30 de junho de 2015

O Bicho-da-Seda - Robert Galbraith

Lido em: Junho de 2015
Título: O Bicho-da-Seda - Cormoran Strike #2
Autor: Robert Galbraith
Editora: Rocco
Tradutora: Ryta Vinagre
Gênero: Romance Policial
Ano: 2014
Páginas: 464
Nota
Sinopse: Quando o romancista Owen Quine desaparece, sua esposa apela ao detetive particular Cormoran Strike. No início, ela pensa apenas que o marido se afastou por alguns dias - porque ele já fez isso antes - e quer que Strike o encontre e o traga para casa.
Mas, à medida que Strike investiga, fica claro que há mais no desaparecimento de Quine do que percebe a mulher. O romancista acabara de concluir um manuscrito retratando de forma venenosa quase todos que conhece. Se o romance for publicado, destruirá a vida de muitos. Muita gente, portanto, pode querer silenciá-lo.
Quando Quine é encontrado brutalmente assassinado em circunstâncias bizarras, começa uma corrida contra o tempo para entender a motivação de um assassino impiedoso, um assassino diferente de qualquer outro que Strike já viu.
Romance policial que se lê compulsivamente, com guinadas a cada virada de página, O Bicho-da-Seda é o segundo livro de Robert Galbraith numa série muito aclamada apresentando Cormoran Strike e sua decidida jovem assistente Robin Ellacott.

Resenha: O Bicho-da-Seda é o segundo volume da série Cormoran Strike escrita por  J.K. Rowling sob pseudônimo de Robert Galbraith, e publicado no brasil pela Editora Rocco.
Mesmo que seja o segundo volume e haja poucas menções ao caso investigado no primeiro livro, O Chamado do Cuco, o livro é independente e a resenha está livre de spoilers.

O cenário da história continua sendo Londres, e algum tempo depois de ter solucionado o caso da modelo Lula Landry e estar mais estabelecido financeiramente, o detetive Strike é contratado para investigar o desaparecimento de Owen Quine, um escritor conhecido no meio editorial por seu temperamento difícil. A esposa acredita que ele possa ter apenas se afastado, como já havia feito outras vezes, mas devido ao tempo que se passou ela acha que alguma coisa de errado aconteceu e quer que Strike descubra o que houve e o traga de volta.
Strike descobre que um manuscrito do escritor desaparecido, o Bombix mori (nome científico do bicho-da-seda) que apontava coisas sobre pessoas influentes do meio editorial que poderiam ter as vidas destruídas caso o romance fosse publicado, logo, muitos não hesitariam em querer silenciá-lo de uma vez por todas. Porém, Owen é encontrado morto de forma chocante e bizarra e Strike adentra numa corrida contra o tempo para descobrir quem o matou e porquê.

O livro é narrado em terceira pessoa e flui muito bem até as 100 primeiras páginas, mas após isso o desenvolvimento do mistério é muito, muito lento. O trabalho investigativo, por mais que tenha muitos detalhes, beira a exaustão e as conclusões que o Strike tira não são compartilhadas com o leitor de forma imediata. Talvez a intenção tenha sido exatamente esta, pois nem sempre as pistas coletadas são, de fato, úteis e podem atrasar o trabalho de investigação (ou tirar o foco do leitor a fim de confundí-lo) fazendo com que muito tempo seja perdido mas que ainda assim precisam ser analisadas por fazer parte do serviço. Não afirmo com todas as letras que seja este o caso pois prefiro deixar que o leitor tire as próprias conclusões, mas acredito que quando as coisas vem em excesso dessa forma se tornam um pouco cansativas em vez de intrigantes.
Como sempre, a construção dos personagens é brilhante, pois eles vão se revelando aos poucos, deixando que o passado tenha uma forte ligação com atitudes que tomam no presente. As descrições dos cenários de Londres, seus bares, restaurantes, pubs e afins também são ricamente detalhadas e consegue ambientar bem o leitor aos locais.
Strike leva o que faz muito a sério e continua sendo rabugento, mas por ser incrivelmente perspicaz consegue cativar a simpatia dos leitores. Um ponto bacana é que por mais estereotipado que ele seja no que diz respeito a profissão (ele usa sobretudo, fuma, tem o nome pregado na porta do escritório, vive duro e etc) ele soa como alguém muito real, pois às vezes se deixa tomar por pensamentos pessoais inquietantes sobre família ou outros casos menores com que lida. Por mais que ele tenha foco, ele se preocupa com outras coisas não demonstrando ser um "robô".
Achei bastante adequado, e até mesmo divertido, que a Scotland Yard, a polícia de Londres, odeia que Strike se intrometa em seus assuntos, principalmente por ele ter desvendado o crime de Lula no primeiro livro quando a polícia havia declarado - e insistido - que a morte da modelo teria sido suicídio. Strike também não tem a menor paciência com a polícia por considerar a investigação dos encarregados óbvia e superficial e se irrita com o "trabalho" deles.
A assistente de Strike, Robin, também tem papel fundamental na história. Ela é inteligente e eficiente e ainda ganha um destaque maior por ter a vida aprofundada quando anuncia um noivado com Matthew, por quem é possível criar uma antipatia imensa, principalmente porque ele odeia o trabalho de Robin e todos sabem que esse trabalho investigativo é uma de suas maiores paixões.
E ainda sobre Robin, acho genial que ela seja parceira de Strike e que não haja nenhum envolvimento romântico entre os dois, o que prova que homens e mulheres podem trabalhar juntos e em sincronia sem um envolvimento maior ou segundas intenções, mas ainda assim sinto que há algo neles que parece não estar totalmente esclarecido, como se o futuro ainda reserve qualquer coisa para eles, ainda que não tenha a ver com amor.
É um livro bastante complexo se comparado ao primeiro e cada capítulo apresenta um novo obstáculo para o detetive reunir vários fatos, que a princípio parecem não ter ligação alguma, a fim de descobrir a verdade sobre o crime.
Assim como Galbraith inseriu temas polêmicos no primeiro livro, em O Bicho-da-Seda assuntos tão delicados quanto não ficam de fora. O machismo é bastante apontado, assim como a sexualidade e a orientação sexual dos indivíduos. A realidade de novos escritores e o que têm de engolir ao adentrar no mundo editorial que mais parece uma máfia também é criticada, o que faz com que o leitor pense que publicar um livro não é tão simples quanto parece se o contato certo não existir. Até a questão das críticas negativas e sinceras através de resenhas foi abordada e considerei a forma com que esse meio literário foi explorado como bastante cruel e sujo.
O final é bastante corrido, talvez pra compensar a forma arrastada da investigação, mas obviamente surpreende pois o assassino é quem menos esperamos. Só achei que, ao final do livro, a forma com que as provas foram reunidas e apresentadas para identificar o criminoso "excluíram" o leitor da investigação, além de ter sido bastante exagerada, mas ainda assim, satisfatória.


2 comentários

  1. Sua resenha captou muita bem o que senti lendo O Bicho-da-Seda e concordo com você em relação a Robin e Strike, acredito que no futuro eles vão acabar se envolvendo, mesmo que seja por um único dia e não terminem se amando. Isso me preocupa um pouco, já que curto a relação atual deles.
    Mas, apesar de ter gostado do livro, independente do modo lento que o caso se resolveu e até mesmo meio exaustivo, o primeiro livro me cativou mais do que este, mesmo que em ambos eu já tivesse consciência de quem poderia ser o assassino.
    Espero logo o lançamento do próximo livro.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Eu comecei a ler esse livro e dei uma parada porque estava achando muito lento mesmo.
    Como gosto muito de Strike e Robin, preferi deixar para ler em outro momento.
    Mas é uma série que quero muito acompanhar.
    Beijos! ;)
    www.subindonotelhado.com.br

    ResponderExcluir