12 de janeiro de 2016

Capitolina - O Poder das Garotas - Várias Autoras

Título: Capitolina - O Poder das Garotas #1
Editora: Seguinte
Gênero: Juvenil/Nacional
Ano: 2015
Páginas: 192
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Textos escritos e ilustrados por garotas que buscam representar todas as jovens, inclusive as que não se encaixam nos moldes tradicionais da adolescência A revista on-line Capitolina surgiu em 2014 como uma alternativa à mídia tradicional voltada ao público feminino adolescente. Sua proposta é criar um conteúdo colaborativo, inclusivo e livre de preconceitos, abordando temas como relacionamentos, feminismo, cinema, moda, games, viagens e muito mais. Esta edição reúne os melhores textos publicados em um ano de revista, além de vários artigos inéditos e atividades interativas, para que cada leitora também ajude a construir o livro. As jovens vão encontrar conselhos, dicas, reflexões, muito apoio e, principalmente, a sensação de que não estão sozinhas. 

Resenha: Capitolina é uma revista online que se mantém de forma independente e é voltada para o público feminino adolescente.
Muitas garotas se sentem excluídas pelos moldes tradicionais da adolescência e a revista apresenta textos e matérias que abordam assuntos realmente relevantes, que fogem das questões da beleza, da conquista, do consumismo e das demais futilidades, mostrando que todas essas garotas têm espaço para crescerem da forma como são, e não da forma como a sociedade idealiza.
Depois de mais de um ano de publicações online, o projeto se transformou em um livro publicado pela Seguinte, e os melhores textos e ilustrações foram cedidos para compô-lo, além de alguns artigos inéditos e atividades interativas que convidam a leitora a participar da construção da obra.
Sob uma visão feminista, as autoras apresentam textos leves, esclarecedores e acolhedores que ajudam as garotas a refletirem sobre os assuntos ao mesmo tempo em que as fazem se identificar com o que é dito.


Os artigos e a forma como são escritos tem profundidade, soam verdadeiros e mais próximos à realidade. As autoras dos textos falam o que sabem e o que sentem à sua maneira, de acordo com as próprias experiências, e isso faz com que a minoria que se sente deslocada seja representada e tenha voz, afinal, são garotas escrevendo para garotas de modo sincero, mostrando como o autoconhecimento é importante para aceitação daquelas que devido a conflitos pessoais e internos se sentiam deslocadas e sozinhas.

Enquanto mulheres, devemos nos apoiar, superando obstáculos, quebrando preconceitos e mostrando que nós temos poder, sim!
Relacionamentos abusivos, questões raciais, preconceito, sexualidade, depressão, religião são alguns dos temas abordados de forma descontruída, fluída e cativante, mostrando que embora tenhamos particularidades e preferências, seja por opção ou porque nascemos assim, deve haver respeito acima de qualquer coisa.

Ao final de cada texto é possível interagir com o livro de acordo com o assunto abordado, desenhando, colorindo, escrevendo e até seguindo receitas culinárias. As atividades propostas são ótimas para uma melhor compreensão do propósito da revista. Também nos deparamos com dicas de filmes, séries, músicas e livros que, de alguma forma, tem relação com os temas abordados e que podem servir de exemplo para várias situações em que as garotas se encaixam.
"Pense na chance que você terá de recomeçar do zero, sem amarras, ser a pessoa que você quiser, fazer o que quiser, sair com quem quiser (e se quiser)"
- Pág. 42

A diagramação é uma graça. O formato do livro é quadrado, a capa tem um textura diferente, e internamente parece com o layout de uma revista, com títulos coloridos, trechos em destaque, glossários laterais, ilustrações maravilhosas e muito capricho!
Mesmo que eu já tenha passado da adolescência há alguns anos, posso afirmar que minha experiência com Capitolina foi maravilhosa. Recomendo fortemente a leitura dele como forma de incentivo, inclusão e reflexão. Tenho certeza que se eu tivesse lido algo do tipo enquanto adolescente teria outro tipo de visão na época sobre os assuntos levantados. Por isso, cá estou eu levando o livro pra minha filha de treze anos ler em 3.... 2... 1...




Capitolina é uma revista/livro que mostra que, independente da realidade em que a garota se encontra, é necessário apoio no que diz respeito às próprias escolhas ou a quem essa pessoa é, principalmente quando se trata da minoria. Cada um é cada um e o respeito deve vir acima de qualquer coisa. Seguir em frente e assumirmos quem somos e o que sonhamos quando temos alguém com quem contar, que respeita a individualidade alheia, compartilha dos nossos interesses e nos entende como ninguém - já que são pessoas como nós - nos dá impulso e força para nos aceitarmos melhor, termos amor próprio e levarmos a vida de forma plena e feliz, do jeitinho que deve ser.

Um comentário

  1. OiOi Flávia! Antes de fuçar nos lançamentos da Seguinte eu nunca tinha ouvido falar dessa revista. Fiquei extremamente curiosa para ler, pois gosto da experiência de ler textos fortes no impresso. É como se as palavras se tornassem mais palpáveis, sabe?
    Acho mega importante que as meninas tenham opções de revistas mais questionadoras e inclusivas do que essa pilha de nãoseioqueTEEN que quase sempre só ajuda a propagar os estereótipos de padrões de beleza e comportamento.
    Adorei tua resenha, só fiquei mais curiosa ainda para adquirir essa belezinha :D
    Beijocas :*

    @pirulitolimao | A Garota da Livraria

    ResponderExcluir