18 de outubro de 2014

Flavia de Luce e o Teatro das Marionetes - Alan Bradley

Lido em: Dezembro de 2011
Título: Flavia de Luce e o Teatro das Marionetes - As Crônicas de Flavia de Luce #2
Autor: Alan Bradley
Editora: Benvirá
Gênero: Mistério/Policial
Ano: 2011
Páginas: 328
Nota:
Sinopse: João parecia estar olhando para cima quando, com um ruído retumbante, o gigante despencou do céu e esborrachou-se no chão. Por alguns momentos o monstro ficou se contraindo espasmodicamente de modo horrível, um fio de sangue cor de rubi escorrendo do canto da boca, a cabeça pavorosa e os ombros enchendo o palco de fagulhas, enquanto fumaça e pequenas chamas erguiam-se em anéis inclementes do cabelo e do cavanhaque ardentes. Mas os olhos sem vida que olhavam sem ver para os meus não eram aqueles do gigante articulado Galligantus. Eram os olhos vidrados e moribundos de Rupert Porson. E então todas as luzes se apagaram.

Resenha: Flavia de Luce e o Teatro das Marionetes é o segundo volume da série Flavia de Luce, escrita pelo autor Alan Bradley e lançada pela Benvirá (selo editorial da Saraiva) no Brasil. As histórias são bastante independentes. Cada livro aborda uma nova situação a ser investigada e não precisa ser obrigatoriamente lido na ordem de lançamento, apesar de recomendar que sejam para que o universo criado pelo autor se torne mais familiar ao leitor. Então, esta resenha está livre de spoilers.
No primeiro livro, Flavia de Luce e o Mistério da Torta, a garota, de 11 anos e amante de química, tenta provar a inocência do pai para livrá-lo de uma acusação de assassinato seguindo pistas de forma muito inteligente, ao mesmo tempo em que se vinga das irmãs que não a deixam em paz usando todo seu conhecimento.

Rupert Porson é um fabricante de marionetes e apresentador bem sucedido e muito famoso na Inglaterra com sua companhia de teatro chamada Marionetes Porson, e junto de Nialla, sua assistente, ele acaba indo parar em Bishop's Lacey. Mesmo que sua chegada tenha sido bem sorrateira, eles ficam presos na cidade com o carro quebrado, e o vigário sugere que seja feita uma de suas esplêndidas apresentações. Enquanto Flavia é incumbida de ser um tipo de guia turístico para os dois, ela começa a formar teorias sobre um possível relacionamento amoroso que possa existir entre eles, ao mesmo tempo que tenta descobrir porque Rubert foi parar alí. E claro, começa a desconfiar que algo está errado, mesmo que tudo parece bem. Um segredo pairava no ar...
Durante a última apresentação de teatro com a peça João e o pé de feijão, no lugar do gigante, quem aparece é Rupert, eletrocutado e morto. A polícia pede para que Flavia não interfira, outra vez, mas a garota já estava envolvida e pronta para desbancar e ainda ensinar o inspetor Hewitt a fazer seu trabalho. Eis que, mais uma vez, ela entra em cena com toda sua perspicácia e inteligencia, e "esbarra" em mais um caso, e dessa vez rodeado de segredos e tramas bastante sombrias.

A história se passa nos anos 50 e a narrativa rebuscada remete à época, e meu único ponto em desfavor do livro, assim como mencionei na resenha do livro anterior, é exatamente esse floreio. Por questão de gosto pessoal, prefiro quando o texto é mais leve e fácil, pois sinto que flui melhor e me deixa mais envolvida com a história. A escrita do autor é bastante rica no que diz respeito a detalhes, cenários e quando menciona personalidades importantes do meio cultural e utiliza várias referências históricas. Penso que se a história já é boa escrita dessa forma, se fosse mais fácil seria uma das minhas leituras favoritas, de todos os tempos.
Diferente do primeiro livro, neste segundo a morte não acontece logo nos primeiros capítulos e é preciso prestar atenção nas pistas desde o começo. Dessa forma, Flavia precisa recapitular tudo o que aconteceu antes e que pode ser considerado suspeito. Suas observações são geniais, seu raciocínio lógico é fora do comum e a garotinha realmente surpreende, assim como as reviravoltas presentes na trama.
Neste volume, apesar de continuar sendo uma menina bastante fria, Flavia é apresentada com mais sensibilidade, pois se encontra constantemente sendo perseguida pelas irmãs mais velhas e sente bastante falta de Harriet, sua mãe falecida. Mas em companhia de sua bicicleta Gladys, ela consegue se vingar das irmãs da "melhor" forma conhecida por ela, e ainda investigar o mistério que envolve a morte de Rupert.

Não se engane pela capa fofa e colorida. Acredito que o livro deveria ser voltado ao público jovem, mas pelo estilo de narrativa, os adultos vão aproveitar muito mais, mesmo que Flavia seja uma pré adolescente.
Se você gosta de romances policiais ricos em detalhes, repleto de mistérios e surpresas, que adentra o fascinante mundo da química, recheado de referências históricas e literárias e ainda traz uma protagonista única, sarcástica e muito cativante, leia!


4 comentários