26 de maio de 2016

Chega de Açúcar - Sarah Wilson

Título: Chega de Açúcar
Autora: Sarah Wilson
Editora: Sextante
Gênero: Autoajuda/Alimentação/Saúde
Ano: 2016
Páginas: 214
Nota:
Compre: Saraiva | Submarino | Americanas | FNAC
Sinopse: Publicado pela primeira vez na Austrália, Chega de açúcar foi um fenômeno de vendas e alcançou grande sucesso também nos Estados Unidos e na Inglaterra.
Sarah Wilson sempre achou que sua alimentação era relativamente saudável – até saber a quantidade de açúcar escondido na comida e quanto isso afetava a sua vida. Quando ela se deu conta de que o consumo de açúcar poderia estar associado a oscilações de humor, ganho de peso, problemas de sono e doenças relacionadas à tireoide, decidiu acabar com isso de vez.
O que começou como uma experiência logo se tornou uma missão: alertar sobre os perigos da substância e oferecer alternativas saudáveis e saborosas. Neste livro, a autora conta o que fez para conseguir se livrar da dependência, compartilhando ferramentas, truques e dicas inspiradoras.
Em Chega de Açúcar, você vai encontrar:

• Um programa de oito semanas para desintoxicar
• Ideias para substituir o açúcar sem comprometer a saúde
• Técnicas para superar o desejo por doce
• 108 receitas de pratos saudáveis, petiscos saborosos e doces guloseimas elaboradas pela autora e por seus colaboradores, incluindo a atriz Gwyneth Paltrow

Mesmo que você ainda não se sinta pronto para abandonar de vez o açúcar, este livro pode ajudá-lo a reduzir o consumo e até alcançar mudanças positivas para o seu bem-estar.

Resenha: A australiana Sarah Wilson acreditava que sua alimentação era saudável até descobrir o quão prejudicial é o açúcar contido na comida. O açúcar não está associado somente ao ganho de peso e a dificuldade de emagrecer, mas também a outros problemas de saúde que acabam interferindo em nossas vidas e, a ideia dela foi explicar através de textos simples como nosso corpo é afetado por ele.
Então, o livro apresenta um programa de 8 semanas em que, de forma gradual, vamos nos libertando do que faz tanto mal. A tarefa não é fácil já que o açúcar funciona em nosso corpo como uma verdadeira droga e inclusive a falta dele causa abstinência, mas Sarah conta o que fez para conseguir ficar livre e compartilha suas próprias experiências para ajudar os outros que também querem tentar se livrar de uma vez por todas, além de ensinar técnicas e compartilhar receitas para que as mudanças possam ser alcançadas.

Não é segredo que adoro doce, não vivo sem chocolate e confesso que a ideia de ficar sem açúcar me deixa deprimida (mesmo que eu esteja uns kilos acima do meu peso ideal), mas sabendo como ele faz mal logo fui pensando que não seria má ideia pelo menos ter maiores informações sobre o assunto e como uma dieta em que ele está totalmente fora funciona.
Só de pegar o livro nas mãos ficamos inspiradas, pois o capricho da Sextante com ele é algo admirável e de encher os olhos. O livro mais parece uma revista, o papel é brilhante e grosso e é totalmente colorido, cheio de fotos, ilustrações e tipografias que deixam a leitura dinâmica e divertida.
Sarah mostra que o açúcar está presente em quase tudo o que comemos, inclusive nas frutas, e por isso é tão difícil nos livrarmos dele, mas só pela ideia de levarmos uma vida mais saudável, nem que seja reduzindo-o do nosso cardápio, já é um enorme passo para uma alimentação e uma vida melhor. O que ela põe no livro é sua própria experiência, o que dá certo e o que não dá, e o que ela espera é que suas dicas realmente ajudem os leitores a se sentirem bem, de corpo e alma, tanto que o açúcar não é cortado de uma só vez, mas de forma gradual para que o corpo vá se adaptando ao nosso processo pelo qual está passando. Começamos diminuindo o consumo de carboidratos e até cortamos o consumo de frutas por completo (pelo menos nas 8 primeiras semanas do programa), pois a frutose que está contida nas frutas é responsável por nos fazer comer mais já que o organismo não reconhece esta substância como algo que satisfaz o corpo e ainda se transforma em gordura fazendo com que nosso sistema hormonal fique todo bagunçado e ganhemos peso. É por isso que conseguimos comer ou beber coisas doces sem ficarmos saciados e sem a sensação de estarmos cheios. Quanto mais açúcar você come, mais açúcar sente vontade de comer. Um exemplo simples que ela dá pra explicar isso é que conseguimos beber um copão de refrigerante, mas não conseguimos beber um copão de iogurte sem adição de açúcar sem ficarmos empanturrados, o que é verdade... Logo é mais interessante - e saudável - substituir o açúcar por gordura animal, inclusive bacon, pois a gordura sacia, e o açúcar não. E claro, tudo é bem explicado para que ninguém fique pensando que não existe emagrecer comendo gordura.


Antes de começarmos com o programa, ela deixa algumas informações sobre as receitas que sugere, falando que são receitas simples para o dia-a-dia e com poucos ingredientes, mas foi exatamente nos ingredientes que o livro parece ter me feito acreditar que seria impossível continuar com o programa, pois são itens que podem ser encontrados muito facilmente nos EUA, na Europa ou na Austrália onde ela mora, mas no Brasil, a maioria são coisas praticamente impossíveis de se achar, alguns ingredientes eu não faço ideia do que sejam, como queijo haloumi, feijão azuki e afins... E mesmo que eu encontre, nem que seja os mais fáceis como óleo de coco, nozes ou cream cheese, o preço é tão alto que é algo totalmente fora de cogitação arriscar fazer numa crise terrível dessas... Então, a partir disso, acabei considerando que o programa foi feito ou pra quem mora no exterior e tem facilidade para encontrar os produtos (com preços acessíveis inclusive), ou pra quem é rico pra ter condições de arcar com alimentos tão caros e difíceis de se encontrar, pois lojas especializadas em comidas árabes, asiáticas, mexicanas e afins não existem em qualquer esquina, convenhamos...
Muitos ingredientes podem ser feitos em casa e Sarah ensina como fazer, mas fiquei pensando que numa casa com crianças, por exemplo, seria impossível fazer cream cheese a partir de iogurte deixando ele coando num pedaço de pano em algum canto da casa sem que aquilo não vire "alvo" de alguma mãozinha curiosa, ou manteiga de coco usando um liquidificador de última geração pra dar conta de bater aquilo por uma hora sem que a casa cheire a borracha queimada, e sem contar os molhos que devem ficar no fogo por horas e horas e horas e mais horas a fio.


Então, por mais bonitos e gostosos que os pratos aparentam ser, e por mais que a ideia de ficar livre do açúcar não seja algo impossível, seguindo as dicas dela, pelo menos no Brasil, não é coisa pra "gente como a gente". Talvez em São Paulo o acesso (não o preço) seja mais fácil por ser uma grande metrópole, mas o resto, não sei não... Eu sinceramente gostaria que as receitas fossem adaptadas para a nossa realidade para que o processo fosse mais acessível a todos que realmente queiram seguir essas dicas. Se não encontrei o ingrediente x ou ele custa os olhos da minha cara, o que posso usar no lugar sem que eu tenha que viajar ou gastar todas as minhas economias pra conseguir? 1kg de nozes é fácil de achar, mas custa quase cem reais. Mas eu poderia usar amendoim no lugar? Não sei! Não me foi dada essa alternativa...
Então, pelas informações e explicações que ela dá, nem que tenham servido a título de curiosidade para me fazer diminuir o açúcar, o livro serviu muitíssimo bem e recomendo a leitura, pois por ele agora sei como os doces afetam o organismo. Mas se for pra seguir o programa, com os ingredientes exatos que são indicados, pelo menos por agora, é algo um pouco distante e impossível pra mim, e acredito que inacessível pra muita gente também...


Um comentário

  1. Putz! Eu tô na dieta paleolítica e não pode comer nem açucar e nem carboidrato. Estava super interessada em adquirir esse livro, pra ver se conseguia uma receitas novas...porque confesso que tá dificil viu?! Mas mediante a sua descrição...acho que não vai ser de muita ajuda. Talvez seja melhor ver um livro sobre a dieta paleolítica mesmo e prono.

    ResponderExcluir