27 de maio de 2016

Play - Kylie Scott

Título: Play - Stage Dive #2
Autora: Kylie Scott
Editora: Universo dos Livros
Gênero: New Adult
Ano: 2015
Páginas: 320
Nota:
Onde Comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Ele precisava de uma namorada de mentira. Ela precisava de ajuda financeira. Mas será que eles vão conseguir não misturar os sentimentos com os negócios? Mal Ericson, o baterista da mundialmente famosa banda de rock Stage Dive, precisa melhorar sua imagem, e rápido. Ter uma boa garota ao seu lado parece ser o suficiente. Mal não planejara que este artifício temporário se tornasse permanente; no entanto, ele não esperava encontrar o amor de sua vida. Anne Rollins jamais pensou que conheceria o rockstar que inundava as paredes de seu quarto na adolescência - especialmente não naquelas circunstâncias. Anne está com problemas financeiros, e dos grandes. Porém, ser paga para ser a namorada de mentira de um selvagem e festeiro baterista não poderia terminar bem, não importa se ele é muito gostoso. Será que um final feliz é possível nesse caso?

Resenha: Play é o segundo volume da série Stage Dive escrita pela autora Kylie Scott e publicado no Brasil pela Universo dos Livros.

Em Lick, primeiro volume da série, a história gira em torno de Evelyn e David, que se casam por impulso após uma noite de curtição em Las Vegas, ela uma jovem com a vida regrada e ele guitarrista e compositor da banda Stage Dive.
Play se passa no mesmo universo e, embora faça parte da série, traz a história de personagens diferentes mas que têm alguma ligação com os anteriores, como é o caso do protagonista Malcolm Ericson, ou Mal, baterista da Stage Dive e que já desperta a simpatia dos leitores quando é apresentado em Lick.
Por esse motivo, a resenha está livre de spoilers já que as histórias são independentes.

Um dia, ao chegar em casa, Anne se depara com a sala vazia e percebe que sua amiga com quem dividia o apartamento foi embora. Skye não ajudava nas despesas há alguns meses e lhe devia dinheiro e a forma que encontrou para fugir disso foi se mandar deixando a amiga ferrada. Sem ter condições de bancar o aluguel sozinha por estar quebrada, Anne só sabe que precisa dar um jeito, mas ainda não sabe como...
Enquanto Anne está desorientada com a situação, Lauren, sua vizinha, a convida para uma festa que iria rolar na casa de Ev e David (Ev morava no mesmo prédio que elas antes de se envolver com David, então elas eram conhecidas) para espairecer a cabeça e se divertir um pouco, e mesmo que um pouco relutante, Anne aceita o convite. Não é todo dia que ela tem a oportunidade de ir a uma festa de ricos e famosos e conhecer o guitarrista da Stage Dive. Não que ele fosse seu favorito... Por mais que ela tenha ficado empolgada em conhecer David, no fundo seu favorito era o baterista, Mal. Mas no fundo seu coração batia por Reece, por quem Anne é apaixonada mas que dela só queria amizade pra poder ficar disponível pras outras mulheres.
Durante a festa Anne conhece Mal, mas o encontro não é tão legal assim. Ele sempre foi impulsivo, brincalhão, sem papas na língua e quase sempre inconveniente, mas os caras da banda têm achado que ele está bem distante e começaram a se preocupar. Após uma briga, David expulsa Mal de sua casa e sabendo da situação de Anne, ele invade sua casa e lhe propõe um acordo: Ele pagaria o aluguel atrasado e mobiliaria o apartamento, desde que Anne fosse sua namorada fictícia, com intenção de que isso melhorasse sua imagem diante dos outros.
Mas, ambos guardam segredos, e isso parece que não vai acabar nada bem, principalmente por que agora que Anne está "namorando", Reece resolveu que gosta dela...

Antes de mais nada acho válido ressaltar sobre a incrível habilidade da autora para escrever. Assim como foi em Lick, percebemos que a autora foi fiel ao estilo, se aprofundando na medida certa e regando a história com toques bem humorados e cheios de sensualidade para que haja ritmo e fluidez. Enquanto lia, fiquei com aquela sensação gostosa de que as coisas se encaixam muito bem, logo temos personagens com problemas reais que nos fazem refletir e até repensarmos nossas próprias atitudes. E pela forma de narrar os acontecimentos, independente do conteúdo ou dos estereótipos que os personagens possuem, há uma facilidade muito grande em nos envolvermos e sentirmos que fazemos parte da história. Acredito que a autora poderia fazer com que o tema mais inútil e desinteressante se tornasse agradável de ler lido, e podemos ver isso através de seus livros, que embora não sejam originais no que diz respeito ao enredo, são empolgantes a ponto de ficarmos vidrados, sem vontade de largar o livro enquanto não se chega ao fim, e quando acabamos, a vontade é de ter mais e mais. São poucos os autores que me mantém interessada e presa à história devido a forma com que escrevem, e Kylie Scott se tornou uma dessas autoras, e por isso, se tornou também uma das minhas autoras favoritas.

O livro é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista de Anne e vamos acompanhando seus pensamentos, sentimentos e suas emoções. Ela sempre teve muita responsabilidade sobre si mesma e as pessoas ainda se aproveitavam de sua boa vontade, mas as coisas vão mudando quando ela se envolve com Mal. Mesmo que o tema seja clichê, a escrita da autora continua uma delícia e por ser tão fácil e fluida nos envolvemos rapidinho com a história. Os diálogos são bem dinâmicos e a maioria deles muito engraçados. Mal fala o que pensa e o próprio jeito maluco dele de ser é cômico pois ele sempre está metido em alguma loucura ou falando alguma bobagem, mas no fundo ele é mais do que uma figura sarcástica e Anne enxerga isso por trás dessa fachada que ele tem.
Através desse namoro de mentira, mesmo que eles sejam o oposto um do outro, eles vão se envolvendo e trabalhando juntos na farsa e cultivando uma amizade que se torna verdadeira, até que sentimentos maiores, mais reais e mais intensos começam a surgir através da mais pura tensão sexual que é desencadeada dalí.
Anne e Mal foram personagens ótimos, que conseguem ser interessantes e divertidos, principalmente porque Anne passou a conhecê-lo como é de verdade em vez de vê-lo somente como um baterista famoso que sempre é o centro das atenções e é desejado por todas. E Mal percebeu como os outros sempre davam um jeito de tirar proveito de Anne e a ajudou a impor limites para que sua auto-estima fosse reconstruída.

A capa do livro é um arraso, né? Nem preciso comentar muito a respeito... A diagramação é simples, as páginas são amarelas, a fonte tem tamanho agradável e não lembro de ter encontrado erros na revisão... Só fiquei me questionando por que motivos a tradução para o apelido carinhoso que Mal dá a Anne, "Pumpkin", foi transformado em "Moranguinho". Ok, concordo que "Abóbora" seria uma marmota, mas acho que dava pra adaptar pra algo mais legal e menos cafona.

No mais, Play traz uma história rápida e despretensiosa, muito doce, romântica e sexy que com certeza vai mexer com nossas emoções. Os personagens são marcados e nem sempre podem ter seus problemas totalmente resolvidos, mas ainda assim deixa um sorriso no rosto e aquece nossos corações.

Nenhum comentário

Postar um comentário