25 de maio de 2015

Clube da Liga #4 - Red Hill - Jamie McGuire

Lido em: Maio de 2015
Título: Red Hill - Red Hill #1
Autora: Jamie McGuire
Editora: Verus
Gênero: Ficção Apocalíptica/Drama
Ano: 2015
Páginas: 350
Nota
Sinopse: Para Scarlet, cuidar de suas duas filhas sozinha significa que lutar pelo amanhã é uma batalha diária. Nathan tem uma mulher, mas não se lembra o que é estar apaixonado; a única coisa que faz a volta para casa valer a pena é sua filha Zoe. A maior preocupação de Miranda é saber se seu carro tem espaço suficiente para sua irmã e seus amigos irem viajar no fim de semana, escapando das provas finais da faculdade.
Quando a notícia de uma epidemia mortal se espalha, essas pessoas comuns se deparam com situações extraordinárias e, de repente, seus destinos se misturam. Percebendo que não conseguiriam fugir do perigo, Scarlet, Nathan, e Miranda procuram desesperadamente por abrigo no mesmo rancho isolado, o Red Hill. Emoções estão a flor da pele quando novos e velhos relacionamentos são testados diante do terrível inimigo – um inimigo que já não se lembra mais o que é ser humano.
O que acontece quando aquele por quem você morreria, se transforma naquele que pode lhe destruir?
Resenha: Red Hill, da autora Jamie McGuire e publicado pelo selo Verus do grupo Editorial Record, foi o livro escolhido para leitura do mês no Clube do Livro.

O que você faria se estivesse diante de um apocalipse zumbi?
O conceito de apocalipse zumbi e mortos-vivos comedores de gente, até então, era algo ficcional. As pessoas podem até imaginar como seria o fim do mundo e o que fariam numa situação crítica ao assistirem seriados na televisão ou um filme de grande bilheteria, mas na prática ninguém está, de fato, preparado.
Há muitos anos atrás um cientista investiu num projeto que tinha como propósito reanimar mortos. Por ser uma abominação e uma prática anti-ética, ele foi expulso da sociedade científica, mas o que ninguém esperava era que a pesquisa acabaria surtindo algum resultado...
Assim, quando há um alerta de pandemia, a população entra em pânico, e a história gira em torno de três personagens e o que eles fazem quando descobrem que o apocalipse chegou.
Scarlet, Nathan e Miranda são pessoas que, aparentemente, não têm nada em comum. Cada um deles tem suas próprias preocupações e prioridades na vida, até que, diante do surto, eles decidem ir pro rancho Red Hill, propriedade do Dr. Hayes, em busca de abrigo e segurança.
Sem poder se comunicar com as filhas, resta a Scarlet deixar um bilhete sobre onde estaria esperando por elas e contar com sua intuição de mãe de que elas conseguiriam chegar bem.
Miranda só queria fugir da faculdade e curtir o fim de semana, mas se viu obrigada a procurar abrigo em Red Hill, a casa de seu pai.
Nathan é um pai dedicado que mesmo tendo visto seu casamento afundar se preocupa com a filha e agora, mais do que nunca, com sua segurança, e assim como Scarlet e Miranda, tem Red Hill como destino.

Acredito que o foco principal da história são as relações entre os personagens pois a forma como o pano de fundo foi construído não inovou, e isso foi algo que todos os participantes do Clube do Livro concordaram, mesmo tendo gostado ou não.
Narrado em primeira pessoa de forma linear e alternando os pontos de vistas dos três personagens principais, vamos acompanhando a luta de cada um deles para chegar ao local que julgaram adequado para se protegerem, lindando com abalo psicológico que envolve perda e medo, e se adaptando a uma nova vida de forma forçada ao mesmo tempo que precisam aprender a conviver com outras pessoas que agora compõe uma nova "família".
A preocupação de Scarlet como mãe, a dor e o desespero que sentiu quando a confusão começou e ela não tinha notícias das filhas é notável e admirável. A confiança e esperança que ela manteve em acreditar que as filhas conseguiriam chegar até ela são inabaláveis. Ela é forte e decidida, e com as atitudes que tem consegue liderar o grupo que se forma pra que todos fiquem em segurança e, claro, não desiste nunca da ideia de que irá reencontrar as filhas.
Nathan só enxerga felicidade em Zoe, sua filha, e ficou arrasado por ter descoberto que foi abandonado pela esposa na véspera do surto. Ele expõe os sentimentos amargos de indiferença e falta de amor com bastante realidade e sinceridade. Fiquei com pena dele e por mais que a situação e o cenário não fosse favorável, torci para que ele conseguisse encontrar a felicidade em algo ou alguém, por mais impossível que fosse.
Miranda também é uma personagem forte e sua intenção é proteger Ashley, sua irmã. Seu desejo maior era chegar a Red Hill e ter um pouco de paz e segurança, vivendo tranquila até que todo o tormento tivesse fim. Não me apeguei muito a ela mas gostei da autora colocar duas personagens mulheres no topo do grupo mostrando que elas podem ter tanta força e coragem como um homem ao serem testadas e levadas ao extremo.

Apesar da autora ter uma escrita bastante fácil e fluída e ter uma habilidade muito boa pra descrever os detalhes, notei algumas falhas na história. Não sei se o problema é os personagens estarem separados inicialmente e não ficar muito claro se os acontecimentos se passam simultaneamente ou não, mas algumas cenas não batem cronologicamente enquanto outras não fazem a menor diferença no desenvolvimento do enredo. E falando em desenvolvimento, confesso que no começo me empolguei bastante com a leitura, mas com o passar das páginas, talvez por esperar por algo inédito, tenha me decepcionado um pouco.
Como eu já tenho um contato maior com esse tema por ser fã de franquias como The Walkind Dead e Resident Evil, e também por ter lido Guerra Mundial Z, nada do que aconteceu em Red Hill me surpreendeu. Os relacionamentos interpessoais me agradaram, mas não ao ponto de me deixarem emocionada ou mexerem comigo de alguma forma. Todos os acontecimentos envolvendo a luta pela sobrevivência e até mesmo os conflitos psicológicos e os relacionamentos entre os personagens em meio a zumbis foram previsíveis, fracos, superficiais e alguns ainda não fizeram o menor sentido dentro do contexto de fim do mundo. O final eu simplesmente não engoli.
Quem já se acostumou com coisas muito mais complexas, pesadas e grotescas envolvendo essas criaturas, a reação dos sobreviventes e a forma como lidam com o que enfrentam, principalmente quando eles já estão há muitos anos naquele ambiente, espera ler algo diferente do que já foi visto, mesmo que a base seja a mesma. Acho que é possível criar tramas em cima de temas conhecidos e, ainda assim, ser original, mas isso não acontece em Red Hill.

A capa retrata bem o ar de arraso digno de um apocalipse e é muito caprichada. Até o céu cinzento representa uma das cenas da história. O título é em alto relevo e no geral o trabalho gráfico é perfeito.
As páginas amarelas tem a fonte agradável, a diagramação é simples e cada capítulo se inicia com o nome do protagonista da vez. Não encontrei erros na revisão e é o tipo de leitura que por fluir bem é possível terminar bem rápido. Eu particularmente demorei um pouco mais por começar a achar o desenvolvimento da história repetitivo no quesito "já li/assisti coisa parecida em outro lugar".

Recomendo o livro pra quem ainda não tem contato com esse universo e quer começar, pois Red Hill traz uma visão "branda" sobre o tema e posso dizer que se existe um apocalipse zumbi para iniciantes, essa é a história.
O "Clube do Livro da Liga" é formado por amigos que resolveram arriscar uma leitura coletiva e se surpreenderam com a interação que foi proporcionada. Temos muitos gostos e ideias em comum, além de muitas discussões e risadas. Ninguém nunca irá nos entender, ainda bem.

2 comentários

  1. Nossa, eu morro de medo de zumbi, confesso que é um dos meus maiores medos em vida, e falo sério. Então não sei o que eu faria caso isso acontecesse, por isso adoro ler livros e séries sobre kkkkk, quase como guia.
    Sexo, Fraldas e Rock'n Roll

    ResponderExcluir
  2. Gostei da capa e toda essa coisa de zumbis..sempre gostei. Hahaha!

    http:\\exploradoradelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir