17 de outubro de 2014

Diário de uma Treinadora de Pais - Jenny Smith

Lido em: Outubro de 2014
Título: Diário de uma Treinadora de Pais
Autora: Jenny Smith
Editora: Galera Record
Gênero: Infanto juvenil
Ano: 2014
Páginas: 288
Nota
Sinopse: Katie Sutton é uma treinadora de pais extraordinária. Após anos de experiência, está convencida de que domina a arte de entender e corretamente manejar o seu adulto – no caso, a sua mãe. Tão grandes os seus dotes, que decidiu escrever tudo em um manual, um diário disfarçado de livro de cálculos matemáticos avançados. Mas agora algumas situações inusitadas podem aparecer, e mudar os modos de operação de sua mãe para sempre. Tudo isso devido a um pequeno problema, que tem um péssimo senso de moda e é metido a ecologicamente correto. Depois de tantos anos órfã de pai, parece que as coisas podem dar uma guinada... que bom que Katie é expert em adultos!

Resenha: Diário de uma Treinadora de Pais, escrito pela autora Jenny Smith e lançado pelo selo Galera Júnior (voltado ao público infantojuvenil), conta a história de Katie, a exímia e maior autoridade sobre comportamento adulto de toda a atualidade, segundo ela.
Katie tem 13 anos, está entrando na adolescência e acredita que entende tudo sobre adultos, tanto que criou um manual cheio de explicações e instruções sobre cada adulto que uma criança possui, ou melhor, seus pais. As orientações de como "operar" seu adulto e como ele pode ser tão inconstante, incluindo informações acerca de fatores que podem colaborar para que o desempenho deles seja aperfeiçoado estão todas lá, anotadas.
Katie mora com a mãe e com os irmãos, Mandy e Jack em Brindleton, uma cidadezinha de Oxford. O pai morreu há algum tempo e ela já estava acostumada com essa rotina... Até que sua mãe arruma um namorado bastante inconveniente (pra Katie) e passa a "operar" num outro modo. Stuart, com aquela gravata amarela ridícula e seu jeitão "nice guy" simplesmente não pode fazer parte da família. Cabe a Katie dar um jeito nesse pequeno problema técnico que está interferindo em sua casa e influenciando sua mãe a agir de forma diferente, aplicando todos os conhecimentos que possui, afinal, ela entende tudo de adultos e tal comportamento não é aceitável!

Pelo livro ser em forma de diário, já esperava que a narrativa fosse feita em primeira pessoa e a leitura foi bastante divertida. Achei a ideia de Katie disfarçar seu manual de livro de matemática genial, pois dessa forma ninguém se interessaria por ele a ponto de bisbilhotar enquanto ela o preenche. A narrativa é bastante fácil, envolvente, cheia de dinamismo e a autora escreve super bem.
A capa do livro é linda, em tons vintage, fofa e com detalhes em verniz. As páginas amareladas e diagramação diferenciada para algumas notas que Katie toma foram bastante adequadas, pois dá a sensação de uma interatividade maior com a leitura.
A medida que a história flui, é possível perceber que o livro vai se tornando um diário onde Katie começa a despejar seus anseios e pensamentos e o torna bastante pessoal com seu toque bem humorado. Só que Katie, às vezes, não parece ter a idade que tem... Ora é madura demais, já que entende tudo sobre adultos e tem uma percepção bastante "avançada" sobre eles, ora é infantil demais pelos pensamentos e algumas atitudes impulsivas. Digo isso porque eu tenho uma filha de 12 anos e não imagino ela, nessa idade, mantendo um manual do tipo já que seus interesses nessa fase são outros (e os meus também eram), e acredito que a da grande maioria das meninas nessa idade também. Então não achei a idade tão adequada se levarmos esse fator em consideração. Talvez poderia ser algo para Jack, de 8 anos. Não é algo que prejudique a leitura nem o enredo, e muito menos o divertimento proporcionado, mas foi um ponto desfavorável pra mim, por falta de identificação mesmo. Achei muito bacana o relacionamento dela com os irmãos e como seus papéis acrescentaram na trama uma ligação familiar bastante interessante e intensa, ainda mais quando eles se juntam, afinal, são 3 irmãos que ainda superam a morte do pai e que agora estão lidando com um possível padrasto. O pai morreu, mas a mãe, obviamente, tem que seguir com a vida e buscar ser feliz...
É uma leitura divertida mas que deve ser encarada como algo bastante despretensioso e com intuito de divertir mesmo, sem muita complexidade ou profundidade, mesmo que tenha algumas mensagens bacanas sobre esse tipo de relacionamento em família, autoconhecimento, e até mesmo pelo público a que se destina. Acredito que sirva como uma leitura que, mesmo não sendo muito original no que diz respeito ao enredo, é algo que consegue entreter e agradar bastante e indico para todas as idades, desde que o leitor consiga adentrar esse universo e ver a situação pelos olhos de uma pré adolescente que se diz especialista em adultos.



3 comentários

  1. Oi Flávia, tudo bem?

    Minha mãe acabou de ler sua resenha comigo e disse que quer esse livro imediatamente, Vou comprar na Saraiva agora (hehehe). Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oii, gostei da história mas parece um pouco clichê, vou pesquisar mais sobre.
    Beijinhosss
    estantedorefugio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. tipo eu quero ler esse livro sabe, já to sabendo q nossa não é nada maravilhoso que vai me fazer ficar apaixonada, mas o título me deixou mega curiosa assim q eu vi sabe flá.
    e pelo q vc falou acho q vou curtir a leitura.

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir