21 de julho de 2015

A Fofa do Terceiro Andar - Cléo Busatto

Lido em: Julho de 2015
Título: A Fofa do Terceiro Andar
Autora: Cléo Busatto
Editora: Galera Record
Gênero: Juvenil/Literatura Nacional
Ano: 2015
Páginas: 144
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: A fofa do terceiro andar é a história de Ana, uma menina acima do peso, mas cheia de opinião, que se muda para uma escola nova e começa a sofrer bullying dos colegas - o que a deixa bem irritada, além de frustrada. Quando o ano recomeça, ela muda de turma e conhece um menino que não se importa com padrões de beleza. Francisco não é como os outros garotos que ela já conheceu. Ele enxerga o mundo de forma diferente e começa a ensinar Ana a fazer o mesmo. A focar nos aspectos positivos, a ser gentil com si mesma e, principalmente, a não tentar se encaixar em um molde que não é o seu. Afinal, imagina como seria chato se o mundo fosse visto por todos da mesma forma?

Resenha: Ana é uma adolescente de quatorze anos que sempre foi acima do peso. Quando criança ela não tinha muita noção e nem entendia como maldade os apelidos que recebia, mas o tempo passou e ela começou a enxergar as coisas de outra forma quando os colegas de sua nova escola passaram a praticar bullying contra ela. Descobrir que ser "fofa" nem sempre é algo positivo e todas as implicâncias que ela vinha enfrentando devido a ser gordinha desencadearam uma depressão na garota. Cada vez ela se sentia mais desanimada e sozinha, logo, a ansiedade fazia com que ela comesse mais e mais. Até que Ana, que sempre gostou muito de ler, resolveu que manteria um caderno como diário, um confidente, a fim de colocar pra fora seus medos e anseios, uma forma de terapia que poderia ajudá-la a lidar com o que estava passando. Mas um pequeno incidente na escola envolvendo um lanche, um tombo e muita humilhação virou um enorme constrangimento. Isso fez com que Ana ficasse mais arrasada ainda, mas foi o que fez com que ela mudasse de vida: ela iria se esforçar para acabar com todo aquele peso extra que, na cabeça dela, era o responsável por lhe fazer tão mal, por fazê-la ser uma garota tão melancólica e odiar sua vida e tudo o que tem nela. A mudança que ocorre é física, mas também psicológica pois ela se redescobre como pessoa e se mostra alguém determinada a alcançar objetivos.
Mas ao conhecer Francisco, um garoto diferente de todos aqueles que já conheceu, mesmo que Ana esteja mais confiante em si mesma, ela acaba percebendo que a beleza é algo subjetivo e que a vida é muito mais legal quando estamos em companhia de pessoas que aparecem para somar. A aparência realmente importa ou o que vale é quem somos por dentro?

Por ser escrito em forma de diário, o livro é narrado em primeira pessoa e a ideia é fazer o leitor ter acesso aos pensamentos mais íntimos e profundos da protagonista, acompanhando sua trajetória em busca da felicidade. A escrita é bem fluída, muitas vezes poética, e com uma riqueza sem tamanho no que diz respeito a referências culturais.
Apesar de retratar uma personagem que consegue superar os problemas com muita força de vontade mostrando seu progresso incrível e inspirador, o livro me soou como uma obra de autoajuda em vez de uma leitura ficcional comum devido a forma como foi escrito. A impressão é que as palavras de Ana são lições, um passo-a-passo de como encarar os obstáculos da vida em busca de superá-los.
Ana escreve em seu caderno o que vivencia, o que passa e o que pensa, mas tudo descrito com um teor muito maduro pra idade da personagem. Senti que Ana é uma adolescente com um espírito bem adulto, tanto pela forma como escreve, como pela sua percepção em descrever - e analisar - as pessoas a sua volta, quanto pelos seus gostos musicais e literários. Em vários momentos não senti que eu lia o que uma adolescente escreveu. Eu pelo menos não conheço nenhum adolescente na faixa dos quinze anos que seja fã de Beattles, Rita Lee e afins, mesmo que os pais tenham deixado esses gostos como herança...

Ana é uma personagem que, com certeza, fará com que muitas pessoas se identifiquem com ela pois é mais comum do que pensamos existir quem seja insegura e esteja infeliz por não se encaixar nos padrões de beleza que a sociedade impôs. Não só devido à sua característica física, mas também no que diz respeito a parte intelectual. Ana é muito caseira, prefere se aventurar pelas páginas de um livro do que sair com as amigas e tenho certeza que a maioria dos leitores também é assim. Eu mesma me identifiquei com ela, com seus gostos, atitudes e forma de encarar a vida, e pensem que já passei dos 30... logo, acredito que o livro cumpra com o tarefa e possa servir de inspiração para aqueles que têm inseguranças, medos e problemas de autoestima enquanto entram e enfrentam essa fase tão difícil e complicada que é a adolescência,

Talvez a história de Ana dê uma luz àquelas adolescentes que se encaixam nessa situação de desconforto e não saibam por onde começar a mudança em suas vidas. O exemplo dela é mais do que indicado para uma reflexão sobre superação, realização e felicidade, e mais importante do que isso: mostra que devemos correr atrás de mudanças pra sermos felizes, e não para agradar os outros. Quando estamos de bem com nós mesmos, a opinião do resto, principalmente as maldosas, se torna irrelevante.


4 comentários

  1. Que capa fofa! Adorei a história e meu deus, já quero! Anotei na listinha já.

    http://anneandcia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Nossa adorei a resenha e a premissa do livro! Também me identifiquei um pouco com a Ana, acho que eu ler esse livro sim! Obrigada pela dica (:

    http://madrugadadeleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Flávia!

    Adorei a dica! Não tinha ouvido falar desse livro ainda e achei muito empolgante toda a proposta da história. Com uma temática forte, atual e que faz parte da vida muitas pessoas. A resenha ficou maravilhosa!
    Super beijo!

    http://luahmelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Flávia, amei sua resenha!
    Gostei muito do teor do livro, apesar de eu não ser muito fã de autoajuda. No entanto, poderia dar uma chance ao volume, porque gostei bastante da maneira como você o descreveu.

    Espero ter uma experiência de leitura tão boa quanto a sua.
    Beijos, Iza
    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir