15 de janeiro de 2018

Ônix - Jennifer L. Armentrout

Título: Ônix - Lux #2
Autora: Jennifer L. Armentrout
Editora: Valentina
Gênero: Romance/Fantasia/Sci-Fi
Ano: 2016
Páginas: 416
Nota:
Sinopse: Estar conectada a ele é uma droga!
Graças ao seu abracadabra alienígena, Daemon está determinado a provar que o que sente por mim é mais do que um efeito colateral da nossa bizarra conexão. Em vista disso, fui obrigada a dar um “chega pra lá” nele, ainda que ultimamente nossa relação esteja... esquentando.
Algo pior do que os Arum ronda a cidade.
O Departamento de Defesa está aqui. Se eles descobrirem o que o Daemon pode fazer e que nós estamos conectados, vou me ferrar. Ele também. Além disso, tem um garoto novo na escola que, tal como a gente, guarda um segredo. Ele sabe o que aconteceu comigo e pode ajudar, mas, para fazer isso, preciso mentir para o Daemon e ficar longe dele. Como se isso fosse possível!
Até que, de repente, tudo muda.
Vi alguém que não deveria estar vivo. E tenho que contar ao Daemon, mesmo sabendo que ele não vai parar de investigar até descobrir toda a verdade.
Ninguém é o que parece ser. E nem todo mundo irá sobreviver às mentiras.
Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Resenha: Ônix é o segundo livro da Saga Lux, escrito por Jennifer L. Armentrout e publicado pela Editora Valentina.

No final de Obsidiana, uma luta épica entre Daemon e os Arum acabou por ferir mortalmente Katy. Daemon, não vendo outra saída, não hesita em curá-la. Claro que ele faria isso de qualquer forma, acontece que dessa vez, ele a trouxe praticamente do mundo dos mortos. Seus ferimentos foram extensos, mas Katy lutou, e salvou e amiga Dee e seu irmão, e como consequência, sua vida acaba de mudar para sempre.

Ao curar Katy, Daemon modifica seu DNA, fazendo com que ela agora se torne uma Híbrida, em função disso ela começa a desenvolver poderes. De início ela nem percebe, coisas sutis como mover uma porta ou derrubar uma jarra de chá se parecem muito com acidentes normais, então ela segue a vida, achando que está normal.

Ela teve uma febre muito alta e foi internada no hospital onde sua mãe trabalha, lá ela conhece Will que a trata, a cura e acaba se envolvendo com a mãe da menina. Um envolvimento estranho, que incomoda Katy, mas ela coloca a culpa em seus ciúmes, por não querer que sua mãe substitua o pai, que o câncer havia levado.

O tempo passa e Blake, um aluno novo se encanta por Katy, e ela por ele já que ao que tudo indica, ao lado no novo amigo ela poderá ter momentos normais. Ledo engano. logo Blake se revela um Híbrido também, e um bem poderoso, que está disposto a ajudar Katy, a treiná-la e deixá-la preparada para enfrentar os Arum. Daemon é contra e bate pé que tem algo muito errado com Blake, mas essa menina ouve??? Não, claro que não né! Então muita confusão começa a se desenrolar.

Há a suspeita de que Dawson, irmão gêmeo de Daemon esteja vivo então ele e Katy em meio às rusgas, investigam alguns agentes do DOD a fim de descobrir a verdade sobre o que aconteceu com Dawson e a namorada dele, que foram dados como mortos a quase dois anos. Katy está realmente aprendendo a usar seus novos poderes e está ficando mais poderosa do que o esperado! Dee está tão envolvida com seu romance do Adam que nem se dá conta de todos os perigos que a cercam.

Enfim, tem muita coisa acontecendo e se eu for começar a contar, vou longe falando aqui. Temos traições, mortes, intrigas, brigas, romance, superpoderes, descobertas e um monte de diálogos super divertidos, em especial entre o casal mais fofo da trama, Daemon e Katy. O romance entre eles ainda vai devagar, mas vai...vai chegar em algum lugar, se um lugar bom ou não, só lendo os próximos volumes pra saber, porque aqui a coisa ainda está morninha, morninha.

É uma leitura leve, agradável, que se desenvolve com grande fluidez, conhecemos personagens divertidos e cativantes. Somos apresentados a romances convincentes e amizades encantadoras. A narrativa nos envolve de uma maneira que quando percebemos, já fomos totalmente absorvidos pela leitura e sem notar, a terminamos. É uma leitura realmente recomendada para todos que gostam de romance, e uma pitada de Sci-fi.


14 de janeiro de 2018

Wishlist #26 - Funkos de Lilo e Stitch

Já perdi as contas de quantas vezes assisti Lilo e Stitch ou de quantas milhões vezes já quis ter uma Xepa pra apertar. E nem tenho vergonha de assumir que já chorei rios assistindo essa animação, cheia dessas pequenas frases carregadas de sentimentos verdadeiros e que fazem todo o sentido do mundo.
"Ohana quer dizer família. Família quer dizer nunca mais abandonar... Mas se quiser ir, cê que sabe...  Vou te guardar no coração, assim como todos que já foram embora..."
Imortalizar isso num DVD é pouco... Quero os popinhos desses fofilfos que moram no meu coração!


Stitch - OK





Existem algumas outras versões do Stitch e da própria Xepa (Scrump), mas os que estão mesmo na minha lista eterna são esses aí. ;)

13 de janeiro de 2018

A Fogueira - Krysten Ritter

Título: A Fogueira
Autora: Krysten Ritter
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: Suspense/Thriller
Ano: 2017
Páginas: 288
Nota:
Sinopse: Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta.

Resenha: Abigail Williams tem vinte e oito anos e é uma advogada especializada em direitos ambientais. Ela é uma mulher independente, desapegada e muito bem sucedida. Abby nasceu em Barrens, uma cidadezinha bem pequena no estado do Indiana onde ela não foi muito feliz, mas já faz vários anos que ela mora em Chicago.
Aparentemente tudo ia bem na vida dela, até que Abby se depara com um caso relacionado a Optimal Plastics, a principal fonte de economia de Barrens. A empresa foi acusada de contaminar a água da cidade com seus poluentes, o que desencadeou várias doenças nos moradores.
Assim, depois de dez anos, Abby precisará retornar para sua cidade natal a fim de descobrir o que está acontecendo e em paralelo ao caso, ela descobre que sua antiga amiga de infância, Kaycee, desapareceu, e quanto mais ela investiga, mais próxima fica de uma verdade inquietante e rodeada por mistérios.

A história é narrada pelo ponto de vista de Abby e embora seja muto fluída e com detalhes o bastante para ambientar o leitor à trama, alguns deles bastante pesados inclusive, não traz elementos realmente novos. Obviamente a história tem seu próprio rumo, que confesso ser bem surpreendente, mas a impressão é de que a autora juntou fórmulas de várias histórias que todos nós já vimos em algum lugar, e é impossível ler sem levar este ponto em consideração.

Abby e Kaycee eram melhores amigas na infância, mas as coisas mudaram durante a adolescência. Abby passou a ser constantemente humilhada por Kaycee, que se tornou uma "Regina George" do colégio, cheia de súditas que sempre faziam o que ela queria, exatamente como no filme "Meninas Malvadas". Assim, após sofrer muito bullying, depois de se formar, ela partiu pra Chicago e só queria esquecer todos aqueles traumas. Porém, retornar a Barrens faz com que todas as suas mágoas viessem à tona, principalmente porque a cidade não evoluiu, as pessoas são as mesmas e continuam podres, a diferença é que Kaycee sumiu.
Ao mesmo tempo em que Abby precisa lidar com seu passado trágico, ela faz as investigações e descobre uma rede de corrupções além de outras questões mais pesadas, e, pra mim, essa parte além de previsível e nada envolvente, inicialmente lembrou um pouco da história de "Erin Brockovich". Só não me recordo agora de algum filme ou livro em específico que toca no ponto da personagem que retorna às origens e enfrenta seus demônios particulares, mas não acho que seja difícil encontrar algo do gênero. Os conflitos pessoais da protagonista foram trabalhados de uma forma bem mais interessante e que, devido ao teor, mexem muito mais com nossos sentimentos. O fato de que Abby bebe em excesso não seria um problema se isso não afetasse seu juízo e a própria voz narrativa em si. Se ela esquece de algo, nós leitores, como expectadores dependentes do ponto de vista dela, ficamos igualmente a ver navios. Ao meu ver o caso envolvendo a empresa foi um elemento que poderia ser substituído por qualquer outro, e o que importava mesmo era a história de Abby.

Abby é uma personagem introspectiva, que não se abre com facilidade e vive de mal humor (não sei até onde a autora se deixou influenciar pela personagem que ela interpreta nas telinhas, mas são idênticas), e acompanhar a história através do seu ponto de vista foi interessante pois as descobertas dela também são as nossas. Ao sabermos mais dos detalhes de seu passado, ficamos comovidos com tudo o que ela sofreu, e a forma como ela lida com esses assuntos inacabados também é algo fundamental para o desenrolar no caso como da trama em si.

Enfim, A Fogueira não foi uma leitura que trouxe algo realmente novo ou original, mas rendeu bons momentos e é livro indicado pra quem tem interesse em temas polêmicos da atualidade, como corrupção, abuso, misoginia e bullying de uma forma bem diferente do que já vi por aí.

12 de janeiro de 2018

A Ascensão do Mal - Danielle Paige

Título: A Ascensão do Mal - Dorothy Must Die #2
Autora: Danielle Paige
Editora: Jovens Leitores/Rocco
Gênero: Fantasia/Jovem Adulto/Releitura
Ano: 2017
Páginas: 240
Nota:
Sinopse: Meu nome é Amy Gumm - e eu sou a outra garota do Kansas.
Depois que um tornado destruiu o estacionamento de trailers onde eu morava, acabei indo parar um Oz.
Mas não era a Oz que eu conhecia dos livros e filmes.
Dorothy tinha retornado, mas agora era uma ditadora implacável. Glinda não podia mais ser chamada de Bruxa Boa. E as bruxas do mal que sobraram? Unram Forças para criar a Ordem Revolucionária das Malvadas e queriam me recrutar.
Minha missão? Matar Dorothy.
Só que minha tarefa de assassina não saiu conforme planejado. Dorothy ainda está viva. A Ordem desapareceu. E o lar que eu tanto queria deixar para trás pode estar em perigo.
De algum jeito, numa terra distorcida e dividida, preciso encontrar a Ordem, proteger a verdadeira soberana de Oz, matar Dorothy e seus capangas - e tentar descobrir o que eu realmente estou fazendo aqui. Mas, num lugar onde a linha entre o bem e o mal se desloca de acordo com a rajada do vento, em quem afinal eu posso confiar?
E quem é realmente do mal?
Resenha: O mundo de Oz mudou... Dorothy, obcecada pelo poder, se tornou uma governante cruel que sugava a magia do lugar para si. Isso precisava ter um fim...
Quando Amy Gumm, outra garota do Kansas, é sugada por um tornado e levada a Oz, ela é recrutada pela Ordem Revolucionária das Malvadas para salvar o mundo. Para isso ela deveria matar Dorothy e seus fieis capangas - o Homem-de-Lata, o Leão e o Espantalho -, enfrentando perigos, desvendando segredos, e descobrindo verdades sobre sua própria história.

Mas Amy falhou em sua missão, e por muito pouco conseguiu ser salva da morte por seus mais novos amigos. Agora, os membros da Ordem desapareceram e Amy não sabe para onde ir. O problema agora é ser caçada por Dorothy e sua perversa aliada, Glinda, mas não se Amy encontra-las primeiro, ela só precisa de ajuda. Assim, ela parte em busca da Ordem ao mesmo tempo em que tenta reverter o que aconteceu com Ozma, a melhor governante que Oz já viu... Com o coração do Homem-de-Lata em mãos, resta conseguir o coração do Leão e o cérebro do Espantalho para dar continuidade em sua arriscada missão e livrar Oz, o lugar que se tornou seu lar, da tirania.

Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Amy, a autora nos conduz por esse universo mágico e curioso, onde as perguntas vão sendo gradualmente respondidas a medida que a protagonista progride em seus objetivos. Enquanto o primeiro volume tinha um ritmo intenso no que diz respeito aos acontecimentos, neste segundo, mesmo que nos deparemos com conspirações secretas, perseguições alucinantes e batalhas sangrentas, as coisas fluem um pouco mais devagar. A autora se preocupa em descrever todos os detalhes do que compõe o mundo mágico de Oz e isso torna a leitura um pouco enfadonha devido ao excesso.

O que pra mim foi um problema, e que quebrou muito desse clima, foi Amy constantemente divagando sobre suas inseguranças, vivendo um dilema meio sem sentido com relação a se deixar corromper pelo atual sistema de Oz, um romance forçado e que não tinha a menor necessidade de existir, e sua falta de direção quando ela sabia que tinha coisas importantes a serem resolvidas. Mas a medida que a história avança ela se torna mais confiante e arregaça as mangas para fazer o que era preciso, ou pelo menos tentar, que é salvar seu lar. E pra isso ela só pode confiar em si mesma já que ninguém parece ser o que aparenta... Mas gostei bastante das informações acerca do motivo de Amy ter ido para Oz e a ligação desse mundo com o estado do Kansas.

No mais, pra quem gosta de uma aventura cheia de fantasia com toques sombrios, vai curtir a leitura da série. Por mais que o desenvolvimento de A Ascensão do Mal seja um pouco mais lento do que o livro anterior, a ideia de acompanhar Amy num cenário tão rico e curioso já vale a leitura.

11 de janeiro de 2018

La Belle Sauvage - Philip Pullman

Título: La Belle Sauvage - O Livro das Sombras #1
Autor: Philip Pullman
Editora: Suma de Letras
Gênero: Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 434
Nota:
Sinopse: Malcolm e seu deamon, Asta, têm onze anos e vivem na estalagem A Truta, perto de Oxford. Do outro lado do rio, fica o convento de Godstow. Certo dia, Malcolm entreouve que as freiras estão recebendo uma nova hóspede: uma bebê chamada Lyra. O encanto que ele sente por ela é quase imediato, e sua curiosidade é aguçada pelo fato de que outras pessoas - importantes e perigosas - também parecem interessadas na criança.
Malcolm pode não saber por que Lyra é importante, mas quando uma tempestade desaba e inunda o país, ele precisa tomar uma decisão rápida para salvar a vida dela. Com a chuva caindo e as ruas da cidade transformadas em rios, Malcolm conduz sua canoa tentando levar Lyra para um lugar seguro. Mesmo que, no caminho, precise enfrentar fadas, feiticeiras, deuses e assassinos.
Neste primeiro volume da trilogia O Livro das Sombras, Philip Pullman leva os leitores de volta ao mundo de Fronteiras do Universo, contando a história da pequena Lyra anos antes dos eventos de A Bússola de Ouro.

Resenha: La Belle Sauvage é o primeiro volume da trilogia O Livro das Sombras (The Book of Dust) do autor Philip Pullman. O livro é um prequel da trilogia Fronteiras do Universo e traz de volta o universo dos deamons dez anos antes dos acontecimentos que se passaram em A Bússola de Ouro.

Malcolm Polstead é um garotinho ruivo de onze anos que, junto com seu deamon, Asta, mora e trabalha servindo hóspedes n'A Truta, a estalagem da família próxima de Oxford. Ele também passa o tempo ignorando a irritante Alice, que também trabalha na estalagem, faz pequenos serviços para as freiras do convento de Godstow ou atravessa as pessoas pelo rio em sua canoa, chamada de La Belle Sauvage.
Um dia o garoto descobre a presença de um bebê no convento e as conversas sobre o lugar que ouvia na estalagem enquanto servia os hóspedes começam a deixá-lo ainda mais curioso. Malcolm conhece Lyra, a misteriosa criança, e é inegável o quanto ela fica encantado e preocupado em protegê-la.
O que ele não sabia e os que as freiras não explicavam sobre Lyra era um mistério, e o interesse repentino de novos hóspedes pelo convento e por um suposto bebê o deixam intrigado.
Malcolm e Asta, junto com a odiada Alice e seu deamon Ben, embarcam numa jornada em sua canoa para proteger Lyra e Pantalaimon, mas não esperava viver uma grande e perigosa aventura assim como enfrentar a maior e mais surpreendente enchente de sua vida...

Narrado em terceira pessoa e com uma escrita rica e muito fluída, o leitor mergulha no mundo fantástico de Pullman e é capaz de compreender um pouco mais do funcionamento desse universo incrível assim como a importância do aletiômetro, uma relíquia que mais tarde pertenceria à Lyra para auxiliá-la em sua própria jornada.

Como os demais livros do autor, este também traz crianças como personagens principais em meio a uma trama cheia de camadas, com detalhes incríveis e um enredo muito inteligente, o que não faz do livro algo voltado ao público mais infantil, muito pelo contrário. O autor é mestre em explorar o mundo da fantasia e envolver o leitor no universo que criou, e assim como em Fronteiras do Universo, não deixou os temas e as críticas acerca de religião e política de fora. A questão da religião é o que move os personagens, principalmente os vilões, a lutarem por seus objetivos, e o Magisterium, assim como outros personagens doutrinados de acordo com os próprios objetivos que são tão assustadores quanto, já representava uma grande ameaça.

Embora o protagonista seja Malcolm, Lyra é a figura central para o desenvolvimento da história no que diz respeito aos conflitos gerados entre aqueles que têm poder, assim como faz parte de uma profecia. Embora não faça ideia do que está acontecendo por ser um bebê, ela é disputada como se nem fosse uma pessoa, mas sim um objeto, e ao mesmo tempo que é perseguida, é protegida com muito afinco pelo seu mais recente e jovem guardião.

A mitologia presente no enredo é incrível, principalmente quando o assunto é o misterioso Pó, e embora tenha seres fantásticos como os deamons, as bruxas e os ursos de armadura, o foco maior fica sobre as figuras angelicais, o que acaba expandindo ainda mais o dito universo onde a trama se passa.

Enfim, não é preciso que a primeira trilogia seja lida para compreender esta nova, mas confesso que a experiência será muito mais completa, agradável e satisfatória com tal conhecimento prévio. O autor mais uma vez não decepciona ao presentear os leitores com uma história com detalhes tão sombrios quanto iluminados, tornando La Belle Sauvage um livro que emociona e fascina.

8 de janeiro de 2018

Vulgo Grace - Margaret Atwood

Título: Vulgo Grace
Autora: Margaret Atwood
Editora: Rocco
Gênero: Drama
Ano: 2017
Páginas: 496
Nota:
Sinopse: Inspirado num caso real, Vulgo Grace conta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão e a governanta da casa onde trabalhava, na Toronto do século XIX. Com uma narrativa repleta de sutilezas que revelam um pouco da personalidade e do passado da personagem, estimulando o leitor a formar sua própria opinião sobre ela, Atwood guarda as respostas definitivas para o fim. Afinal, o que teria levado Grace Marks a cometer o crime? Ou será que ela estaria sendo vitima de uma injustiça?

Resenha: Vulgo Grace é um romance de ficção especulativa baseado no caso real de Grace Marks, uma jovem imigrante irlandesa de dezesseis anos que, junto com James McDermott, foi acusada de ter assassinado seu empregador, Thomas Kinnear e sua governanta/amante Nancy Montgomery, no Canadá de 1843. Embora ambos tenham sido condenados da acusação, talvez pela falta de provas concretas, somente Grace escapou da pena de morte, mas passou muitos anos da sua vida em um manicômio e em numa prisão, até ter sido libertada e desaparecido. O fato é que, por mais que haja vários registros históricos sobre Grace, o caso da bela criada ainda é um mistério devido às várias contradições existentes em confissões, relatos, entrevistas, artigos e afins escritos sobre ela.
Grace foi uma jovem intrigante em varios sentidos, e por ter sido retratada como dona de várias personalidades distintas, nunca ficou claro se ela sofria de algum distúrbio mental ou se ela era uma manipuladora mentirosa e fatal.

Assim, utilizando o caso como base, a renomada escritora Margaret Atwood construiu uma trama fascinante onde o leitor é desafiado a descobrir o que faz ou não parte a ficção, quando é convidado a acompanhar o jovem psiquiatra Dr. Simon Jordan, que fora contratado por uma comissão local que quer provar a inocência da condenada, em uma tentativa de não só desbloquear várias memórias desaparecidas, como desvendar os mistérios da mente de Grace.
"De qualquer modo, Assassina é uma palavra forte para estar associada à sua pessoa. Tem um odor característico, essa palavra, almiscarado e sufocante, como flores mortas em um vaso. Às vezes, à noite, eu a sussurro para mim mesma: Assassina, Assassina. Ela produz um som farfalhante, como uma saia de tafetá pelo assoalho."
- Pág. 33
A escrita de Margaret Atwood é poética, com detalhes e descrições que transportam o leitor para a atmosfera que ela construiu através dos olhos de Grace. Embora tudo seja descrito com perfeição, seja os fragmentos dos fatos pesquisados ou ficção, há momentos em que nos questionamos sobre a veracidade do que Grace, como personagem, diz e cada frase pode ter um significado oculto que poderá fazer diferença no futuro...
É interessante acompanhar a problemática de Grace, que devido a falta de memória, não consegue distinguir se ela realmente matou o casal ou se foi apenas uma cúmplice do verdadeiro assassino. E tanto por sua beleza como pela forma como ela narra os acontecimentos, Dr. Jordan se impressiona e parece que o interesse vai além do que somente investigar a mente da mulher. Ele fica tão envolvido com o caso que começa a ser afetado de uma forma curiosa e bem intrigante, e isso é perceptível através de seus atos e pensamentos.

Além dos elementos verídicos, a história se completa com poemas, sonetos, documentos, citações e afins intercalados em meio a narrativa de forma a construir uma trama plausível e muito convincente, principalmente quando a cultura e os costumes da época são evidenciados a fim de tornar a história muito mais rica do que parece.

Este é o segundo livro que li da autora, o primeiro foi O Conto da Aia, e assim como ele, Atwood incorpora questões envolvendo o patriarcado, a sociedade machista, a opressão, os abusos que as mulheres sofrem, e Grace não fica de fora disso. É aquele tipo de leitura que fere, que causa indignação e repulsa, mas ainda assim serve para abrir os nossos olhos.
Muito do que as mulheres sofriam na mãos dos homens era encarado como algo normal da época, e na maioria das vezes a culpa sempre recaía sobre a mulher pelo simples fato de ela ser mulher.

Enfim, a história tem todo um clima de mistério e é impossível não se envolver com o caso e com os personagens, por mais complexos e imperfeitos que sejam. Confesso que devido ao excesso de detalhes a leitura em alguns momentos é um pouco cansativa e lenta, mas penso que sejam necessários para retratar o século XIX com a devida fidelidade e situar o leitor à época. Vulgo Grace é uma leitura imperdível sobre uma das mulheres mais enigmáticas da época cujo mistério ainda causa fascinação.


7 de janeiro de 2018

Wishlist #25 - Funkos de The 100

Quem já passou raiva assistindo The 100 levanta a mão!
Spoiler alert!
Não aguento a Clarke com suas caras e bocas de piedade e sofrimento eterno, e dou graças a Deus que o Jasper, o pelinha mor da série, tenha morrido na temporada 4, mas adoro e assisto todos os episódios de uma vez feito uma maníaca passa-fome, como se o mundo fosse acabar amanhã, e depois fico a ver navios sendo obrigada a esperar mais um ano inteiro com cara de tacho. Nem preciso dizer que os funkos de The 100 têm que fazer parte da coleção (que já está quase completa, inclusive).

Em novembro eu comprei a Clarke e a Lexa no Ebay por uns U$10,00 cada (e a Lexa que achei lá nesse preço foi a versão Chase, que aqui custa uns R$250,00 mais ou menos *o*), e acredito que devam chegar em janeiro ou fevereiro. E tô aqui rezando pra não serem taxadas (e mesmo se forem vai valer a pena, pq elas não andam com preços muito bons por aqui, não)...

PS.: Adoro como eles são "sujos"! *o*


Bellamy - OK

Octavia - OK

Raven - OK


Lincoln - OK

A Lexa também tem a versão Chase (edição limitada/rara, e mais cara que a edição normal), sem o escuro nos olhinhos, mas tão fofa quanto. Espiem:


6 de janeiro de 2018

Tash e Tolstói - Kathryn Ormsbee

Título: Tash e Tolstói
Autora: Kathryn Ormsbee
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Romance
Ano: 2017
Páginas: 376
Nota:
Sinopse: Natasha Zelenka é apaixonada por filmes antigos, livros clássicos e pelo escritor russo Liev Tolstói. Tanto que Famílias Infelizes, a websérie que a garota produz no YouTube com Jack, sua melhor amiga, é uma adaptação moderna de Anna Kariênina. Quando o canal viraliza da noite para o dia, a súbita fama rende milhares de seguidores e, para surpresa de todos, uma indicação à Tuba Dourada, o Oscar das webséries. Esse evento é a grande chance de Tash conhecer pessoalmente Thom, um youtuber de quem sempre foi a fim. Agora, só falta criar coragem para contar a ele que é uma assexual romântica ou seja, ela se interessa romanticamente por garotos, mas não sente atração sexual por eles. O que Tash mais gostaria de saber é: o que Tolstói faria?

Resenha: Natasha Zelenka, mais conhecida como Tash, é uma adolescente de dezessete anos que, aparentemente, não é muito diferente das outras garotas da sua idade, a não ser por ser fã de Liev Tolstói, o autor de Anna Kariênina, a quem ela carinhosamente chama de "Leo". Sua paixão por ele é tanta que ela, a melhor amiga, Jack Harlow, e o irmão dela, Paul, fizeram uma adaptação da obra e gravaram a websérie deprimente "Famílias Infelizes" para o canal delas no Youtube. O trabalho não foi nada fácil, e ver que as visualizações não cresciam não era nada animador. Até que Taylor Mears, uma das youtubers mais conhecidas e respeitadas da rede, recomenda a série em seu canal e o vídeo viraliza, rendendo a elas milhares de seguidores, incontáveis visualizações, uma indicação ao Tuba Dourada (uma espécie de Oscar das webséries com direito a evento de entrega de prêmio e tudo mais) e, claro, fama.
Mas, junto com essa fama inesperada vem os haters ridículos e suas críticas maldosas, e Tash não consegue lidar com esses "ataques". Ela também fica maluca com a ideia de continuar produzindo conteúdo de qualidade para agradar os fãs, e isso acaba causando vários conflitos com Jack, sua amiga. Agora, Tash precisa se preparar para o evento da Tuba Dourada, e lá ela teria a oportunidade de conhecer Thom Causer, um youtuber de quem ela sempre foi a fim. Porém, com o início dessa aproximação e um possível envolvimento, Tash precisa criar coragem para contar que, embora ela tenha interesse romântico por ele, ela é assexual, ou seja, ela não tem o menor interesse sexual por ninguém.

O livro é narrado em primeira pessoa e é tão fluído que quando a gente começa a ler não vê o tempo passar. A leitura é muito envolvente, e mesmo que Tash tenha problemas típicos da idade dela, não há aquela sensação de que esses problemas são bobos já que muitos adolescentes devem viver um pouco do que ela vive e podem se identificar.
Eu não gostei muito de Tash no começo pois ela é muito egoísta, exagerada e parece que não tem muita consideração pelos outros, ainda mais quando está surtada com coisas que ela ainda não aprendeu a lidar. Todo mundo trabalha duro no projeto da série, mas pra ela isso nunca é o bastante. Mas gostei de ver que com as experiências que ela teve após essa fama e, em nome da amizade muito bonita entre ela e Jack, ela cresceu e aprendeu com os próprios erros, e ter humildade para reconhecê-los é uma coisa muito importante. A sexualidade dela também é uma coisa muito legal, pois aqui a autora entrega uma personagem que se aceita do jeitinho que é, e sua preocupação é assumir isso para os outros que estão fora do seu círculo de amizade e que, talvez, poderiam não entender ou aceitar sua condição.

Outro ponto bem legal na trama é a forma como a autora mostra que a internet hoje em dia faz parte da vida de todo mundo, mas nem sempre é o mar de rosas que muitos pensam, ainda mais quando os bastidores são revelados. Por mais incríveis que as redes sociais possam ser, sempre há o lado negativo da coisa, principalmente quando a pessoa se torna um criador de conteúdo ou um formador de opinião e precisa encarar comentários de todos os tipos, todo santo dia, e ainda ficar na expectativa de agradar o seu público e correr o enorme risco de sair frustrado, e geralmente com gente que deveria ser ignorada.

Eu adorei a capa do livro, principalmente por trazer as cores da bandeira do orgulho assexual. O título e os detalhes da barba tem uma textura mais áspera e são um diferencial bem bacana.

Os conflitos adolescentes e os temas abordados são bem interessantes, e mostram um pouco dos problemas familiares, a importância da amizade, a rotina e as consequências de se ter fama na internet, e até as tristezas de se enfrentar a dor da perda, e o tema mais original e bacana do livro é com relação a assexualidade da protagonista, que não deixa de ser uma representatividade que eu nunca tinha visto em obras do gênero e é super importante para levar um pouco desta realidade aos leitores, mesmo que não seja tão aprofundada quanto eu imaginei, principalmente para quebrar alguns preconceitos bobos e mostrar que o interesse sexual por outras pessoas nem sempre é algo que deve fazer parte da vida, afinal, cada um é cada um.