21 de setembro de 2015

O Primeiro Marido - Laura Dave

Título: O Primeiro Marido
Autora: Laura Dave
Editora: Bertrand
Gênero: Romance/Chick lit
Ano: 2015
Páginas: 308
Nota
Onde comprar: Saraiva | Submarino | Americanas
Sinopse: Annie Adams acredita ter tudo. Ela atravessa o mundo escrevendo sua coluna de viagens e acredita que seu relacionamento de cinco anos com o cineasta Nick é perfeito... Até ele resolver deixá-la. Pouco depois, Annie conhece Griffin, um charmoso e atencioso chef de cozinha, diferente de Nick em quase todos os sentidos. Ela rapidamente se casa com ele e os dois se mudam para uma pequena cidade rural no Massachusetts.
Uma vez lá, no entanto, ela percebe o quão pouco conhece Griffin e acaba se perguntando se o relacionamento é pra valer ou se o casamento às pressas foi pura e simplesmente um equívoco. Quando Nick retorna, pedindo uma segunda chance, Annie fica dividida entre o marido e o homem com quem tivera a intenção de casar-se e é forçada a escolher entre um deles.

Resenha: O Primeiro Marido, escrito pela autora laura Dave e publicado no Brasil pela Bertrand conta a história de Annie Adams, uma jornalista de trinta e dois anos que escreve a coluna "Fechando a Conta", onde ela fala sobre viagens em geral dando várias dicas aos leitores, e que, por isso, trabalha viajando pelo mundo. Seu emprego é uma maravilha e sua vida é invejável. Ela tem uma superstição baseada no filme "A Princesa e o Plebeu" e acredita que sempre que assiste ao dito filme, nem que seja parte dele, alguma tragédia lhe acontece. Seus pais já se separaram, ela já perdeu um emprego, já perdeu móveis num incêndio e tudo isso acontece sempre depois que ela assiste ao filme.
Ela namora Nick há cinco anos e tudo parece estar perfeito... Até que ela assiste o bendito filme e na manhã seguinte Nick, que na noite anterior havia lhe feito juras eternas de amor, decide terminar o namoro por causa de outra pessoa...
Coincidência ou não, Annie fica arrasada pois não esperava ser trocada dessa forma. O momento é tão difícil que sua alternativa é recorrer a Jordan, sua melhor amiga, e também irmã de Nick...
Depois de esfriar a cabeça, ela decide sair e conhece Griffin, um chef de cozinha super charmoso e bastante atencioso que é o completo oposto de Nick. Eles engatam num romance rápido e sério, e, ainda que mal se conheçam por tudo ser muito recente, acabam se casando!
Ao se mudarem para uma cidadezinha do interior, onde Annie não conhece nada nem ninguém, vários problemas começam a acontecer deixando sua vida de pernas pro ar e ela fica entre a cruz e a espada, principalmente porque Nick retorna e resolve pedir uma nova chance.
Agora Annie deve escolher entre Nick, seu antigo amor com quem planejava construir uma vida, e Griffin, seu marido que ela mal conhece e que a faz pensar se o casamento as pressas não passou de um grande erro.
"Quando tudo se torna confuso, difícil e complicado, a verdade é a primeira a ser sacrificada, não é mesmo? Todos tentam ocultá-la, modifica-la ou consertá-la. Como se consertar os fatos pudesse tornar a situação menos confusa, difícil e complicada, não piorá-la."
- Pag. 9
O livro é narrado em primeira pessoa, pelo ponto de vista de Annie, então ficamos limitados ao que se passa em sua cabeça, quais são os seus sentimentos e sua forma de percepção das coisas.
Com toques bem humorados, cheio de cenas de confusão total em que a protagonista de mete e com bastante ironia, a história, ainda que não seja tão original assim, cumpre com o papel de entreter.
Em diversos momentos me peguei torcendo por Annie fazer as melhores escolhas para que ela pudesse sair da furada em que se meteu, usando tudo o que viveu como exemplo para não se deixar levar para uma situação em que fosse se ferrar. Gosto quando há um personagem por quem eu deseje tudo de bom, e Annie foi exatamente alguém que eu queria que de desse bem por achar que ela não merecia passar por poucas e boas apenas por uma decisão impensada e sem segundas intenções.
O livro é curto e de leitura rápida. A escrita da autora é bastante fácil mas alguns trechos da história parecem ter sido construídos às pressas e faltou um pouco mais de explicações ou até diálogos que pudessem facilitar o desenrolar das coisas.

Uma coisa que não me agradou muito foi o fato do que posso chamar de "submissão" de Annie, pois ao se casar ela abre mão de tudo o que havia conquistado quando resolve apostar no desconhecido, e ainda que, às vezes, seja bom dar um passo assim na vida para mudá-la radicalmente quando as coisas não vão tão bem como queremos, não acredito que tais escolhas devam ser feitas de forma tão impensada assim, afinal, um casamento não é uma brincadeira de casinha e temos que, no mínimo, conhecer bem a pessoa que escolhemos para dividir a vida, dessa forma não somos pegas de surpresa quando o passado, por ironia do destino, resolve bater a nossa porta...
Livros que tratam de relacionamentos, principalmente os conturbados, na maioria das vezes fazem com que as leitoras se identifiquem com a protagonista e seus problemas, e essa sensação "familiar" acaba tornando a história bastante real aos olhos de quem lê, e acho que este livro é um exemplo ótimo disso.

Falando da parte gráfica, a capa é simples mas com detalhes que a deixam a coisa mais linda. A claquete, que faz referência aos filmes, tem tudo a ver com a história e os corações ao fundo possuem aplicação em verniz fazendo com que fiquem brilhantes, tendo destaque sobre a capa fosca. O título é em alto-relevo e também de destaca sobre o objeto. As páginas são amarelas e a diagramação é simples. A fonte é grande e o espaçamento entre as linhas e das margens externas também são  muito bons.

Esse é o tipo de livro em que é possível absorver a ideia de que devemos sempre investir em quem somos, sem pensar em mudar nosso jeito ou abrir mão dos nossos sonhos em prol de alguém, refletindo sobre as coisas que queremos só por acreditarmos ser algo bom, mesmo que não seja... Assim, acho que O Primeiro Marido é um livro que mostra que erros e acertos fazem parte da vida e que só podemos ter certeza do que queremos e se aquilo tudo vale a pena se partimos para a descoberta através da própria experiência... Pode ser que dê tudo errado, mas... e se der certo?

Nenhum comentário

Postar um comentário