23 de janeiro de 2015

O Irresistível Café de Cupcakes - Mary Simses

Lido em: Janeiro de 2015
Título: O Irresistível Café de Cupcakes
Autora: Mary Simses
Editora: Paralela
Gênero: Romance
Ano: 2014
Páginas: 288
Nota
Sinopse: Ellen é uma advogada de Manhattan e seu noivo está prestes a se tornar um importante político. Tudo em sua vida parece estar perfeito e no caminho certo. Até que ela decide realizar o último desejo de sua avó e entregar em mãos uma carta. Para isso, ela precisa ir para Beacon, uma charmosa cidadezinha do interior. Entre cupcakes de blueberry e deliciosas rosquinhas, Ellen desvenda os mistérios da vida de sua avó. Aos poucos, ela descobre os simples prazeres da vida e que "perfeito" nem sempre é o que parece.

Resenha: O Irresistivel Café de Cupcakes, publicado no Brasil pela Paralela, é o primeiro romance da americana Mary Simses.
O livro conta a história de Ellen Branford, uma advogada de direito imobiliário bem sucedida que está a poucos meses de se casar. A história começa com Ellen que foi para a cidadezinha de Beacon numa "missão" e se meteu numa situação nada favorável, onde ela sofre um acidente num píer e cai nas águas geladas do mar do Maine. Sendo levada pela corrente, lutando pra chegar a superfície e se debatendo como pode, ela é salva por Roy, um carpinteiro local muito bonitão e macho, mesmo contra sua vontade. Ao voltar pro hotel, Ellen retoma a missão em que sua avó, Ruth, como último pedido antes de morrer, lhe entregou uma carta de amor destinada a Chet Cummings, alguém que Ellen não conhecia mas que deveria encontrar para entregar a tal carta em mãos pois foi um caso de amor mal resolvido da avó. Por consideração a avó, Ellen não pensa duas vezes ao atender o pedido, mas o que deveria ser uma viagem rápida, acaba se tornando uma estadia que além de fazer com que ela descubra coisas da vida de sua avó que até então eram desconhecidas, faz com que ela revele um lado muito diferente que tem...

Narrado em terceira pessoa, O Irresistível Café de Cupcakes me lembrou o filme "Doce Lar", uma mulher decidida e inteligente que faz uma viagem ao interior para resolver algum assunto e acaba ficando por lá mais do que gostaria e conhecendo um lado que ela tinha e que fez questão de "apagar" surpreendendo a todos, inclusive ela mesma, então não é um romance original ao ponto de empolgar ou encher o leitor de expectativas. É um romance água com açúcar, tipo sessão da tarde mesmo, que parece passar a ideia de que devemos ser nós mesmos, sempre, além de nos levar a refletir o quanto conhecemos quem amamos e até que ponto abrimos mão do que queremos por causa dos outros, mas acredito que poderia ter sido melhor se não fosse pela própria Ellen, que sendo quem é, uma mulher que parecia ser tão sensata e inteligente, no auge dos seus 35 anos de idade, ficou agindo como uma lunática irritante, e acho que beber, sair pra se divertir, descobrir coisas que ela não esperava e se envolver com Roy não é motivo para isso.
O livro é curto, a leitura é rápida, as coisas se resolvem rápido, é clichê, é previsível mas a história como um todo não é ruim... O problema pra mim foi só a protagonista inconstante que faz coisas impossíveis de engolir.
Deixando Ellen de lado, gostei de Roy e como é um personagem que tem "pegada", gostei de como a autora não transformou o noivo num vilão devido ao "triângulo amoroso", gostei de Ellen fazendo de tudo para descobrir os detalhes da vida da avó, mostrando uma Ruth diferente do que conheceu, e de como seu hobbie por fotografias é explorado fazendo o leitor ter uma pequena visão por trás das lentes.
A capa é uma graça, assim como o título, mas se você pensa que vai ler algo se passando num café, pode esquecer. Há as partes falando sobre comida, mas o tal café não é o ponto. Encontrei alguns pequenos erros na revisão, a diagramação é simples, as folhas são amareladas, os capítulos são curtos e os diálogos tem aspas em vez de travessão.

No geral, é um livro com uma história doce que mostra os prazeres da descoberta e de como é possível encontrar a felicidade nas pequenas coisas da vida, principalmente quando nos conhecemos melhor e vivemos o que sentimos, mas não chega a ser inesquecível.


6 comentários

  1. Oi Flavia, como vai?

    Gosto bastante de Chick-Lits, mas no momento to mais pra terror (hehehe). Apesar desse livr me chamar a atenção, ainda não quero lê-lo, mas está na lista de desejados. Beijo!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Achei o título deste livro tão legal..
    Beijos

    http://lovelyplacee.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. A historia deve ser muito leve e simplesmente cativante.
    livro-azul.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Apesar de você ter dito que é uma história bem clichê (tanto que eu já fui deduzindo as coisas à medida que você resenhava hehe) eu me interessei pelo livro. Eu amo capas assim, e historinhas clichês são boas pra passar o tempo às vezes.
    Só o que eu não consigo engolir é aspas pras falas! Argh!! Dá pra se acostumar quando a leitura vai fluindo, mas é meio irritante :(
    Bom, espero conseguir este livro pra ler pra tirar minhas conclusões huaua
    À princípio fiquei bem interessada :D
    Beijos, Amanda.
    www.expressodenarnia.com

    ResponderExcluir
  5. Eu tive o mesmo problema com esse livro: a Ellen é muito irritante! Ainda bem que o Roy é tão legal, ou eu nem teria conseguido terminar a leitura. Também fiquei o tempo todo aguardando que o tal café aparecesse e nada; queria saber de onde a autora tirou que esse seria um bom título.

    The Fat Unicorn

    ResponderExcluir
  6. O livro parece muito bom,um dia eu tentarei ler hahahah Mas sabe como é a vida de leitor,tem mil e um livros pra ler hahahahah
    Adorei a resenha!Beijos <3
    http://heartbyheartfic.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir