2 de dezembro de 2017

O Conto da Aia - Margaret Atwood

Título: O Conto da Aia
Autora: Margaret Atwood
Editora: Rocco
Gênero: Distopia/Drama
Ano: 2017
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

Resenha: O Conto da Aia, da escritora canadense Margaret Atwood, é um romance distópico que foi escrito na década de 80 e recentemente ganhou um enorme destaque ao servir de inspiração e ser adaptado para a série de mesmo nome, The Handmaid’s Tale.

A degradação do meio ambiente afetou a fertilidade e a sobrevivência humana está em risco. Agora, após um grande e violento golpe que derrubou a constituição, o poder foi tomado e está literalmente na mão dos homens, que não só criaram um modelo de estado teocrático, agora conhecido como República de Gilead, como segregaram - e inferiorizaram - as mulheres dando a elas funções específicas de acordo com sua "classe". Ou elas são as Esposas inférteis dos comandantes, ou servem como Marthas (domésticas), ou são exploradas como Aias... As Aias são as poucas mulheres que ainda são capazes de engravidar, sendo a única esperança dos comandantes e suas esposas amarguradas de terem um filho.

E partindo dessa premissa, acompanhamos um relato em primeira pessoa da trajetória difícil e cheia de horrores daquela que se tornou uma Aia e passou a ser chamada de Offred, que literalmente significa que ela é "do Fred", que pertence a esse homem como se fosse um mero objeto. Através do seu ponto de vista, Offred descreve esse modelo de sociedade pós colapso político que, embora inaceitável, não deixa de ser crível (principalmente levando em consideração os temas atuais se comparado ao ano em que foi escrito), focando numa nova e terrível condição feminina, onde a mulher é privada de tudo, desde uma simples leitura até o contato social fora de casa, e seu único direito é o de servir obedientemente ao seu dono. E mesmo que seja tratada como um estorvo pela esposa do comandante, a Aia é um "mal necessário" que tem que se conformar com seu destino até cumprir com sua "função biológica".

O desenvolvimento da trama é muito lento e às vezes confuso, talvez por se limitar a visão de Offred trazendo flashbacks de sua vida antes do ocorrido e ela ainda estar se adaptando a essa vida cheia de regras e leis bizarras, e à sua nova situação servindo como Aia, tanto que ela se perde nos próprios pensamentos, divaga ou sempre repete alguma coisa absurda, como se a intenção fosse reforçar a fragilidade da protagonista e evidenciar o quanto ela está vulnerável na condição de objeto reprodutor.

E não, o livro não retrata uma luta contra esse sistema e nem trás uma história de resistência cheia de reviravoltas. É um livro que trás o horror sofrido pelas mulheres desencadeado pelo machismo e pelo fanatismo religioso através da visão de alguém que está vivendo aquilo tudo. E é algo que incomoda e deixa um gosto amargo, e que nos faz questionar sobre como seria se esta fosse a nossa realidade.
A história é cruel e é impossível não fazer comparações, principalmente quando paramos pra pensar e percebemos que a cada dia que passa, a sociedade parece não evoluir, mas sim se torna cada vez mais retrógrada quando a motivação de muitos é apoiar o conservadorismo baseado em preceitos bíblicos absurdos e odiosos...

12 comentários via Blogger
comentários via Facebook

12 comentários

  1. Não conhecia o livro e nem sabia sobre a serie! Mas fiquei muito interessada.
    Gostos de livros com temáticas fortes, e que nos fazem parar para pensar realmente nas coisas.
    Ótima resenha!

    She is a Bookaholic

    ResponderExcluir
  2. FLÁVIA!
    Em época de empoderamento feminino, esse livro parece ser um choque.
    Mesmo que seja uma distopia, ver tamanhas atrocidades serem empretadas as mulheres e aos menos favorecidos, causa certa repugnância.
    A verdade que mesmo com toda 'conspiração' por traz do regime e todo sofrimento, quero ler.
    Bom final de semana!
    “A melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de ler mas me parce tão sofrido mas muito real infelizmente

    ResponderExcluir
  4. Desde que vi este livro, e sobre o que ele retrata, exatamente esse retrocesso de pensamento, que em vez de combater o machismo, e as regras imposta pelo fanatismo religioso, as pessoas cometem o mesmo erro, que vai de encontro a esta terrível aceitação, levando o sofrimento das mulheres. Acredito que esta deve ser uma leitura que nos faz refletir, principalmente viver juntamente com a personagem esses momentos de barbaria.

    ResponderExcluir
  5. Pelo que li na resenha, o livro é bem chocante!! Muito triste em saber que, como foi dito, essa realidade infelizmente já existe, sempre existiu em alguns países. E que nós mulheres temos que lutar contra esse sistema machista e opressor!! Fiquei super interessada em ler o livro!!

    ResponderExcluir
  6. Li inúmeras resenha e criticas deste livro, todas se referem sendo um baita livro. Questões feministas me interessam, uma hora ou outra sofremos alguma opressão masculina, o mundo já tá incrustado com isso, muito triste. Quero muito esta obra.

    ResponderExcluir
  7. Olá. Tenho muita vontade de ler esse livro, pois apesar de ser um enredo forte e que toca profundamente nosso emocional, creio que traz uma grande reflexão e conhecimento da história. Pretendo assistir a série.
    A resenha está ótima, muito bem escrita.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Pelo que li, esse é um livro forte. Como li em algum lugar, é uma história de terror pior que os livros de Stephen King. Mas não é só de terror. É um livro onde as mulheres que dele fazem parte, tentam entender o seu mundo, o porque delas terem que passar por aquilo. Quero ler o livro e espero ter essa oportunidade em breve.

    ResponderExcluir
  9. Vamos lá, tinha um leve interesse pelo livro, por causa da ampla divulgação da série homônima, mas lendo essa resenha agora, perdi total a vontade de ler. Entendo o assunto e acho válido uma ficção literária abordar temas como o abuso das mulheres e nos mostrar uma visão dessas situações, mas acho que não teria paciência.

    ResponderExcluir
  10. Fiquei muito interessada nessa trama, no caso nesse livro, nunca tinha visto esse livro, e agora q sei que tem uma série vou procurar pra assistir já!

    ResponderExcluir
  11. Fiquei ao mesmo tempo curiosa com a trama desse livro e com total repulsa com essa condição em a mulher vive nessa sociedade, ainda mais que se for pesquisar em muitas partes do mundo as mulheres ainda não tratadas como objeto, como propriedade do pai e depois do marido, não tem os mesmos direitos que os homens e isso claramente usando a religião como justificativa.

    ResponderExcluir
  12. Engraçado que um livro escrito a trinta anos podem ser tão espetacular!! Já li algumas resenhas sobre esse livro e estou bem curiosa para ler essa distopia tão realista. Também quero muito assistir a série.
    Bjoss

    ResponderExcluir