25 de julho de 2016

Maré Congelada - Morgan Rhodes

Título: Maré Congelada - Queda dos Reinos #4
Autora: Morgan Rhodes
Editora: Seguinte
Gênero: Fantasia/Juvenil
Ano: 2016
Páginas: 438
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: As disputas pela Tétrade, quatro cristais mágicos capazes de conferir poderes inimagináveis a quem os encontrar, continua. Amara roubou o cristal da água, Jonas conseguiu o da terra, Felix enganou os rebeldes para ficar com o cristal do ar, e Lucia está com o do fogo. Mas nem todos sabem como libertar a magia da Tétrade, e apenas a princesa feiticeira conquistou poder até agora, aliando-se ao deus do fogo que libertou de seu cristal. Gaius, o Rei Sanguinário, também não desistiu de encontrar os cristais. Ele está mais sedento por poder do que nunca, especialmente agora que não conta mais com a ajuda da imortal Melenia nem com o apoio de Magnus, o herdeiro que o traiu para poupar a vida da princesa Cleo. Para conquistar todo o mundo conhecido, Gaius resolve atravessar o mar gelado até Kraeshia, e tentar um acordo com o imperador perverso de lá. No caminho, o rei vai encontrar muitas dificuldades e inimigos, como Amara, princesa de Kraeshia, que tem seus próprios planos para conquistar o poder.
Resenha:  A busca pelos cristais da tétrade continua. Em mais um volume da série A Queda dos Reinos, os personagens estão cada vez mais sedentos por poder e desejo de derrotar seus inimigos. Nessa sequência, que antecede Crystal Storm, Morgan Rhodes trouxe mais uma vez uma aventura instigante e animadora, mas que por alguns motivos não se igualou aos outros.

Posso dizer, como toda a certeza, que a saga de Cleo, Magnus, Lucia e Jonas é uma das histórias mais empolgantes que já li. O primeiro livro se mostrou uma completa surpresa. Um aspecto muito forte para mim e para alguns leitores dos quais li a opinião, é: a narrativa da autora sempre flui como um rio em alta velocidade. Em Maré Congelada isso não poderia ser diferente: finalizei a leitura em três dias, mas como algumas ressalvas a respeito do caminho que tudo está tomando.

Como todos sabem, existem diversos pontos de vista na história. Agora, Lucia está cada vez mais sedenta por sangue e deseja vingança. A jovem exibe um ar austero em todas suas aparições e tenta encobrir com uma carapaça toda dor que sentiu. Cleo, a minha personagem preferida, está sempre olhando para o seu futuro e lutando por isso utilizando todas as suas armas possíveis. Magnus, o príncipe sanguinário, mostrou dois lados diferentes e cabe a quem lê escolher qual deles é o mais convincente. E Jonas, bom, está cada vez mais atrapalhado e cometendo mais erros (ele consegue ser bem irritante diversas vezes). Além dos quatro protagonistas, há capítulos com o ponto de vista de Amara Cortas e Félix.

Se em A Ascenção das Trevas tive uma empatia por quase todos eles, esse sentimento se tornou mutável. Com mudanças de ideias repentinas fica difícil conseguir montar um perfil e entendê-los a fundo. Isso não deveria soar como um ponto negativo e, sim, como um enigma a ser desvendado. Porém, ao que parece, tudo está sendo moldado para render uma trama que abrangerá seis livros, o que poderia ser encerrado com quatro. Alguns diálogos que poderiam ser resumidos e acontecimentos, que certamente não têm muita necessidade, poderiam ser extinguídos.

Não estou desmerecendo a história - longe de mim, já que adoro esse universo criado em Mítica - mas Rhodes poderia tentar enxugar a narrativa. Para elucidar isso de uma maneira simples é só comparar uma novela com uma série. Uma tem uma longa duração com vários núcleos e desenvolvimentos e em contrapartida a outra tem algumas temporadas, de poucos episódios, com um foco certo. A Queda dos Reinos ganha pontos pela narrativa, mas fica difícil entender para onde estamos sendo levados. Há muitas mortes, alá Game Of Thrones, mas elas parecem ser a troco de nada. Muito do que nós imaginamos acaba se perdendo quando, de repente, surge um novo personagem sedento por poder e muda todo o rumo da trama, dando uma nova perspectiva e traindo tudo que podemos esperar.

Maré Congelada foi bom, mas poderia ter sido melhor. É difícil criar empatia com alguma história quando ela começa a se perder e rodar, rodar, rodar... Numa tentativa de escrever uma série longa, acredito que Morgan deixou a desejar nesse livro e acabou revertendo a imagem positiva deixada até então. Posso afirmar que de todas as quatrocentas e poucas páginas, apenas 30% é realmente conteúdo proveitoso e de agrado aos olhos. Os personagens estão cada vez mais voláteis; há um surgimento de novos enigmas e embates. O resultado disso tudo é uma trama que cheia de controvérsias e densa demais, confundindo quem lê. Para quem, assim como eu, é fã da série, só resta esperar o melhor que há de vir pela frente.


Nenhum comentário

Postar um comentário