Na Telinha - Little Fires Everywhere (1ª temporada)

8 de julho de 2020

Título: Pequenos Incêndios por Toda Parte (Little Fires Everywhere)
Temporada: 1 | Episódios: 8
Elenco: Reese Witherspoon, Kerry Washington, Joshua Jackson, Lexi Underwood, Megan Stott, Jade Pettyjohn, Jordan Elsass, Gavin Lewis, Rosemarie DeWitt
Gênero: Drama
Ano: 2020
Duração: 60min
Classificação: +16
Nota:★★★★★
Sinopse: Um encontro entre duas famílias completamente diferentes vai afetar a vida de todos. A dona de casa perfeita Elena Richardson (Reese Witherspoon) aluga a casa de hóspedes à Mia Warren (Kerry Washington), uma artista solteira e enigmática que se muda para Shaker Heights com sua filha adolescente. Em pouco tempo, as duas se tornam mais do que meras inquilinas: todos os quatro filhos da família Richardson se encantam com as novas moradoras de Shaker. Porém, Mia carrega um passado misterioso e um desprezo pelo status quo que ameaça desestruturar uma comunidade tão cuidadosamente ordenada.

Little Fires Everywhere é uma minissérie americana, baseada no romance homônimo e best-seller de Celeste Ng. No Brasil, o livro foi lançado pela Editora Intrínseca. A série foi lançada pela plataforma gringa de streaming Hulu (a mesma que distribuiu a série The Handmaid's Tale) e agora foi disponibilizada com exclusividade pra gente pela Amazon Prime Video. A trama se passa nos anos 90 e mostra como a vida, aparentemente perfeita, da família de Elena Richardson é afetada pela chegada da artista Mia Warren e sua filha Pearl, ambas negras, na cidadezinha bucólica de Shaker Heights, Ohio, cujos princípios utópicos de conservadorismo, harmonia e ordem estão prestes a ser abalados.


Enquando Elena mantém as aparências de família perfeita e bem estruturada com seu marido advogado e seus quatro filhos adolescentes, Mia não tem raízes, não faz questão de cultivar amizades e perdeu as contas de quantas vezes se mudou, já que mantém um estilo de vida itinerante.
Mia se torna inquilina dos Richardson e tudo começa quando Pearl faz amizade com os filhos de Elena e fica maravilhada com a mansão que eles moram e com o estilo de vida que levam, afinal, ela nunca teve uma casa confortável ou um quarto pra chamar de seu. Logo ela se sente acolhida em meio aquela família que a trata tão bem. Em contrapartida, a filha caçula de Elena, Izzy, é a ovelha negra da família, não se encaixa, não aceita as imposições da mãe que exige que a menina seja alguém que ela não é, e acaba encontrando refúgio em Mia, pois é a única que realmente parece enxergá-la e compreendê-la.


E a partir daí, começa uma "guerra invisível" entre mães que só querem o melhor para seus filhos, mas que parecem não saber lidar muito bem com o que eles realmente querem. A trama ainda encaixa questões judiciais envolvendo Bebe Chow, uma personagem chinesa que sofre por ter abandonado a filha num momento de desespero, e que envolve Mia, Elena e sua melhor amiga, Linda, de forma direta ao caso, fazendo com que o drama sobre os privilégios das classes sociais mais altas, e as injustiças sofridas pelas mais baixas, se intensifique ainda mais.


Com tantas discussões acerca de questões raciais, que são tão relevantes para a sociedade, Little Fires Everywhere parece ter vindo a tempo e a hora para ajudar a conscientizar as pessoas sobre uma pontinha do que é o racismo velado e os privilégios dos brancos, assim como abordar questões sexistas, problemas familiares, as enormes dificuldades que envolvem a maternidade, e as consequências de se manter tantos segredos e viver de aparências, e a série faz isso muito bem.

Chega a ser desconfortável para o expectador acompanhar Elena e Mia se desconstruindo a medida que os problemas vão aparecendo e várias descobertas vão sendo feitas. Elena é uma jornalista que trabalha meio período e leva a vida da forma mais metódica que se possa imaginar. Ela faz listas de afazeres, impõe aos filhos o que devem vestir e como devem se comportar, e até tem os dias certos da semana para ter relações com seu marido (?), e ai de quem sair da linha. Nada pode sair fora do planejado pra essa mulher.
Mia é o oposto. Ela consegue ver a vida de uma forma diferente, consegue enxergar a essência das pessoas mesmo que as evite e as trate com secura, mas sabe que por ser negra, ela e a filha enfrentarão coisas que estão fora da realidade de quem é branco, mesmo que elas pareçam ter sido aceitas na comunidade. Assim, o relacionamento conturbado e incômodo das protagonistas e de seus filhos, começa a revelar um outro lado de Elena e como ela vai, aos poucos, perdendo a compostura, e como os segredos de Mia, que ela fez questão de esconder durante tantos anos, começam a vir à tona a ponto da vida de todos virar de cabeça pra baixo.


A temporada tem apenas 8 episódios, mas consegue se desenvolver bem e mostrar os pontos mais importantes sobre o passado das protagonistas através de flashbacks que se passam nos anos 70 e 80 que explicam muito sobre suas escolhas de vida e o que influenciou em suas trajetórias até o momento presente.
As pessoas são imperfeitas e tentam fazer as escolhas que elas julgam serem as mais corretas pra suas vidas com base no que aprenderam ou no que experimentaram, mas isso não significa que é a melhor escolha ou que qualquer coisa vai levá-las a redenção ou coisa do tipo. O final da temporada deixa algumas questões em aberto, e a curiosidade pra saber o que vai acontecer com os personagens fica no ar, mas conclui de uma forma bem trágica que, felizmente ou não, mostra que existe o reconhecimento de que as coisas nem sempre estão sob nosso controle ou como gostaríamos que fosse. Little Fires Everywhere é desconfortável e inquietante em alguns momentos, mas não nego que prende a atenção, surpreende com as atuações, dá vários tapas na cara com diálogos inteligentes e situações absurdas, e mesmo que cause algumas frustrações e revoltas com alguns acontecimentos, é mais do que recomendada.
0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário