29 de junho de 2015

Graceling - Kristin Cashore

Lido em: Maio de 2015
Título: Graceling: O Dom Extraordinário - Sete Reinos #1
Autora: Kristin Cashore
Editora: Jovens Leitores/Rocco
Tradutor: Chico Lopes
Gênero: Fantasia/YA
Ano: 2011
Páginas: 496
Nota
Sinopse: Por toda extensão dos sete reinos há pessoas com habilidades especiais conhecidas como Dons. Um Dom pode ter um valor imensurável ou ser algo totalmente inútil. Pode fazer de alguém veloz como o vento ou capaz de prever o tempo, ou simplesmente hábil em subir em árvores altas ou a falar de trás pra frente. Nossa heroína chama-se Katsa. Seu Dom é matar.
Em um mundo no qual os Gracelings - os nascidos com alguma habilidade extraordinária - são rechaçados ou explorados, a jovem Katsa é forçada a utilizar o Dom que tanto despreza para punir e torturar qualquer um que desagrade seu tio, o rei Randa, soberano do reino Middluns.
Quando o destino a coloca diante do príncipe Po, um Graceling da isolada ilha de Lienid com o Dom para o combate quase tão impressionante quanto o dela, Katsa não faz ideia do quanto sua vida está prestes a mudar.
Ela nunca poderia imaginar que se tornaria amiga de alguém como ele.
Ela nunca poderia imaginar que o Dom Extraordinário de matar pudesse esconder outra verdade... Ou mesmo que, em uma terra distante, pudesse haver alguma força capaz de destruir todos os sete reinos apenas com palavras.

Resenha: Graceling é o primeiro volume da trilogia Sete Reinos escrita pela autora americana Kristin Cashore e publicado no Brasil pelo selo Jovens Leitores da Editora Rocco.
Pelos Sete Reinos há pessoas especiais que nascem marcadas com heterocromia (um olho de cada cor) indicando que possuem algum tipo de Dom e sendo chamados de Gracelings.
Seus dons podem se manifestar das mais diversas maneiras quando atingem determinada idade da infãncia, desde algo completamente inútil como ter a habilidade de subir em árvores, até algo incrível como lutar ou correr.
Kasta descobriu, aos oito anos de idade, que possui o Dom de matar, logo, seu tio, o rei de Middluns, decidiu usufruir desse poder a fim de punir qualquer um que vier a desagradá-lo. Alguns anos se passaram e Kasta continua sendo forçada a servir o rei e por toda a extensão dos Sete Reinos ela é conhecida por ser uma assassina habilidosa e temível. Mas ainda assim, mesmo que esteja presa nessa vida que detesta, ela usa de seu Dom para, em segredo, fazer justiça com as próprias mãos.. Então, numa missão de resgate, ela acaba conhecendo o príncipe do reino de Lienid, Po, e acaba se envolvendo num mistério responsável por mudar sua vida e a dos Sete Reinos...

Narrado em terceira pessoa com foco principal na protagonista, Kasta, a história de Graceling é bastante fácil e fluída por mais que tenha muitos detalhes acerca da mitologia que a autora criou e alguns trechos que soaram um pouco confusos sendo necessário relê-los. O ritmo é lento em alguns pontos mas no geral é muito bom, e a cada novo acontecimento o leitor fica ansiando pelo próximo.
O conceito dos Gracelings foi fantástico e gostei muito da forma como suas características foram criadas de forma a tornar os personagens inesquecíveis. Juro que morri de pena dos Gracelings com dons inúteis e de como seus destinos podem ser tristes, enquanto os outros com dons imensuráveis são aproveitados e obrigados a servirem o rei, muitas vezes contra suas vontades, como é o caso de Katsa.
Katsa é uma das melhores personagens femininas já criadas. Ela é corajosa, forte e não faz o estilo donzela indefesa. Mesmo jovem, é uma assassina nata, que age em vez de pensar. E por estar cansada e insatisfeita de servir o tio, sentindo repulsa por ser obrigada a torturar pessoas, muitas vezes, inocentes, e por ter essa má fama que faz com que seja temida, Katsa quer sua liberdade. Ela tem pouquíssimos amigos e durante a história, com todos os acontecimentos e as pessoas que se envolve, ela acaba tendo uma evolução pessoal e um amadurecimento muito convincentes. Um ponto bacana é que por trás desse status de assassina existe uma garota comum, que tem seus medos e defeitos e isso a torna mais humana em vez de uma máquina de matar.
O príncipe Po é lindo, bondoso e gentil, mas também muito corajoso e forte. Por ter o Dom da luta, fica perceptível o quanto ele e Katsa possuem afinidade, mas essa afinidade não significa que Katsa vá dar confiança pra ele logo de cara. Ele esconde um segredo que faz com que ele tenha uma ligação com Katsa além de conseguir enxergá-la de uma forma que mais ninguém pode e acredito que independente de qualquer coisa que eles tenham passado e como precisam lidar com o que enfrentam, eles se completam.
O amor que surge é sólido, tem química, e vemos como é difícil para Katsa levar seus sentimentos quando sua vontade inicial era nunca se envolver emocionalmente com ninguém, e isso faz com que ela cresça bastante como personagem.
La pela metade do livro entra em cena Bitterblue, a princesa de Monsea, que no começo se apresenta bastante tímida, mas com o desenrolar das coisas se torna bastante destemida e se revela uma grande lutadora, mesmo que tenha tido que enfrentar maus bocados.

Um ponto a ser destacado é que a autora aborda um tema bastante importante sobre a opressão que as mulheres de forma geral sofrem num ambiente machista que acredita que elas devem servir e obedecer, logo, a ideia de mostrar que as mulheres podem ser tão fortes quanto os homens se faz presente aqui. A criação de uma protagonista que não tem interesse em se casar ou ter filhos e que aparece constantemente cercada por armas e matando as pessoas foge desse estereótipo de mulher delicada e indefesa que costumamos ver nesse cenário é medieval.
Por mais que um interesse romântico surja entre Katsa e Po, fiquei bastante impressionada em como esse romance foi desenvolvido pois foram pouquíssimas as vezes em que vi o personagem masculino deixando de tomar frente ou assumindo o papel da garota da qual ele se importa. Po daria tudo de si por ela, mas ele sabe que Katsa é forte e capaz e não faz o trabalho que é destinado a ela, mesmo que ela tenha sido muito rude com ele por diversas vezes. Torço bastante para que ela possa ceder e enxergar o que está a sua frente, deixando de ser relutante.
Acho que alguns pontos da história poderiam ser mais enxugados, como as várias viagens a cavalo que parecem estarem alí só pra ocuparem espaço quando os personagens vão cavalgando e cavalgando pra lugar nenhum, e até mesmo a forma como os bichos são maltratados, mas mesmo tendo ficado um pouco incomodada com isso, não desgostei da história.
A capa é linda, tanto pela imagem da espada quanto pelo trabalho gráfico dado a ela. O título é dourado e, assim como a espada, é em alto relevo. As páginas são brancas, há o mapa dos Sete Reinos no início do livro, a fonte tem um tamanho agradável e encontrei poucos erros de revisão.

Se você gosta de livros fantásticos, com personagens únicos e bem construídos que buscam pela sobrevivência e por respostas em suas jornadas, recomendo muito Graceling.
O segundo livro, Fogo, já foi lançado pela Rocco. O terceiro, Bitterblue, ainda não foi lançado no Brasil.

Nenhum comentário

Postar um comentário