Vox - Christina Dalcher

17 de dezembro de 2018

Título: Vox
Autora: Christina Dalcher
Editora: Arqueiro
Gênero: Distopia
Ano: 2018
Páginas: 320
Nota:★★★★☆
Sinopse: O governo decreta que as mulheres só podem falar 100 palavras por dia. A Dra. Jean McClellan está em negação. Ela não acredita que isso esteja acontecendo de verdade.
Esse é só o começo...
Em pouco tempo, as mulheres também são impedidas de trabalhar e os professores não ensinam mais as meninas a ler e escrever. Antes, cada pessoa falava em média 16 mil palavras por dia, mas agora as mulheres só têm 100 palavras para se fazer ouvir.
...mas não é o fim.
Lutando por si mesma, sua filha e todas as mulheres silenciadas, Jean vai reivindicar sua voz.

Resenha: Quando um candidato da extrema direita conservadora é eleito nos EUA, o seu governo dita novas leis e todos aqueles que não seguem nenhuma religião ou fogem do padrão ideal de "puros", segundo a bíblia, perdem seus direitos e são punidos severamente. Homens começaram a substituir as mulheres em todos os tipos de cargos gradualmente, "para o bem do país".
Casamentos entre pessoas do mesmo sexo são anulados, os "rebeldes" são enviadas a campos de concentração para aprenderem a vontade de Deus, e as mulheres, além de serem obrigadas a desempenhar papeis domésticos e obedecerem aos homens, ainda foram limitadas a poder falar somente cem palavras por dia. Todas elas foram obrigadas a usar um dispositivo que conta as palavras ditas, e se o limite diário for ultrapassado, o preço a ser pago é doloroso... E ai de quem tentar se comunicar de outra forma. No começo algumas pessoas conseguiram fugir do país, mas agora é impossível. Os passaportes das mulheres foram cancelados, e a emissão de novos é proibida. Todos vivem como prisioneiros.

Nesse cenário distópico, Jean McClellan, que antes de tudo isso era uma renomada cientista da área de neurolinguística, é reduzida ao cargo de "esposa", cuja única tarefa na sociedade é ficar calada, cuidar da casa, dos quatro filhos, e servir ao marido, Patrick, que mesmo achando a situação absurda, nem se quisesse poderia se opor, principalmente por trabalhar no governo.
A vida é extremamente regrada, Jean vive em negação e começa a criar resistência contra seu marido e filhos devido a situação e, mesmo com todas as dificuldades, ela tenta proteger e ensinar a filha de apenas seis anos, Sonia, como viver nessa sociedade onde as mulheres não tem vez e nem voz, enquanto os homens, incluindo Patrick e seus outros três filhos homens, são superiores e livres para mandar e desmandar, apoiados pelas palavras da bíblia e do novo governo republicano e ultra conservador que chegou ao poder.

Até que um dia, o irmão do presidente sofre um acidente grave e Jean é convocada pelos federais. Por ser a única profissional da área capacitada, ela deveria retomar sua pesquisa pois a área do cérebro afetada no acidente foi justamente o objeto de estudo da doutora no passado. A ideia de trabalhar junto com aqueles que instauraram e apoiaram esse governo odioso é revoltante, mas ela certamente seria punida caso recusasse a "oferta". A partir daí, Jean, bastante desconfiada, consegue ter acesso às suas pesquisas outra vez, e encontra ali uma oportunidade para lutar por todos aqueles que foram silenciados, tendo a chance de mudar o destino dela e de toda a nação.

Com capítulos curtos e narrado em primeira pessoa, a leitura é bastante fluída e vamos nos envolvendo e conhecendo aos poucos o que o país se tornou, e como as mulheres passaram a ser oprimidas a partir da perspectiva de Jean. Acompanhamos seus pensamentos e reflexões sobre como o país era antes, assim como suas lembranças de sua amiga Jack, que ia a manifestações, concedia entrevistas, lutava como ninguém pelos direitos das mulheres e sempre fazia alertas sobre tudo que aconteceria caso o tal candidato fosse eleito presidente dos EUA. E quando Jean abriu os olhos para o enorme problema que recaiu sobre todos, o que antes para ela era exagero, sensacionalismo e até loucura por parte da amiga, se tornou real. Jean percebeu que Jack sempre teve razão, mas já era tarde demais. Ela inclusive se culpa por não ter feito sua voz valer, seja na rua ou na urna.

É impossível não se colocar no lugar de Jean, mesmo que alguns de seus pensamentos, a princípio, pareçam contraditórios. Temos acesso aos seus sentimentos e conflitos em relação ao seu marido e filhos, sentimentos estes que foram desencadeados a partir da nova condição social que ela odeia e foi obrigada a engolir, sem ter como ir contra o sistema. Aos poucos seus sentimentos por eles vão se tornando negativos, e a amargura e o desgosto por ver eles se tornando homens cada vez mais machistas só cresce. Assim, as atitudes e pensamentos de Jean são compreensíveis quando ela não tem voz dentro da própria casa e só lhe resta alimentar sua raiva e se remoer por dentro, principalmente quando vê seus filhos sendo doutrinados para se tornarem completos imbecis, sem poder fazer nada. Seu filho fez questão de cursar religião apenas pela chance de ganhar pontos extras, sem se dar conta da manipulação bem sutil que estava sofrendo. Num determinado momento ele pega o livro e lê para a mãe um trecho do qual ele concorda plenamente, com intenção de colocar ela em seu devido lugar:
"'A mulher não deve ir às urnas, mas tem uma esfera própria, de incrível responsabilidade e importância. Ela é a guardiã do lar, nomeada por Deus... Ela deve ter total consciência de que sua posição de esposa e mãe, e de anjo do lar, é a tarefa mais santa, mais responsável e régia designada para os mortais; é descartar qualquer ambição de algo mais elevado, já que não existe nada tão elevado para os mortais.' Esse texto é do reverendo John Milton Williams. Está vendo? Você é uma rainha."
- Página 56
Um ponto que achei bastante reflexivo é acerca da luta pelas minorias. Antes Jean tinha uma posição importante e fazia pouco caso de quem lutava pelos direitos dos menos favorecidos, como Jack fazia. Agora ela se encontra na posição de minoria e não tem outra escolha a não ser se conformar e ficar calada. Dessa forma, ela não só serve de exemplo, mas também tem a chance de mostrar a realidade para as pessoas que estavam na mesma situação e que foram diminuídas como ela foi. É uma forma de mostrar que ela, como humana, tem suas falhas, mas que diante de uma situação dessas não é errado se arrepender para entender que é preciso mudar. E às vezes as pessoas só se dão conta disso quando a situação foge do controle e a bomba já explodiu.

Aproveitando o assunto, posso acrescentar que é inegável que essa eleição de 2018 no Brasil despertou um interesse maior nas pessoas sobre política, assim como também revelou o bom e o mau caráter de muitos, independente do candidato. Muitos utilizaram de discursos baseados em valores voltados ao conservadorismo e preceitos religiosos, como se qualquer movimento que fugisse dessa ideologia fosse errado, e, no livro, a autora mostra que o extremismo, principalmente o religioso, consegue deturpar ideias, usar minorias como massa da manobra, manipular as pessoas de que um lado é certo e o outro errado, e como essa questão dentro da política é perigosa. Uma coisa é política, outra coisa é religião, e elas jamais deveriam se misturar. Confesso que não penso que em nenhum momento o Brasil chegue uma situação tão crítica quanto a exposta no livro, mas a forma como a história foi desenvolvida acaba fazendo com que as pessoas reflitam sobre o momento atual, sobre suas escolhas, sobre seus valores, sobre as conquistas e os direitos que os movimentos atuais atingem, e sobre a liberdade de cada um.

A única ressalva que deixo é sobre o final. Tudo acaba sendo muito rápido e fácil de ser resolvido, o que além de gerar um pouco de descrença, ainda quebra o ritmo de tudo que aconteceu, e o impacto que deveria ser o grande clímax da trama acaba não acontecendo. Fechei o livro e pensei "ué?!".

No final das contas, Vox é uma leitura que não traz apenas reflexões sobre temas importantes da atualidade, mas mexe com nosso emocional a ponto de nos fazer reavaliar e questionar alguns conceitos e situações que fazem parte da sociedade atual.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário