17 de junho de 2017

O Segredo do Diamante - Caleb Krisp

Título: O Segredo do Diamante - Ivy Pocket #1
Autor: Caleb Krisp
Ilustrações: Bárbara Cantini
Editora: Jovens Leitores/Rocco
Gênero: Infantojuvenil/Fantasia
Ano: 2017
Páginas: 336
Nota:
Sinopse: Em sua primeira aventura, Ivy se vê abandonada em Paris, sem nenhum centavo e completamente perdida. Quando uma duquesa a incumbe de entregar um colar incrível (e possivelmente amaldiçoado) a uma menina chamada Matilda, em seu aniversário de 12 anos, Ivy enxerga a chance de retornar a Londres e embarca num navio para cumprir a missão. A partir daí, a intrépida protagonista conhece uma série de personagens improváveis e se envolve em muitas confusões e mistérios, incluindo um ataque de estranhas criaturas nanicas que usam vestes de monges. Será que Ivy conseguirá entregar o colar a Matilda e, principalmente, chegar sã e salva à última página?

Resenha: Ivy Pocket é uma garotinha de doze anos, órfã e que trabalhava como criada para os Midwinters, uma família inglesa tradicional e encantadoramente excêntrica. Quando a família recebeu a Condessa Carbunkle por um mês em Midwinter Hall, Ivy viu nela uma oportunidade de viajar e conhecer o mundo, e assim, um mês depois de muita "insistência" por parte da condessa, partiu rumo a Paris junto com ela como sua nova criada.
O problema é que Ivy, sem ter a menor noção do que faz, é o próprio desastre em pessoa e causa todo tipo de confusão por onde passa, o que leva Lady Carbunkle a abandoná-la sozinha e ir embora as pressas para a América do Sul, onde nunca mais poderia ser encontrada, deixando apenas um bilhete de despedida e uma mísera libra como pagamento pelos "serviços" da menina, além de mandá-la para o diabo que a carregue. Sozinha e por contra própria, Ivy fica desamparada e perdida, até que tem a chance de voltar para Londres ao aceitar uma missão: Como presente de aniversário de doze anos, ela deveria entregar um diamante raro - e provavelmente amaldiçoado, para Matilda. A partir daí, Ivy embarca num navio rumo a uma grande, e desvairada, aventura.

Narrado em primeira pessoa, vamos acompanhando Ivy nessa aventura hilária e muito divertida. A escrita do autor, apesar de repetitiva, é bem peculiar, com floreios e palavras rebuscadas (até demais para uma garotinha de doze anos), usadas de forma proposital para tornar a trama ainda mais engraçada. É o estilo de escrita que se encontra em autores como Lemony Snicket (autor de Desventuras em Série e Só Perguntas Erradas) ou Alan Bradley (autor de As Crônicas de Flavia de Luce).

Ivy faz descrições sobre os acontecimentos que vê, mas não tem maldade o suficiente para perceber o significado, como uma cena logo no começo da história onde ela fala que encontrou Lady Carbunkle agachada atrás de um baú com um lençol na cabeça. Claramente a velhota está tentando escapar da vista da menina se escondendo de forma desesperada, assim como tantas outras pessoas tentam evitá-la a qualquer custo, mas para Ivy se trata de um "comportamento aristocrático" que define a condessa como doida de pedra. Tais situações talvez carecterizem Ivy como sendo uma garotinha com traços de caráter ridículos e é muito engraçado acompanhá-la com sua mania de grandeza, a forma como ela distribui insultos gratuitos de forma casual, as atitudes questionáveis e insensíveis que ela tem sem sequer perceber o impacto que causa nos outros, e sua total falta de noção para a vida é o que a torna tão especial, adorável e engraçada.

O projeto gráfico do livro é um amor. A capa é uma graça com esse estilo gótico suave e com toques vintage, ilustrando bem o que se pode encontrar na história de Ivy. A diagramação é muito caprichada, com ilustrações em preto e branco que se remetem ao conteúdo do capítulo e que combinam com os traços da capa.

Por ser um livro voltado a um público mais jovem, na faixa dos doze anos em média, não espere encontrar grandes mensagens ou lições valiosas para a vida, apesar de haver uma jornada de autoconhecimento bonitinha, mas tratada de forma bem despretensiosa. O propósito do livro é nos divertir e nos arrancar risadas com as trapalhadas de Ivy, e sim, ele cumpre o que promete e até me surpreendeu.

Pra quem procura por uma leitura para distração ou entrenenimento passageiro, é livro mais do que recomendado. Trocadilhos a parte, quero uma Ivy pra levar no bolso, e a continuação da história, por favor!

Nenhum comentário

Postar um comentário