27 de janeiro de 2015

A Maldição dos Ancestrais - Matt de la Peña

Lido em: Janeiro de 2015
Título: A Maldição dos Ancestrais - Infinity Ring - Livro 4
Autor: Matt de la Peña
Editora: Seguinte
Gênero: Fantasia/Infantojuvenil
Ano: 2014
Páginas: 208
Nota
Sinopse: Quando Dak, Sera e Riq chegam ao próximo destino em sua jornada para consertar falhas históricas, são recebidos por uma tempestade. Eles estão na península de Yucatán, lar dos antigos maias, na época da chegada dos colonizadores espanhóis - ou pelo menos deveria ser assim. Sera tem certeza de que programou o Anel do Infinito corretamente, mas eles parecem estar séculos adiantados.
Enquanto tentam descobrir o que aconteceu, os três jovens desconfiam que talvez exista um motivo para estarem ali: bem naquele momento os anciãos da aldeia estão escrevendo um códice importantíssimo, que travaria o destino daquele povo para sempre. Na escola, Dak e Sera haviam aprendido que os maias eram uma civilização violenta e cruel, mas talvez a história e a cultura daquela sociedade tenham sido mal interpretadas... 

Resenha: A Maldição dos Ancestrais é o 4º volume da série Infinity Ring que está sendo publicada no Brasil pela Seguinte. A série de 7 livros é escrita por vários autores, e Matt de la Peña é autor deste.
Após repararem várias Fraturas causadas pela SQ e embarcando em aventuras de tirar o fôlego, Dak, Sera e Riq estão de volta. Dessa vez, eles vão pra península de Yucatán, onde estava localizado o Império Maia, e as crianças conhecem os escribas que escreveram um códice que pode alterar todo o futuro da humanidade. E a missão deles, nada tem a ver com a invasão espanhola que acreditaram, mas é salvar o futuro de um terrível Cataclismo protegendo o tal códice de outra tribo.
Mas, o ano que deveriam estar seria 1562, mas parece que eles estão bem mais longe do que isso... Eles então devem descobrir o que aconteceu e que o erro pode ser um sinal de que eles deveriam mesmo estarem alí, principalmente porque os maias não parecem ser aquele povo sanguinário e violento que eles ouviram falar na escola... A missão vai envolver a criação e a destruição da cultura desse povo. Eles não encontram nenhum Guardião da História para ajudá-los, mas conhecem Kisa, uma garota maia corajosa e destemida que acredita neles e passa a ajudá-los a fim de preservar a história e a cultura do Império, mesmo que seja a responsável por mudar o rumo das coisas. Mas Riq se apaixona por ela e considera deixar as crianças... E como toda ação gera uma consequência, algumas escolhas podem acabar afetando o futuro... Sera, além de precisar com as reminiscências, começa a ter visões vivas e aterrorizantes acerca do Cataclismo e o que ele causou no mundo, nas pessoas que ama e no futuro em geral, e mesmo assustada, ela guarda segredo dos amigos para mantê-los tranquilos e em segurança... Será que as crianças vão conseguir reparar a Fratura e corrigir a história? E quando se conhece os envolvidos melhor? Vale a pena fazer algo para evitar o desaparecimento dos maias?

A Maldição dos Ancestrais mostra personagens bem mais maduros, que se preocupam e se importam com quem conhecem pelo caminho. Dak ainda continua com seus momentos descontraídos, mas devido a um acontecimento que mexe com ele, passa a ficar mais na dele e o lado cômico da história fica um pouco de lado... Sera continua dedicada e séria em tudo que faz, mesmo que esteja com receio de suas visões do fim do mundo. E Riq, bastante reflexivo pelos acontecimentos dos quais estão vivenciando, mostra um lado afetivo ainda maior do que no livro anterior. Personagens secundários também tem grande importância na trama, tendo sido bem construídos e cativantes, e mesmo que a história seja um pouco corrida, não deixa de ser muito envolvente.
Seguindo o mesmo padrão dos livros anteriores, é uma história fechada, com início, meio e fim, e bastante independente das demais. O bacana dos livros é que os personagens não são descaracterizados devido a cada um ser escrito por um autor diferente, e a ação se mantém do início ao fim.
A capa ilustra bem a ideia da cultura maia, principalmente pelas cores. A diagramação segue o padrão dos demais livros e não encontrei erros.
É o tipo de livro infanto juvenil que com certeza despertará o interesse por História em crianças, que vão embarcar numa aventura incrível e inesquecível!


Nenhum comentário

Postar um comentário