24 de dezembro de 2015

O Círculo - Dave Eggers

Título: O Círculo
Autor: Dave Eggers
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Ficção/Suspense/Thriller
Ano: 2014
Páginas: 522
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Encenado num futuro próximo indefinido, o engenhoso romance de Dave Eggers conta a história de Mae Holland, uma jovem profissional contratada para trabalhar na empresa de internet mais poderosa do mundo: O Círculo. Sediada num campus idílico na Califórnia, a companhia incorporou todas as empresas de tecnologia que conhecemos, conectando e-mail, mídias sociais, operações bancárias e sistemas de compras de cada usuário em um sistema operacional universal, que cria uma
identidade on-line única e, por consequência, uma nova era de civilidade e transparência.
Mae mal pode acreditar na sorte de fazer parte de um lugar assim. A modernidade do Círculo aparece tanto na sua arquitetura arrojada quanto nos escritórios aprazíveis e convidativos. Os entusiasmados membros da empresa convivem no campus também nas horas vagas, seja em festas e shows que duram a noite toda ou em campeonatos esportivos e brunches glamorosos. A vida fora do trabalho, porém, vai ficando cada vez mais esquecida, à medida que o papel de Mae no Círculo torna-se mais e mais importante. O que começa como a trajetória entusiasmada da ambição e do idealismo de uma mulher logo se transforma em uma eletrizante trama de suspense que levanta questões fundamentais sobre memória, história, privacidade, democracia e os limites do conhecimento humano. 

Resenha: Louca pela temática trazida por este livro, eu embarquei em uma viagem ao mundo das redes sociais e da ausência de privacidade que caminha com elas. A cada página eu ficava ainda mais chocada com a proximidade da realidade de fatos narrados.
Imagine-se trabalhando em uma das maiores corporações de tecnologia social do mundo... Imaginou? Pois bem, Mae, a personagem principal desta obra conseguiu seu tão sonhado espaço na empresa "O Círculo" que comanda todas as redes sociais, sites e os interliga sob o príncípio básico da transparência. Sim, Imagine Google, Facebook, Instagram, Twitter sob um mesmo comando e totalmente interligados, assustador não?!
Mae que tanto sonhou em sair de seu cargo público agora faz o atendimento ao cliente da empresa, com uma meta de 100% de eficiência na resolução das questões trazidas pelos usuários. Essas metas resolvidas através do conhecimento geral de dados particulares dos clientes envolvem e obrigam Mae a cada vez se ver mais e mais envolvida nestes projetos e programas da corporação.
A partir daí inevitável o questionamento da protagonista, enquanto ser humano, das reais intenções e do sigilo das informações alí compartilhadas. O que você faria quando não é mais possível deletar informações? Quando privacidade é confundida com segredo e este significa mentir?
Sem ler você não saberá da profundidade destes questionamentos que me fiz, não entenderá quando um amigo diminuir ou se ausentar das redes sociais, sem ler, você se envolverá, até não conseguir mais sair deste círculo!

Este é um dos livros mais intrigantes e psicologicamente assustadores que já li neste ano. Fui arrebatada pela idéia da quebra de privacidade causada pela internet dos dias atuais e da proximidade com a realidade da exposição das redes sociais de nossa juventude. Ao terminar de ler, sentei no sofá e me peguei contemplando o horizonte pela janela por horas pensando na feiura desta maravilha chamada internet.
Sou apaixonada por livros que me fazem pensar e "aplicar" sua ideologia em minha vida. Este livro me tocou em particular por conta do uso exagerado e desregrado do Facebook, onde a cada dia se adiciona mais e mais ferramentas capazes de tornar público cada ato, cada passo, cada pensamento de seus usuários, sabemos onde estão comendo, o que estão assistindo, ouvindo, fazendo.
Me assustei e recuei quando percebi que estava sendo manipulada a compartilhar momentos privados de meu dia a dia através de um "convite inocente" da rede ("O que você gostaria de escrever agora?" "O que você está fazendo? sentindo? ouvindo? etc"). Decidida e definitivamente me vi desintoxicada dessa necessidade de selfies, compartilhamentos e claro, curtidas, porque sem aprovação geral, para que postar?
O uso das redes é completamente grátis, exigindo-se tão somente interação. Em excesso. sempre. O que assusta é a naturalidade dessa "interação" em excesso. Qualquer icidência é mera coincidência, rs.
Meu único problema com o livro foi a personagem principal que foi, até a metade do livro, extremamente insossa, não me cativando e não me fazendo entender suas motivações, escondendo-se na grandiosidade da empresa que lhe foi apresentada. Fui além do choque cultural, inerente da literatura estrangeira, eu realmente tentei me colocar no lugar dela e percebi que agiria de forma completamente diferente e isso desanima um pouco a leitura.
Mae estava mergulhada em um enredo riquíssimo abordando a conectividade em excesso, o compartilhamento em excesso e a constate "vigilância" que intencionalmente era vendida como transparência pela empresa e permaneceu inerte, é desanimador, se não fosse pelo enredo em si.
Ainda assim, o que me fez gostar do livro foi sua capacidade de retratar algumas situações que vivemos e nos fazer questionar o futuro da privacidade em um mundo que possui tantas redes sociais e em como são reais as pretensões das empresas em liderar através de suas ferramentas interativas e conexas, fazendo com que você use indefinidamente seus produtos.
Eggers não pretende agradar com o final que escolheu para seu livro. Sinceramente, acho que o ser humano não está caminhando para nada diferente deste final. Vale lembrar o alerta trazido pelo autor, ainda que não seja para extirpar a interação social pela internet, que seja para nos fazer pensar sobre seu uso demasiadamente irrestrito.
Curti e super recomendo!

Nenhum comentário

Postar um comentário