16 de julho de 2016

O Risco - Rachel Van Dyken

Título: O Risco - Aposta #3
Autora: Rachel Van Dyken
Editora: Suma de Letras
Gênero: Romance
Ano: 2015
Páginas: 296
Nota
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Beth nunca fez nada de arriscado. De inconsequente. De divertido. Isso é, até acordar em um quarto de hotel ao lado de Jace, um senador sexy, que ela reencontrou em uma festa de casamento na noite anterior.
O problema é que sua última lembrança da noite é estar na cama, abraçada a uma caixa de biscoitos, chorando copiosamente. E Jace também não se recorda de muito mais. Outro problema? Eles foram fotografados entrando juntos no hotel, e agora a mídia está em polvorosa, especulando quem é a misteriosa acompanhante do senador. Uma amiga? Uma antiga namorada? Uma... prostituta?
O que deveria ser um encontro casual transforma-se em uma aventura de seis dias: a fim de que escapem do assédio dos repórteres, vovó Nadine os envia para um resort no Havaí. Para Beth, são seis dias de conto de fadas junto ao homem por quem é apaixonada desde a adolescência. Para Jace, são seis dias para esquecer as mágoas do passado e aprender que, às vezes, o amor exige atos de coragem.

Resenha: Depois de acompanhar a história dos irmãos Titus, dessa vez vovó Nadine está mais afiada do que nunca e determinadíssima a juntar Jace e Beth. Ele é o senador que devia dar em cima de Char, a irmã de Beth. O segundo livro acabou em uma festa de casamento, esse começa em um quarto de hotel com nossos protagonistas sem roupa e sem memória.
Jace não quer se envolver com ninguém desde que flagrou a ex na cama com seu melhor amigo. Sua carreira na política exige muita dedicação e uma imagem pública ilibada. Essa história pode representar um escândalo e reverter seus índices de aprovação. Mas não é qualquer mulher que estava no quarto com ele. Beth é uma cientista nerd  que vive sozinha com seus gatos depois de se desiludir com o amor. Na verdade, ela nunca esqueceu um tal menino que a beijou no baile de formatura, ainda adolescente. E agora, com 30 anos e virgem, ela sequer lembra como foi a noite com esse menino que virou um homem lindo e atraente.
Nenhum dos dois conseguiu esquecer o outro, mas também não tem coragem de admitir, talvez nem pra si mesmo, por isso vovó Nadine resolveu dar uma ajudinha pro coração mandando os dois pra um spa de casais, com terapia e tudo! Claro que ela envolveu a lua de mel dos outros dois casais e mais algumas chantagens, nada que não possa ser superado.
Beth resolve aproveitar os 6 dias de férias forçadas e fazer tudo que ela nunca se permitiu. Pediu a Jace pra que durante aquele tempo desse a ela um conto de fadas, e ele topou. Em menos de 1 semana, eles terão dias e noites de romance e carinho. Só que nem tudo sai como o planejado, muitos imprevistos acontecem, algumas surpresas aparecem... E no meio disso tudo eles precisam decidir se vale a pena dar uma chance ao amor ou continuar valorizando trabalho e se deixando paralisar pelos próprios medos.

Intercalando a narração de Jace e Beth, encerramos a trilogia com a história mais divertida. Um roteiro digno de filme de sessão da tarde, daqueles em que tudo acontece de errado pro casal não ficar junto, mas já estava escrito que seriam um do outro há muito tempo.
"- O amor sempre exige que a gente corra riscos, e não vou mentir, querida. Você pode falhar. Mas não prefere tentar e saber que falhou do que passar o resto da vida se perguntando o que teria acontecido se tivesse dado uma chance?"
O romance é lento, apesar de a atração ser instantânea. Até tentei entender o receio deles, o medo de se jogar de cabeça e arriscar - romântica do jeito que sou teria me declarado e resolvido a situação em dois tempos; aliás, grande parte dos problemas das histórias se dá porque ambas as partes não têm coragem de assumir os sentimentos. Pois bem, se eu fosse Jace superaria a traição em dois tempos e me permitiria ser feliz de novo, e se fosse Beth não teria medo de arriscar ser feliz, ainda mais com o cara que há anos faz parte dos sonhos.
Mas não sou tão insensível a ponto de dizer que é injustificável o medo deles. Cada um sabe a dor que sente e até onde o braço alcança. Talvez todo o processo tenha sido necessário pra desatar os nós com o passado e construir a ponte em direção ao outro.

Beth mexeu muito comigo pela falta de confiança em si mesma. Ela tinha uma autoestima baixíssima, principalmente por causa de um babaca do ensino médio e de outros idiotas que passaram por sua vida. Infelizmente muitas mulheres ainda atrelam sua imagem ao desejo de um homem. Nisso eu consegui entendê-la e senti sua angústia aqui dentro.
Vovó Nadine é tão protagonista quanto o casal. Nos outros ela foi fundamental, mas aqui ela aparece toda hora, inclusive com pedaços de depoimentos à polícia em cada início de capítulo. São peças de um quebra-cabeça que nós recebemos e tentamos montar aos poucos. Enquanto o desenho não se forma, vamos acompanhando o romance e nos divertindo com as loucuras de uma velha faz-tudo que não tem filtro.

Comparado aos primeiros livros, esse é bem leve em termos de sexo. O casal demora a engrenar, então quando finalmente acontece já é quase o fim. Mas nem por isso deixa de ser bom, envolvente, gostoso de ler. A participação excêntrica da vovó compensa! Eu dava gargalhadas demoradas, daquelas de atrair a atenção da galera que estava ao redor e acordar o marido na cama de noite.

Marquei um mooooonte de quotes, gente! Engraçados, românticos, tocantes... E teve um que não precisaria nem vir pra resenha, mas achei bacana a mensagem que a autora inseriu e a maneira simples como foi passada, no meio da cena, no pensamento do homem. Deveria ser uma fala fofa, ele pensando algo legal sobre a menina, de certa maneira a elogiando mentalmente. Mas mesmo na "boa intenção", se corrige, dá o alerta e segue o texto. Foi simples, mas bem colocado.
"As garotas não coram com esse tipo de coisa. A maioria delas não dá a mínima. Que tipo de homem não seguraria a mão dela? Que tipo de homem não tentaria sufocá-la de tanto romance?
Escolhi mal as palavras. Ninguém deveria sufocar outra pessoa com nada, mas enfim."
Chorando porque uma das melhores séries de romance acabou. Rachel Van Dyken me conquistou no primeiro, me arrebatou no segundo e garantiu seu lugar na lista de autores preferidos no terceiro. O epílogo me deixou saciada, mas se me falassem que tinha continuação, spin-off ou qualquer outra coisa relacionada à trilogia eu ficaria super feliz. E acho digno um livro só da juventude da vovó Nadine e sua participação na Guerra Fria.

Rachel Van Dyken tem vários outros livros publicados, com avaliações no Goodreads ainda melhores do que a série A Aposta. Se já gostei dessa, imagina se não vou amar as outras? Torcendo pra que a Suma traga mais obras logo! Se você ainda não leu não perde mais tempo. Vem morrer de rir com as loucuras da vovó Nadine e se apaixonar por Jake, Travis e Jace.


Nenhum comentário

Postar um comentário