12 de julho de 2015

Na Era do Amor e do Chocolate - Gabrielle Zevin

Lido em: Junho de 2015
Título: Na Era do Amor e do Chocolate - Birthright #3
Autora: Gabrielle Zevin
Editora: Rocco  
Tradutora: Cláudia Mello Belhassof
Gênero: Juvenil/Distopia (?)
Ano: 2015
Páginas: 304
Nota:
Sinopse: No terceiro e último livro da trilogia Birthright, o romântico e inesperadamente redentor Na era do amor e do chocolate, Anya completou dezoito anos e sua vida até agora foi muito mais amarga do que doce. Ela perdeu os pais e a avó e passou a melhor parte dos anos escolares sendo castigada pela lei. Talvez o mais difícil de tudo, no entanto, tenha sido abrir mão do namorado e melhor amigo, Win, após sua decisão de inaugurar uma boate com o pai dele, o antes inimigo Charles Delacroix.
Contra todas as expectativas, a boate foi um sucesso gigantesco, e Anya finalmente sentiu que estava no caminho certo e que nunca mais as coisas dariam errado outra vez. Porém, um terrível equívoco faz Anya precisar lutar pela própria vida. Será que ela enfim vai rever suas escolhas e, pela primeira vez, aceitar a ajuda de outras pessoas?

Resenha: Na Era do Amor e do Chocolate é o terceiro e último volume da trilogia Birthright escrita pela americana Gabrielle Zevin e lançado pelo selo Jovens Leitores da Editora Rocco no Brasil.

Recaptulando: a história da trilogia Birthright se passa num futuro onde o mundo passou por várias crises, tanto naturais quanto políticas e as pessoas foram forçadas a racionarem água e alimentos. Café e chocolate foram proibidos, mas, quando algo se torna ilegal, sempre há quem mexa com contrabando...
Anya Balanchine, indiretamente, fazia parte desse mundo da máfia, pois seu pai, quando ainda era vivo, era traficante de chocolate. As pessoas que a conheciam acabavam associando a garota ao mundo do crime sem que ela não tivesse nada a ver com isso e, a partir dessa premissa, a história se desenrola. Anya tenta fazer com que a ilegalidade do chocolate seja revertida, precisa lidar com seus sentimentos com os garotos com quem se envolve, se preocupa em manter seus irmãos seguros, além de precisar fazer escolhas que irão defini-la.

Nesse terceiro volume, Anya acaba de completar dezoito anos e tudo o que viveu para se salvar e ajudar quem ama serviu como uma verdadeira provação. Ela perdeu os pais e a avó, está vivendo longe dos irmãos, já foi presa, já fugiu para o México mas nunca deixou de lado seu sentimento por Win, seu namorado e filho do promotor que dedicava a vida no combate a corrupção. Mas quando Anya resolveu se associar a Charles para abrirem uma boate, Win vai contra essa sociedade e parte pra Boston. Anya sacrifica praticamente tudo em nome do seu novo negócio, incluindo seu romance com Win, mas apesar da saudade, ela fica envolvida nos preparativos para a inauguração da boate, supervisiona os funcionários, testa bebidas preparadas a base de cacau e decide nomear a boate de Quarto Escuro. Por mais que haja sociedade, ela é quem comanda o negócio. Theo, o amigo que fez durante sua "estadia" no México cuja família plantava cacau, ainda vem ajudá-la nos negócios.
Com tudo pronto e contra todas as expectativas, quando a boate é inaugurada se transforma num enorme sucesso e, enfim, Anya acredita que tudo em sua vida está fluindo e dando certo, mesmo que tenha precisado abrir mão de várias coisas em sua vida.

Narrada em primeira pessoa, a história se desenrola de uma forma que sempre segue em frente pois não há quebras de acontecimentos e nem enrolação para se chegar a algum lugar. As escolhas que Anya toma interferem nos acontecimentos seguintes e a história não fica estagnada, sempre há algo novo acontecendo.
Durante a narrativa o leitor ainda se depara com trechos destacados em itálico e entre parenteses para evidenciar que Anya tem uma opinião sobre determinada descrição/situação o que colabora para que seja mais crível que a história está, de fato, sendo contada por ela. O legal é que o livro não é muito grande, mas existem muitos elementos que fazem ligação um com o outro de forma a enriquecer o enredo. A escrita da autora é enxuta, muita coisa acontece com descrições na medida certa, o que é perfeito.

Anya é teimosa mas consegue equilibrar essa teimosia perfeitamente de forma que se mantém leal às pessoas com quem se importa, e mesmo que tenha que abrir mão do que gosta, não hesita quando o assunto é ajudar sua irmã mais nova, Natty, seu irmão mais velho, Leo, ou sua melhor amiga, Scarlet que neste volume já foi agraciada com o dom da maternidade. Inclusive seu filhinho, Felix, é afilhado de Anya. Anya sempre pensa no que será bom para todos, e não pensa só em si mesma e perceber esse amadurecimento ao longo da trilogia foi algo muito bacana pois mostra o progresso da protagonista como pessoa. Ela é aquele tipo de personagem que usa o cérebro e age com a razão mas está com o pé no coração pois o que a move, no fundo, são os sentimentos que nutre por seus entes queridos. Às vezes foi difícil acompanhar a luta interna dela para que as melhores escolhas fossem tomadas, mas Anya é altruísta e coloca os outros em primeiro lugar.
Um ponto bacana é que, por mais que Anya tenha se metido em problemas com a lei anteriormente, ela quer trabalhar com chocolate pois não entra em sua cabeça que possa ser algo ruim, como drogas ou coisa do tipo, mas ela quer estar do lado legal e correto da coisa.
Mesmo que ela e Win estejam separados pela distância, eles ainda estão emocionalmente conectados e os trechos onde eles trocam mensagens de texto mostram como nada pode simplesmente ser esquecido.
Gostei do desenvolvimento dos demais personagens e como eles foram essenciais para o crescimento pessoal de Anya.

A capa segue o padrão e o tom marrom chocolate tem tudo a ver com o tema. As páginas são brancas, a diagramação é simples e a revisão está ótima.
Ao fim do livro a autora fala que nunca considerou sua trilogia como sendo distópica, mas acredito que mesmo não sendo totalmente, há elementos que lembram bastante o gênero. O fato de existir tráfico de café e chocolate, toque de recolher e outras proibições só sugere uma situação que poderia acontecer futuramente no mundo. Penso que outros elementos poderiam se tornar escassos a ponto de causar um tipo de guerra real, fora da ficção, mas aqui a autora optou por trabalhar com vícios "benéficos" que fazem falta na vida de quem gosta e as fazem felizes.
Num mundo onde as pessoas são privadas de terem o que gostam, e que coisas simples como comer chocolate podem caracterizar crimes, a autora consegue evidenciar algo maior quando se trata de sentimentos e amor. Anya descobre que antes de amar outra pessoa, deve amar a si mesma primeiro, e essa lição além de importante, é válida para qualquer qualquer um, principalmente quando esse amor dá forças para que se possa recuperar a força que acreditávamos não ter mais e, no fim, sermos felizes.

Acompanhar a protagonista, que iniciou sua jornada aos dezesseis anos até se tornar adulta madura foi incrível. Pra quem quer acompanhar uma história honesta e realista sobre luta por sobrevivência até que o sucesso seja atingido, com certeza vai gostar dessa trilogia.
Posso afirmar que Na Era do Amor e do Chocolate foi um desfecho incrível, uma das melhores leituras que já tive oportunidade de acompanhar, que superou minhas expectativas e ainda me fez querer reler toda a série para relembrar toda a saga de Anya até seu final feliz.

Nenhum comentário

Postar um comentário