12 de junho de 2015

Branca de Neve tem que morrer - Nele Neuhaus

Lido em: Abril de 2015
Título: Branca de Neve tem que morrer - Bodenstein & Kirchhoff #4
Autora: Nele Neuhaus
Editora: Jangada
Gênero: Policial/Suspense
Ano: 2012
Páginas: 472
Nota
Sinopse: Thriller revelação do ano na Alemanha com mais de 1 milhão de exemplares vendidos. Numa noite chuvosa de novembro, Rita Cramer é empurrada de uma passarela e cai em cima de um carro em movimento. Pia e Bodenstein, da delegacia de homicídios, têm um suspeito: Manfred Wagner. Onze anos antes, a filha de Manfred desaparecera, sem deixar pistas, e um processo baseado em provas circunstanciais condenou Tobias, filho de Rita Cramer, a dez anos de prisão. Logo após cumprir a pena, Tobias retorna à sua cidade natal e, repentinamente, outra garota desaparece. Os acontecimentos do passado parecem repetir-se de maneira funesta. Pia e Bodenstein se deparam com um muro de silêncio. As investigações transformam-se numa corrida contra o tempo, iniciando uma verdadeira caça às bruxas. 

Resenha: Branca de Neve tem que morrer é o quarto volume da série Bodenstein & Kirchhoff escrita pela autora alemã Nele Neuhaus e publicado no Brasil pela Jangada. Mesmo sendo o quarto volume não há necessidade de ler os anteriores, até mesmo porque eles não foram publicados por aqui. Os livros são independentes e focam num mistério que, ao que parece, não tem ligação alguma com os dos demais livros.

Tobias Sartorius foi acusado de matar duas moças e sumido com seus corpos. Ele não se lembrava do ocorrido e viu seu futuro ruir quando foi condenado a prisão. Após cumprir a sentença de dez anos, mesmo em dúvida se era culpado ou não, ele regressa ao vilarejo de Altenhain, na Alemanha, encontra seu pai num estado deplorável e tenta ajudá-lo, mas é recebido com repúdio e agressão pelos habitantes que acreditavam que ele deveria pagar pelo que fez pra sempre.
Enquanto a volta de Tobias a cidade acontece, uma ossada é encontrada num tanque de combustível vazio em um antigo aeródromo militar abandonado, mas a polícia descobre muito mais do que um esqueleto...
Até que uma outra moça desaparece de forma repentina e, obviamente, o principal suspeito é Tobias.
Pia e Bodenstein  são os policiais que irão investigar o caso, e tudo se transforma numa corrida contra o tempo pois eles estão prestes a descobrir que a cidade guarda segredos terríveis intrincados numa teia de mentiras e traições abafados pelos próprios habitantes que parecem viver num mundo a parte, como se vivessem sob uma "cúpula", de forma que pessoas de fora não tomam conhecimento algum de nada que se passa dentro dos seus limites. Tudo é suspeito, tudo parece ter um duplo sentido, e este é um dos maiores obstáculos que os policiais enfrentarão, pois, por mais que a ossada encontrada tenha ligação com o crime do qual Tobias se envolveu, os moradores não estão muito satisfeitos com uma investigação a fundo que pode revelar algo além do que está enterrado com os ossos.

Narrado em terceira pessoa e abrangendo a visão dos personagens envolvidos na trama, Branca de Neve tem que morrer é um thriller policial que logo de cara já deixa no ar a questão de Tobias ser ou não o assassino, principalmente quando juntamos os acontecimentos como a ossada, a tentativa de assassinato da mãe dele e afins, mas, justamente pela forma como a narrativa é feita, fica claro que o assassino pode ser qualquer um já que todos na cidade se comportam de forma estranha e parecem esconder algo ou terem um motivo para matar alguém. Esse misto de elementos são responsáveis por causas o suspense que permeia por toda a trama.
Como a obra original é alemã, é de se estranhar os nomes e os locais mencionados, mas nada que interfira ou prejudique no envolvimento da história.
Fiquei com a sensação de que o livro não foca apenas no mistério, mas também na vida dos investigadores e isso causa uma aproximação maior com os personagens. Talvez alguns trechos possam ter spoilers de outros livros já que eles desvendam crimes juntos desde o primeiro volume e com certeza já tiveram outros pontos trabalhados até chegar onde estão, principalmente no quesito relacionamento. O excesso de personagens e fatos, e algumas situações que pareciam não acabar nunca me fizeram pensar que houve um pouco de enrolação na história. Talvez se fosse um pouco mais "enxugada" seria ainda melhor.
A mudança constante de direção no rumo da história com intuito de dificultar a identificação do assassino se faz presente, assim como características apresentadas em determinado momento podem se voltar contra seus donos de forma que ninguém é quem parece ser, mas acredito que pra quem já tem costume de ler livros policiais e prestar atenção nos detalhes, às vezes, é possível captar quem é o culpado bem antes do desfecho, ou pelo menos ter uma suspeita bem grande e, geralmente, certeira sobre isso fazendo com que o final não seja tão imprevisível assim. Há algumas explicações em demasia e por isso não senti que houve espaço para maiores reflexões. Acho que quando as coisas ficam nas entrelinhas de forma mais sutil é melhor pois o leitor abre a mente pra imaginar.
Talvez devido ao idioma original, a tradução deixou algumas frases estranhas e com palavras que não são utilizadas em português, e em alguns pontos isso impede que a leitura fique totalmente fluída. O final é corrido e acaba de repente mas apesar de tudo achei satisfatório e ainda dá brecha pra continuação.
Mas ainda assim, os personagens são ótimos e muito bem construídos, e o destaque não ficou apenas com os investigadores.

A capa é linda, escura e sombria, manchada de sangue, e deixa no ar o que o leitor pode esperar da leitura. A diagramação é bem caprichada pois há detalhes em vermelho, tanto nos inícios de capítulos, na letra capitular e nas manchas de sangue nas páginas. As páginas são amarelas e possuem uma gramatura maior deixando-as mais grossas. A primeira vista o livro parece imenso pois é grosso e pesado, mas é justamente por causa das páginas mais grossas. A fonte é grande e o espaçamento das margens também, o que colabora com a leitura.

É um thriller envolvente, com um mistério sólido, que deixa o leitor ansioso para virar a próxima página.

Lobo Mau é o 6º volume da série e somente esses dois foram publicados no Brasil pela editora.

Um comentário

  1. Adorei a resenha, mesmo com seus pequenos deslizes a obra parece uma leitura satisfatória e me deixou muito curiosa. Aliás, gostaria de tentar entender porque - aparentemente, vendo o título deste e do sexto livro, chamado Lobo Mau - os livros da séries fazem uma alusão aos personagens de contos de fada.

    ResponderExcluir