5 de novembro de 2018

Uma Coisa Absolutamente Fantástica - Hank Green

Título: Uma Coisa Absolutamente Fantástica
Autor: Hank Green
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto/Sci-fi
Ano: 2018
Páginas: 344
Nota:
Sinopse: Enquanto volta para casa depois de trabalhar até de madrugada, a jovem April May esbarra numa escultura gigante. Impressionada com sua aparência — uma espécie de robô de três metros de altura —, April chama seu amigo Andy para gravar um vídeo sobre a aparição e postar no YouTube. No dia seguinte, a garota acorda e descobre que há esculturas idênticas em dezenas de cidades pelo mundo, sem que ninguém saiba como foram parar lá. Por ter sido o primeiro registro, o vídeo de April viraliza e ela se vê sob os holofotes da mídia mundial.
Agora, April terá de lidar com os impactos da fama em seus relacionamentos, em sua segurança, e em sua própria identidade. Tudo isso enquanto tenta descobrir o que são essas esculturas — e o que querem de nós.
Divertida e envolvente, essa história trata de temas muito relevantes nos dias atuais: como lidamos com o medo e o desconhecido e, principalmente, como as redes sociais estão mudando conceitos como fama, retórica e radicalização.

Resenha: April é uma jovem de vinte e poucos anos que mora em Nova York. Ela divide o apartamento com Maya, cujo relacionamento amoroso ela não assume de jeito nenhum, trabalha numa start-up que prefere manter anônima depois de ter assinado um contrato absurdo, se endividou fazendo faculdade de design, e assim vai levando sua vida.

Um dia, ao sair do trabalho de madrugada pra ir pra casa, ela se depara com uma estátua de três metros de altura que parece ter surgido do nada, bem no meio da rua. A escultura gigante, que é bem parecida com um Transformer, a deixou impressionada. Pra ela, que sempre gostou de belas-artes, se tratava de alguma obra de arte digna de admiração e amor, e, mesmo que fosse três horas da manhã, ela não hesitou em ligar para Andy, seu amigo da época da faculdade, para levar sua parafernália de audio visual ao local e gravarem uma "entrevista" para postarem no Youtube. Esta poderia ser a tão almejada oportunidade de Andy aparecer na internet, mas por ser mais carismática, April é quem conduz a entrevista enquanto ele fica responsável pela gravação e edição do vídeo.

No dia seguinte, April, que havia chamado o robô de Carl, descobre que várias outras esculturas apareceram em diversos lugares do mundo, e descobre também que, por ter feito o primeiro registro de um contato direto com o robô misterioso, o vídeo viralizou de tal forma que ela ficou famosa, e agora está sob holofotes da mídia e no mundo inteiro, ganhando dinheiro fácil, reunindo fãs - e, claro, haters também.

Assim, além de precisar lidar com a fama repentina e as consequências disso em sua vida e na vida das pessoas ao seu redor, April também se vê envolvida no mistério das aparições desses "Carls". E quando toda a humanidade começou a ter o mesmo sonho em que tudo parece ter a ver com essas figuras, April irá buscar respostas para o que elas são, e o que querem.

A história é narrada em primeira pessoa pelo ponto de vista de April, e logo no início ela já deixa uma observação um tanto petulante, deixando claro para o leitor o quanto ela não é lá muito confiável e muito menos humilde.
Embora a premissa soe familiar, a história é conduzida de forma bastante satisfatória, principalmente quando começam a surgir questões que remetem a atualidade. Dessa forma, Carl, e todos os outros Carls, acaba sendo um elemento que aparece para desencadear os demais acontecimentos, fazendo com que alguns comportamentos e atitudes venham à tona, e mostrando as pessoas da forma como elas são de verdade e do que são capazes. O que ficou evidente pra mim foi a questão da reação das pessoas ao desconhecido, o quanto o medo desencadeado por aquilo que não se conhece pode afetar suas vidas, e como tais elementos combinados podem ser o estopim para unir a humanidade de uma forma bastante peculiar...

O autor também trabalha no polêmico tema envolvendo a fama de youtubers, o desespero de alguns para se tornarem famosos, terem milhões de visualizações, e, assim, ganharem dinheiro "fácil" somente para aparecer nessa plataforma, independente do que o vídeo trate, e como isso se torna um vício. A fama acaba subindo pra cabeça, a necessidade de atenção aumenta, a sensação de estar acima dos meros mortais também, e a presença de haters é um verdadeiro tormento, pois nem todos entendem que é impossível agradar todo mundo e que as pessoas podem - e devem - discordar das outras. Um ponto bem interessante sobre isso é que as pessoas começaram a ficar divididas entre April e um outro youtuber, Peter, que pensa diferente dela. Isso desencadeia uma enorme polarização entre o povo. Peter é intolerante, ele ataca com discursos de ódio, espalha mentiras, faz as pessoas sentirem medo criando pânico, acusa April de traidora, e, ainda assim, muitos o idolatram e estão ao seu lado lutando a seu favor em prol da destruição dos Carls que April tanto defende... Do lado de April temos os Sonhadores, pessoas que acreditam que os Carls estão alí para unir a humanidade e fazer o bem, e do lado de Peter, os Defensores, que acham que os Carls são verdadeiras ameaças que devem ser combatidas. Não é um mero acaso que isso tenha uma ligação nada sutil com a a Esquerda e a Direita na política, e como as pessoas escolhem seu lado com base no que se identificam, no acreditam e o que querem para o futuro.

Ainda dentro desse tema, o autor trabalha a inclusão das minorias, orientação sexual, raça, credo e afins, e como muitos são perseguidos, sofrendo com intolerância e preconceito com base no que são levados a acreditar. As pessoas são iguais, merecem respeito e devem ter os mesmos direitos e deveres que qualquer um, mas sempre existem aqueles que acreditam que são melhores e que suas causas estão acima de tudo e de todos, e quando são estimulados por determinados discursos, acabam se sentindo invencíveis e intocáveis, como se pudessem sair por aí fazendo o que querem, como querem...

April é uma protagonista bem difícil, e desde o início o revirar de olhos é inevitável. Acompanhamos seu processo de se tornar famosa, de precisar ter mais seguidores, da necessidade de ter mais visualizações e mais fãs clamando por ela, de lidar com opiniões contrárias e rejeição, e mesmo que ela fique obcecada em desvendar o mistério de Carl, ela acaba mostrando o quanto ela se torna irresponsável, egoísta, o quanto se distancia dos amigos e o quanto coloca o que pode ganhar em cima dos outros em primeiro lugar. E há um caminho razoavelmente longo até que ela caia em si.
Ela se acha "única", e seu "autoendeusamento" e carência extrema acerca da fama repentina que consegue é de matar qualquer um de preguiça, e pelo fato da narrativa partir do ponto de vista dela, não temos outra escolha a não ser engolir sua chatice e ver o mundo da forma como ela vê.

Enfim, o livro superou minhas expectativas e teve questões mais profundas e relevantes do que pensei. Não nego que existem, sim, algumas pequenas inconsistências e situações meio WTF na trama, mas a ideia de trazer reflexões acerca de um tema tão importante e atual, de forma leve e muito inteligente, é algo absolutamente fantástico.

1 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Um comentário

  1. Oi! Tudo bem?
    De cara achei a sinopse interessante, mas não é meu tipo de leitura. No entanto lendo sua resenha e vendo tudo o que o livro aborda, comecei a pensar: "e pq não ler?" Terminei convencida de que quero sim saber o desenrolar dessa história e vou colocar na minha lista de leituras!

    Beijos;

    Mente Hipercriativa
    FanPage Mente Hipercriativa

    ResponderExcluir