17 de junho de 2015

Eu, Você e a Garota que Vai Morrer - Jesse Andrews

Lido em: Junho de 2015
Título: Eu, Você e a Garota que Vai Morrer
Autor: Jesse Andrews
Editora: Fábrica 231/Rocco
Tradutora: Ana Resende
Gênero: YA/Drama/Humor
Ano: 2015
Páginas: 288
Nota
Sinopse: Greg Gaines é socialmente invisível, Earl Jackson vem de um lar desajustado e Rachel Kushner tem câncer, mas Eu, você e a garota que vai morrer está longe de ser mais um dramalhão lacrimoso. Subvertendo clichês, o autor Jesse Andrews oferece um romance de formação que, com um estilo pop e original, consegue juntar irreverência e sensibilidade ao tratar dessa coisa maluca chamada morte. 

Resenha: Eu, Você e a garota que Vai Morrer é um livro "escrito" pelo seu protagonista, Greg Gaines. Greg é um garoto de dezessete anos que está no último ano do ensino médio e na época era aspirante a cineasta, mas como ele deixou essa ideia de lado por só fazer filmes terríveis, ele decidiu escrever um livro, mesmo que não tenha ideia do que estivesse fazendo, mas, ainda assim, ele quer contar sua história. Por achar o colegial uma droga, Greg tentava a todo custo passar por ele sem maiores problemas, e por isso resolveu que deveria se manter alheio não fazendo partes de "tribos" e grupos específicos para manter uma amizade com todos - mas acabou não tendo amizade com ninguém - assim ele não seria "rotulado" e nem prejudicado ao manter sua estratégia de sobrevivência. Seu único amigo era Earl, um garoto desprovido de altura, com personalidade ácida, opinião própria - direta, crua, grotesca e quase sempre ofensiva - que passava o tempo sendo zoado pelos irmãos e que vivia puto da vida. Mas eles eram amigos da maneira deles, estavam acostumados com todas aquelas besteiras e, ainda assim, a amizade permaneceu sólida, mesmo que "pontual", tosca, esquisita e sem fazer o menor sentido. Por que pontual? A amizade deles funcionava mais como um "trabalho em equipe" pois o único interesse que eles descobriram ter em comum era um filme que eles adoraram desde a primeira vez que assistiram quando eram crianças: Aguire, a cólera dos deuses, e foi por causa desse filme que eles começaram a fazer seus próprios filmes caseiros e super amadores dos quais Greg tem vergonha e gostaria de manter em segredo eternamente.
Até que tudo muda quando no primeiro dia de aula, após chegar em casa, lá estava Greg tranquilo da vida lendo um conto para a escola - vendo foto de peitos -, e tendo a concentração interrompida pelo próprio pau duro sem explicação, a mãe dele aparece choramingando com a triste notícia de que Rachel, uma namorada de infância que Greg teve há seis anos atrás, foi diagnosticada com leucemia e o garoto deveria voltar a falar com ela para ajudá-la a passar por essa barra. Na verdade, ele é intimado pela mãe a voltar a ser amigo de Rachel pois quanto mais tempo ele passasse com ela, maior seria a diferença no que lhe restava de vida. Greg nem sabia o que era leucemia e não fazia ideia de como se aproximar de Rachel, mas um telefonema acaba mudando tudo...
" - Oi.
- Ei.
- ...
- Eu telefonei para o médico, e ele disse que você precisava de uma receita de Greg-acil.
- E isso é o quê?
- Sou eu.
- Pág. 48
O livro possui uma narrativa em primeira pessoa pelo ponto de vista de Greg e além de ser bastante descontraída e direcionada ao leitor já que se trata de seu livro, consegue ser muito real e atingir uma sinceridade ímpar. O protagonista não mede as palavras e sempre tem pensamentos sinceros sobre a situação em que se encontra por mais que soe ofensivo ou inadequado. Alguns trechos são em forma de roteiro e em terceira pessoa, e por isso a diagramação é diferente nessas partes. E confesso ter achado genial essa ideia de mesclar a escrita com roteiros pois é algo que faz parte da história e da vida de Greg e de Earl. Ele também faz listas pra enumerar as coisas que quer explicar e é bem engraçado. Como a história é escrita por Greg, ele sempre se refere ao livro como "essa bosta de livro", "esse livro desgraçado" e por aí vai.
Os diálogos são naturais, muitas vezes são cheios de palavrões e o autor não poupa o leitor de detalhes ou manias de linguagem que os personagens tem. Em momentos de hesitação, ou de certa dificuldade em falar algo que possa ser considerado constrangedor, Greg sempre enrola com "huumm's" até concluir o que quer dizer. Por um lado achei original por demonstrar o personagem como alguém normal, comum e até indiferente, mas na narrativa, mesmo que não interferisse no meu envolvimento com a história, achei que foi uma característica que impediu a fluidez da leitura nos trechos em que aparece.
Greg é um personagem muito sozinho e não tem o menor espírito de liderança. Ele vive a sombra de Earl mas consegue se dar bem nessa condição porque faz o tipo "caguei e andei". Ele surta mas logo se finge de morto e assim resolve seus problemas. Ele é sarcástico, não liga pra ninguém além dele mesmo, não se importa com o que os outros pensam e azar de quem esteja sofrendo. Ele simplesmente não se importa com nada e fim. Mas o que esse pobre coitado tem de insuportável e chato, ele tem de engraçado. Os foras que ele dá ou os pensamentos impossíveis e impagáveis que se passam em sua cabeça são os responsáveis pelo grande toque de humor da história e por deixá-la tão diferente e original. E claro, através de erros e perdas que enfrenta ele amadurece e acaba enxergando que as coisas não são como ele pensa.
A família de Greg é hilária. Eles não aparecem muito na história, mas adorei a apresentação de cada membro dela, desde a mãe ex-hippie e super sentimental, o pai esquisito, as irmãs mais novas inúteis e até mesmo Cat Stevens, o gato da família que é tratado como uma pessoa.
Talvez o que tenha faltado nesse livro pra eu considerá-lo realmente perfeito nem tenha sido um romance ou um triângulo amoroso na pior das hipóteses, mas, sim, um aprofundamento maior na questão de Rachel estar a beira da morte e a visão dela para o seu lado da história já que ela tem bastante destaque no título. Há explicações e cenas sobre a doença para situar o leitor do que se trata e o que a pessoa enfrenta, fisicamente falando, mas Rachel fica totalmente em segundo plano, como uma figurante mesmo, e o leitor não sabe como ela se sente e nem pelo que ela, de fato, passa emocionalmente, então, pra quem espera por um sick-lit como A Culpa é das Estrelas, que emociona, arranca lágrimas e retrata a superação de alguém com uma doença terrível, triste e incurável, que sofre mas ainda assim encontra o amor, vai quebrar a cara. Leia sim, mas ciente de que esse não é o foco de Eu, Você e a Garota que Vai Morrer. O leitor já sabe pelo título que a garota vai morrer, mas a ideia que prevalece durante todo o desenrolar da história é a que Greg deixou clara lá no início do livro, se trata da história dele e de como ele - sendo o adolescente que é, e com a mentalidade de um - tentou levar um pouco de alegria pra Rachel enquanto segue com a própria vida e descobre um pouco mais de si quando, com a ajuda de Earl, tenta fazer um filme para fazer uma homenagem a ela, mas nada sai como planejado...

A capa colorida tem tudo a ver com a história e é muito bonita. Ela representa os cenários improvisados que os garotos montam na criação de seus filmes malucos. Encontrei um único erro de revisão e gostei da adaptação de alguns termos traduzidos para se adequarem ao português. O título no original é "Me and Earl and the Dying Girl", mas achei bacana a editora adaptar para que houvesse uma "rima" entre "você" e "morrer", como há em "Earl" e "Girl" no inglês.

É um livro que foge completamente de clichês e apresenta um protagonista esquisito e diferente de tudo o que já vi, mas justamente por isso consegue ser incrível, cativante, engraçado e único. Mesmo que eu tenha imaginado uma coisa e ter me deparado com outra, neste caso em particular, curti muito, me surpreendi e o livro superou minhas expectativas.

O livro deu origem ao filme cujos direitos foram adquiridos pela Fox e foi vencedor do Festival Sundance 2015, nas categorias Público e Crítica, espiem o trailer:
Fin.

2 comentários

  1. Eu estou muito ansioso para ler o livro, ele chegou hoje aqui em casa e acho que será o próximo da minha lista de leituras, parabéns, ótima resenha, Até mais!

    diurnosleitores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oláá,
    Adorei sua resenha, o modo que vc fala dos livros sempre os fazem parecer perfeitos. Bom, me interessei por esse livro, já que vai tratar de um assunto sério como o câncer, mas de modo diferente e não parece ser clichê. Acho que vou adorar a leitura, pode ter certeza que está na minha lista de 'Livros que preciso ler urgentemente'. O livro parece ser incrivelmente bom!!! Necessito❤!Parabéns pela resenha, ficou ótima!

    Abraços,
    Yasmin- 365 Dias Literários

    ResponderExcluir