20 de junho de 2017

Reviravolta - Kimberly Mascarenhas

Título: Reviravolta - Soul Rebel #1
Autora: Kimberly Mascarenhas
Editora: Leya
Gênero: New Adult/Literatura Nacional
Ano: 2016
Páginas: 400
Nota:
Sinopse: Cassidy é uma jovem tímida, mas muito forte e decidida. A certa altura, depois de alguns acontecimentos inesperados em sua vida, Caissy conhecerá Mason, um cara lindo e sexy, mas com fama de perigoso. E uma atração inevitável entre eles vira o combustível de uma paixão conturbada. Cheia de dúvidas e conflitos internos, ela decide se entregar à paixão e correr todos os riscos, sem saber que se relacionar com ele talvez signifique colocar a própria vida em jogo.

Resenha: Cassidy é uma garota de dezessete anos de idade que vive num internato católico em Atlanta desde os nove anos de idade. Depois que sua mãe foi internada num hospital psiquiátrico, seu pai não soube como lidar com a situação, achou melhor deixar a filha aos cuidados das freiras, e sumiu.
Caissy é a aluna mais antiga do internato, e ela e sua melhor amiga Claire sempre dão um jeito de fugirem no meio da noite pra curtir a balada e depois voltando como se nada tivesse acontecido. Numa dessas escapadas, Caissy se desentende com um cara, e Claire a avisa que ele não iria deixar barato, mas, sem dar muita bola, elas voltam pro colégio como se nunca tivessem saído. O que Cassidy não esperava era receber a notícia de que sua mãe havia falecido e que ela seria levada para a casa de Deborah Becker, uma amiga de infância de sua mãe que ela nunca conhecera. E como se essa avalanche de informações não fosse muita coisa pra digerir em poucos minutos, ao chegar na mansão de sua nova tutora, Caissy se depara com Mason, um gatíssimo com seus vinte e cinco anos de idade, o filho único de Deborah, mas ninguém menos do que o cara da boate com quem ela se desentendeu. Obviamente ele se irrita muito ao vê-la em sua casa, e mais desentendimentos ocorrem, e a única ideia de Caissy é ir embora dalí o mais rápido possível. Mas, a desgraça ainda era pouca, e, ao perambular pelas ruas, ela acaba sendo atacada por um maníaco quando, de repente, Mason surge para salvá-la. A partir daí, mesmo trocando farpas, os dois começam a se aproximar. Mason se mostra alguém desdenhoso e ignorante, mas o mistério que cerca o rapaz e o que ele faz da vida acabam atraindo a atenção de Caissy, e os dois logo começam a se envolver muito intensamente...
Caissy entra num dilema mas acaba se entregando a essa paixão perigosa, mesmo que isso signifique colocar sua própria vida em risco.

Narrada em primeira pessoa pelo ponto de vista da protagonista na primeira parte, e alternando os pontos de vista entre Caissy e Mason na segunda, a história se desenrola de forma incongruente e questionável, o que foi um problema pra mim, e problema nesse livro é o que não falta. Não consegui me envolver, acreditar e nem me conectar com a história pois, a cada capítulo passado, lá estava eu me perguntando como aquela situação poderia ser real ou fazer algum sentido, e qual a necessidade de tanto drama.

Cassidy é uma personagem que deixa a desejar em todos os pontos de sua construção. Não deve ser fácil uma criança crescer longe da família, carregando um sentimento não só de abandono, como também de rejeição, mas tomar atitudes absurdas e fazer escolhas estúpidas e que não condizem com a realidade são reflexo disso? Penso que uma pessoa sozinha desde pequena e jogada nas mãos das freiras (pelo menos até a maioridade) carrega marcas profundas, e vai evitar se envolver com alguém por medo de ser abandonada de novo em vez de sair por aí curtindo a night escondido, enganando as freiras, vivendo com intensidade como se cada dia fosse o último e ainda se envolvendo com bandidos... A construção dela não faz sentido, seu passado não bate com a pessoa que ela se tornou, logo não justifica sequer existir. O drama sobre ela não é aquela coisa triste que a gente se comove, se emociona e chora litros, mas um drama excessivo e desnecessário que só irrita e prolonga uma situação em vez de ir direto ao ponto. E sua própria situação já é pra lá de estranha, pois como diabos Deborah veio correndo pro internato com praticamente a guarda da garota nas mãos na mesma hora da morte da mãe? A menina acabou de voltar escondida da rua e lá estava a madre lhe dando a trágica notícia. Como se isso já não fosse absurdo o bastante, não seria necessário intervenções do serviço social, a burocracia com a papelada, ou até a presença do próprio pai dela, nem que fosse pra confirmar sua posição de ter abandonado a filha? O homem sequer é mencionado depois, então que diferença fez? Como uma pessoa que ela nunca viu na vida, nem mesmo na sua infância antes da mãe ser internada, aparece do nada e a tira do meio dos estudos e ela simplesmente vai? Deborah era a melhor amiga da mãe de Caissy, e mesmo que haja uma explicação (de uma mísera frase) para o afastamento entre as duas, não foi convincente para justificar que uma completa estranha sairia levando a menina embora. E sem contar que a mãe morreu e a menina sequer se importou em ser impedida de se despedir indo no enterro da falecida. Então pra que tanto drama e desespero por uma morte que ela parece não ter sequer sentido?

Logo nas primeiras páginas, quando Caissy se desentende com o cara da boate, Claire já menciona que o nome dele é Drew Becker. E quando Deborah Becker adentra o internato, já não fica na cara que ela tem alguma ligação com o sujeito por terem o mesmo sobrenome? Tudo bem que Caissy, devastada pela notícia que recebeu, poderia não se atentar a isso, o que seria perfeitamente compreensível, mas eu, como leitora esperando ser surpreendida, logo já pensei "Não faz nem um minuto que li esse sobrenome, o que essa Deborah é do tal Drew? Agora a mulher vai levar a menina pra casa e aposto que a Caissy vai topar com o sujeito lá". E foi dito e feito. E se o início do livro já foi assim, minhas expectativas com o restante caíram num abismo e minhas suspeitas de que a coisa só iria piorar acabaram se confirmando.

Penso que qualquer situação inicial - e bem pensada pra se tornar convincente - poderia ter sido criada até que o casal se conhecesse e passasse a conviver juntos, então não entendi os motivos reais para que elementos como internato, morte da mãe, abandono do pai e etc sejam essenciais. Em obras New Adult geralmente há a questão do trauma e suas consequências, o bad boy grosseirão e intimidador, os personagens quebrados por alguma coisa horrorosa do passado e tudo mais, mas aqui foi tudo construído de forma lamentável.
A cena em que Caissy acorda no hospital logo depois de Mason salvá-la das garras do maníaco chega a ser até engraçada, pois quando e onde nesse mundo uma mulher, após uma tentativa de estupro, recebe a visita de um policial preocupado, querendo informações sobre o criminoso e detalhes sobre o episódio do ataque que ocorreu há poucos minutos? Se a situação fosse a vítima indo até a delegacia pra dar queixa enquanto estivesse sendo culpada por estar andando sozinha na rua eu teria acreditado muito mais.

E o que mais me impressionou foi que tudo o que se passou na história aconteceu em praticamente três míseros dias. Juro que demorei mais tempo pra me recompor depois de finalizar a leitura, e criar coragem pra escrever essa resenha. A mãe morre, Caissy larga os estudos e se muda, é atacada na rua e se envolve com Mason da forma mais íntima e louca possível - em menos três dias. Três. Dias.
Mas alí, pra Caissy, as coisas estavam fluindo maravilhosamente bem, como se fosse um dia comum.
Os diálogos são ruins e com comentários desnecessários, e isso só colaborou para que eu me envolvesse ainda menos com os personagens e pensasse o quão forçado tudo estava sendo. Nem os membros do grupo de Mason/Drew, que acabam sendo um tipo de alívio cômico, salvaram as conversas com o humor deles.

Mason é um babaca. Sua personalidade é instável, ele só faz o que lhe é conveniente, é frio, grosseiro e quanto mais eu lia sobre o relacionamento dele com Caissy, mais incomodada eu ficava porque ele trata a menina feito lixo. Não gostei da diferença de idade de oito anos que eles têm. Mason não poderia ser muito novo devido a sua "profissão", mas vinte e cinco anos também é pouco pra ele estar no nível em que está. E sendo quem é, se envolver com alguém de míseros dezessete foi ridículo, porque a todo momento eu pensava que ele estava se aproveitando da ingenuidade da menina deslumbrada e curiosa por ele que, "por amor", cedia aos caprichos do bonito e se deixou envolver onde não devia. E eu prefiro nem falar sobre o retorno da ex psicótica que só apareceu pra causar e deixar a história mais clichê e dramalhona ainda, tipo novela mexicana level hard.

Reviravolta é o primeiro volume da trilogia Soul Rebel. Parece que antes de virar livro se tratava de uma fanfic. Sinceramente, não é um livro que eu tenha gostado a ponto de indicar e penso que é o tipo de leitura que é oito ou oitenta: Ou você ama ou odeia e eu, infelizmente, fiquei com a segunda opção.

Nenhum comentário

Postar um comentário