8 de dezembro de 2015

Eu Fico Loko - Christian Figueiredo de Caldas

Título: Eu Fico Loko: As desaventuras de um adolescente nada convencional #1
Autor: Christian Figueiredo de Caldas
Editora: Novas Páginas/Novo Conceito
Gênero: Juvenil/Nacional
Ano: 2015
Páginas: 160
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Ele só precisou de uma câmera, muita criatividade e um pouco de coragem para criar um dos vlogs mais acessados do YouTube. O EU FICO LOKO é recordista absoluto de views e inscrições, com mais de 1 milhão e 500 mil assinantes.
Para os entendedores, o Christian hoje é um vlogger e um youtuber dos mais bombados. Mas na verdade ele é apenas um cara que gosta de escrever e que transformou o papel em vídeo.
Todos os dias, milhões de jovens procuram pelo Christian em suas redes sociais para saber o que ele está pensando. O porquê desse sucesso fora do normal você vai descobrir neste livro.

Resenha: Christian Figueiredo é dono do canal Eu Fico Loko, que já existe há cinco anos, beira os 4 milhões de seguidores e não pára de crescer. Os temas e as brincadeiras que ele aborda no canal são voltados ao público adolescente pois trata de questões que envolvem e chamam atenção exatamente dessa faixa etária.
Pegar carona no sucesso de um youtuber que fica famoso e conquista milhões de fãs também parece ser um bom investimento no mundo literário, afinal, quanto mais material do ídolo em questão o fã puder colecionar, independente do que seja, melhor.

Ele expõe com sinceridade (mas, às vezes, de maneira forçada) alguns fatos que viveu e o que pensa sobre determinados assuntos, fala um pouco da época quando queria aparecer na televisão, quando era zoado na escola por ser muito magro e o quanto isso interferiu em sua autoestima, a preocupação em não se passar por "bv" por ainda não ter tido um primeiro beijo, a ansiedade envolvendo a primeira vez (sexualmente falando), o primeiro porre (vergonhoso) e por aí vai...
Em vários pontos ele fala e dá conselhos sobre seguir os próprios sonhos, sobre ser quem você é, sobre não se deixar levar pela ideia fraca dos outros para ser aceito ou parecer descolado, e até sobre ter cuidado com o que é dito a alguém devido as consequências que isso pode ter um dia, e acredito, sim, que esse tipo de mensagem é legal, principalmente quando se usa uma narrativa animada para dar tais toques. Apesar de ter achado tudo extremamente desinsteressante, acho válido quando esses aspectos naturais e que fazem parte da vida maluca de qualquer adolescente são abordados já que servem de exemplo, mas deve-se ter atenção sobre a forma de transmitir tais experiências, principalmente quando elas são contraditórias ou brincam com o que não é motivo de piada.

"Os homens beijam por beijar. As garotas beijam por atração, momento, sentimento, química, física, biologia e gramática. Meu Deus! A cabeça das garotas não poderia ser que nem a dos homens? Vai lá, beija e faz o garoto feliz."
- Pág. 19 (e-book)
" Eu simplesmente odeio pessoas que brincam com coisas sérias. Apesar de gostar muito de fazer piadas com os outros, quando fazem comigo fico bravo."
- Pág. 82 (e-book)

Pra mim foi completamente inaceitável uma pessoa, que pode ser considerada formadora de opinião e ter influência nesse meio juvenil, falar abertamente em seu livro que é normal que os caras tenham vontade ou planejem embebedar uma garota a fim de "facilitar o acesso", mesmo que depois ele diga que "isso é babaca e idiota". Talvez a intenção tenha sido compartilhar a ideia de que um adolescente pensa e faz uma besteira pior que a outra nessa fase, mas no fundo sabemos que tal pensamento faz parte da concepção masculina, independente da idade. Então, por mais que ele realmente tenha passado a considerar uma atitude desse nível horrenda, não terá como escapar de ter "imortalizado" tal ideia de merda em seu primeiro livro. Um livro que vendeu centenas de milhares de cópias e que, querendo ou não, pode transmitir a ideia de que tal absurdo é normal, disseminando a maldita cultura do estupro em pleno ano de 2015, pra milhares ou até milhões de jovens... É pra morrer de desgosto...


Pra ser sincera, esse tipo de abordagem me deixa um pouco assustada e me preocupa. Entendo que durante a adolescência é normal que a pessoa tenha ideias mirabolantes e queira ter experiências novas, queira chamar atenção, queira ser popular, ser aceita e tudo mais, mas embora muitos por aí possam sentir que não são os únicos a terem tais pensamentos e consigam se identificar perfeitamente com Christian e sua adolescência bizarra, a forma com que ele expõe a opinião, usando e abusando de palavrões, compartilhando opiniões sobre pegação, sexo ou bebidas para depois trazer reflexões e dar conselhos do que fazer e o que não fazer, foi completamente fail. Esses detalhes, pelo menos pra mim, foram negativos demais e acabaram se sobrepondo ao pouco que poderia considerar bom no livro mas que não foram suficientes pra sequer me fazer cogitar a ideia de gostar.
Eu só acho que o método que ele usa para expor pensamentos que acabam influenciando adolescentes, alguns até de míseros 12 ou 13 anos, não seja o adequado, sorry. Fiquei me questionando por que motivo uma adolescente de 13 anos teria interesse e gostaria de ler sobre um dia de bebedeira brava num sítio, ou assistir a um video sobre ele ter brochado ou ter sido enganado por um "traveco". Quando eu tinha 12 anos minha preocupação era não perder um episódio de Chiquititas na televisão, Lord!

Um ponto que devo ressaltar é que pelo livro ter ligação com o canal dele no youtube, poderia haver mais interatividade nesse aspecto. Em todo o livro há somente um único link para conferir um vídeo mencionado por Christian.
O livro tem uma diagramação legal, cheia de fotos, desenhos e fontes diferentes que dão um ar descolado ao livro. A versão impressa é em preto e branco. A versão digital tem o diferencial de ser colorida, com exceção das fotos.

Enfim.. é um livro sobre questões adolescentes, para adolescentes. Não acho que se encaixe totalmente no gênero biográfico pois Christian conta alguns poucos fatos aleatórios que viveu e que só servem pra mostrar que ele foi um adolescente como qualquer outro e que teve experiências "lokas" como qualquer um. Não espere por nada que aborde uma vida inteira, até mesmo porque pessoas de vinte e poucos anos ainda tem muito o que viver e conquistar até chegar ao ponto de terem o que contar e que possa ser considerado realmente relevante pra se tornar uma biografia, além de serem, no mínimo, notáveis e terem sido responsáveis por um grande feito, e não é esse o caso.
Quem tem até uns 16 anos e se identifica com ele vai gostar, e quem não vê problemas e nem se atenta aos detalhes dos casos contados, tanto os fúteis quanto os preocupantes, também...



2 comentários

  1. Confesso que não senti vontade alguma de comprar o livro dele assim como o da Kefera, não é que eu não goste deles, mas simplesmente não é o tipo de leitura que me agrada, e agora lendo sua resenha percebi que estou certa.
    Achei extremamente desnecessário o fato dele relatar sobre embebedar a menina, coisa triste de se ler, mas enfim.
    Gostei muito da resenha.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Li esse livro faz algum tempo e até que gostei. É uma obra bem adolescente, claro, e por ser jovem acabei me identificando com algumas coisas. Mas é verdade que a linguagem muito coloquial e adolescente irrita um pouco e que o autor deveria, com certeza, tomar mais cuidado com o que fala e como fala, afinal ele influencia sim muitas mentes jovens...

    Beijos!
    Visite o Mademoiselle Loves Books!
    http://www.mademoisellelovesbooks.com

    ResponderExcluir