28 de janeiro de 2016

O Lago das Sanguessugas - Lemony Snicket

Título: O Lago das Sanguessugas - Desventuras em Série #3
Autor: Lemony Snicket
Editora: Seguinte
Gênero: Infantojuvenil
Ano: 2001
Páginas: 192
Nota
Onde Comprar: Saraiva
Sinopse: O misterioso autor das Desventuras em Série não só alcançou a lista de best-sellers infanto-juvenis do New York Times, como conseguiu entrar em todas as outras principais referências de vendagem americanas. Com sua estranha franqueza, na contracapa deste livro ele manda um recado a seus possíveis leitores:

"Caro leitor,
Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade. Todas as histórias sobre essas três crianças são uma tristeza e uma verdadeira desgraça, e a que você tem nas mãos talvez seja a pior de todas. Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro. Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores.

Respeitosamente,
Lemony Snicket"

Resenha: Como o próprio autor já introduziu na sinopse, os irmãos Baudelaire continuam sua saga de desgraças sucessivas. Dessa vez sua guarda legal foi entregue à tia Josephine, a cunhada de uma prima em segundo grau. Uma víuva infinitamente medrosa, que teme tudo ao seu redor e por isso deixa de viver decentemente pra se proteger. A situação das crianças nem de longe se compara à alegria de estar na casa do tio Monty; aqui elas veem seus desejos sendo constantemente negados, mas o que consola é estarem longe do Conde Olaf.
Quer dizer, não por muito tempo. Logo ele se disfarça de Capitão Sham e se aproxima da família com um disfarce muito ridículo: um tapa-olho e uma perna de pau. Claro que ninguém acredita nos irmãos quando, de cara, reconhecem o vilão e o denunciam, e é aí que a coisa esquenta. Uma história que envolve mentiras, bilhetes em códigos, furacão, desabamento de casa, sanguessugas e muito mais.

A história segue o padrão das duas primeiras e pode até parecer um pouco repetitiva, mas Snicket conseguiu me prender nas páginas do livro. Não sei mais o que ele vai aprontar nos próximos nove livros, mas em se tratando de uma série tão aclamada é claro que quero ler e descobrir se no final do 12º eles se dão bem.

O sr. Poe, responsável pela herança dos órfãos, continua um pamonha. Ô agonia desse homem, gente! Não sei se fiquei com mais vontade de socar esse palerma ou a tia, chata que só ela. Além de medrosa, ela é irritantemente fascinada com gramática, corrigindo as falas erradas de todo mundo, inclusive nos momentos mais inconvenientes. Nem eu, que adoro o Português certinho, consegui gostar da mulher.

E o Conde Olaf é aquele vilão que a gente ama odiar, não esconde suas garras e sempre dá um jeito de fugir e voltar com um plano mais mirabolante. Recentemente anunciaram que a Netflix irá produzir uma série dos livros e o cogitado para viver o Conde Olaf é Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother). Como não querer pra ontem?

Vale lembrar que o livro é gostoso de ler não apenas pela história envolvente como pelas ilustrações e por todo o humor. As explicações óbvias - ou nem tanto -, a interação do narrador com o leitor, as traduções das falas de Sunny, a ironia... tudo isso é uma característica da série que vem dando muito certo e são super indicadas pra ajudar as crianças a entenderem o significado de expressões e palavras. E pra adultos também, por que não?
"As boas pessoas que editam este livro estão preocupadas com a possibilidade de que leitores como vocês leiam a minha história dos órfãos Baudelaire e tentem imitar algumas das coisas que eles fazem. Assim, tendo chegado a esta altura da história, e a fim de tranquilizar os editores - isto é, de fazer com que parem de arrancar os cabelos de preocupação -, permitam-me, por favor, dar-lhes um conselho, mesmo sem saber nada sobre vocês. O conselho é o seguinte: se alguma vez vocês precisarem chegar com urgência à Gruta do 'P', não devem em nenhuma circunstância roubar um barco e tentar atravessar o Lago Lacrimoso durante um furacão, porque é muito perigoso e as chances de vocês sobreviverem são praticamente nulas. Não façam isso, sobretudo se vocês, como os órfãos Baudelaire, tiverem apenas uma vaga ideia de como funciona um barco a vela."



Nenhum comentário

Postar um comentário