3 de dezembro de 2015

Desaparecidas - Lauren Oliver

Título: Desaparecidas
Autora: Lauren Oliver
Editora: Verus
Gênero: YA/Thriller/Suspense
Ano: 2015
Páginas: 304
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: As irmãs Dara e Nick eram inseparáveis, mas isso foi antes - antes de Dara beijar Parker, antes de Nick perdê-lo como melhor amigo, antes do acidente que deixou cicatrizes no belo rosto de Dara. Agora as duas, que eram tão próximas, não estão mais se falando. Em um instante Nick perdeu tudo, e está determinada a usar o verão para conseguir sua vida de volta.
Só que Dara tem outros planos. Quando ela desaparece, no dia de seu aniversário, Nick acha que a irmã está se divertindo por aí. Mas outra garota também sumiu - Madeline Snow, de nove anos - e, conforme Nick procura pela irmã, fica cada vez mais convencida de que os dois desaparecimentos podem estar conectados.
Neste livro tenso e cativante, Lauren Oliver cria um mundo de intrigas, perdas e suspeitas, enquanto duas irmãs buscam encontrar uma à outra - e a si mesmas.

Resenha: Desaparecidas conta a história das irmãs Dara e Nick. As duas eram inseparáveis até Dara beijar Parker, o melhor amigo de Nick. A amizade dos dois se abala e tudo começa a se complicar ainda mais quando Dara sofre um acidente e elas deixam de se falar... Um ano depois Nick quer que as coisas voltem ao normal mas a partir daí, tudo se torna um enorme mistério já que Dara desaparece em seu aniversário. A príncípio Nick acha que Dara só está em seus momentos de rebeldia, fazendo o que quer, como sempre fez, mas quando Madeline, uma garotinha de nove anos, também é dada como desaparecida, Nick começa a se convencer de que, talvez, os sumiços possuem alguma conexão.

O único livro de Lauren Oliver que eu havia lido antes de Desaparecidas foi Delírio (lançado pela Intrínseca) e lembro de ter achado a história satisfatória. E comparando esses dois, já que não li os outros, é possível perceber o quanto a mudança de estilo pode impactar na nossa opinião. A autora desenvolve personagens que não são perfeitos, daqueles com quem podemos nos identificar, e a caracterização de cada um acaba fazendo com que o leitor tenha empatia por todos eles. A escrita é bem poética e floreada e sair de um romance distópico para um thriller cheio de suspense demonstra o quanto a autora não tem medo de se arriscar em novos territórios. Mas confesso que em alguns pontos achei que foram usadas algumas técnicas na narrativa que me pareceram um pouco forçadas e até mesmo exageradas. Não que isso seja de todo negativo, pois consegui repassar e visualizar as cenas com perfeição, e acho que essa facilidade indica que, independente do desenrolar da trama, o livro vai causar algum tipo de impacto no leitor.

A narrativa é feita em primeira pessoa e alterna entre os pontos de vistas de Nick e Dara, ora passado e ora presente, e enquanto a premissa gira em torno das duas irmãs que se afastam devido a inveja e rancor, o que parece ser algo bem genérico, é perceptível que, desde o início, a trama reserva algo além com a ideia do desaparecimento de Dara e Madeline, e não poderia ser diferente já que se trata de um thriller psicológico que, embora clichê, prende o leitor e o mantém curioso mesmo depois da grande revelação para que o mistério, enfim, possa ser desvendado e as coisas se encaixem.

As irmãs são o oposto uma da outra. Enquanto Dara era descolada e rebelde, bebia e fumava, se envolvia com o que não devia arrumando confusões e afins, Nick era a certinha que, por amor a irmã, vivia acobertando e encobrindo as coisas erradas de Dara. Uma gostaria de ser como a outra, mas nenhuma delas sabia do que se passava no íntimo de cada uma.

Um ponto bacana é que através dos diários, a história vai ganhando profundidade por podemos ver os sentimentos oprimidos além de termos uma ideia melhor de como era a relação tensa das irmãs, já que elas deixaram pra trás uma infância inocente para dar lugar às questões adolescentes que, na maioria das vezes, são bem frustrantes e difíceis.

O final é daqueles que faz com que o leitor fique em choque, que causa indignação, confusão e até raiva, principalmente quando se espera uma coisa mas a autora faz uma reviravolta e apresenta um outro tipo de situação. Ainda não decidi se gostei do final, mas posso afirmar que ele mudou bastante a forma como havia encarado o livroa té então.
O título fica aberto a interpretações e não poderia ser mais adequado.
A capa é muito bonita e até as rachaduras que ela possui como detalhe tiveram um significado pra mim.
A diagramação é simples, os capítulos são apresentados com data e o nome da personagem cujo ponto de vista será dado.

Desaparecidas é uma história de arrependimento e perdão numa situação caótica o bastante para que uma vida seja virada de cabeça pra baixo. A autora construiu uma trama inteligente que aborda a linha tênue entre dor e esperança de maneira bastante satisfatória. Recomendo.

2 comentários

  1. Pera, é um livro de um volume só? Ainda bem! Li a trilogia Delírio da autora e gostei bastante, apesar do desfecho não ter me agradado tanto (tem resenha no blog). De qualquer forma, me interessei por esse aí. Porém, concordo com você na questão das técnicas de escrita e descrição dela. Por vezes, fica meio forçado.

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nunca li nenhum livro da autora, mas achei interessante a abordagem do livro, afinal, todo mundo que tem irmãos sabe como as vezes é difícil a relação. Gostei da capa também. Parece ser uma boa história!
    Abraços

    http://lovelyplacee.blogspot.com/

    ResponderExcluir