18 de setembro de 2015

Starling - Lesley Livingston

Título: Starling - Starling #1
Autora: Lesley Livingston
Editora: Jangada
Gênero: YA/Fantasia
Ano: 2014
Páginas: 288
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Mason Starling é campeã de esgrima da equipe da Academia Gosforth, mas nunca teve de lutar por sua vida. Não até a noite em que uma violenta tempestade sobrenatural assola Manhattan, aprisionando Mason e seus colegas de equipe dentro da escola. Mason é atacada por criaturas horrendas, com forma vagamente humana, mais aterrorizantes que os trovões e raios, enquanto a tormenta traz para a vida dela um perigoso desconhecido: um jovem que não se recorda de nada além de seu nome - Fennrys, o Lobo. A chegada desse garoto misterioso faz em pedaços o mundo de Mason, ao mesmo tempo que uma atração inegável surge entre eles. Juntos, eles tentam desvendar os segredos da identidade de Fenn, enquanto forças estranhas e sobrenaturais se adensam à volta deles. Quando descobrem que a família de Mason, com sua obscura ligação com antigos deuses nórdicos, é a chave de todo o mistério, Fennrys e Mason subitamente se veem diante de um futuro catastrófico: o Ragnarök - ou o fim do mundo, como o conhecemos.

Resenha: Starling é o primeiro volume da trilogia homônima escrita pela autora Lesley Livingston e publicado no Brasil pelo selo Jangada do Grupo Pensamento.
Mason Starling, ou Mase, é uma jovem vinda de uma família rica e poderosa, mas a riqueza da família nunca foi algo com que ela se importasse. Sua paixão é o esgrima, ela é campeã da equipe da Academia Gosforth e sua maior vontade era entrar na equipe nacional. Durante um treinamento rotineiro, uma tempestade anormal e assombrosa atingiu Manhattan e todos ficaram trancados na academia, mas o que eles não imaginavam era que essa tempestade seria responsável por trazer criaturas sobrenaturais e horrendas que atacariam Mase e o grupo. Criaturas que claramente não pareciam pertencer a este mundo. A vida de Mason, Calum, Rory, Heather e Toby nunca mais seria a mesma após a confusão que se seguiu. A tormenta não trouxe apenas criaturas terríveis: Fennrys veio do nada e ajudou o grupo a se defender das criaturas. Durante o ataque, Calum foi ferido e Fenn usa magia para curá-lo, mas não sabe como conseguiu fazer tal feito. Resta ao grupo tentar desvendar quem é esse misterioso rapaz pois ele não se lembra quem é, de onde veio e porque sabe de coisas que quase ninguém sabe. Uma coisa é certa: atração entre Mason e Fenn é evidente e recíproca. Mas essa atração que eles têm um pelo outro não é nada se comparado ao que vem por aí... A família Starling não representa somente status e fortuna na sociedade... Uma antiga e terrível profecia sobre o Ragnarök foi feita e a família está diretamente envolvida. Nem tudo o que Mase acreditou até agora pode ser mesmo verdade, e nem todas as pessoas que ela acredita conhecer é quem ela pensa ser... O fim do mundo se aproxima e resta a Mase e Fenn fazerem de tudo para impedir essa catástrofe.

Antes de mais nada, por mais que a sinopse não revele, o subtítulo "O Despertar dos Filhos de Odin" já demonstra de forma bastante clara que o leitor irá se deparar com uma fantasia urbana cuja mitologia nórdica, grega e até a egípcia são elementos que se fazem presentes.
A narrativa é feita em terceira pessoa e podemos ter uma visão dos acontecimentos a partir do que acontece com cada personagem envolvido na trama. Claro que os secundários são mais esporádicos e senti falta de um aprofundamento maior, mas se tratando do primeiro livro, gosto de pensar que é algo introdutório e que os demais livros trarão mais informações.
Ainda que o enredo e o envolvimento dos personagens sugira um triângulo amoroso, Starling é um livro onde o tema central não é movido pelo romance, e isso me agrada bastante pois, sempre que a história se passa num cenário onde há risco de mortes e fim do mundo, me pego pensando se a situação é favorável o bastante para que os personagens descubram, fiquem de namorinho ou vivam um grande amor. Não acho que o romance possa ser definido como um triângulo porque mesmo que Mason tenha uma quedinha por Calum, fica difícil compartilhar um interesse quando alguém lindo, misterioso e habilidoso aparece fazendo qualquer coisa por você...
A atração de Mason e Fenn é algo real, é fato que o interesse amoroso exista e é algo recíproco, mas não me pareceu muito convincente que, às vezes, Mason suspeitasse da verdadeira índole de Fenn, sem saber se ele realmente era confiável ou se representava algum risco, mas ainda assim ficar sozinha com ele em vários momentos ou se comportasse como se ele fosse seu único e verdadeiro amor.
Fenn é aquele personagem forte e corajoso, tem seus medos e inseguranças, está tentando se lembrar de sua história ao mesmo tempo em que corre contra a profecia, e ainda se preocupa em proteger Mase ou simplesmente lhe fazer sorrir. Chega a ser fofo.
Gostei da construção de Mase em partes, pois ainda que ela tenha crescido sem saber desse mundo cheio de criaturas que ela desconhecia, ela não se comporta como a mocinha indefesa que espera que os homens partam pra salvar o mundo enquanto as mulheres se escondem em casa. Ela é inteligente e costuma usar a lógica nessas questões de conflito extremo, e em vez de se esconder quando as coisas ficam feias, ela é corajosa o bastante para colocar suas habilidades em prática. Mas é uma pena que o relacionamento com Fenn, pelo menos se for baseado em algumas impressões que ela tem dele, tenha sido algo um pouco contraditório pra mim. Eu pelo menos jamais ficaria sozinha ou acreditaria que um cara misterioso de quem não sei nada e ainda desconfio que possa ser um perigo pra mim é minha alma gêmea... Mesmo que esse cara tenha toda uma pose de protetor macho e feroz...
Os demais personagens tem as devidas importâncias. Alguns vão irritar, outros vão despertar nossa simpatia quando menos esperamos e o conjunto de todos eles de forma geral foi satisfatório no contexto da história.
A profecia é bem construída e bastante apavorante e Mase parece não ter a menor noção do real perigo em que está se metendo... Pelo menos não ainda...
Enfim... O desenvolvimento da trama é um pouco enrolado e confuso, e algumas vezes repetitivo, e, devido aos interesses dos personagens diante do legado do deus Odin, não é possível saber o lado que cada um está. Ficamos sempre na dúvida sobre as suas intenções e objetivos, então ainda há bastante coisa pra se explorar e desenvolver...
Os momentos de lutas, assim como aqueles em que os personagens descobrem alguma coisa importante, foram ótimos, pois os conflitos vão sendo apresentados aos poucos (talvez a amnésia de Fenn tenha sido bastante conveniente nesse ponto, claro) e amarrados de acordo com o que vai acontecendo mas as cenas que trazem romance não são as melhores e pra mim foram bem monótonas. O problema maior é ter expectativas com relação a ação se nos basearmos no ataque inicial que já é apresentado logo no início do livro. Há reviravoltas, há ação, há surpresas e revelações inacreditáveis, mas fiquei com a sensação de que as coisas iam esfriando a medida que a história se desenrolava.

Com relação a parte impressa, a capa é bem chamativa e bonita mesmo que não tenha detalhes que a destaque, como relevo ou verniz. A diagramação é simples, os capítulos são numerados com números romanos e iniciados com letra capitular, as páginas são amarelas e não percebi erros na revisão.

Em suma, Starling tem uma ótima premissa e a ideia de uma história sobrenatural baseada em mitologia é incrível e bastante atraente para quem gosta de fantasia. En garde!



Um comentário

  1. Essa capa me deixa louca para comprar, mas confesso que estou com receio de livros do gênero. Preferi deixar um pouco de lado para que não ficasse cansada te tantos livros, mas espero realmente gostar desse livro. Parabéns pela resenha.
    http://miiheomundoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir