16 de fevereiro de 2017

Pode Beijar a Noiva - Patricia Cabot

Título: Pode Beijar a Noiva
Autora: Patricia Cabot
Editora: Essência/Planeta de Livros
Gênero: Romance de Época
Ano: 2016 (2ª edição)
Páginas: 240
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Quando tudo parece estar perdido para Emma Van Court, que acaba de se tornar viúva, a promessa de uma grande fortuna lhe cai dos céus. Mas há uma condição para abocanhar a herança: ela terá de se casar novamente. Como não se especificou o noivo, todos os homens da pequena Faires, na Escócia, resolvem participar dessa corrida do ouro e passam a disputar as atenções da jovem viúva.
Os competitivos pretendentes só não contavam com a presença de James Marbury, primo do falecido marido, Stuart, que chega ao vilarejo para ajudar Emma com os trâmites do inventário. No passado, os dois tiveram uma aproximação, e James ainda nutre fortes sentimentos pela, agora, viúva.
Conseguirá ele afastar a horda de interesseiros pretendentes e finalmente se juntar à sua amada?

Resenha: Patricia Cabot é o pseudônimo utilizado pela autora Meg Cabot para seus romances de época voltados ao público mais adulto e com toques levemente picantes. Pode Beijar a Noiva é a segunda edição do livro com novo - e mais moderno - projeto gráfico publicado pela Editora Planeta de Livros, sob o selo Essência.

Emma Van Court é uma jovem órfã que vive com os tios e é dedicada a ajudar os necessitados. Desde criança ela convive com James e Stuart, que são primos mas com personalidades bastante diferentes.
Emma sempre fora apaixonada por Stuart já que ele tem uma forma de pensar bem parecida com a dela. Enquanto Stuart é religioso e pratica caridade, James é cheio de ambições.
Quando Emma e Stuart decidem se casar, a família da moça repudia a ideia, e por isso eles fogem para uma ilha na Escócia e se casam longe de seus familiares. Mas nada saiu como eles esperavam pois, além de passarem a viver numa cabana que não oferecia o luxo e o conforto dos quais eles estavam acostumados, o casamento não foi como Emma imaginou que seria.
Mas pouco tempo depois do casamento, Stuart morre e Emma se torna a viúva mais cobiçada da ilha devido a herança que receberia do falecido marido. O problema é que ela só poderia colocar as mãos no dinheiro se ela se casasse outra vez, coisa que ela não tinha a menor intenção, afinal, quem de luto teria cabeça para lidar com tantos pretendentes inconvenientes e insistentes num momento tão delicado da vida?
Sabendo da morte do primo, James, conhecido como Conde Denham, viaja até a ilha para buscar o corpo de Stuart para que ele fosse enterrado no mausoléo da família, e lá se depara com Emma e a situação difícil em que ela se encontrava. Logo ele enxerga uma grande oportunidade para conquistá-la e se casar com Emma já que desde sempre é apaixonado pela moça. Pensando que seria um casamento temporário e por conveniência, Emma volta para Londres e aceita a proposta de James, mas ele não tem a menor intenção de se separar dela...

Narrado em terceira pessoa, a história se desenvolve de forma agradável, sem muitas reviravoltas ou surpresas.
Basicamente temos um romance clichê onde a protagonista, embora determinada, é muito romântica e sonhadora, e idealiza um casamento perfeito com aquele que acreditava ser sua alma gêmea e que a faria feliz para sempre, mas depois de abrir mão de tudo para se casar, se depara com uma outra realidade bem diferente da qual ela esperava. Stuart se torna pastor do vilarejo devido a sua vocação para a religião e a vontade de ajudar o próximo, e se revela um marido indiferente à esposa que não se preocupava nem um pouco com suas "necessidades físicas".
Em contrapartida, temos James, o completo oposto do primo. Bonitão, bom partido e cobiçado pela mulherada, mas nada interessado em se prender a ninguém por já nutrir um sentimento forte por Emma desde o passado. Ele é aquele tipo que sempre conseguiu tudo o que quis, menos o amor da mulher que ama, e, com a notícia do noivado, ele foi o primeiro a tentar impedir o casamento. Obviamente isso gerou conflitos familiares e muito ressentimento, mas no fundo não senti que ele fez o que fez por egoísmo, mas sim por conhecer muito bem o primo a quem ele considerava um irmão e saber que ele não era o melhor partido para Emma. Mesmo que a princípio tenha parecido que ele foi oportunista ao propor um casamento forjado, é aí que ele teria a chance de mostrar - e provar - a Emma que ele mudou e que ele é o homem ideal para estar ao lado dela.

Mesmo que o livro seja um romance de época, eu senti falta de mais sentimentalismo, mais paixão e mais romantismo. James ama Emma, mas ele é fechado e não consegue demonstrar isso com muita clareza. Há toques de mistério envoltos por alguns segredos que equilibram o enredo para não torná-lo meloso e, de forma geral, os personagens tem suas particularidades que os tornam especiais, mas nem sempre de forma a despertar a simpatia do leitor. Emma, mesmo sendo a protagonista, não me agradou muito, pois por mais que ela seja uma pessoa de bem, ela não consegue enxergar o que está diante dos seus olhos, sempre acha que não tem o bastante a oferecer se inferiorizando sem necessidade, e esse tipo de comportamento já é batido, cansativo e se a trama não trouxer outros elementos mais atrativos o resultado é um fiasco. Sei que as mulheres tinham um comportamento "padrão" para a época, sempre recatadas, submissas, bobas (pra não falar idiotas) e até resistentes ao que elas não estão acostumadas, mas Emma irrita bastante com seu comportamento ultrapassado. O ponto alto é o próprio James, já que é impossível não se encantar pelo rapaz.

De forma geral, Pode Beijar a Noiva é um romance leve, com foco maior nos sentimentos do que nas atitudes, com toques de sensualidade na medida e no momento certo, e com o típico bom humor que a autora nunca deixa de fora de suas obras. É um livro bom, que faz com que o leitor torça para que tudo dê certo e até arranca alguns suspiros de leve, mas bem previsível e que funciona mais como um passa-tempo. O ideal é que o leitor embarque na leitura sem grandes expectativas já que não tráz nada de muito inovador ou original a ponto de se tornar memorável. Sem desmerecer esta, mas Patricia Cabot já escreveu histórias melhores e mais envolventes...

Nenhum comentário

Postar um comentário