24 de março de 2017

A Irmandade Perdida - Anne Fortier

Título: A Irmandade Perdida
Autora: Anne Fortier
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance
Ano: 2015
Páginas: 528
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Diana Morgan é professora da renomada Universidade de Oxford. Especialista em mitologia grega, tem verdadeira obsessão pelo assunto desde a infância, quando sua excêntrica avó alegou ser uma amazona – e desapareceu sem deixar vestígios.
No mundo acadêmico, a fixação de Diana pelas amazonas é motivo de piada, porém ela acaba recebendo uma oferta irrecusável de uma misteriosa instituição. Financiada pela Fundação Skolsky, a pesquisadora viaja para o norte da África, onde conhece Nick Barrán, um homem enigmático que a guia até um templo recém-encontrado, encoberto há 3 mil anos pela areia do deserto.
Com a ajuda de um caderno deixado pela avó, Diana começa a decifrar as estranhas inscrições registradas no templo e logo encontra o nome de Mirina, a primeira rainha amazona. Na Idade do Bronze, ela atravessou o Mediterrâneo em uma tentativa heroica de libertar suas irmãs, sequestradas por piratas gregos.
Seguindo os rastros dessas guerreiras, Diana e Nick se lançam em uma jornada em busca da verdade por trás do mito – algo capaz de mudar suas vidas, mas também de despertar a ganância de colecionadores de arte dispostos a tudo para pôr as mãos no lendário Tesouro das Amazonas.
Entrelaçando passado e presente e percorrendo Inglaterra, Argélia, Grécia e as ruínas de Troia, A irmandade perdida é uma aventura apaixonante sobre duas mulheres separadas por milênios, mas com uma luta em comum: manter vivas as amazonas e preservar seu legado para a humanidade.

Resenha: A Irmandade Perdida, escrito pela autora dinamarquesa Anne Fortier (a mesma do livro Julieta) e publicado no Brasil pela Editora Arqueiro, conta a história de Diana Morgan, uma renomada professora da Universidade de Oxford, filóloga e especialista em mitologia grega que também é fascinada pelas amazonas desde quando sua avó disse ter sido uma no passado, até ter desaparecido misteriosamente deixando apenas um caderno com um idioma desconhecido e um bracelete para a neta.
Até que um dia Diana recebe uma proposta intrigante e muito tentadora... Tratava-se de um convite para que ela decifrasse um código ligado às amazonas num templo arqueológico recém-descoberto na África. Diana não hesita diante dessa oportunidade pois seria sua grande chance de provar que as amazonas existiram, mas o que ela não esperava era que essa viagem rumo a Argélia transformaria sua vida, pois além dos segredos desconhecidos que pairam pelo local, há outras pessoas que também estão nessa corrida contra o tempo para desvendá-los...
Com a ajuda do caderno deixado por sua avó, Diana começa a decifrar as inscrições registradas no templo que estão lá há cerca de três mil anos e não demora a encontrar o nome da primeira rainha amazona, Mirina, cuja história heróica e repleta de aventuras logo desperta a curiosidade de Diana, que começa a seguir rastros para descobrir a verdade escondida por trás da lenda.

A narrativa mescla presente e passado se alternando entre primeira e terceira pessoa. Nas passagens no tempo presente e destinadas a Diana, o leitor tem o ponto de vista dela, enquanto as de Mirina são feitas em terceira pessoa há milênios atrás.
A escrita é mais rebuscada, não sendo muito casual, mas é de fácil compreensão e bastante fluída, e a autora tem uma habilidade muito boa quando o assunto é pesquisar para tornar os elementos impostos na trama plausiveis e convincentes, seja com relação as lendas ou a própria mitologia grega a qual a protagonista é fascinada, e isso colabora muito para despertar não só a curiosidade do leitor, mas também seu interesse por tais temas.
Os diálogos são inteligentes e bastante dinâmicos o que acaba tornando a leitura bastante agradável, e unindo esse fator à construção de personagens incríveis em meio a cenários deslumbrantes, o resultado só poderia ser uma história envolvente e recheada de momentos marcantes e memoráveis.

Apesar da trama ser muito rica, preciso confessar que a parte do romance, pra mim, deixou a desejar, pois soa mais forçado do que eu gostaria e com intençoes um pouco convenientes demais para que algumas reviravoltas pudessem ter sido feitas.
Então, por mais que eu tenha gostado de Diana e sua força de vontade de correr atrás do que acredita sem medo, o que ficou mais evidente que isso foi perceber através de suas ações em sua jornada que ela é uma personagem que tem enormes dificuldades de lidar com situações quando ela é contrariada, e isso acaba se contradizendo um pouco com a forma que ela foi apresentada inicialmente. Ela é forte, mas com ressalvas...
Mirina se destacou muito mais por estar a frente de seu tempo, já demonstrando ter força e coragem numa época dominada pelos homens onde a mulher devia ser submissa. No final das contas fica evidente que os feitos de cada uma se completam, fazendo com que a história se amarre de forma genial e fique ainda mais movimentada e surpreendente.

Um ponto super positivo é a ideia de que existem conexões entre os personagens que são trabalhadas ao longo da trama fazendo com que o leitor fique bastante surpreso com as revelações feitas, mas também há alguns pontos negativos, como vários dos personagens secundários que parecem não terem sido tão bem explorados como deveriam de forma que alguns parecem estar alí mais pra atrapalhar ou ocupar páginas, assim como os flashbacks de Diana que acabam "interrompendo" a fluidez de vários acontecimentos que estavam sendo narrados anteriormente aos quais considerei vários deles super dispensáveis.

A capa é a mesma da original e o capricho é admirável, desde o tom de turquesa e verde até os detalhes de ornamento em volta da imagem com aplicação de verniz para se destacarem. A diagramação é simples e os capítulos, alguns curtos e outros mais longos, são numerados e com a indicação da cidade onde a personagem está a fim de facilitar a localização de onde a situação se passa. As páginas são amarelas, a fonte tem tamanho normal e não percebi erros na revisão.

Em suma, A Irmandade Perdida aborda a vida de duas mulheres fortes em meio a aventuras de tirar o fôlego. Estarem separadas pelo tempo não impediu seus propósitos de manter vivo o legado das amazonas para o mundo inteiro. Pra quem procura por uma história incrível e cheia de aventuras, é livro mais do que recomendado.

Nenhum comentário

Postar um comentário