2 de fevereiro de 2018

Meia Guerra - Joe Abercrombie

Título: Meia Guerra - Mar Despedaçado #3
Autor: Joe Abercrombie
Editora: Arqueiro
Gênero: Fantasia
Ano: 2018
Páginas: 368
Nota:
Sinopse: Apenas meia guerra é travada com espadas.
A outra metade é travada com palavras.
A princesa Skara vê todos os que ama morrerem na sua frente e o seu palácio ser consumido pelas chamas. Tudo o que lhe resta são palavras... Mas palavras podem ser tão letais quanto armas. Disposta a se vingar, ela enfrenta seus medos e aguça a inteligência, indo atrás de pai Yarvi.
O ministro de Gettland já percorreu um longo caminho desde a escravidão, fazendo aliados entre antigos rivais e estabelecendo uma paz instável. Porém, agora, a cruel avó Wexen arregimenta o maior exército desde que os elfos guerrearam contra a Divindade Única e põe Yilling, o Brilhante, como seu comandante – um homem que venera apenas a Morte.
Skara pode ser a peça que faltava para forjar de vez a aliança entre Gettland e Vansterland, alicerçada na fortaleza de seus antepassados, pronta a enfrentar a fúria do Rei Supremo. Nessa guerra, ela contará com o apoio de uma ministra inexperiente, mas leal, e de um matador imprudente que espera superar fantasmas de antigos conflitos sangrentos.

Resenha: Nos livros anteriores, Meio Rei e Meio Mundo, acompanhamos a jornada dos dois personagens principais da trama: Yarvi era um jovem que além de sofrer preconceito por possuir uma deficiência física, o que o fazia ser considerado como um "meio homem", ainda perdeu o direito de ocupar seu lugar ao trono após um golpe. Yarvi embarcou numa grande saga até se deparar com a jovem Thorn, uma garota com espírito livre e destemida que não se submetia aos caprichos de homem nenhum. Quando a inteligência de Yarvi complementa a força e a coragem de Thorn, a busca pela justiça tem início, mesmo num mundo onde as guerras predominam.

Neste volume, conhecemos Skara, uma jovem princesa que vê sua família ser assassinada e seu palácio ser consumido pelo fogo a mando do Rei Supremo. Desprovida de armas, Skara, muito inteligente e astuta, só tem suas palavras como recurso, e ela acaba conseguindo fugir e ir de encontro a pai Yarvi, que também havia sido prejudicado pelas mesmas pessoas que destruíram sua vida. Ao se tornar sua aliada, ela planeja reconstruir seu reino e vingar a morte de sua família.

Seguindo o estilo dos livros anteriores, a narrativa é feita em terceira pessoa, continua bastante fluída e com ação e drama necessários para manter o leitor preso à leitura. Os personagens são fortes, enfrentam situações que os levam ao extremo, e o autor ainda não poupa esforços ao inserir grandes toques de feminismo e sua importância pela visão das personagens femininas em meio à trama.
Porém, por mais que o livro funcione de forma individual, no contexto geral e levando os livros anteriores em consideração, ele não foi tão satisfatório quanto eu gostaria e acabou não superando minhas expectativas. A sensação é de que o autor não foi capaz de equilibrar tudo que ele trouxe à tona anteriormente com o que foi apresentado neste volume, e não digo isso só por causa dos personagens, mas também por algumas cenas, principalmente as de morte, que deveriam ser momentos épicos mas são fraquíssimas, sem muitos detalhes, outras totalmente inexplicáveis, e quebram a empolgação de qualquer leitor.

Apesar destes pequenos detalhes, eu gostei da forma como a ideia da política foi conduzida, pois quando se está sob domínio de um rei tirano e sua ministra implacável que só oprimem o povo, as coisas tendem a seguir pelo caminho da revolução pois ninguém consegue tolerar tantas injustiças assim. Cabe aos protagonistas de cada volume, Yarvi, Thorn e Skara, se unirem, porém aprendendo a lidar uns com os outros, para darem um fim nessa era de terror.

Yarvi teve um arco bastante complexo e tudo o que passou ajudou na construção de sua personalidade e no homem que ele se tornou, porém o autor decidiu desconstruí-lo e transformá-lo em alguém bastante diferente do esperado, e confesso não ter ficado satisfeita ao me deparar com um Yarvi mau caráter, vingativo e odioso que usa e abusa da manipulação da forma mais inescrupulosa que se possa imaginar para conseguir o que quer. E eu não encontrei quaisquer explicações que justificassem essa mudança de forma convincente.
Thorn, que fora uma personagem incrível no segundo livro, acabou não sendo mais do que um artifício utilizado para provocar mortes nos momentos mais convenientes da história, fora isso não tem arco e nem maiores utilidades, o que foi uma pena visto que ela era a personagem que eu mais gostava.
Skara demora a despertar algum sentimento no leitor. Ela é morna e sem muitos atrativos e só começa a mostrar sua importância no fim, mas não nego que achei bastante interessante e diferente a ideia de que ela usa as palavras como arma, e quando Skara é forçada a empunhá-las para se vingar de seu avô e de seu povo é impossível não se empolgar.

Enfim, não digo que a trilogia seja ruim ou dispensável, muito pelo contrário. A história tem uma trama política bastante complexa, diálogos inteligentes, é cheia de ação e fantasia, e pra quem gosta de batalhas sangrentas e brutais, assim como vilões marcantes e sombrios com certeza vai curtir. A ideia de que é possível ser corrompido quando há poder em jogo é super interessante, assim como nem sempre justiça ou vingança são feitas da forma como deveriam, principalmente quando esses conceitos são confundidos, porém o desenvolvimento e o desfecho dado pelo autor, tanto para os personagens quanto para a questão da guerra, apesar de previsível, passaram longe do final épico que eu imaginava quando iniciei a trilogia.

0 Comentários pelo Blogger
Comentários pelo Facebook

Nenhum comentário

Postar um comentário