25 de março de 2017

Respire - K.A. Tucker

Título: Respire - Ten Tiny Breaths #1
Autora: K.A. Tucker
Editora: Fábrica 231/Rocco
Gênero: New Adult
Ano: 2016
Páginas: 320
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas | Amazon
Sinopse: Kacey Cleary não chora, não suporta o toque das pessoas e canaliza sua energia para treinos intensos de kickboxing. Tudo isso depois de um ano de reabilitação física e de mergulhar num mundo de drogas e álcool para tentar lidar com a perda dos pais, da melhor amiga e do namorado, num acidente de carro do qual ela foi a única sobrevivente. Kacey chegou ao fundo do poço, mas resolve lutar para sair de lá por Livie, a irmã caçula. Depois de irem morar com uma tia religiosa fanática e seu marido alcoólatra, as duas fogem para Miami para tentar recomeçar, e Kacey terá que enfrentar seus fantasmas para derrubar o muro que ergueu ao seu redor. Às vezes, respirar torna-se uma missão quase impossível, mas K.A. Tucker mostra que é preciso neste romance sobre perdas, amizade, amor e superação.

Resenha: Respire é o primeiro volume da série Ten Tiny Breaths da autora K.A. Tucker publicados no Brasil pelo selo Fábrica 231 da Editora Rocco.

Há quatro anos Kacey perdeu os pais, a melhor amiga e o namorado num trágico acidente de carro em que ela foi a única sobrevivente, e desde então, sua forma de lidar com essa perda dolorosa foi mergulhar num mundo regado a vários vícios destrutivos até encontrar no kickboxing uma forma de canalizar seu trauma. Seu único motivo pra não desistir de viver e ter forças pra sair do buraco em que se enfiou é Livie, sua irmã mais nova. As duas vão morar com os tios mas depois de vários problemas sérios, como a tia que é uma fanática religiosa que condena severamente o comportamento de Kacey sem sequer tentar entendê-la, e o marido dela que é um alcóolatra sem a menor noção, elas decidem que aquilo jamais poderia dar certo, o que as leva a fugir pra Miami e recomeçarem suas vidas. As irmãs encontram um novo lar num complexo de apartamentos e lá conhecem algumas pessoas bastante interessantes. O problema é que Kacey se recusa a falar do passado, e construiu uma muralha ao seu redor não permitindo que ninguém se aproxime, mas seu vizinho, Trent, talvez mude isso quando começa a mexer com suas emoções e a atração entre ambos é algo que se torna inevitável. Mas e se nessa história Kacey não for a única a guardar segredos, que podem, inclusive, botar tudo a perder?

O livro é dividido em fases que retraram uma linha de acontecimentos que estão ligados ao vício e que conseguem captar bem a situação da protagonista naquele momento em específico.
Narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Kacey, o leitor vai acompanhar como o lado emocional da protagonista foi abalado e como ela irá superar seus traumas através da aproximação com o bad boy encantador e tão destruído psicologicamente quanto.
É praticamente inquestionável que exista uma fórmula para o gênero new adult, tanto com relação aos problemas dos personagens quanto a ambientação típica, fora os clichês, e o problema não é a fórmula ou a previsibilidade da trama em si, mas a forma como ela se desenvolve ou apresenta certos tipos de elementos. Não curti a forma como o romance começou de forma instantânea (e até meio doentia) e foi sendo levado com um ar de mistério cujo intuito é surpreender (mas que pra mim foi bastante previsível), mas posso dizer que gostei da ideia de esse relacionamento não ser o motivo principal para Kacey superar o trauma que tanto lhe afeta. A aproximação com Trent ajuda, mas o que realmente faz a diferença são as amizades verdadeiras que ela cultiva e, claro, a terapia, que é abordada de forma natural, descontruindo estereótipos ou preconceitos sobre quem procura esse tipo de ajuda.

Eu tive impressões sobre a protagonista que variavam a cada capítulo e não acho que isso seja um ponto favorável à ela. Por mais que eu entenda que cada um tem sua forma de encarar uma situação traumática, é meio difícil engolir uma pessoa que não tem uma personalidade constante e que a cada momento age de uma forma. Em alguns momentos ela parece uma maluca, outros parece uma criança de cinco anos de idade cheia de mimimis, outros uma adolescente rebelde sem causa, e em outros age como uma adulta super madura e resolvida. Não entendi o motivo dessa variação, principalmente se levarmos em consideração que Livie, que é mais nova e também teve a mesma perda trágica, encara as coisas com muito mais maturidade do que Kacey.

Apesar de algumas falhas, o livro tráz uma história bem bacana sobre perda, luto, medo e inseguranças, mas também fala sobre a amizade sincera, o amor, o perdão, a superação e a esperança de que, embora a vida nos pregue peças que nos deixam em ruínas, grandes reviravoltas podem acontecer onde os envolvidos, enfim, podem encontrar a paz que tanto buscavam e retomarem o controle de suas vidas.

Nenhum comentário

Postar um comentário