3 de julho de 2016

TAG - Híbrida


Oie, pipous! A Sammy do blog Da Imaginação à Escrita me marcou pra responder essa tag. Ela consiste em indicar um livro de acordo com a personalidade dos personagens de Híbrida, série escrita pela Mari Scotti. Pode ser respondido por escrito, vídeo, instagram, como desejarem e com livros lidos, desejados ou odiados, de acordo com o seu gosto.
Bora dar uma conferida nas minhas respostas?

Elizabeth: Um livro que você leu (emprestado ou alugado) e nunca mais achou outro exemplar.
A Hora do Amor - Álvaro Cardoso Gomes

Acho que esse foi um dos primeiros livros que li na minha vida... Eu devia ter uns 10, 11 anos de idade, estava na 4ª ou 5ª série (faz mais de 20 anos, socorro), tinha um amor platônico pelo menino popular e lindo da escola (quem nunca?) e achava que esse livro era o livro da minha vida sabe-se lá Deus por que motivo. Quando a professora entrou na sala com aquela pilha de livros da Coleção Vagalume, este estava no meio e foi o primeiro que peguei. Levei pra casa e nem lembro de ter devolvido, o livro desapareceu... Só sei que ele me marcou bastante e na época eu o lia várias vezes, mas não me perguntem sobre a história hoje, pois não faço a menor ideia do que acontece com Beto e sua paixão por Lúcia Helena.

Ellene: Um livro que você estava indeciso se seria uma boa leitura, mas foi até o fim para descobrir.

Quando comecei a me aventurar na leitura desse livro, foi um sufoco aguentar a enorme introdução e tantas descrições de incontáveis personagens. Até a metade do livro a história se arrasta devagar, quase parando, e é um verdadeiro teste de paciência e coragem. Mas, como todo brasileiro, lutei contra a preguiça e persisti, e, ao final, fui compensada com a genialidade da nossa querida J.K. Rowling.

Heidy: Um livro com um vilão que você detestou e torceu para que ele morresse.
Harry Potter e a Ordem da Fênix - J.K. Rowling

Eu não costumo ter aversão a vilões... Às vezes, até gosto deles quando realmente estão alí pra atrapalhar os mocinhos causando reviravoltas e deixando a história tensa e/ou desesperadora, mas acho que Dolores Umbridge passou dos limites quando decidiu infernizar o Harry e eu nunca torci tanto pra uma vilã tão odiosa quanto ela pagar com a própria vida por tudo de ruim que fez... Meu Deus, que ódio!

Nicolae: Um livro com um personagem secundário importante para a trama e de quem você não sabia se confiava ou não.

O Bicho-da-Seda é o segundo volume da série policial Cormoran Strike, que narra casos com teor polêmico e que sempre carrega alguma crítica social explícita.
Matthew é um dos personagens da série. Ele é noivo de Robin, a assistente de Strike, o detetive particular que dá nome à série. Não digo que ele seja um personagem realmente importante para o desenrolar da história. Ele serve mais para que o autor trabalhe o lado pessoal dos protagonistas que sempre é evidente e, de certa forma, tem influência na forma como eles lidam com os casos. Porém, Matthew é o tipo de personagem que parece estar alí pra ser uma pedra no sapato, um atraso de vida. Ele não apoia Robin pois não gosta do seu trabalho então por mais que ele não seja culpado em nenhum crime (pelo menos ainda não, nunca se sabe), não me parece alguém confiável o bastante para se trocar votos...
Milosh: Um livro com um protagonista destemido, porém depressivo.

A caçula da família Walsh, Hellen, trabalha como investigadora profissional e dessa vez pega um serviço onde iria investigar o sumiço de um músico famoso. Mas bem diferente da Hellen que aparece como personagem secundária nos livros anteriores da série, sempre engraçada, com a língua mais ferina de todos os tempos e muito maluca, neste livro ela enfrenta problemas sérios que acabaram desencadeando nela uma terrível depressão. Ao mesmo tempo em que ela tenta seguir com a vida, sempre com os pés no chão, ela se torna dependente de remédios para ajudá-la a enfrentar essa doença e logo percebe que a confusão em que se meteu, seja na vida particular quanto na profissional, não é nada se comparado ao que essa depressão causa...

Jacó: Um livro com um irmão mais velho ciumento.

O primeiro personagem irmão mais velho que me veio à cabeça quando o assunto é ciúmes foi Rony Weasley, com ciúmes de Gina quando ela começa a entrar na puberdade e se interessar por garotos, mas como já citei um dos livros de Harry Potter acima, fiquei tentando lembrar de outro livro que também trazia um cenário parecido... Eis que me veio a lembrança o personagem Ren, irmão mais velho de Kishan da Saga do Tigre. Os dois nutrem um amor quase doentio por Kelsey, a protagonista mais songa monga da face da literatura, mas como Ren a viu primeiro, obviamente ele tem ciúmes dela com o irmão, por mais que ele tente bancar o durão. E é ridículo...

Carol: Um livro que te deixou curioso e você deseja ler em breve.
Um Tom Mais Escuro de Magia - V. E. Schwab

Maio foi mês de Mochilão da Editora Record e uma das cidades por onde eles passaram foi aqui em Belo Horizonte. Em meio a tantos livros legais que foram divulgados como futuros lançamentos, acho que o que mais me chamou atenção foi Um Tom Mais Escuro de Magia, que será lançado nesse segundo semestre e já quero desesperadamente pra ontem. Como gosto bastante de literatura fantástica, fiquei mega interessada na ideia de não existir várias Londres paralelas onde a magia é encarada de formas diferentes de acordo com seus habitantes.

Tomás: Um livro que você amou e te decepcionou no final.
Crepúsculo - Meg Cabot

Crepúsculo fechou a série A Mediadora nove anos atrás, até Meg Cabot resolver escrever um sétimo livro que foi lançado recentemente, e na minha opinião, na tentativa de consertar o final desgraçado que inventou.
Não vou comentar muito pra não soltar spoilers pra quem ainda não leu, mas juro que gostei muito da série inteira e de como a protagonista, Suzannah, descia a porrada nos mortos que tentavam fazer o que não devia. Por mais fantasioso que fosse, sempre tinha aquela pitada de realidade que tornava a história crível e gostosa de se acompanhar. O romance com um fantasma era absurdo, mas levando em consideração as circunstâncias e o "trabalho" da menina, não era ruim. Tudo encaminhava para um final previsível e impossível e eu li tudo torcendo pra que aquilo que eu previa não fosse acontecer. E o que eu posso dizer? Eu morri de desgosto por ter adivinhado o final, pois, justamente por ser impossível e ridículo, era o que eu torci, em vão, pra não acontecer... Mas aconteceu, pra minha tristeza...

Um comentário

  1. Oi Flavia!

    Desculpe por não ter vindo antes conferir suas respostas da Tag. Gostei bastante dos livros que você escolheu, não imaginava que o último livro da série A Mediadora fosse tão previsível, até tenho vontade de conhecer, mas não sei, esse romance com fantasma é tão estranho, rs. A Dolores foi uma vilã horrível, quem não odiava essa megera? Estou ainda processando se leio Morte Súbita, pois tenho uma aversão com livros extensos, mas como você mencionou que é bom, vou tentar lê-lo! Enfim, obrigada por responder a tag! :D

    Da Imaginação à Escrita

    ResponderExcluir