7 de janeiro de 2016

O Livro da Vida - Deborah Harkness

Título: O Livro da Vida - All Souls #3
Autora: Deborah Harkness
Editora: Rocco
Tradutora: Márcia Frazão
Gênero: Romance/Sobrenatural/Literatura Estrangeira
Ano: 2015
Páginas: 560
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Considerada pela crítica nos Estados Unidos “uma ponte entre Harry Potter, Crepúsculo e a série Outlander”, a Trilogia das Almas, de Deborah Harkness, chega ao fim com O livro da vida, uma perfeita fantasia para adultos, que alcançou o topo da lista dos mais vendidos do The New York Times em seu lançamento. Depois de A descoberta das bruxas e Sombras da noite, a autora entrega aos leitores informações surpreendentes sobre o manuscrito Ashmole 782 e sua conexão com bruxas, vampiros e demônios que vivem entre os humanos, além de selar o destino da cientista e bruxa Diana Bishop e do geneticista e vampiro Matthew Clairmontt, com sua bem-sucedida combinação de magia, história, amor e ciência.

Resenha: O Livro da Vida fecha a trilogia All Souls, escrita pela autora Deborah Harkness e publicado pela Rocco no Brasil.
Nesta conclusão, Diana e Matthew retornam do século XV para o tempo presente em busca do Livro da Vida. A gravidez de Diana altera a forma de encararem a missão envolvendo o manuscrito, mas eles irão enfrentar ameaças e perigos na busca pelas últimas páginas desaparecidas do Ashmole 782, pois compreender seu significado pode trazer a segurança necessária para o futuro e a salvação da família.

É absolutamente formidável o aspecto romântico inserido pela autora na trama. O amor entre Diana e Matthew é aquele tipo que aquece corações e saber que a história chegou ao fim vai me fazer sentir uma enorme saudade. A construção e o desenvolvimento dos outros personagens também foi feita com maestria, e história de alguns deles acabou mexendo bastante comigo. Ysabeau me surpreendeu, pois quem poderia imaginar que uma vampira que caçava bruxas chegaria ao ponto de proteger uma mesmo que isso significasse colocar a própria vida em risco?
A narrativa da autora é ótima e ela sabe como conduzir o leitor para que ele viva a história. As descrições dos cenários e os fatos históricos apresentados vieram de pesquisas reais, logo, é incrível poder ter o prazer de se deparar com uma leitura que envolve fatos históricos e científicos que se mesclam ao elemento sobrenatural. Por mais fantasiosa que possa parecer, a história se torna crível e por isso é tão boa.
Neste volume eu fiquei presa às emoções de Diana como não havia ficado antes. É raro eu realmente sentir empatia e simpatia pelos personagens a ponto de me identificar com algum deles e sentir falta quando o livro chega ao fim, e posso dizer que eu amei. Amei!
Gallowglass é um dos meus personagens preferidos e que fez meu coração ficar em pedaços, mas prefiro não falar sobre pra evitar spoilers e surpresas. Vocês precisam ler. Sério!

Eu só fiquei um pouco irritada com a ideia do Ashmole 782 pois ao final fiquei com a ideia na cabeça de que foi um elemento que não acrescentou nada de tão importante assim pra ter sido tão mencionado quanto foi.
Minha  ressalva aqui é sobre alguns personagens secundários muito interessantes mas que não tiveram brecha o bastante para que eu pudesse saber mais sobre cada um deles. Imaginem... Metade dos personagens é imortal, e muitos deles não tiveram nada sobre seus passados e segredos abordados. Vieram e se foram rápido, mas foram marcantes o bastante pra se tornarem memoráveis.
O bom da trilogia é que devido a sua complexidade e enorme quantidade de personagens, há uma série imensa de novas possibilidades a serem aprofundadas, seja em livros paralelos ou cujas perspectivas fiquem sob outros personagens tão cativantes quanto os principais.
Um ponto bem válido que acho necessário destacar é sobre a dinâmica entre o casal no relacionamento. Matthew, como sabemos, é um vampiro ancestral, que durante séculos conservou valores tradicionais e desenvolveu um grande instinto de proteção. Logo seria mais do que óbvio que tal instinto ficasse muito mais aflorado com a ideia de que sua esposa estava carregando seus filhos. Não é que Diana é uma personagem passiva e que aceita tais tendências vindas de um homem que podem ser interpretadas como agressivas. Acredto que todas as relações podem ser comparadas com situações que nos deparamos hoje em dia, as criaturas, seus interesses, a forma como levam suas vidas e pelo que lutam e podemos ver de forma geral em toda a trilogia que na sociedade ainda há sexismo, há segregação mas, ainda assim, a estrutura no que diz respeito às crenças particulares de cada espécie se mantém no tradicionalismo, mesmo que alguns mudem de lado.
Um aspecto interessante dos livros que pode ser apontado é que ele não se trata apenas de uma fantasia sobrenatural com personagens ótimos. A história aborda o casamento de uma forma que vai além do felizes para sempre e mostra o quão pode ser complexo. As questões do dia a dia e as atitudes pra cada tipo de ação vinda do companheiro são experiências que colaboram para o amadurecimento e o crescimento. Um casamento precisa estar em constante evolução, pois caso se mantenha estagnado não haverá equilíbrio e tudo acabará saindo dos eixos mais cedo ou mais tarde. E tudo isso pra falar que Diana e Matthew aprenderam um com o outro o que é, de fato, ser marido e mulher.

Sobre a parte física, a capa é a mais bonita entre os três livros da trilogia. Não só pelo tom de verde e pelas ilustrações sugestivas, mas pelos detalhes em dourado que a deixaram bastante caprichada. A diagramação continua simples, as páginas brancas e a fonte pequena, mas dessa vez a revisão foi caprichada e não percebi erros que incomodaram como no livro anterior.
A cada início de capítulo há um trecho relacionado a um dos signos do zodíaco que tem a ver com o que vai se passar a seguir.

De forma geral, eu simplesmente não posso explicar da forma como gostaria o quanto eu amo essa trilogia. A escrita, os personagens, o cenário, o enredo... É um combo perfeito.
O Livro da Vida é um livro que traz uma história que aborda o amor, a aceitação, sobre encontrar a paz e sobre a aceitação de ser quem você é. A habilidade em que Deborah Harkness tem em descrever seus personagens, suas ações e seus pensamentos é ímpar, pois através de suas palavras eles ganharam vida e tornam a trama ainda mais especial.
Uma das melhores trilogias sobrenaturais que já li e que assim que possível pretendo reler.


Um comentário

  1. Eu li "A descoberta das bruxas" a primeira vez quando eu tinha 12 anos, isso já faz 5 anos. Naquela época não tive oportunidade de seguir com a leitura, até porque, se não me engano, nem existiam os outros dois livros.
    Eu fiquei completamente apaixonada na história, porque sempre fui apaixonada por vampiros e bruxas, e livros que me mostrassem algo a mais do que aquele clichê bobo.
    Comprei o livro faz alguns dias, e reli em menos de 24 horas, e posso dizer que me apaixonei mais ainda por recordar toda a história e tudo o que os personagens passam.
    Já comprei o segundo livro (só chegar agora), e arrumei o terceiro numa troca do skoob, não vejo a hora de continuar a leitura.

    A única coisa que me deixa triste em relação a série, é que as pessoas não conhecem e não dão valor. Um livro tão bom, tão perfeito, e as pessoas preferem ler séries vazia, cheias de puro clichê ao invés de pegar algo que realmente vai inspirar elas.

    Outro livro que as pessoas pouco falam, e que é uma otima série, que deveria ser famosa pelo nível de conteúdo é a série "A maldição do tigre".

    Adorei as resenhas.
    Um beijo. :*

    ResponderExcluir