Frank e o Amor - David Yoon

3 de janeiro de 2020

Título: Frank e o Amor
Autor: David Yoon
Editora: Seguinte
Gênero: Jovem Adulto
Ano: 2019
Páginas: 400
Nota:★★★★☆
Sinopse: Frank está descobrindo o amor ― e você está prestes a se apaixonar por este livro.
Frank nunca conseguiu conciliar as expectativas de sua família tradicional coreana com sua vida de adolescente na Califórnia. E tudo se complica quando ele começa a sair com a garota de seus sonhos, Brit Means, que é engraçada, inteligente, linda… Basicamente a nora perfeita para seus pais ― caso tivesse origem coreana também.
Para poder continuar saindo com quem quiser, Frank começa um namoro de mentira com Joy Song, filha de um casal de amigos da família, que está passando pelo mesmo problema. Parece o plano perfeito, mas logo Frank vai perceber que talvez não entenda o amor ― e a si mesmo ― tão bem assim.


Resenha:  Frank é um garoto que nasceu na Califórnia, mas seus pais são coreanos e seguem a tradição e a cultura do país de origem deles à risca. Embora eles já vivam nos EUA há anos, eles não parecem estar dispostos a se adaptarem à cultura americana e vivem numa "bolha coreana". Eles são radicais a ponto de Frank nem poder levar seu melhor amigo em casa porque ele é negro, ou um relacionamento só ser aceitável desde que seja com outro coreano, e o maior exemplo disso é a irmã mais velha de Frank, Hanna, que foi expulsa de casa e obrigada a se afastar da família por ter se envolvido com um rapaz que não é coreano. Mas Frank, apesar de querer estar junto com sua família, sonha em poder ser ele mesmo e fazer suas próprias escolhas, e quando ele começa a sair com Brit, sua colega de escola super gente boa, ele vai precisar de um plano já que ela é americana... Então ele se junta a sua, Joy Song, que é coreana e está passando pela mesma situação que ele. Eles vão forjar um namoro para enganar seus pais e poderem sair com seus verdadeiros namorados as escondidas e, a princípio, tudo dá certo, até Frank perceber que ele não entende nada de amor.

Narrado em primeira pessoa, vamos acompanhando Frank e seu dilema de não ir contra seus pais numa tentativa de mostrar pra eles um rapaz que ele não é, e nem gostaria de ser, ao mesmo tempo que ele passa a se conhecer melhor quando está na companhia de Brit e Joy.

Pra quem acompanhou a série Gilmore Girls, essa história vai soar muito familiar quando pensarmos na personagem Lane (interpretada pela atriz Keiko Agena) e na mãe dela, a Sra. Kim (Emily Kuroda), porém, o livro Frank e o Amor tem alguns pontos mais profundos e agravantes, mas muito necessários para levantar questionamentos e discussões que causem reflexão sobre cultura, família, amor, preconceito e racismo.

Não vou negar que por mais interessante que o livro seja, ele não está livre de alguns clichês românticos e adolescentes de livros do gênero. Talvez o que tenha me agradado mais foi a dinâmica familiar, que é insuportável e é a causa das reflexões que tive. Não consigo me imaginar com pais tão preconceituosos e de mente tão fechada que nem os de Frank, e o autor mostra de uma forma muito crua o que eles pensam sobre quem é "diferente", e chega a ser tão triste quanto horrível.
Nesse relacionamento familiar também vi a dificuldade do próprio Frank em demonstrar seus sentimentos e expor o que ele pensa por medo de ir contra a família. Não acho que os pais tem que ser melhores amigos dos filhos, mas se não existe confiança e abertura para um simples diálogo para que possam chegar a um consenso sobre algum assunto que pode envolver o futuro do menino, pra que ele possa receber orientações ou coisa do tipo e parece estar ali só pra obedecer e nada mais, não se pode esperar que os filhos não se revoltem e saiam por aí fazendo o que não deve. Se não quisessem expor os filhos a outra cultura e a outros modos de vida por não aceitarem aquilo, que tivessem ficado no país deles em vez de irem viver o "sonho americano" enquanto causam pesadelos na vida dos filhos com uma tradição que nos EUA (e em vários lugares do mundo) é ultrapassada. A sensação que fica é que ele não ganhou amor dos pais o suficiente, somente imposições absurdas, então esse é um dos motivos de ele também não saber muito bem o que ele está sentindo.

Alguns trechos de conversas entre os pais de Frank e os pais de Joy são em coreano, e sem uma nota de rodapé com a tradução daquele monte de símbolos que o próprio Frank tem dificuldades em entender, não faço a menor ideia do que estava sendo dito e ficamos tão perdidos quanto o menino. Por um lado é legal mostrar o idioma deles, mas me senti assistindo um filme legendado, daqueles que quando o personagem não fala inglês, não tem legenda e a gente só imagina que boa coisa aquilo não deve ser.

Por ser livro de estreia do autor, achei a escrita fluída e com toques de bom humor na medida certa. O tema escolhido também é muito pertinente na nossa realidade pelo fato de criticar explicitamente o racismo na sociedade, enquanto aborda a diversidade e a cultura entre países tão diferentes.

Pra quem gosta de romances juvenis, com seus vários dilemas e descobertas sobre quem somos nesse mundão, e ainda aprendermos um pouco mais sobre uma cultura diferente e sobre os males do preconceito, é leitura super recomendada.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário