8 de agosto de 2018

Wishlist #49 - Funkos de Hocus Pocus

Esses filmes que fazem parte da nossa infância são um caso sério. Aquela nostalgia gostosa que toma conta quando a gente revê ou só ouve falar já é suficiente pra dar aquele quentinho no coração. E com Hocus Pocus (Abracadabra, no Brasil), não é diferente. A história é sobre um garoto que, sem querer, liberta um trio de bruxas más que querem se tornar imortais, e agora ele precisa correr contra o tempo junto com seus aliados para tentar impedi-las. É um filme para crianças, mas que foi responsável por bons momentos de diversão e entretenimento nas telinhas de tubo da criançada dos anos 90.
Nem preciso dizer que quando soube que no final de Setembro a Funko iria lançar os pops do trio de bruxas já fiquei querendo todas, mas por serem exclusivas de uma única loja, a Spirit Halloween, a procura foi demais e em alguns momentos ficaram esgotadas. Cheguei a comprar na pré-venda mas o pedido acabou sendo cancelado porque a autorização de cobrança expirou e o limite que ficou reservado pra esse pagamento não foi liberado de volta, só pra eu passar um pouco de raiva, quem nunca né? Como dei um tempo com importações porque as taxas da RF estão caríssimas nesse buraco desse país que só existe pra roubar os outros, vão ficar pra depois, infelizmente.


3 de agosto de 2018

Wishlist #48 - Funkos de Matrix

Acho que nem preciso falar que Matrix marcou toda uma geração. A ideia de um sistema de inteligência artificial que manipula as pessoas e faz com que elas se iludam com um mundo "perfeito" é mirabolante e intriga qualquer um. A trilogia é muito bem desenvolvida e com certeza é aquele tipo de filme pra se ver e rever por várias e várias vezes (e se parar pra pensar muito vai desgraçar nossas cabeças), assim como colecionar os pops, pra quem é fã.




1 de agosto de 2018

Resumo do Mes - Julho

Esse mês deu pra colocar algumas pendências em dia e, por mais que eu ainda tenha ficado bem enrolada, foi mais produtivo do que pensei. Se eu continuar nesse ritmo é bem capaz que até setembro eu acabe com a fila de livros pra resenhar e, quem sabe, eu consiga ler alguma coisa que comprei há anos e ainda tá encostada...

♥ Resenhas
- A Rainha de Tearling - Erika Johansen
- Rio Vermelho - Amy Lloyd
- Aos Dezessete Anos - Ava Dellaira
- Clube dos Oito - Daniel Handler
Cartas Secretas Jamais Enviadas - Emily Trunko
- Império das Tormentas - Jon Skovron
- Dentes de Dragão - Michael Crichton

♥ Na Telinha
- Kubo e as Cordas Mágicas

♥ Wishlist
- Funkos de The Little Mermaid
Funkos de Hercules
- Funkos de Aladdin
- Funkos de Jurassic Park

♥ Caixa de Correio de Julho

Sorteio Bienal (até 12/08)

31 de julho de 2018

Caixa de Correio #77 - Julho

Precisamos falar sobre vício. Funko Pop! é aquele bonequinho cabeçudinho que você acha fofo, compra um e depois se lasca pro resto da vida. É impossível ter um só, é impossível gostar de uma coisa só que eles possam representar e o resultado é esse: falência e alegria em forma de bonequinhos!
Eu adorei os livros que recebi esse mês. Se for pra me basear pela série (e pelos dois primeiros livros), Outlander é aquela queridinha que a gente suspira até não poder mais, e não espero nada diferente com a leitura do terceiro livro da série. A Duquesa Feia é uma leitura muito gostosa, a escrita da autora é muito delicinha e é o tipo de livro que a gente começa e quando assusta já terminou sem perceber o tempo passar. Enfim... foram poucos livros recebidos, mas todos já com lugarzinho no meu coração, e a única novidade mesmo é A Caçadora de Dragões, que ainda não li, não sei o que esperar e tá aqui na fila de leitura.
Bora ver o que recebi:

25 de julho de 2018

Dentes de Dragão - Michael Crichton

Título: Dentes de Dragão
Autor: Michael Crichton
Editora: Arqueiro
Gênero: Sci-fi/Aventura
Ano: 2018
Páginas: 304
Nota:
Sinopse: Em 1876, no inóspito cenário do Oeste americano, os famosos paleontólogos e arquirrivais Othniel Marsh e Edwin Cope saqueiam o território à caça de fósseis de dinossauros. Ao mesmo tempo, vigiam, enganam e sabotam um ao outro numa batalha que entrará para a história como a Guerra dos Ossos.
Para vencer uma aposta, o arrogante estudante de Yale William Johnson se junta à expedição de Marsh. A viagem corre bem, até que o paranoico paleontólogo se convence de que o jovem é um espião a serviço do inimigo e o abandona numa perigosa cidade.
William, então, é forçado a se unir ao grupo de Cope e eles logo deparam com uma descoberta de proporções históricas. Mas junto com ela vêm grandes perigos, e a recém-adquirida resiliência de William será testada na luta para proteger seu esconderijo de alguns dos mais ardilosos indivíduos do Oeste.

Resenha: Em Dentes de Dragão, do falecido autor Michael Crichton (o mesmo autor de Jurassic Park), temos uma história que se passa em 1876, no velho oeste selvagem, onde duas equipes partem em busca de fósseis de dinossauro. Marsh e Cope são famosos - e arquirrivais - paleontólogos que fazem o que for preciso para conseguir o que querem, mesmo que isso signifique sabotagem e guerra entre eles.
William Johson é um estudante de Yale, muito arrogante e dono de si, que se une a Marsh, mesmo acreditando que ele seja um completo lunático, nessa expedição a fim de vencer mais uma aposta, mas o que ele não esperava era que o paleontólogo ficasse convencido de que ele é um espião a serviço de Cope. William acaba sendo abandonado numa cidade perigosa até encontrar com a equipe de Cope e ser forçado a se unir a ela. Não demora muito até que eles façam uma grandiosa descoberta que entraria para a história, mas que desencadearia a própria Guerra dos Ossos.

Fiz uma pesquisa rápida e descobri que os dois paleontólogos que fazem parte da trama existiram, e a rixa entre eles serviu de inspiração para que a história fosse construída. Eis que o autor criou William Johson para protagonizar essa história, que envolve descobertas incríveis e está recheada de ação e aventura, mas acima disso, mostra seu amadurecimento e transformação pessoal. William é um jovem delinquente que sempre teve regalias e nunca precisou passar por perrengues na vida. Tudo pra ele era fácil ou levado sem a menor seriedade. Mas tudo muda quando William se encontra em meio ao velho oeste, longe da "civilização" a qual ele estava acostumado. Num mundo perigoso e sem leis, as experiências e os perigos que ele vive, a forma como ele protege os ossos descobertos, com lealdade a Cope e pensando na importância que aquilo teria para a ciência, acabam sendo responsáveis por fazer com que o rapaz tenha uma nova percepção do mundo, e que esse mesmo mundo não gira ao redor de seu umbigo.

Embora o autor tenha uma escrita ótima e muito fluída, senti que faltou um pouco de aprofundamento em algumas questões, mas nada que atrapalhe a compreensão ou a empolgação com a história. O livro é bem divertido e, mesmo que se passe num cenário do qual não sou muito fã, conseguiu me prender como nenhum outro me prendia há tempos. A sensação é de ser transportada para o século XIX em meio a muita terra, tiros, perseguições e bolas de feno rolando pelo caminho.

Um ponto super bacana acerca do livro é a ideia de como esse tipo de trabalho era feito pelos paleontólogos naquela época. Se hoje existem aparatos modernos e abuso da tecnologia para tais descobertas, antigamente ninguém podia contar com isso, o que torna a caçada um verdadeiro martírio.

A diagramação do livro também é ótima. Ele é dividido em três partes que separam bem a aventura vivida por William e a equipe. No início há o mapa dos EUA com todo o itinerário, da Filadélfia até Deadwood, percorrido pelo protagonista. A capa se manteve fiel a original e embora simples, é perfeita e condiz com a proposta da trama.

No mais, pra quem espera por algo próximo ao sucesso Jurassic Park, posso afirmar que esta aventura, embora brilhante, frenética e cheia de ação, é bem diferente. Não espere por velociraptores perseguindo ninguém, mas se prepare para grandes intrigas, tiroteios a se perder de vista, reviravoltas e várias confusões numa história fascinante à lá velho oeste.


24 de julho de 2018

Promoção Bienal 2018


A grana esta curta? Sua lista de livros não para de crescer? Você queria ir na Bienal este ano, mas não vai conseguir? Nós temos a solução. Ela se chama Promoção Bienal!
REGRAS
- Ter endereço de entrega em território brasileiro
- Preencher corretamente os formulários abaixo.
- A promoção começa no dia 24/07 e vai até o dia 12/08, término da Bienal.
- O resultado será divulgado no dia 13/08 no próprio formulário do rafflecopter e nas redes sociais dos blogs participantes.
- Um email será encaminhado a cada ganhador, que terá o prazo máximo de 48h para responder contendo seus dados completos para envio dos prêmios.
- Caso não obtenhamos resposta dentro deste prazo, um novo sorteio será realizado.
- Os blogueiros tem o prazo de 30 dias a contar da data de divulgação do resultado para enviar os prêmios.
- Cada blogueiro é responsável pelo envio do livro que disponibilizou para esta promoção.
- Não nos responsabilizamos por possíveis extravios dos correios.

Boa Sorte

KIT 1


a Rafflecopter giveaway

KIT 2


a Rafflecopter giveaway

KIT 3


a Rafflecopter giveaway

21 de julho de 2018

Império das Tormentas - Jon Skovron

Título: Império das Tormentas - Império das Tormentas #1
Autor: Jon Skovron
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Aventura
Ano: 2018
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Em um império fragmentado, circundado por mares selvagens, dois jovens de culturas diferentes se unem por uma causa comum.
Uma menina de 8 anos é a única sobrevivente do massacre de sua vila por biomantes, uma das mais poderosas forças do imperador. Batizada com o nome de seu vilarejo para nunca se esquecer do que perdeu, Bleak Hope é treinada em segredo por um mestre guerreiro para se tornar um instrumento de vingança.
Um estranho garoto de olhos vermelhos fica órfão nas esquálidas e sujas ruas de Nova Laven, mas é adotado pela pior pessoa que o destino poderia lhe apresentar: Sadie Cabra, uma das criminosas mais infames do submundo. Batizado como Red, ele é treinado para ser um exímio atirador de facas - além de ladrão, mentiroso e trapaceiro.
Quando um senhor do crime estabelece um acordo de poder com biomantes para tomar o controle do submundo de Nova Laven em troca da miséria da população, as histórias de Hope e Red finalmente se cruzam. Seja por honra ou vingança, essa improvável aliança os levará para a maior batalha da vida deles.

Resenha: Tudo começa quando uma menina é encontrada a bordo de um navio após ter sobrevivido a um massacre contra a vila onde vivia. Sin Toa, o capitão, decide deixá-la aos cuidados do mestre da Ordem Vichen, monges guerreiros que vivem isolados. Ela recebe o nome da vila onde morava, Bleak Hope, e passa a ser treinada em segredo a fim de buscar vingança no futuro.
De outro lado, temos Red, um garoto de olhos vermelhos que perdeu os pais e foi viver nas ruas da ilha de Nova Laven. Ele acaba sob a proteção de Sadie Cabra, uma das maiores criminosas do submundo que passa a treinar o menino para ser o melhor ladrão e trapaceiro do império.
Embora ainda não se conheçam, Hope e Red vivem nesse império insular dominado pelos biomantes, seres com a habilidade de modificar as formas dos vivos. O que eles não esperavam era, com o passar dos anos, ter seus destinos cruzados para unir forças e tentar impedir a dominação de Nova Laven.

O livro é dividido em quatro partes, cada uma referente a um estágio na vida dos protagonistas, e é narrado em terceira pessoa. Embora a leitura tenha uma certa fluidez e a maioria dos detalhes sejam bem ricos, as gírias criadas pelo autor utilizadas nos diálogos me soaram irrisórias demais. Talvez a ideia tenha sido criar um universo original onde os personagens tivessem seu próprio dialeto descolado, mas pra mim não funcionou muito bem. A cada palavra "nova" que aparecia (marreta/idiota, molly/mulher jovem, tommy/rapaz, pingo de pinto/inútil, charcado/apaixonado, vaga/amigo ou conhecido, e por aí vai...), eu relia todo o parágrafo, pois, num primeiro momento, não me parecia fazer sentido já que aparecia naturalmente, mas sem maiores explicações, como se o leitor tivesse obrigação de saber do que se trata. E lá vamos nós (eu) interromper a leitura pra recorrer ao glossário ao final do livro em busca do significado do tal termo... E depois, mesmo me deparando com a palavra outras milhares de vezes, eu não conseguia me acostumar e só me sentia incomodada com esse artifício que, ao meu ver, acabou não acrescentando em nada na história. Talvez outros leitores achem esse recurso bacana, talvez tenha sido o momento meio pra baixo que escolhi pra investir nessa leitura e acabei não me familiarizando e achando graça, mas isso acabou influenciando de forma negativa em minha experiência com a história.

A trama apresenta questões polêmicas e traz algumas críticas sociais sem filtro algum através de situações e comentários pertinentes, envolvendo o machismo enfrentado por Hope ao crescer e ser treinada num ambiente inteiramente masculino onde ela não é bem vista pois "só homens podem ser espadachins", ou a vergonha e a negação por Red não aceitar ser quem é por ter um pai cujo trabalho passa longe "da moral e dos bons costumes". Foi bacana conhecer personagens secundários que fogem de estereótipos dentro do gênero da fantasia, principalmente a transgênera tratada de forma super natural, mas no final das contas outros detalhes acabaram se sobressaindo em relação aos demais que considerei positivos, e por mais que eu tenha achado o livro relativamente bom, eles também foram responsáveis por eu não conseguir aproveitar o livro da forma como eu gostaria.

Fiquei com muito mais perguntas do que respostas, e por mais que eu tenha imaginado que este, por ser o primeiro livro da série, não entregaria tudo de mão beijada para que o desenvolvimento fosse feito gradualmente, a sensação é que o autor quis ser diferente dando várias resoluções sem muita enrolação, mas senti que acompanhei os personagens e suas aventuras que não os levavam a lugar nenhum,como se não houvesse um propósito maior contra aqueles que deveriam ser os vilões, mesmo que os protagonistas sejam caracterizados como "anti-heróis", seja por Hope estar em busca de vingança, ou por Red ser um trapaceiro nato que cresceu no submundo do crime, e que embora não sejam os melhores exemplos a serem seguidos, ainda tem seus atributos e virtudes que os tornam os "mocinhos".

A história tem suas previsibilidades e traz incontáveis cenas de ação envolvendo pirataria, mortes, roubos e planos mirabolantes, o que, até certo ponto, é empolgante, mas tal empolgação é momentânea, como se o autor quisesse causar aquela euforia de forma proposital, principalmente porque a sensação é a mesma de assistir um filme estilo Piratas do Caribe: há momentos divertidos, momentos recheados de ação e perigos, mas no final das contas não inova e nem surpreende.

Enfim, pra quem curte uma história de fantasia, "fora-da-lei", cheias de ação, em alto mar ou não, e que ainda dá um tapa na cara dos mais diversos tipos de preconceito, Império das Tormentas é um bom livro a ser indicado.

20 de julho de 2018

Wishlist #47 - Funkos de Aladdin

É difícil um clássico da Disney não fazer sucesso, e com Aladdin não foi diferente. A história do jovem plebeu que encontra uma lâmpada mágica é uma graça, as músicas são divertidas e é impossível não se emocionar com aquele rapaz simples, que poderia ter o mundo nas mãos mas é bondoso demais para pensar apenas em si mesmo. A animação ficou na memória e nada mais fofo do que os pops dessa coleção para trazer um pouco mais de alegria para os fãs.


19 de julho de 2018

Cartas Secretas Jamais Enviadas - Emily Trunko

Título: Cartas Secretas Jamais Enviadas
Autora: Emily Trunko (org)
Editora: Seguinte
Gênero: Não ficção
Ano: 2018
Páginas: 200
Nota:
Sinopse: Você já desejou poder voltar no tempo e dar conselhos para si mesmo? Já quis ter coragem de falar como é forte o amor que sente por alguém? Alguma vez já se perguntou por que uma pessoa importante na sua vida parou de falar com você? A partir de contribuições anônimas, Emily Trunko reuniu nesta coletânea cartas que revelam segredos profundos de quem as escreveu. Afinal, muitas vezes o único jeito de lidar com nossos sentimentos mais intensos — seja um amor incondicional ou uma perda irreparável — é botando tudo no papel. A leitura destas cartas nos permite mergulhar na vida de seus remetentes e, ao mesmo tempo, redescobrir nossa própria história e perceber que, mesmo nos piores momentos, não estamos sozinhos.

Resenha: Seguindo o mesmo estilo do primeiro livro (Últimas Mensagens Recebidas), Emily Trunko, autora do blog Dear My Blank, reuniu as cartas que seus seguidores/leitores escreveram anonimamente, e sem intenção de enviá-las aos seus destinatários.

As cartas abordam vários temas pessoais e o livro é dividido em partes, trazendo textos sobre amor (correspondido ou não), traição, amizade, família, mágoa e coração partido, perda, gratidão, e cartas escritas para um eu do passado, ou para qualquer um que ler e sentir que pode se identificar, ou que aquela mensagem serve exatamente para si, e posso dizer que algumas se encaixaram como uma luva a ponto de eu me emocionar e ficar com os olhos cheios de lágrimas.


Mesmo que o público seja mais adolescente, essas cartas mostram que muitas pessoas, independente da idade, guardam seus sentimentos mais profundos e secretos para si, e ao escreverem a fim de colocar tudo aquilo pra fora, mesmo que num pedaço de papel, conseguem desabafar de forma sincera e sem exporem a própria identidade, tirando o peso das costas e desfazendo aquele nó preso na garganta que tanto incomoda e faz mal. Tudo isso sem julgamentos.


Os textos são variados... Alguns são pequenas frases, outros são cartas que ocupam duas páginas inteiras, mas todos carregam as emoções mais sinceras daqueles que as escreveram de forma crua, expondo suas fraquezas, seus receios, suas dificuldades, suas mágoas, seus arrependimentos mas, também, suas alegrias, seus livramentos e suas vitórias. Talvez algumas delas soem um pouco contraditórias, como se não fizesse sentido ou não houvesse um motivo realmente plausível para que não fossem enviadas a quem deveria lê-la, mas somente quem escreve e está passando por aquele momento, seja difícil ou não, sabe o quanto pode ser complicado se expressar, ou até mesmo encarar aquela pessoa que acreditamos ter algum tipo de pendência, pois o receio por uma reação que não temos como prever pode ser maior do que a vontade de falar o que se tem vontade. O simples ato de escrever sobre nossos sentimentos já pode ser o suficiente para se ter um pouco de alívio, então é possível ter empatia e perceber que é muito mais comum do que parece também nos sentirmos assim. Não vamos encontrar respostas ou soluções para qualquer que seja o problema emocional passado a partir dessa leitura, mesmo que algumas cartas pareçam terem sido escritas por nós, ou para nós, mas acho válido ressaltar que por mais que algumas das situações pareçam ser difíceis, elas são fases. E como cada fase da vida, mais cedo ou mais tarde, elas passam.


Por se tratar de sentimentos e emoções, alguns textos acabam sendo bem preocupantes, e fica claro o quanto quem escreveu pode estar sofrendo. Traumas são difíceis de se enfrentar, a depressão é uma doença muito séria, mas não é impossível de ser superada. Ao final do livro a editora incluiu os contatos de grupos de apoio emocional e até de prevenção ao suicídio, o que é de grande importância dentro desse contexto.


A diagramação é fantástica. O livro tem a capa dura, as páginas são coloridas, há ilustrações, montagens, tipografias diferenciadas e de forma geral é um livro pra ler, reler, admirar, dar de presente e ser indicado pra todo mundo, sem distinção.


É uma leitura rápida e simples, que vai mostrar o lado mais humano e frágil das pessoas, e vai atingir cada leitor de uma maneira diferente, mas com certeza é tocante o bastante para que as pessoas não se sintam sozinhas e possam compartilhar seus sentimentos mais profundos, mesmo que em segredo. Essa não deixa de ser uma forma de desabafar e de seguir em frente.

17 de julho de 2018

Wishlist #46 - Funkos de Jurassic Park

Nem parece que já faz vinte e cinco anos que Jurassic Park estreou nas telonas e revolucionou o cinema trazendo dinossauros extremamente realistas em meio a efeitos visuais e práticos de tirar o fôlego (tanto na época como ainda hoje). O filme se tornou um clássico, o que não é pra menos, e é um dos meus filmes favoritos da vida ♥
E os popinhos? Tem dinossauros - cabeçudos -, modeuzooo!! E são uma graça! Espiem:


16 de julho de 2018

Novidades de Julho - Grupo Companhia das Letras

Companhia das Letras

A um passo - Elvira Vigna
Considerada uma das maiores escritoras brasileiras contemporâneas, Elvira Vigna costumava declarar que A um passo era seu romance preferido. O livro fragmentado e bastante experimental foi publicado originalmente em 1990, com o título A um passo de Eldorado, e depois teve uma nova edição, com uma série de mudanças — inclusive o título —, em 2004. A obra é pouco conhecida e passou despercebida pela imprensa à época, razão pela qual Vigna dizia tê-la como favorita.
Nos capítulos curtos, cada personagem conta a história do outro, tornando explícita as dificuldades do próprio narrar. Há um suposto crime de assassinato, em que dois amantes estariam envolvidos, e a vingança por um abuso sofrido na infância, mas são o banal e o cotidiano que irão fornecer a matéria para construir uma recusa da lógica previsível das coisas. Com sua típica ironia mordaz, a autora de Nada a dizer e Como se estivéssemos em palimpsesto de putas constrói a trama como um jogo de xadrez inusitado e fascinante.

Ciência na Alma - Richard Dawkins
Apesar de abarcar três décadas de produção escrita, este livro não poderia ser mais atual e urgente, num mundo cada vez mais irracional e hostil aos fatos. Já na sua introdução apaixonada, Richard Dawkins faz um alerta insistindo para que a razão volte a ser protagonista e que os sentimentos — mesmo aqueles que não representam coisas abjetas como a xenofobia, a misoginia e outros preconceitos — fiquem de fora das escolhas eleitorais. Em mais de quarenta ensaios, artigos, palestras e cartas, recentemente revistos pelo autor, são escrutinadas uma série de questões, entre elas a importância das evidências empíricas, e há uma crítica enfática da má ciência, da presença da religião nas escolas e de movimentos como os que negam a gravidade das mudanças climáticas. Com o ardor de sempre, o cientista defende “a verdade sagrada da natureza” e homenageia as glórias e as complexidades do mundo natural com seu virtuosismo típico.
Neste momento em que pessoas nos altos cargos dos governos questionam a evolução, Dawkins se pergunta o que Darwin pensaria de seu próprio legado e celebra a ciência, que possui muitas virtudes das religiões, mas está livre do lado negativo da superstição e do preconceito.

Dinheiro, Eleições e Poder - Bruno Carazza
Especialista em direito e economia, Bruno Carazza criou uma metodologia original para destrinchar as engrenagens do sistema político brasileiro. Para escrever Dinheiro, eleições e poder, ele compilou e cruzou um volume imenso de dados sobre doações de campanhas eleitorais, tramitação de projetos, votações e atuação parlamentar, que são contextualizados por fragmentos das delações premiadas e dos depoimentos de testemunhas ouvidas nas várias fases da Operação Lava Jato e do julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE.
O autor mostra como o perfil do financiamento eleitoral no Brasil foi se concentrando em grandes doadores, que seguem uma lógica estritamente empresarial – muito mais que ideológica. Baseado em dados sobre participação em frentes parlamentares, propositura de emendas e posicionamento nas principais votações, Carazza analisa como os eleitos tendem a retribuir as doações recebidas das grandes empresas. Por fim, o autor apresenta alternativas para baratear nossas eleições, combater práticas como o “caixa dois” e diminuir a influência econômica em nossa democracia.

Mac e Seu Contratempo - Enrique Vila-Matas
Mac é um entediado homem de meia-idade, desempregado, que vive às custas da mulher, ocupando seus dias com caminhadas pelo Coyote, fictício bairro de Barcelona, e com leituras paranoicas do horóscopo — que acredita conter mensagens codificadas direcionadas a ele. Como costuma ocorrer nos romances de Enrique Vila-Matas, a única saída para o protagonista é a literatura: somente os livros podem salvar Mac desta vida. É assim que surge a ideia amalucada de tentar reescrever o primeiro livro de Sánchez, um escritor de sucesso que, por acaso, é seu vizinho. O que está em jogo aqui é a ideia de repetição, e o que Vila-Matas parece assinalar é que toda escrita é repetição e que a criação literária é sempre evocação de algo que se leu um dia. A jornada literária deste personagem quixotesco arremessará o leitor num tornado de citações e de livros dentro do livro capaz de questionar os conceitos do que é escrever (e ler) literatura nos dias de hoje.

Companhia das Letrinhas

Vamos dar a volta ao mundo? - Marina Klink
O planeta Terra é muito grande. Nele há surpresas maravilhosas como rios, mares, florestas, geleiras, desertos e polos nevados. Existe muito a ser descoberto! Durantes as viagens em família, Marina Klink sempre incentivou as filhas a se divertirem enquanto aprendem sobre o meio ambiente.
Neste livro, Marina compartilha suas experiências de viagens com o leitor, que conhecerá paisagens emblemáticas, identificando alguns dos seus habitantes. Durante a leitura, é possível descobrir como é escorregar na neve na Antártica, mergulhar numa floresta escura e conhecer os bugios; aprender a reconhecer o deserto e seus habitantes e também saber a diferença entre Auroras Austrais e Boreais.
Nesta viagem ilustrada por CárcamO, é inevitável se apaixonar pelos ecossistemas e pelas espécies do planeta e aprender de maneira divertida e instigante como é importante cuidarmos da Terra.

Poemas com Macarrão - Fabrício Corsaletti
Tomar banho de chuva, ficar descalço ou de chinelo o dia inteiro, olhar um cavalo como se fosse a coisa mais linda do mundo, se imaginar mergulhando em uma piscina cheia de sorvete… E macarrão. Comer muito macarrão!
Os poemas deste livro falam sobre essas coisas que toda criança — e adulto! — gosta de fazer. Com suas rimas criativas, o premiado poeta Fabrício Corsaletti faz uma viagem pelas melhores experiências e sabores da infância, que ganham ainda mais vida com as ilustrações de Jana Glatt.



Seguinte

A Louca dos Gatos - Sarah Andersen
Os quadrinhos de Sarah Andersen são para todos que precisam lidar com níveis de ansiedade cada vez mais alarmantes, que sentem que o mundo está à beira do colapso e que se esforçam para sair ao menos um centimetrozinho da zona de conforto. Ou seja, é basicamente um manual de sobrevivência para os dias de hoje.
Além de suas tirinhas sagazes e encantadoras, a autora, que já reuniu mais de 2 milhões de fãs no Facebook, traz também ensaios ilustrados com dicas para os artistas aspirantes aprenderem a lidar com críticas, ignorarem os trolls na internet e não desistirem de mostrar seu trabalho.

Graça e Fúria - Graça e Fúria #1 - Tracy Banghart
Em Viridia, as mulheres não têm direitos. Em vez de rainhas, os governantes escolhem periodicamente três graças — jovens que viveriam ao seu dispor. Serina Tessaro treinou a vida inteira para se tornar uma graça, mas é Nomi, sua irmã mais nova, quem acaba sendo escolhida pelo herdeiro.
Nomi nunca aceitou as regras que lhe eram impostas e aprendeu a ler, apesar de a leitura ser proibida para as mulheres. Seu fascínio por livros a levou a roubar um exemplar da biblioteca real — mas é Serina quem acaba sendo pega com ele nas mãos. Como punição, a garota é enviada a uma ilha que serve de prisão para mulheres rebeldes.
Agora, Serina e Nomi estão presas a destinos que nunca desejaram — e farão de tudo para se reencontrar.

Suma de Letras

Minecraft: O Acidente - Minecraft #2 - Tracey Baptiste
Bianca nunca foi muito boa em seguir regras... Sempre impulsiva e descuidada, ela aprende do jeito mais difícil que toda ação tem uma consequência, quando junto com Lonnie, seu melhor amigo, sofre um terrível acidente de carro.
Ao acordar no hospital, paralisada pelas lesões, Bianca se vê em uma realidade com a qual não está preparada para lidar. Por isso, escolhe participar da nova versão de Minecraft e mergulhar em um mundo virtual onde todos os seus desejos estão ao alcance. Ao explorar aquele universo, ela se depara com um avatar mudo e defeituoso que acredita ser Lonnie. Então Bianca se une a Esme e Anton, outros dois jovens que jogam no servidor do hospital, para salvar seu amigo.
Mas essa jornada também tem seus perigos, e eles são perseguidos por mobs que parecem gerados por seus próprios medos e inseguranças. Agora Bianca precisa lidar com todas as incertezas que a consomem: será que Lonnie está mesmo no jogo? E será possível levá-lo de volta à vida real?

15 de julho de 2018

Novidades de Julho - Arqueiro

Baía dos Suspiros - Os Guardiões #2 - Nora Roberts
Para celebrar a ascensão ao trono de sua nova rainha, as deusas da lua criaram três estrelas, de fogo, água e gelo. Mas a deusa da escuridão as fez cair do céu, pondo em risco o destino de todos os mundos. Os seis guardiões, três homens e três mulheres de natureza especial, seguem unindo forças na busca pelas estrelas.
Com sua bússola mágica, Sawyer King os transporta para a ilha de Capri, onde está escondida a Estrela de Água. Agora, eles vão precisar contar ainda mais com a sereia Annika. Nova neste mundo, sua pureza e beleza são de tirar o fôlego, assim como sua lealdade e disposição em proteger os novos amigos.
Sawyer logo se vê atraído por seu espírito alegre. Mas Annika deve voltar para o mar em breve, e ele sabe que, se permitir que ela entre em seu coração, nenhuma bússola será capaz de guiá-lo para a terra firme…
Enquanto isso, na escuridão, Nerezza está furiosa com a primeira derrota e planeja um retorno ainda mais maligno. Ela perdeu uma estrela para os guardiões, mas ainda há tempo para derramamento de sangue. Pois uma nova arma está sendo forjada. Algo mortal e imprevisível.

Uma Noiva para Winterborne - Os Ravenels #2 - Lisa Kleypas
Rhys Winterborne conquistou uma fortuna incalculável graças a sua ambição ferrenha. Filho de comerciante, ele se acostumou a conseguir exatamente o que quer – nos negócios e em tudo mais.
No momento em que conhece a tímida aristocrata lady Helen Ravenel, decide que ela será sua. Se for preciso macular a honra dela para garantir que se case com ele, melhor ainda.
Apesar de sua inocência, a sedução perseverante de Rhys desperta em Helen uma intensa e mútua paixão.
Só que Rhys tem muitos inimigos que conspiram contra os dois. Além disso, Helen guarda um segredo sombrio que poderá separá-los para sempre. Os riscos ao amor deles são inimagináveis, mas a recompensa é uma vida inteira de felicidade.
Com uma trama recheada de diálogos bem-humorados e cenas sensuais e românticas, Uma noiva para Winterborne é o segundo volume da coleção Os Ravenels.

10 de julho de 2018

Wishlist #45 - Funkos de Hercules

Já faz um tempinho que os pops de Hercules foram lançados, e pelas wishlist serem programadas com meses de antecedência, os posts acabam saindo meio atrasados. Mas, o que importa é que o set de Hercules é uma gracinha, mesmo eu tendo estranhado um pouco já que todos eles tem bocas. Os preços ainda estão em conta (com excessão dos chases e dos exclusivos que nem fiz questão de incluir na lista, pois a única diferença deles pros regulares é que brilham no escuro e não acho a menor graça nessa característica).
Espiem os fofildos:

9 de julho de 2018

O Clube dos Oito - Daniel Handler

Título: O Clube dos Oito
Autor: Daniel Handler
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Suspense
Ano: 2018
Páginas: 400
Nota:
Sinopse: Como um grupo de jovens estudantes bem-educados acabou se envolvendo num escândalo que chocou um país? Por que tantos especialistas em comportamento juvenil têm algo a dizer quando o assunto é o Clube dos Oito? Até quando inúmeras manchetes de jornal e programas de TV sensacionalistas vão explorar o caso nos mínimos detalhes? Para fazer com que a verdade venha à tona, Flannery Culp, a dita líder do Clube, decide tornar público o diário que manteve ao longo do seu desastroso último ano de ensino médio. Agora que está presa por cometer um assassinato, a garota tem tempo de editar o que escreveu e revisitar a rotina que levava ao lado de seus sete melhores amigos. A narrativa de Flan, permeada de professores da pior índole, um amor não correspondido, aulas complicadas e jantares pomposos, comprova que ela pode até ser uma adolescente criminosa — mas, pelo menos, é uma adolescente criminosa muito inteligente.

Resenha: Flannery Culp é uma adolescente do ensino médio que lidera o "Clube dos Oito", seu grupo de amigos. Tudo parecia muito normal entre esses adolescentes inteligentes e de personalidade forte, até Flannery ser presa acusada de assassinato e todos do grupo foram envolvidos nesse escândalo. Com tantas informações absurdas se espalhando pela mídia, Flannery decide divulgar um de seus bens mais preciosos: seu diário. Ela escrevia diariamente e as informações sobre seu último ano no ensino médio, o que aconteceu estaria registrado lá. Passado e presente se cruzam enquanto o diário está sendo lido, mas, editar alguns trechos antes de entregá-lo à mídia lhe parecia algo bastante conveniente...

A narrativa é feita em primeira pessoa, e desde o começo a protagonista conta que esta é uma versão editada de seu diário onde ela dá detalhes sobre como ela se tornou uma assassina. Durante a leitura, fica bem evidente que Flannery é uma garota muito inteligente e esperta, e a medida que ela dá detalhes sobre o que aconteceu no último ano, sempre ficava me perguntando se aquilo era verdade ou não, já que ela diz claramente que aquilo pode ter sido editado, na maior naturalidade.

As descrições são bem detalhadas, e é bem fácil perceber o personagem que está sendo mencionado. Todos são inteligentes e intelectuais (e bem estereotipados também), e também tem suas diferenças que facilitam na identificação de cada um, mas senti que em alguns pontos a história estava meio confusa, talvez porque a intenção da protagonista fosse nos confundir ou até mesmo pelo toque surreal do enredo.

Em meio a tudo isso, temas como abuso de bebidas alcoólicas, violência sexual e assédio também são abordados, porém de uma forma que não se encaixa muito bem nos dias de hoje. São temas delicados mas sem o devido aprofundamento, e encarados pelos personagens de uma forma nada séria. Dei uma pesquisada e descobri que este foi um dos primeiros livros do autor, e que para a época já foi considerado bem avançado por causa do tema abordado. É claro que há mais de vinte anos atrás as coisas eram encaradas de outra forma, mas acredito que os leitores sejam capazes de entender isso sem condenar o autor por criar personagens com comportamentos questionáveis. Então nem acho justo considerar esses pontos algo negativo na história. Uma coisa legal é que há toda aquela pegada dos anos 90, desde a tecnologia limitada até o convívio social, está presente de um jeito bem forte.

O Clube dos Oito é um suspense para o público mais jovem (mas nada impede que leitores mais velhos leia e gostem também), e eu, particularmente, achei o livro muito inteligente. O suspense, o mistério, e o tom sombrio aumentam a tensão durante a leitura e as reviravoltas são de tirar o fôlego, principalmente porque fazem com que o leitor reflita sobre comportamento, estilo de vida e até a decadência pessoal por causa de escolhas erradas e infelizes.