17 de fevereiro de 2017

Irmãs em Auschwitz - Rena Kornreich Gelissen e Heather Dune Macadam

Título: Irmãs em Auschwitz
Autoras: Rena Kornreich Gelissen e Heather DuneMacadam
Editora: Universo dos Livros
Gênero: Biografia
Ano: 2015
Páginas: 406
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Uma das poucas pessoas a se entregar voluntariamente para o exército alemão e ir a um campo de concentração  - quando ainda se acreditava que eram apenas campos de trabalho - Rena Kornreich fez parte do primeiro transporte em massa de judeus para Auschwitz e sobreviveu ao campo nazista por mais de três anos, junto a sua irmã mais nova Danka. Juntas, elas precisaram ser resilientes a cada a perversidade vivenciada durante o período de aprisionamento. E, a despeito da iminência da morte, das doenças, das surras e do trabalho forçado, os relatos de Rena quanto à convivência entre as prisioneiras nos garantem que a empatia emergida dentro de cada dormitório e de cada grupo de trabalho encorajou essas mulheres a permanecerem unidas até que Auschwitz fosse libertado e pudessem seguir suas vidas.

Resenha: Irmãs em Auschwitz, é um relato emocionante que narra a trajetória de duas jovens irmãs judias que foram levadas para os campos de concentração em Auschwitz em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial. Rena Kornreich e sua irmã, Danka, passaram três anos de suas vidas vivendo em cativeiro como escravas, em condições precárias, dolorosas e degradantes, e o que foi capaz de mantê-las de pé diante de tantas atrocidades foi o amor ao próximo assim como a esperança de dias melhores.

Narrado em primeira pessoa através de uma escrita fluída e que conseguiu captar com excelência a essência do que foi vivido por Rena, o leitor acompanha a história de uma jovem polonesa que era filha de camponeses e que, ao ser levada para Auschwitz, teve a vida transformada por completo.
Sendo a irmã mais velha, Rena cuidava de Danka e se preocupava tanto com seu bem estar que fazia o que fosse necessário para a irmã a fim de manter sua promessa de que sairíam dalí vivas, mesmo que a ideia de ajudar alguém pudesse significar a própria morte. E tudo isso num ambiente hostíl que privava as prisioneiras de comida, higiene e até de dignidade quando essas ficavam a mercê dos nazistas e vulneráveis aos mais diversos tipos de doenças devido às condições precárias e degradantes as quais elas era submetidas.

A vida no campo de concentração era dura e muito difícil, a princípio ninguém sabia o que esperar dos nazistas e muito menos compreender de onde surgia tanto ódio pelos judeus para agirem de forma tão cruel. Há cenas que descrevem o ambiente e certos tipos de acontecimentos trágicos que me afetaram e me deixaram muito impressionada, e penso que se é uma coisa que choca, imagino o que as testemunhas sentiram ao presenciarem esses fatos que faziam parte de suas rotinas por tanto tempo.

O livro tem várias notas de rodapé, seja pra explicar termos provenientes de outras línguas utilizados em diálogos ou pra trazer informações acerca de locais, livros, pessoas, registros, eventos e afins que podem ser desconhecidos para o leitor devido às origens. Se não fosse pelas notas de rodapé eu não saberia do que se trata, logo foram de grande utilidade, mesmo que "interrompam" a fluidez leitura.
Pouco antes da metade da obra há informações adicionais com fotos, mapas que ilustran o trajeto de Rena durante a guerra, listas e desenhos que correspondem às plantas dos alojamentos e do campo.

Irmãs em Auschwitz é um livro que não só traz fatos do Holocausto em si, seja a título de informação ou curiosidade, mas faz com que o leitor reflita sobre a perseguição e a crueldade impostas por homens sobre seus semelhantes, como essas pessoas atingiram seus limites tendo que sobreviver às piores situações as quais foram submetidas, e como foi injusto e abominável que milhões tenham passado por esses horrores a ponto de considerarem que só a morte os libertaria.


Um comentário

  1. Eu sou completamente fascinada pelas histórias da segunda guerra mundial... é estranho, porque normalmente fujo destas histórias tristes e com um fundo de realidade... Já li o diário da anne frank, e muitos outros sobre o assunto. Adorei e me emocionei com todos!

    Adorei a resenha! Vou procurar agora este, que na verdade já estava na lista de desejados

    Beijos
    Perdoe meu Francês

    ResponderExcluir