Bruxa da Noite - Nora Roberts

9 de julho de 2020

Título: Bruxa da Noite - Primos O'Dwyer #1
Autora: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia/Romance
Ano: 2015
Páginas: 320
Nota:★★★★☆
Sinopse: Com pais indiferentes, Iona Sheehan cresceu ansiando por carinho e aceitação. Com a avó materna, descobriu onde encontrar as duas coisas: numa terra de florestas exuberantes, lagos deslumbrantes e lendas centenárias – a Irlanda.
Mais precisamente no Condado de Mayo, onde o sangue e a magia de seus ancestrais atravessam gerações – e onde seu destino a espera.
Iona chega à Irlanda sem nada além das orientações da avó, um otimismo sem fim e um talento inato para lidar com cavalos. Perto do encantador castelo onde ficará hospedada por uma semana, encontra a casa de seus primos Branna e Connor O’Dwyer, que a recebem de braços abertos em sua vida e em seu lar.
Quando arruma emprego nos estábulos locais, Iona conhece o dono do lugar, Boyle McGrath. Uma mistura de caubói, pirata e cavaleiro tribal, ele reúne três de suas maiores fantasias num único pacote.
Iona logo percebe que ali pode construir seu lar e ter a vida que sempre quis, mesmo que isso implique se apaixonar perdidamente pelo chefe. Mas as coisas não são tão perfeitas quanto parecem. Um antigo demônio que há muitos séculos ronda a família de Iona precisa ser derrotado.
Agora parentes e amigos vão brigar uns com os outros – e uns pelos outros – para manter viva a chama da esperança e do amor.

Resenha: Bruxa da Noite é o primeiro volume da trilogia Primos O'Dwyer, escrita pela autora Nora Roberts e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro.
A história começa num inverno intenso, tomado por chuvas e nevoeiros, no ano de 1263 na Irlanda. Sorcha, mais conhecida como Bruxa da Noite devido aos seus enormes poderes, além de respeitada e ter alguns privilégios por ser esposa de Daithi, o cennfine (chefe do clã), leva uma vida cheia de amor com os três filhos pequenos - Brannaugh, Teagan e Eamon - enquanto seu marido, que estava lutando na guerra, era aguardado com bastante ansiedade quando a primavera chegasse.
Com o passar das semanas, Sorcha e os filhos são perseguidos por Cabhan, um demônio maligno e ambicioso, sedento por poder. A fim de acabar com esse mal, Sorcha trava uma luta com Cabhan, divide seu enorme poder entre os filhos, poder este que passaria para seus descendentes através das gerações, e se sacrifica acreditando que libertaria seus entes queridos do perigo, mas o mal resistiu e, na floresta, iria aguardar pacientemente o momento certo para voltar...

Setecentos e cinquenta anos se passaram desde o sacrifício de Sorcha, o ano é 2013, e Iona Sheenan entra em cena. Ela cresceu nos EUA, carente e procurando aceitação dos pais indiferentes. Recebendo atenção da avó e ouvindo dela histórias fantásticas envolvendo seus ancestrais, Iona descobre onde, enfim, poderia encontrar o que tanto desejava na vida. Então, ela decide deixar tudo para trás partindo para a Irlanda, no Condado de Mayo, com intuito de descobrir sobre suas raízes. Lá ela é recebida de braços abertos pelos primos Connor e Branna O'Dwyer e, por ter um talento nato para lidar com cavalos, Iona consegue um emprego no estábulo. Ao conhecer seu chefe, Boyle McGrath, percebe que encontrou a vida que sempre quis naquele lugar mágico e encantador.
Tudo parecia perfeito, mas o que ela não esperava era descobrir que seus primos, e agora ela também, seriam alvos de Cabhan, que anseia pelos poderes herdados de Sorcha que eles possuem, além da sede por vingança que ele tem...
Resta aos primos Iona, Branna e Connor se unirem para derrotarem esse mal de forma definitiva para, enfim, viverem felizes e manterem a chama do amor da família sempre acesa.

Eu ainda não tinha lido nenhum livro de Nora Roberts pra poder fazer comparações. A opção por essa leitura se deu devido ao tema fantástico envolvendo bruxas, magia e com o pano de fundo maravilhoso, convidativo e mágico que é a Irlanda. Isso bastou pra chamar minha atenção e posso afirmar que a autora tem uma escrita única e envolvente e criou personagens bem definidos, além de utilizar de uma mitologia convincente e madura que envolve elementos da natureza e animais que possuem ligação com seus donos e funcionam como uma extensão deles.

A narrativa é feita em terceira pessoa focando no ponto de vista de Iona. Apesar da carência inicial, ela é uma personagem doce e inteligente, mas bem imatura. Boyle já faz o estilo forte e misterioso. Quando Iona decide controlar os poderes que tem, a medida que ela aprende e convive com os primos e os amigos, ela também amadurece e cresce como personagem.
Aparentemente a única coisa que Iona e Boyle têm em comum são o amor por cavalos, mas com o desenrolar da história eles se envolvem cada vez mais. Boyle não tinha intenção de se envolver emocionalmente com ninguém, mas Iona vem pra mudar isso. A ideia, ao que parece, é que eles tivessem uma química explosiva digna de estremecer o chão, mas o único problema é que não consegui sentir química alguma e os dois, como casal, me soaram um tanto vazios, pelo menos até Iona perceber que havia, sim, um sentimento intenso e incondicional por parte de Boyle. O relacionamento, então, é desenvolvido gradualmente até que se torne sólido o bastante pra ser considerado interessante.
A caracterização dos personagens foi o que mais me agradou e os que mais gostei foram Fin e Meara, com quem ela cultiva uma amizade. Fin inclusive é descendente de Cabhan e ele mantém um relacionamento de amor e ódio com Branna, o que torna a história bem mais interessante. A autora já os colocou num caminho e trabalhou as mágoas, ressentimentos e problemas de confiança que eles têm e espero por um livro que se aprofunde melhor no relacionamento dos dois.
Um fator interessante e original sobre a história é que os primos são reconhecidos pelas pessoas como sendo bruxos devido a história de Sorcha, então eles não se mantém no anonimato precisando guardar segredo de suas origens.
Os personagens, como um todo, foram muito bem construídos e todos têm personalidades distintas. O temperamento de alguns dão até mesmo um toque engraçado à história.

O que não funcionou pra mim foi a falta de um aprofundamento maior sobre a história de Iona, pois ela fica constantemente choramingando sobre sua carência e falta de amor mas a autora não expõe nada sobre isso, o que passou com os pais e o que fizeram pra ela se sentir tão sozinha.
Um ponto que, pra mim, foi super desnecessário foi a insistência em falar sobre comida. Os personagens estão sempre comendo e bebendo e evidenciar isso em mais da metade do livro foi algo cansativo e inútil.
Senti falta de uma verdadeira ameaça, e por mais que o leitor saiba que há um perigo que permeia a história, não houve tensão suficiente pra criar um clímax e nada me tirou o fôlego.
O final não fez muito sentido pra mim e me deixou pensando que, ou há um furo enorme, ou eu deixei passar sem ter a menor ideia do que os personagens planejaram para tentar destruir Cabhan.
Os dois primeiros capítulos, que funcionam como a introdução contando como tudo começou, tiveram mais destaque e foram muito mais empolgantes e emocionantes pra mim. Meu erro foi me basear neles ao criar expectativas maiores para o restante da história. Não que ela seja ruim, muito pelo contrário, só esperei por uma coisa quando na verdade me deparei com outra.

Sobre a parte impressa e o trabalho gráfico, a capa é muito bonita e manteve a arte da obra original que remete a todo um mistério. O nome da autora e a moldura que envolve o título possuem aplicações em verniz pra se destacar do fundo fosco. A diagramação é simples, as páginas são amarelas, a fonte tem um tamanho agradável e não encontrei erros de revisão. Os capítulos são numerados com um ornamento inferior como detalhe.

No mais, pra quem procura por um livro que traga uma história com uma escrita envolvente e sólida sobre bruxas, família, amizade e um grande amor, Bruxa da Noite é uma boa pedida.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário