11 de dezembro de 2015

Mil Pedaços de Você - Claudia Gray

Título: Mil Pedaços de Você - Firebird #1
Autora: Claudia Gray
Editora: Agir Now
Gênero: Romance/YA/Sci-Fi
Ano: 2015
Páginas: 288
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Os pais de Marguerite Caine são físicos conhecidos por suas conquistas científicas radicais. A invenção mais surpreendente deles é o Firebird, que permite que seus usuários pulem para universos paralelos, alguns completamente diferentes do nosso. Mas quando o pai de Marguerite é assassinado, o assassino, – Paul, o enigmático e belo assistente – escapa para outra dimensão antes que possa ser julgado.
Marguerite não pode deixar que o homem que destruiu sua família fica livre, então ela corre atrás de Paul através de diferentes universos, nos quais suas vidas se entrelaçam de formas familiares. A cada encontro ela começa a questionar a culpa de Paul – e seu próprio coração. Logo ela irá descobrir que a verdade sobre a morte de seu pai é mais sinistra do que ela pode imaginar.
"Mil pedaços de você" explora uma realidade onde testemunhamos as incontáveis outras vidas que podemos levar em um universo incrivelmente intrincado e nos perguntar se no meio de infinitas possibilidades o amor pode durar.

Resenha: Mil Pedaços de Você, escrito pela autora americana Claudia Gray (pseudônimo de Amy Vincent) e publicado no Brasil pela Agir Now conta a história de Marguerite Caine, ou Meg, uma garota de dezesseis anos filha de dois geniais e renomados físicos de Londres. Ao inventarem o Firebird, um dispositivo que possibilita viagens entre dimensões, eles concretizam a teoria de que existem universos paralelos e outras dimensões com várias realidades diferentes daquelas que todos conhecem. Mas o inesperado acontece... O Firebird é roubado e o pai de Meg, Henry, é assassinado. Paul Markov, um dos brilhantes assistentes de seu pai, é o principal suspeito do assassinato, mas, antes que possa ser julgado, ele consegue escapar para outra dimensão usando o dispositivo.
Marguerite quer vingança e com ajuda de Theo, o segundo assistente de seu pai, ela usa o protótipo do Firebird para ir atrás de Paul com intenção de matá-lo.
Porém, as coisas não saem como planejado. Meg acaba encontrando versões de si mesma a cada mundo que vai, assim como versões diferentes de Paul, o que a faz pensar que ele jamais poderia ter culpa no assassinato de alguém que o apoiou e o incentivou com tanta convicção como Henry fez. A verdade sobre a morte de seu pai pode ter mais segredos do que Meg imaginou...

O livro é narrado em primeira pessoa sob o ponto de vista de Marguerite e embora a escrita seja fácil e fluída, tive algumas ressalvas devido ao desenvolvimento da trama e pela própria protagonista. Meg não é nenhum gênio como seus pais, logo o leitor fica limitado à percepção e aos conhecimentos dela nas situações em que se encontra e acredito que isso tenha sido um ponto nada favorável à história, deixando alguns buracos e a impressão de que a ignorância da garota seja a responsável pelo pouco aprofundamento e pela falta de explicações sobre o funcionamento da Firebird. Eu particularmente gosto de saber o motivo das coisas pois são os detalhes que fazem a diferença, principalmente num livro que aborda viagens entre dimensões e universos paralelos e as coisas deveriam ter explicações plausíveis a fim de que a história se torne crível.
Através das viagens que Meg faz, a história passa por uma Londres cuja tecnologia está bastante avançada, até a Rússia onde a monarquia ainda imperava, mas ainda que esses mundos soem interessantes, e de fato a Rússia é, eles foram pouco trabalhados e o foco fica no relacionamento complicado entre os personagens.
Ao longo da história é possível nos depararmos com clichês, entre eles o famoso triângulo amoroso que não costuma me agradar, fora a previsibilidade da história. Fiquei com a sensação desde o início de que eu já sabia exatamente o que iria acontecer, só restava saber como.

Eu fiquei super incomodada com o nome da protagonista pois a única coisa que me vinha à cabeça era a bebida "margarita", então preferi ignorar seu nome ridículo e chamá-la apenas de Meg.
Meg faz o estilo "garota decidida", principalmente quando começa focada em matar o assassino do pai. Ela usa seu conhecimento sobre cultura pop para suas tiradas em diálogos mornos, mas as burradas que ela faz me fizeram revirar os olhos de preguiça. Achei que o desenvolvimento dela foi bastante fraco pois desde o começo já sabemos que a ideia dela nunca seria executada já que a premissa se torna previsível e se perde quando o romance exagerado, enrolado e sem profundidade toma conta da história no meio do caminho.
Eu senti falta de personagens que realmente fizessem alguma diferença na história. Muitos que apareceram foram irrelevantes, como a irmã e a tia de Meg e, pelo menos neste primeiro volume, não tiveram nada a acrescentar. Os pais foram pouco trabalhados e serviram apenas como inventores do Firebird, tanto que a mãe de Meg mal aparece. Os que tiveram um papel maior poderiam ter aparecido mais, como o vilão que acabou sendo bem apático, se não tivessem sido ofuscados pelo romance entre o triângulo amoroso.

A capa é maravilhosa e consegue retratar a ambientação da história sem revelar o enredo, os detalhes em aquarela deram um charme a mais que deixaram o visual bem agradável. A diagramação também é super bacana pois a cada início de capítulo há a ilustração no topo da página sobre o local em que os acontecimentos estão se desenrolando. As páginas são amarelas e não percebi erros na revisão.

Mil Pedaços de Você é o tipo de história que poderia agradar mais se a ideia fosse melhor executada no que diz respeito a detalhes e explicações. O final traz uma reviravolta interessante e que deixa o leitor ansioso pelo que há por vir. Acredito até que outras dimensões além das quatro que aparecem aqui serão abordadas e, quem sabe, talvez, a falta de explicações seja algo proposital pelo livro ser introdutório, como se Meg fosse descobrir mais coisas futuramente e as explicações venham de outra maneira para que o leitor não fique apenas com a ideia de que "as coisas acontecem porque sim e pronto". Tem que ter algo além...


Nenhum comentário

Postar um comentário