30 de julho de 2016

Top 10 #2 - Dez Motivos para Ler (e reler) Harry Potter

Dia 31 de Julho é aniversário da nossa querida J.K. Rowling, e essa também é a data do aniversário do bruxinho mais famoso de todos os tempos, Harry Potter. Make a wish, Harry!

E pra não deixar essa data tão especial passar em branco, eu, como fã da série, fiz uma listinha com muito amor e carinho (P.S. pro banner do post, que fofo!) com 10 motivos pra quem ainda não leu (que heresia, gente!), correr pra ler, e quem já leu, correr pra ler de novo e matar a saudade!
1 - Livros x Filmes

Não vou negar... Eu tenho o box com os DVD's e não me canso de assistir, mas sei que muita gente se tornou fã de Harry Potter depois de ter começado a assistir os filmes sem ter lido os livros...

Se você gosta dos filmes e de toda a magia que pode ser vista nas telinhas, ótimo, mas saiba que aquilo não é nem metade da metade do que os livros têm a oferecer. Siiimm, eu sei que uma versão cinematográfica é uma adaptação, e sendo assim não seria possível contarmos com todos os elementos da série, mas justamente por esse motivo, a experiência com o universo de Harry Potter se torna tão incompleta. Espiem alguns exemplos:

Sabia que, antes de Hagrid levar Harry para a casa dos Dursley, os bruxos comemoraram a queda de Você-Sabe-Quem e que o próprio Dumbledore passou por diversas festas até se encontrar com Minerva? A comemoração foi tanta que os bruxos não mantiveram a discrição e até tio Válter percebeu uma movimentação estranha enquanto ia e voltava do trabalho. E Nick-Quase-Sem-Cabeça que faz uma festa fúnebre para comemorar seu aniversário e Harry, Rony e Hermione foram convidados? Sabia que os pontos extras que Hermione ganha para a Grifinória por usar a lógica foi por resolver uma charada que permite Harry beber uma poção e atravessar o fogo para chegar ao salão onde ele encontra a Pedra Filosofal e confronta o Prof. Quirrell?

Ou seja... esses são apenas alguns míseros detalhes entre tantos outros, só do primeiro livro da série (imaginem os outros seis!) que quem não leu não poderia saber ao se basear pelos filmes. E são detalhes que, por mais "dispensáveis" que tenham sido nos filmes (fora os que foram bastante modificados), acabam fazendo uma baita diferença na história, deixando vários pontos em aberto ou até incompreensíveis, e quem leu sabe a falta que faz. Muitos dos personagens, principalmente as mulheres, sofreram mudanças drásticas e outros até fogem de seus contextos se tornando praticamente irreconhecíveis, então, nada melhor do que conferir a história original e ser feliz.

2 - A escrita

Quantos livros são capazes de descrever a poeira flutuando num raio de sol que entra pela janela sem parecer puro floreio? É... pois é.... A escrita de J.K. Rowling é perfeita, e assim como a história que criou, é simplesmente encantadora. Os livros têm uma linguagem muito rica e bastante fácil para crianças (o que pode ser um convite irresistível para que elas comecem a se aventurar pela literatura, caso ainda não tenham começado, além de poderem melhorar o próprio vocabulário), mas sem aquele tom infantil que possa "idiotizar" o texto, o que faz com que a leitura seja indicada para leitores de todas as idades. A escrita é leve, fluida e muito envolvente, com descrições hilárias para as situações mais engraçadas e absurdas que se possa imaginar, mas também sensível, cheia de significado e lições quando a situação é mais delicada ou intensa.

A trama e as subtramas dos incontáveis personagens que J.K. criou não estão alí por acaso, tudo tem uma ligação, um pequeno detalhe que é mencionado no início pode ser a chave pra algo muito maior no final. Harry Potter é uma história complexa, mas contada com bastante simplicidade, e a forma como todos os pontos são amarrados para que tudo se encaixe e faça sentido é algo simplesmente genial.

São sete livros e mais de 3.200 páginas, mas tudo é tão cativante, tão emocinante e envolvente que sequer percebemos o tempo passando durante a leitura. Os detalhes do mundo são tão convincentes que é possível acreditar que tudo aquilo realmente existe (existe, sim!). E ao final só queremos mais!

3 - A temática

Quem pensa que Harry Potter é uma fantasia que só fala de feitiços, magia e crianças envolvidas numa aventura está muito enganado. Harry Potter é muito, muito mais! A fantasia serve mais como ornamento para o enredo permitindo amplas possibilidades nos aspectos imaginativos que outros tipos de ficção não possuem.

Por mais que a fantasia esteja presente, J.K. Rowling conseguiu inserir elementos e características da vida cotidiana na história e nos personagens, sendo possível que os leitores possam se identificar com vários pontos da trama. Família, amizade e amor são temas presentes, são clichês, mas a forma como são trabalhados e mesclados a outros é o que faz toda a diferença e os tornam tão especiais.

Os pais de Harry foram assassinados por um bruxo das trevas, logo essa perda marcou a vida do garoto. Ele cresceu sem referências de família e sem amor algum, pois os tios e o primo nunca o trataram de forma digna. Somente em Hogwarts, a escola para bruxos, ele se encontra, descobre o que é a amizade verdadeira e enfrenta desafios que testam sua capacidade das mais diversas maneiras, fazendo com que ele tenha uma grande percepção sobre valores morais e justiça, além de aprender que não se pode fugir do destino.

Outros temas mais delicados, mas tão importantes quanto, são abordados, como preconceito (muitos bruxos de "sangue-puro" repudiam os nascidos em famílias não bruxas, os chamando de "sangues-ruins"), a depressão (os dementadores são o maior exemplo do que a depressão pode fazer a alguém: eles sugam a felicidade e a vontade de viver deixando a pessoa à míngua), o feminismo (através das várias personagens femininas da série) e muito mais. J.K. ainda evidencia que o mundo mágico não está isento de regras já que há um Ministério que cria leis a fim de controlar práticas relacionadas à magia e manter a harmonia e o bom convívio na sociedade bruxa, mas, obviamente, alguns usam e abusam do poder que possuem pela posição em que se encontram, enquanto outros nem sempre concordam com a ideia de se submeterem a ninguém que julgam "inferiores", logo intrigas políticas, disputas por poder e batalhas sangrentas não ficam de fora do enredo.

5 - O Feminismo em Harry Potter

Embora o protagonista seja um garoto, existem personagens femininas que conseguem mostrar que as mulheres são fortes a sua maneira e podem conquistar espaço sem apelar pra erotização. São várias personagens com qualidades, defeitos e diferenças que as tornam únicas, independente de estarem do lado do bem ou do mal. Esse assunto renderia uma postagem exclusiva, mas falando por alto, é certo que em Harry Potter encontramos personagens que representam mulheres de qualquer índole, mostrando suas qualidades e defeitos de uma forma incrível. Desde a estudiosa que quer ser alguém na vida, a distraída que não liga pra nada, até a psicopata que não mede esforços para atingir seus objetivos.

Hermione é um bom exemplo de alguém que não se deixa intimidar por ninguém. Ela é inteligente, esforçada, luta por causas que só ela acredita e consegue separar a emoção da razão perfeitamente bem. Sem ela, Harry nunca teria chegado onde chegou, coitado.

A figura maternal da série, Molly Weasley, é um exemplo do poder de escolha que a mulher tem. Ela é dona de casa, cuida dos filhos, se dedica ao marido, e vive para a família, mas ela leva essa vida por escolha dela. Isso não a faz inferior a mulheres que tem uma carreira, nem a torna submissa ou frágil, tanto que quando o assunto é seus filhos, ela luta por eles com unhas e dentes e isso faz com que ela seja uma personagem forte e uma grande mulher.

Luna Lovegood é o melhor exemplo de personagem feminista da série (e talvez até mesmo da literatura se ampliarmos a análise), pois ela não se encaixa em padrão algum. Ela é estranha, lê revistas de cabeça pra baixo, acredita em coisas que ninguém nunca ouviu falar, parece não ter o menor senso do ridículo e sabe que as pessoas falam mal dela, mas ela não dá a mínima! Luna não está alí pra agradar ninguém por mais que impliquem com ela. Ela é leal aos amigos, e é isso o que realmente importa.

Com esses poucos exemplos já dá pra perceber como os personagens são bem construídos e que eles tem muito o que ensinar...

6 - Uma visão única sobre bem e mal

O bem e o mal são retratados de uma forma bastante original em Harry Potter. Enquanto o amor e a união são o combustível que move os mocinhos a lutarem contra o mal, Voldemort não sabe o que é amor e quer dominar o mundo bruxo por temer a morte. Tudo gira em torno de uma profecia:
“Aquele com o poder de vencer o Lorde das Trevas se aproxima… nascido dos que o desafiaram três vezes, nascido ao terminar o sétimo mês… e o Lorde das Trevas o marcará como seu igual, mas ele terá um poder que o Lorde das Trevas desconhece… e um dos dois deverá morrer na mão do outro pois nenhum poderá viver enquanto o outro sobreviver… aquele com o poder de vencer o Lorde das Trevas nascerá quando o sétimo mês terminar…”
Voldemort acredita que Harry Potter é o garoto que terá poder o bastante para derrotá-lo de alguma forma, e a ideia de matar o garoto a qualquer custo para impedir sua queda é o que o move durante toda a trama. Mas justamente por não saber o que é o amor, ele desconhece que é isso o que realmente dá força às pessoas para lutarem por seus ideias, por um mundo melhor, para proteger aqueles que os cercam, e não entende como Harry, sendo tão pequeno, não foi destruído em sua tentativa de matá-lo. Harry foi protegido pois sua mãe deu a vida para salvá-lo, e não há poder maior do que esse em todo o mundo.

Logo não se trata de um vilão que quer dominar o mundo só porque ele é malvado e quer o poder pra si sem um propósito plausível. Ele teme que Harry seja o responsável pela sua morte, e para Voldemort, a morte é para os fracos. E por acreditar que ele é o bruxo mais poderoso que já existiu, a fraqueza não poderia ser algo que fizesse parte do seu ser.

7 - As frases de Alvo Dumbledore

Dumbledore é um sábio. Ele tem um gosto peculiar para as coisas, faz piadas malucas e brincadeiras que soam inacreditáveis, mas não há nada que ele fale que seja em vão. Ele tem o dom de escolher as palavras cuidadosamente para que a mensagem permaneça, cause impacto e se torne memorável independente da ocasião. Dumbledore tem estilo, não se pode negar.
“São as nossas escolhas que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades.”
“Para a mente bem estruturada, a morte é apenas uma aventura seguinte.”
“Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de causar grandes sofrimentos e também remedia-los.”
“Amortecer a dor por algum tempo apenas a tornará pior quando você finalmente a sentir.”
“Não vale a pena mergulhar nos sonhos e esquecer de viver.”

8 - Os personagens são consistentes

Existe coisa pior do que ler sobre um personagem que você gosta ou detesta sem saber de onde ele veio, quem é, o que faz, por que, quando, onde, heim? Em Harry Potter todos os personagens com alguma relevância tem suas histórias contadas, sejam eles principais ou secundários, mostrando que o passado interfere no que os personagens se tornaram e o motivo pra serem quem são e como são, e o principal: Eles nunca estão alí por acaso ou só por estar, e todos tem seu momento certo para aparecer protagonizando as próprias cenas e recebendo os devidos méritos por seus feitos (que nunca são insignificantes). Se a história de alguém é contada, não é só pra satisfazer a curiosidade do leitor, mas para que a história seja melhor compreendida, para que as atitudes de um personagem, suas escolhas feitas e os caminhos que seguiram possam ser justificadas de alguma forma.

9 - Harry não é invencível

Sim, Harry é o grande herói da saga e tudo gira em torno do risco que ele representa para os planos tenebrosos do Lorde das Trevas, mas quando ele embarca para Hogwarts e toda a sua história começa, ele tem apenas 11 anos de idade. Como uma criança, por mais que tenha algum dom especial, poderia enfrentar tanto perigos sozinho e sem ajuda de alguém mais forte e mais experiente? Nunca! Ele cresce a medida que a história se desenrola, aprende novos truques e feitiços, ganha aliados sábios e poderosos, adquire um pouco mais de experiência a cada ano que passa, mas ele sempre tem ajuda de alguém e reconhece isso mostrando que é humilde e provando que, independente do que há para se enfrentar, sem ajuda daqueles em que ele confia seria muito improvável conseguir.

10 - Das páginas para a vida

Harry Potter é uma saga que enfatiza muito o poder do amor, e como a falta dele pode ser extremamente prejudicial. Através de Harry e das pessoas que o cercam os leitores podem aprender grandes exemplos do que é a amizade verdadeira e que amigos sempre devem estar juntos; o amor incondicional e sua importância; a coragem que se deve ter para enfrentar obstáculos; a esperança que não deve ser perdida e que antes de desistir é preciso tentar; a bravura para seguir pelo caminho certo, mesmo quando ele parece sombrio e impossível de se trilhar; e assim como acontece na vida, nem sempre as coisas terminam em final feliz. É preciso saber lidar com as perdas e as derrotas quando elas acontecem, e J.K. Rowling explora esse lado com bastante sutileza e sensatez, e o mais importante de tudo é que são as escolhas que fazemos que determinam quem somos na realidade.

Então, leia! Leia, leia, sim! Sinta essa magia, se aventure por um mundo mágico e bonito e se emocione muito! É impossível não virar fã e o sucesso que a saga fez e ainda faz, mesmo depois de anos, é prova absoluta disso tudo! ♥


Nenhum comentário

Postar um comentário