26 de setembro de 2015

Persépolis - Marjane Satrapi

Título: Persépolis
Autora: Marjane Satrapi
Editora: Companhia das Letras
Gênero: HQ/Biografia
Ano: 2007
Páginas: 352
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita - apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa. Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares. Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama - e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.

Resenha: Aqui no LC venho tentando sair da minha zona de conforto, e com Persépolis não foi diferente. Não costumo ler biografia, não entendo muito de HQ, costumo não me interessar por assuntos políticos... Mas depois de ler algumas resenhas positivas sobre esse livro, a curiosidade bateu e ficou.
Confesso que minha primeira impressão foi totalmente desconstruída. Quando vi a capa, sem ler a sinopse, juro que enxerguei algo como uma Batgirl. shame on me Mas o conteúdo se revelou algo muito mais profundo.
Uma mulher, já formada, politicamente engajada, visita o seu passado e nos mostra como é viver a infância no Irã, se mudar na adolescência para a Europa e retornar para o país de origem já como adulta. Tratar de choque cultural, repressão e liberdade seria bem mais complicado se ela não soubesse incluir o humor com maestria em sua narrativa.


Contar a história em forma de quadrinhos foi uma ótima estratégia para nos aproximar da realidade de Marjane. O que inicialmente era algo tão complexo e forte foi abordado com leveza, levantando reflexões sobre política, identidade, família, cultura, religião. Foi totalmente diferente de quando vejo notícias pela internet ou televisão, imagens tão distantes que parecem ser apenas ficção ou algo do tipo “é longe demais pra me afetar”. Fui absorvida pelo choque de realidade, um tapa na minha cara.
Creio que se a autora optasse por narrar sua história como texto corrido, muitos leitores que pensam como eu - um certo "preconceito" com biografias - sequer teriam se interessado na leitura, mas a proposta lúdica atraiu, distraiu e conquistou.

Não sou referência pra falar de HQ, mas gostei das ilustrações. São todas em preto e branco, com traços simples, mas significativos. O livro é grossinho, mas dá pra ser lido bem rápido não só por ser em quadrinhos, mas porque envolve o leitor.
Se você é daqueles que prefere a telona, que tal conferir a adaptação? O longa de animação é de 2007 e, assim como o livro, é todo em preto e branco. Chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Animação (perdeu pra Ratatouille), então já sabe que é legal.
Valeu muito a pena ter saído da caixinha e me arriscado nesse livro. Leitura recomendada pra qualquer tipo de leitor pela mensagem linda de igualdade e coragem que traz.

Nenhum comentário

Postar um comentário