se muda para Shaker Heights com sua filha adolescente. Em pouco tempo, as duas se tornam mais do que meras inquilinas: todos os quatro filhos da família Richardson se encantam com as novas moradoras de Shaker. Porém, Mia carrega um passado misterioso e um desprezo pelo status quo que ameaça desestruturar uma comunidade tão cuidadosamente ordenada.

Little Fires Everywhere é uma minissérie americana, baseada no romance homônimo e best-seller de Celeste Ng. No Brasil, o livro foi lançado pela Editora Intrínseca. A série foi lançada pela plataforma gringa de streaming Hulu (a mesma que distribuiu a série The Handmaid's Tale) e agora foi disponibilizada com exclusividade pra gente pela Amazon Prime Video. A trama se passa nos anos 90 e mostra como a vida, aparentemente perfeita, da família de Elena Richardson é afetada pela chegada da artista Mia Warren e sua filha Pearl, ambas negras, na cidadezinha bucólica de Shaker Heights, Ohio, cujos princípios utópicos de conservadorismo, harmonia e ordem estão prestes a ser abalados.


Enquando Elena mantém as aparências de família perfeita e bem estruturada com seu marido advogado e seus quatro filhos adolescentes, Mia não tem raízes, não faz questão de cultivar amizades e perdeu as contas de quantas vezes se mudou, já que mantém um estilo de vida itinerante.
Mia se torna inquilina dos Richardson e tudo começa quando Pearl faz amizade com os filhos de Elena e fica maravilhada com a mansão que eles moram e com o estilo de vida que levam, afinal, ela nunca teve uma casa confortável ou um quarto pra chamar de seu. Logo ela se sente acolhida em meio aquela família que a trata tão bem. Em contrapartida, a filha caçula de Elena, Izzy, é a ovelha negra da família, não se encaixa, não aceita as imposições da mãe que exige que a menina seja alguém que ela não é, e acaba encontrando refúgio em Mia, pois é a única que realmente parece enxergá-la e compreendê-la.


E a partir daí, começa uma "guerra invisível" entre mães que só querem o melhor para seus filhos, mas que parecem não saber lidar muito bem com o que eles realmente querem. A trama ainda encaixa questões judiciais envolvendo Bebe Chow, uma personagem chinesa que sofre por ter abandonado a filha num momento de desespero, e que envolve Mia, Elena e sua melhor amiga, Linda, de forma direta ao caso, fazendo com que o drama sobre os privilégios das classes sociais mais altas, e as injustiças sofridas pelas mais baixas, se intensifique ainda mais.


Com tantas discussões acerca de questões raciais, que são tão relevantes para a sociedade, Little Fires Everywhere parece ter vindo a tempo e a hora para ajudar a conscientizar as pessoas sobre uma pontinha do que é o racismo velado e os privilégios dos brancos, assim como abordar questões sexistas, problemas familiares, as enormes dificuldades que envolvem a maternidade, e as consequências de se manter tantos segredos e viver de aparências, e a série faz isso muito bem.

Chega a ser desconfortável para o expectador acompanhar Elena e Mia se desconstruindo a medida que os problemas vão aparecendo e várias descobertas vão sendo feitas. Elena é uma jornalista que trabalha meio período e leva a vida da forma mais metódica que se possa imaginar. Ela faz listas de afazeres, impõe aos filhos o que devem vestir e como devem se comportar, e até tem os dias certos da semana para ter relações com seu marido (?), e ai de quem sair da linha. Nada pode sair fora do planejado pra essa mulher.
Mia é o oposto. Ela consegue ver a vida de uma forma diferente, consegue enxergar a essência das pessoas mesmo que as evite e as trate com secura, mas sabe que por ser negra, ela e a filha enfrentarão coisas que estão fora da realidade de quem é branco, mesmo que elas pareçam ter sido aceitas na comunidade. Assim, o relacionamento conturbado e incômodo das protagonistas e de seus filhos, começa a revelar um outro lado de Elena e como ela vai, aos poucos, perdendo a compostura, e como os segredos de Mia, que ela fez questão de esconder durante tantos anos, começam a vir à tona a ponto da vida de todos virar de cabeça pra baixo.


A temporada tem apenas 8 episódios, mas consegue se desenvolver bem e mostrar os pontos mais importantes sobre o passado das protagonistas através de flashbacks que se passam nos anos 70 e 80 que explicam muito sobre suas escolhas de vida e o que influenciou em suas trajetórias até o momento presente.
As pessoas são imperfeitas e tentam fazer as escolhas que elas julgam serem as mais corretas pra suas vidas com base no que aprenderam ou no que experimentaram, mas isso não significa que é a melhor escolha ou que qualquer coisa vai levá-las a redenção ou coisa do tipo. O final da temporada deixa algumas questões em aberto, e a curiosidade pra saber o que vai acontecer com os personagens fica no ar, mas conclui de uma forma bem trágica que, felizmente ou não, mostra que existe o reconhecimento de que as coisas nem sempre estão sob nosso controle ou como gostaríamos que fosse. Little Fires Everywhere é desconfortável e inquietante em alguns momentos, mas não nego que prende a atenção, surpreende com as atuações, dá vários tapas na cara com diálogos inteligentes e situações absurdas, e mesmo que cause algumas frustrações e revoltas com alguns acontecimentos, é mais do que recomendada.

Resumo do Mês - Junho

1 de julho de 2020


Esse mês não pude dar muita atenção pro blog, mais uma vez. Não gosto quando isso acontece porque sinto falta de sentar aqui e escrever sobre minhas leituras e as séries que vejo, mas isso fica meio difícil quando eu não ando lendo nada e ainda fico sem tempo pra escrever sobre o que ando assistindo.
Ando tendo uns problemas no condomínio do prédio onde moro por causa do Ian. Esse isolamento faz com que a gente fique PRESO DENTRO DE CASA DIA E NOITE e isso com certeza tá deixando as pessoas mais LOUCAS DO QUE NUNCA. Como já comentei várias vezes nessas postagens do resumo, que muitas vezes me servem como um desabafo, o Ian é uma criança terrível. Não pára um minuto, faz bagunça demais, grita demais, incomoda demais, e a vizinha aqui debaixo parece ter levado pro lado pessoal e não pára de reclamar do barulho que ele faz. Ela já reclamou comigo, já reclamou pro síndico, já reclamou pra imobiliária, já levei advertência por causa do incômodo e eu, sinceramente, não sei o que fazer. Sei que deve incomodar porque ele não para um minuto sequer, e quando corre pela casa dá cada pisão no chão que chega a tremer as paredes, mas por ser criança e não entender o que ele faz, fico sem saber como lidar.

Mas o que eu faço? Não tenho culpa do isolamento acústico nesse bendito apartamento ser zero e qualquer passo que a gente dê já faz barulho no teto da vizinha. Já pedi desculpas e falei que ia tentar controlar, mas vou amarrar o menino? Dar remédio pra dormir? Despachar pra longe? Sem escola e sem o acompanhamento com a psicóloga pra ajudar com o hiperativismo dele o menino só falta subir pelas paredes, e por mais difícil que seja, é complicado quando as pessoas não tem empatia e não entendem que a situação é complicada pra TODOS, inclusive pra mim que ando mais surtada do que nunca porque sou uma pessoa só, estamos todos presos, e não consigo ficar por conta dele 24hrs por dia pra manter ele em silêncio absoluto pra não incomodar os outros, até mesmo porque tenho outros filhos e uma casa inteira pra cuidar SOZINHA. Como não quero caçar briga com ninguém, e como fico incomodada por estar causando esses transtornos pros outros (mesmo que nunca tivesse sido minha intenção), o único jeito vai ser me mudar, MAIS UMA VEZ.

Já perdi as contas de quantas vezes mudei nos últimos 15 anos... Não podia fazer isso agora. É um gasto que eu não planejava ter, mas pra evitar a fadiga, vai ser o único jeito de dar paz e ter paz. É horrível quando a gente mora num lugar e não se sente em casa porque os outros reclamam sem sequer tentar entender o outro lado da história. Morar de aluguel é uma merda, mas a vantagem é que se tá ruim, a gente sai e pronto. Já achei uma casa espaçosa e bacana pra gente alugar, porque com o Ian, pelo menos enquanto ele for pequeno, não tem a menor condição de irmos morar em prédio, e agora só tô aqui esperando a análise dos documentos pra começar a preparar a mudança. Já deu tudo certo e agradeço todos os dias por isso.

Só preciso avisar a imobiliária pra colocar um aviso pro próximo que for alugar que é pra pessoa ter muito cuidado caso tenha filhos pequenos.... Nem sempre um comportamento problemático significa que o filho é mal criado, pode ter outras coisas por trás e quem não tem filho NUNCA vai saber e entender, de fato, como é. Então não adianta tentar explicar alguma coisa pra quem não pode se colocar no lugar do outro e nem vive nada do tipo entender. Criança faz barulho, criança grita, criança corre, criança chora, e pela experiência que tive aqui, percebi que não é qualquer um que entende e aceita que criança precisa disso pra ser criança.

Enfim... Acho que isso justifica um pouco minha ausência e desânimo, mas não quero desistir e pretendo me dedicar mais, assim que possível. Só não posso ficar me cobrando por algo que sei que não vou dar conta.

♥ Na Telinha
- 365 Dni

♥ Wishlist
- Funkos de The Craft

Caixa de Correio de Junho


Caixa de Correio #100 - Junho

30 de junho de 2020

Caixinha de Correio n° 100, Brasil?? É isso mesmo. Um dos pouquíssimos posts fixos e pontuais (as vezes nem tanto) chegou à sua 100ª edição. A tristeza é que, apesar de eu ter recebido popinhos maravilindos, continuo sem comprar e receber livros. Mas pra qualquer colecionador, essa caixa tá mais do que porreta. Tive coragem de customizar o pop da Hermione do baile porque aquele vestido rosa que ela usa no filme e que ficou representado no popinho nunca me desceu. Assim sendo, agora tá azul, como bem descrito no livro, e digna da minha admiração, graças as minhas habilidades artesanatísticas  (e sim, tenho a outra com o vestido rosa ainda, essa de azul é outra). Espiem as belezuras:

#NaJanelaFestival - Jornadas Antirracistas

25 de junho de 2020


Nos dias 26, 27 e 28 de junho, seis bate-papos e uma intervenção poética colocam em foco um debate premente para a construção de uma democracia plena: a ampliação das vozes e da luta antirracista. Com a participação de escritores, educadores, jornalistas, ativistas, pesquisadores e empreendedores, as #JornadasAntirracistas vão discutir temas diversos e prestar uma homenagem a Sueli Carneiro, uma de nossas maiores intelectuais contemporâneas, ativista e feminista antirracista.

As conversas acontecem ao vivo canal do YouTube da Companhia das Letras e os leitores podem contribuir com perguntas.

Confira abaixo a programação completa do #NaJanelaFestival e se programe para conferir:

📅 Sexta-feira, 26 de de junho
18h | Abertura: Performance de lançamento do livro “Não pararei de gritar”, com Carlos de Assumpção. Mediação: Paulo Sabino

📅 Sábado, 27 de junho
15h | Educação e infâncias negras
Com Bel Santos, Kiusam de Oliveira e Otávio Júnior. Mediação: Juê Olívia

17h | Racismo estrutural e institucional
Com Cida Bento, Jurema Werneck e Silvio Almeida. Mediação: Ronilso Pacheco

19h | Feminismos negros: Uma homenagem aos 70 anos de Sueli Carneiro
Com Sueli Carneiro, Bianca Santana e Djamila Ribeiro. Mediação: Flávia Oliveira

📅 Domingo, 28 de junho
15h | Ficções contemporâneas
Com Jarid Arraes, Jeferson Tenório e Jessé Andarilho. Mediação: Adriana Couto

17h | Cultura, ativismo e empreendedorismo
Com Eliane Dias, Monique Evelle e Nina Silva. Mediação: Flavia Lima

19h | Qual democracia?
Com Acauam Oliveira, Samuel Gomes e Thiago Amparo. Mediação: Flavia Rios


E não deixe de acessar também a página do festival na Amazon, com descontos em vários títulos do catálogo da Cia das Letras!

Na Telinha - 365 Dni

11 de junho de 2020

Título: 365 Dias (365 Dni)
Elenco: Anna-Maria Sieklucka, Michele Morroner, Bronislaw Wroclawski
Ano: 2020
Duração: 1h 54min
Classificação: +18
Nota:★☆☆☆☆
Sinopse: Em 365 dias, Laura é uma diretora de vendas que tem sua vida virada do avesso com a chegada de Massimo, membro da família da máfia siciliana. Entretanto, numa viagem à Sicília, Massimo a sequestra lhe dando 365 dias para se apaixonar por ele.

Baseado no romance erótico da autora polonesa Blanka Lipińskae, o filme é uma produção (também polonesa) e adaptação que vai contar a história de Laura Biel, uma diretora de vendas, bonita e independente, e o que acontece com sua vida quando ela é sequestrada pelo chefe da máfia siciliana, o típico italiano sedutor, lindo, gostoso e tatuado, Massimo Torricelli. Juro que eu nunca tinha ouvido falar desse filme e muito menos do livro, e fui assistir por acaso quando começou o bafafá, e o desgosto tomou conta de mim.


Apesar de ser autêntica e bem sucedida na vida profissional, Laura é bem infeliz na vida pessoal devido a indiferença com que seu namorado a trata, e, mesmo sendo bonita, gostosa e fogosa, se sente jogada pra escanteio quando tem tanto amor e fuego pra dar, enquanto o mocorongo do boy lixo não está disposto e nem um pouco interessado em retribuir. Em seu aniversário de 29 anos, Laura vai passar as férias na Sicília com esse namorado horroroso e brocha e sua melhor amiga, confidente e inseparável, até que ela é sequestrada por Massimo e levada para a mansão dele, onde é obrigada a permanecer por 365 dias com propósito de se apaixonar por ele. Caso isso não aconteça nesse prazo, o que ele alega ser impossível porque ele confia no próprio "taco", ele a deixará ir embora. O motivo? Há cinco anos ele teve uma visão com o rosto de Laura, ficou maravilhado com toda aquela beleza, se apaixonou perdidamente, e desde então, ficou obcecado e passou a vida procurando ela pelo mundo, ao mesmo tempo que lidava com as questões criminosas depois que "herdou" o cargo de chefe da máfia com a fatídica morte do pai (gente¹?)


Laura, então, não tem escolha pois não pode fugir, não tem a quem pedir ajuda, está longe da família, e aceita seu destino entrando num tipo de jogo de sedução e provocações, se fazendo de difícil com suas caras e bocas, às vezes se faz de doida dando alguns ataques nada a ver, gastando a bufunfa do homem endinheirado com roupas chiques que marcam seu corpitcho esbelto, despertando atenção de outros homens tão odiosos quanto, e causando ciúmes em Massimo de propósito. Até ela, obviamente, ceder aos abusos disfarçados de "boa pegada" e às manipulações psicológicas disfarçadas de "encantos" de Massimo, afinal, Laura andava muito frustrada sexualmente já que não ganhava a atenção do namorado e estava muito infeliz, coitada, e agora achou um homão dos sonhos pervertidos que a trate como uma rainha. Isso deveria servir como desculpa pra alguém engolir essa situação, pelo amor de Deus? Não tem nada que justifique ou faça sentido nessa história, nem mesmo o fato de ela exigir seu notebook e seu celular enquanto está lá confinada quando não usa (nem pra ligar pra polícia e pedir socorro), e por ter algum problema cardíaco que, teoricamente, a deixa fragilizada mas isso não acrescenta em nada na história, a não ser fazer com que o maníaco se preocupe e queira "cuidar" dela melhor, até ser um detalhe inútil e completamente esquecido (gente²?).


Enfim... Odeio fazer comparações, mas diante de tanto absurdo e falta de originalidade, é impossível não comparar 365 Dni com Cinquenta Tons de Cinza. Tem sexo em lugares aleatórios; tem luxo, poder, riqueza e esbanjo de dinheiro como forma de agrado; tem a mocinha relutante e deslumbrada com o "macho alfa" e dominador que a coloca num pedestal; tem gente julgando o relacionamento dos dois por conta das diferenças; tem baile de máscaras; tem ameaças vindas da ex namorada louca; e tem tentativas de pequenas cenas de humor que não tem nem um pouco de graça. Talvez a diferença é que 365 Dni realmente entregou as cenas hots que as pessoas queriam ter visto em 50 Tons, e não viram. Enquanto Mr. Grey de Cinquenta Tons faz uma proposta mediante contrato, o que sugere que a Anastacia teve uma escolha, Massimo, como o verdadeiro criminoso que é, dopa e sequestra Laura, e a obriga a estar ali a sua disposição para que passe a gostar dele a força, enquanto ele, obcecado, finge que precisa da permissão dela pro que quer que seja, mas sempre está ali feito um predador, ofegante, alisando cada milímetro do corpo dela, vigiando, provocando, pegando a coitada pelo pescoço a cada desaforo, e andando pra lá e pra cá ora sem camisa mostrando o peitoral peludo, ora pelado mostrando a bunda e o pinto.


Por mais bonitos e sexys que os protagonistas aparentem ser, as atuações são horríveis, eles são super afetados e não param de fazer caras e bocas, poses coreografadas e irreais, sustentam olhares intensos e sedutores como se tivessem olhando direto pro próprio sol o tempo todo e sem o menor motivo, e têm diálogos tão terríveis quanto aquela peruca loira e imóvel de Laura, que só conseguiram me deixar com vergonha alheia e em estado de choque. Não nego que, apesar do absurdo mais doentio que já vi na vida, existe tensão sexual e química entre os dois e as cenas de sexo quase explícitas que só aparecem mesmo depois de mais de uma hora de filme, são ousadas e bem feitas até certo ponto, mas se a ideia era só mostrar o sexo desvairado e selvagem que deixa qualquer um assado e esfolado em carne viva, a história em si não era necessária e qualquer outra fantasia delirante podia ser usada para que os meios pudessem justificar os finalmentes.

No final das contas, além da lendária revirada de olhos naquele looping infinito, a impressão que tive é que a Netflix, que se diz tão descolada e apoiadora de tantas causas relevantes nessa sociedade podre, parece ter perdido o juízo ao enfiar esse troço no catálogo em busca não só de dinheiro, mas da audiência pela bendita polêmica e, principalmente, pela curiosidade do povo fogoso que não pode ouvir falar em filmes baseados em livros eróticos que já saem correndo pra assistir (vide cinquenta tons de cinza) e comentar.


Odioso, vergonhoso, triste... Se a ideia era causar alvoroço romantizando a Síndrome de Estocolmo e fazendo de Laura e Massimo o casal do momento, conseguiram, pena que de uma forma tão tosca e negativa. E pra quem pensa que aquele final ridículo e que sugere uma tragédia pôs fim nessa história, não se enganem. Pelo que parece a trilogia inteira vai ser adaptada para as telinhas, logo, esse martírio vai ter continuação. Pena que até onde soube, já que parece impossível a gente não se esbarrar em comentários envolvendo esse filme pela internet afora, a história continua desandando e só vai ladeira abaixo, porque a romantização de absurdos ainda piores segue firme e forte.

É ficção? Sim. Pode ser uma fantasia sexual maluca? Também. Assisti e depois senti que perdi 2 horas da minha vida que nunca mais vão poder ser recuperadas? Com certeza. Mas deixou o alerta. É complicado quando as mulheres, enfim, começaram a ter coragem e passaram a exigir seus direitos, principalmente sobre o próprio corpo, e a lutar contra o machismo, denunciando violências e abusos sofridos nas mãos de caras escrotos, mas um conteúdo tão errado desse tipo conquista fãs. Às vezes não sei nem o que pensar, principalmente porque o dinheiro acaba falando mais alto, e não vai demorar para que alguma editora pegue carona nessa onda pra adquirir os direitos de publicação dos livros no Brasil, já que ainda não foram lançados por aqui...

Wishlist #91 - The Craft

2 de junho de 2020

Lá vem a Funko trazendo pops de filmes que marcaram minha adolescência... Quem aí já assistiu Jovens Bruxas e super curtiu? Faz anos que não assisto, e talvez se assistir hoje eu tenha uma outra percepção (principalmente com relação aos efeitos especiais), mas só sei que na época eu adorava e inclusive tinha o bendito gravado num DVD pirata pra assistir todo dia. A graça tá na nostalgia, minha gente... É o que me motiva nessa saga de colecionismo de pops.
Nota pra essa Nancy com o piercing no nariz e a cara de louca, que lindinea ♥!


Resumo do Mês - Maio

1 de junho de 2020


Esse mês eu dei uma caída legal e fiquei bastante desanimada com tudo relacionado a internet, e o blog acabou entrando no meio porque nem ânimo e coragem pra poder vir aqui escrever eu tive. Acho que preciso parar de acompanhar notícias sobre política e as tantas tragédias que andam acontecendo no país e no mundo, já que pra onde a gente olha, é só desgraça. Tentei voltar a jogar Don't Starve como forma de "refúgio", mas é difícil querer ter alguns momentos de lazer e diversão quando se tem filhos e casa pra cuidar, e nenhum segundo de paz... Nem séries e filmes eu consegui terminar de assistir até o final direito.

Enfim, sorry pela ausência e pela escassez de postagens:

♥ Wishlist
- Funkos de Lord of The Rings
- Funkos de Corpse Bride

Caixa de Correio de Maio